Início Dicionário B Batismo

Batismo: Dicionário Bíblico e versículos na Bíblia

28 min de leitura

Rito cristão que simboliza a purificação do pecado e a identificação com Jesus. A aspersão, a imersão e a efusão são as três modalidades do batismo com água praticado hoje pelos cristãos.

Conheça também outros tipos de batismo:

Batismo – Dicionário Bíblico de Smith

Batismo.

É bem conhecido que a ablução ou banho era comum na maioria das nações antigas como preparação para orações e sacrifícios ou como expiatório do pecado. Em países quentes essa conexão é provavelmente ainda mais estreita do que em climas frios; e daí a frequência de ablução nos ritos religiosos por todo o Oriente.

O batismo em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo é o rito ou ordenança pelo qual as pessoas são admitidas na Igreja de Cristo. É a profissão pública de fé e discipulado. O batismo significa

  1. Uma confissão de fé em Cristo;

  2. Uma limpeza ou lavagem da alma do pecado;

  3. Uma morte para o pecado e uma nova vida em retidão. O modo e os sujeitos do batismo sendo assuntos muito controversos, cada um pode estudá-los melhor nas obras dedicadas a essas questões. O comando para batizar era coextensivo com o comando para pregar o evangelho.

    Todas as nações deveriam ser evangelizadas; e elas deveriam ser feitas discípulas, admitidas na comunhão da religião de Cristo, pelo batismo. (Mateus 28.19) Aparenta ter sido uma espécie de transição do batismo judaico para o cristão.

    A distinção entre o batismo de João e o batismo cristão aparece no caso de Apolo, (Atos 18.26 Atos 18.27) e dos discípulos em Éfeso mencionados (Atos 19.1-6) Não podemos deixar de tirar dessa história a inferência de que no batismo cristão havia um significado espiritual mais profundo.

Smith, William, Dr. “Entrada para ‘Batismo’”. “Dicionário Bíblico de Smith”. 1901.

Batismo, batizar: Dicionário Bíblico e versículos na Bíblia

Mergulhar. João não introduziu costume algum novo quando batizava os seus discípulos no rio Jordão, pois que, entre os judeus, a imersão de todo o corpo, em água corrente, sendo possível, era um meio de limpar toda a cerimonial impureza (Isaías 1.16).

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Quanto ao batismo de Jesus, *veja Mateus 3.13 a 17, e referências. Além das cerimoniosas lavagens do corpo, havia, também, entre os judeus, o hábito de batizar os convertidos ao Judaísmo. Portanto, quando viram João a batizar, não ficaram surpreendidos com o ato do batismo, mas com o fato de ele batizar.

Isto mesmo se depreende da pergunta que lhe fizeram: ‘Então por que batizas, se não és o Cristo, nem Elias, nem o profeta?’ (João 1.25). Eles não perguntaram: ‘Que novo rito é este?’ mas: ‘por que o administras tu?’ o batismo de prosélitos era, para os judeus, coisa natural, visto como consideravam impuros e imundos todos os gentios.

Na devida administração do batismo cristão a lavagem tornou-se o sinal da purificação da alma. Quando um gentio se convertia ao Judaísmo, era necessariamente batizado, porque toda a sua vida anterior tinha sido ritualmente impura.

O batismo cristão era sinal de purificação moral, ao passo que o de João Batista era intermediário entre o ato cerimonial dos judeus e o emblemático e espiritual dos apóstolos. Mas quanto ao cerimonial necessário no ato judaico ou no ato cristão, a imersão não era essencial – não é provável que Oséias 3.000 convertidos no dia de Pentecoste fossem imersos, ainda que certamente o eram os discípulos de João Batista.

O batismo de João achava-se mais ligado às lavagens do cerimonial mosaico do que ao rito cristão. Ele próprio não pertencia ao número dos profetas, nem fez parte do colégio dos apóstolos. E, por essa razão, aqueles a quem João ou os seus discípulos batizaram eram outra vez batizados, quando se convertiam ao Cristianismo (Atos 19.1 a 5).

O batismo cristão acha-se de um modo especial em conexão com o dom do Espírito Santo (Mateus 28.19), e com o perdão dos pecados (Marcos 16.16). As pessoas próprias para serem batizadas estão indicadas em Atos 2.41.

Em Atos 8.16 – Atos 22.16 se mostra em nome de quem se devia efetuar o ato batismal – e em Romanos 6.3,4 se diz que os crentes em Cristo são ‘sepultados com Ele na morte pelo batismo’.

Batismo, cristão – Dicionário Bíblico de Easton

Batismo, cristão

uma ordenança imediatamente instituída por Cristo (Mateus 28.19 Mateus 28.20), e destinada a ser observada na igreja, como a da Ceia, “até que ele venha.” As palavras “batizar” e “batismo” são simplesmente palavras gregas transferidas para o inglês.

Isso foi necessariamente feito pelos tradutores das Escrituras, pois nenhuma tradução literal poderia expressar adequadamente tudo o que está implícito nelas.

O modo de batismo de forma alguma pode ser determinado pela palavra grega traduzida como “batizar”. Os batistas dizem que significa “mergulhar”, e nada mais. Essa é uma visão incorreta do significado da palavra.

Significa tanto (1) mergulhar algo em um elemento ou líquido, quanto (2) colocar um elemento ou líquido sobre ou nele. Portanto, nada sobre o modo de batismo pode ser concluído com base apenas na palavra usada.

A palavra tem uma ampla latitude de significado, não apenas no Novo Testamento, mas também na versão LXX do Antigo Testamento, onde é usada para as abluções e batismos exigidos pela lei mosaica. Estes eram efetuados por imersão, e por afusão e aspersão; e a mesma palavra, “lavagens” (Hebreus 9.10 Hebreus 9.13 Hebreus 9.19 Hebreus 9.21) ou “batismos”, designa todos eles.

No Novo Testamento, não se pode encontrar um único exemplo bem autenticado da ocorrência da palavra onde ela necessariamente signifique imersão. Além disso, nenhum dos casos de batismo registrados nos Atos dos Apóstolos (2:38-4 – 19 Hebreus 8.26-39Hebreus 9.17 Hebreus 9.1 – 17 Hebreus 22.12-16 – 17 Hebreus 10.44-48 – 17 Hebreus 16.32-34) favorece a ideia de que era por imersão a pessoa batizada, enquanto em alguns deles tal modo era altamente improvável.

O evangelho e suas ordenanças são destinados ao mundo inteiro, e não se pode supor que uma forma para a administração do batismo tenha sido prescrita que em qualquer lugar (como em um país tropical ou em regiões polares) ou sob quaisquer circunstâncias seja inaplicável ou prejudicial ou impossível.

Batismo e a Ceia do Senhor são as duas ordenanças simbólicas do Novo Testamento. A Ceia representa a obra de Cristo, e o Batismo a obra do Espírito. Assim como na Ceia uma pequena quantidade de pão e vinho usada nesta ordenança exibe em símbolo a grande obra de Cristo, assim no Batismo a obra do Espírito Santo é plenamente vista na água derramada ou aspergida sobre a pessoa em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

O que é essencial no batismo é apenas “lavar com água”, nenhum modo sendo especificado e nenhum sendo necessário ou essencial ao simbolismo da ordenança.

Os apóstolos de nosso Senhor foram batizados com o Espírito Santo (Mateus 3.11) por ele vir sobre eles (Atos 1.8). O fogo com o qual eles foram batizados pousou sobre eles. O evento extraordinário de Pentecostes foi explicado por Pedro como cumprimento da antiga promessa de que o Espírito seria derramado nos últimos dias (2:17).

Ele também usa com a mesma referência a expressão derramado como descritivo do batismo do Espírito (33). No batismo pentecostal “os apóstolos não foram mergulhados no Espírito, nem submersos no Espírito; mas o Espírito foi derramado, despejado, caiu sobre eles (Atos 11.15), veio sobre eles, sentou sobre eles.” Isso foi um verdadeiro e legítimo batismo.

Estamos autorizados a partir de tal linguagem concluir que de maneira semelhante quando a água é derramada, cai, vem sobre ou repousa sobre uma pessoa quando esta ordenança é administrada, essa pessoa é batizada.

O batismo é, portanto, tendo em vista todos esses argumentos “corretamente administrado derramando ou aspergindo água sobre a pessoa.”

Os sujeitos do batismo. Isso levanta questões de maior importância do que aquelas relacionadas ao seu modo.

1. A controvérsia aqui não é sobre o “batismo de crentes”, pois isso é comum a todas as partes. Crentes foram batizados nos tempos apostólicos, e eles têm sido batizados em todo o tempo por todos os ramos da igreja. É totalmente uma deturpação alegar, como às vezes é feito pelos Batistas, que sua doutrina é “batismo de crentes”.

Todo caso de batismo de adulto, ou de “batismo de crentes”, registrado no Novo Testamento (Atos 2.4 – Atos 8.37Atos 9.17 Atos 9.1 – 17 Atos 10.47 – 17 Atos 16.15 – 17 Atos 19.5, etc.) é exatamente tal como seria tratado exatamente da mesma maneira por todas as denominações da Igreja Protestante, uma profissão de fé ou de serem “crentes” seria exigida de cada um deles antes do batismo.

O ponto em disputa não é o batismo dos crentes, mas se os filhos pequenos dos crentes, ou seja, membros da igreja, devem ser batizados.

2. Em apoio à doutrina do batismo infantil, isto é, do batismo dos infantes, ou melhor, das “crianças”, dos pais crentes, as seguintes considerações podem ser aduzidas:

A Igreja de Cristo existe como uma comunidade divinamente organizada. Ela é o “reino de Deus”, um reino histórico sob todas as dispensações. A comunidade de Israel era a “igreja” (Atos 7.38Romanos 9.4) sob a dispensação mosaica.

A igreja do Novo Testamento não é uma nova e diferente igreja, mas uma com a do Antigo Testamento. Os termos de admissão na igreja sempre foram os mesmos, ou seja, uma profissão de fé e uma promessa de sujeição às leis do reino.

Agora é um fato incontestável que as crianças do povo de Deus sob a antiga dispensação eram reconhecidas como membros da igreja. A circuncisão era o sinal e selo de sua membresia. Não era por causa da descendência carnal de Abraão, mas por serem filhos do povo professante de Deus, que este rito era administrado (Romanos 4.11).

Se as crianças eram membros da igreja sob a antiga dispensação, o que indubitavelmente eram, então são membros da igreja agora pelo mesmo direito, a menos que se possa mostrar que foram expressamente excluídas.

Sob o Antigo Testamento, os pais agiam por seus filhos e os representavam. (Gênesis 9 – Gênesis 17.10Êxodo 24.7-8Deuteronômio 29.9-13). Quando os pais entravam em aliança com Deus, traziam seus filhos consigo.

Esta era uma lei na Igreja Hebraica. Quando um prosélito era recebido em membresia, ele não podia entrar sem trazer seus filhos consigo. O Novo Testamento não exclui os filhos dos crentes da igreja. Não os priva de nenhum privilégio que desfrutaram sob o Antigo Testamento.

Não há comando ou declaração de qualquer tipo, que possa ser interpretada como dando qualquer apoio a tal ideia, em qualquer lugar encontrado no Novo Testamento. A membresia da igreja dos infantes nunca foi revogada.

A prática antiga, originalmente nomeada por Deus mesmo, deve permanecer uma lei de seu reino até que seja revogada pela mesma autoridade divina. Há cordeiros no redil do Bom Pastor (João 21.15; Compare Lucas 1.15Mateus 19.141 Coríntios 7.14).

“Em uma companhia de convertidos solicitando admissão na casa de Cristo, é provável que haja alguns chefes de família. Como deve ser tratado o caso deles? Como, por exemplo, Lídia e seu vizinho, o carcereiro da prisão da cidade, devem ser tratados?

Ambos foram convertidos. Ambos são chefes de família. Eles desejam ser recebidos na igreja infantil de Filipos. Qual é a direção de Cristo para eles? Devemos dizer que é a este efeito: ‘Levanta-te, lava os teus pecados e entra na minha casa.

Mas vocês devem entrar sozinhos. Esses bebês em seus braços, vocês devem deixá-los do lado de fora. Eles ainda não podem crer, e então eles não podem entrar. Esses outros pequeninos ao seu lado, seus corações talvez tenham sido tocados com o amor de Deus; ainda assim, eles não são velhos o suficiente para fazer uma profissão pessoal, então eles também devem ser deixados de fora…

Por enquanto vocês devem deixá-los onde estão e entrar sozinhos.’ Pode-se razoavelmente exigir provas muito rigorosas antes de aceitar isso como uma representação justa do tipo de boas-vindas que Cristo oferece aos pais que vêm à sua porta trazendo seus filhos consigo.

Certamente é mais consonante com tudo o que sabemos sobre ele supor que sua boas-vindas serão mais amplas em seu escopo e respirarão um tom mais gracioso. Certamente seria mais como o Bom Pastor dizer, ‘Entrem, e tragam seus pequenos junto com vocês.

O mais jovem precisa da minha salvação; e o mais jovem está acessível à minha salvação. Vocês podem ainda ser incapazes de lidar com eles sobre pecado ou salvação, mas meu poder gracioso pode encontrar caminho em seus corações mesmo agora.

Eu posso lhes conceder perdão e uma nova vida. De Adão eles herdaram pecado e morte; e eu posso uni-los a mim de forma que em mim eles sejam herdeiros de justiça e vida. Vocês podem trazê-los para mim sem receio.

E a lei da minha casa exige que o mesmo dia que testemunha a sua recepção nela pelo batismo deve testemunhar a recepção deles também’” (A Igreja, pelo Professor Binnie, D.D.).

Easton, Matthew George. “Entrada para Batismo, Cristão”. “Dicionário da Bíblia de Easton”.

Batizar – Dicionário King James

Batizar

Para imergir; mergulhar ou tingir algo.

Então Pedro disse a eles, Arrependei-vos, e sejam

BATIZADOScada um de vocês em nome de Jesus Cristo para o perdão dos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo. (Atos 2.38-40)

“Entrada para ‘Batizar’”. Um Dicionário da King James.

Batizar, batismo – Dicionário Evangélico de Teologia Bíblica de Baker

Batizar, batismo

A palavra grega baptizein significa mergulhar, imergir, afundar; daí lavar; ser imerso, sobrecarregado (em problemas). Das regras judaicas de purificação sobre impureza ritual a palavra ganhou uma conotação técnica religiosa implicando “purificação” de tudo que poderia excluir da presença de Deus.

Quando, na diáspora, numerosos gentios buscaram admissão em Israel, o arrependimento público necessário e a aceitação da Lei Mosaica foram acompanhados pela imersão na água, simbolizando e efetuando limpeza religiosa, moral e ritual das contaminações do paganismo.

Discussões judaicas antigas sustentam uma data pré-cristã para esse batismo de prosélitos. É por isso que o batismo de João não precisava de explicação, embora sua autoridade para realizá-lo fosse desafiada e sua exigência de purificação dos “filhos de Abraão” causou grande ofensa (Mateus 3.7-9João 1.19-24).

A prática de João acrescentou ao batismo de prosélito uma ênfase ainda maior no arrependimento, um sólido contexto de ensino moral (Lucas 3.3 Lucas 3.10-14 Lucas 3.33), e iniciação em uma comunidade (“discípulos de João”) preparando-se para a vinda do Messias (Lucas 3.16-17).

O rito ganhou significados ainda mais profundos e maior autoridade pelo exemplo e experiência de Jesus. Por que Jesus, sendo sem pecado, recebeu um “batismo de arrependimento” é debatível. Alguns pensam que Jesus já estava ciente de seu papel como Messias-Servo, “contado com os transgressores” (Isaías 53.12).

Mas Marcos 1.10-11 mostra que a certeza lhe foi finalmente dada, em palavras do Salmo 2:7 e Isaías 42.1, quando ele saiu da água. Desde que Jesus considerou o movimento e a prática de João como “do céu”, identificar-se com isso foi um ato de “justiça” que era “conveniente” cumprir (Mateus 3.15Mateus 21.25).

Com a garantia da filiação de Jesus veio o revestimento do Espírito Santo para sua tarefa. Jesus nunca retornou à vida reclusa de Nazaré, mas foi “impelido” pelo Espírito para o deserto, onde sua filiação foi testada (Mateus 4.3 Mateus 4.6) e sua obra messiânica foi preparada.

Os Evangelhos anteriores não registram que o próprio Jesus batizou. O convite de Pedro no Pentecostes, o registro de Lucas (em Atos) de quinze batismos, e o ensino de Paulo, Pedro e João não deixam dúvidas, no entanto, que os primeiros discípulos acreditavam que o batismo possuía autoridade de Cristo, conforme Mateus declara (28:19-20).

A conta de Lucas do batismo apostólico assume a associação original do rito com arrependimento e remissão (Atos 2.38), com a lavagem do pecado (Atos 22.16), e com admissão à comunidade religiosa. Mas sua ênfase cai nas novas características do batismo.

Embora a era do evangelho date do batismo pregado por João (João 1.22João 10.37), o batismo cristão, conferindo o Espírito Santo, contrasta com o de João (atribuído a João em cada Evangelho, a Jesus em Atos 1.5Atos 11.16).

Isso é enfatizado em 18:25 – Atos 19.1-7, e leva ao rebatismo com água e à imposição de mãos (excepcional), antes que o Espírito seja conferido. Por outro lado, que Cornélio e seus amigos receberam o Espírito se torna a justificativa de Pedro para o batismo subsequente deles (10:47; Lucas 11.17; cf. Lucas 8.14-17).

Ainda não há um padrão formal de iniciação evidente: a ordem varia com as circunstâncias e a preparação. Mas a associação do batismo nas águas com a posse do Espírito deu origem à curiosa frase “batismo no/com Espírito Santo” (Marcos 1.8Atos 1.5).

Em nove instâncias, Lucas representa o batismo como a resposta esperada ao ouvir e receber o evangelho. Em quatro destas, parentes, amigos íntimos ou uma casa ouvem e respondem; em 16:14-15 – Atos 18.8 não é declarado que a casa acreditou.

Essa resposta foi ao evangelho de Jesus, Filho de Deus e Salvador, que foi crucificado, ressuscitou, perdoa pecados, concede o Espírito e virá novamente como Juiz, tudo resumido de forma sucinta mas clara no batismo em ou no nome de Jesus como Cristo, Senhor, Filho de Deus (Lucas 8.37). “No nome” implicava a autoridade de Jesus para o rito; “no nome” (8:1 – Lucas 19.5) indicava passagem para a propriedade de Jesus, como alguém “resgatado”.

Tiago 2.7 sugere uma invocação de Jesus (para estar presente?); em outros lugares, a confissão pública irrevogável de Cristo como Senhor (Romanos 10.9-13Romanos 14.9Filipenses 2.11) marca o compromisso decisivo do batizado com todos os privilégios e obrigações da vida cristã.

Tal confissão batismal tornou-se o germe dos credos posteriores; a formulação trinitária em Mateus 28.18-20 pode muito bem representar um estágio inicial no desenvolvimento credal.

A reflexão sobre a prática da igreja enriqueceu ainda mais o significado teológico e ético do batismo, sem variar suas condições ou abandonar seu significado original.

Assim, Paulo, batizado dentro de três dias de sua conversão dramática, estava evidentemente familiarizado com a necessidade, apesar da hostilidade dos fariseus em relação a ela (João 1.24-25). Ele dá destaque surpreendente entre os essenciais que unem a igreja (Efésios 4.4; a Eucaristia não está incluída).

Ele administrou, ou autorizou, o batismo em toda a sua missão, mas não se gabaria de batizar alguém e ressentia-se de o batismo ser feito um distintivo de partidarismo (1 Coríntios 1.13-17). E ele assume que o batismo é entendido nas igrejas que ele não visitou (Roma, Colossos).

Também Paulo assume o método original de imersão (Romanos 6) e a confissão acompanhante da senhoria de Cristo (Romanos 10.9-13), que em 1 Coríntios 1.12-1 – 1 Coríntios 6.19-20 e Gálatas 3.2 – Gálatas 5.24 claramente implica pertencer a Cristo.

Mas ele adiciona a ideia de ser “selado” com a marca do comprador, como propriedade à espera da coleta (Romanos 8.232 Coríntios 1.22Efésios 4.30). Esta “boa confissão” (1 Timóteo 6.12) feita no batismo responde ao evangelho de Paulo de um Senhor sofredor e ressuscitado, apresentado através da iniciativa graciosa de Deus e oferecido à fé, confiança e obediência.

Paulo insiste que ninguém é salvo por suas próprias boas obras, nem mesmo pela boa obra do batismo, mas apenas pela fé em Cristo (Romanos 3.20Romanos 4.4-5Gálatas 3.2 Gálatas 3.11Efésios 2.8).

Paulo manteve também a interpretação original do batismo como entrada para a comunidade religiosa: “Todos fomos batizados em um corpo” (1 Coríntios 12.13). Alguns pensam que Paulo quer dizer isso pela frase “batizado em Cristo” (Gálatas 3.27).

Eles entendem sua descrição do cristão como “em Cristo” como uma fórmula eclesiológica — o crente é batizado em “todo o Cristo”, do qual o Senhor ressuscitado é a cabeça e a igreja é o corpo. Outros interpretam “em Cristo” como uma relação mais individual e mística.

Sem dúvida, Paulo afirmaria que um verdadeiro batismo introduziria o convertido em ambos os privilégios.

Novamente, Paulo continua a enfatizar a conexão do batismo com o revestimento pelo Espírito. É “pelo Espírito” que o batizado é iniciado na igreja, feito para beber de um Espírito e selado para a redenção final.

Paulo regularmente refere-se à recepção do Espírito do crente em um tempo significando um certo ponto no tempo (“aoristos batismais”), fala do batismo como sendo “lavado no Espírito” (1 Coríntios 6.11) e assim pode assumir que todo batizado “tem” o Espírito (Romanos 8.9).

No entanto, ele não argumenta isso, como ao lembrar o enduement baptismal de Jesus; ele toma a recepção do Espírito no batismo como garantida e a vida sob o domínio do Espírito como a norma da experiência cristã (Romanos 8.2-5).

Mesmo assim, o Espírito dado no batismo é apenas um penhor, um pagamento inicial, garantindo bênçãos futuras imensuráveis (2 Coríntios 1.222 Coríntios 5.5).

Paulo retém também a interpretação mais antiga do batismo como uma lavagem dos pecados, um “banho de renascimento e renovação pelo Espírito Santo”, como Tito 3.5 descreve, uma purificação da igreja-noiva “pelo lavar da água com a Palavra” (1 Coríntios 6.11Efésios 5.26).

A relação exata entre água, Palavra e Espírito nesta experiência de limpeza não é definida; eles são elementos concomitantes em um rito que medeia aos corações penitentes a remissão divina.

A mudança total de atitude e relacionamento implícita pode ser expressa metaforicamente de duas maneiras. A metáfora de despir-se e revestir-se em Colossenses 3.8-14 (e seis paralelos) ecoa a instrução catequética já familiar aos primeiros leitores, e alude diretamente aos arranjos físicos para o “banho” batismal.

A segunda metáfora está relacionada à circuncisão, outro “purificação” exigida dos prosélitos judeus, às vezes explicada como “um despojar da carne”. Paulo assegura aos convertidos gentios em Colossos que eles não precisam da circuncisão judaica, como certos judaizantes estavam insistindo: “Em [Cristo] vocês também foram circuncidados, no despojar da natureza pecaminosa, não com uma circuncisão feita pelas mãos dos homens, mas com a circuncisão feita por Cristo, tendo sido sepultados com ele no batismo” (Colossenses 2.11-12).

Essa é a única referência de Paulo ao batismo realizando o que a circuncisão retratava. Ele se afasta disso imediatamente para descrever a mudança que o batismo significa na linguagem que prefere: “sepultado com ele no batismo e ressuscitado com ele através da fé no poder de Deus.”

Essa concepção da piscina batismal como um túmulo no qual o eu pré-cristão e seus caminhos são enterrados de uma vez por todas e de onde um novo eu surge para uma nova qualidade de vida parece ser própria de Paulo.

Isso remonta a uma das metáforas de Jesus para o arrependimento, auto-crucificação (Marcos 8.34Gálatas 2.2 – Gálatas 6.14), e reconhece no batismo o momento em que o convertido de fato, publicamente, toma sua cruz, morrendo com Cristo para si mesmo, para o pecado e para o mundo, e ressurgindo com ele para uma vida constantemente renovada pelo poder de sua ressurreição (Romanos 6.1-11).

Tal morte e ressurreição com Cristo é implícita ao aceitar o evangelho. Em Romanos, Paulo repudia a sugestão de que, se o homem é justificado somente pela fé, ele pode continuar pecando enquanto continua exercendo fé.

Paulo responde que não se pode consistentemente aceitar a morte de Cristo pelos próprios pecados e agir como se o pecado não importasse. A fé arrependida que agarra a salvação compromete o crente, inescapavelmente, a uma união de fé com Cristo na qual ele ou ela morre com Cristo para o pecado e ressurge com Cristo para uma vida de renúncia ao pecado.

Esse batismo expressa, ilustra e finaliza.

Paulo certamente quer dizer que, dado o arrependimento e a fé, o ato de batismo (que nunca pode ser desfeito) realiza tudo o que representa: compromisso com a posse do Senhor, admissão à igreja, revestimento com o Espírito, remissão e repúdio do pecado.

Mas Paulo é igualmente claro que o que é declarado no batismo deve ser sustentado depois. Os batizados devem obedecer ao seu novo Senhor encontrado, ser leais à igreja que se uniram (Filipenses 2.1-4), andar no Espírito e produzir o fruto do Espírito (Gálatas 5.16-25), considerar-se mortos para o pecado, não deixando o pecado reinar (Romanos 6.11-1 – Romanos 8.5-8Colossenses 3.5-6).

Os batizados se alegrarão muito com o que aconteceu, e manterão sua atitude batismal pelo resto de suas vidas, arrependendo-se profundamente por cada falha em fazê-lo.

Muitos estudiosos estão convencidos de que a base de 1 Pedro foi um sermão aos recém-batizados. Certamente a mensagem é apropriada para este propósito (1 Pedro 1.141 Pedro 1.231 Pedro 2.2-31 Pedro 2.101 Pedro 2.25), com adequada admoestação aos membros existentes e entrantes da igreja (1 Pedro 5.1-5).

Tem muito a dizer sobre o evangelho, fé, novo nascimento, purificação, abandono da carne, o Espírito, admissão à comunidade, reverenciando Cristo como Senhor ecoando muito do pensamento batismal já notado.

A nova contribuição de Pedro (1 Pedro 3:21-22) levanta inúmeras questões. A forte declaração “o batismo que agora vos salva” lembra Marcos 16.16 assim como o “mandamento” de Pedro para batizar (Atos 10.48).

Mas o significado preciso requer cuidado. É como um apelo por uma “consciência limpa,” e através da ressurreição e ascensão triunfante de Cristo acima de todas as “autoridades,” que o batismo alcança esta “salvação”.

A situação dos leitores é delineada em 3:13-1 – Atos 4.1-5, onde novamente “uma consciência limpa” é urgida e explicada. A ameaça de perseguição recorre em 4:12-19, e novamente deve ser enfrentada por um bom comportamento social.

Contra esse pano de fundo, o batismo não é apenas uma lavagem física (como nos círculos judaístas, essênios ou pagãos), mas “o compromisso de uma boa consciência para com Deus” e autoridades civis ameaçadoras, garantindo conduta social inocente.

Isso não garante segurança, como mostra o sofrimento de Cristo (1 Pedro 3.18); os cristãos ainda devem se armar para sofrer injustamente. Mas assim como ele triunfou, eles também podem, em seu poder e proteção.

Essa exortação inesperada não é desprovida de apoio. No Pentecostes, Pedro havia instado seus ouvintes a se salvarem por meio do batismo desta geração perversa. O Batista havia chamado seus ouvintes para um batismo de arrependimento como forma de escapar de um mundo sob julgamento.

Agora Pedro cita Noé e sua minoria lamentável em meio a outra geração má; apenas oito almas salvas pelo dilúvio do julgamento de Deus sobre aquela época pecaminosa. Em tais pensamentos de longo alcance, Pedro estende o significado do batismo para incluir uma promessa de responsabilidade social, e apoio e proteção assegurados, agora, diante dos males que ameaçam os novos convertidos, e vitória final.

Os batizados se alistaram na guerra eterna do bem contra o mal, mas seu Senhor já venceu.

Muito foi feito do “sacramentalismo” de João, por isso é imperativo enfatizar que para ele também, a salvação vem por meio do “crer” (mais de cinquenta vezes em João, 1 João) no Cristo histórico (enfatizado quinze vezes), “enviado” pela iniciativa amorosa de Deus (mais de cinquenta referências) aos escolhidos.

A operação do Espírito no batismo, e a entrada implícita na comunidade cristã, são tão claras em João quanto nas fontes anteriores (João 3.5– – João 17).

Mas João insiste um pouco mais fortemente na necessidade do batismo (João 3 – João 13.8-9), na autorização de Cristo para o batismo (João 3.22João 3.2 – João 4.1-2), e na superioridade do batismo cristão em relação ao de João Batista (João 1.26-33João 3.25-30).

Ao omitir qualquer descrição do batismo de Jesus, João minimiza qualquer batismo “memorial” ou imitativo, a fim de enfatizar que no batismo é a experiência do crente que importa.

Sem um novo nascimento de água e Espírito, ninguém pode ver ou entrar no reino ou alcançar uma natureza espiritual. A cura da cegueira por lavagem por ordem de Cristo (João 9.11) levou a igreja mais tarde a chamar o batismo de “iluminação”.

João 19.34, tão solenemente sublinhado, sugere que um dos propósitos da morte de Cristo foi precisamente fornecer a água sacramental e o sangue pelos quais a experiência cristã seria transmitida e nutrida.

Primeiro João 5.6-12 é o inverso: O testemunho contínuo do Espírito e dos sacramentos na experiência contínua da igreja testemunham (contra as negações gnósticas) que Cristo veio em carne e morreu, para que possamos viver.

Até o momento em que João escreveu, o batismo cristão estava há muito estabelecido e seu significado espiritual e poder plenamente compreendidos. Mas não há tensão entre o sacramentalismo de João e a fé como meio de iniciar a vida cristã.

O sacramento é um sacramento de fé, enraizado na história, e transmitindo o que representa não por magia, mas pela ação divina em corações crentes e receptivos.

Portanto, o batismo cristão preserva a base da aliança do pensamento bíblico: Deus primeiro oferece em graça, os seres humanos então respondem em gratidão, sem merecer nada. No evangelho, Deus oferece através de Cristo perdão, vida, o Espírito: a resposta batismal, santificada por Cristo, expressa fé no Salvador-Senhor que morre e ressuscita, e registra a resolução de morrer para a antiga pecaminosidade e ressurgir para uma nova vida.

Deus não ignora essa aspiração: Ele cumpre para o coração crente todas as promessas do evangelho que está pronto para receber.

R. E. O. White

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Faça um comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários

Artigos Relacionados

Contribua e nos ajude para continuarmos produzindo bons conteúdos sobre a Bíblia.