Início Dicionário B Batismo (visão não imersionista)

Batismo (visão não imersionista) – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

26 min de leitura

Batismo (visão não imersionista)

I. Os Nomes Escriturais Para O Rito

II. Batismo Pré-Cristão

1. Batismo De Prosélitos

2. Batismo De João

3. Batismo Nos Mistérios Pagãos

III. Batismo Cristão

1. A Administração Do Rito

2. O Modo De Usar A Água

(1) Imersão

(2) Afusão

(3) Aspersão

3. Quem Pode Realizar O Batismo

4. Quem Pode Receber O Batismo

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

(1) Batismo De Infantes

(2) Batismo Pelos Mortos

IV. A Fórmula Do Batismo

V. A Doutrina Do Batismo

Conheça também outros tipos de batismo:

A Doutrina Do Batismo Infantil

LITERATURA

O batismo tem sido desde os primeiros tempos o rito iniciatório significando o reconhecimento de entrada ou de presença dentro da igreja cristã. Encontramos a menção mais antiga da cerimônia na Epístola aos Gálatas (Gálatas 3.27), escrita cerca de 20 anos após a morte de Jesus.

Lá e em 1 Coríntios (1 Coríntios 1:1 – Coríntios 12.13) Paulo pressupõe que todos que se tornam cristãos (ele mesmo incluído) devem ser batizados. O rito parece também ter existido entre o discipulado de Jesus antes de Sua morte. É-nos dito (João 4.1,2) que, embora o próprio Jesus não batizasse, Seus discípulos o faziam, e que seus batismos eram mais numerosos do que os de João.

I. Os Nomes Escriturais Para O Rito.

As palavras comumente usadas no Novo Testamento para denotar o rito são o verbo baptizo e os substantivos baptisma e baptismos; mas nenhum é empregado apenas nesse sentido. O verbo é usado para denotar a purificação cerimonial dos judeus antes de comer, ao despejar água nas mãos (Lucas 11.38; Marcos 7.4); para significar os sofrimentos de Cristo (Marcos 10.38,39; Lucas 12.50); e para indicar o sacramento do batismo. É a forma intensiva de baptein, “mergulhar”, e adquire um significado mais amplo.

Os trechos de Lucas 11.38 e Marcos 7.4 mostram conclusivamente que a palavra não significa invariavelmente imergir todo o corpo. Alguns sustentaram que baptismos invariavelmente significa purificação cerimonial, e que baptisma é reservado para o rito cristão; mas a distinção dificilmente pode ser mantida.

O primeiro certamente significa purificação cerimonial em Marcos 7.4, e provavelmente significa o rito de batismo em Hebreus 6.2. Exegetas encontram outros termos aplicados ao batismo cristão. É chamado ‘a Água’ em Atos 10.47:

“Pode alguém recusar ‘a Água,’ para que estes não sejam batizados?”; a camada da água em Efésios 5.26 a versão revisada, margem (onde o batismo é comparado ao banho nupcial tomado pela noiva antes de ser entregue ao noivo); e talvez o lavatório de regeneração em Tito 3.5 a versão revisada, margem (compare 1 Coríntios 6.11), e iluminação em Hebreus 6Hebreus 10.32.

II. Batismo Pré-Cristão.

1. Batismo De Prosélitos:

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Convertidos nos primeiros séculos, se judeus ou gentios, não poderiam ter encontrado este rito iniciatório, no qual expressavam sua fé recém-nascida, completamente desconhecido. A água é o elemento naturalmente usado para limpar o corpo e seu uso simbólico entrou em quase todas as culturas; e em nenhuma mais completamente do que a judaica, cujas lavagens cerimoniais eram proverbiais.

Além dessas, o judeu tinha o que pareceria ao convertido um contraparte do rito cristão no batismo de prosélitos pelo qual os gentios entravam no círculo do judaísmo. Pois os judeus exigiam três coisas de estrangeiros que se declaravam convertidos à Lei de Moisés:

circuncisão, batismo e oferecer sacrifício se fossem homens: os dois últimos se fossem mulheres. É algo singular que nenhum batismo de prosélitos está documentado até cerca do início do século 3; e ainda assim nenhum estudioso competente duvida de sua existência.

Schurer demonstra total desprezo por aqueles que insistem no argumento do silêncio. Sua presença nos permite ver como os judeus aceitaram prontamente o batismo de João e entender o ponto de vista dos objetores que questionavam seu direito de insistir que todos os judeus tinham que ser purificados antes de estarem prontos para o reino messiânico, embora ele não fosse nem o Messias nem um profeta especial (João 1.19-23).

2. Batismo De João:

O batismo de João estava no meio-termo entre o batismo judeu de prosélitos e o batismo cristão. Diferia do primeiro porque era mais do que um símbolo de purificação cerimonial; era um batismo de arrependimento, uma confissão de pecado e da necessidade de limpeza moral, e era um símbolo de perdão e de pureza moral.Todos os homens, judeus que eram cerimonialmente puros e gentios que não eram, tinham que se submeter a este batismo de arrependimento e perdão. Diferia do segundo porque apenas simbolizava a preparação para receber a salvação, o reino de Deus que João anunciava, e não implicava entrada naquele reino em si.Aqueles que o receberam, assim como aqueles que não o fizeram, tiveram que entrar na comunidade cristã pela porta do batismo cristão (Atos 19.3-6). O costume judeu de batizar, seja em suas frequentes lavagens cerimoniais, no batismo de prosélitos ou no batismo de João, tornou o batismo cristão um rito familiar e até esperado para os convertidos judeus no século 1.

Leia também:

3. Batismo Nos Mistérios Pagãos:

O batismo, como rito iniciatório, não era menos familiar aos convertidos gentios que não tinham conhecimento da religião judaica. As lavagens cerimoniais dos sacerdotes pagãos nas religiões têm sido muitas vezes citadas como algo que poderia familiarizar os convertidos gentios com o rito que os introduzia na comunidade cristã, mas não eram iniciações.

Um paralelo mais exato é facilmente encontrado. Muitas vezes esquece-se que nos primeiros séculos, quando o cristianismo lentamente fazia seu caminho no mundo pagão, a piedade pagã havia abandonado as religiões oficiais e refugiado-se nos Mistérios, e que esses Mistérios representavam as religiões pagãs populares da época.

Eram todos cultos privados nos quais homens e mulheres eram recebidos individualmente, e isso por ritos de iniciação pelos quais cada um tinha que passar pessoalmente. Quando admitidos, os convertidos se tornavam membros de coterias, grandes ou pequenas, de pessoas de mente semelhante, que se tornaram iniciadas porque suas almas ansiavam por algo que acreditavam que receberiam através dos ritos do culto.

Essas iniciações eram secretas, zelosamente guardadas do conhecimento de todos os forasteiros; ainda assim, sabe-se o suficiente sobre elas para estarmos certos de que entre elas o batismo ocupava um lugar importante (Apuleius Metamorphoses xi).

O rito era, portanto, tão familiar aos convertidos pagãos quanto aos judeus, e não era um requisito inesperado para o convertido saber que o batismo era a porta de entrada para a igreja de Cristo. Esses batismos pagãos, como o batismo de prosélitos, eram na maior parte simplesmente purificações cerimoniais; pois, embora seja verdade que tanto no culto dos Mistérios quanto além dele uma maneira de purificar após grandes crimes era batizar em água corrente (Eurip. Iph. in Tauri 167) ou no mar, parece que apenas a purificação cerimonial estava em mente.

Nem os ritos cerimoniais envolvendo o uso da água se limitavam ao paganismo dos primeiros séculos. Tal cerimônia denotava a recepção da criança recém-nascida nas famílias pagãs escandinavas. O pai decidia se a criança deveria ser criada ou exposta para perecer.

Se ele resolvesse preservar o bebê, água era derramada sobre ele e um nome era dado a ele.

III. Batismo Cristão.

1. A Administração Do Rito:

Na administração do rito de batismo cristão, três coisas têm que ser observadas:

o ato de batizar; aqueles que estão autorizados a realizá-lo; e os destinatários ou aqueles autorizados a recebê-lo. Um ato completo de batizar envolve três coisas: o que foi chamado de materia sacramenti; o método de seu uso; e a forma sacramenti, a fórmula batismal ou forma de palavras acompanhando o uso da água.

A materia sacramenti é água e por essa razão o batismo é chamado de Sacramento da Água. O manual eclesiástico mais antigo de disciplina que chegou até nós, a Didache, diz que a água a ser preferida é “viva”, isto é, água corrente, água em um riacho ou rio, ou fresca fluindo de uma fonte; “Mas se não tiveres água viva, batiza em outra água; e se não puderes em fria, então em morna” (c. 7).

Nessas direções, as prescrições cerimoniais para o batismo judeu de prosélitos são de perto seguidas. Os cânones anteriores da igreja permitem qualquer tipo de água, doce ou salgada, desde que seja água verdadeira e natural (aqua vera et naturalis).

2. O Modo De Usar A Água:

(1) Imersão.

O uso da água é chamado ablutio. Segundo as regras da maior parte da igreja cristã, a água pode ser usada de três maneiras:

Imersão, onde o destinatário entra corporalmente na água, e onde, durante a ação, a cabeça é mergulhada uma ou três vezes sob a superfície; afusão, onde água era derramada sobre a cabeça do destinatário que ficava de pé, seja na água ou em terra seca; e aspersão onde água era borrifada na cabeça ou no rosto.

Tem sido frequentemente argumentado que a palavra baptizein invariavelmente significa “mergulhar” ou imergir, e que, portanto, o batismo cristão deve ter sido originalmente realizado apenas por imersão, e que as outras duas formas de afusão e aspersão ou borrifo são inválidas–que não pode haver batismo real a menos que o método de imersão seja usado.

Mas a palavra que invariavelmente significa “mergulhar” não é baptizein mas baptein. Baptizein tem um significado mais amplo; e seu uso para denotar a cerimônia judaica de despejar água nas mãos (Lucas 11.38; Marcos 7.4), como já foi dito, prova conclusivamente que é impossível concluir a partir da palavra em si que imersão é o único método válido de realizar o rito.

Pode-se admitir de uma vez que a imersão, onde todo o corpo, incluindo a cabeça, é mergulhado em uma piscina de água pura, dá uma imagem mais vívida da limpeza da alma do pecado; e que o completo envolvimento com água combina melhor com as metáforas de enterro em Romanos 6.4 e Colossenses 2.12, e de estar cercado por nuvem em 1 Coríntios 10.2.

(2) Afusão.

Por outro lado, afusão é certamente uma imagem mais vívida da concessão do Espírito Santo que é igualmente simbolizada no batismo. Não há informações definitivas sobre o modo como o batismo foi administrado nos tempos apostólicos.

Frases como “subindo da água”, “descendo à água” (Marcos 1.10; Atos 8.38) aplicam-se tanto à afusão quanto à imersão. O relato mais antigo do modo de batizar ocorre na Didache (c. 7), onde se diz:

“Agora concernente ao Batismo, assim batizeis: tendo primeiro pronunciado todas essas coisas, batize no nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo, em água viva. Mas se não tiveres água viva, batiza em outra água; e se não puderes em fria, então em morna.

Mas se não tiveres nem uma nem outra, derrama água sobre a cabeça três vezes em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo.” Isso parece dizer que batizar por imersão era a prática recomendada para uso geral, mas que o modo de afusão também era válido e ordenado em ocasiões.

O que aqui é prescrito na Didache parece ter sido a prática geralmente seguida nos primeiros séculos da igreja cristã. A imersão estava em uso comum: mas afusão também era amplamente praticada: e ambas eram consideradas formas usuais e válidas de batizar.

Quando a imersão era usada então a cabeça do destinatário era mergulhada três vezes sob a superfície ao mencionar cada nome da Trindade; quando o modo era por afusão a mesma referência à Trindade era mantida ao derramar água três vezes sobre a cabeça.

Os dois usos que foram reconhecidos e prescritos pelo início do século 2 podem ter sido em uso durante todo o período apostólico embora informações definitivas estejam faltando. Quando lembramos das várias piscinas em Jerusalém, e seu uso para lavagens cerimoniais, não é impossível supor que Oséias 3.000 que foram batizados no dia de Pentecostes possam ter sido imersos, mas, quando as condições de casas palestinas e de prisões orientais são levadas em conta, é difícil conceber que nos batismos de Cornélio e do carcereiro, a cerimônia tenha sido realizada de outra forma senão por afusão. É um fato um tanto curioso que se a evidência de textos escritos, sejam antigos cânones ou escritos dos Pais anteriores, for estudada por si só, a conclusão natural pareceria ser que a imersão era quase universalmente a forma de administrar o rito; mas se o testemunho das representações pictóricas mais antigas for coletado, então devemos inferir que afusão era o método usual e que imersão era excepcional; pois as representações pictóricas, quase sem exceção, mostram o batismo realizado por afusão, isto é, o destinatário é visto de pé na água enquanto o ministro derrama água na cabeça.

Portanto, pode-se inferir que evidência para a prática quase universal de imersão, extraída do fato de que os batismos aconteciam em piscinas de rios (é mais do que provável que quando encontramos nomes de santos locais dados a piscinas em rios, esses lugares eram seus locais favoritos de administrar o rito), ou do grande tamanho de quase todos os batistérios medievais iniciais, não é de forma alguma tão conclusiva quanto muitos supuseram, tais lugares sendo igualmente aplicáveis à afusão.

Também é interessante lembrar que quando a maioria dos Anabatistas do século 16 insistiu no batismo adulto (rebaptismo era o nome deles

(1) Batismo de Infantes. Isso nos leva à questão bastante debatida sobre se os infantes devem ser reconhecidos como legítimos recebedores do batismo cristão. As Escrituras do Novo Testamento não proíbem nem ordenam, em tantas palavras, o batismo de crianças.

A questão é idêntica à mudança do dia santo do sétimo para o primeiro dia da semana. Nenhum comando positivo autoriza o uso universal em relação ao Dia do Senhor Cristão; que a mudança é autorizada deve ser resolvida por uma avaliação das evidências.

Assim é com o caso do batismo infantil. Não é nem ordenado nem proibido em tantas palavras; e a questão não pode ser decidida nessa base. O argumento mais forte contra o batizar de infantes reside no pensamento de que as condições do rito são arrependimento e fé; que estes devem ser exercidos por indivíduos, cada um por si mesmo; e que infantes são incapazes tanto de arrependimento quanto de fé desse tipo.

O argumento parece fraco em sua segunda declaração; é mais dogmático do que histórico; e será referido mais tarde quando a doutrina subjacente ao rito for examinada. Por outro lado, muitas evidências apoiam a visão de que o batismo de infantes, se não ordenado, pelo menos era permitido e praticado dentro da igreja apostólica.

Paulo conecta o batismo com a circuncisão e implica que sob o evangelho o primeiro toma o lugar do último (Colossenses 2.12); e como as crianças eram circuncidadas no 8º dia após o nascimento, segue-se naturalmente que as crianças também deveriam ser batizadas.

No Antigo Testamento, promessas aos pais incluíam seus filhos. Em seu sermão no Dia de Pentecostes, Pedro declara a seus ouvintes que a promessa do evangelho é “para vocês e para seus filhos” e conecta isso com o convite ao batismo (Atos 2.38,39).

Também é notável que crianças compartilhavam no batismo judaico de prosélitos. Então encontramos nos relatos do Novo Testamento que “famílias” foram batizadas–de Lídia (Atos 16.15), do carcereiro em Filipos (Atos 16.32), de Estéfanas (1 Coríntios 1.16).

Nunca é dito que as crianças da família foram isentadas do rito sagrado. Basta lembrar a posição do chefe da família naquele mundo antigo, lembrar como a família era considerada incorporada em seu líder, para ver como o arrependimento e a fé do líder da família eram vistos como incluindo os de todos os membros, não apenas crianças mas servos, para sentir que se as crianças fossem excluídas de compartilhar no rito, a exclusão teria parecido tão incomum que pelo menos teria sido mencionada e explicada.

Nosso Senhor expressamente fez das crianças muito jovens os tipos daqueles que entraram em Seu reino (Marcos 10.14-16); e Paulo une tão bem pais com filhos na fé de Cristo que ele não hesita em chamar os filhos do marido crente ou da esposa “santos”, e implicar que as crianças passaram de um estado de “impureza” para um estado de “santidade” através da fé de um dos pais.

Todas essas coisas parecem apontar para o fato de que o rito que era a porta de entrada para a comunidade visível dos seguidores de Jesus era compartilhado pelos filhos de pais crentes. Além disso, evidências para o batismo de crianças remontam aos primeiros tempos da igreja sub-apostólica.

Irineu foi discípulo de Policarpo, que havia sido discípulo de João, e é difícil tirar outra conclusão de suas declarações além de que ele acreditava que o batismo de infantes havia sido uma prática estabelecida na igreja muito antes de seus dias (Adv. Haer., II – Marcos 22 compare 39).

O testemunho de Tertuliano é especialmente interessante; pois ele mesmo claramente pensa que o batismo de adultos é preferível ao batismo de infantes. Ele deixa claro que o costume de batizar infantes existia em seus dias, e podemos ter certeza, pelo caráter e aprendizado do homem, que se ele pudesse afirmar que o batismo infantil havia sido uma inovação recente e não um uso estabelecido há muito tempo descendo dos tempos apostólicos, ele certamente não teria hesitado em usar o que lhe pareceria um modo muito convincente de lidar com seus oponentes.

O testemunho de Tertuliano vem do final do século 2 ou início do século 3. Orígenes, o escritor cristão mais erudito durante os primeiros três séculos e que vem um pouco depois de Tertuliano, em sua 14ª Homilia em Lucas, atesta o fato de que o batismo de infantes era usual.

Ele argumenta que o pecado original pertence às crianças porque a igreja as batiza. Ao mesmo tempo, é claro a partir de uma variedade de evidências demasiado longas para citar que o batismo de infantes não era uma prática universal na igreja primitiva.

A igreja dos primeiros séculos era uma igreja missionária. Ela retirou um grande número de seus membros do paganismo. Em todas as igrejas missionárias, o batismo de adultos naturalmente ocupará o lugar mais importante e será mais evidente.

Mas está claro que muitos cristãos eram da opinião de Tertuliano e acreditavam que o batismo não deveria ser administrado a crianças, mas deveria ser confinado a adultos. Nem foi essa apenas uma teoria; foi uma prática contínua transmitida de geração em geração em algumas famílias cristãs.

No século 4, poucos líderes cristãos ocuparam um lugar mais importante do que Basílio, o Grande, e seu irmão Gregório de Nissa. Eles pertenciam a uma família que tinha sido cristã por algumas gerações; no entanto, nenhum dos irmãos foi batizado até depois de sua conversão pessoal, que não parece ter ocorrido até que eles tinham atingido os anos da masculinidade.

Toda a evidência parece mostrar que na igreja primitiva, até pelo menos o final do século 4, o batismo infantil e adulto eram questões abertas e que as duas práticas existiam lado a lado sem perturbar a unidade das igrejas.

Na posterior controvérsia pelagiana tornou-se evidente que a teoria e prática do batismo infantil foram capazes de se afirmar e que a ordenança era sempre administrada às crianças de membros da igreja.

(2) Batismo pelos Mortos. Paulo refere-se a um costume de “batizar pelos mortos” (1 Coríntios 15.29). O que esse “batismo vicário” ou “batismo pelos mortos” era é impossível de dizer, mesmo se era praticado dentro da igreja cristã primitiva.

A passagem é muito difícil e gerou um grande número de explicações, que são meros palpites. Paulo nem elogia nem desaprova; ele simplesmente menciona sua existência e usa o fato como um argumento para a ressurreição.

IV. A Fórmula do Batismo. A Fórmula do batismo cristão, no modo que prevaleceu, é dada em Mateus 28.19:

“Eu te batizo em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.” Mas é curioso que as palavras não são dadas em nenhuma descrição do batismo cristão até o tempo de Justino Mártir: e lá elas não são repetidas exatamente, mas em uma forma ligeiramente estendida e explicativa.

Ele diz que os cristãos “recebem a lavagem com água em nome de Deus, o Governante e Pai do universo, e de nosso Salvador, Jesus Cristo, e do Espírito Santo” (1 Apol. – Mateus 61). Em cada relato da execução do rito nos tempos apostólicos, uma fórmula muito mais curta está em uso.

Oséias 3.000 crentes foram batizados no Dia de Pentecostes “em nome de Jesus” (Atos 2.38); e a mesma fórmula foi usada no batismo de Cornélio e dos que estavam com ele (Atos 10.48). De fato, parece ter sido a usual, pela pergunta de Paulo aos Coríntios: “Foram vocês batizados em nome de Paulo?” (1 Coríntios 1.13).

Os samaritanos foram batizados “em nome do Senhor Jesus” (Atos 8.16); e a mesma fórmula (comum em atos de devoção) foi usada no caso dos discípulos em Éfeso. Em alguns casos, é registrado que antes do batismo os convertidos foram convidados a fazer alguma confissão de sua fé, que assumiu a forma de declarar que Jesus era o Senhor ou que Jesus Cristo era o Filho de Deus.

Pode-se inferir de uma frase em 1 Pedro 3.21 que uma interpelação formal foi feita, e que a resposta foi um reconhecimento de que Jesus Cristo era o Senhor. Os estudiosos têm exercido muita engenhosidade em tentar explicar como, com o que parecem ser as próprias palavras de Jesus dadas no Evangelho de Mt, outra fórmula muito mais curta parece ter sido usada em toda a igreja apostólica.

Alguns imaginaram que a fórmula mais curta foi usada no batismo de discípulos durante a vida de nosso Senhor (João 4.1,2), e que os apóstolos, tendo se acostumado a ela, continuaram a usá-la durante suas vidas.

Outros declaram que as frases “em nome de Jesus Cristo” ou “do Senhor Jesus” não pretendem dar a fórmula do batismo, mas simplesmente denotar que o rito era cristão. Outros pensam que a fórmula completa sempre foi usada e que as narrativas no Livro de Atos e nas Epístolas Paulinas são apenas breves resumos do que aconteceu–uma ideia um tanto difícil de acreditar na ausência de qualquer referência única à fórmula mais longa.

Outros, novamente, insistem que o batismo em nome de uma das pessoas da Trindade implica o batismo em nome dos Três. Enquanto outros declaram que Mateus não dá as próprias palavras de Jesus, mas coloca em Sua boca o que era a fórmula comum usada na data e no distrito onde o Primeiro Evangelho foi escrito.

Qualquer que seja a explicação dada, é evidente que a fórmula mais longa se tornou universal ou quase universal na igreja sub-apostólica. Justino Mártir já foi citado. Tertuliano, quase meio século depois, declara expressamente que a “lei do batismo foi imposta e a fórmula prescrita” em Mateus 28.19 (De Bapt. – Mateus 13); e ele acrescenta em seu Adversus Praxean (c. 26): “E não é apenas uma vez, mas três vezes, que somos imersos nas Três Pessoas, em cada menção separada de Seus nomes.” A evidência para mostrar que a fórmula dada por Mateus se tornou o uso estabelecido é esmagadora; mas é mais do que provável que o uso da fórmula mais curta não morreu completamente, ou, se o fez, que foi revivida.

O historiador Sócrates nos informa que alguns dos arianos mais extremos “corromperam” o batismo usando apenas o nome de Cristo na fórmula; enquanto injunções para usar a fórmula mais longa e punições, incluindo deposição, ameaçadas àqueles que presumirem empregar a mais curta que nos encontram em coleções de cânones eclesiásticos (Cânones Apost. – Mateus 43 50), provam que a prática de usar a fórmula mais curta existiu nos séculos 5 – Mateus 6 pelo menos no Oriente.

_V. A Doutrina do Batismo._ Os sacramentos, e o batismo como um deles, são sempre descritos como

(1) sinais representando como em uma imagem ou figura benefícios espirituais (1 Pedro 3.21), e também

(2) como selos ou tokens pessoais e atestados corroborativos de promessas solenes de benefícios espirituais.

Portanto, o sacramento é dito ter duas partes:

“uma parte exterior e sensível, usada de acordo com a nomeação de Cristo; a outra uma graça interior e espiritual assim significada.” Além disso, é sustentado que quando o rito do batismo foi devidamente e devotamente realizado com fé por parte de ambos, doador e receptor, os benefícios espirituais seguem a realização do rito.

A questão, portanto, surge: Quais são as bênçãos espirituais e evangélicas retratadas e solenemente prometidas no batismo? No Novo Testamento, encontramos que o batismo está intimamente relacionado com o seguinte: com remissão de pecados, como em Atos 22.16 (“Levanta-te, e seja batizado, e lava os teus pecados”), e em Hebreus 10.22; com regeneração ou novo nascimento, como em Tito 3.6 e João 3.5 (essa ideia também entrou no batismo de prosélitos e até mesmo no pensamento do batismo nos Mistérios; neófitos foram ensinados que na água eles morriam para a sua velha vida e começavam uma nova (Apuleius Meta. xi)); com enxerto em Cristo, com união com Ele, como em Gálatas 3.27–e união de maneiras definidas, em Sua morte, Seu sepultamento e Sua ressurreição, como em Romanos 6.3-6; com entrar em um novo relacionamento com Deus, o de filiação, como em Gálatas 3.26,27; com a concessão do Espírito Santo, como em 1 Coríntios 12.13; com pertencer à igreja, como em Atos 2.41; com o dom da salvação, como em João 3.5.

A partir dessas e de passagens semelhantes, os teólogos concluem que o batismo é um sinal e selo de nosso enxerto em Cristo e de nossa união com Ele, de remissão de pecados, regeneração, adoção e vida eterna; que a água no batismo representa e significa tanto o sangue de Cristo, que tira todos os nossos pecados, quanto a influência santificadora do Espírito Santo contra o domínio do pecado e a corrupção de nossa natureza humana; e que batizar com água significa a limpeza do pecado pelo sangue e pelo mérito de Cristo, juntamente com a mortificação do pecado e a ressurreição do pecado para a novidade de vida pela virtude da morte e ressurreição de Cristo.

Ou para colocar de forma mais simples:

O batismo ensina que todos aqueles que estão fora de Cristo são impuros por causa do pecado e precisam ser limpos. Significa que assim como a lavagem com água limpa o corpo, assim Deus em Cristo limpa a alma do pecado pelo Espírito Santo e que devemos ver nesta limpeza não apenas o perdão, mas também uma libertação real da alma da poluição e poder do pecado e, portanto, os começos de uma nova vida.

O sacramento também nos mostra que a limpeza só é alcançada através da conexão com a morte de Cristo, e ainda mais que através da nova vida iniciada em nós nos tornamos de uma maneira especial unidos a Cristo e entramos em um novo e filial relacionamento com Deus.

Provavelmente todos os cristãos, reformados e não reformados, concordarão na declaração acima sobre o significado doutrinário no rito do batismo; e também que quando o sacramento é usado corretamente, a graça interior e espiritual prometida está presente junto com os sinais exteriores e visíveis.

Mas romanistas e protestantes diferem sobre o que é entendido pelo uso correto do sacramento. Eles se separam na questão de sua eficácia. Os primeiros entendem pelo uso correto simplesmente a execução correta do rito e a colocação de nenhum obstáculo no caminho do fluxo de eficácia.

Os últimos insistem que não pode h

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Faça um comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários

Artigos Relacionados