Início Dicionário A Agricultura

Agricultura na Bíblia. Significado e Versículos sobre Agricultura

24 min de leitura

A Palestina, à exceção da parte mais meridional, é terra de ribeiros d”águas e de fontes que correm das montanhas e dos vales (Deuteronômio 8.7 a 9). As primeiras chuvas caem em outubro. Não são chuvas contínuas, mas intermitentes, dando isso ocasião a que o lavrador possa semear trigo e cevada.

Continua a chuva a cair por intervalos durante os meses de novembro e dezembro, havendo ainda em março e abril dias chuvosos. Nos restantes meses até outubro, o tempo é seco, vendo-se o céu sem nuvens.

Logo que no mês de outubro o chão é amolecido pelas chuvas, principia a semeadura de trigo, cevada e lentilhas. O arado dos antigos hebreus era, provavelmente, semelhante aos de hoje, constando de uma vara grossa feita de duas peças, às quais se prendia uma travessa onde se atrelava uma junta de bois.

Na outra extremidade era metida uma peça num ângulo obtuso, que terminava por baixo na relha e havia uma grosseira rabiça na parte superior. Os bois eram impelidos por meio de uma vara com aguilhão, a qual era também empregada para quebrar os torrões de terra ou limpar o arado.

A ceifa começa no fim de março ou princípio de abril. A colheita da cevada vem primeiro, sendo a última a do trigo em meados de maio. O tempo da ceifa durava sete semanas. O trigo era segado com uma foice e, reunido em molhos, era levado para a eira, um terreno circular, exposto ao vento, com uns vinte metros de diâmetro.

Aqui era o grão liberto da palha mediante o andar de bois ou jumentos sobre o trigo. Porções de trigo eram também algumas vezes debulhadas por meio de um mangual (Isaías 28.27) – mais freqüentemente, porém, se empregava um instrumento, que constava de uma armação de madeira, com pedras pontiagudas metidas em buracos na parte inferior, posta em contato com o trigo.

Esta armação era puxada por bois, e muitas vezes o agricultor sentava-se em cima para aumentar o peso. Também se usava para a debulha um revestimento de madeira adaptado às rodas de um carro, com certo número de lâminas para cortar o trigo.

Depois, quando soprava levemente o vento, levantava-se com pás de madeira a palha com o grão, caindo este na eira e levada aquela pelo ar fora. O trigo ainda era limpo das pedras e impurezas agitado numa joeira (Amós 9.9).

A palha mais comprida servia de alimento para os bois (Isaías 11.7), não tendo valor a restante. A colheita era armazenada em lugares subterrâneos (Jeremias 41.8). Em troca de ouro e prata e artigos de luxo, abastecia a Palestina, com o conteúdo dos seus armazéns, os mercados de Tiro e Sidom, onde se reuniam também as mercadorias de todas as nações desde a Espanha à india.

Nas minuciosas descrições de Ezequiel sobre a grandeza de Tiro, ele menciona o trigo entre os diversos artigos, que a Fenícia importava de Judá no seu tempo, o sexto século antes de Cristo. Mais de seis séculos depois vemos que é ainda Canaã que fornece trigo à Fenícia, pois uma missão especial veio, cerca do ano 44 d.

C., ao rei Herodes Agripa, da parte de Tiro e Sidom, pedindo paz, porque o seu país era sustentado pelas terras do rei (Atos 12.20).

Agricultura – Dicionário Bíblico de Easton

Agricultura

Arar a terra (Gênesis 2.15; Gênesis 4.2 Gênesis 4.3 Gênesis 4.12) e criar gado eram as principais ocupações nos tempos antigos. Os egípcios se destacavam na agricultura. E depois que os israelitas entraram na posse da Terra Prometida, suas circunstâncias favoreceram no mais alto grau um notável desenvolvimento desta arte.

A agricultura tornou-se de fato a base da comunidade mosaica.

O ano na Palestina era dividido em seis períodos agrícolas:

I. TEMPO DE SEMEADURA. Tisri, segunda metade (começando por volta do equinócio de outono). Marchesvan. Kisleu, primeira metade. Chuva precoce devida = primeiras chuvas de outono.

II. TEMPO IMATURO. Kisleu, segunda metade. Tebet. Sebat, primeira metade.

III. ESTAÇÃO FRIO. Sebat, segunda metade. Adar. [Veadar.] Nisan, primeira metade. Chuva tardia devida (Deuteronômio 11.14; Jeremias 5.24; Oséias 6.3; Zacarias 10.1; Tiago 5.7; João 29.23).

IV. TEMPO DE COLHEITA. Nisan, segunda metade. (Começando por volta do equinócio vernal. Cevada verde. Páscoa.) Ijar. Sivan, primeira metade., Trigo maduro. Pentecostes.

V. VERÃO (ausência total de chuva) Sivan, segunda metade. Tammuz. Ab, primeira metade.

VI. ESTAÇÃO CALOROSA Ab, segunda metade. Elul. Tisri, primeira metade., Recolhimento dos frutos.

Os seis meses do meio de Tisri ao meio de Nisan eram ocupados com o trabalho de cultivo, e o resto do ano principalmente com a coleta dos frutos. O sistema extensivo e facilmente organizado de irrigação dos riachos e córregos das montanhas tornava o solo em todas as partes da Palestina muito produtivo (Salmos 1Salmos 65.10; Provérbios 21.1; Isaías 30.25; Isaías 32.2 Isaías 32.20; Oséias 12.11), e os aparelhos de cultivo cuidadoso e de adubo aumentavam sua fertilidade a tal ponto que nos dias de Salomão, quando havia uma população abundante, “20.000 medidas de trigo por ano” eram enviadas a Hirão em troca de madeira (1 Reis 5.11), e em grandes quantidades também o trigo era enviado aos tiros para a mercadoria na qual eles negociavam (Ezequiel 27.17).

O trigo às vezes produzia cem por um (Gênesis 26.12; Mateus 13.23). Figos e romãs eram muito abundantes (Números 13.23), e a videira e a oliveira cresciam luxuriantemente e produziam frutos abundantes (Deuteronômio 33.24).

Para que a produtividade do solo não se esgotasse, foi ordenado que toda a terra descansasse a cada sétimo ano, quando todo o trabalho agrícola cessaria completamente (Levítico 25.1-7; Deuteronômio 15.1-10).

Era proibido semear um campo com sementes diversas (Deuteronômio 22.9). Um transeunte tinha liberdade para comer qualquer quantidade de milho ou uvas, mas não lhe era permitido levar nada (Deuteronômio 23.24 Deuteronômio 23.25; Mateus 12.1).

Os pobres tinham permissão para reivindicar os cantos dos campos e as espigas. Uma gavela esquecida no campo também deveria ser deixada para os pobres. (Levítico 19.9 Levítico 19.10; Deuteronômio 24.19.)

Implementos e operações agrícolas.

Os monumentos esculpidos e tumbas pintadas do Egito e Assíria lançam muita luz sobre este assunto, e sobre as operações gerais da agricultura. Arados de uma construção simples eram conhecidos no tempo de Moisés (Deuteronômio 22.10; Compare João 1.14).

Eles eram muito leves e exigiam grande atenção para mantê-los no chão (Lucas 9.62). Eram puxados por bois (João 1.14), vacas (1 Samuel 6.7) e asnos (Isaías 30.24); mas um boi e um asno não devem ser atrelados juntos no mesmo arado (Deuteronômio 22.10).

Homens às vezes seguiam o arado com uma enxada para quebrar os torrões (Isaías 28.24). Os bois eram instigados por um “aguilhão”, ou longo bastão pontiagudo na extremidade, de modo que, se necessário, também pudesse ser usado como lança (Juízes 3.31; 1 Samuel 13.21).

Quando o solo estava preparado, a semente era semeada à mão sobre o campo (Mateus 13.3-8). A “grade” mencionada em João 39.10 não era usada para cobrir as sementes, mas para quebrar os torrões, sendo pouco mais do que um bloco grosso de madeira.

Em locais altamente irrigados, a semente era pisoteada pelo gado (Isaías 32.20); mas sem dúvida havia algum tipo de grade também para cobrir a semente espalhada nos sulcos do campo.

A colheita do milho era realizada arrancando-o pelas raízes ou cortando-o com um tipo de foice, conforme as circunstâncias. O milho quando cortado geralmente era colocado em feixes (Gênesis 37.7; Levítico 23.10-15; Rute 2.7 Rute 2.15; João 24.10; Jeremias 9.22; Miquéias 4.12), que depois eram reunidos na eira ou armazenados em celeiros (Mateus 6.26).

O processo de debulha era realizado geralmente espalhando as gavelas na eira e fazendo com que bois e gado pisoteassem repetidamente sobre elas (Deuteronômio 25.4; Isaías 28.28). Em ocasiões, flails ou varas eram usadas para esse propósito (Rute 2.17; Isaías 28.27).

Havia também um “instrumento de debulha” (Isaías 41.15; Amós 1.3) que era arrastado sobre o milho. Era chamado pelos hebreus de moreg, um rolo de debulhar ou trenó (2 Samuel 24.22; 1 Crônicas 21.23; Isaías 3.15).

Era algo parecido com o tribulum romano, ou instrumento de debulha.

Quando o grão estava debulhado, ele era peneirado ao ser jogado contra o vento (Jeremias 4.11), e depois mexido com pás de madeira (Isaías 30.24). A pá e o ventilador para peneirar são mencionados em Salmos 35.5, João 21.18, Isaías 17.13.

O refugo de palha e palhiço era queimado (Isaías 5.24). Livre de impurezas, o grão era então guardado em celeiros até ser usado (Deuteronômio 28.8; Provérbios 3.10; Mateus 6.2Mateus 13.30; Lucas 12.18).

Easton, Matthew George. “Entrada para Agricultura”. “Dicionário Bíblico de Easton”.

Agricultura – Dicionário Bíblico de Smith

Agricultura.

Isso era pouco valorizado pelos patriarcas. A vida pastoral, no entanto, foi o meio de manter a raça sagrada, enquanto ainda uma família, distinta da mistura e localmente desvinculada, especialmente enquanto no Egito.

Quando cresceu em uma nação, forneceu uma verificação semelhante sobre o intercâmbio estrangeiro e tornou-se a base da comunidade mosaica. “A terra é minha,” (Levítico 25.23) foi um ditado que fez da agricultura também a base da relação teocrática.

Assim, cada família sentia sua própria vida com intensa agudeza e tinha seu direito divino que deveria guardar contra alienação. A proibição de cultura no ano sabático formou uma espécie de aluguel reservado pelo Proprietário divino.

Marcos de terra eram considerados sagrados, (Deuteronômio 19.14) e a inalienabilidade da herança foi assegurada por sua reversão ao proprietário no ano do jubileu; de modo que apenas tantos anos de ocupação poderiam ser vendidos. (Levítico 25.8-16; Levítico 23.35) Chuva. –Água era abundante na Palestina de fontes naturais. (Deuteronômio 8.7; Deuteronômio 11.8-12) Chuva era comumente esperada logo após o equinócio de outono.

O período denotado pelas expressões comuns das escrituras da “primeira” e da “última chuva,” (Deuteronômio 11.14; Jeremias 5.24; Oséias 6.3; Zacarias 10.1; Tiago 5.7) geralmente indo de novembro a abril, constituía a “estação chuvosa”, e o resto do ano a “estação seca.” Colheitas. –As colheitas de cereais de menção constante são trigo e cevada, e mais raramente centeio e milho(?).

Dos dois primeiros, juntamente com a videira, azeitona e figo, o uso de irrigação, o arado e a grade, menção é feita no livro de (João 31.40; João 15.33; João 24.6; João 29.19; João 39.10) Dois tipos de cominho (a variedade preta chamada negrilho), (Isaías 28.27) e tais plantas leguminosas como feijões e lentilhas podem ser nomeadas entre os produtos básicos.

Arar e Semear. –O arado era provavelmente muito leve, um jugo de bois geralmente suficiente para puxá-lo. Montanhas e lugares íngremes eram capinados. (Isaías 7.25) Novos terrenos e pousios, (Jeremias 4.3; Oséias 10.12) eram limpos de pedras e de espinhos, (Isaías 5.2) no início do ano, semeando ou colhendo “entre espinhos” sendo um provérbio para agricultura descuidada. (João 5.5; Provérbios 24.30; Provérbios 24.31) A semeadura também ocorria sem aragem prévia, a semente sendo espalhada à vontade e depois arada.

O solo era então escovado com uma grade leve, muitas vezes de galhos de espinhos. Em locais altamente irrigados, a semente era pisoteada pelo gado. (Isaías 32.20) Setenta dias antes da Páscoa era o tempo prescrito para semear.

Os bois eram instigados por uma aguilhada como uma lança. (Juízes 3.31) A proporção da colheita recolhida para a semente semeada era frequentemente vasta; cem vezes é mencionado, mas de tal maneira que indica que era um limite raramente atingido. (Gênesis 26.12; Mateus 13.8) Semear um campo com diversas sementes era proibido. (Deuteronômio 22.9) Colher e Bater. –O trigo etc., era ceifado pela foice ou arrancado pela raiz.

Era amarrado em feixes. Os feixes ou montes eram transportados, (Amós 2.13) para o terreiro–um local circular de solo duro, provavelmente, como agora, de 50 a 80 ou 100 pés de diâmetro. (Gênesis 1.10; Gênesis 1.11; 2 Samuel 24.16; 2 Samuel 24.18) Nesses os bois, etc., proibidos de serem amordaçados, (Deuteronômio 25.4) pisoteavam o grão.

Mais tarde, os judeus usavam uma eira chamada morag, (Isaías 41.15; 2 Samuel 24.22; 1 Crônicas 21.23) provavelmente parecida com o noreg, ainda empregado no Egito –um palco com três rolos sulcados de ferro, que, auxiliados pelo peso do condutor, esmagavam, muitas vezes prejudicando, o grão, bem como cortavam ou rasgavam a palha, que assim se tornava adequada para forragem.

Grãos mais leves eram batidos com um bastão. (Isaías 28.27) O uso de esterco animal era frequente. (Salmos 83.10; 2 Reis 9.37; Jeremias 8.2) etc. Ventilação. –A pá e o leque, (Isaías 30.24) indicam o processo de ventilação–uma parte conspícua da antiga agricultura. (Salmos 35.5; João 21.18; Isaías 17.13) A noite era o momento favorito, (Rute 3.2) quando havia principalmente uma brisa.

O leque, (Mateus 3.12) era talvez uma pá larga que lançava o grão contra o vento. O último processo era a agitação em uma peneira para separar sujeira e refugo. (Amós 9.9) Campos e eiras não eram comumente cercados; vinhas na maioria das vezes eram, com uma torre e outros edifícios. (Números 22.24; Salmos 80.13; Isaías 5.5; Mateus 21.33) comp.

Juízes 6.11 Os jardins também e pomares eram cercados, frequentemente por bancos de lama de valas. Quanto à ocupação, um inquilino poderia pagar um aluguel fixo em dinheiro, (Cantares de Salomão 8:11) ou uma parcela estipulada dos frutos. (2 Samuel 9.10; Mateus 21.34) Um transeunte poderia comer qualquer quantidade de milho ou uvas, mas não colher ou levar frutas. (Deuteronômio 23.24; Deuteronômio 23.25; Mateus 12.1) Os direitos do canto a ser deixado, e da respiga [CANTO; RESPIGA], formavam a reivindicação do pobre sobre o solo para apoio.

Para seu benefício, também, um feixe esquecido ao levar para o terreiro deveria ser deixado; assim também com relação à vinha e ao olival. (Levítico 19.9; Levítico 19.10; Deuteronômio 24.19)

Smith, William, Dr. “Entrada para ‘Agricultura’”. “Dicionário da Bíblia de Smith”. 1901.

Agricultura – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Agricultura

I. DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA

II. CONDIÇÕES CLIMÁTICAS E FERTILIDADE

III. ATIVIDADES AGRÍCOLAS – Deuteronômio 1 Cultivo de Grãos (1) Arando e Semeadura (2) Colheita (3) Debulha 2. Cuidado dos Vinhedos 3. Criação de Rebanhos + I. Desenvolvimento da Agricultura.

Na Síria e Palestina de hoje, pode-se testemunhar as várias etapas do progresso social pelas quais o povo dos tempos bíblicos passou, nos quais o desenvolvimento de sua agricultura desempenhou uma parte importante.

A leste, os filhos de Ismael ainda vagam em tribos de lugar para lugar, dependendo de seus animais para alimentação e vestuário, a menos que por um ataque eles possam garantir os frutos do solo das pessoas, na maioria de seu próprio sangue, que desistiram de vagar e estão se sustentando cultivando a terra. É apenas um pequeno passo dessa vida de fronteira para o território mais protegido em direção ao Mediterrâneo, onde, em ambientes relativamente pacíficos, os nômades se tornam estacionários.

Se a terra que vieram possuir é estéril e sem água, eles se empobrecem fisicamente e espiritualmente, mas se escolheram os raros locais onde correntes subterrâneas irrompem em vales cobertos com depósitos aluviais (Êxodo 3.8), eles prosperam e surge a vida comunitária mais complicada com seus servos, assalariados, jardineiros, etc.

Uma divisão do trabalho ocorre. Alguns deixam o solo para os ofícios e profissões, mas ainda dependem de seus vizinhos agricultores para subsistência. (1 Reis 5.11) Essa era a variedade de vida do povo entre quem Jesus viveu, e de seus antepassados, e dos habitantes da terra muito antes dos filhos de Israel chegarem para tomar posse dela.

A história bíblica lida com os hebreus em um período em que uma grande proporção desse povo estava envolvida em atividades agrárias, portanto, encontramos suas páginas cheias de referências a ocupações agrícolas.

II. Condições Climáticas e Fertilidade.

Com condições climáticas e fertilidade tão variadas, o modo de cultivo, época de semeadura e colheita diferiam até mesmo em territórios adjacentes próximos. Nas planícies costeiras e no baixo vale do Jordão, o solo era geralmente rico e a estação era precoce, enquanto nas regiões montanhosas e planaltos interiores altos, os tempos de plantio e colheita eram de duas semanas a um mês mais tarde.

Para fazer uso do solo nas encostas, era frequentemente necessário fazer terraços.

Exemplos desses antigos terraços ainda existem. Nas planícies não irrigadas, as colheitas só podiam ser cultivadas no inverno e na primavera, ou seja, durante a estação chuvosa. Esses distritos secavam em maio ou junho e permaneciam em pousio durante o verão sem chuvas.

O mesmo era verdadeiro das regiões montanhosas e vales, exceto onde a água de um riacho poderia ser desviada de seu canal e espalhada pelos campos. Nesses distritos, as colheitas podiam ser cultivadas independentemente das estações.

III. Atividades Agrícolas.

Para apreciar as muitas referências na Bíblia às atividades agrícolas e as frequentes alusões de nosso Senhor aos campos e seus produtos, devemos lembrar como eram diferentes os arredores dos agricultores daquele dia daqueles entre os quais a maioria de nós vive ou com os quais estamos familiarizados.

O conhecimento que temos dessas atividades é extraído de tais referências que revelam métodos que têm uma semelhança próxima com os dos dias atuais. A forte tendência de resistir à mudança que é manifesta em todo o país e a sobrevivência de palavras descritivas antigas na linguagem de hoje confirmam ainda mais nossa crença de que agora testemunhamos neste país as operações idênticas que foram usadas há dois mil ou mais anos atrás.

Seria estranho se não houvesse uma variedade de maneiras pelas quais o mesmo objetivo foi alcançado quando lembramos que o povo hebreu se beneficiou da experiência dos egípcios, dos babilônios, dos habitantes da terra de sua adoção, bem como de seus conquistadores europeus tardios.

Por essa razão, os desenhos encontrados nos monumentos egípcios, retratando cenas agrícolas, nos ajudam a explicar os prováveis métodos usados na Palestina.

Três ramos da agricultura eram mais proeminentes do que os outros; o cultivo de grãos, o cuidado dos vinhedos (Números 18.30), e a criação de rebanhos. A maioria das famílias possuía campos e vinhedos e os mais ricos acrescentavam a isso uma riqueza de rebanhos.

A descrição da riqueza de Jó (em João 1) mostra que ele estava envolvido em todas essas atividades. As riquezas de Ezequias, conforme enumeradas em 2 Crônicas 32.27,28 sugerem atividade em cada um desses ramos.

1. Cultivo de Grãos:

(1) Arando e semeando.

Nos planaltos, pouca ou nenhuma preparação para arar é necessária, mas nas regiões montanhosas, as pedras maiores, que o cultivo da temporada anterior afrouxou e que as chuvas de inverno lavaram, são retiradas e empilhadas em montes em alguma borda, ou são jogadas nos caminhos, que assim se tornam elevados acima dos campos que atravessam.

Se o grão vai ser plantado, a semente é espalhada à mão pelo semeador. Se a terra não foi usada por algum tempo, o solo é primeiro arado, e quando a semente foi espalhada é arado novamente. O semeador pode manter seu suprimento de sementes em um bolso feito puxando sua roupa exterior através de seu cinto até que seja suficiente para que caia fora de seu cinto na forma de uma bolsa solta.

Por outro lado, ele pode carregá-lo em um jarro ou cesto como os semeadores são retratados fazendo nos monumentos egípcios. Assim que a semente é espalhada, ela é arada antes que os corvos e os corvos sempre presentes possam recolhê-la.

O caminho do arado nos campos das regiões montanhosas é tortuoso por causa dos pedregulhos que se projetam aqui e ali (Mateus 13.3) ou por causa das saliências que frequentemente ficam escondidas logo abaixo da superfície (os lugares rochosos da parábola de Cristo).

Quando o lavrador respeita os caminhos que a tolerância do proprietário permitiu ser pisoteados em seus campos ou que marcam os limites entre as terras de diferentes proprietários, e os deixa sem arar, então a semente que caiu nessas partes se torna comida dos pássaros.

Os cantos do campo onde o arado não pode alcançar são enxadas à mão. Harrowing-in como conhecemos hoje não é praticado atualmente, exceto em algumas das maiores planícies, e provavelmente não foi usado na Palestina em tempos anteriores.

(2) Colheita.

Após o término do arado, os campos são abandonados até depois das chuvas de inverno, a menos que uma tempestade de chuva e granizo excepcionalmente severa (Êxodo 9.25) tenha destruído os brotos jovens.

Então uma segunda semeadura é feita. Em abril, se os ventos quentes do leste não tiverem queimado o grão, a cevada começa a amadurecer. O trigo segue de uma semana a seis semanas depois, dependendo da altitude.

No final de maio ou na primeira semana de junho, que marca o início da estação seca, começa a colheita. Famílias inteiras saem de suas casas na aldeia para passar o tempo nos campos até que a colheita termine.

Homens e mulheres se juntam ao trabalho de cortar o grão. Um punhado de grãos é reunido por meio de uma foice segurada na mão direita. Os talos assim reunidos em um grupo são então agarrados pela mão esquerda e ao mesmo tempo é dado um puxão que corta alguns dos talos a alguns centímetros acima do solo e puxa o resto pelas raízes.

Esses punhados são colocados atrás dos ceifeiros e são recolhidos pelos ajudantes, geralmente as crianças, e feitos em pilhas para transporte até o local de debulha.

(3) Debulha.

Os pisos de debulha são construídos nos campos, preferencialmente em uma posição exposta para obter o máximo benefício dos ventos. Se houver perigo de saqueadores, eles são agrupados perto da aldeia. O chão é uma área circular nivelada de 25 a 40 pés de diâmetro, preparada primeiro retirando as pedras e, em seguida, molhando o solo, compactando ou rolando e, finalmente, varrendo.

Uma borda de pedras geralmente circunda o chão para manter o grão. Os feixes de grãos que foram trazidos nas costas de homens, burros, camelos ou bois, são empilhados nesta área, e o processo de pisoteio começa.

Em algumas localidades, vários animais, comumente bois ou burros, são amarrados lado a lado e conduzidos em círculos ao redor do chão. Em outros lugares, dois bois são atrelados a um arrasto, cujo fundo é cravejado de pedras basálticas.

Este arrasto, no qual o motorista e talvez sua família sentam ou ficam em pé, é conduzido em um caminho circular sobre o grão. Em outros distritos, um instrumento semelhante a uma grade de roda é usado, cuja antiguidade é confirmada pelos registros egípcios.

O suprimento de grãos não debulhados é mantido no centro do chão. Parte disso é puxada de vez em quando para o caminho dos animais. Enquanto isso, o grão parcialmente debulhado está sendo virado com um garfo.

Os talos gradualmente se quebram em pedaços curtos e as cascas ao redor do grão são arrancadas. Esta mistura de palha e grão deve agora ser peneirada. Isso é feito jogando-o no ar para que o vento possa soprar a palha.

Quando a palha se vai, então o grão é jogado em uma bandeja de madeira para separá-lo das pedras e torrões de solo que se agarraram às raízes quando o grão foi colhido. A diferença de peso entre as pedras e o grão torna a separação por esse processo possível.

O grão agora é empilhado em montes e em muitas localidades também é selado. Este processo consiste em pressionar um grande selo de madeira contra a pilha. Quando o instrumento é removido, ele deixa uma impressão que seria destruída caso algum grão fosse retirado.

Isso permite que os oficiais do governo mantenham a conta dos dízimos e permite que o proprietário detecte qualquer furto de grão. Até que o trigo seja transferido para sacos, alguém dorme pelos montes no chão de debulha.

Se o trigo for armazenado para consumo doméstico, muitas vezes é lavado primeiro com água e espalhado em esteiras de pelo de cabra para secar antes de ser armazenado nos compartimentos de parede encontrados em todas as casas.

Antigamente, o trigo era moído apenas quando necessário. Esse era então um trabalho doméstico que era realizado com o moinho manual ou pilão.

2. Cuidado dos Vinhedos:

Nenhuma imagem mais clara para corresponder à prática atual no cultivo de vinhas na Palestina poderia ser dada do que a mencionada em Isaías 5.1,6. As uvas provavelmente serviram uma parte importante na dieta dos tempos bíblicos como fazem atualmente.

Na temporada que começa em julho e se estende por pelo menos três meses, o camponês mais humilde, bem como o senhorio mais rico, considera as uvas como parte necessária de pelo menos uma refeição por dia.

As uvas não eram apenas comidas frescas, mas eram transformadas em vinho. No entanto, nenhum paralelo pode ser encontrado na Bíblia para a melassa que é feita fervendo o suco fresco de uva. Alguns escritores acreditam que essa substância foi mencionada em algumas passagens traduzidas por vinho ou mel, mas é duvidoso.

O cuidado dos vinhedos se encaixava bem na rotina do agricultor, pois a maior parte da atenção necessária podia ser dada quando as outras culturas não exigiam tempo.

3. Criação de Rebanhos:

Os líderes do antigo Israel contavam seus rebanhos como uma parte necessária de sua riqueza. Quando os rebanhos de um homem eram sua única possessão, ele frequentemente vivia com eles e os liderava na busca de pastagem (Salmos 23 Mateus 18.12), mas um homem com outros interesses delegava essa tarefa a seus filhos (1 Samuel 16.11) ou a assalariados.

A natureza humana não mudou desde o tempo em que Cristo fez a distinção entre o verdadeiro pastor e o assalariado (João 10.12). Dentro de pouco tempo da escrita destas palavras, o escritor viu um assalariado amaldiçoando e abusando dos membros desgarrados de um rebanho que ele estava conduzindo, não liderando como fazem os bons pastores.

O rebanho fornecia tanto comida quanto vestimenta. O leite de camelos, ovelhas e cabras era comido fresco ou transformado em leite coalhado, manteiga ou queijo. Mais raramente era comido a carne desses animais.

O casaco externo do camponês ainda é feito de pele de ovelha curtida ou tecido de pelo de cabra ou lã. As várias operações agrícolas são tratadas mais detalhadamente sob seus respectivos nomes. James A.

Patch

Orr, James, M.A., D.D. Editor Geral. “Entrada para ‘AGRICULTURA’”. “Enciclopédia Bíblica Padrão Internacional”. 1915.

Comentários

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários