Início Dicionário D Discípulo, discipulado

Discípulo, discipulado: Dicionário Bíblico e versículos na Bíblia

11 min de leitura

Discípulo, discipulado – Dicionário Evangélico de Teologia Bíblica de Baker

Discípulo, discipulado

Durante o ministério terrestre de Jesus e nos dias da igreja primitiva, o termo mais frequentemente usado para designar um dos seguidores de Jesus era “discípulo” (mathetes [

maqhthv”

] – 262 vezes). Portanto, o discipulado é um tema teológico central nos Evangelhos e Atos. A situação é diferente no Antigo Testamento e no restante do Novo Testamento. Há uma curiosa escassez de palavras para “discípulo” no Antigo Testamento, e mathetes [

maqhthv”

] não ocorre nas Epístolas e Apocalipse. No entanto, outros termos e expressões apontam para abundantes conceitos teológicos de discipulado em toda a Escritura. O discipulado encontra sua expressão mais concreta na Escritura quando Jesus andou com seus discípulos durante seu ministério terrestre. Ainda assim, o Antigo Testamento prepara para esse relacionamento, e as Epístolas e Apocalipse descrevem como esse relacionamento foi realizado após a ascensão de Jesus.

Chamado para um Relacionamento com Deus. As raízes do discipulado bíblico vão fundo no solo fértil do chamado de Deus. Esse chamado se expressa no padrão de iniciativa divina e resposta humana que constitui o coração do conceito bíblico de aliança, manifestado na promessa recorrente: “Eu serei seu Deus, e vocês serão meu povo.” Esse chamado de Yahweh é reiterado no chamado de Jesus, quando ele disse: “Venham a mim, todos os que estão cansados e sobrecarregados, e eu lhes darei descanso” (Mat 11:28).

Deus chamou seu povo para representá-lo na terra, estar com ele em todas as circunstâncias da vida, ser transformado em caráter pessoal para ser como ele. Esse chamado está no coração do discipulado bíblico, tanto no Antigo quanto no Novo Testamento.

Deus e Israel. O ideal de discipulado no Antigo Testamento é o relacionamento de aliança entre Israel e Deus. Embora o chamado tenha vindo de Deus para indivíduos — Abraão, Isaque e Jacó —, foi direcionado aos seus descendentes (Gen 13:15).

Deus estava criando uma comunidade nacional que seria seu povo. Por sua vez, seu povo deveria ser uma fonte de bênção para todos os povos da terra (Gen 12:1-3). Esse chamado foi reiterado e confirmado no êxodo do Egito e no deserto (Exod 13:21-22).

Nenhuma outra pessoa ou deus deveria tomar um lugar de preeminência e, assim, usurpar Deus. Enquanto Deus colocava homens e mulheres em papéis de liderança (por exemplo, Moisés, Josué, os juízes, profetas), eles eram apenas líderes intermediários.

Somente Deus deveria ter o lugar de preeminência.

O ideal de discipulado para Israel era a nação em relacionamento de aliança com Deus. Esse ideal é ricamente expresso nos profetas enquanto olham para o futuro, quando Israel teria a realização final desse relacionamento.

Isaías expressa a natureza pessoal desse relacionamento nas profecias da nova aliança (Isa 30:20-2 – 31.31-34).

Ao dar a Lei a Israel no deserto, Deus enfatizou sua intenção de aliança: “Andarei entre vocês e serei seu Deus, e vocês serão meu povo” (Lev 26:12). A nação foi chamada para um relacionamento em que Deus estava com seu povo.

Jesus e Seus Discípulos. O tema do Antigo Testamento de Deus com seu povo encontra cumprimento explícito em Jesus com seu povo. A promessa de um Messias davídico vindouro está entrelaçada com a promessa de que o próprio Deus estaria com seu povo.

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

A importância da interpretação de Mateus sobre o significado do nome de Jesus, “Emanuel”, portanto, não pode ser subestimada: “A virgem ficará grávida e dará à luz um filho, e o chamarão Emanuel, que significa ‘Deus conosco’” (Mat 1:23).

Em Jesus, Deus veio para estar com seu povo, para cumprir o significado mais profundo da aliança de Deus com seu povo como Mestre, Senhor e Salvador.

Embora o discipulado fosse uma iniciativa voluntária com outros tipos de relacionamentos mestre-discípulo no primeiro século, com Jesus a iniciativa estava em seu chamado (Mat 4:1 – 9.9; Mark 1:1 – 2.14; cf. Luke 5:10-11; Luke 5:27-28) e sua escolha (John 15:16) daqueles que seriam seus discípulos.

A resposta ao chamado envolve reconhecimento e crença na identidade de Jesus (John 2:1 – 6.68-69), obediência ao seu chamado (Mark 1:18; Mark 1:20), e considerar o custo da plena lealdade a ele (Mat 19:23-30; Luke 14:25-28).

Seu chamado é o começo de algo novo; significa perder a velha vida (Mat 10:34-37; Luke 9:23-25) e encontrar nova vida na família de Deus através da obediência à vontade do Pai (Mat 12:46-50).

Seguindo Deus. Israel Caminhando nos Caminhos de Deus. O relacionamento estabelecido entre Deus e Israel era um relacionamento divino-humano que antecipava o relacionamento ao qual Jesus chamaria seus seguidores.

Cumprir o relacionamento de aliança significa simplesmente que Deus deve ser Deus, dando-lhe preeminência em todas as coisas. O relacionamento abstrato de aliança com Deus encontra expressão concreta em “seguir a Deus” e “andar em seus caminhos”.

Quando a nação cumpre seu compromisso com a aliança, diz-se que está seguindo a Deus (por exemplo, Deut 4:1-1 – 1 Sam 12:14) e andando em seus caminhos (Deut 10:12-13). Quando a nação violava a aliança, diz-se que está seguindo os deuses dos pagãos e andando em seus caminhos (Deut 6:14; Judges 2:10-13; Isa 65:2).

Elias chama o povo de Israel e diz: “Até quando vocês vão oscilar entre duas opiniões? Se o Senhor é Deus, sigam-no; mas se Baal é Deus, sigam-no” (1 Kings 18:21). Seguir a Deus é entendido em um sentido metafórico de andar nos caminhos de Deus.

Compromisso Pessoal com Jesus. Durante o ministério terreno de Jesus, o discípulo deveria “seguir” Jesus, uma aliança com sua pessoa considerada como o ato decisivo, seja um apego literal ou figurativo.

Discípulos judeus seguiam seu mestre por aí, frequentemente imitando-o literalmente. O objetivo dos discípulos judeus era algum dia se tornarem mestres, ou rabinos, e terem seus próprios discípulos que os seguiriam.

Mas os discípulos de Jesus deveriam permanecer discípulos de seu Mestre e Professor, Jesus, e segui-lo apenas. Seguir Jesus significa estar junto com ele e servi-lo enquanto viaja no Caminho.

O chamado para ser um discípulo significava calcular o custo da lealdade a Jesus, mas isso assumia várias formas. Os Doze foram chamados a deixar tudo e seguir Jesus, incluindo deixar família, profissão e propriedade como um tempo de treinamento para seu futuro papel na igreja.

Aparentemente outros além dos Doze também foram chamados para tal seguimento. Mas, enquanto todos os discípulos eram chamados a calcular o custo da lealdade (Matt 8:18-22; Luke 14:25-33), deixar tudo e seguir Jesus não era destinado a todos (Mark 5:18-19).

Nicodemos e José de Arimateia aparentemente se tornaram seguidores de Jesus em algum momento durante seu ministério terreno (John 3:1-1 – 19.38-42), mas presumivelmente permaneceram com o estabelecimento religioso e mantiveram sua riqueza.

Quando foi necessária a demonstração de sua fé e lealdade a Jesus, eles vieram reivindicar o corpo de Jesus (Matt 27:57-60).

Assim como a entrada no Caminho de seguir Jesus exigia que o aspirante a discípulo calculasse o custo, viajar no Caminho exige que os discípulos calculem o custo (Mark 8:34). O discípulo deve negar-se diariamente, tomar a cruz e seguir Jesus (Luke 9:23). É possível que alguém não seja verdadeiramente parte do Caminho enquanto externamente viaja com Jesus (ex., Judas).

A Igreja Segue o Cristo Ressuscitado. Pedro exorta aqueles na igreja a olhar para o exemplo de Jesus e seguir seus passos (1 Peter 2:21). Uma das metáforas favoritas de Paulo é “andar com Deus”. A expressão indica como uma pessoa “vive” ou se comporta em relação a Deus e aos outros.

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

O resumo desse tema é encontrado na declaração, “Mas eu digo, ande pelo Espírito, e você não satisfará o desejo da carne” (Gal 5:16). Isso define o conceito de Paulo sobre a vida cristã.

Os Objetivos do Discipulado. Em Relação a Si Mesmo: Tornar-se Como Cristo. Um objetivo primário do discipulado é tornar-se como Jesus (Luke 6:40). Isso também é entendido por Paulo como o objetivo final da eleição eterna (Rom 8:29).

O processo de se tornar como Jesus traz o discípulo a um relacionamento íntimo com o Senhor Jesus Cristo e, como tal, é o objetivo do discipulado individual.

Em Relação aos Outros: Servidão. Mas o discipulado não é simplesmente centrado em si mesmo. Em uma interação clássica com dois de seus discípulos que buscavam posições de destaque, Jesus declara que a servidão deve ser o objetivo dos discípulos em relação uns aos outros (Mark 10:35-45).

A razão pela qual esse tipo de servidão é possível é devido ao trabalho de servidão de Jesus em resgatar os discípulos. Ele pagou o preço da libertação da penalidade pelo pecado e do poder do pecado sobre o orgulho e a motivação egoísta.

A motivação da grandeza egoísta é quebrada através da redenção, e os discípulos são assim capacitados a focar nos outros em servidão. Isso é muito semelhante à ênfase de Paulo quando ele aponta para Jesus esvaziando-se para se tornar um servo: Jesus fornece o exemplo de como os crentes filipenses devem agir uns para com os outros (Php 2:1-8).

Mark e Paul declaram que assim como Jesus foi o servo redentor, o discipulado autêntico implica servidão altruísta. Esse é o objetivo dos discípulos em relação uns aos outros.

Em Relação ao Mundo: A Grande Comissão. Através de sua Grande Comissão, Jesus foca seus seguidores na importância contínua do discipulado através dos tempos e declara a responsabilidade dos discípulos para com o mundo: eles devem fazer discípulos de todas as nações (Matt 28:16-20).

Fazer discípulos é proclamar a mensagem do evangelho entre aqueles que ainda não receberam o perdão dos pecados. O comando encontra cumprimento verbal nas atividades da igreja primitiva, à medida que eles iam de Jerusalém a Judeia, Samaria e até os confins da terra proclamando a mensagem de Jesus e fazendo discípulos.

Na igreja primitiva, acreditar na mensagem do evangelho era tornar-se um discípulo (cf. Acts 4:3 – 6.2). Fazer discípulos de todas as nações é fazer mais do que Jesus fez deles.

Jesus conclui a comissão com o elemento crucial do discipulado: a presença do Mestre” Eu estou com vocês sempre, até o fim dos tempos” (Matt 28:20). Tanto aqueles que obedecem ao comando quanto aqueles que respondem são confortados pela consciência de que o Jesus ressuscitado continuará a formar todos os seus discípulos.

O Mestre está sempre presente para seus discípulos seguirem.

À medida que os discípulos se tornam sal e luz neste mundo, caminhando pelo caminho estreito, amando e oferecendo esperança ao mundo, eles se tornam exemplos vivos para outros seguirem. Tal é o apelo de Paulo, “Sigam meu exemplo, como eu sigo o exemplo de Cristo” (1 Cor 11:1).

Michael J. Wilkins

Bibliografia. E. Best, Disciples and Discipleship: Studies in the Gospel According to Mark; D. Bonhoeffer, The Cost of Discipleship; A. B. Bruce, The Training of the Twelve; D. G. Dunn, Jesus’ Call to Discipleship; M.

Hengel, The Charismatic Leader and His Followers; H. Kvalbein, Themelios13 (1988): 48-53; D. Mller, NIDNTT – 1.483-90; K. H. Rengstorf, TDNT – 4.415-61; E. Schweizer, Lordship and Discipleship; F. F. Segovia, ed., Discipleship in the New Testament; G.

Theissen, Sociology of Early Palestinian Christianity; M. J. Wilkins, The Concept of Disciple in Matthew’s Gospel: As Reflected in the Use of the Term Maqhth; idem, Following the Master: A Biblical Theology of Discipleship.

Elwell, Walter A. “Entrada para ‘Discípulo, Discipulado’”. “Dicionário Evangélico de Teologia”. 1997.

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Faça um comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários

Artigos Relacionados