Início Dicionário A Apostasia

Apostasia na Bíblia. Significado e Versículos sobre Apostasia

12 min de leitura

Desertar (da fé), mudar (de religião ou de partido).

Ato de desviar-se ou afastar-se do relacionamento com Deus.

Apostasia; apóstata – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Apostasia; apóstata

Apostasia, ou seja, um afastamento, uma retirada, uma defecção. Não encontrado nas Versões em Inglês da Bíblia, mas usado duas vezes no Novo Testamento, no original grego, para expressar o abandono da fé.

Paulo foi falsamente acusado de ensinar aos judeus a apostasia de Moisés (Atos 21.21); ele previu a grande apostasia do cristianismo, prevista por Jesus (Mateus 24.10-12), que precederia “o dia do Senhor” (2 Tessalonicenses 2.2).

Apostasia, não em nome, mas de fato, encontra forte repreensão na Epístola de Judas, por exemplo, a apostasia dos anjos (Judas 1.6). Previsto, com advertências, como certo de abundar nos últimos dias (1 Timóteo 4.1-32 Tessalonicenses 2.32 Pedro 3.17).

Causas de: perseguição (Mateus 24.9,10); falsos mestres (Mateus 24.11); tentação (Lucas 8.13); mundanismo (2 Timóteo 4.4); conhecimento defeituoso de Cristo (1 João 2.19); declínio moral (Hebreus 6.4-6); abandonando o culto e a vida espiritual (Hebreus 10.25-31); incredulidade (Hebreus 3.12).

Exemplos bíblicos: Saul (1 Samuel 15.11); Amazias (2 Crônicas 25.14,27); muitos discípulos (João 6.66); Himeneu e Alexandre (1 Timóteo 1.19,20); Demas (2 Timóteo 4.10). Para ilustração adicional veja Deuteronômio 13.13Zacarias 1.4-6Gálatas 5.42 Pedro 2.20,21.

“Abandonar Yahweh” foi o pecado característico e frequentemente recorrente do povo escolhido, especialmente em contato com nações idólatras. Constituiu seu supremo perigo nacional. A tendência apareceu em sua história mais cedo, como visto abundantemente nos avisos e proibições das leis de Moisés (Êxodo 20.3,4,23Deuteronômio 6.1 – Deuteronômio 11.16).

As terríveis consequências da apostasia religiosa e moral aparecem nas maldições pronunciadas contra esse pecado, no Monte Ebal, pelos representantes de seis das tribos de Israel, eleitos por Moisés (Deuteronômio 27.13-2 – Deuteronômio 28.15-68).

coração de Israel era tão inconstante, mesmo nos anos imediatamente após a emancipação nacional, no deserto, que Josué achou necessário comprometer novamente toda a nação a uma nova fidelidade a Yahweh e ao seu pacto original antes que lhes fosse permitido entrar na Terra Prometida (Josué 24.1-28).

Infidelidade a este pacto prejudicou as perspectivas e crescimento da nação durante o tempo dos Juízes (Juízes 2.11-1 – Juízes 10.6,10,131 Samuel 12.10). Foi a causa de males cívicos e morais prolíficos e crescentes, desde o dia de Salomão até os cativeiros assírio e babilônico.

Muitos dos reis do reino dividido apostataram, levando o povo, como no caso de Roboão, às formas mais grosseiras de idolatria e imoralidade (1 Reis 14.22-242 Crônicas 12.1). Exemplos notáveis de tal apostasia real são Jeroboão (1 Reis 12.28-32); Acabe (1 Reis 16.30-33); Acazias (1 Reis 22.51-53); Jeorão (2 Crônicas 21.6,10,12-15); Acaz (2 Crônicas 28.1-4); Manassés (2 Crônicas 33.1-9); Amon (2 Crônicas 33.22).

Profecia originou-se como um protesto Divino e imperativo contra essa tendência histórica à defecção da religião de Yahweh. No grego clássico, apostasia significava revolta contra um comandante militar.

Na igreja católica romana denota abandono de ordens religiosas; renúncia à autoridade eclesiástica; defecção da fé. As perseguições dos primeiros séculos cristãos forçaram muitos a negar o discipulado cristão e a significar sua apostasia oferecendo incenso a uma divindade pagã ou blasfemando o nome de Cristo.

O imperador Juliano, que provavelmente nunca abraçou vitalmente a fé cristã, é conhecido na história como “o Apóstata”, tendo renunciado ao cristianismo pelo paganismo logo após sua ascensão ao trono. A defecção de um apóstata da fé pode ser intelectual, como no caso de Ernst Haeckel, que, devido à sua filosofia materialista, publicamente e formalmente renunciou ao cristianismo e à igreja; ou pode ser moral e espiritual, como com Judas, que por amor ao lucro infame traiu vilmente seu Senhor.

Dwight M. Pratt

Orr, James, M.A., D.D. Editor Geral. “Entrada para ‘APOSTASY; APOSTATE’”. “International Standard Bible Encyclopedia”. 1915.

Apóstata – Dicionário Evangélico de Teologia Bíblica de Baker

Apóstata

Defecção da fé, um ato de rebelião imperdoável contra Deus e sua verdade. O pecado da apostasia resulta no abandono da doutrina e conduta cristãs. Com relação à relação de aliança estabelecida por meio de profissão prévia de fé (profissão passiva no caso de infantes batizados), apóstatas colocam-se sob a maldição e a ira de Deus como quebradores de aliança, tendo entrado em um estado de condenação final e irrevogável.

Aqueles que se apostatam são assim contados entre os réprobos. Desde a ressurreição de Cristo, não há distinção entre blasfêmia contra Cristo e blasfêmia contra o Espírito Santo (cf. Matt 12:31-32; Heb 6:4- – 10.26-29; 1 João 5.16-17).

G. C. Berkouwer comenta: “Devemos sublinhar a profunda seriedade do aviso bíblico contra a apostasia após a iluminação’ e após o conhecimento da verdade.’ Esta é a apostasia que vilipendia o Espírito da graça e despreza o Filho de Deus e crucifica novamente o Homem das Dores” (p. 343).

Berkouwer está correto ao refutar a ideia de que este pecado contra o Espírito Santo é um mysterium iniquitatis (“um mistério do pecado”), um pecado difícil, se é que possível, de definir precisamente na Bíblia.

Apostatar da aliança redentora de Deus é um ato de transgressão e rebelião imperdoáveis. Todos os outros pecados são perdoados mediante verdadeiro arrependimento e fé. Aqueles que caem fora da comunhão dos santos são restaurados à plena comunhão através da confissão de pecado e reafirmação da fé em Jesus Cristo.

A excomunhão, como um passo final no processo de disciplina eclesiástica, é empreendida na esperança de restaurar o pecador desgarrado que caiu em pecado grave (1 Coríntios 5.1-5).

Israel antigamente quebrou repetidamente a aliança com Deus. Ao denegrir o nome e as obras de Yahweh, Israel desprezou seu chamado e provou ser uma nação teimosa e desobediente. A lei pentateucal identifica a infidelidade à aliança como apostasia (Deut 27:9-26).

Com respeito à bênção temporal na terra prometida, a restauração de Israel ao favor divino após quebrar a aliança foi sempre consequência da graça e misericórdia divinas, não por causa de obras meritórias da parte de Israel.

Na profecia bíblica, a apostasia é um sinal escatológico do dia iminente do Senhor, um precursor do dia final de julgamento. A experiência de Israel antigo da ira e desprazer divinos serviu como prenúncios tipológicos daquele último dia.

O aumento da apostasia nestes últimos dias da experiência no deserto da igreja está associado com o aparecimento do “homem da ilegalidade” (2 Tess 2:1-3).

Mark W. Karlberg

Apostasia – Dicionário Evangélico de Teologia Bíblica de Baker

Apostasia

Condição que resulta da apatia espiritual ou desrespeito pelas coisas de Deus, seja por parte de um indivíduo ou de um grupo vinculado por um compromisso prévio de manter a doutrina e os mandamentos do Senhor.

A apostasia inclui o afastamento de uma boa confissão de fé e dos padrões éticos prescritos para o povo de Deus nas Escrituras. Em graus variados, dependendo da extensão do descuido de Deus e de seus mandamentos, os desviados espiritualmente experimentam uma temporada de estranhamento e abandono de Deus e seu povo.

Em casos de apostasia, quando alguém despreza a graça de Deus renunciando às bênçãos da aliança, não há possibilidade de arrependimento pelo pecado, apenas um selo divino até o dia do julgamento (Heb 6:4- – 10.26-31).

O pecado da apostasia levanta a importante questão teológica sobre a relação entre fé e perseverança. Em casos de apostasia temporária, como entendemos a condição espiritual do verdadeiro filho ou filha de Deus?

Pode alguém que está unido a Cristo (ou seja, alguém que é regenerado por Deus e justificado pela graça através da fé) cair novamente sob o domínio do pecado? Teólogos reformados sustentam que o pecador redimido pela graça foi libertado de uma vez por todas da escravidão do pecado.

Para tais indivíduos (eleitos), consequentemente, a apostasia não implica uma queda da graça, pela qual se é colocado mais uma vez sob o domínio do pecado. No entanto, quando um ex-discípulo renuncia à fé e à conduta cristãs, essa pessoa não é um verdadeiro filho ou filha de Deus e, portanto, não está entre os eleitos de Deus.

O desenvolvimento genuíno na história de vida de todos nascidos no mundo revela o desdobramento do propósito decretivo de Deus na salvação dos eleitos e na condenação dos réprobos que permanecem sob a ira de Deus (John 3:18-21; John 3:3 – 5.24-29).

A história é o processo de diferenciação entre as duas sementes: a semente da mulher e a semente da serpente (Gen 3:15).

A ocorrência frequente e gravidade da apostasia entre o povo de Deus é vividamente retratada na vida corporativa de Israel durante a época mosaica da história redentora. A casa de Israel foi culpada de cometer o pecado da apostasia em inúmeras ocasiões.

No discurso de Ezequias, o Cronista destaca a história de Israel como um longo período de desobediência. “Nossos pais foram infiéis; fizeram o mal aos olhos do Senhor nosso Deus e o abandonaram. Eles viraram suas costas para o lugar da habitação do Senhor e lhe deram as costas” (2 Chron 29: – 36.14).

A causa das apostasias de Israel foi a obstinação de seu coração. Repetidamente os profetas abordaram a rebeldia e infidelidade de Israel. Como agentes do processo da aliança de Deus contra o povo obstinado e de pescoço duro, os profetas imploraram a Israel para se arrepender de seus pecados e retornar a Deus em verdadeira fé e santidade.

Falhando em atender ao aviso, Israel sofreu o completo desprazer e abandono de Deus no cativeiro e exílio babilônico. Oséias descreve Israel de forma particularmente gráfica como um povo adúltero (Oséias 2Oséias 4.12Oséias 5.7Oséias 9.1).

Seus pecados de prostituição e imoralidade sexual, indicativos de sua condição espiritual, afastaram-na de Deus, fazendo-a apostatar da fé. Em vez de consagrar a vida e as bênçãos temporais para a glória de Deus, os israelitas profanaram o nome e as obras de Deus. “Como Adão, eles quebraram a aliança — lá eles me foram infiéis” (Oséias 6.7).

A apostasia de Israel foi tanto um castigo divino quanto uma repreensão pelo pecado (Jer 2:19). Somente a misericórdia e compaixão de Yahweh poderiam restaurar Israel ao favor (Jer 3:2 – Oséias 14.7). A restauração de Israel do exílio, no entanto, exigiu a realização de uma nova e melhor aliança, uma que não pudesse ser quebrada (Jer 31:22-34).

Por meio da limpeza divina, Israel voltaria a ser o povo de Deus (Oséias 2.23). “Eles não mais se contaminarão com seus ídolos e imagens vis ou com qualquer uma de suas ofensas, pois eu os salvarei de todos os seus pecados de apostasia, e os purificarei.

Eles serão meu povo, e eu serei o Deus deles” (Eze 37:23).

Israel serve como exemplo para nós. Nos ensinamentos de Cristo e seus apóstolos, o povo de Deus é exortado a perseverar na retidão e santidade, para não cair sob a condenação divina. O pecado da apostasia é real para os confessores da aliança.

Assim, o anjo da igreja em Éfeso adverte aqueles que abandonaram seu primeiro amor: “Lembre-se da altura de onde você caiu! Arrependa-se e faça as coisas que você fez no início” (Rev 2:5). Os santos devem perseverar em fazer a vontade de Deus, lembrando da aliança que Ele fez conosco em seu Filho, Jesus Cristo.

A graça da perseverança é um dos benefícios do sacrifício expiatório de Cristo por nossos pecados. Assim, nosso Senhor instrui: “Eu sou a videira; vocês são os ramos. Se alguém permanecer em mim e eu nele, ele dará muito fruto; separados de mim vocês não podem fazer nada Se vocês obedecerem aos meus mandamentos, permanecerão no meu amor, assim como eu obedeci aos mandamentos de meu Pai e permaneço em seu amor” (John 15:5; John 15:10).

A cura para a apostasia é encontrada no amor e misericórdia permanentes de Deus, que permanece fiel à sua promessa de graça em Cristo Jesus, cuja justiça e salvação são apreendidas através da verdadeira fé e arrependimento.

Mark W. Karlberg

Elwell, Walter A. “Entrada para ‘Apostasia’”. “Dicionário Evangélico de Teologia”. 1997.

Faça um comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários

Artigos Relacionados