Início Dicionário C Concubina

Concubina na Bíblia. Significado e Versículos sobre Concubina

6 min de leitura

Na idade patriarcal não aparece muito clara a diferença entre esposa e concubina, devido ao predomínio da poligamia. Contudo, a concubina era, em geral, uma escrava. Com respeito aos filhos das concubinas, como as idéias de legitimidade não eram compreendidas como hoje, aparecem nas genealogias exatamente como os das esposas.

Se a concubina fosse hebréia que tivesse sido comprada a seu pai como escrava, ou fosse uma pagã prisioneira de guerra, eram os seus direitos protegidos por lei (Êxodo 21.7Deuteronômio 21.10 a 14). Um hebreu não podia tomar para sua concubina uma mulher cananéia, embora fosse nesta classe de mulheres que as concubinas dos reis eram, na maior parte, procuradas.

As mulheres hebréias livres, podiam, também, tornar-se concubinas (*veja Poligamia ).

Concubina – Dicionário Evangélico de Teologia Bíblica de Baker

Concubina

Escrava feminina que funcionava como esposa secundária e mãe substituta. A palavra hebraica para concubina (pileges) é um empréstimo não semítico usado para se referir a um fenômeno não indígena de Israel.

Os códigos de lei babilônicos e assírios regulam casamentos primários e secundários mais especificamente do que as leis do Antigo Testamento. Êxodo 21.7-10 tem sido citado como regulador de alguns aspectos da concubinagem, mas isso apenas implicitamente.

As concubinas são mencionadas principalmente na história inicial israelita — durante os tempos patriarcais, o período dos juízes e a monarquia inicial, embora alguns reis posteriores também tivessem concubinas.

Embora as concubinas não tivessem o mesmo status que as esposas, elas não deviam ser maltratadas (Exod 21:7-10) nem podiam ser violadas por outros homens (Gen 35:22) impunemente (Gen 49:3-4). Elas parecem ter recebido status mais elevado se gerassem filhos, ou pelo menos são lembradas pelo nome (Gen 21:10 – Êxodo 22.24Êxodo 30.3Êxodo 36.12).

Os filhos de algumas concubinas eram tratados como co-herdeiros com os filhos das esposas. Isso era facilitado pela esposa aceitando e nomeando o filho como seu próprio, ou era necessário o ato do pai de “adotar” o filho?

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

A escassez de informações nos impede de responder isso definitivamente. Em pelo menos um caso, o potencial de herança do filho da concubina parece representar uma ameaça para a esposa principal e seu filho (Gen 21:10).

Abraão eventualmente dá toda a herança a Isaque, e apenas dá presentes aos filhos das concubinas (Gen 25:6).

A história de Juízes 19.20 sugere que a terminologia usada para relacionamentos em um casamento regular também é usada em um relacionamento de concubinagem. O homem é chamado de “marido” da concubina (19:3 – Juízes 20.4) e o pai da mulher é referido como “sogro” do homem (19:9).

Algumas evidências sugerem que esposas reais (concubinas?) eram herdadas por reis sucessores (1 Sam 12:8). Assim, aproximar-se das concubinas reais (1 Sam 16:21-22) ou até mesmo solicitar a atendente feminina do rei como esposa (1 Kings 2:13-22) pode ser entendido como o ato de alguém tentando tomar o trono de seu ocupante designado (1 Kings 2:22).

A prática de tomar concubinas como “esposa” era usada para fornecer um herdeiro masculino para uma esposa estéril (cf. Gen. 1 – Juízes 35 36). Além disso, a prática fornecia uma rede de segurança social para famílias pobres que podiam vender suas filhas em tempos difíceis (Exod 21:7-10 ; Judges 19:1).

Parece plausível sugerir que a prática de tomar concubinas foi perpetuada para atender aos desejos sexuais dos homens e/ou para cimentar alianças políticas entre nações. No entanto, a escassez de dados internos suficientes requer dependência de evidências comparativas do antigo Oriente Próximo para essas conclusões.

Multiplicar filhos através de concubinas normalmente não complicaria as linhas de herança, mas aumentaria a força de trabalho disponível da família e a riqueza familiar.

David H. Engelhart

Elwell, Walter A. “Entrada para ‘Concubina’”. “Dicionário Evangélico de Teologia”. 1997.

Concubina – Dicionário Bíblico de Easton

Concubine

In the Bible denotes a female conjugally united to a man, but in a relation inferior to that of a wife. Among the early Jews, from various causes, the difference between a wife and a concubine was less marked than it would be amongst us.

The concubine was a wife of secondary rank. There are various laws recorded providing for their protection (Êxodo 21.7 ; Deuteronômio 21.10-14), and setting limits to the relation they sustained to the household to which they belonged (Gênesis 21.14Gênesis 25.6).

They had no authority in the family, nor could they share in the household government.

The immediate cause of concubinage might be gathered from the conjugal histories of Abraham and Jacob (Gênesis 16Êxodo 30). But in process of time the custom of concubinage degenerated, and laws were made to restrain and regulate it (Êxodo 21.7-9).

Christianity has restored the sacred institution of marriage to its original character, and concubinage is ranked with the sins of fornication and adultery (Mateus 19.5-9 ; 1 Coríntios 7.2).

Easton, Matthew George. “Entry for Concubine”. “Easton’s Bible Dictionary”.

Concubina – Dicionário King James

Concubine

A secondary or inferior wife.

And David took him more

CONCUBINE

S and wives out of Jerusalem, after he was come from Hebron: and there were yet sons and daughters born to David. (2 Samuel 1.1 Acts 5:13)

“Entry for ‘Concubine’”. A King James Dictionary.

Concubina – Dicionário Bíblico de Smith

Concubina.

A diferença entre esposa e concubina era menos acentuada entre os hebreus do que entre nós, devido à ausência de estigma moral. A diferença provavelmente residia na ausência do direito ao atestado de divórcio, sem o qual a esposa não podia ser repudiada.

Em relação aos filhos da esposa e da concubina, não havia diferença como a nossa ilegitimidade implica. Estes últimos eram uma família suplementar à primeira; seus nomes aparecem nas genealogias patriarcais, (Gênesis 22.24 ; 1 Crônicas 1.22) e sua posição e provisão dependiam da vontade dos pais. (Gênesis 25.6) O estado de concubinato é assumido e previsto pela lei de Moisés.

Uma concubina geralmente seria ou (1) uma garota hebraica comprada de seu pai; (2) uma cativa gentia tomada em guerra; (3) uma escrava estrangeira comprada; ou (4) uma mulher cananeia, escrava ou livre.

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Os direitos das duas primeiras eram protegidos pela lei, (Êxodo 21.7 ; Deuteronômio 21.10-14) mas a terceira não era reconhecida e a quarta era proibida. Mulheres hebraicas livres também poderiam se tornar concubinas.

Apropriar-se das concubinas reais para seu uso era provavelmente a intenção do ato de Abner, (2 Samuel 3.7) e de forma semelhante foi interpretado o pedido em nome de Adonias. (1 Reis 2.21-24)

Smith, William, Dr. “Entry for ‘Concubine’”. “Smith’s Bible Dictionary”. 1901.

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Artigos Relacionados