Início Dicionário C Circuncisão

Circuncisão na Bíblia. Significado e Versículos sobre Circuncisão

21 min de leitura

Esta cerimônia foi ordenada por Deus a Abraão e seus descendentes, como sinal do Pacto estabelecido entre o Senhor e o povo escolhido. O rito fazia parte da herança comum a hebreus, cananeus e outras nações da antigüidade, constituindo uma notável exceção os filisteus, que são expressamente designados como incircuncisos (em 1 Sm freqüentes vezes).

Era condição necessária na nacionalidade judaica. Toda criança de sexo masculino devia receber a cincuncisão, quando chegasse ao oitavo dia do seu nascimento. Igualmente os escravos, quer nascidos em casa ou comprados tinham de ser circuncidados.

Nenhum estrangeiro podia comer o cordeiro na celebração da Páscoa, a não ser que todos os varões da sua família fossem circuncidados, tornando-se então, de fato, judeu (Êxodo 12.48). A obrigação de serem circuncidados os gentios que se convertiam ao Cristianismo foi uma questão que se levantou na igreja apostólica, dando causa a grandes inquietações.

A paz da igreja de Antioquia foi perturbada pelos mestres judaizantes, que diziam aos gentios convertidos: ‘Se não vos circuncidardes segundo o costume de Moisés, não podeis ser salvos’ (Atos 15.1) – mas os apóstolos e presbíteros decidiram, em Jerusalém, que os gentios estavam inteiramente livres de toda obrigação a respeito de qualquer rito judaico (Atos 15.22 a 29).

A maneira de pensar do Apóstolo Paulo, neste assunto, pode ver-se em Gálatas 5Gálatas 6Romanos 3.30Romanos 4.9 a 121 Coríntios 7.18,19Filipenses 3.2 – e também em Atos 16.3 e Gálatas 2.3. Todavia, o Cristianismo apoderou-se do significado espiritual da circuncisão.

A qualificação de ‘incircunciso’ era, no Antigo Testamento, aplicada aos lábios, aos ouvidos e aos corações (Êxodo 6.12Jeremias 6.10 – e Levítico 26.41). Declara-se, no Novo Testamento, que a verdadeira circuncisão é ‘do coração, no espírito, não segundo a letra’ (Romanos 2.29).

São os cristãos que pela sua fé constituem a circuncisão no sentido espiritual (Filipenses 3.3, cp com Gálatas 2.11).

Circuncisão – Dicionário Evangélico de Teologia Bíblica de Baker

Circuncisão

Remoção do prepúcio ou prega da pele do órgão genital masculino, seja por razões religiosas ou como medida puramente higiênica. A circuncisão era praticada no antigo Oriente Próximo pelos semitas ocidentais, incluindo os amonitas, moabitas, hebreus e edomitas.

O procedimento foi rejeitado pelos povos semitas orientais da Mesopotâmia, cananeus e sichemitas.

O Antigo Testamento. O significado especial da circuncisão para o povo de Israel é encontrado em Gênesis 17 e ocorre dentro do contexto da renovada promessa do pacto de Deus a Abraão, após o relacionamento contratual inicial (Gên 15).

Na segunda ocasião, Deus novamente prometeu terras e descendentes ao ainda patriarca sem filhos, e deu-lhe o sinal da circuncisão, que deveria ser imposta a Abraão e seus descendentes como um símbolo de pertencimento ao pacto (Gên 17:10).

Para os israelitas, a circuncisão era um rito religioso e destinava-se a marcar o início da solidariedade do pacto para os descendentes de Abraão, em vez de descrever as origens históricas do procedimento.

Enquanto Abraão e sua casa foram circuncidados imediatamente, o comando do Senhor exigia que doravante os bebês do sexo masculino fossem circuncidados no oitavo dia de vida. Isso, por si só, era distintivamente diferente das práticas pagãs contemporâneas, que parecem ter associado o rito com a puberdade ou com o casamento iminente.

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Desde o início, facas afiadas feitas de sílex lascado eram usadas para a ressecção, uma vez que o sílex mantinha uma borda superior. Por essa razão, a retenção de instrumentos de sílex para fins de circuncisão perdurou por séculos após o início da Idade do Ferro (ca. 1200 a.C.).

Tradicionalmente, o chefe da família administrava o rito em Israel, mas em ocasiões especiais uma mulher poderia oficiar (Êxodo 4.24-26).

Na lei mosaica, uma interpretação espiritual foi imposta ao procedimento quando os israelitas foram instruídos a circuncidar seus corações (Deut 10:16). Essa exigência requeria que eles reconhecessem que, além de portar a marca física de pertencimento ao pacto, também estavam sob a obrigação de manifestar qualidades espirituais específicas de compromisso e obediência à vontade do Senhor.

Jeremias (4.4) fez exatamente as mesmas exigências aos seus contemporâneos por causa de suas más ações, que eram o oposto do que Deus requeria. Para ele, a circuncisão implicava consagração ao Senhor e aos altos ideais morais do pacto, dos quais a santidade era representativa (Lev 11:44).

Um verdadeiro membro do pacto seria motivado pelo amor a Deus (Deut 6:5) e ao próximo (Lev 19:18).

O Novo Testamento. Quando o paganismo grego ameaçou inundar o judaísmo cerca de dois séculos antes do nascimento de Cristo, a circuncisão tornou-se uma indicação distintiva da fidelidade judaica ao pacto.

Assim, João Batista foi circuncidado (Lucas 1.59), assim como Jesus (Lucas 2.21) e Saulo de Tarso (Fil 3:5), no oitavo dia de vida, tornando-os membros credenciados do povo do pacto. Mas Jesus já estava lançando dúvidas sobre a preeminência do rito quando afirmou que suas curas tornavam as pessoas completamente inteiras (João 7.22-23).

Estêvão reforçou isso acusando o judaísmo contemporâneo das mesmas tendências que Jeremias havia condenado (Atos 7.51). Embora no período da igreja primitiva os crentes mantivessem tradições religiosas judaicas, problemas começaram a surgir quando o evangelho foi pregado entre os gentios.

Cristãos que vieram de um contexto judaico sentiam que os gentios deveriam se tornar judeus através da circuncisão antes de poderem experimentar a obra salvadora de Cristo.

Essa atitude baseava-se parcialmente na noção contemporânea de que a circuncisão era uma parte necessária da salvação, bem como sua garantia efetiva. Outros repudiaram essa visão de salvação pelas obras, particularmente quando gentios não circuncidados receberam a efusão do Espírito Santo de Deus (Atos 10.44-48).

Eles viram que as profecias de Ezequiel, nas quais o Senhor prometeu um coração limpo e uma habitação de seu Espírito Santo (36:25-27), e a proclamação dramática de Joel de que Deus derramaria seu Espírito sobre toda carne (2:28; cf. Atos 2.17), estavam agora sendo cumpridas.

O significado espiritual da circuncisão havia sido alcançado pela graça divina sem a realização do rito físico, tornando este último obsoleto.

Nem todos os judeus se alegraram com o fato de seu distintivo de orgulho e privilégio ser posto de lado (Fil 3:4-6), e consequentemente um grupo de judeus farisaicos conhecido como o “partido da circuncisão” proclamou em Antioquia (Atos 15.1-5) a necessidade da circuncisão para a salvação.

Pedro se opôs a esses judaizantes, afirmando a eficácia salvadora da fé em Cristo somente (Atos 15.8-11), e negando a necessidade da circuncisão para os gentios.

Para resolver a questão, Paulo e Barnabé consultaram os anciãos em Jerusalém, onde foi acordado que os gentios não deveriam ser compelidos a se circuncidar (Atos 15.13-21). Paulo era indiferente às vanglórias dos judaizantes sobre a “espiritualidade da circuncisão”, e embora tenha circuncidado o parcialmente judeu Timóteo (Atos 16.3) para facilitar sua missão, ele se opôs à circuncisão do gentio Tito (Gal 2:3).

Na Galácia, Paulo resistiu vigorosamente à doutrina dos judaizantes de justiça pelas obras, que ele estigmatizou como um “evangelho diferente” (Gal 1:6-7), e ridicularizou os proponentes como “cães” e “obreiros do mal”.

Essa controvérsia seguiu Paulo ao longo de seu ministério. Para contrariar a posição dos judaizantes, ele concedeu que, embora a circuncisão tivesse grande valor para o antigo pacto, ela não tinha significado para os “pactos da promessa” (Efésios 2.12).

O que era fundamentalmente importante aos olhos de Deus era ser uma “nova criação” (Gal 6:15) e guardar os mandamentos de Deus (1 Cor 7:19), além dos quais a circuncisão ou a incircuncisão são insignificantes, e permitir que a fé opere através do amor (Gal 5:6).

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Paulo ensinou resolutamente que, no novo pacto, a salvação vinha pela graça e fé, não pelas obras (Efésios 2.8). Para o crente, a circuncisão ou a falta dela era uma questão de total indiferença. O que realmente contava era a fé e a obediência que sempre caracterizaram os pactos entre Deus e a humanidade.

R. K. Harrison

Bibliografia. D. Jacobson, The Social Background of the Old Testament; R. Patai, Sex and Family in the Bible; R. de Vaux, Ancient Israel: Its Life and Institutions.

Elwell, Walter A. “Entry for ‘Circumcision’”. “Evangelical Dictionary of Theology”. 1997.

Circuncisão – Dicionário Bíblico de Easton

Circuncisão

Cortar ao redor. Este rito, praticado antes, como alguns pensam, por diversas raças, foi designado por Deus para ser o distintivo especial de seu povo escolhido, um sinal permanente de sua consagração a ele.

Foi estabelecido como uma ordenança nacional (Gênesis 17.10 Gênesis 17.11). Em cumprimento ao comando divino, Abraão, embora com noventa e nove anos de idade, foi circuncidado no mesmo dia que Ismael, que tinha treze anos (Gênesis 17.24-27).

Escravos, tanto nascidos em casa quanto comprados, eram circuncidados (Gênesis 17.12 Gênesis 17.13); e todos os estrangeiros deviam ter seus homens circuncidados antes que pudessem desfrutar dos privilégios da cidadania judaica (Êxodo 12.48).

Durante a jornada pelo deserto, a prática da circuncisão caiu em desuso, mas foi retomada por ordem de Josué antes de entrarem na Terra Prometida (Josué 5.2-9). Foi observada sempre depois entre as tribos de Israel, embora não seja mencionada expressamente desde o tempo do assentamento em Canaã até a época de Cristo, cerca de 1.450 anos.

Os judeus se orgulhavam de possuir essa distinção do pacto (Juízes 14Juízes 15.18; 1 Samuel 141 Samuel 17.26; 2 Samuel 1.20; Ezequiel 31.18).

Como um rito da igreja, cessou quando começaram os tempos do Novo Testamento (Gálatas 6.15; Colossenses 3.11). Alguns cristãos judeus tentaram impô-la, no entanto, aos convertidos gentios; mas os apóstolos resistiram resolutamente (Atos 15.1; Gálatas 6.12).

Nosso Senhor foi circuncidado, pois “convinha cumprir toda a justiça”, como descendente de Abraão segundo a carne; e Paulo “tomou e circuncidou” Timóteo (Atos 16.3), para evitar ofender os judeus. Isso tornaria os trabalhos de Timóteo mais aceitáveis aos judeus.

Mas Paulo de modo algum consentiria com a exigência de que Tito fosse circuncidado (Gálatas 2.3-5). O grande ponto pelo qual ele lutava era a admissão livre dos gentios incircuncisos na igreja. Ele lutou com sucesso em favor de Tito, mesmo em Jerusalém.

No Antigo Testamento, uma ideia espiritual está ligada à circuncisão. Era o símbolo da pureza (Isaías 52.1). Lemos sobre lábios incircuncisos (Êxodo 6.12 Êxodo 6.30), ouvidos (Jeremias 6.10), corações (Levítico 26.41).

O fruto de uma árvore que é impuro é referido como incircunciso (Levítico 19.23).

Era um sinal e selo do pacto da graça, bem como do pacto nacional entre Deus e os hebreus.

  • Selava as promessas feitas a Abraão, que se referiam à comunidade de Israel, promessas nacionais.
  • Mas as promessas feitas a Abraão incluíam a promessa de redenção (Gálatas 3.14), uma promessa que nos alcançou. O pacto com Abraão era uma dispensação ou uma forma específica do pacto da graça, e a circuncisão era um sinal e selo desse pacto.

    Tinha um significado espiritual. Significava purificação do coração, circuncisão interior efetuada pelo Espírito (Deuteronômio 10.1Deuteronômio 30.6; Ezequiel 44.7; Atos 7.51; Romanos 2.28; Colossenses 2.11). A circuncisão como símbolo prefigurando a santificação pelo Espírito Santo agora deu lugar ao símbolo do batismo.

    Mas a verdade incorporada em ambas as ordenanças é sempre a mesma, a remoção do pecado, os efeitos santificadores da graça no coração.

Sob a dispensação judaica, igreja e estado eram idênticos. Ninguém poderia ser membro de um sem também ser membro do outro. A circuncisão era um sinal e selo de adesão a ambos. Cada pessoa circuncidada trazia assim evidências de que era uma das pessoas escolhidas, um membro da igreja de Deus como então existia, e consequentemente também um membro da comunidade judaica.

Easton, Matthew George. “Entrada para Circuncisão”. “Dicionário Bíblico de Easton”.

Circuncisão – Dicionário Bíblico de Smith

Circumcisão

Foi peculiarmente, embora não exclusivamente, um rito judaico. Foi ordenado a Abraão, o pai da nação, por Deus, na instituição e como o sinal da aliança, que assegurou a ele e seus descendentes a promessa do Messias.

Gênesis 17 Foi assim feito uma condição necessária da nacionalidade judaica. Todo menino deveria ser circuncidado ao oitavo dia de vida, (Levítico 12.3) sob pena de morte. A menção bíblica do rito descreve-o como distintivamente judaico; de modo que no Novo Testamento “a circuncisão” e “a incircuncisão” são frequentemente usadas como sinônimos para os judeus e os gentios.

O rito tem sido encontrado amplamente em tempos antigos e modernos. Embora Maomé não tenha ordenado a circuncisão no Alcorão, ele foi circuncidado, segundo o costume de seu país; e a circuncisão é agora tão comum entre os muçulmanos quanto entre os judeus.

O processo de restaurar uma pessoa circuncidada à sua condição natural por uma operação cirúrgica às vezes era realizado. Alguns dos judeus na época de Antíoco Epifânio, desejando se assemelhar aos pagãos ao seu redor, “fizeram-se incircuncisos”.

Contra recorrer a essa prática, devido a uma tendência excessivamente anti-judaica, São Paulo adverte os coríntios. (1 Coríntios 7.18)

Smith, William, Dr. “Entrada para ‘Circuncisão’”. “Dicionário Bíblico de Smith”. 1901.

Circuncisão – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Circuncisão

A remoção do prepúcio é um costume que prevaleceu, e prevalece, entre muitas raças em diferentes partes do mundo–na América, África e Austrália. Estava em voga entre os semitas ocidentais–hebreus, árabes, moabitas, amonitas, edomitas, egípcios, mas era desconhecido entre os semitas do Eufrates.

Em Canaã, os filisteus eram uma exceção, pois o termo “incircunciso” é constantemente usado em relação a eles. De modo geral, o rito da circuncisão era uma condição prévia para o desfrute de certos privilégios políticos e religiosos; e em vista do fato de que no mundo antigo a religião desempenhava um papel tão importante na vida, pode-se supor que a circuncisão, como muitos outros costumes estranhos cujo significado original não é mais conhecido, originou-se em conexão com a religião.

Antes de enumerar as diferentes teorias que foram apresentadas a respeito da origem e do significado original da circuncisão, pode ser vantajoso considerar algumas das principais referências ao rito no Antigo Testamento.

1. Circuncisão no Antigo Testamento:

No relato da instituição da aliança entre Yahweh e Abraão que o Código Sacerdotal (P) dá, a circuncisão é vista como a ratificação do acordo. Yahweh comprometeu-se a ser o Deus de Abraão e de seus descendentes.

Abraão seria o pai de uma multidão de nações e o fundador de uma linhagem de reis. Ele e seus descendentes herdariam Canaã. O acordo assim formado era permanente; a posteridade de Abraão deveria estar dentro do escopo dele.

Mas era necessário para inclusão na aliança que todo menino fosse circuncidado no 8º dia. Um estrangeiro que se tivesse ligado como escravo a uma casa hebraica tinha que passar pelo rito–a punição por seu não cumprimento era a morte ou talvez a excomunhão.

Segundo Êxodo 12.48 (também P), nenhum estrangeiro poderia participar da celebração da Páscoa a menos que tivesse sido circuncidado. No Livro de Josué 5.2-9 lemos que os israelitas foram circuncidados em Gilgal (“Rolando”), e assim o “opróbrio do Egito” foi “removido.” Aparentemente, a circuncisão no caso dos hebreus foi proibida durante o período egípcio–a circuncisão sendo uma marca distintiva da raça dominante. É notável que facas de sílex foram usadas para esse fim.

Esse uso de um instrumento obsoleto é uma das muitas provas de conservadorismo na religião. De acordo com o estranho e obscuro relato da circuncisão por Zípora de seu filho mais velho (Êxodo 4.25), a realização do rito no caso do filho aparentemente possui um valor vicário, pois assim Moisés se torna um “noivo de sangue.” O vínculo matrimonial é ratificado pelo rito de sangue.

Mas é possível que o autor queira dizer que, devido ao fato de que Moisés não havia sido circuncidado (“opróbrio do Egito”), ele não estava apto para entrar no estado matrimonial.

2. Teorias de Origem:

As diferentes teorias a respeito da origem da circuncisão podem ser agrupadas em quatro categorias:

(1) Heródoto, ao tratar da circuncisão entre os egípcios, sugere que era uma operação sanitária. Mas todas as sugestões de uma origem secular, ou seja, não religiosa, para o rito, falham em fazer justiça ao lugar e à importância da religião na vida do homem primitivo.

(2) Era uma marca tribal. Marcas tatuadas frequentemente cumpriam esse propósito, embora possam ter sido originalmente amuletos. A marca tribal permitia que um membro da tribo reconhecesse outro e assim evitasse ferir ou matar um companheiro de tribo.

Também permitia que a divindade tribal reconhecesse um membro da tribo que estava sob sua proteção especial. Uma marca foi colocada em Caim para indicar que ele estava sob a proteção especial de Yahweh (Gênesis 4.15).

Foi sugerido, à luz de Isaías 44.5, que a marca do empregador era gravada (tatuada) na mão do escravo. O profeta representa os judeus como inscrevendo em suas mãos que pertencem a Yahweh. As muralhas de Jerusalém estão gravadas nas palmas das mãos de Yahweh (Isaías 49.16).

Por outro lado, “cortes na carne” são proibidos em Levítico 19.28 porque eram comuns nas religiões não judaicas. Tais marcas tatuadas podiam ser feitas em lugares visíveis quando era necessário que fossem facilmente vistas, mas podia haver razão para sigilo para que as marcas fossem conhecidas apenas pelos membros da tribo em questão.

(3) Era um rito que celebrava a maioridade da pessoa. Significava a chegada à puberdade e ao direito de casar e desfrutar de plenos privilégios cívicos.

(4) À medida que os sacrifícios humanos começaram a ser eliminados, o sacrifício da parte mais facilmente removível da anatomia fornecia uma oferta vicária.

(5) It was a sacramental operation. The shedding of blood was necessary to the validity of any covenant between tribes or individuals. The rite of blood signifies the exchange of blood on the part of the contracting parties, and therefore the establishment of physical affinity between them.

An alliance based on blood-relationship was inviolable. In the same way the tribal god was supposed to share in the blood of the sacrificed animal, and a sacred bond was established between him and the tribe.

It is not quite obvious why circumcision should be necessary in connection with such a ceremony. But it may be pointed out that the process of generation excited the wonder and awe of primitive man. The prosperity of the tribe depended on the successful issue of the marriage bond, and a part of the body which had so much to do with the continuation and numerical strength of the tribe would naturally be fixed upon in connection with the covenant of blood.

In confirmation of the last explanation it is urged that in the case of the covenant between Yahweh and Abraham circumcision was the rite that ratified the agreement. In opposition to (3) it has been urged that among the Hebrews circumcision was performed in infancy–when the child was 8 days old.

But this might have been an innovation among the Hebrews, due to ignorance of the original significance of the rite. If circumcision conferred upon the person circumcised the right to the enjoyment of the blessings connected with membership in the tribe it was natural that parents should be anxious that such an initiatory act should be performed early in life.

The question of adult and infant baptism is capable of similar explanation. When we examine explanations (2), (3), (4), (5), we find that they are really different forms of the same theory. There can be no doubt that circumcision was originally a religions act.

Membership in the tribe, entrance upon the rights of citizenship, participation in the religious practices of the tribe–these privileges are interdependent. Anyone who had experienced the rite of blood stood within the scope of the covenant which existed between the tribe and the tribal god, and enjoyed all the privileges of tribal society.

It is easily understood why the historian carefully relates the circumcision of the Israelites by Joshua on their arrival in Canaan. It was necessary, in view of the possible intermingling of the conquerors and the conquered, that the distinctive marks of the Abrahamic covenant should be preserved.

Joshua 5:3.

3. Spiritual Significance:

In Jeremiah 9:25 e Deuteronômio 30.6 encontramos o significado espiritual da circuncisão. Um profeta como Jeremias provavelmente não daria muita importância a um ato externo como a circuncisão. Ele diz diretamente aos seus compatriotas que eles não são melhores do que egípcios, edomitas, moabitas e amonitas.

Eles são incircuncisos de coração. Paulo usa o termo concisão para essa circuncisão externa sem qualquer mudança espiritual. Filipenses 3.2. A questão da circuncisão ocasionou uma prolongada disputa entre os primeiros cristãos.

Cristãos judaizantes argumentavam pela necessidade da circuncisão. Era uma reminiscência do particularismo inflexível que surgira durante a prolongada opressão do período grego e romano. Segundo sua visão, a salvação era dos judeus e para os judeus.

Era necessário se tornar judeu para se tornar cristão. Paulo consentiu com a circuncisão no caso de Timóteo por causa dos judeus. Atos 16.3. Mas ele viu que um princípio estava em jogo e na maioria de suas epístolas ele aponta a total futilidade da contenção dos judaizantes.

4. Figurative Uses:

Em algumas passagens sugestivas encontramos uma aplicação figurativa do termo. Por três anos após o assentamento em Canaã, o fruto da terra deveria ser considerado incircunciso. Levítico 19.23. Ou seja, era propriedade dos Baalins, os deuses da Palestina.

O fruto do quarto ano pertencia a Yahweh. Moisés, com humildade característica, descreve-se como um homem de lábios incircuncisos. Êxodo 6.30. Jeremias acusa seus contemporâneos de terem ouvido incircunciso.

Jeremias 6.10. E coração. Jeremias 9.26. Um coração incircunciso é aquele que está, por assim dizer, fechado, e assim impermeável a boas influências e boas impressões, assim como um ouvido incircunciso.

Jeremias 6.10. É um ouvido que, pela mesma causa, ouve imperfeitamente; e lábios incircuncisos são lábios que se abrem e falam com dificuldade. Êxodo 6.12,30.

T. Lewis

Orr, James, M.A., D.D. Editor Geral. Entrada para ‘CIRCUMCISION’. International Standard Bible Encyclopedia. 1915.

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Artigos Relacionados