Início Dicionário A Azazel

Azazel na Bíblia. Significado e Versículos sobre Azazel

11 min de leitura

Azazel

(Levítico 16.8 Levítico 16.10 Levítico 16.26, somente na Revised Version; traduzido como “bode emissário” na Authorized Version). Essa palavra gerou muitas visões diferentes. Alguns intérpretes judeus a consideram como o nome de um lugar a cerca de 12 milhas a leste de Jerusalém, no deserto.

Outros a interpretam como o nome de um espírito maligno, ou até mesmo de Satanás. Mas quando lembramos que os dois bodes juntos formam um tipo de Cristo, sobre quem o Senhor “colocou a iniquidade de todos nós”, e examinamos o significado raiz desta palavra (ou seja, “separação”), a interpretação daqueles que veem um bode como representando a expiação realizada, e o outro, “para Azazel”, como representando o efeito da grande obra de expiação (ou seja, a remoção completa do pecado), é certamente preferível.

O bode que era “para Jeová” foi oferecido como uma oferta pelo pecado, pela qual se fez a expiação. Mas os pecados também deviam ser visivelmente banidos, e por isso eles foram simbolicamente colocados pelo confessionário no outro bode, que então foi “enviado para Azazel” para o deserto.

A forma desta palavra indica intensidade, e portanto significa a separação total do pecado: ele foi completamente levado embora. Era importante que o resultado dos sacrifícios oferecidos pelo sumo sacerdote sozinho no santuário fosse incorporado em uma transação visível, e daí a demissão do “bode emissário”.

Não importava o que acontecesse com ele, pois todo o significado da transação estava em ser enviado para o deserto carregando o pecado. Assim como o bode “para Jeová” deveria testemunhar o demérito do pecado e a necessidade do sangue da expiação, assim o bode “para Azazel” deveria testemunhar a eficácia do sacrifício e o resultado do derramamento de sangue na remoção do pecado.

Easton, Matthew George. “Entrada para Azazel”. “Dicionário Bíblico de Easton”.

Azazel – Dicionário de Nomes Bíblicos de Hitchcock

Azazel

o bode expiatório

Hitchcock, Roswell D. “Entrada para ‘Azazel’”. “Um Dicionário Interpretativo de Nomes Próprios da Escritura”. Nova Iorque, N.Y. – 10 Levítico 1869

Azazel – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Azazel

II. O QUE É FEITO EM CONEXÃO COM AZAZEL

1. O Significado Desta Ação

2. A Liturgia Judaica

I. O Significado da Palavra

1. Os Trechos a Serem Considerados:

Esta palavra é encontrada em conexão com a cerimônia do Dia da Expiação. De acordo com Levítico 16.8, Arão deve lançar sortes sobre os dois bodes que, por parte da congregação, servirão como oferta pelo pecado (Levítico 16.5), “um para o Senhor e o outro para Azazel”.

Em Levítico 16.10, após o primeiro bode ter sido separado como oferta pelo pecado para o Senhor, lemos:

“Mas o bode em que cair a sorte para Azazel será apresentado vivo diante do Senhor, para fazer expiação com ele, para enviá-lo ao deserto para Azazel”. Em Levítico 16.26, lemos: “E aquele que soltar o bode para Azazel lavará as suas vestes, e banhará a sua carne em água”.

Antes disso, em Levítico 16.21f foi mencionado o que deveria ser feito com o bode. Após a purificação do santuário interior, da tenda da reunião e do altar, o bode vivo deve ser trazido, “e Arão porá ambas as mãos sobre a cabeça do bode vivo, e confessará sobre ele todas…

os seus pecados; e os porá sobre a cabeça do bode, e o enviará ao deserto pela mão de um homem designado para isso: e o bode levará sobre si todas as iniquidades para uma terra isolada: e ele soltará o bode no deserto”.

Mas neste último trecho mencionado e mais importante, o termo em consideração não é encontrado.

2. As Interpretações Propostas:

(1) A Etimologia.

Alguns derivaram a palavra de `az mais ‘azal (“forte que se afasta”, ou de uma alteração intencional de ‘el mais `azaz, “força de Deus”; compare abaixo o anjo do Livro de Enoque); enquanto outros consideraram a palavra como um plural quebrado de um substantivo no árabe `azala, e traduziram como “solidão”, “deserto”.

Agora há uma inclinação para considerá-la como uma reduplicação de `azalzel, derivada da raiz `azal. Se aceitarmos essa visão, embora sem certeza e um exato análogo não possa ser encontrado, poderíamos concluir pela forma como esse substantivo foi formado que temos diante de nós não um termo abstrato (remotio, “remoção”, ou abitus, “partida”), mas um substantivo concreto, ou um adjetivo, longe remotus (“muito removido”) ou porro abiens (“indo para longe”).

(2) A Explicação.

Em Levítico 16.10,22,26, teríamos um sentido aceitável, se considerássemos essa palavra como expressiva de uma localidade distinta no deserto. Mas essa interpretação é impossível, já que a lei em Levítico 16 foi dada durante as peregrinações no deserto e, portanto, pressupunha uma mudança constante no acampamento, mesmo que isso devesse ser considerado apenas como o contexto histórico.

Pelo uso da mesma preposição le- em conexão com o Senhor e Azazel, parece natural considerar as expressões como inteiramente paralelas e pensar em algum ser pessoal. Alguns interpretam essa palavra como referindo-se a um demônio do deserto (compare Salmos 106.37; Deuteronômio 32.17; Levítico 17.7; 2 Crônicas 11.15; Isaías 13.2Isaías 34.14; Mateus 12.43ff; Lucas 11.24ff; Apocalipse 18.2) e explicam o termo como “aquele que se separou de Deus”, ou “aquele que se separou”, ou “aquele que engana os outros”.

Mas um demônio desse tipo não poderia ser colocado em contraste com o Senhor dessa maneira; e como no Livro de Enoque 6: – Apocalipse 8.1Apocalipse 9.6Apocalipse 10.4Apocalipse 13.1 – Apocalipse 69.2 um dos mais proeminentes dos anjos caídos que ensinou à humanidade as artes da guerra e do luxo, revelou segredos a eles, e agora está preso no deserto, e lá é preservado para o julgamento final, porque foi principalmente responsável pela presença do mal no mundo, é chamado Azael (também Azazel, ou Azalzel), é altamente provável que esse nome tenha sido tirado de Levítico 16

Nos tempos posteriores, a palavra Azazel foi por muitos judeus e também por teólogos cristãos, como Orígenes, considerada como o próprio Satanás que havia se afastado de Deus. Nesta interpretação, o contraste encontrado em Levítico 16.8, caso deva ser considerado como um paralelismo completo, seria perfeitamente correto.

Mas deve-se reconhecer que nas Escrituras Sagradas, Satanás não é chamado pelo nome de Azazel, e da mesma forma, o deserto não é considerado como seu lugar permanente de moradia. Contra essas duas últimas interpretações, também devemos lembrar que no trecho mais significativo, ou seja, Levítico 16.20, o termo Azazel não é encontrado de modo algum.

O mesmo é verdadeiro no caso da cerimônia em conexão com a purificação de pessoas e casas leprosas (Levítico 14.7,49ff), que sugere Levítico 16 Neste lugar, também temos a aspersão sete vezes (compare Levítico 14.16 com Levítico 16.14f); e além disso, dois animais, neste caso pássaros, são usados, dos quais um deve ser morto para aspergir o sangue, mas o outro, depois de ter sido mergulhado no sangue do que foi morto, deve ser deixado voar.

Dessa forma, o pensamento essencial em Levítico 16 bem como em Levítico 14 parece ser a remoção do animal em ambos os casos, e é aconselhável interpretar Azazel adjectivamente, ou seja, renunciar a encontrar um paralelismo completo em Levítico 16.8, e considerar a preposição em conexão com o Senhor como usada diferentemente da sua utilização com Azazel, e traduzir da seguinte maneira:

“E Arão lançará sortes sobre ambos os bodes, uma sorte [isto é, para um bode] para o Senhor, e uma sorte para o bode que está destinado a ir para longe”. Na preposição le- usada com o segundo Azazel em Levítico 16.10, compare Êxodo 21.2.

Com essa interpretação, ainda resta uma certa rigidez para o nosso sentido linguístico, porque não podemos encontrar uma boa tradução para o adjetivo. Mas a favor desta interpretação e contra a interpretação pessoal, também podemos apelar para o sentimento dos tradutores da Septuaginta que traduzem apopompaios, diestalmenos, e também para o de Aquilos, que traduz tragos apoluomenos, apolelumenos, kekrataiomenos, e de Símaco que traduz aperchomenos, aphiemenos. (A ideia geral expressa por todas essas palavras é “remoção”, “envio”, “liberação” ou “demissão”). É verdade que a Septuaginta em um lugar traduz eis ten apopompen, que, no entanto, também poderia ser uma circunlocução abstrata para uma concepção que, embora usada em outros lugares, é ainda desconfortável.

Na Vulgata, temos caper emissarius e Lutero diz “der ledige Bock”, que provavelmente são baseados em uma etimologia errada, já que `ez significa apenas um bode ou talvez esta palavra “Bock” esteja aqui apenas suprida da conexão, e isso bastante corretamente, de modo que Lutero e a Vulgata também podem ser citados em favor de nossa interpretação.

II. O Que É Feito em Conexão com Azazel.

1. O Significado Desta Ação:

Ambos os bodes, segundo Levítico 16.5, devem ser considerados como um único sacrifício pelo pecado, mesmo que interpretemos Azazel como demônio ou Satanás, e não devemos entender de forma alguma que um sacrifício foi oferecido a esses seres.

Isso também é tornado impossível pelo tom geral do Antigo Testamento em geral, como de Levítico 16 em particular, de modo que em 16:8 os dois membros introduzidos pela preposição le- não seriam de todo seres da mesma importância.

Ambos os bodes, por assim dizer, representam dois lados da mesma coisa. O segundo é necessário para esclarecer o que o primeiro, que foi morto, não pode mais representar, ou seja, a remoção do pecado, e por isso muitas vezes foi adequadamente chamado de hircus redivivus.

Mas o que deve ser representado encontra sua expressão na cerimônia descrita em Levítico 16.20f. Qualquer que seja o significado da imposição de mãos em outros contextos, seja a ênfase colocada mais na alienação ou na apropriação da propriedade, neste lugar certamente é apenas um símbolo da transferência de culpa, que é confessada sobre o bode e é então levada ao deserto pelo bode sobre o qual foi colocada.

Para tornar essa transferência ainda mais impressionante, ambas as mãos são aqui trazidas à ação, enquanto, por exemplo, em Levítico 1.4, apenas uma mão é usada. O fato de o bode ser acompanhado por alguém e que deve ser levado para um lugar desabitado indica a absoluta impossibilidade de seu retorno, isto é, a culpa foi absolutamente perdoada e apagada, um pensamento profundo objetivamente evidenciado de forma transparente e independentemente da explicação de Azazel, que ainda não é totalmente certa.

Na interpretação pessoal, poderíamos ter, além da ideia da remoção da culpa, também uma segunda ideia, ou seja, que Azazel não pode fazer mal a Israel, mas deve se contentar com sua reivindicação a um bode que toma o lugar de Israel.

2. A Liturgia Judaica:

As ações em conexão com Azazel, como também foi o caso com o Dia da Expiação, foram interpretadas mais completamente pelo Talmude e pelas tradições baseadas nele. Os lotes poderiam ser feitos de materiais diferentes; nos últimos tempos eram feitos de ouro.

A maneira de lançar os lotes foi descrita em detalhes. O bode que deveria ser enviado ao deserto era designado por uma marca preta na cabeça, o outro por uma no pescoço. No caminho de Jerusalém para o deserto, cabanas eram erguidas.

De longe era possível ver como o bode era empurrado para trás de um certo penhasco, chamado Beth-Hadudu (Beth-chadedun – Levítico 12 milhas a leste de Jerusalém). Por meio de sinais feitos com vestimentas, notícias eram enviadas imediatamente a Jerusalém quando o deserto era alcançado.

Wilhelm Moller

Faça um comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários

Artigos Relacionados