Início Dicionário D Divinação

Divinação: Dicionário Bíblico e versículos na Bíblia

26 min de leitura

Divinação – Dicionário Evangélico de Teologia Bíblica de Baker

Divinação

Comunicação com uma divindade com o propósito de determinar o conhecimento da divindade, resultando na clarificação de uma decisão ou discernimento do futuro. Duas formas de adivinhação se desenvolveram no antigo Oriente Próximo, uma usando manipulação indutiva de fenômenos naturais ou humanos e a outra tomando formas intuitivas de revelação interior.

A História da Divinação. Na Mesopotâmia, Anatólia, Egito e Canaã, as pessoas se comunicavam com suas divindades por meio da adivinhação, tanto em nível pessoal quanto público. A partir do período Babilônico Antigo (ca. 2000 a.C.) na Mesopotâmia, a leitura de fígados ajudava a determinar as ações de plebeus e reis.

Uma ovelha era abatida, seu fígado removido e as marcas do órgão “lidas” para obter uma resposta. Outros tipos indutivos de adivinhação incluíam a análise de estrelas, lua, entranhas, pulmões, clima, pássaros e fetos.

Fenômenos produzidos por humanos estudados incluíam lançar sortes, atirar flechas, derramar óleo na água, beber vinho, chamar os mortos e borrifar água em um boi. Tipos intuitivos de adivinhação no antigo Oriente Próximo envolviam oráculos, profecias e sonhos.

Em Israel, uma posição oficial sobre a adivinhação limitava seus usos a formas que não refletiam as práticas das culturas circundantes. A maioria das formas indutivas era proibida (Levítico 19.26 ; Deuteronômio 18.11), embora o uso de Urim e Tumim e sortes suponha algumas abordagens indutivas.

A maioria das práticas antigas, no entanto, era usada tanto pelo povo quanto pelos oficiais. A Bíblia alude ao uso de presságios (Isaías 44.25), flechas (Oséias 4.12), ações de animais (1 Samuel 6.7-12), a leitura de fígados (Ezequiel 21.21-22), plantas brotando (Números 17.1-11), necromancia (1 Samuel 28), e pronunciamentos proféticos, chamados de falsos (Miquéias 3.7 Miquéias 3.11) ou “adivinhações mentirosas” (Isaías 44.25 ; Jeremias 14.14Jeremias 27.9-10 ; Ezequiel 12.24 ; Zacarias 10.2).

Referências à “árvore dos adivinhos” (Juízes 9.37), aos “filhos de um feiticeiro” (Isaías 57.3), e à menina com um espírito de adivinhação (Atos 16.16-19) são evidências da prática generalizada.

Teologia da Divinação. A adivinhação pressupõe que o divino comunica-se com o humano. Esta comunicação toma tanto a iniciativa humana quanto divina. Técnicas indutivas dependem da iniciação humana. A Bíblia supõe que uma prioridade recai sobre formas revelatórias (sonho, visão, oráculo) em vez de sobre as indutivas (Urim/Tumim, éfode).

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Embora fenômenos naturais possam comunicar a vontade de Deus, sua interpretação deve ser escrutinada e pode ser auxiliada pelo verbal. Parece claro que Deus não está limitado ao uso de qualquer meio específico de revelação.

Por que a Bíblia registraria injunções tão fortemente negativas contra a adivinhação indutiva? A lei deuteronômica especialmente ataca tudo o que está conectado com religiões pagãs. Deidades estrangeiras podem ter se associado a esses métodos.

Mesmo assim, a maioria dos métodos aprovados por Israel exibe paralelos com as culturas circundantes. A questão da veracidade pode estar envolvida porque eles se mostram difíceis de interpretar. Por essa razão, formas verbais têm precedência sobre métodos indutivos.

No entanto, até mesmo as profecias precisam passar pelo teste de se elas se cumprem (Deuteronômio 18.21-22).

A necessidade humana requer discernimento dos desejos divinos. Deus escolhe se comunicar de várias maneiras, incluindo técnicas de adivinhação, mas sempre da forma mais clara e inequívoca possível.

G. Michael Hagan

Bibliografia. M. deJong-Ellis, Journal of Cuneiform Studies41 (1989): 127-86; H. A. Hoffner, JETS30 (1987): 257-85; A. L. Oppenheim, Ancient Mesopotamia.

Elwell, Walter A. “Entry for ‘Divination’”. “Evangelical Dictionary of Theology”. 1997.

Divinação – Dicionário Bíblico de Easton

Adivinhação

De falsos profetas (Deuteronômio 18.10 Deuteronômio 18.14 ; Miquéias 3.6 Miquéias 3.7 Miquéias 3.11), de necromantes (1 Samuel 28.8), dos sacerdotes e adivinhos filisteus (1 Samuel 6.2), de Balaão (Josué 13.22).

Três tipos de adivinhação são mencionados em Ezequiel 21.21 , por flechas, consultando imagens (os terafins) e examinando as entranhas de animais sacrificados. A prática desta arte parece ter sido incentivada no antigo Egito.

Adivinhadores também abundavam entre os aborígenes de Canaã e os filisteus (Isaías 2.6 ; 1 Samuel 28). Em um período posterior, multidões de magos vieram da Caldeia e da Arábia para a terra de Israel e prosseguiram com suas ocupações (Isaías 8.19 ; 2 Reis 21.6 ; 2 Crônicas 33.6).

Esta superstição se espalhou amplamente, e na época dos apóstolos havia “judeus vagabundos, exorcistas” (Atos 19.13), e homens como Simão, o mago (Atos 8.9), Barjesus (Atos 13.6 Atos 13.8), e outros ilusionistas e impostores (Atos 19.19 ; 2 Timóteo 3.13).

Todas as espécies e graus dessa superstição eram estritamente proibidos pela lei de Moisés (Êxodo 22.18 ; Levítico 19.26 Levítico 19.31 – 26 Levítico 20.27 ; Deuteronômio 18.10 Deuteronômio 18.11).

Mas além dessas várias formas de superstição, há exemplos de adivinhação registrados nas Escrituras pelos quais Deus se agradou em revelar sua vontade.

Easton, Matthew George. “Entrada para Adivinhação”. “Dicionário Bíblico de Easton”.

Divinação – Dicionário Bíblico de Smith

Divination

Is a “foretelling future events, or discovering things secret by the aid of superior beings, or other than human means.” It is used in Scripture of false systems of ascertaining the divine will. It has been universal in all ages, and all nations alike civilized and savage.

Numerous forms of divination are mentioned, such as divination by rods, (Hosea 4:12) divination by arrows, (Ezekiel 21:21) divination by cups, (Genesis 44:5) consultation of teraphim, (1 Samuel 15.23; Ezekiel 21:21; Zechariah 10:2) [Teraphim]; divination by the liver, (Ezekiel 21:21) divination by dreams, (Deuteronomy 13:2 Deuteronomy 13:3; Judges 7:13; Jeremiah 23:32) consultation of oracles. (Isaiah 41:21-2 – 1 Samuel 44.7) Moses forbade every species of divination, because a prying into the future clouds the mind with superstition, and because it would have been an incentive to idolatry.

But God supplied his people with substitutes for divination which would have rendered it superfluous, and left them in no doubt as to his will in circumstances of danger, had they continued faithful. It was only when they were unfaithful that the revelation was withdrawn. (1 Samuel 28.6; 2 Samuel 22 Samuel 5.23) Etc.

Superstition not unfrequently goes hand in hand with skepticism, and hence, amid the general infidelity prevalent throughout the Roman empire at our Lord’s coming, imposture was rampant. Hence the lucrative trade of such men as Simon Magus, (Acts 8:9) Bar-jesus, (Acts 13:6) the slave with the spirit of Python, (Acts 16:16) the vagabond Jews, exorcists, (Luke 11:19; Acts 19:13) and others, (2 Timothy 3:13; Revelation 19:20) etc., as well as the notorious dealers in magical books at Ephesus. (Acts 19:19)

Smith, William, Dr. “Entry for ‘Divination’”. “Smith’s Bible Dictionary”. 1901.

Divinação – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Divinação

1. Definição

2. Tipos de Divinação

3. Pressuposto Fundamental na Divinação

4. Divinação Legítima e Ilegítima

5. A Bíblia e a Divinação

6. Modos de Divinação Mencionados na Bíblia:

Aprovados e Condenados

7. Termos Usados no Antigo Testamento em Conexão com a Divinação

8. Divinação e Profecia

$LITERATURE$

1. Definição:

Divinação é o ato de obter conhecimento secreto, especialmente aquele que se relaciona ao futuro, por meios quase exclusivamente ao alcance de classes especiais de homens.

2. Tipos de Divinação:

Disto há duas espécies principais:

(1) artificial,

(2) inspiracional, ou, como era chamada nos tempos antigos (Cícero, Lord Bacon, etc.), divinação natural.

A divinação artificial depende da habilidade do agente em ler e interpretar certos sinais chamados presságios. Na divinação inspiracional ou natural, o agente está professadamente sob a influência imediata de algum espírito ou deus que permite ao adivinho ver o futuro, etc., e proferir oráculos que incorporam o que ele vê.

Entre os romanos prevaleceu quase exclusivamente a divinação artificial, tendo a outra grande aceitação entre os gregos, uma prova certamente da tendência mais espiritual da mente grega. No entanto, aquele grande romano, Cícero, em seu memorável tratado sobre Divinação, diz que concorda com aqueles que reconhecem esses dois tipos distintos de divinação.

Como exemplos de divinação inspiracional, ele menciona homens sonhando ou em estado de êxtase (De Divinatione, i. 18). Mas embora Cícero arranje os adivinhos de acordo com suas pretensões, ele não acredita em nenhuma comunicação sobre-humana.

Assim, ele explica os sonhos em princípios psicológicos muito semelhantes aos dos psicólogos modernos (op. cit. ii.63). Na verdade, Cícero era ateu, ou pelo menos agnóstico.

A palavra latina divinatio era confinada quase exclusivamente à divinação por sinais externos, embora sua etimologia (deus, “deus”) sugira que originalmente denotava o outro tipo – aquele devido à inspiração de seres sobre-humanos.

Crisipo (morreu em Atenas em 207 a.C.), embora ele próprio um filósofo grego, define a palavra de uma maneira que teria recebido a aprovação de quase todo romano, incluindo o próprio Cícero que a dá. “Divinação,” Cícero o faz dizer (op. cit. ii.63), é “um poder no homem que prevê e explica aqueles sinais que os deuses colocam em seu caminho.” Os gregos eram, por outro lado, um povo mais imaginativo e emocional, e com eles a divinação inspiracional ocupava um lugar muito maior.

O termo grego para adivinho (mantis) tem uma semelhança estreita com o profeta do Antigo Testamento, pois ambos alegavam ser inspirados de fora e serem informados superhumanamente. O termo grego para divinação (he mantike = he mantike techne) refere-se ao trabalho do mantis, e dificilmente significa divinação do tipo inferior – aquela por meio de sinais.

3. Pressuposto Fundamental na Divinação:

Subjacente a todos os métodos de divinação estava a crença de que certos seres espirituais sobre-humanos (deuses, espíritos) possuem o conhecimento secreto desejado pelos homens e que, sob certas condições, estão dispostos a transmiti-lo.

(1) A própria palavra “divinação”, de deus, “deus”, ou divus, “pertencente a deus”, carrega consigo a noção de que a informação obtida veio da divindade. Da mesma forma, o termo grego mantike implica que a mensagem chega ao mantis dos deuses ou espíritos por meio de inspiração.

(2) Astrologia, ou astromancia, é apenas uma forma de divinação e repousa sobre a crença fundamental de que os corpos celestes são deuses controlando os destinos dos homens e revelando o futuro para aqueles que têm olhos para ver.

De acordo com a visão de mundo ou concepção do universo defendida por Hugo Winckler, Alfred Jeremias e outros, eventos terrestres são apenas sombras das realidades celestiais. Estas últimas representavam a mente dos deuses.

(3) Sobre hepatoscopia, ou adivinhação pelo fígado, veja abaixo – 2 Samuel 6 (2), (c).

(4) Pode ser provado que entre os povos antigos (babilônios, egípcios, gregos, romanos, etc.) prevalecia a visão de que não apenas oráculos, mas também presságios de todos os tipos são dados aos homens pelos deuses e expressam as mentes desses deuses.

4. Divinação Legítima e Ilegítima:

Entre os antigos babilônios, egípcios, gregos e romanos, o adivinho estava a serviço do estado e era oficialmente consultado antes de guerras e outras grandes empreitadas serem realizadas. Mas entre esses e outros povos antigos, certas classes de adivinhos eram proibidas pelo governo de exercerem sua profissão, provavelmente porque se supunha que estivessem em conluio com os deuses de outras nações hostis.

Os deuses de um povo eram, nas crenças da época, os protetores de seu povo e, portanto, os inimigos dos inimigos de seus protegidos. É por isso que a bruxaria foi tão amplamente condenada e punida. A necromancia é uniformemente proibida no Antigo Testamento ({Levítico 19.31}; {Deuteronômio 18.11}; {Isaías 8.19}; {Isaías 19.3}), provavelmente por conta de sua conexão com o culto aos ancestrais.

Mas entre outros povos antigos, era permitida e largamente praticada. Note que as palavras hebraicas traduzidas ({Deuteronômio 18.11}) “consultor com um espírito familiar” e “feiticeiros” denotam igualmente pessoas que buscam oráculos dos espíritos dos mortos.

Os primeiros Pais acreditavam que na divinação do paganismo temos o trabalho de Satanás que desejava desacreditar a verdadeira religião produzindo fenômenos entre as raças pagãs muito semelhantes às maravilhas proféticas do povo escolhido.

Isso, é claro, baseia-se em uma visão do profeta do Antigo Testamento que o faz um “preditor” e pouco mais.

5. A Bíblia e a Divinação:

A atitude da Bíblia em relação à divinação é, em geral, distintamente hostil e é bem representada por {Deuteronômio 18.10}, onde o profeta de Yahweh é contrastado com adivinhos de todos os tipos como o único meio autorizado de revelação sobrenatural.

No entanto, note o seguinte:

(1) Balaão ({Números 22.24}) era um adivinho pagão cujas palavras de bênção e maldição eram acreditadas ter força mágica, e quando seus serviços são alistados na causa do yahwismo, de modo que, em vez de amaldiçoar, ele abençoa Israel, não há uma sílaba de desaprovação na narrativa.

(2) Em {Isaías 3.2} os adivinhos são classificados com juízes, guerreiros e profetas como pilares do estado. Eles são associados com profetas e videntes em {Jeremias 27.9}; {Jeremias 29.8}; {Ezequiel 22.28} (compare {13:6-9}; {12:24}). É verdade que os profetas e adivinhos mencionados nessas passagens usam mentiras descaradas, dizendo paz onde não há nenhuma; mesmo assim, os homens chamados profetas e adivinhos são classificados juntos como funcionários semelhantes.

O yahwismo puro em seu princípio básico é e deve sempre ter sido antagonista à divinação de qualquer tipo, embora a divinação inspiracional tenha semelhanças com o profetismo e até afinidades com ele. Por que então a Bíblia parece falar com duas vozes, geralmente proibindo, mas às vezes tolerando várias formas de divinação?

Na religião real do Antigo Testamento, temos um sincretismo no qual, embora o yahwismo forme a base, há componentes das religiões dos nativos aborígenes e das nações ao redor. O pensamento subjacente em todas as formas de divinação é que, empregando certos meios, os homens são capazes de obter conhecimento que de outra forma estaria além de seu alcance.

A religião de Israel fez de Yahweh a fonte desse conhecimento e o profeta o meio através do qual ele chegava aos homens. Temos um exemplo análogo de sincretismo resultando na união de elementos opostos no antigo zoroastrismo que, embora em seu princípio central inconsistente com a divinação por presságios, ainda adotou dos cultos turanianos nativos da Pérsia certas formas de divinação, especialmente aquela por sorteio.

Nem se deve esquecer que a Bíblia é uma biblioteca e não um livro, e onde tantos escritores, vivendo em épocas amplamente separadas, estiveram em ação, é natural esperar diversidade de ensinamentos, embora ninguém possa negar que em questões fundamentais os autores bíblicos são maravilhosamente consistentes.

6. Modos de Divinação Mencionados na Bíblia:

Para modos de divinação em voga entre os antigos babilônios, egípcios, gregos, romanos, etc., veja as obras relevantes e artigos de dicionário. As espécies de divinação mencionadas na Bíblia podem ser organizadas em duas categorias:

(1) aquelas aparentemente sancionadas e (2) aquelas condenadas na Bíblia.

Aquelas Aprovadas e Aquelas Condenadas:

(1) Métodos de Divinação Tacitamente ou Expressamente Sancionados na Bíblia.

(a) Os seguintes são exemplos de divinação inspiracional:

(i) O caso de Balaão já foi citado. Ele era um moabita e, portanto, um adivinho pagão. Sua palavra de bênção ou maldição é tão potente que, quer ele abençoe ou amaldiçoe, sua palavra garante sua própria realização.

Tanto é que sua vocação não é censurada que é realmente chamada ao serviço de Yahweh ({Números 22.24}).

(ii) Aos sonhos a Bíblia atribui um lugar importante como meio legítimo de revelar o futuro. Tais sonhos são de dois tipos:

(aa) Involuntários ou tais que vêm sem serem procurados. Mesmo estes são considerados enviados para orientação nos assuntos humanos. A maioria dos sonhos mencionados na Bíblia pertence a esta classe: veja {Gênesis 20.3,1} (Abimeleque) – Gênesis 28.2Gênesis 31.10-14 (Jacó) – Gênesis 37.5-9 (José) – Gênesis 40.5-21 (copeiro e padeiro do faraó) – Gênesis 41.1-35 (faraó); {Juízes 7.9-14} (Gideão e um homem não identificado); {Daniel 1.17} (Daniel tinha entendimento de sonhos); {Daniel 2.1-49} (sonho de Nabucodonosor e sua interpretação por Daniel); {Mateus 1.20}; {Mateus 2.13},19 f (José, marido de Maria, a virgem) – Mateus 27.19; veja também {Jeremias 23.25}, onde a legalidade dos sonhos proféticos é assumida (compare {23:32}, onde “sonhos mentirosos” implicam genuínos).

No documento geralmente atribuído pelos críticos modernos ao Elohista (E), os sonhos têm grande importância como mostram os exemplos acima. Entre os babilônios, a crença na significância dos sonhos deu origem a uma ciência (oniromancia) tão elaborada que apenas intérpretes especiais chamados videntes (singular, baru) eram considerados capazes de explicá-los.

(bb) A outra espécie de sonhos consiste em tais que são induzidos pelo que é chamado “incubação”, ou seja, dormindo em um lugar sagrado onde o deus do lugar é acreditado revelar seus segredos ao dorminhoco.

Heródoto (iv.172) diz que os Nasamônios, uma tribo egípcia, costumavam praticar a divinação dormindo nos túmulos de seus ancestrais. Os sonhos que então lhes vinham eram entendidos como revelações de seus ancestrais deificados.

Veja Heródoto i.181 para outro exemplo de incubação em Nínive. Temos uma referência a este costume em {Isaías 65.4} (“que se assentam entre os sepulcros”), onde Yahweh entra em julgamento com os judeus por seu pecado em ceder a essa superstição.

O sonho de Salomão ({1 Reis 3.5-15}) veio a ele no alto lugar de Gibeão.

(b) Mas a Bíblia parece em alguns lugares dar sua aprovação a alguns tipos de divinação artificial ou (como pode ser chamada) divinação por presságios.

(i) Sorteio ou divinação por sorte. O uso da sorte como meio de determinar a vontade da Divindade é referido pelo menos sem censura expressa e, como pensa o presente escritor, com aprovação tácita, em muitas partes da Bíblia.

Foi por sorteio que Arão decidiu qual dos dois bodes seria para Yahweh e qual para Azazel ({Levítico 16.7-10}). Foi por sorteio que a terra de Canaã foi dividida após a conquista ({Números 26.56}; {Josué 18}; {Josué 18.19}).

Para outros exemplos bíblicos veja {Josué 7.14} (Acã descoberto por sorteio); {1 Crônicas 6.54} – 1 Crônicas 24.51 Crônicas 25.81 Crônicas 26.13; {Ester 3.7} (“Eles lançaram Pur, isto é, a sorte”); {Neemias 10.34}; {Neemias 11.1}; {Jonas 1.7} (“A sorte caiu sobre Jonas”); {Mateus 27.35}; {Atos 1.26}.

Nos Urim e Tumim, como explicado por estudiosos modernos, o mesmo princípio é aplicado, pois essas duas palavras, embora etimologicamente ainda obscuras, representam dois objetos (seixos?), um denotando sim ou seu equivalente, e o outro número.

Qualquer que fosse o que o sumo sacerdote tirasse de seu éfode era considerado a resposta à pergunta feita. Em todos os casos, presume-se que a sorte lançada era uma expressão e indicação da vontade divina.

(ii) Hidromancia, ou adivinhação pela água. Em Gênesis 44.5 José é representado como praticando esse tipo de adivinhação e nenhuma palavra de desaprovação é expressa.

(iii) Lemos no Antigo Testamento sobre outros sinais ou presságios que são implicitamente aprovados, assim Juízes 6.36-40 (o velo de Gideão); 1 Samuel 14.8-13 (Jonathan decide se deve ou não atacar os filisteus pelas palavras que ele pode ouvir eles falarem).

(2) Modos de Adivinhação Condenados.

Os seguintes métodos de adivinhação são explicitamente ou implicitamente condenados no Antigo Testamento:

(a) Astromancia (= Astrologia).

(b) Rabdomancia, ou o uso da vara de adivinhação, referido aparentemente em Oséias 4.12 (que pode ser parafraseado:

“Meu povo pede conselho a um pedaço de madeira, e a vara feita disso responde às suas perguntas”); Ezequiel 8.17 (“Eles colocam uma vara (EV “o ramo”) no nariz”).

(c) Por um exame do fígado dos animais; veja Ezequiel 21.21. Esse modo de adivinhação, hepatoscopia, como tem sido chamado, era muito difundido entre os babilônios, gregos, romanos, etc., do mundo antigo, e ainda está em voga em Bornéu, Birmânia e Uganda.

Não temos evidências de que foi praticado entre os israelitas, pois na passagem acima é o rei da Babilônia (Nabucodonosor) quem é dito ter “olhado no fígado”.

Opiniões diferem quanto a como o estado do fígado poderia atuar como um presságio. Jastrow diz que o fígado era considerado o assento da vida, e que onde o fígado do animal sacrificado (geralmente uma ovelha) era aceito, ele assumia o caráter da divindade a quem era oferecido.

A alma do animal vista no fígado tornava-se então um refletor da alma do deus. Por outro lado, Alfred Jeremias diz que, na visão dos antigos babilônios, as linhas e formas do fígado da ovelha eram consideradas como refletindo o universo e sua história.

Nenhuma dessas explicações é tornada provável por seus defensores.

(d) Por terafins; veja 1 Samuel 15.23; Ezequiel 21.21; Zacarias 10.2.

(e) Necromancia, ou consulta aos mortos; veja Levítico 19.3Levítico 20.6; Deuteronômio 18.11; Isaías 8.1Isaías 19.3.

(f) Adivinhação através do sacrifício de crianças pelo fogo (veja Deuteronômio 18.10). O contexto torna quase certo que as palavras traduzidas “que faz passar seu filho ou sua filha pelo fogo” (EV; mas leia e traduza “queima seu filho ou sua filha no fogo”) referem-se a um modo de obter um oráculo (compare 2 Reis 3.27).

Os fenícios e cartagineses sacrificavam seus filhos a Cronos em tempos de grave perigo nacional ou calamidade.

7. Termos Usados no Antigo Testamento em Conexão com Adivinhação:

Estes são examinados em detalhe no livro de T. Witton Davies, Magic, Divination, and Demonology among the Hebrews and Their Neighbors. As seguintes notas breves devem ser suficientes aqui.

(1) kecem, geralmente traduzido como “adivinhação”, é um termo geral para adivinhação de todos os tipos. Em Ezequiel 21.21 (26) representa adivinhação por flechas enquanto em 1 Samuel 28.8 é usado para adivinhação através de um ‘obh (“espírito familiar”).

(2) me`onen, provavelmente de uma raiz semítica (compare árabe `anna) que denota emitir um som nasal rouco, como era costume ao recitar a fórmula prescrita. Alguns dizem que a palavra significa alguém que adivinha das nuvens, derivando de `anan, “uma nuvem”, embora nada no contexto sugira esse sentido, e o mesmo comentário aplica-se ao significado “aquele que atinge com o mau-olhado”, tornando o termo um denominativo de `ayin, “olho”.

A tradução usual na King James Version é plural “observadores de tempos” e na Revised Version (British and American) “aqueles que praticam augúrio” (Dt. 18:10,14).

(3) O verbo nichesh, do qual lichesh é apenas uma variante, é provavelmente um denominativo de nachash, “uma serpente” (l e n trocam em hebraico), denotando “sussurrar”, “murmurar” (como uma serpente), depois “proferir fórmulas adivinhatórias”.

Como é usado para muitos tipos de adivinhação, W. R. Smith conclui que veio a ser um termo geral para adivinhar. O particípio deste verbo é traduzido como “encantador” em Deuteronômio 18.10, o verbo cognato, “usar encantamentos” em Levítico 19.26; 2 Reis 21.6; 2 Crônicas 33.6, e o substantivo correspondente “encantamento” em Números 23.2Números 24.1.

(4) gazerin, literalmente, “cortadores”, ou seja, tais como matam (em árabe, o verbo cognato = “abater”) para o propósito de examinar o fígado ou entranhas como presságios. Talvez a etimologia implique “sacrifício”, animais sendo sacrificados como um apelo à divindade.

A palavra ocorre apenas em Daniel (2.2Daniel 4.7 (4) – Daniel 5.7,11), e é traduzida como “adivinhos”. Alguns pensam que eram “astrólogos”, a etimologia nesse caso referindo-se à divisão dos céus com o objetivo, lançando o horóscopo, de prever o futuro.

(5) ‘ashshaph (King James Version “astrólogo”, Revised Version (British and American) “encantador”), ocorre apenas em Daniel no hebraico (1:2 – Daniel 2.2) e no aramaico (2:1 – Daniel 4.4 (7), etc.) partes do livro.

O termo é provavelmente tomado do babilônico e denota um mago e especialmente um exorcista em vez de um adivinho.

(6) kasda’im, a mesma palavra que o grego (Chaldaioi) (Versões em inglês, “Caldeus”), denota em Daniel (1.4, etc.) onde sozinho ocorre, não o povo assim designado, mas uma classe de astrólogos. Esse uso (comum nos escritores clássicos) surgiu após a queda do império babilônico, quando os únicos caldeus conhecidos eram astrólogos e adivinhos.

8. Adivinhação e Profecia:

A adivinhação inspirada e a profecia do Antigo Testamento têm muito em comum. Ambas implicam as seguintes condições:

(1) o instinto primitivo que anseia por conhecimento secreto, especialmente aquele relacionado ao futuro;

(2) a crença de que tal conhecimento é possuído por certos seres espirituais que estão dispostos em certos termos a transmiti-lo;

(3) tal conhecimento secreto é geralmente transmitido a classes especiais de homens (raramente mulheres) chamados adivinhos ou (Bab) videntes e profetas.

Muitos antropólogos (Tylor, Frazer, etc.) e estudiosos do Antigo Testamento (Wellhausen, W. Robertson Smith, etc.) consideram a profecia apenas um crescimento e forma superior de adivinhação. Os teólogos mais antigos quase unanimemente, e um bom número de modernos, tomam precisamente a visão oposta, que a adivinhação é uma corrupção da profecia.

Provavelmente nenhuma das visões é estritamente verdadeira. Às vezes na vida humana encontramos evidências de progresso do inferior para o superior. Às vezes o processo é exatamente o contrário. É importante notar as diferenças assim como as semelhanças entre o adivinho e o profeta.

(1) O profeta do Antigo Testamento acredita em um Deus pessoal cujo porta-voz ele considera ser. Quando ele falava ou escrevia era porque ele estava, pelo menos professadamente, inspirado e informado por Yahweh. “Assim diz Yahweh,” era a fórmula usual com que ele introduzia seus oráculos.

O mantis grego e romano, por outro lado, trabalhava-se até o estado extático necessário por meio de música, drogas (intoxicantes, etc.), fumaça sacrificial e semelhantes. Às vezes pensava-se que um meio suficiente de adivinhação era engolir as partes vitais de aves e animais de presságio.

Acreditava-se que ao comer os corações de corvos, toupeiras ou falcões, os homens incorporavam em seus corpos a alma presagiosa da criatura.

(2) O mantis praticava sua arte como uma ocupação remunerativa, cobrando altas taxas e recusando na maioria dos casos exercer sua função sem remuneração adequada. Os santuários de oráculos locais (Delfos, Clavis, etc.) eram usados para fins pessoais e políticos.

O profeta do Antigo Testamento, por outro lado, alegava falar conforme ordenado por seu Deus. Era para ele uma questão de convicção quanto a como os homens deveriam viver, que estado de coração deveriam cultivar.

Longe de promover seus próprios interesses materiais, como poderia ao dizer o que reis e outras dignidades desejavam ouvir, ele ousadamente denunciava os pecados da época, mesmo quando, como frequentemente, tinha que condenar a conduta de reis e a política de governos.

Veja, por exemplo, a condenação destemida de Isaías à conduta de Acaz ao convocar a ajuda da Assíria (Isaías 7), e as palavras cáusticas com que Jeremias censurou as ações dos líderes da nação em seu tempo (Jeremias 9.26, etc.), embora ambos esses nobres profetas tenham sofrido severamente por sua coragem, especialmente Jeremias, que se destaca como talvez o melhor exemplo registrado do que, diante de oposição formidável, o professor religioso sempre deve ser.

De Micaías ben Iralab, o rei Acabe de Israel disse: “Eu o odeio; pois ele não profetiza bem a meu respeito, mas mal.” Qual foi a recompensa desse profeta por sua fidelidade à sua consciência e seu Deus?

Prisão (1 Reis 22.1-35). Se ele tivesse agradado ao rei prevendo um futuro feliz e próspero que nunca seria, ele teria sido vestido com roupas suntuosas e alojado em um palácio.

$LITERATURA$.

Além das referências acima e da bibliografia completa prefixada ao livro do escritor atual mencionado acima (Magic, etc.), observe o seguinte:

Bouche-Leclercq, Histoire de la divination dans l’antiquite; E. B. Tylor, Primitive Culture 3, I – 1 Reis 78.81 – 1 Reis 117 33; II – 1 Reis 155 J. G. Frazer, Golden Bough 2, I – 1 Reis 346 II – 1 Reis 355 III – 1 Reis 342 et passim, e os artigos nos principais dicionários bíblicos.

T. Witton Davies

Orr, James, M.A., D.D. Editor Geral. “Entrada para ‘ADIVINHAÇÃO’”. “Encyclopedia Internacional da Bíblia Padrão”. 1915.

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Faça um comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários

Artigos Relacionados