Início Dicionário A Atos Apócrifos, Geral

Atos Apócrifos, Geral na Bíblia. Significado e Versículos sobre Atos Apócrifos, Geral

39 min de leitura

Atos Apócrifos, Geral

A. INTRODUÇÃO GERAL

I. O SIGNIFICADO DE “APÓCRIFO”

1. Secreto

2. Falso e Herético

3. Extracanônico

II. CARACTERÍSTICAS GERAIS

1. Romance

2. O Sobrenatural

3. Ascetismo Sexual

4. Ensino Herético

5. Sentimento Religioso

III. ORIGEM

1. Reverência pelos Apóstolos

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

2. Curiosidade Piedosa

3. Autoridade Apostólica Desejada

4. Interesses das Igrejas Locais

IV. FONTES

1. Atos Canônicos

2. Tradições

3. Romances de Viagem

V. TESTEMUNHO ECLESIÁSTICO

1. Oriental

2. Ocidental

3. Fócio

4. Condenação Eclesiástica

VI. AUTORIA

VII. RELAÇÃO ENTRE OS DIFERENTES ATOS

VIII. VALOR

1. Como História

2. Como Registros do Cristianismo Primitivo

IX. INFLUÊNCIA

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

B. OS ATOS SEPARADOS

I. ATOS DE PAULO

II. ATOS DE PEDRO

III. ATOS DE JOÃO

IV. ATOS DE ANDRÉ

V. ATOS DE TOMÉ

A. INTRODUÇÃO GERAL

I. O Significado de “Apócrifo”.

Como aplicado aos escritos cristãos primitivos, o termo “apócrifo” tem o sentido secundário e convencional de “extracanônico”.

1. Secreto:

Originalmente, como a etimologia da palavra mostra (grego apokrupto = “esconder”), denotava o que era “oculto” ou “secreto”. Nesse sentido, “apócrifo” era, inicialmente, um título de honra, sendo aplicado a escritos usados pelos iniciados em círculos esotéricos e altamente valorizados por eles como contendo verdades milagrosamente reveladas e mantidas secretas do mundo exterior.

Assim como havia escritos desse tipo entre os judeus, também havia em círculos cristãos, entre as seitas gnósticas, apócrifos, que reivindicavam incorporar as verdades mais profundas do cristianismo, transmitidas como uma tradição secreta pelo Cristo ressuscitado aos Seus apóstolos.

2. Falso e Herético:

Quando a concepção de uma igreja católica começou a tomar forma, foi inevitável que esses escritos secretos fossem vistos com suspeita e acabassem por ser proibidos, não só porque fomentavam o espírito de divisão na igreja, mas porque eram favoráveis à disseminação do ensino herético.

Por uma transição gradual e inteligível de ideias, “apócrifo”, como aplicado a escritos secretos assim desacreditados pela igreja, passou a ter o mau sentido de espúrio e herético. Nesse sentido, a palavra é usada tanto por Irineu quanto por Tertuliano.

3. Extracanônico:

Além de ser estigmatizados como falsos e heréticos, muitos livros eram considerados inadequados para leitura em culto público, embora pudessem ser usados para fins de edificação privada. Principalmente sob a influência de Jerônimo, o termo “apócrifo” recebeu uma extensão de significado de modo a incluir escritos desse tipo, agora enfatizando sua não aceitação como Escrituras autoritativas pela igreja, sem qualquer sugestão de que o motivo da não aceitação residisse no ensino herético. É nesse sentido amplo que a palavra é usada quando falamos de “Atos Apócrifos”.

Embora os Atos que levam esse nome tenham tido sua origem principalmente em círculos de tendência herética, a descrição deles como “apócrifos” não envolve nenhum julgamento quanto ao caráter de seu conteúdo, mas simplesmente denota que são Atos que foram excluídos do cânon do Novo Testamento porque seu título ou reivindicações de reconhecimento como escritos autoritativos e normativos não foram admitidos pela igreja.

Esta definição limita o escopo de nossa investigação àqueles Atos que pertencem ao século 2, os Atos Bíblicos tendo garantido seu lugar como escritura autoritativa até o final desse século.

II. Características Gerais.

Os Atos Apócrifos pretendem dar a história da atividade dos apóstolos em detalhes mais completos do que os Atos canônicos.

1. Romance:

As adições à narrativa do Novo Testamento encontradas neles são fortemente aromatizadas com romance e revelam um gosto extravagante e insalubre pelo milagroso. Contos maravilhosos, produto de uma fantasia exuberante, frequentemente desprovidos de delicadeza de sentimento e sempre fora de contato com a realidade, são livremente acumulados uns sobre os outros.

Os apóstolos não são mais concebidos como vivendo nos níveis ordinários da humanidade; suas fraquezas humanas, às quais os escritores canônicos não são cegos, quase que totalmente desapareceram; eles andam pelo mundo como homens familiarizados com os mistérios do céu e da terra e possuidores de poderes aos quais nenhum limite pode ser imposto.

Eles têm o poder de curar, de exorcizar demônios, de ressuscitar os mortos; e enquanto feitos maravilhosos dessa natureza ocorrem constantemente, há outros milagres realizados pelos apóstolos que lembram as prodigalidades bizarras e não morais do Evangelho da Infância de Tomé.

Um peixe defumado é feito para nadar; uma estátua quebrada é restaurada usando-se uma hóstia consagrada; uma criança de sete meses é capaz de falar com voz de homem; animais recebem o poder de fala humana.

2. O Sobrenatural:

O caráter romântico dos Atos Apócrifos é intensificado pela frequente introdução do sobrenatural. Mensageiros angelicais aparecem em visões e sonhos; vozes celestiais são ouvidas; nuvens descem para esconder os fiéis na hora do perigo e raios ferem seus inimigos; as forças aterrorizantes da natureza, terremoto, vento e fogo, atingem o coração dos ímpios com pavor; e mártires morrem transfigurados em um brilho de glória sobrenatural.

Especialmente característico desses Atos são as aparições de Cristo em muitas formas; ora como um ancião, ora como um jovem belo, ora como uma criança; mas mais frequentemente à semelhança deste ou daquele apóstolo.

3. Ascetismo Sexual:

Não se deve supor, pelo exposto, que os Atos Apócrifos com sua profusão de detalhes românticos e sobrenaturais foram projetados apenas para exaltar a personalidade dos apóstolos e satisfazer o desejo prevalente pelo maravilhoso.

Eles tinham um propósito prático definido. Foram destinados a confirmar e popularizar um tipo de cristianismo em forte reação contra o mundo, no qual a ênfase era colocada na abstinência rigorosa das relações sexuais como principal requisito moral.

Esse ascetismo sexual é o tema dominante em todos os Atos. As “contendas” dos apóstolos, seus julgamentos e seu eventual martírio devem-se, em quase todos os casos, à pregação da pecaminosidade da vida conjugal e ao sucesso em persuadir mulheres a rejeitar a sociedade de seus maridos.

Os Atos são permeados pela convicção de que a abstinência do casamento é a condição suprema para entrar na vida mais elevada e conquistar o céu. O evangelho, em seu lado prático, é (para usar a expressão sucinta dos Atos de Paulo) “a palavra de Deus a respeito da abstinência e da ressurreição”.

4. Ensino Herético:

Além de inculcar uma moralidade ascética, os Atos Apócrifos mostram traços mais ou menos pronunciados de heresia doutrinária. Todos eles, com exceção dos Atos de Paulo, representam uma visão docética de Cristo; isto é, a vida terrena de Jesus é vista meramente como uma aparência, fantasmagórica e irreal.

Essa cristologia docética é mais proeminente nos Atos de João, onde lemos que, quando Jesus caminhava, não se viam pegadas; que às vezes quando o apóstolo tentava segurar o corpo de Jesus, sua mão passava por ele sem resistência; que quando a multidão se reunia ao redor da cruz na qual, aparentemente, Jesus estava pendurado, o Mestre mesmo tinha um encontro com seu discípulo João no Monte das Oliveiras.

A crucificação foi simplesmente um espetáculo simbólico; foi apenas em aparência que Cristo sofreu e morreu. Aliado à cristologia docética está um modalismo ingênuo, segundo o qual não há distinção clara entre o Pai e o Filho.

5. Sentimento Religioso:

Apesar da impressão desfavorável criada pela enxurrada de detalhes milagrosos e sobrenaturais, pela atmosfera pervasiva de ascetismo sexual e pela presença de equívocos doutrinários, é impossível não sentir, em muitas seções dos Atos Apócrifos, o êxtase de um grande entusiasmo espiritual.

Particularmente nos Atos de João, André e Tomé, há passagens (canções, orações, homilias), às vezes de genuína beleza poética, que são caracterizadas por calor religioso, fervor místico e seriedade moral.

O amor místico a Cristo, expresso embora frequentemente seja na estranha linguagem do pensamento gnóstico, serviu para trazer o Salvador perto dos homens como a satisfação dos anseios mais profundos da alma pela libertação do poder sombrio da morte.

A superstição vulgar e os traços do paganismo invicto não devem nos cegar para o fato de que nos Atos Apócrifos temos uma expressão autêntica, embora grandemente distorcida, da fé cristã, e que através deles grandes massas de pessoas foram confirmadas em sua convicção da presença espiritual e do poder de Cristo, o Salvador.

III. Origem.

Os Atos Apócrifos tiveram sua origem em um momento em que os Atos canônicos dos Apóstolos ainda não eram reconhecidos como unicamente autoritativos. Vários motivos contribuíram para o surgimento de livros que tratavam da vida e atividade dos diferentes apóstolos.

1. Reverência pelos Apóstolos:

Por trás de cada variedade de motivo estava a profunda reverência pelos apóstolos como os depositários autoritativos da verdade cristã. Nos tempos apostólicos, a única autoridade nas comunidades cristãs, fora das Escrituras do Antigo Testamento, era “o Senhor”.

Mas à medida que o período criativo do cristianismo desbotava no passado, “os apóstolos” (no sentido do colégio dos Doze, incluindo Paulo) foram elevados a uma posição de destaque ao lado de Cristo com o objetivo de garantir a continuidade nas credenciais da fé.

Os mandamentos do Senhor haviam sido recebidos por meio deles. Nos epístolos de Inácio, eles ocupam um lugar de supremacia reconhecida ao lado de Cristo. Somente aquilo que tinha autoridade apostólica era normativo para a igreja.

A autoridade dos apóstolos era universal. Eles haviam ido a todo o mundo pregar o evangelho. Eles haviam, segundo a lenda referida no início dos Atos de Tomé, dividido entre si as diferentes regiões da terra como esferas de sua atividade.

Era uma consequência inevitável da peculiar reverência em que os apóstolos eram tidos como as seguranças da verdade cristã que um interesse vivo fosse demonstrado em histórias tradicionais sobre seu trabalho e que escritos fossem multiplicados que pretendiam dar seu ensino com plenitude de detalhes.

2. Curiosidade Piedosa:

Os Atos canônicos não eram calculados para satisfazer o desejo predominante por um conhecimento da vida e ensino dos apóstolos. Por um lado, muitos dos apóstolos são ignorados lá, e por outro, as informações dadas sobre os principais apóstolos Pedro e Paulo são pouco mais do que um esboço esparso dos eventos de suas vidas.

Nessas circunstâncias, tradições não preservadas nos Atos canônicos foram avidamente aceitas, e como a história real dos apóstolos individuais era em grande parte envolta em obscuridade, lendas foram livremente inventadas para satisfazer a curiosidade insaciável.

O caráter maravilhoso dessas invenções é um testemunho do nível sobrenatural ao qual os apóstolos foram elevados na estima popular.

3. Autoridade Apostólica Desejada:

Assim como no caso dos evangelhos apócrifos, o principal motivo na multiplicação de romances apostólicos era o desejo de apresentar com todo o peso da autoridade apostólica concepções de vida e doutrina cristãs que prevaleciam em certos círculos.

(1) Ao lado do tipo mais sóbrio e católico de cristianismo, existia, especialmente na Ásia Menor, um cristianismo popular com ideais de vida pervertidos. Em seu aspecto prático, a religião cristã era vista como uma disciplina ascética, envolvendo não apenas abstinência de alimentos de origem animal e vinho, mas também (e principalmente) abstinência do casamento.

A virgindade era o ideal cristão. Pobreza e jejuns eram obrigatórios para todos. Os Atos Apócrifos são permeados por esse espírito, e seu design evidente é confirmar e difundir confiança nesse ideal ascético, representando os apóstolos como os zelosos defensores dele.

(2) Os Atos Apócrifos também foram destinados a servir um interesse dogmático. Seitas heréticas os usaram como meio de propagar suas visões doutrinárias peculiares e procuraram complementar ou suplantar a tradição da crescente igreja católica por outra tradição que afirmava ser igualmente apostólica.

4. Interesses das Igrejas Locais:

Uma causa subsidiária na fabricação de lendas apostólicas era o desejo das igrejas de encontrar suporte para as reivindicações que apresentavam por uma fundação apostólica ou por alguma conexão com apóstolos.

Em alguns casos, a tradição da esfera de atividade de um apóstolo pode ter sido bem fundamentada, mas em outros há probabilidade de que histórias de uma conexão apostólica tenham sido livremente inventadas com o propósito de realçar o prestígio de alguma igreja local.

IV. Fontes.

Em geral, pode-se dizer que os Atos Apócrifos estão cheios de detalhes lendários. Na invenção desses, tudo foi feito para inspirar confiança neles como historicamente verdadeiros.

1. Atos Canônicos:

As narrativas, portanto, abundam em claras reminiscências dos Atos canônicos. Os apóstolos são lançados na prisão e são maravilhosamente libertados. Convertidos recebem os apóstolos em suas casas

Atos Apócrifos, os atos separados

B. OS ATOS SEPARADOS

Os Atos Apócrifos tratados neste artigo são os Atos Leucianos mencionados por Photius em sua Bibliotheca. Como os temos agora, eles passaram por revisão no interesse da ortodoxia eclesiástica, mas em sua forma original pertenciam ao século 2. É impossível dizer quanto os Atos na sua forma atual diferem daquela em que originalmente apareceram, mas é evidente em muitos pontos que a revisão ortodoxa que visava eliminar elementos heréticos não foi de forma alguma completa.

Passagens que são claramente gnósticas foram preservadas provavelmente porque o revisor não entendeu seu verdadeiro significado.

I. Atos de Paulo.

1. Testemunho Eclesiástico:

Orígenes em dois trechos de seus escritos existentes cita os Atos de Paulo com aprovação, e possivelmente devido a sua influência esses Atos foram muito considerados no Oriente. No Códice Claromontanus (século 3), que é de origem oriental, os Atos de Paulo são tratados como um escrito católico e têm o mesmo status do Pastor de Hermas e do Apocalipse de Pedro.

Eusébio, que rejeita totalmente “Os Atos de André, João e o restante dos apóstolos,” coloca os Atos de Paulo na classe inferior de escritos discutidos ao lado de Hermas, Epístola de Barnabé, Didache, o Apocalipse de João, etc. (Historia Ecclesiastica, III – 25.4).

No Ocidente, onde Orígenes era visto com suspeita, os Atos de Paulo aparentemente foram desacreditados, sendo utilizados como fonte confiável apenas em Hipólito, amigo de Orígenes, que, no entanto, não os menciona pelo nome. (A referência feita por Hipólito está em seu comentário sobre Daniel. Ele argumenta sobre o conflito de Paulo com as feras para a credibilidade da história de Daniel na cova dos leões.)

2. Conteúdos:

Dos Atos de Paulo apenas fragmentos sobrevivem. Pouco se sabia sobre eles até 1904 quando uma tradução de uma versão copta mal preservada foi publicada por C. Schmidt, e a descoberta foi feita de que os conhecidos Atos de Paulo e Tecla eram na realidade uma parte dos Atos de Paulo.

Das notas relativas à extensão dos Atos mencionadas no Cod. Claromontanus e na Esticométria de Nicephorus deduz-se que os fragmentos correspondem a aproximadamente um quarto do todo.

(1) Destes fragmentos, o mais longo e mais importante é a seção que passou a ter uma existência separada com o nome Os Atos de Paulo e Tecla. Não podemos dizer quando estes foram separados dos Atos de Paulo, mas isso aconteceu antes do tempo do Decreto Gelásio (496 d.C.), que condena como apócrifos os Atos de Paulo e Tecla sem fazer menção dos Atos de Paulo.

(a) Um resumo da narrativa é o seguinte:

Em Icônio, Tecla, uma jovem prometida em casamento, ouviu a pregação de Paulo sobre virgindade e ficou tão fascinada que recusou-se a ter qualquer coisa a ver com seu amante. Devido à sua influência sobre ela, Paulo foi levado perante o procônsul e foi lançado na prisão.

Lá Tecla o visitou e, como resultado, ambos foram julgados. Paulo foi banido da cidade e Tecla condenada à morte por fogo.

Tendo sido milagrosamente libertada da fogueira, Tecla foi à procura de Paulo e, quando o encontrou, acompanhou-o a Antioquia. (Há confusão na narrativa de Antioquia da Pisídia e Antioquia Síria.) Em Antioquia, um cidadão influente, chamado Alexandre, apaixonou-se por ela e abraçou-a abertamente na rua.

Tecla, rejeitando a familiaridade, arrancou a coroa que Alexandre usava e, como consequência, foi condenada a lutar com feras selvagens nos jogos. Até o dia dos jogos, Tecla foi colocada sob os cuidados da Rainha Trifena, que vivia em Antioquia.

Quando Tecla foi exposta no anfiteatro, uma leoa morreu defendendo-a contra um ataque. Em seu perigo, Tecla lançou-se em um tanque contendo focas e declarou:

“Em nome de Jesus Cristo eu me batizo no meu último dia.” (Foi em parte com referência a este ato de auto-batismo que Tertuliano deu a informação sobre a autoria destes Atos: abaixo 3.) Quando foi proposto que Tecla fosse despedaçada por touros enlouquecidos, a Rainha Trifena desmaiou, e, com medo do que poderia acontecer, as autoridades libertaram Tecla e a entregaram a Trifena.

Tecla mais uma vez procurou Paulo e, tendo-o encontrado, foi por ele encarregada de pregar a Palavra de Deus.

Isso ela fez primeiro em Icônio e depois em Selêucia, onde morreu. Várias adições posteriores descreveram o fim de Tecla, e em uma delas é narrado que ela viajou por terra de Selêucia até Roma para estar perto de Paulo.

Descobrindo que Paulo estava morto, permaneceu em Roma até sua morte.

(b) Embora a história de Tecla seja um romance projetado para garantir autoridade apostólica para o ideal de virgindade, é provável que ela tenha pelo menos um leve fundamento na realidade. A existência de um culto influente de Tecla em Selêucia favorece a visão de que Tecla foi uma pessoa histórica.

Tradições sobre sua associação com Paulo que se concentravam no templo em Selêucia erguido em sua honra podem ter fornecido materiais para o romance. Na história há claras reminiscências históricas. Trifena é uma personagem histórica cuja existência é estabelecida por moedas.

Ela era mãe do Rei Polemon II de Ponto e parente do imperador Cláudio. Não há motivos para duvidar da informação fornecida nos Atos de que ela estava vivendo em Antioquia na época da primeira visita de Paulo.

Os Atos também revelam notável precisão geográfica na menção da “via real” pela qual Paulo teria viajado de Listra a caminho de Icônio – uma declaração tanto mais notável porque, embora a estrada estivesse em uso no tempo de Paulo por razões militares, foi abandonada como rota regular no último quarto do século 1.

Nos Atos Paulo é descrito como “um homem de baixa estatura, calvo, pernas arqueadas, de aparência nobre, com sobrancelhas unidas e um nariz um tanto saliente, cheio de graça. Às vezes parecia um homem, e outras vezes tinha o rosto de um anjo.”

Essa descrição pode muito bem se basear em tradição confiável. Pelos traços históricos na história, Ramsay (The Church in the Roman Empire – 375) argumentou pela existência de uma versão mais curta remontando ao século 1, mas essa visão não foi geralmente aceita.

(c) Os Atos de Paulo e Tecla foram muito lidos e tiveram uma influência notável devido à ampla reverência por Tecla, que ocupou um lugar alto entre os santos como “a primeira mártir feminina”. As referências aos Atos nos Padres da Igreja são relativamente poucas, mas o romance teve uma voga extraordinária entre os cristãos tanto do Oriente quanto do Ocidente.

Em particular, a veneração por Tecla alcançou seu ponto mais alto na Gália, e em um poema intitulado “O Banquete” (Caena) escrito por Cipriano, um poeta do Sul da Gália no século 5, Tecla está no mesmo nível das grandes personalidades da história bíblica.

Os Atos posteriores de Xantipa e Polixena são inteiramente derivados dos Atos de Paulo e Tecla.

(2) Outro fragmento importante dos Atos de Paulo é aquele que contém a chamada Terceira Epístola aos Coríntios. Paulo é representado como estando na prisão em Filipos (não na época de 16:23, mas em algum momento posterior).

Sua prisão foi devido à sua influência sobre Estratônice, esposa de Apolofanes. Os Coríntios, que haviam sido perturbados por dois mestres de heresia, enviaram uma carta a Paulo descrevendo suas doutrinas perniciosas, que afirmavam que os profetas não tinham autoridade, que Deus não era todo-poderoso, que não haveria ressurreição do corpo, que o homem não havia sido feito por Deus, que Cristo não havia vindo em carne ou nascido de Maria, e que o mundo não era obra de Deus, mas de anjos.

Paulo foi gravemente angustiado ao receber esta epístola e, “sob grande aflição”, escreveu uma resposta na qual as visões gnósticas populares dos falsos mestres são veementemente opostas. Esta carta, que abunda em alusões a várias das epístolas paulinas, é notável principalmente pelo fato de ter encontrado lugar, junto com a carta que a provocou, entre os escritos canônicos nas igrejas síria e armênia após o segundo século.

A correspondência foi surpreendentemente considerada genuína por Rinck, que a editou em 1823. A versão original grega não foi preservada, mas existe em cóptico (não completamente), em armênio e em duas traduções latinas (ambas mutiladas), além de ser incorporada no comentário de Efrém (em tradução armênia).

A versão siríaca foi perdida.

(3) Além das duas partes dos Atos de Paulo mencionadas acima, existem outras de menor valor, a Cura de um Homem Hidrópico em Mira pelo apóstolo (uma continuação da narrativa de Tecla), o conflito de Paulo com feras selvagens em Éfeso (baseado no mal-entendido de 1 Coríntios 15.32), duas curtas citações de Orígenes, e uma seção conclusiva descrevendo o martírio do apóstolo sob Nero, a quem Paulo apareceu após sua morte.

Clemente de Alexandria cita uma passagem (Strom., VI – 1 Coríntios 5 42 f) – um fragmento da pregação missionária de Paulo – que pode ter pertencido aos Atos de Paulo; e a mesma origem é possível para o relato do discurso de Paulo em Atenas dado por João de Salisbury (cerca de 1156) no Policraticus, IV – 1 Coríntios 3

3. Autoria e Data:

De um trecho de Tertuliano (De Baptismo, capítulo 17) aprendemos que o autor dos Atos de Paulo foi “um presbítero da Ásia, que escreveu o livro com a intenção de aumentar a dignidade de Paulo por adições próprias,” e que “ele foi afastado do cargo quando, tendo sido condenado, confessou que o havia feito por amor a Paulo.” Este testemunho de Tertuliano é apoiado pelas evidências da escrita em si, que, como vimos, mostra em vários detalhes conhecimento exato da topografia e história local da Ásia Menor.

Um grande número de nomes que ocorrem nestes Atos são encontrados em inscrições de Esmirna, embora seria precário inferir que o autor pertencia a essa cidade. É possível que ele fosse natural de uma cidade onde Tecla gozava de peculiar reverência e que a tradição de sua associação com Paulo, o pregador da virgindade, foi o principal motivo para ele escrever o livro.

Junto a isso estava o motivo de se opor às visões de alguns gnósticos (os Bardesanitas). A data dos Atos de Paulo é a segunda metade do século 2, provavelmente entre 160 – 1 Coríntios 180 d. C.

4. Caráter e Tendência:

Os Atos de Paulo, embora escritos para realçar a dignidade do apóstolo, mostram claramente que tanto em termos de equipamento intelectual quanto em amplitude de visão moral, o autor, com todo o seu amor por Paulo, não era um espírito afim.

O nívell intelectual dos Atos de Paulo é baixo. Há uma grande pobreza conceitual; o mesmo motivo ocorre sem variação; e os defeitos da imaginação do autor têm seu contraponto em uma narração simples e inartística.

Passagens do Novo Testamento são frequentemente e livremente citadas. A visão que o autor apresenta do cristianismo é estreita e unilateral. Dentro de seus limites, é ortodoxo em sentimento; não há nada que sustente a opinião de Lipsius de que a obra seja uma revisão de um escrito gnóstico.

A ocorrência frequente de eventos sobrenaturais e o ascetismo rigoroso que caracterizam os Atos de Paulo não são prova de influência gnóstica. O dogmático é de fato anti-gnóstico, como vemos na correspondência com os coríntios. “O Senhor Jesus Cristo nasceu de Maria, da Semente de Davi, o Pai tendo enviado o Espírito do céu para ela.”

A ressurreição do corpo é assegurada pela ressurreição de Cristo dos mortos. A ressurreição, no entanto, é apenas para aqueles que acreditam nela – nisso temos o único pensamento que trai qualquer originalidade por parte do autor:

“aqueles que dizem que não há ressurreição não terão ressurreição.” Com a fé na ressurreição está associada a exigência de um estrito abstinência sexual. Apenas aqueles que são puros (ou seja, que vivem em castidade) verão a Deus. “Vocês não têm parte na ressurreição, a menos que permaneçam castos e não manchem a carne.” O evangelho que o apóstolo pregou foi “a palavra sobre autocontrole e ressurreição.” No desejo do autor de garantirem autoridade para uma forma prevalente de cristianismo, que exigia abstinência sexual como condição de vida eterna, reconhecemos o objetivo principal do livro.

Paulo é representado como o apóstolo desta concepção popular, e seu ensino é tornado atraente pelos elementos miraculosos e sobrenaturais que satisfaziam o gosto cru da época.

LITERATURA.

Para mais literatura veja Hennecke, Handbuch, etc. – 1 Coríntios 358 Pick, Apocrypha Acts – 1 Coríntios 1 8 f.

II. Atos de Pedro.

1. Conteúdos:

Uma grande parte (quase dois terços) dos Atos de Pedro é preservada numa tradução latina – os Actus Vercellenses, assim chamados da cidade de Vercelli no Piemonte, onde o manuscrito contendo-os está na biblioteca do capítulo.

Um fragmento copta descoberto e publicado (1903) por C. Schmidt contém um relato com a inscrição Praxis Petrou (Ato de Pedro). Schmidt é da opinião que este fragmento fazia parte do trabalho ao qual os Actus Vercellenses também pertenciam, mas isso é um tanto duvidoso.

O fragmento trata de um incidente no ministério de Pedro em Jerusalém, enquanto o Act. Vercell., que provavelmente foram criados para ser uma continuação de Atos canônicos, dão um relato do conflito de Pedro com Simão, o Mago, e de seu martírio em Roma.

Referências em escritores eclesiásticos (Filástrio de Bréscia, Isidoro de Pelúsio e Fócio) tornam praticamente certo que o Actus Vercellensus pertence ao escrito conhecido como Atos de Pedro, que foi condenado no rescripto de Inocêncio I (405 d.C.) e no Decreto Gelásio (496 d.C.).

(1) O Fragmento Copta contém a história da filha paralítica de Pedro. Um domingo, enquanto Pedro estava engajado em curar os doentes, um espectador perguntou-lhe por que não fazia sua própria filha se recuperar.

Para mostrar que Deus era capaz de efetuar a cura através dele, Pedro fez sua filha ficar sã por um curto período e

Quando chegaram à casa, a dor de Lícómides foi tão grande que ele caiu morto. Após oração a Cristo, João curou Cleópatra e depois ressuscitou Lícómides. Convencido por suas súplicas, João passou a morar com eles.

Em 26-29 temos o incidente do retrato de João, que desempenhou um papel tão proeminente na discussão no Segundo Concílio de Niceia. Lícómides encomendou a um amigo que pintasse um retrato de João e, quando foi concluído, ele o colocou no quarto com um altar diante dele e castiçais ao lado.

João, descobrindo por que Lícómides ia tantas vezes ao seu quarto, acusou-o de adorar um deus pagão e soube que o retrato era de si próprio. João só acreditou nisso quando trouxeram um espelho para que pudesse se ver.

João então encarregou Lícómides de pintar uma imagem de sua alma e usar como cores a fé em Deus, mansidão, amor, castidade, etc. Quanto à imagem de seu corpo, era o retrato morto de um homem morto.

Os capítulos 30-36 narram a cura de mulheres idosas enfermas e no teatro onde os milagres foram realizados João discursou sobre a vaidade de todas as coisas terrenas e sobre a natureza destrutiva da paixão carnal.

Em 37-45 lemos que, em resposta à oração de João, o templo de Artemis caiu por terra, com o resultado de que muitas pessoas foram ganhas para o culto a Cristo. O sacerdote de Artemis, que havia morrido pela queda do templo, foi ressuscitado e tornou-se cristão (46 f).

Após a narração de mais maravilhas (uma delas a expulsão de insetos de uma casa), segue o incidente mais longo dos Atos, a história indescritivelmente repulsiva de Drusiana (62-86), que foi usada como tema de um poema pela freira Rosvita de Gandersheim (século 10).

A seção seguinte é um discurso de João sobre a vida, morte e ascensão de Jesus (87-105) que é caracterizada por traços claramente docéticos, um longo trecho tratando das muitas formas de aparência de Cristo e da natureza peculiar de Seu corpo.

Nesta seção ocorre o estranho hino usado pelos Priscilianistas, que pretende ser aquele que Jesus cantou após a ceia na sala superior (Mateus 26.30), os discípulos dançando ao redor Dele em círculo e respondendo com “Amém”.

Aqui também encontramos a mística doutrina da Cruz revelada a João por Cristo. Os capítulos 106-15 narram o fim de João. Depois de dirigir-se aos irmãos e dispensar o sacramento da Ceia do Senhor apenas com pão, João ordenou que fosse cavada uma sepultura; e quando isso foi feito, ele orou, agradecendo por ter sido libertado da “suja loucura da carne” e pedindo uma passagem segura através das trevas e perigos da morte.

Então, ele se deitou tranquilamente na sepultura e entregou o espírito.

O valor histórico dos Atos de João, não precisa dizer, não tem o menor valor histórico. São um tecido de incidentes lendários que serviram para insinuar na mente popular as concepções dogmáticas e o ideal de vida que o autor tinha.

No entanto, os atos estão em harmonia com a tradição bem fundamentada de que Éfeso foi o local da atividade posterior de João. Muito notável é o relato da destruição do templo de Artemis por João – uma prova clara de que os Atos não foram escritos em Éfeso.

O templo efésio de Artemis foi destruído pelos godos em 262 d. C.

O caráter geral dos Atos de João é o mais claramente herético de todos os Atos. Os traços docéticos já foram referidos. A irrealidade da existência corporal de Cristo é mostrada pelas formas mutáveis nas quais Ele apareceu (88-90), por Sua habilidade de não precisar de comida (93) e sem sono (“Eu nunca vi seus olhos se fechando, mas sempre abertos” – Mateus 89), por não deixar pegadas ao caminhar (93), pelo caráter variável de Seu corpo ao ser tocado, ora duro, ora macio, ora completamente imaterial (8 – Mateus 93) A crucificação de Jesus também foi inteiramente fantasmagórica (9 – Mateus 99).

A ascensão seguiu imediatamente a aparente crucificação; não havia lugar para a ressurreição de Alguém que nunca havia realmente morrido. Características gnósticas são ainda mais discerníveis no menosprezo pela Lei judaica (94), na visão que enfatiza uma tradição secreta confiada por Cristo aos apóstolos (96) e no desprezo por aqueles que não foram iluminados (“Não se preocupe com os muitos, e os que estão fora do mistério despreze” – Mateus 100).

Os incidentes históricos dos sofrimentos de Cristo são sublimados em algo totalmente místico (101); eles são simplesmente um símbolo do sofrimento humano, e o objetivo da vinda de Cristo é representado como sendo capacitar os homens a entender o verdadeiro significado do sofrimento e assim serem libertados dele (96).

Os verdadeiros sofrimentos de Cristo são aqueles causados pela Sua tristeza pelos pecados de Seus seguidores (106 f). Ele também é participante nos sofrimentos de Seu povo fiel, e de fato está presente com eles para ser seu apoio em cada provação (103).

A autoria e data dos Atos de João são representadas pelo autor dos Atos como companheiro do apóstolo. Ele participou dos eventos que ele descreve, e em consequência a narrativa possui uma certa qualidade viva que lhe confere a aparência de história real.

O autor, segundo testemunho que remonta ao século 4, era Lêucio, mas nada pode ser dito com certeza sobre ele. É possível que em alguma parte perdida dos Atos o autor mencionasse seu nome. A data antiga dos Atos é comprovada por uma referência de Clemente de Alexandria (cerca de 200) à natureza imaterial do corpo de Cristo, indicando claramente que Clemente conhecia os Atos ou havia ouvido outro falar deles.

A data provável é entre 150 – Mateus 180 e a origem é a Ásia Menor.

O impacto exercido pelos Atos de João foi considerável. Eles são provavelmente os mais antigos dos Atos Apócrifos e os escritos posteriores devem muito a eles. Os Atos de Pedro e de André mostram afinidades tão próximas com os Atos de João que alguns os consideraram da mesma mão; mas se isso não for assim, há muito a se dizer pela dependência literária dos primeiros em relação aos últimos.

Provavelmente estamos certos ao afirmar que o autor dos Atos de João foi o pioneiro nesta esfera do romance apostólico e que outros seguiram ansiosamente o caminho que ele havia aberto. Que os Atos de João foram lidos em círculos ortodoxos é claro pela referência de Clemente de Alexandria.

Nos dias posteriores, no entanto, eram vistos com suspeita. Agostinho cita parte do hino (95) que leu numa obra priscilianista enviada por um bispo Cerécio e faz severas críticas a ele e à reivindicação avançada a respeito de que havia sido revelado em segredo aos apóstolos.

O segundo Concílio de Nicéia (787 d.C.) emitiu um pronunciamento sobre os Atos de João com palavras de grande severidade. As histórias encontradas nos Atos, no entanto, já haviam passado para a tradição ortodoxa e haviam sido utilizadas por Procoro (século 5), suposto discípulo de João, na composição de sua obra de ficção sobre o apóstolo, bem como por Abdias (século 6), cuja obra contém material mais antigo dos Atos que de outra forma não seria preservado.

Literatura: Veja sob “Literatura”; também Zahn, Acta Joannis (1880).

Os Atos de André:

A primeira menção desses Atos, frequentemente referidos por escritores eclesiásticos, é em Eusébio (História Eclesiástica, III – Mateus 25 6). Lá, juntamente com outros Atos, são rejeitados como absurdos e ímpios.

Epifânio refere-se a eles em várias passagens (Haeres. – Mateus 47 6 – Mateus 68) como sendo usados ​​por várias seitas heréticas que praticavam uma rigorosa moralidade ascética. Escritores antigos atribuem-nos a Leúcio, o autor dos Atos de João.

Do conteúdo dos Atos de André, restam apenas pequenas porções. Um fragmento é preservado por Euodius de Uzala (morto em 424), contemporâneo de Agostinho, e uma peça mais longa, encontrada em um manuscrito do século 10 ou 11, contendo vidas de santos para novembro, foi identificado por Bonnet como pertencente aos Atos de André.

A conta da morte de André é preservada em várias formas; aquela que tem mais aparência de preservar a forma original dos Atos é encontrada em uma carta dos presbíteros e diáconos das igrejas da Acaia.

(1) O fragmento de Euodius dá dois breves trechos que descrevem as relações de Maximila com seu marido Egétes, cujas exigências ela resistiu.

(2) A seção mais longa dos Atos trata do aprisionamento de André porque ele induziu Maximila a separar-se de seu marido “Egétes” e a viver uma vida de castidade. (“Egétes”, que ocorre como o nome do marido de Maximila, denota na realidade “um nativo de Egé”, sendo Egé uma cidade nas proximidades de Patras, onde André estava descrito como realizando seu trabalho.) A seção começa no meio de um discurso proferido aos irmãos por André na prisão, no qual eram exortados a gloriar-se em sua comunhão com Cristo e em sua libertação das coisas mais baixas da terra.

Maximila e suas companheiras visitavam frequentemente o apóstolo na prisão. Egéates se lamentou com ela e declarou que se não retomasse as relações com ele, submeteria André à tortura. André aconselhou-a a resistir à importunação de Egéates e proferiu um discurso sobre a verdadeira natureza do homem e afirmou que a tortura não tinha horrores para ele.

Se Maximila cedesse, o apóstolo sofreria por causa dela. Por meio de sua comunhão com os sofrimentos dele, ela conheceria sua verdadeira natureza e assim escaparia da aflição. André depois consolou Stratocles, irmão de Egéates, que declarou necessitar de André, o semeador em si da “semente da palavra da salvação”.

Depois, André anunciou sua crucificação no dia seguinte. Maximila visitou novamente o apóstolo na prisão, “o Senhor indo à frente dela na forma de André”. A um grupo de irmãos, o apóstolo proferiu um discurso, no qual discorria sobre a enganação do diabo, que primeiro lidou com os homens como amigo, mas agora era manifesto como inimigo.

(3) Levado ao local da crucifixão, André dirigiu-se à cruz que ele alegremente recebeu. Depois de ser amarrado à cruz, ele sorriu da frustração da vingança de Egéates, pois (como ele explicou) “um homem que pertence a Jesus porque é conhecido por Ele está armado contra toda vingança”.

Por três dias e noites André falou às pessoas da cruz e elas, emocionadas por sua nobreza e eloquência, foram a Egéates, exigindo que ele fosse libertado da morte. Temendo a ira do povo, Egéates foi libertar André da cruz, mas o apóstolo se recusou a ser liberto e orou a Cristo para impedir sua libertação.

Após isso ele entregou o espírito. Foi enterrado por Maximila, e pouco depois Egéates jogou-se de uma grande altura e morreu.

O caráter geral dos Atos de André é exemplificado pelo ideal encrático em sua forma mais pronunciada. (Vista essa associação e a de André com um estrito ascetismo em outras tradições eclesiásticas, há uma ironia curiosa no fato de em algumas partes da Alemanha, André ser o santo padroeiro das moças em busca de maridos.

No Harz e em Thuringen, a Noite de São André (30 de novembro) é considerada pelas moças o momento mais favorável para a visão de seus futuros maridos.) O espírito gnóstico é revelado na sensação do valor preeminente do homem espiritual (6).

A verdadeira natureza do homem é pura; a fraqueza e o pecado são obras do “inimigo maligno que é avesso à paz”. Ao seduzir os homens, ele não surgiu abertamente como inimigo, mas fingiu amizade. Quando a luz do mundo apareceu, o inimigo do homem foi visto em suas verdadeiras cores.

A libertação do pecado vem pelo esclarecimento. A visão mística dos sofrimentos (9) lembra-nos da visão similar nos Atos de João. Os discursos do apóstolo são caracterizados pelo fervor religioso e pela profunda convicção da piedade divina pelos homens pecadores e tentados.

O valor histórico dos Atos de André é representado pelo único detalhe nos Atos que tem pretensão de ser considerado histórico, sua atividade em Patras no Golfo de Corinto. (Patras não é mencionada nos Atos fragmentários, mas que o cenário do aprisionamento e martírio de André é colocado nessa cidade pode ser inferido do nome “Egéates” – ver acima 1 (2).) A tradição eclesiástica fala com grande incerteza do escopo dos trabalhos missionários de André, mencionando Cítia, Bitínia e Grécia.

Pode-se considerar provável que André tenha vindo à Grécia e sofrido martírio em Patras, embora se deva levar em conta a possibilidade de que o relato de seu trabalho e crucificação tenha sido inventado com o objetivo de representar a igreja em Patras como uma fundação apostólica.

A crucificação do apóstolo na chamada cruz de André é uma tradição posterior.

Os Atos de Tomé:

Estes Atos existem de forma completa e sua grande popularização em círculos eclesiásticos é mostrada pelo grande número de manuscritos que os contêm. Provavelmente, foram escritos originalmente em siríaco e, posteriormente, traduzidos livremente para o grego e trabalhados sob o ponto de vista católico.

Caso este aviso seja correto, a forma como temos os Atos é muito mais ampliada. Nas versões gregas, os Atos são divididos em treze “feitos” seguidos pelo martírio de Tomé. Uma ideia dos conteúdos é dada a seguir:

(1) Em uma reunião dos apóstolos em Jerusalém, Tomé teve a Índia designada como seu campo de serviço. Ele relutou em ir, mas finalmente concordou quando o Senhor o vendeu a um mensageiro do Rei Gundaforus na Índia.

A caminho da Índia, Tomé chegou à cidade de Andrapolis, onde as núpcias da filha do rei estavam sendo celebradas. Nestas o apóstolo tomou parte e cantou um hino em louvor ao casamento celestial.

O rei pediu a Tomé para orar por sua filha e depois que ele orou, o Senhor apareceu na forma de Tomé e conquistou o casal recém-casado para uma vida de abstinência sexual. Indignado com isso, o rei procurou Tomé, mas o apóstolo partiu.

(2) Chegado à Índia, Tomé assumiu a construção de um palácio para o rei Gundaforus. 

Atos de Salomão

“O livro dos atos de Salomão” (1 Reis 11.41), provavelmente uma história baseada nos documentos do estado mantidos pelo registrador oficial.

Orr, James, M.A., D.D. Editor Geral. “Entrada para ‘ATOS DE SALOMÃO’”. “Enciclopédia Bíblica Padrão Internacional”. 1915.

 

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Faça um comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários

Artigos Relacionados