Início Dicionário A Anjo

Anjo na Bíblia. Significado e Versículos sobre Anjo

42 min de leitura

Os anjos são seres espirituais criados por Deus para servir como mensageiros e protetores. Eles também participam na adoração a Deus, glorificando-o continuamente no céu.

A Bíblia nos mostra em diversos versículos sobre anjos, que eles acampam ao nosso redor para nos proteger. Porém, temos que tomar cuidado, pois não devemos adorá-los, nem orar por eles.

Os anjos seguem ordens de Deus e tudo o que eles fazem é para glorificar o nome de Jesus.

Significado de Anjo

Mensageiro. Anjos, na qualidade de assistentes de Deus, mensageiros da Sua vontade, é doutrina que corre por toda a Bíblia. A sua natureza. Pouco se acha dito sobre isto. Os anjos geralmente aparecem na figura de homens (Gênesis 18Atos 1.10), e algumas vezes revestidos de glória (Daniel 10.5,6 e Lucas 24.4).

Os serafins de Isaías (6.2), e os querubins de Ezequiel (1.6), têm asas: assim também Gabriel (Daniel 9.21), e o anjo do Apocalipse (14.6). Em Hebreus 1.14 são eles espíritos ministradores (cp. Com Marcos 12.25). As suas funções.

Primitivamente eram mensageiros de Deus para em Seu nome dirigir os homens, guiá-los, guardá-los, fortalecê-los, avisá-los, censurá-los e puni-los. *veja as narrações de Gênesis 18.19,22,28,32Juízes 2.6,132 Samuel 24.16,172 Reis 19.35: e cp. Com Salmos 34.7, Salmos 35.5,6 e Salmos 91.11.

Nas mais antigas referências o anjo do Senhor não se acha bem distinto do próprio Senhor. É Ele quem fala (Gênesis 22.16Êxodo 3.2 a 16Juízes 13.18 a 22). Há, também, a idéia de uma grande multidão de anjos (Gênesis 28.12Gênesis 32.2), que num pensamento posterior são representados como o exército de Deus, a Sua corte e conselho (Salmos 103.20,21Salmos 89.7Isaías 6.2 a 5, etc. – cp. Com Lucas 2.13Mateus 26.53Lucas 12.8,9Hebreus 12.22Apocalipse 5.11, etc.).

Eles são guardas, não só de indivíduos mas de nações (Êxodo 23.20Daniel 10.13 a 20): cada igreja cristã tem o seu ‘anjo’, representando a presença divina e o poder de Deus na igreja – é ele garantia divina da vitalidade e eficácia da igreja (*veja Apocalipse 2.1 a 8).

Uma expressão de Jesus Cristo parece apoiar a crença de que cada pessoa tem no céu o seu anjo da guarda, e de que o cuidado das crianças está a cargo dos mais elevados seres entre os ministros de Deus (Mateus 18.10 – cp. Com Lucas 1.19).

Em conformidade com tudo isto é que os anjos servem a Jesus (Marcos 1.13Lucas 22.43), manifestam interesse pelo decoro nas reuniões da igreja (1 Coríntios 11.10), e pela salvação dos homens (Lucas 16.101 Pedro 1.12) – tiveram parte na grandiosa revelação do Sinai (At v. 53 – Gálatas 3.19Hebreus 2.2), e executarão o Juízo final (Mateus 13.41).

São de diferente ordem. Dois são especialmente mencionados: Miguel, um dos principais príncipes angélicos (Daniel 10.13), ‘o arcanjo’ (Judas 1.9), e Gabriel (Daniel 8.16Lucas 1.19). Nos livros apócrifos outros nomes aparecem, especialmente Rafael e Uriel.

Há, também, referências a estes seres celestiais em Efésios 1.21Colossenses 1.16Colossenses 2.16 – e na epístola aos Colossenses condena-se de modo especial a idéia de interpô-los entre Deus e o homem, tirando assim a Jesus a honra de único Mediador, que lhe pertence (Colossenses 1.14 a 20, Colossenses 2.18, etc.).

Algumas passagens (Judas 1.62 Pedro 2.4) referem-se misteriosamente a anjos caídos – e em Apocalipse 12.9 Satanás tem o seu exército de anjos.

Anjo – Dicionário Evangélico de Teologia Bíblica de Baker

Anjo

Ser super-humano ou celestial que serve como mensageiro de Deus. Tanto o hebraico malak quanto o grego angelos indicam que esses seres também atuam decisivamente na execução da vontade de Deus no mundo.

Mas esses dois termos também se aplicam a seres humanos como mensageiros (1 Reis 19.2; Ageu 1.13; Lucas 7.24). “Anjos” são mencionados quase trezentas vezes nas Escrituras e estão ausentes apenas em livros como Rute, Neemias, Ester, as cartas de João e Tiago.

O Antigo Testamento Desde o início, anjos faziam parte da hierarquia divina. Eram seres criados (Salmos 148.2; Salmos 148.5), e foram testemunhas exuberantes quando Deus trouxe o mundo à existência (João 38.7).

Por natureza, eram entidades espirituais e, portanto, não estavam sujeitos às limitações da carne humana. Embora santos, os anjos às vezes podiam se comportar tolicamente (João 4.18) e até se mostrar indignos de confiança (João 15.15).

Provavelmente, essas qualidades levaram à “queda” de alguns anjos, incluindo Satanás, mas a Bíblia não contém nenhuma descrição desse evento. Quando apareciam na sociedade humana, se assemelhavam a homens normais (Gênesis 18.2; Gênesis 18.16; Ezequiel 9.2) e nunca vinham vestidos como mulheres.

Independente da forma como ocorriam, seu propósito geral era declarar e promover a vontade de Deus. Em ocasiões raras agiam como agentes de destruição (Gênesis 19.13; 2 Samuel 24.16; 2 Reis 19.35, etc.). Às vezes, os anjos falavam com as pessoas em sonhos, como com Jacó (Gênesis 28.12; Gênesis 31.11) e podiam ser reconhecidos por animais antes que os seres humanos se tornassem conscientes deles, como com Balaão (Números 22.22).

Coletivamente, os mensageiros divinos eram descritos como o “exército angelical” que cercava Deus (1 Reis 22.19) e louvava Sua majestade constantemente (Salmos 103.21). O Senhor, seu comandante, era conhecido pelos hebreus como “Senhor dos Exércitos”.

Parece ter havido algum tipo de hierarquia espiritual entre eles. Assim, o mensageiro que instruiu Josué era um autodescrito “comandante do exército do Senhor” (Josué 5.14-15), embora essa designação também pudesse significar que era o próprio Deus quem estava falando com Josué.

No livro de Daniel, dois anjos que interpretaram visões foram não nomeados (Daniel 7.1Daniel 10.5), mas outras visões foram explicadas a Daniel pelo anjo Gabriel, que foi instruído por uma “voz de homem” para realizar essa tarefa (Daniel 8.15-16).

Quando um mensageiro celestial apareceu a Daniel ao lado do rio Tigre, ele falou de Miguel como “um dos principais príncipes” (Daniel 10.13; Daniel 10.21). Esse poderoso anjo presidiria sobre as fortunas do povo de Deus no tempo posterior (Daniel 12.1).

Depois disso, ele foi considerado pelos hebreus como seu anjo padroeiro. No período pós-exílio, o termo “mensageiro” descrevia as funções de ensino do sacerdote (Malaquias 2.7), mas principalmente o indivíduo que prepararia o caminho para o Messias do Senhor (Malaquias 3.1).

Dois outros termos relacionados a seres espirituais foram proeminentes em vários momentos da história de Israel. O primeiro foi “querubins”, uma forma plural, concebida como criaturas aladas (Êxodo 25.20) e mencionada pela primeira vez em conexão com a expulsão de Adão e Eva do Éden (Gênesis 3.24).

Além de suas funções como guardiães, no entanto, nada é dito sobre seu caráter. Quando o tabernáculo no deserto estava sendo moldado, Deus ordenou que dois querubins de ouro fossem colocados em cima do “propiciatório” ou tampa da arca da aliança para protegê-la.

Esses passaram a ser conhecidos como os “querubins da Glória” (Hebreus 9.5). Designs de querubins também foram incorporados no tecido da cortina interna (Ezequiel 26.1) e no véu do tabernáculo (Êxodo 26.31).

Salomão colocou dois querubins de madeira revestidos com folhas de ouro no Santo dos Santos do templo, voltados para o Lugar Santo. Tinham dez côvados (cerca de quatro metros e meio) de altura e suas asas tinham cinco côvados (cerca de dois metros e meio) de comprimento.

Escavações arqueológicas do Oriente Próximo mostraram como o conceito de criaturas aladas era popular na antiguidade. O trono de Hirão em Biblos (c. 1200 a.C.) era sustentado por um par de criaturas com rostos humanos, corpos de leão e grandes asas protetoras.

Foi acima dos querubins que o Senhor dos Exércitos se sentou entronizado (1 Samuel 4.4).

Os serafins também eram considerados alados, e na visão de Isaías estavam estacionados acima do trono do Senhor (Isaías 6.1-2). Pareciam possuir uma figura humana, e tinham vozes, rostos e pés. De acordo com a visão, sua tarefa era participar cantando louvores a Deus antifonalmente.

Eles também atuavam de alguma maneira não especificada como meios de comunicação entre o céu e a terra (Isaías 6.6). As criaturas vivas de Ezequiel 1.5-14 eram compostas de partes humanas e animais, o que era tipicamente mesopotâmico, e parecem ter retratado a onipotência e a onisciência de Deus.

O Apócrifo No período tardio pós-exílio, a angelologia tornou-se uma característica proeminente da religião judaica. O anjo Miguel foi considerado o patrono do judaísmo, e os escritos apócrifos nomearam outros três arcanjos como líderes da hierarquia angelical.

Líder destes foi Rafael, que supostamente apresentava as orações dos judeus piedosos a Deus (Tobit 2:15). Uriel explicou a Enoque muitas de suas visões (1 Enoque 21:5-1 – Ezequiel 27.2-4), interpretou a visão de Esdras da Jerusalém celestial (2 Esdras 10:28-57) e explicou o destino dos anjos caídos que supostamente se casaram com mulheres humanas (1 Enoque 19:1-9; compare com Gênesis 6.2).

Gabriel, Miguel, Rafael e Uriel (1 Enoque 40: – Gênesis 6) relataram a Deus sobre o estado depravado da humanidade e receberam instruções apropriadas. Segundo o pensamento contemporâneo, Gabriel sentava-se à esquerda de Deus, enquanto Miguel sentava-se à direita (2 Enoque 24:1).

A principal preocupação desses dois anjos, no entanto, supostamente era com missões na terra e assuntos no céu, respectivamente. No judaísmo rabínico, eles assumiram um caráter que, embora às vezes dramático, não tinha base factual na revelação divina.

O Novo Testamento Contra esse pano de fundo da crença em anjos envolvidos nos assuntos humanos, não era surpreendente que o anjo Gabriel fosse escolhido para visitar Zacarias, o sacerdote oficiante no templo, para informá-lo de que ele se tornaria pai e que deveria chamar seu filho de João (Lucas 1.11-20).

Gabriel não foi referido aqui como um arcanjo, o termo grego archangelos aparecendo apenas em 1 Tessalonicenses 4.16 para descrever um anjo executivo sem nome, e também em Judas 9 que se refere a “Miguel, o arcanjo”.

Seis meses após seu anúncio a Zacarias, Gabriel apareceu a Maria para informá-la de que Deus a havia selecionado para se tornar mãe de Jesus, o Messias prometido (Lucas 1.26-33).

Nada no comportamento de Gabriel é inconsistente com os ensinamentos do Antigo Testamento sobre anjos. Tem sido frequentemente apontado que, assim como eles estavam ativos quando o mundo começou, assim os anjos foram correspondemente proeminentes quando a nova era da graça divina amanheceu com o nascimento de Jesus.

Em três ocasiões um anjo visitou José em um sonho a respeito de Jesus (Mateus 1.20; Mateus 2.13; Mateus 2.19). Nas duas primeiras ocasiões, o visitante celestial é descrito como “o anjo do Senhor”, o que poderia possivelmente ser uma maneira de descrever o próprio Deus.

Na última visita, o mensageiro celestial foi descrito simplesmente como “um anjo do Senhor”. No final, no entanto, os seres celestiais eram provavelmente da mesma ordem e estavam cumprindo entre os humanos aqueles deveres normalmente atribuídos a anjos como Gabriel (Lucas 1.19).

Não há registros sobre a forma real da aparição, mas Zacarias parece ter reconhecido o anjo imediatamente como um ser celestial e ficou aterrorizado (Lucas 1.12). Sua penalidade por não ter aprendido nada com a experiência de seu ancestral Abraão (Lucas 1.18; cf. Gênesis 17.17) só seria removida quando seu filho João nascesse (Lucas 1.20).

Quando Gabriel anunciou a Maria que ela daria à luz Jesus, ela parece ter ficado mais perturbada com sua mensagem do que com sua aparência. O nascimento de Jesus foi anunciado aos pastores de Belém pelo anjo do Senhor, e, uma vez que ele estava acompanhado pela glória divina, é possível que ele fosse o próprio Senhor.

A mensagem de alegria tendo sido proclamada, a hoste celestial de anjos louvou e glorificou a Deus (Lucas 2.13-14) por um breve período, como haviam feito na criação do mundo (João 38.7), após o qual partiram.

Durante seu ministério, anjos vieram e ministraram a Jesus depois que ele resistiu às tentações do diabo (Mateus 4.11). Novamente, quando Jesus estava submetendo-se à vontade de Deus no jardim do Getsêmani (Lucas 22.40-44), um anjo veio do céu para fortalecê-lo.

Na ressurreição, o anjo do Senhor removeu a pedra do lugar de sepultamento de Jesus (Mateus 28.2), e foi descrito como tendo uma aparência como relâmpago e vestes tão brancas quanto a neve (Mateus 28.3).

Novamente, esse ser celestial desempenhou um serviço de tranquilização e amor para Maria e Maria Madalena, que posteriormente relataram ter visto “uma visão de anjos” (Lucas 24.23). No evangelho de João, Maria Madalena viu dois anjos em roupas brancas, sentados no túmulo vazio, logo antes de encontrar o Senhor ressuscitado (João 20.12-16).

Em Atos, os apóstolos aprisionados foram libertados por um anjo (5:19). Felipe foi ordenado por um anjo a encontrar um oficial etíope (8:26-28), enquanto outro ser celestial apareceu a Cornélio (10:3).

O anjo do Senhor libertou Pedro da prisão (12:7-11), e subsequentemente afligiu Herodes com uma doença fatal (12:23). Quando Paulo e seus companheiros estavam prestes a naufragar, o apóstolo os assegurou da presença de um anjo guardião (27:23-24).

Paulo se referiu posteriormente a hierarquias angélicas (“tronos, poderes, dominadores ou autoridades”) ao proclamar a supremacia cósmica de Jesus (Colossenses 1.15-16; cf. 1 Pedro 3.22), e proibiu a adoração de anjos na igreja de Colossos (Colossenses 2.18) numa tentativa de evitar práticas heterodoxas.

Sua referência a “anjos” em 1 Coríntios 11.10 pode ter sido um aviso de que tais seres observam os humanos no culto, e por isso, os coríntios deveriam evitar condutas impróprias ou violações da decência.

A angelologia de 2 Pedro e Judas reflete algumas das tradições judaicas intertestamentárias concernentes a “anjos maus”. Em Apocalipse existem inúmeras alusões simbólicas a anjos, cuja adoração é proibida (Apocalipse 22.8-9).

Os “anjos das sete igrejas” (Apocalipse 1.20) são representações espirituais específicas ou personificações desses grupos cristãos. Uma figura particularmente sinistra era Abaddon (Apollyon em grego), o “anjo do abismo sem fundo” (Apocalipse 9.11), que com seus seguidores estava envolvido numa feroz batalha com Miguel e seus anjos (Apocalipse 12.7-9).

Jesus aceitou como válidas as referências do Antigo Testamento aos anjos e suas funções (Mateus 22.30), mas falou especificamente do “diabo e seus anjos” (Mateus 25.41) como destinados à destruição. Ele fomentou a ideia de anjos ministrando aos crentes (cf. Hebreus 1.14), e como sendo preocupados com o bem-estar das crianças (Mateus 18.10).

Ele descreveu anjos como criaturas sagradas (Marcos 8.38) que podiam se alegrar quando um pecador se arrependia (Lucas 15.10). Anjos não possuem características sexuais (Mateus 22.30), e embora sejam altamente inteligentes e ministros da vontade de Deus, eles não são oniscientes (Mateus 24.36).

Cristo afirmou durante sua prisão no Getsêmani que mais de doze legiões de anjos (aproximadamente 72,000) estavam disponíveis para livrá-lo, caso ele optasse por invocá-los para assistência (Mateus 26.53).

Ele ensinou que os anjos estariam com ele quando ele retornasse à terra na segunda vinda (Mateus 25.31), e que eles estariam significantemente envolvidos no último julgamento (Mateus 13.41; Mateus 13.49).

Finalmente, os anjos indicaram um modelo de obediência à vontade de Deus no céu, ao qual a igreja cristã deveria aspirar (cf. Mateus 6.10).

Alguns escritores contrastam os seres celestiais com “anjos caídos”, dos quais existem duas variedades. A primeira consiste em seres malígnos não aprisionados trabalhando sob a liderança de Satanás e geralmente considerados demônios (Lucas 4.35; Lucas 11.15; João 10.21).

A segunda são espíritos aprisionados (2 Pedro 2.4; Judas 6) porque abandonaram suas posições originais no céu. Para os escritores do Novo Testamento, eles eram particularmente perigosos. A diferença exata em função e caráter não é explicada nas Escrituras, mas alguns pensam que eles eram os “filhos de Deus” que coabitaram com mulheres mortais (Gênesis 6.1-2).

Essa visão, no entanto, é estritamente conjectural. Presumivelmente, os anjos aprisionados são aqueles que serão julgados pelos santos (1 Coríntios 6.3).

Num mundo material também povoado por espíritos bons e maus, a Bíblia ensina que os anjos celestiais servem de exemplo para o cumprimento entusiástico e resoluto da vontade de Deus. Eles reconhecem Jesus como seu superior e o adoram de acordo.

Os anjos continuam a realizar tarefas ministeriais entre os humanos, e essa função levou ao conceito de “anjos da guarda”, talvez motivado pelas palavras de Cristo em Mateus 18.10. Não está totalmente claro se cada indivíduo tem um anjo da guarda específico, mas certamente não há razão para duvidar que um anjo possa ser designado para cuidar dos destinos de grupos de indivíduos como as famílias.

Esses ministérios celestiais serão mais eficazes quando os destinatários pretendidos estiverem receptivos à vontade do Senhor para suas vidas.

R. K. Harrison

Bibliografia. G. B. Caird, Principalities and Powers; A. C. Gaebelein, The Angels of God; B. Graham, Angels: God’s Secret Agents; H. Lockyer, The Mystery and Ministry of Angels; A. Whyte, The Nature of Angels.

Elwell, Walter A. “Entrada para ‘Anjo’”. “Dicionário Evangélico de Teologia”. 1997.

Anjo – Dicionário Bíblico de Easton

Anjo

Uma palavra que significa, tanto no hebraico quanto no grego, “mensageiro”, e por isso é usada para denotar qualquer agente enviado por Deus para executar seus propósitos. É usada de um mensageiro comum (João 1.14; 1 Samuel 11.3; Lucas 7.2Lucas 9.52), de profetas (Isaías 42.19; Ageu 1.13), de sacerdotes (Malaquias 2.7) e ministros do Novo Testamento (Apocalipse 1.20).

É também aplicado a agentes impessoais como a peste (2 Samuel 24.12 Samuel 24.17; 2 Reis 19.35), o vento (Salmos 104.4).

Mas sua aplicação distintiva é a certas inteligências celestiais que Deus emprega na condução de seu governo do mundo. O nome não denota a natureza deles, mas seu ofício como mensageiros. As aparições a Abraão em Mamre (Gênesis 18Gênesis 18.22. Comp Gênesis 19.1), a Jacó em Peniel (Gênesis 32.2Gênesis 32.30), a Josué em Gilgal (Josué 5.1Josué 5.15), do Anjo do Senhor, foram sem dúvida manifestações da presença Divina, “antecipações da encarnação”, revelações antes da “plenitude do tempo” do Filho de Deus.

  • A existência e as ordens de seres angélicos só podem ser descobertas pelas Escrituras. Embora a Bíblia não trate deste assunto especialmente, há muitos detalhes incidentais que nos fornecem informações amplas. Sua existência pessoal é claramente implícita em passagens como Gênesis 16Gênesis 16.10, 16:11; Juízes 13.1-21; Mateus 28.2-5; Hebreus 1.4, etc.

    Esses seres superiores são muito numerosos. “Milhares de milhares,” etc. (Daniel 7.10; Mateus 26.53; Lucas 2.13; Hebreus 12.2Hebreus 12.23). Eles também são falados como de diferentes postos em dignidade e poder (Zacarias 1Zacarias 1.11; Daniel 10.1Daniel 12.1; 1 Tessalonicenses 4.16; Judas 1.9; Efésios 1.21; Colossenses 1.16).

  • Quanto à sua natureza, eles são espíritos (Hebreus 1.14), como a alma do homem, mas não incorpóreos. Expressões como “como os anjos” (Lucas 20.36) e o fato de sempre que anjos apareceram ao homem foi sempre em forma humana (Gênesis 18.2; Gênesis 19Gênesis 19.10; Lucas 24.4; Atos 1.10) e os títulos aplicados a eles (“filhos de Deus,” João 1 – João 38.7; Daniel 3.25; Compare 28) e aos homens (Lucas 3.38), parecem todos indicar alguma semelhança entre eles e a raça humana.

    Imperfeição lhes é atribuída como criaturas (João 4.18; Mateus 24.36; 1 Pedro 1.12). Como criaturas finitas podem cair em tentação; e assim lemos sobre “anjos caídos”. Da causa e maneira de sua “queda” somos completamente ignorantes.

    Sabemos apenas que “eles deixaram seu primeiro estado” (Mateus 25.41; Apocalipse 12Apocalipse 12.9), e que estão “reservados para julgamento” (2 Pedro 2.4). Quando o maná é chamado de “comida de anjos,” isso é simplesmente para indicar sua excelência (Salmos 78.25).

    Anjos nunca morrem (Lucas 20.36). Eles são possuidores de inteligência super-humana e poder (Marcos 13.32; 2 Tessalonicenses 1.7; Salmos 103.20). Eles são chamados de “santos” (Lucas 9.26), “eleitos” (1 Timóteo 5.21).

    Os redimidos na glória são “semelhantes aos anjos” (Lucas 20.36). Eles não devem ser adorados (Colossenses 2.18; Apocalipse 19.10).
  • Suas funções são múltiplas. (a) No sentido mais amplo, eles são agentes da providência de Deus (Êxodo 12.23; Salmos 104.4; Hebreus 11.28; 1 Coríntios 10.10; 2 Samuel 24.16; 1 Crônicas 21.16; 2 Reis 19.35; Atos 12.23). (b) Eles são especialmente agentes de Deus na execução de sua grande obra de redenção. Não há notícia de aparições angelicais ao homem até depois da vocação de Abraão. Dessa época em diante, há referências frequentes ao seu ministério na Terra (Gênesis 1Gênesis 19 Gênesis 24Gênesis 24.40Gênesis 28.12Gênesis 32.1). Eles aparecem para repreender a idolatria (Juízes 2.1-4), para chamar Gideão (Juízes 6.1Juízes 6.12), e para consagrar Sansão (Juízes 13.3). Nos dias dos profetas, desde Samuel para baixo, os anjos aparecem apenas em benefício deles (1 Reis 19.5; 2 Reis 6.17; Zacarias 1.6; Daniel 4.1Daniel 4.23Daniel 10.10, 10:1 – Daniel 10.20, 10:21).

    A Encarnação introduz uma nova era nas ministrações dos anjos. Eles vêm com seu Senhor à terra para prestar-lhe serviço enquanto aqui. Eles predizem sua vinda (Mateus 1.20; Lucas 1.26-38), ministram a ele após sua tentação e agonia (Mateus 4.11; Lucas 22.43) e declaram sua ressurreição e ascensão (Mateus 28.2-8; João 20.1João 20.13; Atos 1.1Atos 1.11).

    Agora eles são espíritos ministradores para o povo de Deus (Hebreus 1.14; Salmos 34Salmos 91.11; Mateus 18.10; Atos 5.1Atos 8.26Atos 10.3Atos 12.7Atos 27.23). Eles se alegram com um pecador penitente (Lucas 15.10). Eles levam as almas dos redimidos ao paraíso (Lucas 16.22); e serão os ministros do julgamento futuramente no grande dia (Mateus 13.3Mateus 13.41, 13:4 – Mateus 16.27Mateus 24.31).

    As passagens (Salmos 34.7, Mateus 18.10) geralmente referidas em apoio à ideia de que cada indivíduo tem um anjo guardião particular não têm tal significado. Elas apenas indicam que Deus emprega o ministério de anjos para libertar seu povo de aflição e perigo, e que os anjos não pensam que esteja abaixo de sua dignidade ministrar mesmo a crianças e ao menor entre os discípulos de Cristo.

    O “anjo de sua presença” (Isaías 63.9. Compare Êxodo 23.20; Êxodo 23.2Êxodo 32.34Êxodo 33.2; Números 20.16) provavelmente é corretamente interpretado como o Messias sendo o guia de seu povo. Outros supõem que a expressão se refira a Gabriel (Lucas 1.19).

    Easton, Matthew George. “Entrada para Anjo”. “Dicionário da Bíblia de Easton”.

    Anjo –

    Anjo

    O mistério das sete estrelas que viste na minha mão direita, e os sete castiçais de ouro. As sete estrelas são os ANJOSdas sete igrejas: e os sete castiçais que viste são as sete igrejas. (Apocalipse 1.20)

    “Entrada para ‘Anjo’”. Um Dicionário do Rei Jaime.

    Anjo – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

    Anjo

    Um anjo na Escritura se aplica a uma ordem de seres sobrenaturais ou celestiais cuja função é agir como mensageiros de Deus para os homens e como agentes que realizam Sua vontade. Ambos em hebraico e grego, o termo é aplicado a mensageiros humanos (1 Reis 19.2; Lucas 7.24); em hebraico é usado no singular para denotar um mensageiro Divino e no plural para mensageiros humanos, embora haja exceções para ambos os usos. É aplicado ao profeta Ageu (Ageu 1.13), ao sacerdote (Malaquias 2.7) e ao mensageiro que prepara o caminho do Senhor (Malaquias 3.1).

    Outras palavras e expressões hebraicas aplicadas a anjos são bene ha-‘elohim (Gênesis 6.2,4; João 1João 2.1) e bene ‘elim (Salmos 29Salmos 89.6), isto é, filhos dos ‘elohim ou ‘elim; isso significa, de acordo com um uso comum do hebraico, membros da classe chamada ‘elohim ou ‘elim, as potências celestiais.

    Parece duvidoso que a palavra ‘elohim, por si só, seja usada para descrever anjos, embora a Septuaginta assim o traduza em algumas passagens.

    A instância mais notável é Salmos 8.5; onde a Revised Version (British and American) diz “Tu o fizeste um pouco menor que Deus”, com a leitura da margem da English Revised Version “anjos” para “Deus” (comparar Hebreus 2.7,9); qedhoshim “santos” (Salmos 89.5,7), um nome que sugere o fato de pertencerem a Deus; `ir, `irim, “vigia”, “vigilantes” (Daniel 4.13,17,23).

    Outras expressões são usadas para designar coletivamente anjos:

    codh, “conselho” (Salmos 89.7), onde a referência pode ser a um grupo interno de anjos exaltados; `edhah e qahal, “congregação” (Salmos 82Salmos 89.5); e finalmente tsabha’, tsebha’oth, “exército”, “exércitos”, como na frase familiar “o Deus dos exércitos”.

    No Novo Testamento a palavra aggelos, quando se refere a um mensageiro Divino, é frequentemente acompanhada por alguma frase que torna esse significado claro, por exemplo, “os anjos dos céus” (Mateus 24.36).

    Anjos pertencem ao “exército celestial” (Lucas 2.13). Em relação à sua natureza eles são chamados “espíritos” (Hebreus 1.14). Paulo evidentemente se refere às fileiras ordenadas de seres supra-mundanos em um grupo de palavras que são encontradas em várias combinações, ou seja, archai, “principados”, exousiai, “potestades”, thronoi, “tronos”, kuriotetes, “domínios” e dunameis, também traduzidas como “potestades”.

    Os quatro primeiros são aparentemente usados em bom sentido em Colossenses 1.16, onde é dito que todos esses seres foram criados através de Cristo e para Ele; na maioria das outras passagens em que palavras deste grupo ocorrem, parecem representar poderes malignos.

    Nós somos informados que nossa luta é contra eles (Efésios 6.12) e que Cristo triunfa sobre principados e potestades (Colossenses 2.15; comparar Romanos 8.38; 1 Coríntios 15.24). Em duas passagens a palavra arcanjo, “arcanjo” ou chefe dos anjos, ocorre:

    “a voz do arcanjo” (1 Tessalonicenses 4.16), e “Miguel o arcanjo” (Judas 1.9).

    Em todo lugar no Antigo Testamento a existência de anjos é assumida. A criação de anjos é referida em Salmos 148.2,5 (comparar Colossenses 1.16). Eles estavam presentes na criação do mundo e ficaram tão cheios de admiração e alegria que “gritaram de alegria” (João 38.7).

    De sua natureza não nos é dito nada. Em geral, eles são simplesmente considerados como encarnações de sua missão. Embora presumivelmente os santos de todos os seres criados, eles são acusados por Deus de loucura (João 4.18), e nos é dito que “Ele não confia em seus santos” (João 15.15).

    Referências à queda dos anjos são encontradas apenas na passagem obscura e provavelmente corrompida Gênesis 6.1-4, e nas passagens interdependentes 2 Pedro 2.4 e Judas 1.6, que tiram sua inspiração do livro Apócrifo de Enoque.

    Demônios são mencionados (ver DEMÔNIO) e embora Satanás apareça entre os filhos de Deus (João 1João 2.1), há uma tendência crescente em escritores posteriores de atribuir-lhe uma malignidade que é toda sua (ver SATANÁS).

    Sobre sua aparência exterior, é evidente que eles tinham forma humana e poderiam às vezes ser confundidos com homens (Ezequiel 9.2; Gênesis 18.2,16). Não há nenhuma indicação de que eles já apareceram em forma feminina.

    A concepção de anjos como seres alados, tão comum na arte cristã, não encontra apoio nas Escrituras (exceto, talvez Daniel 9.21; Apocalipse 14.6, onde anjos são retratados como “voando”). Os querubins e serafins (ver CHERUB; SERAPHIM) são representados com asas (Êxodo 25.20; Isaías 6.2); alados também são as criaturas viventes simbólicas de Ezequiel (Ezequiel 1.6; comparar Apocalipse 4.8).

    Os anjos são mensageiros e instrumentos da vontade divina. Como regra, eles exercem pouca influência no âmbito físico. Em várias ocasiões, no entanto, eles são representados como anjos destruidores:

    dois anjos são comissionados para destruir Sodoma (Gênesis 19.13); quando Davi censa o povo, um anjo os destrói com pestilência (2 Samuel 24.16); é por um anjo que o exército assírio é destruído (2 Reis 19.35); e Ezequiel ouve seis anjos recebendo o comando para destruir aqueles que eram pecadores em Jerusalém (Ezequiel 9.1,5,7).

    Nesse contexto, deve-se notar a expressão “anjos do mal”, isto é, anjos que trazem males sobre os homens de Deus e executam Seus julgamentos (Salmos 78.49; comparar 1 Samuel 16.14). Anjos aparecem para Jacó em sonhos (Gênesis 28.1Gênesis 31.11).

    O anjo que encontra Balaão é visível primeiro para a jumenta, e não para o cavaleiro (Números 22). Anjos interpretam a vontade de Deus, mostrando ao homem o que é certo para ele (João 33.23).

    A ideia de anjos cuidando de homens também aparece (Salmos 91.11), embora a concepção moderna da posse por cada homem de um anjo da guarda especial não seja encontrada no Antigo Testamento.

    O termo “o exército dos céus” é aplicado às estrelas, que as vezes eram adoradas pelos judeus idólatras (Jeremias 33.22; 2 Reis 21.3; Zacarias 1.5); o nome é aplicado à companhia de anjos por causa de seus números incontáveis ​​(comparar Daniel 7.10) e sua glória.

    Eles são representados como estando à direita e à esquerda de Yahweh (1 Reis 22.19). Daí Deus, que está sobre todos eles, é continuamente chamado em todo o Antigo Testamento de “Deus dos exércitos”, “Yahweh dos exércitos”, “Yahweh Deus dos exércitos”; e uma vez “o príncipe do exército” (Daniel 8.11).

    Uma das principais funções do exército celestial é estar sempre louvando o nome do Senhor (Salmos 103.2Salmos 148.1).

    Um estudo desses versículos mostra que enquanto o anjo e Yahweh são às vezes distinguidos um do outro, eles são com igual frequência, e nos mesmos versículos, fundidos em um só. Qual é a explicação para isso? É óbvio que estas aparições não podem ser o Todo-Poderoso, a quem nenhum homem viu ou pode ver.

    Ao buscar a explicação, atenção especial deve ser dada a duas das passagens citadas acima. Em Êxodo 23.20 Deus promete enviar um anjo diante de Seu povo para conduzi-los à terra prometida; eles são comandados a obedecê-lo e não provocá-lo “porque ele não perdoará sua transgressão.”

    Pois o meu nome está nele.” Assim, o anjo pode perdoar pecados, o que somente Deus pode fazer, porque o nome de Deus, ou seja, Seu caráter e, portanto, Sua autoridade, estão no anjo. Além disso, na passagem Êxodo 32.34-33:17 Moisés intercede pelo povo após sua primeira quebra da aliança; Deus responde prometendo, “Eis que o meu anjo irá adiante de ti”; e imediatamente após Deus diz, “Não subirei no meio de ti”.

    Em resposta a mais súplicas, Deus diz, “Minha presença irá contigo, e te darei descanso.” Aqui uma distinção clara é feita entre um anjo comum e o anjo que carrega consigo a presença de Deus. A conclusão pode ser resumida nas palavras de Davidson em sua Teologia do Antigo Testamento: “Em providências particulares pode-se rastrear a presença de Yahweh em influência e operação; em aparições angélicas ordinárias pode-se descobrir Yahweh presente em algum lado do Seu ser, em algum atributo do Seu caráter; no anjo do Senhor Ele está plenamente presente como o Deus da aliança do Seu povo, para redimi-los.” A questão ainda permanece, Quem é o anjo teofânico?

    Para isso muitas respostas foram dadas, das quais as seguintes podem ser mencionadas:

    (1) Esse anjo é simplesmente um anjo com uma comissão especial;

    (2) Pode ser uma descida momentânea de Deus à visibilidade;

    (3) Pode ser o Logos, uma espécie de pré-encarnação temporária da segunda pessoa da Trindade. Cada uma tem suas dificuldades, mas a última é certamente a mais tentadora à mente. No entanto, deve-se lembrar que estas são apenas conjecturas que tocam num grande mistério. É certo que desde o início Deus usou anjos em forma humana, com vozes humanas, para se comunicar com o homem; e as aparições do anjo do Senhor, com sua relação redentora especial com o povo de Deus, mostram o funcionamento daquele modo Divino de auto-revelação que culminou na vinda do Salvador, e assim são um antegozo e uma preparação para a revelação plena de Deus em Jesus Cristo.

    Não se deve ir além disso.

    _III. Anjos no Novo Testamento._

    1. Aparições:

    Nada é relatado sobre os anjos no Novo Testamento que seja inconsistente com o ensino do Antigo Testamento sobre o assunto. Assim como eles são especialmente ativos no início da história do Antigo Testamento, quando o povo de Deus está sendo formado, eles aparecem frequentemente em conexão com o nascimento de Jesus e novamente quando uma nova ordem das coisas começa com a ressurreição.

    Um anjo aparece três vezes em sonhos a José (Mateus 1.2Mateus 2.13,19). O anjo Gabriel aparece a Zacarias e depois a Maria na anunciação (Lucas 1). Um anjo anuncia aos pastores o nascimento de Jesus, e é acompanhado por uma “multidão do exército celestial”, louvando a Deus em canto celestial (Lucas 2.8).

    Quando Jesus é tentado, e novamente durante a agonia no Getsêmani, anjos aparecem para fortalecer Sua alma (Mateus 4.11; Lucas 22.43). Um anjo desce para remover a pedra do túmulo de Jesus (Mateus 28.2); anjos são vistos lá por certas mulheres (Lucas 24.23) e (dois) por Maria Madalena (João 20.12).

    Um anjo liberta os apóstolos da prisão, direciona Filipe, aparece a Pedro em um sonho, libera-o da prisão, fere Herodes com doença, aparece a Paulo em um sonho (Atos 5.1Atos 8.26Atos 10.3Atos 12.7Atos 12.23Atos 27.23).

    Uma vez eles aparecem vestidos de branco; eles são tão deslumbrantes em aparência a ponto de aterrorizar os observadores; por isso eles começam sua mensagem com as palavras “Não temas” (Mateus 28.2-5).

    2. O Ensino de Jesus sobre Anjos:

    É bastante certo que nosso Senhor aceitou os principais ensinamentos do Antigo Testamento sobre anjos, bem como a crença judaica posterior em anjos bons e maus. Ele fala dos “anjos no céu” (Mateus 22.30), e de “o diabo e seus anjos” (Mateus 25.41).

    Segundo nosso Senhor, os anjos de Deus são santos (Marcos 8.38); eles não têm sexo ou desejos sensuais (Mateus 22.30); eles têm alta inteligência, mas eles não sabem o tempo da Segunda Vinda (Mateus 24.36); eles carregam (em uma parábola) a alma de Lázaro ao seio de Abraão (Lucas 16.22); eles poderiam ter sido convocados para ajudar nosso Senhor, caso Ele assim desejasse (Mateus 26.53); eles acompanharão Ele na Segunda Vinda (Mateus 25.31) e separarão os justos dos ímpios (Mateus 13.41,49).

    Eles observam com olhos simpáticos as fortunas dos homens, regozijando-se no arrependimento de um pecador (Lucas 15.10; compare 1 Pedro 1.12; Efésios 3.10; 1 Coríntios 4.9); e eles testemunharão o Filho do Homem confessando ou negando aqueles que o confessaram ou negaram perante os homens (Lucas 12.8).

    Os anjos da presença de Deus, que não parecem corresponder à nossa concepção de anjos da guarda, são especialmente interessados nos pequenos de Deus (Mateus 18.10). Finalmente, a existência de anjos é implícita na Oração do Senhor na petição, “Seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu” (Mateus 6.10).

    3. Outras Referências no Novo Testamento:

    Paulo refere-se às fileiras dos anjos (“principados, potestades” etc.) apenas para enfatizar a supremacia completa de Jesus Cristo. Ele ensina que os anjos serão julgados pelos santos (1 Coríntios 6.3).

    Ele combate o gnosticismo incipiente da Ásia Menor proibindo o culto aos anjos (Colossenses 2.18). Ele fala dos anjos de Deus como “eleitos”, porque estão incluídos nos conselhos do amor Divino (1 Timóteo 5.21).

    Quando Paulo ordena às mulheres que mantenham suas cabeças cobertas na igreja por causa dos anjos (1 Coríntios 11.10), provavelmente ele quer dizer que os anjos, que assistem todos os assuntos humanos com profundo interesse, ficariam tristes ao ver qualquer infração das leis da modéstia.

    Em Hebreus 1.14 os anjos são descritos como espíritos ministradores envolvidos no serviço dos santos. Pedro também enfatiza a supremacia de nosso Senhor sobre todos os seres angelicais (1 Pedro 3.22). As referências a anjos em 2 Pedro e Judas são coloridas pelo contato com literatura Apócrifa.

    Em Apocalipse, onde as referências são obviamente simbólicas, há menção muito frequente de anjos. Os anjos das sete igrejas (Apocalipse 1.20) são os anjos guardiães ou as personificações dessas igrejas.

    O culto aos anjos também é proibido (Apocalipse 22.8 f). Especialmente interessante é a menção de anjos elementais – “o anjo das águas” (Apocalipse 16.5), e o anjo “que tem poder sobre o fogo” (Apocalipse 14.18; compare Apocalipse 7Apocalipse 19.17).

    Também é feita referência ao “anjo do abismo sem fundo”, que é chamado ABADDON ou APOLLYON (veja), evidentemente um anjo maléfico (Apocalipse 9.11 na Versão King James, a Versão Revisada (Britânica e Americana) “abismo”).

    Em Apocalipse 12.7 é nos dito que houve guerra entre Miguel com seus anjos e o dragão com seus anjos.

    _IV. Desenvolvimento da Doutrina._

    Na infância da raça era fácil acreditar em Deus, e Ele estava muito próximo da alma. No Paraíso não há pensamento de anjos; é o próprio Deus quem anda no jardim. Um pouco mais tarde o pensamento de anjos aparece, mas Deus não foi embora, e como “o anjo de Yahweh” Ele aparece a Seu povo e os redime.

    Nessas primeiras vezes os judeus acreditavam que havia multidões de anjos, ainda não divididos em pensamento em bons e maus; esses não tinham nomes ou características pessoais, mas eram simplesmente mensagens encarnadas.

    Até o tempo do cativeiro a angelologia judaica mostra pouco desenvolvimento. Durante esse período sombrio, eles entraram em contato próximo com um povo politeísta, apenas para serem mais profundamente confirmados em seu monoteísmo.

    Eles também se familiarizaram com a fé mais pura dos persas e provavelmente viram os princípios do Zoroastrismo com um olhar mais favorável, devido à grande gentileza de Ciro para com sua nação.

    Há poucos traços diretos do Zoroastrismo na angelologia posterior do Antigo Testamento. Não é sequer certo que o número sete como aplicado ao grupo mais alto de anjos seja de origem persa; o número sete não foi completamente ignorado pelos judeus.

    Um resultado do contato foi que a ideia de uma hierarquia de anjos foi mais plenamente desenvolvida. A concepção em Dn de anjos como “vigias” e a ideia de príncipes-patronos ou anjos-guardiões de nações podem ser atribuídas à influência persa. É provável que o contato com os persas ajudou os judeus a desenvolver ideias já latentes em suas mentes.

    Segundo a tradição judaica, os nomes dos anjos vieram da Babilônia. Até este momento, a consciência do pecado havia crescido mais intensamente na mente judaica, e Deus tinha se afastado para uma distância imensurável; os anjos ajudaram a preencher o espaço entre Deus e o homem.

    As concepções mais elaboradas de Daniel e Zacarias são mais desenvolvidas nos Apócrifos, especialmente em 2 Esdras, Tobias – Apocalipse 2 Mac.

    No Novo Testamento vemos que há pouco desenvolvimento adicional; e pelo Espírito de Deus, seus escritores foram salvos dos ensinamentos absurdamente pueris do Rabbinismo contemporâneo. Encontramos que os saduceus, em contraste com os fariseus, não acreditavam em anjos ou espíritos (Atos 23.8).

    Podemos concluir que os saduceus, com seu ponto de vista materialista e negação da ressurreição, consideravam anjos meramente como expressões simbólicas das ações de Deus. É digno de nota neste contexto que o grande documento sacerdotal (Código Sacerdotal, P) não faz menção de anjos.

    O Livro do Apocalipse naturalmente mostra uma estreita parentesco com os livros de Ezequiel e Daniel. Quanto aos desenvolvimentos rabínicos da angelologia, alguns belos, alguns extravagantes, alguns grotescos, mas todos fantasiosos, não é necessário falar aqui.

    Os essênios mantiveram uma doutrina esotérica de anjos, na qual a maioria dos estudiosos encontram o germe dos eons gnósticos.

    _V. A Realidade dos Anjos._

    Uma crença em anjos, se não indispensável à fé de um cristão, tem seu lugar lá. Nesta crença não há nada de anormal ou contrário à razão. De fato, a calorosa recepção que a natureza humana sempre deu a esse pensamento é um argumento a seu favor.

    Por que não deveria existir tal ordem de seres, se Deus assim quisesse? Para o cristão toda a questão depende do peso que deve ser atribuído às palavras de nosso Senhor. Todos concordam que Ele ensina a existência, realidade e atividade de seres angelicais.

    Ele estava errado por causa de Suas limitações humanas? Essa é uma conclusão que é muito difícil para o cristão tirar, e podemos deixá-la de lado. Ele então ajustou Seu ensino à crença popular, sabendo que o que Ele disse não era verdade?

    Essa explicação parece imputar uma mentira deliberada ao nosso Senhor e deve igualmente ser descartada. Assim, encontramo-nos restritos à conclusão de que temos a garantia da palavra de Cristo para a existência de anjos; para a maioria dos cristãos isso resolverá a questão.

    A atividade visível dos anjos chegou ao fim, porque seu trabalho mediador está concluído; Cristo fundou o reino do Espírito, e o Espírito de Deus fala diretamente ao espírito do homem. Este novo e vivo caminho foi aberto para nós por Jesus Cristo, sobre quem a fé ainda pode contemplar os anjos de Deus ascendendo e descendo.

    Ainda assim eles observam o destino do homem e se rejubilam em sua salvação; ainda se juntam no louvor e adoração a Deus, o Senhor dos exércitos, ainda podem ser considerados como “espíritos ministradores enviados para prestar serviço por causa daqueles que herdarão a salvação.”

    Mensageiro.

    Esse anjo é falado como “o anjo de Yahweh,” e “o anjo da presença (ou face) de Yahweh.” Os seguintes versículos contêm referências a este anjo:Gênesis 16.7–o anjo e Hagar; Gênesis 18-Abraão intercede junto ao anjo por Sodoma; Gênesis 22.11–o anjo interfere para prevenir o sacrifício de Isaac; Gênesis 24.7,40–Abraão envia Eliezer e promete a proteção do anjo; Gênesis 31.11–o anjo que aparece a Jacó diz “Eu sou o Deus de Betel”; Gênesis 32.24–Jacó luta com o anjo e diz, “Eu vi Deus face a face”; Gênesis 48.15–Jacó fala de Deus e do anjo como idênticos; Êxodo 3 (comparar Atos 7.30)–o anjo aparece a Moisés na sarça ardente; Êxodo 13.2Êxodo 14.19 (comparar Números 20.16)–Deus ou o anjo guia Israel para fora do Egito; Êxodo 23.20–o povo é comandado a obedecer ao anjo; Êxodo 32.34-33:17 (comparar Isaías 63.9)–Moisés suplica pela presença de Deus com Seu povo; Josué 5.13-6:2–o anjo aparece a Josué; Juízes 2.1-5–o anjo fala ao povo; Juízes 6.11–o anjo aparece a Gideão.

    Anjos – Dicionário Bíblico de Smith

    Anjos.

    Pela palavra “anjos” (isto é, “mensageiros” de Deus), geralmente entendemos uma raça de seres espirituais de uma natureza exaltada muito acima da do homem, embora infinitamente distante da de Deus – cujo ofício é “fazer-lhe serviço no céu, e por sua nomeação socorrer e defender os homens na terra.

    I. Uso Escritural da palavra. — Existem muitas passagens nas quais a expressão “anjo de Deus” é certamente usada para uma manifestação do próprio Deus (Gênesis 22.11) com Gênesis 22.12 e Êxodo 3.2 com Êxodo 3.6 e Êxodo 3.14 É observado também que, ao lado dessas expressões, lemos sobre Deus sendo manifestado na forma de homem — como para Abraão em Mamre, (Gênesis 18.2 Gênesis 18.22) comp.

    Gênesis 19.1 a Jacó em Penuel, (Gênesis 32.24 Gênesis 32.30) a Josué em Gilgal, (Josué 5.13 Josué 5.15) etc. Além disso, que é a aplicação mais alta da palavra anjo, encontramos a frase usada de quaisquer mensageiros de Deus, como os profetas, (Isaías 42.19Ageu 1.13Malaquias 3.1) os sacerdotes, (Malaquias 2.7) e os governantes das igrejas cristãs. (Apocalipse 1.20) II.

    Natureza dos anjos — Anjos são chamados de “espíritos”, como em (Hebreus 1.14) — mas não é afirmado que a natureza angelical é incorpórea. O contrário parece expressamente implícito em (Lucas 20.36Filipenses 3.21) Os anjos nos são revelados como seres tais que o homem poderia ser, e será quando o poder do pecado e da morte for removido, porque sempre contemplando seu rosto, (Mateus 18.10) e, portanto, sendo “feitos semelhantes a ele”. (1 João 3.2) Seu número deve ser muito grande, (1 Reis 22.19Mateus 26.53Hebreus 12.22) sua força é grande, (Salmos 103.20Apocalipse 5 – Apocalipse 18.21) sua atividade maravilhosa (Isaías 6.2-6Mateus 26.53Apocalipse 8.13) sua aparência variava de acordo com as circunstâncias, mas era frequentemente brilhante e deslumbrante. (Mateus 28.2-7Apocalipse 10.1 Apocalipse 10.2) Da natureza dos “anjos caídos”, as circunstâncias e a natureza da tentação pela qual caíram, não sabemos absolutamente nada.

    Tudo o que é certo é que eles “deixaram seu primeiro estado” e que agora são “anjos do diabo”. (Mateus 25.41Apocalipse 12.7 Apocalipse 12.9) Por outro lado, o título especialmente atribuído aos anjos de Deus — o dos “santos”, veja (Daniel 4.13 Daniel 4.23Daniel 8.13Mateus 25.31) — é precisamente aquele que é dado àqueles homens que são renovados na imagem de Cristo.

    Comp. (Hebreus 2.10Hebreus 5.9Hebreus 12.23) III. Ofício dos anjos. De seu ofício no céu temos apenas vislumbres proféticos vagos como em (1 Reis 22.19Isaías 6.1-3Daniel 7.9 Daniel 7.10Apocalipse 6.11), etc., que nos mostram nada além de uma adoração incessante.

    Eles são representados como sendo, no sentido mais amplo, agentes da providência de Deus, natural e sobrenatural, para o corpo e para a alma. Em uma palavra, eles são ministros da graça de Cristo agora, e serão de julgamento aqui depois. (Mateus 13.39 Mateus 13.41 Mateus 13.4 – 41 Mateus 16.27 – 41 Mateus 24.31) etc.

    Que existem graus da natureza angelical, tanto caída quanto não caída, e títulos e agências especiais pertencentes a cada um, é claramente declarado por São Paulo, (Efésios 1.21Romanos 8.38) mas qual é a sua natureza geral é inútil especular.

    Smith, William, Dr. “Entrada para ‘Anjos’”. “Dicionário da Bíblia de Smith”. 1901.

    Anjos das sete igrejas – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

    Anjos das sete igrejas

    É evidente a partir dos contextos das várias passagens bíblicas nas quais a palavra “anjo” aparece, que a palavra não representa sempre a mesma ideia. Em passagens como Daniel 12.1 e Atos 12.15, parece que o anjo era geralmente considerado um ser super-humano cujo dever era guardar uma nação ou um indivíduo, não muito diferente do jenei dos árabes.

    No entanto, em Malaquias 2 – Malaquias 3.1 (Hebraico) a palavra é claramente usada para representar homens. No Novo Testamento também, existem passagens, como Tiago 2.25 (Grego), nas quais a palavra parece ser aplicada a homens.

    Os sete anjos das sete igrejas (Apocalipse 1.20) receberam sete cartas, cartas figurativas, e portanto parece que os sete anjos também são figurativos e podem se referir aos sete bispos que presidiam sobre as sete igrejas da Ásia.

    Ou os anjos podem ser considerados como personificações das igrejas.

    E. J. Banks

    Orr, James, M.A., D.D. Editor Geral. “Entrada para ‘ANJOS DAS SETE IGREJAS’”. “Enciclopédia Bíblica Padrão Internacional”. 1915.

Faça um comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários

Artigos Relacionados