Início Dicionário T Teologia de Amós

Teologia de Amós na Bíblia. Significado e Versículos sobre Teologia de Amós

22 min de leitura

Teologia de Amós

Como todos os profetas bíblicos, Amós falou os oráculos de Iavé, o Deus de Israel, para as pessoas em um contexto particular. Para compreender a teologia do livro que leva seu nome, deve-se ter um conhecimento básico desse contexto.

Os destinatários originais da mensagem de Amós eram os cidadãos do reino do norte de Israel por volta de 760 a. C. Que Iavé chamasse Amós para profetizar a eles era, em si mesmo, notável porque ele não era um profissional religioso nem do norte, mas um agricultor de Tecoa em Judá (1 Amós 1:1; Amós 7.14-15).

O que isso significava, para qualquer um que estivesse atento para perceber, era que Iavé não era o tipo de Deus que se sentia constrangido pela convenção ao escolher um indivíduo para a tarefa em questão, mesmo que essa pessoa parecesse desqualificada.

Sua tarefa para esse leigo do sul era que ele viajasse para o que era essencialmente um país estrangeiro e falasse uma mensagem dura para pessoas que viviam em relativa facilidade.

Israel, durante o reinado de Jeroboão II (793-753), foi impulsionado a alturas de poder e prosperidade sem igual desde os dias de Davi e Salomão. Muitos foram elevados por um senso de bem-estar e se sentiram otimistas sobre o futuro.

Enquanto o exército era forte e o produto nacional bruto estava alto, no entanto, a nação estava em um estado avançado de decadência social, moral e espiritual. Extremos chocantes de privilégio e impotência, riqueza e necessidade surgiram.

Juízes podiam ser subornados. A religião era uma mistura sincrética de devoção ritualística a Iavé e várias divindades pagãs. O fato de Iavé ter convocado Amós para abordar essa situação era um forte indício contra os líderes de Israel, tanto religiosos quanto seculares, que careciam da fibra ética necessária.

Uma notável exceção era Oséias, cuja denúncia da apostasia espiritual de Israel complementava a exposição devastadora de Amós de seu tecido social e moral esfarrapado.

Iavé Qualquer discussão sobre a teologia do Livro de Amós deve começar com seu retrato de Iavé. Vê-se vislumbres de muitos aspectos de seu caráter e atividade. As três características mais proeminentes desse retrato são sua soberania, justiça e graça.

Ao longo do livro, em declarações que contêm um número notável de formas de primeira pessoa do singular, Iavé indica sua soberania ao repetidamente afirmar que ele inicia as coisas. Eventos — tanto passados (Amós 2.9-11; Amós 4.6-11; Amós 9.7) quanto futuros (Amós 1.4-5; Amós 2.13-16; Amós 5.27; Amós 6.14; Amós 9.11-15) não são produtos do acaso, mas invenções de Iavé.

Além do mais, ele relata efeitos, dos quais ele mesmo é a causa, antes de sua ocorrência (Amós 3.6-8).

A profecia de Amós destaca duas esferas principais nas quais Iavé manifesta sua soberania: natureza e as nações. Em algumas passagens, sua senhoria sobre a natureza é demonstrada tanto em seu papel como criador (Amós 4.13; Amós 5.8) quanto em seu aproveitamento de suas forças impressionantes para seus próprios propósitos (Amós 4.6-11; Amós 5.8-9; Amós 7.1-6; Amós 8.7-14; Amós 9.5-6).

Essas e outras partes do livro (Amós 1.2; Amós 3.8) revelam o grande poder e terrível majestade do Deus com quem Israel deve lidar.

Iavé também manifesta sua autoridade suprema sobre as nações. Como se esperaria, Amós mostra que Iavé é o soberano de Israel. É ele quem elegeu ou escolheu o povo de Israel para um relacionamento especial de aliança com ele, quem os resgatou da escravidão no Egito, e quem os conduziu pelo deserto abrasador até sua herança territorial, que ele arrancou dos amorreus (Amós 2.9-10; Amós 3.1-2).

Iavé agora declara que punirá e dispersará a presente comunidade da aliança, que foi infiel a ele (Amós 2.13; Amós 3.14; Amós 5.26-27). Finalmente, ele restaurará Israel (Amós 9.11-15).

No entanto, insiste Amós, Iavé não apenas age nos assuntos de Israel; ele também controla os movimentos de outros povos (Amós 9.7), convoca outras nações para fazerem sua vontade (Amós 6.14) e julga outros estados de acordo com os padrões que ele estabeleceu para eles (Amós 1.3-2:3).

Outra característica importante no retrato de Amós de Iavé é sua justiça. A justiça de Iavé é um corolário de sua santidade e retidão, atributos que refletem sua própria essência e que ele espera que distingam aqueles que o nomeiam como seu Deus (Êxodo 19.5-6; Levítico 11.44-45; Levítico 20.7; Amós 5.14-15; Amós 5.24).

Como já indicado, a base na qual Iavé se relaciona com os israelitas é sua aliança com eles. Nessa aliança, ele estabelece suas expectativas sobre a forma como eles devem se relacionar com ele e entre si.

Esses relacionamentos devem ser caracterizados pelo tipo de amor que se manifesta em lealdade e fidelidade a ele (Deuteronômio 6.4-14; Amós 5.4-6) e com justiça e compaixão para com seus vizinhos (Levítico 19.9-18; Amós 5.15; Amós 5.24).

Ele também detalha, em termos reminiscentes dos tratados entre suseranos antigos e seus estados vassalos, as consequências de cumprir (bênção) e cair abaixo (julgamento) dessas expectativas (Levítico 26.3-39; Deuteronômio 28.1-68; Deuteronômio 29.22-28).

Ele abençoa de acordo com as promessas da aliança (Deuteronômio 30.1-10; Amós 9.11-15). Ele julga não como uma deidade irritadiça que de vez em quando ataca seu povo em surtos arbitrários e caprichosos, mas como alguém que faz as maldições da aliança terem efeito (Amós 7.1-9).

Isso é evidente nas referências à fome e à fome (Amós 4.6; Amós 8.11-12; Levítico 26.26; Deuteronomy 28:48; Deuteronomy 28:51-57), seca e sede (Amós 4.7-8; Amós 8.13-14; Levítico 26.19-20; Deuteronômio 28.22-24; Deuteronomy 28:48), doença e pragas (Amós 4.9-10; Levítico 26.16; Levítico 26.25; Deuteronômio 28.21-22; Deuteronomy 28:27; Deuteronomy 28:35; Deuteronomy 28:38-40; Deuteronomy 28:42; Deuteronomy 28:59-61), desastre (Amós 4.11; Deuteronômio 29.22-23), derrota militar e destruição (Amós 2.14-16; Amós 3.11; Amós 3.1-15; Amós 4.10; Amós 5.3; Amós 6.11; Amós 6.14; Amós 7.9; Amós 7.17; Amós 8.3; Amós 9.1; Amós 9.8; Amós 9.10; Levítico 26.7; Levítico 26.25; Levítico 26.30-33; Deuteronômio 28.25; Deuteronomy 28:48-57) e exílio (Amós 4.2-3; Amós 5.5; Amós 5.27; Amós 6.7; Amós 7.11; Amós 7.17; Amós 9.4; Levítico 26.33-39; Deuteronomy 28:36-37; Deuteronomy 28:41; Deuteronomy 28:63-68).

A justiça de Iavé é observável também em suas negociações com outras nações. Espera-se que ajam em conformidade com os padrões éticos e morais básicos que fazem parte da revelação geral. Esses padrões estão impressos nas consciências de até mesmo aqueles humanos que não têm acesso ao código legal de Israel (Salmo 19:1-4; Atos 14.17; Atos 17.24-28; Romanos 1.18-32; Romanos 2.14-15).

Quando as nações falham em se adequar aos padrões básicos, Iavé assegura que experimentem a retribuição apropriada (Amós 1.3-2:3).

O Livro de Amós também dá indicação clara da graça de Iavé, isto é, a bondade amorosa e misericórdia que ele oferece às pessoas sem considerar o mérito. Esta graça é evidente, em primeiro lugar, em sua eleição de Israel (Amós 3.2; Êxodo 19.3-8).

Em outro lugar, Iavé assegura seu povo que este privilégio não foi dado a eles porque eram tão numerosos ou justos, pois não eram nem um nem outro. Ele os escolheu e lhes deu a terra que havia prometido por causa de seu amor por eles, sua lealdade aos patriarcas e seu repúdio pela maldade dos habitantes anteriores dessa terra (Deuteronômio 7.6-9; Deuteronômio 9.4-6).

Ao longo da história de Israel, ele tem demonstrado sua preocupação amorosa pelo povo por meio de seus poderosos atos e maravilhosas provisões. Mas eles responderam com infidelidade e rejeição daqueles que ele enviou para apontar o caminho de volta para si mesmo (Amós 2.6-12; Amós 7.12-16).

Ele tentou chocá-los de sua letargia espiritual e levá-los ao arrependimento, enviando calamidades do tipo descrito nas maldições da aliança, mas sem sucesso (Amós 4.6-11). Contudo, ele continua a convidá-los a procurá-lo e viver como deveriam (Amós 5.4-6; Amós 5.14-15; Amós 5.24).

Embora a situação se deteriore ao ponto de que ele não pode mais poupar a nação (Amós 7.1-8; Amós 8.1-2), ele ainda fala em termos de um remanescente sobrevivente do povo (Amós 5.15; Amós 9.8-10). Ele também olha além do obscurantismo do castigo para um tempo quando rejuvenescerá a terra e estabelecerá o remanescente lá (Amós 9.11-15).

A graça de Iavé é evidente não apenas em suas bênçãos, mas também em seus julgamentos.

Israel O foco da profecia de Amós é, claro, a nação israelita. Como já indicado, Amós afirma o fato da eleição de Israel. Mas o profeta prossegue dizendo que o privilégio da eleição traz consigo um alto grau de responsabilidade perante o Deus com quem Israel está em relacionamento.

O padrão pelo qual ela é julgada é mais rigoroso do que o de outras nações. Ela é, portanto, especialmente passível de julgamento (Amós 3.2) e, paradoxalmente, no julgamento ela se torna como essas outras nações (Amós 1.3-2:16; Amós 9.7-8).

A base para o julgamento de Israel é sua infidelidade a Iavé. Essa infidelidade é manifestada de várias formas, mas intrínseco a cada uma é o fato de que ela não atende às expectativas de Iavé para ela (Amós 7.7-8).

Em vez de refletir o caráter humanitário e igualitário de grande parte da legislação pentateucal (Êxodo 23.9; Levítico 19.15; Levítico 25.35-43; Deuteronômio 17.18-20; Deuteronômio 24.14-18), a sociedade israelita é fraturada em classes definidas por economia e influência política (Amós 2.6-8; Amós 3.9-10; Amós 3.15; Amós 4.1; Amós 5.11-12; Amós 6.1; Amós 6.4-7; Amós 6.11; Amós 7.1; Amós 8.4-6).

Diante das disposições detalhadas da aliança para o cuidado dos pobres e desfavorecidos (Êxodo 22.22-27; Êxodo 23.10-11; Levítico 19.9-10; Levítico 25.35-55; Deuteronômio 10.17-19; Deuteronômio 15.7-15; Deuteronômio 24.19-22), Israelitas com poder e riqueza oprimem aqueles que não têm nenhum, enriquecendo-se ainda mais à custa desses desafortunados (Amós 2.6-8; Amós 3.9-10; Amós 4.1; Amós 5.11-12; Amós 8.4; Amós 8.6).

Apesar da insistência de Iavé de que a justiça seja distribuída em uma atmosfera de imparcialidade, veracidade e equidade (Êxodo 23.1-3; Êxodo 23.6-8; Deuteronômio 10.17-18; Deuteronômio 19.15-19; Deuteronômio 25.1-3), os tribunais de Israel distribuem mentiras, exploração e vereditos favoráveis àqueles com meios para comprá-los (Amós 2.6-8; Amós 5.7; Amós 5.10-12; Amós 6.12; Amós 8.6).

Desafiando instruções explícitas para realizar transações comerciais honestas (Levítico 19.35-36; Deuteronômio 25.13-16), comerciantes gananciosos enganam seus clientes vendendo produtos de qualidade inferior a preços inflacionados (Amós 8.4-6).

O que torna essa ladainha de avareza e corrupção ainda pior é o fato de que ela descreve uma nação de pessoas conhecidas por e de fato orgulhosas de seu envolvimento religioso (Amós 4.4-5; Amós 5.21-23; Amós 8.10).

Além disso, eles têm a audácia de afirmar que Iavé está com eles (Amós 5.14). Indubitavelmente, aqueles que desfrutam dos benefícios do poder e da riqueza da nação interpretam-nos como evidências do favor e da bênção de Iavé, os quais presumem que continuarão indefinidamente (Amós 9.10).

Amós critica os defensores desse evangelho de prosperidade perverso por sua autocomplacência, falso senso de segurança e orgulho (Amós 6.1-14; Amós 8.7). Eles não estão vivendo à luz do sorriso benevolente de Iavé, como supõem, mas no marasmo antes da tempestade do julgamento (Amós 2.13-16; Amós 6.11; Amós 7.7-9; Amós 8.1-2).

Claro para isso, alguns falam com saudade do dia de Iavé (Amós 5.18a), um dia em que o reino messiânico (no qual sem dúvida pensam que terão um papel proeminente) irá deslocar violentamente a ordem presente (Amós 5.18b-20; Amós 9.8-15).

A religião na qual confiam para garantir um lugar para si mesmos nesse reino, no entanto, é claramente uma forma vazia que apresenta muito ritual e atividade cultual projetada para apaziguar ou manipular a divindade.

Mas isso não tem impacto apreciável na conduta diária de seus adeptos (Amós 8.4-6). Por baixo da superfície, não é a forma pura do culto a Iavé imaginado no Pentateuco com sua exclusiva devoção ao Deus de Israel e seu culto centralizado (Êxodo 20.2-6; Deuteronômio 5.6-10; Deuteronômio 6.4-5; Deuteronômio 12.1-13:18).

Em vez disso, é caracterizada por uma multiplicidade de santuários e suscetibilidade a incursões por divindades pagãs e seus ritos frequentemente licenciosos (Amós 2.7b-8; Amós 3.14; Amós 4.4; Amós 5.5; Amós 5.26; Amós 7.9; Amós 8.14).

Esse tipo de religião é odioso para Iavé e o provoca a explodir com indignação (Amós 5.21-24).

O destino de Israel está selado (Amós 3.11; Amós 5.27; Amós 8.1-3) porque ela desperdiçou repetidas chances de se reconciliar com o Deus da aliança (Amós 4.6-11; Amós 5.4-6; Amós 5.14-15; Amós 5.24). Nada mais resta a ser feito ou dito exceto emitir um aviso para a nação preparar-se para encontrar o Deus que vem em julgamento (Amós 4.12).

As Nações Embora Israel seja o foco da profecia de Amós, ele diz coisas significativas sobre os povos que a cercam também. Isso o torna comparável a outros profetas cujas declarações incluem oráculos sobre nações estrangeiras (Isaías 13.23; Jeremias 46.51; Ezequiel 25.32; Sofonias 2.4-15).

A maior parte desses oráculos são pronunciamentos de julgamento. Por baixo de todos eles está a compreensão de que a soberania de Iavé vai além das fronteiras de Israel, que ele controla os destinos dos povos nessas regiões estrangeiras e que eles são responsáveis ​​perante ele por suas ações.

A contabilidade das nações para com Iavé parece ser baseada em uma relação de aliança análoga à existente entre Iavé e Israel. Isso flui naturalmente da ideia da soberania de Iavé sobre as nações, cujas origens, movimentos e destinos, como os de Israel, estão sob seu controle (Amós 1.3-2:5; Amós 2.9-10; Amós 4.10-11; Amós 6.14; Amós 9.7; Amós 9.11-12).

Tomando uma abordagem diferente, pode-se observar que os habitantes das nações destacadas para atenção especial em Amós 1.2 poderiam ser considerados súditos de Iavé. Seus respectivos territórios estavam originalmente incluídos dentro das fronteiras da terra que ele prometeu aos descendentes de Abraão (Gênesis 15.18).

Posteriormente, esses territórios foram controlados por Davi (2 Samuel 8.1-14) e Salomão (1 Reis 4.21, 1 Reis 4.24) e, em última análise, serão incluídos no reino messiânico previsto pelos profetas. Além disso, Edom (Gênesis 25.21-26; Gênesis 36.1; Gênesis 36.8), Amon e Moabe (Gênesis 19.36-38) têm uma ancestralidade comum com Israel.

Assim, todos os grupos mencionados acima podem ser considerados conectados uns aos outros e vinculados a Iavé em aliança.

De uma forma ou de outra, todas essas nações demonstraram deslealdade persistente a Iavé. Com as palavras, “Não voltarei atrás da minha ira” (Amós 1.3; Amós 1.6; Amós 1.9; Amós 1.11; Amós 1.13; Amós 2.1; Amós 2.4; Amós 2.6), ele anuncia ou a sua intenção de não revogar o trovejante pronunciamento de julgamento contra cada nação que rompeu a aliança (Amós 1.2), ou sua decisão de não levar tal nação de volta a si mesmo como parceiro da aliança em boa posição.

Em ambos os casos, cada um sofrerá o destino que qualquer estado vassalo pode esperar nas mãos do suserano contra quem rebelou, represálias militares devastadoras, incluindo a demolição de suas principais cidades.

O propósito de Amós ao pronunciar oráculos sobre nações além das fronteiras de Israel do século VIII não é apenas declarar o castigo iminente de outros que foram desleais a Iavé. Na verdade, esses pronunciamentos nunca serão ouvidos por aqueles sobre quem são feitos, exceto, com o passar do tempo, pelo povo de Judá.

O público originalmente destinado para todos esses pronunciamentos é Israel (Amós 1.1). Conforme Amós solenemente proclama a destruição de seus adversários mais próximos, ele indubitavelmente ganha a atenção simpática do povo para quem ele foi enviado para entregar uma palavra de Iavé.

Sua expectativa é que, quando, finalmente, ele fala sobre a nação deles, a mensagem será uma de vindicação e salvação. Mas quando ele prossegue para expor suas transgressões, assim como ele expôs as de seus vizinhos, ele revela que sua estratégia o tempo todo foi cercar Israel de todos os lados com os fogos do julgamento (Amós 1.4; Amós 1.7; Amós 1.10; Amós 1.12; Amós 1.14; Amós 2.2; Amós 2.5).

Ela agora fica isolada como a última vítima da ira de Iavé. Sua paciência com ela, como com as outras nações, esgotou-se (Amós 2.6-13).

Julgamento O Livro de Amós oferece algumas percepções significativas sobre o tema do julgamento. Iavé manda retribuição tanto sobre Israel quanto sobre as nações por suas violações deliberadas e repetidas da aliança.

Ele não age precipitadamente nisso, mas mistura ira com graça na esperança de que a parte infratora se arrependa e evite a destruição final. Três observações adicionais com relação à teologia do juízo do profeta podem ser destacadas.

Primeiro, o julgamento de Iavé é frequentemente talional. É justa retribuição ou julgamento do mesmo tipo. Assim, aqueles que oprimem os outros e enriquecem às custas dos desfavorecidos não conseguirão desfrutar dos frutos de sua traição (Amós 5.11-12).

Saqueadores e ladrões serão saqueados (Amós 3.10-11). Os poderosos que confiam em seu vigor físico e se gabam de façanhas militares serão superados nesses aspectos por outros mais capazes (Amós 2.14-16; Amós 6.13-14).

Os mais importantes da sociedade israelita, complacentes e seguros, estarão entre os primeiros a ir para o exílio (Amós 6.1; Amós 6.7). Pessoas que rejeitaram o ministério dos profetas de Iavé experimentarão uma fome pela palavra de Iavé e a procurarão por toda parte, mas sem sucesso (Amós 2.12; Amós 7.12-16; Amós 8.11-12).

Aqueles que adoram os deuses das nações serão exilados para tais nações (Amós 5.26-27).

Segundo, o julgamento de Iavé, quando não temperado por sua misericórdia, é abrangente e implacável. Será sentido por toda a terra (Amós 1.2; Amós 5.16-17; Amós 6.14). Ninguém escapará do incansável “Cão do Céu” (Amós 9.1-4).

Até que a ira de Iavé tenha sido satisfeita, haverá pateticamente pouco restante da nação (Amós 3.12).

Terceiro, o julgamento de Israel e o dia escatológico de Iavé são eventos relacionados. Os israelitas no tempo de Amós estão ansiosos por esse dia (Amós 5.18), evidentemente esperando que as nações gentílicas sejam derrotadas e Israel seja elevada a um lugar de preeminência entre as nações por causa de seu relacionamento especial com Iavé.

Mas Amós os interrompe bruscamente, apontando que Iavé também ajustará contas com Israel, e não apenas com outras nações (Amós 2.13-16; Amós 5.18-20; Amós 8.1-3; Amós 8.9-14). A associação do julgamento que se aproxima de Israel com o dia de Iavé enfatiza fortemente que essa será a derradeira experiência da nação com ele.

Esperança e Restauração A mensagem de Amós é em grande parte sombria, mas não exclusivamente assim. Mesmo em algumas das sombrias proclamações de retribuição de Iavé contra Israel há lampejos de esperança sobre a sobrevivência de um remanescente do povo (Amós 3.12; Amós 5.3; Amós 5.15; Amós 9.8-10).

Essas passagens preparam o cenário para os últimos cinco versículos do livro, que são tão diferentes em tom e perspectiva que a maioria dos estudiosos bíblicos acredita que constituem uma adição posterior.

O tom de 9:11-15 é totalmente positivo sem nenhum indício de julgamento. A perspectiva parece ser a de um exilado de Judá; há referências a retornar do cativeiro (v. 14 cf. Deuteronômio 30.1-3; Jeremias 30.3), reparando e reconstruindo ruínas (vv. 1 – Jeremias 14) e possuindo o remanescente de Edom (v. 12).

Embora seja verdade que essa promessa sobre a subjugação de Edom e outras nações deve ser vista no contexto da longa expectativa de Israel de um reino davídico restaurado (v. 11 cf. Isaías 9.1-7; Isaías 11.10-16), a menção de um remanescente castigado de Edom em Amós 9.12 lembra várias invectivas bíblicas contra os descendentes de Esaú por sua conivência alegre com os conquistadores babilônicos de Judá em 586 a.

C. (Salmo 137:7; Lamentações 4.21-22; Ezequiel 25.12-14; Obadias 1.5-21). Quer a última seção do Livro de Amós venha diretamente do profeta de mesmo nome ou não, não há mais razão para crentes duvidarem de seu lugar dentro do cânon inspirado das Escrituras do que duvidaria de qualquer um dos livros bíblicos para os quais a questão da autoria permanece aberta.

A frase que introduz essa seção, “Naquele dia” (Amós 9.11), associa os eventos descritos neste oráculo de salvação com o dia escatológico de Iavé. Aqui retrata-se o lado luminoso desse dia, cuja luz nunca brilhará para os israelitas intransigentes aos quais Amós ministra.

Será um dia de bem ou mal dependendo do estado do relacionamento de alguém com Iavé (Joel 3.12-21; Obadias 1.15-21; Zacarias 12.1-9; Zacarias 14.1-21; Malaquias 4.1-6).

Duas grandes temas formam o pano de fundo para a descrição de Amós do estabelecimento do reino eterno de Iavé. O primeiro, aludido anteriormente, é um retorno à era de ouro da história de Israel — o tempo do reinado de Davi (vv. 11-12).

Aparentemente implícito no versículo 11 está o que outros profetas afirmam explicitamente, ou seja, que Iavé restaurará um reino unido sobre o qual um Davi escatológico presidirá (cf. Isaías 11.10-14; Jeremias 33.23-26; Ezequiel 37.15-28; Oséias 1.11; Oséias 3.4-5).

No versículo 12, lemos sobre a recuperação do território que outrora pertencia ao império davídico. Iavé reafirmará então sua reivindicação sobre aquelas nações que, nos dias de Davi, estavam sob a égide de sua aliança com Israel.

O que, no contexto dessa aliança, é descrito em termos imperialistas torna-se, no contexto da nova aliança, uma descrição do estabelecimento da igreja universal de Cristo (Atos 15.5-17).

O segundo grande tema desta seção é a reversão das maldições da aliança (vv. 13-15). Esse cenário se desenrola na terra que Iavé originalmente deu aos patriarcas e seus descendentes (Gênesis 13.14-17; Gênesis 26.2-3; Gênesis 28.10-13), mas que Israel perdeu por causa de sua infidelidade a ele (Levítico 18.24-28; Levítico 26.27-39; 2 Reis 17.3-23; 2 Reis 21.1-16; 2 Reis 23.26-27; 2 Reis 24.1-4; 2 Crônicas 36.11-21).

O profeta antecipa um tempo de revitalização sem precedentes. Exilados que retornam serão firmemente restabelecidos na terra enquanto reconstruem suas ruínas e desfrutam de sua fartura generosa. Essa existência renovada é descrita em termos que sugerem um Éden restaurado e uma nova criação (Isaías 65.17-25; Ezequiel 47.1-12; Joel 3.18).

Torna-se claro que, assim como as manifestações iminentes da ira de Iavé são vistas como relacionadas ao seu último dia de julgamento, da mesma forma a restauração iminente dos

Faça um comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários

Artigos Relacionados