Início Dicionário I Irmãos do Senhor

Irmãos do Senhor na Bíblia. Significado e Versículos sobre Irmãos do Senhor

13 min de leitura

Jesus não teve apenas irmãos, mas também irmãs (Marcos 6.3). Os nomes de Seus irmãos são conhecidos (Tiago, José, Judas e Simão [Mateus 13.55]), mas não os nomes das irmãs. Uma vez que a palavra “irmão” é algumas vezes usada nas Escrituras para designar uma pessoa não necessariamente nascida do mesmo pai e mãe, surgem perguntas sobre os “irmãos” e “irmãs” de Jesus.

Na tradição católico-romana, há a necessidade de esclarecimento quanto a isso, devido à crença na perpetuidade da virgindade de Maria. Para nós, essa pergunta tem conotação histórica, não teológica. Essa controvérsia remonta à metade do segundo século e ainda não foi resolvida a contento; a evidência bíblica permite interpretações diferentes.

Filhos de José e Maria. Alguns consideram este o ensino do Novo Testamento. Jesus é chamado o primogênito de Maria (Lucas 2.7), e somos informados de que José conheceu Maria, isto é, teve relação sexual com ela, após o nascimento de Jesus (Mateus 1.25).

Portanto, a conclusão mais lógica seria de que a expressão “irmãos de Jesus” se refere aos filhos de José e Maria. Além disso, não existe uma menção clara nos Evangelhos de que José era viúvo antes de se casar com Maria, ou de que tivesse filhos de um casamento anterior.

Primos de Jesus. Esta interpretação baseia-se no argumento de que a palavra “irmão” podia algumas vezes designar um parente chegado, um primo. Entre outras coisas, essa teoria ensina que a mãe de Tiago e José não era a mãe de Jesus, mas a irmã dela, Maria, a esposa de Cléopas (João 19.25).

Seu irmão Tiago é o mesmo chamado filho de Alfeu e Cléopas (Marcos 3.18). Esta idéia considera os “irmãos de Jesus” como Seus primos. Mas o elevado grau de especulação dessa teoria e o fato de que dificilmente haveria uma evidência para o uso de “irmão” com o significado de “primo”, descartam essa hipótese.

Meio-irmãos. Muitos argumentos são invocados para apoiar essa idéia. Primeiro, em lugar algum do Novo Testamento os “irmãos de Jesus” são explicitamente chamados “filhos de Maria”. A passagem que mais se aproxima dessa idéia é Mateus 13.55: “Não é este o filho do carpinteiro?

Não se chama Sua mãe Maria, e Seus irmãos, Tiago, José, Simão e Judas?” Mas Jesus é o único chamado especificamente filho de Maria. Alguém poderia argumentar que o texto diz implicitamente que Maria era a mãe apenas de Jesus, não de Seus irmãos mencionados na passagem.

Segundo, a palavra “irmão” é usada na literatura grega para se referir a um meio-irmão; assim, o termo em si mesmo não é conclusivo para responder à pergunta. Terceiro, a palavra “primogênito” não infere que Maria tivesse outros filhos.

Ela é usada em Lucas 2.7 para preparar o caminho para a dedicação de Jesus ao Senhor como primogênito (verso 23). Uma antiga inscrição egípcia menciona uma mulher que morreu ao dar à luz seu “primogênito”.

Portanto, não se pode concluir que Maria tinha outros filhos. Quarto, o fato de que José não teve relações sexuais com Maria a não ser após ela ter dado à luz a Jesus (Mateus 1.25), não quer dizer necessariamente que ela teve outros filhos.

O propósito da informação de Mateus foi enfatizar que Maria era ainda virgem quando do nascimento de Jesus. Quinto, o fato de que os “irmãos” de Jesus tentaram várias vezes controlá-Lo sugere a possibilidade de que eles eram mais velhos que Jesus.

Na vida familiar judaica, os filhos mais velhos tinham autoridade sobre os mais novos. Finalmente, o fato de Jesus, durante Sua crucifixão, ter confiado Sua mãe aos cuidados de João denota que os “irmãos” de Jesus não eram filhos de Maria; caso contrário, eles teriam assumido essa responsabilidade.

Embora este assunto esteja ainda em debate, parece que a melhor solução é a última: os irmãos de Jesus eram Seus meio-irmãos. A pergunta óbvia é: Por que o Senhor fechou a madre de Maria? Esta é uma pergunta teológica.

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

A Bíblia não responde a essa questão. Talvez Deus quisesse preservar a singularidade da experiência de Maria como mãe do Salvador.[Equipe Bíblia. Com].

Irmãos do Senhor – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Irmãos do Senhor

Em Mateus 12.46; Marcos 3.31; Lucas 8.19, enquanto Jesus estava no meio de uma discussão séria com escribas e fariseus, Sua mãe e irmãos enviaram uma mensagem aparentemente com a intenção de acabar com a discussão.

Para indicar que nenhum laço da carne deveria interferir no cumprimento dos deveres de Seu ofício messiânico, Ele estendeu Suas mãos em direção a Seus discípulos e disse: “Todo aquele que faz a vontade do meu Pai que está nos céus, esse é meu irmão, e irmã, e mãe.” Em Mateus 13.54; Marcos 6.2, enquanto Ele ensinava em Sua própria cidade, Nazaré, Seus vizinhos, que, por terem observado Seu crescimento natural entre eles, não podiam compreender as extraordinárias alegações que Ele fazia, declaram em forma interrogativa, que conhecem toda a família, mãe, irmãos e irmãs.

Eles nomeiam os irmãos. Bengel sugere que há um tom de desprezo na omissão dos nomes das irmãs, como se não valessem a pena mencionar. Em João 2.12, eles são ditos ter acompanhado Jesus e Sua mãe e discípulos do casamento em Caná.

Em João 7.3, eles são descritos como incrédulos, ridicularizando Suas alegações com sarcasmo amargo. Esta atitude de hostilidade desapareceu quando, em Jerusalém, após a ressurreição e ascensão (Atos 1.14), na companhia de Maria e os Onze, e o fiel grupo de mulheres, eles “perseveravam unanimemente em oração”, aguardando a promessa do dom do Espírito Santo.

Sua subsequente participação na atividade missionária da igreja apostólica aparece em 1 Coríntios 9.5: “Não temos nós direito de levar conosco uma esposa crente, assim como os restantes apóstolos, e os irmãos do Senhor e Cefas?” Em Gálatas 1.19, Tiago, bispo da igreja em Jerusalém, é designado “irmão do Senhor”, harmonizando com Mateus 13.55, onde seus nomes são registrados como Tiago, José, Simão e Judas.

Quando, então, “Judas, … irmão de Tiago” é mencionado (Judas 1.1), a inferência imediata é que Judas é outro irmão do Senhor. Ao ler essas passagens, a inferência natural é que esses “irmãos” eram filhos de José e Maria, nascidos após Jesus, vivendo com Maria e suas filhas, na casa em Nazaré, acompanhando a mãe em suas jornadas, e chamados os “irmãos” do Senhor num sentido semelhante ao qual José foi chamado Seu pai.

Eles eram irmãos por causa de seu relacionamento comum com Maria. Essa impressão é fortalecida pelo fato de que Jesus é chamado de prototokos, “primogênito” (Lucas 2.7), bem como pela implicação muito clara de Mateus 1.25.

Mesmo que cada particular, tomado separadamente, possa, com alguma dificuldade, ser explicado de outra forma, a força do argumento é cumulativa. Há muitos elementos para serem explicados, a fim de estabelecer qualquer outra inferência.

Esta visão não é a mais antiga. Foi rastreada até Tertuliano e foi mais completamente desenvolvida por Helvídio, um escritor obscuro do século 4.

Outras duas visões foram defendidas com muito aprendizado e seriedade. A mais cedo, que parece ter prevalecido nos três primeiros séculos e é sustentada por Orígenes, Eusébio, Gregório de Nissa e Ambrósio, sendo Epifânio seu principal defensor, considera estes “irmãos” como filhos de José por um casamento anterior, e Maria sendo sua segunda esposa.

José desaparece de vista quando Jesus tem doze anos de idade. Não sabemos nada dele após a narrativa do menino Jesus no templo. Que não há menção a ele na conta da família em Marcos 6.3 indica que Maria já era viúva muito antes de ela ficar em pé junto à Cruz sem o suporte de qualquer membro de sua família imediata.

“Sua mãe, seus irmãos e seus discípulos.” Em Atos 1.13 os Onze, incluindo Tiago filho de Alfeu, Simão e Judas de Tiago, e então é dito que eram acompanhados pelos “seus irmãos”. Mas a grande dificuldade dessa hipótese de Jerônimo é o registro da incredulidade dos irmãos e de sua zombaria das Reivindicações dele em João 7.3-5.

Por outro lado, os argumentos contra considerá-los como filhos de Maria e José não são formidáveis. Quando se insiste que suas tentativas de interferir com Jesus indicam uma superioridade que, segundo o costume judaico, é inconsistente com a posição de irmãos mais novos, pode-se responder que aqueles que seguem um caminho injustificável não são modelos de consistência.

Quando um argumento é buscado do fato de que Jesus na cruz confiou Sua mãe a João, a implicação imediata é que ela não tinha filhos próprios aos quais recorrer em sua tristeza e desolação; a resposta não precisa ser restrita à consideração de que circunstâncias domésticas desconhecidas podem explicar a omissão de seus filhos.

Uma explicação mais evidente é que como eles não entendiam seu irmão, eles não podiam entender sua mãe, cuja vida inteira e interesses estavam vinculados ao seu primogênito. Mas, por outro lado, nenhum dos discípulos entendeu Jesus e valorizou Seu trabalho e guardou Suas palavras como fez João.

Assim foi estabelecido entre João e Maria um vínculo de comunhão mais próximo do que seu relacionamento sanguíneo mais próximo com seus próprios filhos, que até aquele momento tinham considerado o curso de Jesus com desaprovação e não tinham simpatia por Sua missão.

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Na casa de João ela encontraria consolo para sua perda, conforme as memórias da maravilhosa vida de seu filho fossem recordadas, e ela conversasse com aquele que havia descansado no seio de Jesus e quem Jesus amava.

Mesmo com a conversão destes irmãos ao longo de alguns dias em fiéis confessores, antes da visão de Jesus, foi feita provisão para sua mais profunda comunhão espiritual com seu Filho ressuscitado e ascendido através do testemunho de Jesus que João guardava em seu espírito profundamente contemplativo.

Havia muito que era semelhante nos caracteres de Maria e João. Isso pode ter tido seu fundamento no parentesco, já que muitos consideram Salomé sua mãe, a irmã da mãe de Jesus mencionada em João 19.25.

Por baixo de ambas as teorias de meio-irmão (Epiphaniana) e primo (Hieronymiana), que coincidem em negar que Maria foi a verdadeira mãe desses irmãos, está a ideia da virgindade perpétua de Maria. Essa teoria, que tem como lema a expressão estereotipada em liturgias e hinos, “Maria semper Virgo”, embora sem qualquer suporte das Sagradas Escrituras, permeia a teologia e o culto das antigas e medievais igrejas.

Das igrejas grega e romana, passou para o protestantismo em forma modificada. O argumento é que é repugnante ao sentimento cristão pensar no útero de Maria, em que a Palavra encarnada habitou de maneira peculiar, como habitação de outros bebês.

Nessa ideia reside ainda o pensamento, mais proeminente na teologia medieval, de uma pecaminosidade do ato em si pelo qual novas vidas humanas entram em existência, e do impulso implantado desde a criação, sobre o qual dependem todos os laços familiares. 1 Timóteo 4.3,4; Hebreus 13.4 são resposta suficiente.

A mancha do pecado não está no casamento, e no uso daquilo que está incluído em sua instituição, e que Deus abençoou (comparar com Atos 10.15), mas em sua perversão e abuso. Por uma incoerência, os protestantes concederam muito à teoria de Roma, de que o celibato é um estado mais santo que o matrimônio, e que a virgindade no casamento é melhor que o casamento em si.

A teoria também está conectada com a remoção de Maria do âmbito da vida cotidiana e deveres como sendo muito comum para alguém que está para ser cercado pela auréola de um semi-deus, e para ser idealizada para ser adorada.

A interpretação de que eles são os verdadeiros irmãos do Senhor enobrece e glorifica a vida familiar em todas as suas relações e deveres, e santifica a maternidade com todos os seus cuidados e provações como sendo mais santa do que um isolamento egoísta do mundo, a fim de evitar as irritações e humilhações inseparáveis da fidelidade às nossas vocações.

Não apenas Maria, mas Jesus com ela, sabia o que era lamentar-se sobre uma casa dividida em relação à religião (Mateus 10.35). Mas essa incredulidade e indiferença deram lugar diante da luz mais clara da ressurreição de Jesus, o que é mostrado pela presença desses irmãos na companhia dos discípulos em Jerusalém (Atos 1.14).

A referência à aparência pós-ressurreição a Tiago (1 Coríntios 15:7) provavelmente está conectada com essa mudança em sua atitude. 1 Coríntios 9.5 mostra que pelo menos dois destes irmãos estavam ativos como missionários, indubitavelmente dentro da Terra Santa, e para judeus, de acordo com o acordo em que Tiago entrou em Gálatas 2 e sua conhecida postura em questões referentes aos gentios.

Zahn considera Tiago como asceta e celibatário não incluído em 1 Coríntios 9.5, que é limitado então a Judas e Simão. O casamento deles indica “a ausência na Sagrada Família daquele pseudo-ascetismo que tanto confundiu a tradição a respeito deles” (Alford).

H. E. Jacobs

Orr, James, M.A., D.D. Editor Geral. “Entrada para ‘IRMÃOS DO SENHOR’”. “Enciclopédia Bíblica Padrão Internacional”. 1915.

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Faça um comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários

Artigos Relacionados