Início Dicionário E Expiação

Expiação na Bíblia. Significado e Versículos sobre Expiação

32 min de leitura

Ato mediante o qual os pecadores são reconciliados com Deus – pela eliminação do pecado, que faz separação entre Deus e os pecadores. O Dia da Expiação, no AT, era um jejum anual, quando o sumo sacerdote entrava no Santo dos Santos para fazer expiação pelos pecados do povo (Levítico 16).

Os sacrifícios oferecidos no Dia da Expiação purificavam a nação inteira do pecado – até mesmo das transgressões inconscientes. Posteriormente, a morte de Cristo fez a expiação definitiva a favor dos crentes, tornando desnecessário qualquer sacrifício (Hebreus 9.23-28).

Expiação – Dicionário Evangélico de Teologia Bíblica de Baker

Expiação

Que a mensagem central da Bíblia é expiação, ou seja, que Deus providenciou um meio de a humanidade voltar a uma relação harmoniosa com ele, é aparente em toda a Escritura. Desde as primeiras histórias em Gênesis até as últimas visões de Apocalipse, Deus busca reconciliar seu povo consigo mesmo.

No entanto, expiação não pode ser discutida de forma útil desta maneira, e os tradutores estabeleceram isso, e suas expressões cognatas, como tradução para um número relativamente circunscrito de substantivos e verbos na Bíblia.

O Antigo Testamento No Antigo Testamento, expiação e frases relacionadas, como sacrifício de expiação, traduzem mais frequentemente o verbo hebreu piel kipur e dois substantivos relacionados, um, kippurim, encontrado sempre no plural e significando o equivalente nominal de kipur, e outro, kapporeth, significando o chamado propiciatório ou o lugar onde ocorre o sacrifício de expiação.

Estes ocorrem com significados relacionados à expiação cerca de 140 vezes, quase sempre no contexto dos cultos, como um sacrifício pelos pecados e para proporcionar reconciliação com Deus.

A amplitude do uso do conceito no Antigo Testamento é marcante. Expiação é providenciada para objetos inanimados como uma casa mofada, o altar no templo, o santuário (ou seja, o Santo dos Santos dentro da Tenda da Reunião), o lugar santo e a própria tenda da reunião/templo.

Em um lugar, expiação também é providenciada por um animal, o bode emissário usado nos rituais de expiação encontrados em Levítico 16 Sacrifício realiza expiação “pelos pecados” em muitos lugares, embora essas passagens sempre signifiquem expiação pelas pessoas “por causa de” seus pecados e não expiação “em nome de” pecados, como se os pecados estivessem sendo personificados e, portanto, precisassem de redenção.

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Claro, a maioria de todas as referências são à expiação em nome das pessoas, individualmente ou como membros da comunidade de Israel.

Expiação para objetos inanimados é encontrada em doze lugares no Antigo Testamento: Êxodo 29.36-37; Levítico 8.1Levítico 14.53Levítico 16.10, 1 – Levítico 18 20; Ezequiel 43.2Ezequiel 26 45:20. Onze dessas passagens referem-se à limpeza ou da tenda/templo, de um de seus quartos, ou do altar dentro dele.

A exceção refere-se à limpeza de uma casa contaminada. Em uma das passagens mais estranhas da Lei, Deus instrui Moisés e Arão sobre os ritos de purificação que devem ser aplicados a uma casa que tem “um mofo que se espalha” e declara que, se uma casa responder ao tratamento, ela pode ser declarada limpa (Levítico 14.33-53).

O sacerdote limpa a casa sacrificando um pássaro e mergulhando madeira de cedro, hissopo, fio escarlate e um pássaro vivo no sangue do pássaro morto, depois aspergindo o sangue na casa sete vezes. Depois deve soltar o pássaro vivo nos campos abertos fora da cidade. “Dessa maneira ele fará expiação pela casa, e ela será limpa” (Levítico 14.53).

O trecho inteiro ecoa significativamente a passagem precedente na qual um ser humano passa pelas mesmas investigações e purificações para doenças infecciosas da pele, e antecipa as importantes regulamentações de Levítico 16 sobre o Dia da Expiação, o sacrifício mais importante de todos, quando o sacrifício é feito para a purificação dos pecados de todo o povo.

A ideia aparentemente é que a superfície da pele pode demonstrar uma doença mais profunda por baixo, assim como a superfície de uma casa; ambos precisam ser limpos dessa doença mais profunda como o coração humano de seu pecado.

Muito mais importantes são as referências à expiação da Tenda da Reunião, do templo, do lugar santo, do santuário e do altar. Estes ocorrem nos contextos da ordenação de sacerdotes (Êxodo 29.35-37; Levítico 8.15), das instruções de Deus para a construção do templo escatológico nos últimos capítulos de Ezequiel (Ezequiel 43.2Ezequiel 43.26Ezequiel 45.20) e do próprio Dia da Expiação (Levítico 16.1Levítico 16.18Levítico 16.20).

A necessidade de limpar os edifícios, o altar e os santuários deve-se ao fato de que são os locais de encontro do divino, Santo, com seu povo. A santidade e pureza de Deus são tão enfatizadas que não apenas ele e quem se aproxima dele precisam ser puros, mas até os meios de sua comunicação e relacionamento devem ser cobertos pelo sangue de um sacrifício expiatório devido à sua contaminação pelo pecado.

Talvez seja importante que essa limpeza de objetos inanimados, com a única exceção da casa (que parece servir como analogia à limpeza humana), está limitada à casa de Deus e suas partes. Não há sentido de que o mundo é o lugar de encontro de Deus e precisando de um sacrifício de expiação para limpeza, mas sim que o relacionamento especial cultual e de aliança que Deus tem com seu povo é o que precisa de purificação.

Isso não nega que o mundo foi infectado pelo pecado, apenas que o relacionamento particular de redenção que Deus tem com seu povo de aliança não é estendido a todo o mundo, mas simplesmente ao povo de Israel, e mesmo isso é vicário, ou seja, através dos sacerdotes e suas funções cultuais.

Dentre os objetos de expiação no Antigo Testamento estão o povo de Deus, mas os meios de expiação podem variar. Cabras, ovelhas e pássaros estão entre os animais aceitáveis para serem sacrificados, mas também havia ofertas de grãos, óleo e bebidas.

Dinheiro de resgate pode prover expiação pelas vidas das pessoas; Deus manda pelo menos um censo a ser feito do povo no qual cada participante paga a mesma quantia para comprar sua vida e as vidas de sua família de Deus, que promete que nenhuma praga os prejudicará quando pagarem (Êxodo 30.11-16).

Significativamente, o dinheiro deve ser usado para sustentar os serviços da Tenda da Reunião, atando-o ao sacrifício de sangue para expiação, mesmo que de maneira tangencial. Os outros sacrifícios não-animais muitas vezes estão igualmente atados à expiação pelo sangue.

Com certeza os meios de expiação mais frequentemente mencionados no Antigo Testamento foram os sacrifícios de sangue, dominando o uso do termo por constante referência nos livros de Levítico e Números.

Expiação precisava ser feita por tudo, desde crimes hediondos como idolatria (Números 16.47) até erros de intenção, quando o único pecado era ignorância ou erro, não desobediência intencional (Números 15.22-29).

Talvez o coração do ensinamento do Antigo Testamento sobre expiação esteja em Levítico 16 onde ocorrem as regulamentações para o Dia da Expiação. Cinco características relacionadas ao ritual do Dia da Expiação merecem nota porque elas são geralmente verdadeiras sobre expiação como encontrada em toda a Escritura: (1) a soberania de Deus na expiação; (2) o propósito e resultado de fazer expiação; (3) os dois bodes enfatizam duas coisas diferentes, e a queima outra, sobre a remoção do pecado; (4) que Arão teve que fazer sacrifício especial por si mesmo; (5) a qualidade abrangente do ato.

Expiação é claramente a ação de Deus e não do homem em toda a Bíblia, mas especialmente em Levítico 16 Os dois filhos de Arão, Nadabe e Abiú, haviam sido recentemente mortos pelo Senhor por desobedecerem seu comando oferecendo “fogo não autorizado” diante do Senhor (Levítico 10.1-3).

Aqui Deus dá instruções precisas a Arão sobre como ele quer que os sacrifícios sejam feitos, até as roupas que Arão deve vestir, os rituais de banho nos quais ele deve se envolver e os tipos de animais sacrificiais que ele deve trazer.

Sua soberania é ainda mais enfatizada pelo fato de que a sorte é usada para escolher qual cabra será sacrificada e qual servirá como bode emissário.

O propósito do ritual é muito claro em vários lugares. É para limpar você “de todos os seus pecados” (Levítico 16.30). Outras passagens deixam claro que tal limpeza resulta em salvar a vida do participante (cf. ex., Levítico 17.11).

Restaurar a relação pura é um resultado importante também, já que a expiação é por toda a “impureza e rebelião dos israelitas, quaisquer que tenham sido seus pecados” (Levítico 16.16). Assim, Israel é reunido em pureza ao seu Deus pelo sacrifício expiatório por pecados.

O significado simbólico dos sacrifícios é tão detalhado que três ações diferentes foram necessárias para mostrar tudo que Deus aparentemente queria que entendêssemos sobre como ele lidaria com o pecado.

A morte sacrificial da primeira cabra mostrou claramente que a ofensa do pecado requer a punição da morte (Ezequiel 18.4). O envio da segunda cabra para o deserto com os pecados colocados sobre sua cabeça enfatiza que o pecado será removido da pessoa e da comunidade “tão longe quanto o leste está do oeste” (Salmos 103.12).

A queima do sacrifício de forma que seja consumido mostra o poder de Deus sobre o pecado, destruindo-o completamente para que não possa mais incomodar o suplicante.

Particularmente importante para a compreensão bíblica completa da expiação, conforme encontrada em Cristo, é o sacrifício que Arão faz por si mesmo e sua família (Levítico 16.11-14). Todos, até mesmo o sumo sacerdote, são culpados e precisam de expiação que só pode ser providenciada por Deus.

O autor de Hebreus enfatiza esse ponto para deixar clara sua doutrina sobre a pureza de Cristo como tanto o sacrifício verdadeiro e perfeito quanto o sacerdote verdadeiro e perfeito que realiza o ritual de expiação (Hebreus 8.3-6; Hebreus 9.6-15).

Os sacrifícios do Antigo Testamento são mostrados como meras sombras do real sacrifício de Cristo na cruz pela questão da pecaminosidade de Arão; um sumo sacerdote imperfeito não pode oferecer um verdadeiro sacrifício, assim como o sangue de touros e cabras nunca poderia realmente pagar pela ofensa do pecado humano ou substituir o derramamento de sangue humano.

Por último, a expiação cobre todos os pecados — intencionais, não intencionais, graves, triviais daqueles para os quais ela é destinada. Ninguém deveria entrar na Tenda da Reunião até que o ritual terminasse, porque o que estava acontecendo ali era para toda a comunidade de Israel (Levítico 16.17), presumivelmente porque qualquer interferência com a ação soberana da limpeza de Deus poderia trazer uma impureza à equação que anularia o ato purificatório.

A natureza abrangente do sacrifício de expiação prefigura a abrangência do derramamento do sangue de Cristo na cruz, mas limita seus efeitos da mesma maneira que o Antigo Testamento limita os efeitos de seu sacrifício no dia da expiação ao povo que Deus elegeu chamar de Seu próprio e somente eles.

O Novo Testamento A chamada fala de resgate, encontrada no Evangelho de Marcos (Marcos 10.45; cf. a fala paralela em Mateus 20.28), tem sido muito disputada quanto à sua autenticidade, mas seu conteúdo teológico é claro.

Falando no contexto da disputa dos apóstolos sobre qual deles é o maior, Jesus relaciona sua missão a duas coisas: servir a todos e dar a sua vida como resgate por muitos. Como muitos dos ensinos de Jesus, a fala estende dramaticamente a resposta a uma questão ou problema imediato (o do egoísmo e orgulho dos apóstolos) para incluir algo que ninguém teria associado a esse problema (a natureza de resgate da cruz).

A fala, é claro, relaciona primordialmente a morte de Cristo à metáfora do serviço; dar sua vida é o maior exemplo de servidão que se pode imaginar. O fato de que sua morte também é um resgate liga a ideia de expiação ao espírito servo do Cristo, provavelmente à luz do famoso cântico do servo de Isaías 53

A segunda passagem do Evangelho relacionada à expiação aparece nas palavras eucarísticas de Jesus registradas nos três Evangelhos (Mateus 26.26-29; = Marcos 14.22-25; = Lucas 22.15-20). Em Lucas 22.19-20, Jesus afirma que tanto o pão quanto o vinho simbolizam o fato de que sua morte seria “por vocês”, uma frase não encontrada nos outros Evangelhos (embora a noção do sangue de Cristo sendo “derramado por muitos” seja encontrada em Mateus e Marcos).

O elemento chave que conecta a passagem em todos os três Evangelhos à expiação é a natureza sacrificial da linguagem; o sangue derramado é o sangue do cordeiro de Levítico 16 sacrificado “para o perdão dos pecados” (Mateus 26.28).

Discutir Paulo sobre expiação é, novamente, fazer uma escolha entre uma discussão completa da soteriologia de Paulo e limitar-se a uma discussão sobre o significado de hilasterion em Romanos 3.25. O espaço nem mesmo permite uma avaliação completa do último neste artigo.

A maioria das evidências favorece uma tradução que reconhece o contexto de Levítico 16 na passagem crucial.

De qualquer forma, a passagem ocorre em um contexto claro do julgamento justo e irado de Deus contra os pecados da humanidade (Romanos 1.18-3:31; cf. esp. 1:1 – Romanos 2.5) e declara a ação misericordiosa de Deus de expiação em nome de seu povo.

Ele toma uma ação que é justamente chamada de “substitutiva,” colocando seu Filho em nosso lugar e assim permanecendo justo, mas também demonstrando sua misericórdia (3:25-26). Isso exclui qualquer possibilidade de a humanidade se vangloriar de ter se salvado (3:27).

Assim, os temas de soberania, misericórdia e abrangência que vimos presentes em Levítico 16 são predominantes na mente de Paulo também.

O mesmo se aplica ao restante das referências a hilasterion e seus cognatos (hilaskomai, hilasmos) no Novo Testamento. Hebreus 2.17 aponta diretamente para Jesus como o sumo sacerdote de Levítico 16 que oferece um sacrifício de expiação (hilaskomai) por seus irmãos e é, portanto, um sumo sacerdote misericordioso e fiel, mas que é claro também o próprio sacrifício que ele oferece, sofrendo para que ele possa ajudar aqueles que estão tentados em sua hora de necessidade.

A unidade tanto entre Jesus e os redimidos quanto entre Deus e a humanidade é enfatizada pela metáfora familiar usada em todo o contexto da passagem (Hebreus 2.10-17). Da mesma forma, em 1 João 2.2, o sacrifício de expiação de Jesus (hilasmos) é poderoso o bastante para curar os pecados de todo o mundo e uni-lo a Deus, mas é apenas “Jesus Cristo, o Justo” (1 João 2.1) quem pode realizar isso.

A soberania e o amor de Deus na expiação são claramente vistos em 1 João 4.10 e encerram o ensinamento do Novo Testamento sobre essa doutrina essencial: nosso amor por Deus não é a questão, mas sim o dele por nós, e é esse amor que motivou e produziu o sacrifício de expiação (hilasmos) necessário para curar a relação de Deus com o homem.

Assim, o ensinamento bíblico sobre expiação é resumido: “Nisto consiste o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou e enviou seu Filho como sacrifício propiciatório por nossos pecados” (1 João 4.10).

Andrew H. Trotter, Jr.

Expiação – Dicionário Bíblico de Easton

Expiação

Essa palavra não ocorre na Versão Autorizada do Novo Testamento, exceto em Romanos 5.11, onde na Versão Revisada a palavra “reconciliação” é usada. No Antigo Testamento é de ocorrência frequente.

O significado da palavra é simplesmente at-one-ment, ou seja, o estado de ser um ou estar reconciliado, de modo que expiação é reconciliação. Assim, é usada para denotar o efeito que flui da morte de Cristo.

Mas a palavra também é usada para denotar aquilo pelo qual esta reconciliação é trazida, isto é, a própria morte de Cristo; e quando assim usada significa satisfação, e nesse sentido fazer expiação por alguém é fazer satisfação por seus delitos (Êxodo 32.30; Levítico 4.2Levítico 5.16; Números 6.11), e, no que diz respeito à pessoa, conciliar, propiciar Deus em seu favor.

Pela expiação de Cristo geralmente entendemos seu trabalho pelo qual ele expiou nossos pecados. Mas no uso das Escrituras a palavra denota a própria reconciliação, e não os meios pelos quais ela é efetuada.

Ao falar da obra de salvação de Cristo, a palavra “satisfação”, usada pelos teólogos da Reforma, é preferível à palavra “expiação”. A satisfação de Cristo é tudo o que ele fez no lugar e em benefício dos pecadores para satisfazer as exigências da lei e da justiça de Deus.

A obra de Cristo consistiu em sofrimento e obediência, e ambas foram vicárias, ou seja, não foram apenas para nosso benefício, mas estiveram em nosso lugar, como o sofrimento e a obediência de nosso representante ou substituto.

Nossa culpa é expiada pelo castigo que nosso representante suportou, e assim Deus é tornado propício, isto é, agora é consistente com sua justiça manifestar seu amor aos transgressores. Uma expiação foi feita pelo pecado, ou seja, está coberta.

O meio pelo qual ele é coberto é a satisfação vicária, e o resultado de estar coberto é a expiação ou reconciliação. Fazer expiação é fazer aquilo por virtude do qual a alienação cessa e a reconciliação é alcançada.

A obra mediadora de Cristo e seus sofrimentos são o terreno ou a causa eficiente da reconciliação com Deus. Eles corrigem as relações perturbadas entre Deus e o homem, tirando os obstáculos interpostos pelo pecado à comunhão e concórdia.

A reconciliação é mútua, ou seja, não é apenas a dos pecadores para com Deus, mas também e preeminentemente a de Deus para com os pecadores, efetuada pela oferta pelo pecado que ele mesmo providenciou, para que, consistentemente com os outros atributos de seu caráter, seu amor pudesse fluir em toda a sua plenitude de bênçãos aos homens.

A ideia primária apresentada a nós em diferentes formas ao longo da Escritura é que a morte de Cristo é uma satisfação de valor infinito prestada à lei e justiça de Deus, e aceita por ele em lugar da própria penalidade que o homem havia incorrido.

Também deve ser constantemente lembrado que a expiação não é a causa, mas a consequência do amor de Deus por homens culpados (João 3.16; Romanos 3.24; Romanos 3.25; Efésios 1.7; 1 João 11 João 4.9). A expiação também pode ser considerada necessária, não em sentido absoluto, mas em sentido relativo, ou seja, se o homem vai ser salvo, não há outro caminho senão este que Deus planejou e executou (Êxodo 34.7; Josué 24.19; Salmos 5Salmos 7.11; Naum 1.2; Romanos 3.5).

Este é o plano de Deus, claramente revelado; e isso é suficiente para sabermos.

Easton, Matthew George. “Entrada para Expiação”. “Dicionário Bíblico de Easton”.

Expiação –

Expiação

Uma cobertura (para o pecado).

E ele deverá trazer um carneiro sem defeito do rebanho, com tua avaliação, como oferta por transgressão, ao sacerdote: e o sacerdote fará uma EXPIAÇÃO por ele a respeito da sua ignorância na qual errou e não sabia, e será perdoado. (Levítico 5.18)

“Entrada para ‘Expiação’”. Um Dicionário Rei James.

Expiação – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Expiação

Traduz os termos hebraicos kaphar; chaTa’; ratsah, sendo o último empregado apenas em relações humanas (1 Samuel 29.4); traduz os seguintes radicais gregos hilas-, simples e compostos com várias preposições; allag- apenas em composição, mas com numerosas preposições e até duas de uma vez; lip- raramente (Daniel 9.24).

I. Termos Utilizados.

1. Palavras em Hebraico e Grego:

Os significados raiz das palavras hebraicas, tomando-as pela ordem acima, são “cobrir”, consequentemente expiar, condonar, cancelar, aplacar; “oferecer” ou “receber uma oferta pelo pecado”, assim fazendo a expiação, apaziguar, propiciar; “efetuar reconciliação”, isto é, por algum comportamento ou curso de ação.

Dos termos gregos os significados, em ordem, são “ser” ou “causar ser, amigável”; “prestar outro”, portanto restaurar; “deixar” e com preposição deixar de, isto é, inimizade ou mal, etc.; “tornar sagrado”, “separar para”; portanto, da Divindade, apropriar ou aceitar para Si mesmo.

2. A Palavra Inglesa:

É óbvio que a palavra inglesa “atonement” não corresponde etimologicamente com nenhuma palavra hebraica ou grega a qual ela traduz. Além disso, as palavras gregas na Septuaginta e no Novo Testamento não correspondem exatamente às palavras hebraicas; especialmente é verdade que a ideia raiz da palavra hebraica mais frequentemente usada, “cobrir”, não é encontrada em nenhuma das palavras gregas utilizadas.

3. Não se Resolve Apenas com Léxico:

Fica claro que nenhum mero estudo lexical pode determinar o ensino bíblico sobre a expiação. Mesmo quando primeiro empregadas para expressar pensamentos hebreus e cristãos, esses termos, como todos os outros termos religiosos, já tinham um conteúdo que cresceu com seu uso.

4. Principalmente um Estudo de Teologia:

Há ainda maior perigo de fazer do estudo da Expiação um estudo em teologia dogmática. A frequente utilização da expressão “a Expiação” mostra essa tendência.

5. Notas sobre o Uso dos Termos:

A explicação da história da Expiação e os termos de pregação da expiação não podem, claro, ser ignorados.

(1) O termo hebraico mais frequentemente utilizado, kaphar, é encontrado nos Profetas apenas na seção sacerdotal (Ezequiel 45.15,20; Daniel 9.24) onde Versões em Inglês da Bíblia têm “fazer reconciliação”.

Em 2 Crônicas 29.24 as duas palavras são usadas: os sacerdotes fazem uma oferta pelo pecado chaTa’ para efetuar uma expiação kaphar.

(2) Dos termos gregos utilizados, hilaskesthai significa “tornar propício” (Hebreus 2.17); allattein, usado porém somente em composição com preposições, significa “render outro”, “restaurar” a uma condição de harmonia anterior (veja Mateus 5.24 = “reconciliar-se” com um semelhante como condição para fazer um sacrifício aceitável a Deus).

(3) No Novo Testamento em inglês a palavra “atonement” é encontrada somente em Romanos 5.11 e a Versão Americana Padrão Revisada muda isso para “reconciliação”. Como empregado na teologia cristã, tanto prática quanto técnica, o termo inclui com mais ou menos nitidez:

II. Ensino Bíblico Sobre a Expiação em Geral:

A Expiação de Cristo deve ser interpretada em conexão com a concepção de expiação em geral nas Escrituras. A suposição fundamental de unidade entre Deus e homem está em contraste com o fato de que há uma ruptura radical nessa unidade.

1. Suposição Primária de Unidade de Deus e Homem:

A concepção básica para a doutrina bíblica de expiação é a suposição de que Deus e o homem são idealmente um em vida e interesses. Por isso, em todo lugar presume-se que Deus e homem devem estar em todas as respectivas harmonias de relações.

2. A Violação na Unidade:

Tanto no Antigo quanto no Novo Testamento, assume-se a unidade entre Deus e o homem sobre o contraste do fato de que há uma violação radical nesta unidade.

3. Meios para Expressar, Restaurar e Manter:

Numerosos e variados meios foram empregados para expressar a unidade essencial de vida, para restaurá-la uma vez que foi quebrada pelo pecado, e para mantê-la.

Essa é, sem dúvida, uma interpretação extrema e desarmônica com o espírito geral do Antigo Testamento, mas mostra o quão seriamente o pecado deveria ser tratado no regime do Antigo Testamento. Não havia expiação para o assassinato que tornasse possível a residência do assassino novamente naquela seção da terra onde o assassinato foi cometido (Números 35.33), embora a terra não fosse devido ao assassinato tornada imprópria para ocupação por outros.

Quando Israel pecou ao fazer o bezerro de ouro, Deus se recusou a aceitar qualquer expiação (Êxodo 32.20) até que houve grande perda de vida entre os pecadores. Nenhum arrependimento poderia encontrar expiação pela recusa em seguir a liderança de Yahweh em Cades-Barneia (Números 14.20-25), e a expiação completa foi efetuada apenas quando toda a geração incrédula morreu no deserto (Números 26.6Números 32.10); isto é, nenhuma expiação era possível, mas o povo morreu naquele pecado, fora da Terra da Promessa, embora o pecado não fosse permitido cortar definitivamente de Yahweh (Números 14.29).

Impurezas permanentes ou doença confirmada de um tipo impuro causavam separação permanente do templo e do povo de Yahweh (por exemplo, Levítico 7.20 f), e toda impureza deve ser adequadamente removida (Levítico 5Levítico 17.15Levítico 22.2-8; Deuteronômio 23.10).

Uma casa na qual se encontrava uma doença impura devia ser purificada – ter expiação feita por ela (Levítico 14.53), e em casos extremos deveria ser totalmente destruída (Levítico 14.43).

Após o parto (Levítico 12.7) e em todos os casos de hemorragia (compare Levítico 15.30) a expiação deve ser efetuada por ofertas prescritas, uma perda, diminuição ou poluição do sangue, nele está a vida, tendo sido sofrida.

Toda essa aplicação elaborada do princípio da expiação mostra a abrangência com a qual foi procurado pelos professores religiosos impressionar o povo com a unidade de toda a vida no Deus perfeitamente santo e majestoso a quem eram chamados a servir.

Não somente devem estar limpos os sacerdotes que carregam os vasos do Senhor (Isaías 52.11), mas todo o povo também deve estar limpo de toda contaminação de carne e espírito, buscando a santidade perfeita no temor de seu Deus (compare 2 Coríntios 7.1).

_III. A Expiação de Jesus Cristo_

1. Preparação para a Nova Doutrina Testamentária:

Todos os símbolos, doutrinas e exemplos de expiação no Antigo Testamento entre os hebreus encontram seu correspondente, cumprimento e explicação completa na nova aliança no sangue de Jesus Cristo (Mateus 26.28; Hebreus 12.24).

Ao interpretar o espírito interno do sistema sacrificial, insistindo na unidade e santidade de Deus, por meio de apelos apaixonados pela pureza no povo e, especialmente, ensinando o princípio do sofrimento vicário pelo pecado, os Profetas lançaram a fundação em formas de pensamento e na atmosfera religiosa para uma doutrina de expiação como é apresentada na vida e no ensino de Jesus e conforme é desdobrada no ensino de Seus apóstolos.

O sofrimento pessoal parabólico de Oséias, a notável elaboração da redenção de Israel espiritual através de um Servo Sofredor de Yahweh e a extensão dessa redenção para toda a humanidade, conforme apresentado em Isa 40-66, e o mesmo elemento em salmos como Salmos 22 constituem uma chave para a compreensão da obra do Cristo que unifica toda a revelação da justiça de Deus em passar por cima dos pecados humanos (Romanos 3.24).

No entanto, é notável que tal concepção da maneira de expiação estava o mais distante possível da mente judaica geral e média quando Jesus veio. Em nenhum sentido pode-se dizer que a doutrina da Nova Testamento da Expiação seja o produto do pensamento e do espírito dos tempos.

2. O Fato Claro:

Por mais que os teólogos possam discordar quanto à racionalidade da Expiação, não há, e não pode haver, questão de que Jesus e todos os Seus intérpretes no Novo Testamento representam a Expiação entre Deus e os homens como de alguma forma realizada através de Jesus Cristo.

Também é um fato acordado na exegese que Jesus e seus apóstolos entenderam sua morte como radicalmente ligada a esta Expiação.

(1) Jesus mesmo ensina que veio revelar o Pai (João 14.9), recuperar o perdido (Lucas 19.10), dar vida aos homens (João 6.3João 10.10), revelar e estabelecer o reino dos céus (ou de Deus), reunindo alguns seguidores fiéis por meio de quem sua obra será perpetuada (João 17.2; Mateus 16.13); que a salvação, pessoal e social, depende de sua pessoa (João 6.5João 14.6).

Ele não pode dar ensino completo sobre sua morte, mas Ele claramente conecta seus sofrimentos com a salvação que busca dar. Ele mostra em Lucas 4.16Lucas 22.37 que ele entende Isaías 52.53 como realizado em si mesmo; Ele está dando a si mesmo (e seu sangue) como resgate para os homens (Mateus 20.2Mateus 26.26; compare 1 Coríntios 11.23).

Ele não foi um mero mártir, mas entregou-se voluntariamente e por vontade própria (João 10.17; Gálatas 2.20), de acordo com o propósito de Deus (Atos 2.23), como o Redentor do mundo, e esperava que, por sua elevação, todos os homens fossem atraídos para ele (João 12.31-33). É possível explicar a atenção que os Evangelistas dão à morte de Jesus apenas supondo que eles estejam refletindo a importância que recordam que o próprio Jesus havia atribuído à Sua morte.

(2) Todos os escritores do Novo Testamento concordam em fazer de Jesus o centro da ideia do caminho da salvação e que Sua morte é um elemento essencial em Seu poder salvador. Isso fazem combinando o ensino do Antigo Testamento com os fatos da vida e morte do SENHOR, confirmando suas conclusões com apelo à Ressurreição.

Paulo se representa como mantendo a doutrina comum do cristianismo na época, e desde o início, quando em 1 Coríntios 15.3 f resume seu ensino de que a salvação é garantida através da morte e ressurreição de Jesus de acordo com as Escrituras.

Em outros lugares (Efésios 2.16,1Levítico 1 Timóteo 2:5; compare Atos 4.12) em todos os seus escritos ele enfatiza sua crença de que Jesus Cristo é o único Mediador entre Deus e o homem, pelo sangue de Sua cruz (Colossenses 1.2Colossenses 1 Coríntios 2:2), eliminando a barreira do pecado entre Deus e os homens.

Pedro, durante a vida de Jesus tão cheio da noção judaica atual de que Deus aceitava os judeus de fato, em seu ministério posterior faz de Jesus em Sua morte o único caminho para Deus (Atos 4.1Levítico 1 Pedro 1:2,18,1 – Pedro 2.21,24 – Pedro 3.18).

João tem esse elemento tão proeminente em seu Evangelho que opinião crítica radical questiona sua autoria em parte por isso, enquanto as epístolas de João e o Apocalipse são, pelo mesmo motivo, atribuídos ao pensamento grego posterior (compare 1 João 1João 2.2João 3.5João 4.10; Apocalipse 1Apocalipse 5.9).

A Epístola aos Hebreus encontra em Jesus o cumprimento e extensão de todo o sistema sacrificial do judaísmo e sustenta que o derramamento de sangue parece essencial para a própria ideia de remissão de pecados (Hebreus 9.22; compare Hebreus 2.1Hebreus 7.26Hebreus 9.24-28).

_3. Como Devemos Entender a Expiação?_

Ao tentarmos sistematizar o ensino sobre a Expiação, encontramos, como em toda doutrina, que um sistema definido não nos é oferecido no Novo Testamento, mas todo sistema, se for ter valor para o cristianismo, deve encontrar seus materiais e princípios no Novo Testamento.

Procedendo desta forma, algumas características podem ser positiva e finalmente declaradas, enquanto outras devem ser apresentadas interrogativamente, reconhecendo que as interpretações podem diferir.

(1) Uma consideração inicial é que a Expiação se origina com Deus que “estava em Cristo reconciliando consigo o mundo” (2 Coríntios 5.19) e cujo amor deu Jesus para redimir os homens pecaminosos (João 3.16; Romanos 5.8, etc.).

Em toda expiação no Antigo Testamento e no Novo Testamento a iniciativa é de Deus que não só cria e revela o caminho para a reconciliação, mas por meio de anjos, profetas, sacerdotes e finalmente Seu Filho unigênito aplica os meios de expiação e persuade os homens a aceitar a reconciliação proposta.

Nada na especulação a respeito da Expiação pode ser mais falso à sua verdadeira natureza do que fazer uma ruptura entre Deus e Seu Cristo em sua atitude para com os homens pecadores.

(2) Segue-se que a expiação é fundamental na natureza de Deus em Suas relações com os homens, e que a redenção está no coração do agir de Deus na história. O “Cordeiro imolado desde a fundação do mundo” (Apocalipse 13.8 na Versão King James e na Versão Inglesa Revisada; compare Apocalipse 5.5-7) é o intérprete do livro selado com sete selos da providência de Deus na história?

Em Jesus contemplamos o Cordeiro de Deus tirando o pecado do mundo (João 1.29).

(3) A questão surgirá na análise da doutrina:

Como a morte de Cristo nos salva? Nenhuma resposta específica já foi geralmente satisfatória. Temos numerosas teorias da Expiação. Já sugerimos que a resposta para esta pergunta dependerá de nossa ideia da natureza de Deus, a natureza do pecado, o conteúdo da salvação, a natureza do homem e nossa ideia de Satanás e espíritos malignos.

Deveríamos imediatamente descartar todas as concepções meramente quantitativas e comerciais de troca de mérito. Já não é mais uma questão de que as doutrinas da imputação, tanto do pecado de Adão quanto da justiça de Cristo, foram exageradas e aplicadas pelos primeiros teólogos com exclusividade fatal, sem garantia na Palavra de Deus.

Por outro lado, nenhuma teoria pode ter muito peso que pressupõe que o pecado é uma coisa de pouca consequência na natureza do homem e na economia de Deus. A menos que alguém esteja preparado para resistir até sangue lutando contra o pecado (Hebreus 12.2-4), ele não pode conhecer o significado do Cristo.

Novamente, pode-se dizer que a noção de que a morte de Cristo deve ser considerada separadamente de Sua vida, eterna e incarnada, como a obra expiatória, é demasiado restrita para expressar o ensino da Bíblia e demasiado superficial para atender às demandas de uma consciência ética.

Serviria à clareza se nos lembrássemos de que a questão de como na Expiação pode envolver vários elementos. Podemos perguntar:

(a) pelo motivo pelo qual Deus pode justamente receber o pecador; (b) pelos meios pelos quais Deus coloca a restauração ao alcance do pecador; (c) pela influência pela qual o pecador é persuadido a aceitar a reconciliação; (d) pela atitude ou exercício do pecador em relação a Deus em Cristo pelo qual ele realmente entra no estado de união restaurada com Deus.

As várias teorias parecem ser exclusivas, ou pelo menos mutuamente antagônicas, em grande parte porque têm visões parciais do assunto como um todo e destacam algum aspecto do conteúdo total. Todas as teorias sérias expressam parcialmente a verdade e todas juntas são inadequadas para declarar plenamente como a Estrela da Manhã do alto guia nossos pés no caminho da paz (Lucas 1.79).

(4) Outra questão sobre a qual os teólogos têm aflijido a si mesmos e aos outros diz respeito à extensão da Expiação, se está disponível para todos os homens ou apenas para certos eleitos particulares.

Essa controvérsia agora pode ser ignorada. Já não é mais possível ler a Bíblia e supor que Deus se relaciona simpateticamente apenas com uma parte da raça. Todos os trechos segregados das Escrituras anteriormente empregados em apoio a tal visão tomaram agora seu lugar na progressiva auto-interpretação de Deus a homens através de Cristo, que é a propiciação pelos pecados do mundo inteiro (1 João 2.2).

Nenhum homem chega ao Pai senão por Ele (João 14.6):

mas todo aquele que assim invocar o nome do Senhor será salvo (Joel 2.32; Atos 2.21).

William Owen Carver

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Faça um comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários

Artigos Relacionados

Contribua e nos ajude para continuarmos produzindo bons conteúdos sobre a Bíblia.