Início Dicionário C Criação

Criação: Dicionário Bíblico e versículos na Bíblia

17 min de leitura

Criação – Dicionário Bíblico de Easton

Criação

No princípio Deus criou, ou seja, chamou à existência todas as coisas do nada. Este ato criativo da parte de Deus foi absolutamente livre e por razões infinitamente sábias. A causa de todas as coisas existe apenas na vontade de Deus.

A obra da criação é atribuída (1) à Divindade

Gênesis 1.1

Gênesis 1.26

; (2) ao Pai

1 Coríntios 8.6

; (3) ao Filho

João 1.3

Colossenses 1.16

Colossenses 1.17

; (4) ao Espírito Santo

Gênesis 1.2

João 26.13

Salmos 104.30

. O fato de que ele é o Criador distingue Jeová como o verdadeiro Deus

Isaías 37.16

Isaías 40.12

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Isaías 40.13

Isaías 54.5

Salmos 96.5

Jeremias 10.11

Jeremias 10.12

. O grande objetivo na obra da criação é a manifestação da glória do Criador

Colossenses 1.16

Apocalipse 4.11

Romanos 11.36

. As obras de Deus, igualmente com a palavra de Deus, são uma revelação dele; e entre os ensinamentos de uma e os da outra, quando corretamente entendidos, não pode haver contradição.

Tradições da criação, desfiguradas por corrupções, são encontradas entre os registros das antigas nações orientais. Um interesse peculiar pertence às tradições dos Acádios, os habitantes primitivos das planícies da Baixa Mesopotâmia.

Estas, nos últimos anos, foram trazidas à luz nas tabuletas e cilindros que foram resgatados dos palácios e templos enterrados da Assíria. Elas possuem uma notável semelhança com o registro de Gênesis.

Easton, Matthew George. “Entrada para Criação”. “Dicionário Bíblico de Easton”.

Criação – Dicionário Bíblico de Smith

Creation.

A criação de todas as coisas é atribuída na Bíblia a Deus, e é a única explicação razoável para a origem do mundo. O método de criação não é declarado em Gênesis, e no que diz respeito ao relato lá, cada parte dele pode ser, após os primeiros atos de criação, por evolução ou por ato direto da vontade de Deus.

A palavra criar (bara) é usada apenas três vezes no primeiro capítulo de Gênesis–(1) quanto à origem da matéria; (2) quanto à origem da vida; (3) quanto à origem da alma do homem; e a ciência sempre falhou em realizar qualquer um desses atos assim atribuídos a Deus.

Todas as outras coisas são ditas como feitas. A ordem da criação conforme dada em Gênesis está em estreita harmonia com a ordem revelada pela geologia, e o relato lá dado, muito antes dos registros das rochas serem lidos ou a verdade descoberta pelo homem, é uma das provas mais fortes de que a Bíblia foi inspirada por Deus. –Ed.

Smith, William, Dr. “Entry for ‘Creation’”. “Smith’s Bible Dictionary”. 1901.

Criação –

Criação

  1. Data. A data da criação não pode ser determinada. A primeira declaração do livro de Gênesis coloca o tempo em uma antiguidade remota e impenetrável.
  2. Criador. O escritor de Gênesis não oferece prova da existência de Jeová ou do fato de que todas as coisas foram feitas por Ele. (Gênesis 1.1 Gênesis 1.2; João 1.1-3; Colossenses 1.15-17; Hebreus 1.10; Hebreus 11.3).
  3. Luz. O processo de criação provavelmente estava ocorrendo há eras antes que a luz fosse criada pelo fiat de Jeová (Gênesis 1.1 Gênesis 1.3; 2 Coríntios 4.4).
  4. Dias da Criação. O fato de que o trabalho criativo estava ocorrendo há eras incontáveis leva o estudante reverente à conclusão de que os “dias” eram períodos comuns de vinte e quatro horas cada, e que cada produto do poder Todo-Poderoso foi finalizado e designado para sua esfera no dia designado. A frase “tarde e manhã” ocorre seis vezes na primeira narrativa da criação, e não pode ser entendida exceto à luz da declaração acima.
  5. Ordem da Criação.
    1. Luz,
    2. Firmamento,
    3. Vegetação,
    4. Sol, lua e estrelas,
    5. Animais aquáticos e aves,
    6. Animais terrestres, homem–mulher.

    Observe a marcha constante do inferior ao superior, do insensato ao inteligente, do servidor ao soberano. Veja o universo tocado pela mão de Deus em harmonia; veja a marcha do poder criativo culminando na criação da companheira para o homem, pura e inocente, a mais alta imagem de Deus, e ouça as estrelas cantarem juntas e os filhos de Deus gritarem de alegria pela conclusão da obra grandiosa e gloriosa!

Criação – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Creation

A Criação (bara’ “criar”; ktisis, “aquilo que é criado,” “criatura”):

1. Criação como Permanência

2. Ideias Errôneas

3. Concepção Verdadeira

4. A Cosmogonia de Gênesis

5. Matéria não é Eterna

6. “Sabedoria” na Criação

7. Um Ato Livre e Pessoal

8. Criação e Evolução

9. A Criação é Eterna?

10. Criação ex nihilo

11. Da Vontade de Deus

12. Erro do Panteísmo

13. Primeira Causa como Pressuposição Necessária

14. O Fim–a Glória Divina

LITERATURA

1. Criação como Permanência:

Muito terreno negativo foi desobstruído para qualquer discussão moderna da doutrina da criação. Nenhuma ideia de criação pode ser considerada completa sem incluir, além do mundo como inicialmente constituído, tudo o que até hoje faz parte da criação.

Pois Deus não cria seres que possam existir independentemente Dele, Sua agência preservadora está inseparavelmente ligada ao Seu poder criativo. Há muito tempo deixamos de pensar na criação de Deus como uma máquina deixada, completamente feita, para seu próprio funcionamento automático.

Com tal doutrina da criação, uma evolução teísta seria totalmente incompatível.

2. Ideias Errôneas:

Da mesma forma, não pensamos na agência criativa de Deus apenas como uma Primeira Causa, ligada ao universo de fora por inúmeras sequências de causas e efeitos. A natureza em sua totalidade é tanto Sua criação hoje quanto sempre foi.

A ubiquidade dinâmica de Deus, como energia eficiente, deve ser afirmada. Deus ainda é Tudo em Todos, mas isso de uma maneira claramente distinta das visões panteístas, seja do universo como Deus ou de Deus como o universo.

De Sua própria liberdade Ele cria, de modo que as teorias gnósticas de emanação natural e necessária são deixadas para trás. Não só as teorias do “carpinteiro” e do “jardineiro”–com, é claro, a teoria do arquiteto ou construtor do mundo de Platão–foram descartadas; não só a concepção de evolução foi provada harmoniosa com o fim, plano, propósito, ordenação, orientação criativa; mas a ciência evolucionária pode ser dita ter dado à ideia de evolução teísta sua melhor base ou fundamento.

A concepção teísta é que o mundo–que todas as existências cósmicas, substâncias, eventos–dependem de Deus.

3. Concepção Verdadeira:

A doutrina da criação–da origem e persistência de todas as existências finitas–como obra de Deus, é uma postulação necessária da consciência religiosa. Tal consciência é marcada por uma percepção mais profunda do que pertence à ciência.

A verdade subjacente é a antipatética, que a energia e a sabedoria–pelas quais aquilo que não era, tornou-se–eram, em espécie, diferentes de si mesmas. Pois a ciência pode apenas traçar a continuidade das sequências em toda a Natureza, enquanto na criação, em seu sentido primário, essa lei de continuidade deve ser transcendida, e o mundo visto unicamente como produto da Inteligência Divina, imanente em sua evolução.

Pois Deus é a Razão Absoluta, sempre imanente no universo em desenvolvimento. Além das tentativas cosmogônicas no início de Gênesis, que são claramente religiosas e éticas em escopo e caráter, o Antigo Testamento não fornece um relato teórico da maneira e ordem em que o processo criativo é realizado.

4. A Cosmogonia de Gênesis:

Os primeiros capítulos de Gênesis não foram dados para revelar as verdades da ciência física, mas reconhecem a criação como marcada por ordem, continuidade, lei, poder plástico de produtividade nos diferentes reinos, unidade do mundo e avanço progressivo.

A cosmogonia de Gênesis ensina um processo de se tornar, assim como uma criação. Essa cosmogonia foi reconhecida por Haeckel como meritória por ser marcada pelas duas grandes ideias de separação ou diferenciação, e de desenvolvimento progressivo ou aperfeiçoamento da matéria originalmente simples.

O Antigo Testamento apresenta a concepção de mundos temporais ou eras sucessivas, mas sua ênfase real está na energia da Palavra Divina, trazendo à existência coisas que não existiam.

5. Matéria não é Eterna:

O Antigo Testamento e o Novo Testamento, em sua doutrina da criação, não reconhecem matéria eterna antes da criação. Não podemos dizer que a origem da matéria é excluída do relato de criação de Gênesis, e isso independentemente do uso de bara’, como admitindo material e meios na criação.

Mas parece imprudente construir sobre passagens de Gênesis que oferecem no máximo uma base que se mostrou exegeticamente insegura. O Novo Testamento parece favorecer a derivação da matéria do inexistente–ou seja, os mundos temporais eram devidos à Palavra Divina efusiva ou à Vontade originativa, em vez de serem construídos a partir da própria essência invisível de Deus.

Assim a melhor exegese interpreta Hebreus 11.3.

6. “Sabedoria” na Criação:

Em livros do Antigo Testamento, como os Salmos, Provérbios e Jeremias, a criação é expressamente declarada como obra da Sabedoria–uma Sabedoria não dissociada da Bondade, como é ainda mais plenamente destacado no Livro de Jó.

Os céus declaram a glória de Deus, o mundo manifesta ou revela-O à nossa experiência, conforme interpretado pela consciência religiosa. O fato primário do início dos mundos temporais–o fato basal de que os mundos vieram a existir pela Palavra de Deus–é algo apreensível apenas pelo poder da fé religiosa, como o único princípio aplicável ao caso.

Tal fé intuitiva é realmente uma aplicação dos primeiros princípios no mais alto grau–e uma verdadeiramente racional. Na criação, Deus está apenas expressando ou agindo a divindade consciente que há Nele.

Nela, o pensamento de Sua Sabedoria absoluta é realizado pela ação de Seu Amor perfeito. É filosoficamente necessário manter que Deus, como o Ser Absoluto, deve encontrar o fim da criação em Si mesmo. Se o fim fosse externo a, e independente de, Ele, então Ele estaria condicionado por isso.

7. Um Ato Livre e Pessoal:

O que a consciência religiosa está preocupada em manter é a liberdade absoluta de Deus na produção do universo, e o fato de que Ele é muito maior que o universo, que a existência foi por Ele concedida a todas as coisas que existem.

As Escrituras estão, do começo ao fim, permeadas por essa verdade. Nem Kant nem Spencer, a partir de dados de autoconsciência ou percepção sensorial, podem chegar à concepção de criação, pois ambos falham em alcançar a ideia de Personalidade Divina.

A inconcebibilidade da criação foi pressionada por Spencer, a ideia de um Criador autoexistente, através de cuja agência ela foi feita, sendo para ele impensável. Como se não fosse um sofisma transparente, que a própria prática científica de Spencer refutou, que uma hipótese pode não ter valor filosófico ou científico, porque é o que chamamos de impensável ou inconcebível.

Como se uma causa verdadeira e suficiente não fosse suficiente, ou um ato divino de vontade não fosse uma vera causa. A existência dependente inevitavelmente leva o pensamento a exigir uma existência que não é dependente.

8. Criação e Evolução:

A criação certamente não é refutada pela evolução, que não explica a origem da própria substância homogênea, e não explica o início do movimento dentro dela. Da ação criativa original, situada além do conhecimento mortal ou observação humana, a ciência–por estar preocupada apenas com a maneira do processo–obviamente não está em posição de falar.

A criação pode, em um sentido importante, ser dita não ter ocorrido no tempo, já que o tempo não pode ser posicionado antes da existência do mundo. As dificuldades da hipótese comum de uma criação no tempo nunca podem ser superadas, enquanto continuarmos a fazer a eternidade significar simplesmente tempo indefinidamente prolongado.

Agostinho estava, sem dúvida, certo quando, do ponto de vista humano, declarou que o mundo não foi feito no tempo, mas com o tempo. O tempo é em si uma criação simultânea com, e condicionada por, a criação e o movimento do mundo.

Dizer, de maneira comum, que Deus criou no tempo, tende a fazer o tempo parecer independente de Deus, ou Deus dependente do tempo. No entanto, as formas de tempo entram em toda a nossa experiência psicológica, e um começo concreto é impensável para nós.

9. Is Creation Eternal?:

The time-conditions can be transcended only by some deeper intuition than mere logical insight can supply–by such intuitive endeavor, in fact, as is realized in the necessary belief in the self-existent God If such an eternal Being acts or creates, He may be said to act or create in eternity; and it is legitimate enough, in such wise, to speak of His creative act as eternal.

This seems preferable to the position of Origen, who speculatively assumed an eternal or unbeginning activity for God as Creator, because the Divine Nature must be eternally self-determined to create in order to the manifestation of its perfections.

Clearly did Aquinas perceive that we cannot affirm an eternal creation impossible, the creative act not falling within our categories of time and space. The question is purely one of God’s free volition, in which–and not in “nothing”–the Source of the world is found.

10. Creation ex nihilo:

This brings us to notice the frequently pressed objection that creation cannot be out of nothing, since out of nothing comes nothing. This would mean that matter is eternal. But the eternity of matter, as something other than God, means its independence of God, and its power to limit or condition Him.

We have, of course, no direct knowledge of the origin of matter, and the conception of its necessary self-existence is fraught with hopeless difficulties and absurdities. The axiom, that out of nothing nothing comes, is not contradicted in the case of creation.

The universe comes from God; it does not come from nothing. But the axiom does not really apply to the world’s creation, but only to the succession of its phenomena. Entity does not spring from non-entity.

But there is an opposite and positive truth, that something presupposes something, in this case rather some One–aliquis rather than aliquid.

11. From God’s Will:

It is enough to know that God has in Himself the powers and resources adequate for creating, without being able to define the ways in which creation is effected by Him. It is a sheer necessity of rational faith or spiritual reason that the something which conditions the world is neither hule, nor elemental matter, but personal Spirit or originative Will.

We have no right to suppose the world made out of nothing, and then to identify, as Erigena did, this “nothing” with God’s own essence. What we have a right to maintain is, that what God creates or calls into being owes its existence to nothing save His will alone, Ground of all actualities.

Preexistent Personality is the ground and the condition of the world’s beginning.

12. Error of Pantheism:

In this sense, its beginning may be said to be relative rather than absolute. God is always antecedent to the universe–its prius, Cause and Creator. It remains an effect, and sustains a relation of causal dependence upon Him.

If we say, like Cousin, that God of necessity creates eternally, we run risk of falling into Spinozistic pantheism, identifying God, in excluding from Him absolute freedom in creation, with the impersonal and unconscious substance of the universe.

Or if, with Schelling, we posit in God something which is not God–a dark, irrational background, which original ground is also the ground of the Divine Existence–we may try to find a basis for the matter of the universe, but we are in danger of being merged–by conceptions tinged with corporeity–in that form of pantheism to which God is but the soul of the universe.

The universe, we feel sure, has been caused; its existence must have some ground; even if we held a philosophy so idealistic as to make the scheme of created things one grand illusion, an illusion so vast would still call for some explanatory Cause.

Even if we are not content with the conception of a First Cause, acting on the world from without and antecedently in time, we are not yet freed from the necessity of asserting a Cause. An underlying and determining Cause of the universe would still need to be postulated as its Ground.

13. First Cause a Necessary Presupposition:

Even a universe held to be eternal would need to be accounted for–we should still have to ask how such a universe came to be. Its endless movement must have direction and character imparted to it from some immanent ground or underlying cause.

Such a self-existent and eternal World-Ground or First Cause is, by an inexorable law of thought, the necessary correlate of the finitude, or contingent character of the world. God and the world are not to be taken simply as cause and effect, for modern metaphysical thought is not content with such a mere ens extra-mundanum for the Ground of all possible experience.

God, self-existent Cause of the ever-present world and its phenomena, is the ultimate Ground of the possibility of all that is.

14. The End–the Divine Glory:

Such a Deity, as causa sui, creatively bringing forth the world out of His own potence, cannot be allowed to be an arbitrary resting-place, but a truly rational Ground, of hidest thought. Nor can His Creation be allowed to be an aimless and mechanical universe:

It is shot through with end or purpose that tends to reflect the glory of the eternal and personal God, who is its Creator in a full and real sense. But the Divine. action is not dramatic: of His working we can truly say, with Isaiah 45:15, “Verily thou art a God that thyself.” As creation becomes progressively disclosed to us, its glory, as revealing God, ought to excite within us an always deeper sense of the sentiment of Psalms 8:1,9, “O Yahweh our Lord, how excellent is thy name in all the earth!”

LITERATURE.

James Orr, Christian View of God and the World – Hebreus 1st edition – Hebreus 1893 J. Iverach, Christianity and Evolution – Hebreus 1894 S. Harris, God the Creator and Lord of All – Hebreus 1897 A. L. Moore, Science and the Faith – Hebreus 1889 B.

P. Bowne, Studies in Theism, new edition – Hebreus 1902 G. P. Fisher, Grounds of Theistic and Christian Belief, new edition – Hebreus 1902 J. Lindsay, Recent Advances in Theistic Philosophy of Religion – Hebreus 1897 A. Dorner, Religionsphilosophie – Hebreus 1903 J.

Lindsay, Studies in European Philosophy – Hebreus 1909 O. Dykes, The Divine Worker in Creation and Providence – Hebreus 1909 J. Lindsay, The Fundamental Problems of Metaphysics – Hebreus 1910

James Lindsay

Orr, James, M.A., D.D. General Editor. “Entry for ‘CREATION’”. “International Standard Bible Encyclopedia”. 1915.

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Faça um comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários

Artigos Relacionados