Início Dicionário C Colossenses, epístola aos

Colossenses, epístola aos: Dicionário Bíblico e versículos na Bíblia

14 min de leitura

Colossenses, epístola aos – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Colossenses, epístola aos

Esta é uma das epístolas de Paulo conhecidas como Epístolas do Cativeiro.

I. Autenticidade.

1. Evidência Externa:

A evidência externa para a Epístola aos Colossenses, antes de meados do século 2, é bastante indeterminada. Em Inácio e em Policarpo temos aqui e ali frases e terminologia que sugerem um conhecimento de Colossenses, mas não muito mais (Ignat., Ephes., x.3, e Polyc. x.1; compare com Colossenses 1.23).

A frase em Ep Barnabé, xii, “nele estão todas as coisas e para ele são todas as coisas,” pode ser devido a Colossenses 1.16, mas é tão possivelmente uma fórmula litúrgica. As referências no Diálogo de Justino Mártir a Cristo como o primogênito (prototokos) são muito provavelmente sugeridas por Colossenses 1.15, “o primogênito de toda a criação” (Dial. – Colossenses 84 8 – Colossenses 138).

A primeira testemunha definitiva é Marcião, que incluiu esta epístola em sua coleção das escritas por Paulo (Tert., Adv. Marc., v. 19). Um pouco depois, o Fragmento Muratoriano menciona Colossenses entre as Epístolas de Paulo (10b, l. 21, Colosensis).

Irineu a cita frequentemente e pelo nome (Adv. haer., iii.1 – Colossenses 1). É familiar aos escritores dos séculos seguintes (por exemplo, Tert., De praescrip. – Colossenses 7 Clemente de Alexandria, Strom., I – Colossenses 1 Orig., Contra Celsum, v. 8).

2. Evidência Interna:

A autenticidade não foi questionada até o segundo quarto do século 19, quando Mayerhoff afirmou, com base no estilo, vocabulário e pensamento, que não era do apóstolo. A escola de Tubingen alegou, com base em um suposto gnosticismo, que a epístola era obra do século 2 e, portanto, não paulina.

Esta posição foi totalmente respondida mostrando que o ensino é essencialmente diferente do gnosticismo do século 2, especialmente na concepção de Cristo como anterior e maior que todas as coisas criadas.

O ataque nos últimos anos tem sido principalmente com base no vocabulário e estilo, na posição doutrinária, especialmente a cristologia e o ensino sobre anjos, e a relação com a epístola aos Efésios. A objeção com base no vocabulário e estilo é baseada, como é frequentemente o caso, na suposição de que um homem, independentemente do que escreve, deve usar as mesmas palavras e estilo.

Há trinta e quatro palavras em Colossenses que não estão em nenhum outro livro do Novo Testamento. Quando se removem aquelas que são devidas à diferença de assunto, o total não é maior do que o de algumas das epístolas reconhecidas.

A omissão de partículas paulinas familiares, o uso de genitivos, de “todo” (pas), e de sinônimos, encontram paralelos em outras epístolas, ou são devidos a uma diferença de assunto, ou talvez à influência na linguagem do apóstolo de sua vida em Roma (von Soden).

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

A posição doutrinária não é no fundo contraditória ao ensino anterior de Paulo. A cristologia está em total harmonia com Filipenses, que é geralmente admitida como paulina, e é apenas um desenvolvimento do ensino em 1 Coríntios (81 Coríntios 15.24-28), especialmente no que diz respeito à ênfase dada à “atividade cósmica do Cristo pré-encarnado.” Finalmente, a forma como Paulo apresenta a cristologia é a melhor calculada para enfrentar o falso ensino dos hereges colossenses.

Nos últimos anos, H. Holtzmann defendeu que esta epístola é uma forma interpolada de uma epístola paulina original aos Colossenses, e obra do autor da Epístola aos Efésios. Uma modificação desta teoria de interpolação foi recentemente sugerida por J.

Weiss. Ambas as teorias são demasiado complicadas para se sustentar, e até mesmo von Soden, que inicialmente seguiu Holtzmann, abandonou a posição; enquanto Sanday mostrou quão absolutamente insustentável ela é.

A crítica sóbria hoje chegou a perceber que é impossível negar a autoria paulina desta epístola. Esta posição é fortalecida pela estreita relação entre Colossenses e Filemom, da qual Renan diz:

“Aparentemente, apenas Paulo poderia ter escrito esta pequena obra-prima” (Abbott, International Critical Commentary, lviii). Se Filemom é considerada paulina, como deve ser, então a autenticidade de Colossenses está estabelecida além de controvérsia.

II. Lugar e Data.

Estabelecida a autoria paulina, torna-se evidente que o apóstolo escreveu Colossenses junto com as outras Epístolas do Cativeiro, e que é melhor datada de Roma, durante o primeiro cativeiro. Isso seria por volta de 58 ou, se preferir a cronologia posterior – 1 Coríntios 63 ou 64.

III. Destino.

A epístola foi escrita, ostensivamente, para a igreja em Colossos, uma cidade no vale de Lico onde o evangelho foi pregado muito provavelmente por Epafras (Colossenses 1Colossenses 4.12), e onde Paulo era, ele mesmo, desconhecido pessoalmente (Colossenses 1.4,8, – Colossenses 2.1,5).

Da epístola, é evidente que os cristãos colossenses eram gentios (Colossenses 1.27) pelos quais, como tais, o apóstolo sente uma responsabilidade (Colossenses 2.1). Ele envia a eles Tíquico (Colossenses 4.7), que é acompanhado por Onésimo, um membro da comunidade deles (Colossenses 4.9), e os urge a ler outra carta que chegará a eles de Laodiceia (Colossenses 4.16).

IV. Relação com Outros Escritos do Novo Testamento.

Além da conexão com Efésios, precisamos notar apenas a relação entre Colossenses e Apocalipse. Na carta a Laodiceia (Apocalipse 3.14-) temos duas expressões:

“O princípio da criação de Deus,” e “Eu lhe darei a sentar-se comigo no meu trono,” nas quais temos um eco de Colossenses que “sugere um conhecimento e reconhecimento do ensino do apóstolo anterior por parte de João”.

V. O Propósito.

A ocasião da epístola foi, podemos ter certeza, a informação trazida por Epafras de que a igreja em Colossos estava sujeita ao ataque de um corpo de cristãos judaizantes que estavam buscando derrubar a fé dos colossenses e enfraquecer seu respeito por Paulo.

Essa “heresia”, como é comumente chamada, teve muitas explicações. A escola de Tubingen ensinou que era gnóstica, e procurou encontrar nos termos usados pelo apóstolo evidências para a composição da epístola no século 2.

Pleroma e gnosis (“plenitude” e “conhecimento”) não apenas não requerem essa interpretação, mas não a admitem. O próprio coração do gnosticismo, ou seja, a teoria da emanação e a concepção dualista que considera a matéria como má, não encontra lugar em Colossenses.

O uso de pleroma nesta e na epístola irmã, Efésios, não implica visões gnósticas, quer mantidas pelo apóstolo ou pelos leitores das cartas. O significado em Colossenses dessas e de outras palavras adotadas pelo gnosticismo nos anos posteriores é bastante distinto daquele significado posterior.

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

O ensino subjacente é igualmente distinto. O Cristo dos Colossenses não é o aeon Cristo do gnosticismo. Em essênicos, por outro lado, Lightfoot e certos alemães buscam a origem dessa heresia. O essênismo tem certas afinidades com o gnosticismo de um lado e o judaísmo do outro.

Duas objeções são levantadas contra essa explicação da origem da heresia colossense. Em primeiro lugar, o essênismo, como o conhecemos, é encontrado na vizinhança do Mar Morto, e não há evidência de seu estabelecimento no vale de Lico.

Em segundo lugar, nenhuma referência é encontrada em Colossenses a certos ensinamentos essênios distintos, por exemplo, aqueles sobre casamento, lavagens, comunismo, regras sabáticas, etc.

A heresia colossense é devido a influências judaísticas por um lado e a crenças e superstições nativas por outro. Os elementos judaísticos nesse ensino são patentes, circuncisão, Colossenses 2.11, a Lei, Colossenses 2.14,15, e temporadas especiais, Colossenses 2.16.

Mas há mais do que judaísmo nesse falso ensino. Seus professores olham para espíritos intermediários, anjos que eles adoram; e insistem em um ascetismo muito rigoroso. Procurar a origem da adoração de anjos no judaísmo, como é comumente feito, é, como A.

L. Williams mostrou, perder o verdadeiro significado da atitude dos judeus em relação aos anjos e magnificar as zombarias amargas de Celso. Além de frases usadas em exorcismo e magia, ele nos mostra que não há evidência de que o judeu já tenha adorado anjos.

Esse elemento na heresia colossense era local, encontrando seu antecedente na adoração dos espíritos do rio, e em anos posteriores a mesma tendência deu o impulso à adoração de Miguel como o santo padroeiro de Colossos.

O perigo e a falsidade desse ensino eram duplos. Em primeiro lugar, trouxe o evangelho sob as amarras da Lei mais uma vez, agora não com a formalidade dos oponentes gálatas, mas não menos certamente. Mas como os leitores do apóstolo são gentios, Colossenses 1.27, Paulo não está interessado em mostrar o aspecto preparatório da Lei.

Ele simplesmente insiste para eles que estão completamente livres de todas as obrigações da Lei porque Cristo, em quem foram batizados, Colossenses 2.12, apagou toda a Lei, Colossenses 2.14. O segundo perigo é que sua crença e adoração dos poderes celestiais, ideias falsas sobre Cristo e o mundo material, se desenvolveriam ainda mais do que já tinham.

Eles, por causa de sua união com Ele, não precisam temer nenhum ser angelical. Cristo triunfou sobre todos eles, levando-os como cativos em seu trem, Colossenses 2.15, enquanto conquistava na cruz. Os poderes espirituais deixam de ter qualquer autoridade sobre os cristãos. É para apresentar Cristo, dessa forma, como Cabeça sobre toda a criação como verdadeiro Deus, e a partir de Sua relação com a igreja e com o universo desenvolver a vida cristã, que o apóstolo escreve.

VI. Argumento.

O argumento da Epístola é o seguinte:

Colossenses 1.1,2:

Saudação.

Colossenses 1.3-8:

Agradecimento pela fé deles em Cristo, seu amor pelos santos, sua esperança reservada no céu, que eles tinham no e através do evangelho e do qual ele ouviu de Epafras.

Colossenses 1.9-13:

Oração para que sejam cheios do pleno conhecimento da vontade de Deus para andar dignamente do Senhor e serem frutíferos em boas obras, agradecidos pela herança do reino de Seu Filho.

Colossenses 1.14-23:

Declaração da posição do Filho, de quem temos redenção. Ele é a própria imagem de Deus, Criador, preexistente, a Cabeça da igreja, preeminente sobre tudo, em quem toda a plenitude (pleroma) habita, o Reconciliador de todas as coisas, assim como dos colossenses, através de Sua morte, desde que sejam fiéis à esperança do evangelho.

Colossenses 1.24-2:5:

Pelo seu sofrimento ele está completando os sofrimentos de Cristo, de quem é ministro, até mesmo para revelar o grande mistério das eras, que Cristo está neles, os gentios, a esperança da glória, o objeto da pregação do apóstolo em todo lugar.

Isso explica o interesse de Paulo por eles, e seu cuidado por eles, para que seus corações sejam fortalecidos no amor e conhecimento de Cristo.

Colossenses 2.6-3:4:

Ele então passa à exortação contra aqueles que estão desviando-os, esses falsos mestres de uma filosofia vã e enganosa baseada na sabedoria mundana, que ignoram a verdade da posição de Cristo, como Aquele em quem toda a plenitude divina habita, e sua relação com Ele, unidos pelo batismo; ressuscitados pela fé; vivificados e perdoados; que ensinam a obrigação da observância de várias práticas legais, ascetismos estritos e adoração de anjos.

Essa exortação é encerrada com o apelo para que, como de Cristo, eles não se submetam a essas regulamentações humanas que são inúteis, especialmente em comparação com o poder de Cristo através da Ressurreição.

Colossenses 3.5-17:

Exortações práticas seguem para a verdadeira mortificação da carne com suas características, e a substituição por uma nova vida de comunhão, amor e paz.

Colossenses 3.18-4:1:

Exortação para cumprir obrigações sociais, como esposas, maridos, filhos, pais, escravos e senhores.

Colossenses 4.2-6:

Exortação à oração devota e vigilante.

Colossenses 4.7-18:

Saudações e cumprimentos.

LITERATURA.

Lightfoot, Paul’s Epistles to the Colossians and Philemon; Abbott, Ephesians and Colossians, International Critical Commentary; Peake, Colossians, Expositor’s Greek Testament; Maclaren, Colossians, Expositor’s Bible; Alexander, Colossians and Ephesians, Bible for Home and School; Moule, Colossians, Cambridge Bible; Haupt, Meyer’s Krit.

u. Exeg. Kom.; von Soden, Hand-Kom. zum New Testament.

C. S. Lewis

Orr, James, M.A., D.D. General Editor. “Entry for ‘COLOSSIANS, EPISTLE TO THE’”. “International Standard Bible Encyclopedia”. 1915.

Colossenses, epístola aos – Dicionário Bíblico de Easton

Colossenses, epístola aos

Foi escrita por Paulo em Roma durante sua primeira prisão lá (Atos 28.16 Atos 28.30), provavelmente na primavera de 57 d. C., ou, como alguns pensam – 16 Atos 62 d. C., e logo após ele ter escrito sua Epístola aos Efésios.

Como algumas de suas outras epístolas (por exemplo, aquelas para Corinto), esta parece ter sido escrita em consequência de informações que de alguma forma lhe foram transmitidas sobre o estado interno da igreja lá (Colossenses 1.4-8).

Seu objetivo era combater falsos ensinamentos. Grande parte dela é direcionada contra certos especuladores que tentavam combinar as doutrinas do misticismo oriental e ascetismo com o cristianismo, prometendo assim aos discípulos o desfrute de uma vida espiritual mais elevada e um entendimento mais profundo do mundo dos espíritos.

Paulo argumenta contra tal ensino, mostrando que em Cristo Jesus eles tinham todas as coisas. Ele expõe a majestade de sua redenção. A menção da “lua nova” e “dias de sábado” (2:16) mostra também que havia aqui professores judaizantes que procuravam afastar os discípulos da simplicidade do evangelho.

Como a maioria das epístolas de Paulo, esta consiste em duas partes, uma doutrinária e outra prática.

  • A parte doutrinária compreende os primeiros dois capítulos. Seu tema principal é desenvolvido no capítulo 2. Ele os adverte contra serem afastados daquele em quem habitava toda a plenitude da divindade, e que era a cabeça de todos os poderes espirituais.

    Cristo era a cabeça do corpo do qual eles eram membros; e se estavam verdadeiramente unidos a ele, o que mais precisavam?
  • A parte prática da epístola (3-4) reforça várias deveres naturalmente decorrentes das doutrinas expostas. Eles são exortados a cuidar das coisas que são do alto (3:1-4), a mortificar todo princípio maligno de sua natureza, e a vestir o novo homem (3:5-14).

    Muitos deveres especiais da vida cristã também são insistidos como a evidência adequada do caráter cristão. Tíquico foi o portador da carta, assim como foi também daquela aos Efésios e a Filemom, e ele lhes contaria o estado do apóstolo (4:7-9).

    Após saudações amigáveis (10-14), ele pede que troquem esta carta com aquela que ele enviou à igreja vizinha de Laodiceia. Ele então encerra esta breve mas marcante epístola com sua habitual saudação autógrafa.

    Há uma notável semelhança entre esta epístola e a aos Efésios. A autenticidade desta epístola não foi questionada.

Easton, Matthew George. “Entrada para Colossenses, Epístola aos”. “Dicionário Bíblico de Easton”.

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Faça um comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários

Artigos Relacionados