Pular para o conteúdo
Início » Dicionário » C » Cesto

Cesto na Bíblia. Significado e Versículos sobre Cesto

Os cestos da Palestina eram de muitas formas e tamanhos e na sua fabricação entravam vimes e muitos outros rebentos, bem como canas e ervas. Eram geralmente baixos – algumas vezes, porém, viam-se largos e fundos, com a competente tampa, servindo para armazenar objetos.

Os cabazes para levar gêneros sobre o costado do cavalo ou do burro eram algumas vezes feitos de vime. Um cesto de vime também se usava para levar refeições (Gênesis 40.16Êxodo 29.3Levítico 8.2Juízes 6.19). Os cestos, a que se faz referência no milagre da alimentação dos 5.000 (Mateus 14.20Marcos 8.19), eram pequenos – os da alimentação dos 4.000 (Mateus 15.37 e Marcos 8.20), eram grandes.

Foi num cesto desta última espécie que os discípulos desceram S. Paulo em Damasco (Atos 9.25). A palavra traduzida por cesto em 2 Reis 10.7 e Jeremias 24.2, significa realmente uma espécie de alcofa.

Cesto – Dicionário Bíblico de Easton

Cesto

Existem cinco diferentes palavras hebraicas assim traduzidas na Versão Autorizada:

  • Um cesto (Heb. sal, um galho ou vime) para segurar pão (Gênesis 40.16; Êxodo 29Êxodo 29.23; Levítico 8Levítico 8.26, 8:31; Números 6.1Números 6.17, 6:19). Às vezes os cestos eram feitos de galhos descascados; a fabricação deles era um ofício reconhecido entre os hebreus.
  • Aquele usado (Heb. salsilloth’) na colheita de uvas (Jeremias 6.9).
  • Aquele no qual as primícias da colheita eram apresentadas, Heb. tene, (Deuteronômio 26Deuteronômio 26.4). Também era usado para fins domésticos. Em forma, ele afunilava para baixo como aquele chamado corbis pelos romanos.
  • Um cesto (Heb. kelub) com uma tampa, parecendo uma gaiola de pássaro. Era feito de folhas ou juncos. O nome também é aplicado a cestos de frutas (Amós 8Amós 8.2).
  • Um cesto (Heb. dud) para carregar figos (Jeremias 24.2), também argila para o local onde se faziam tijolos (RSV, Salmos 81.6), e artigos volumosos (2 Reis 10.7). Esta palavra também é traduzida na Versão Autorizada como “chaleira” (1 Samuel 2.14), “caldeirão” (2 Crônicas 35.13), “panela fervente” (João 41.20).

    No Novo Testamento é mencionado o cesto (Gr. kophinos, pequeno “cesto de vime”) para os “fragmentos” no milagre registrado em Marcos 6.43, e naquele registrado em Mateus 15.37 (Gr. spuris, grande “cesto de corda”); também do cesto no qual Paulo escapou (Atos 9.25, Gr. spuris; 2 Coríntios 11.33, Gr. sargane, “cesto de cordas trançadas”).

Easton, Matthew George. “Entrada para Cesto”. “Dicionário Bíblico de Easton”.

Cesto – Dicionário Bíblico de Smith

Cesto.

Os termos hebraicos usados na descrição deste artigo são os seguintes: (1) Sal, assim chamado pelos galhos dos quais era originalmente feito, usado especialmente para segurar pão. Gênesis 40.16) E segs. Êxodo 29.3; Êxodo 29.23; Levítico 8.2; Levítico 8.26; Levítico 8.31; Números 6.15; Números 6.17; Números 6.19) (2) Salsilloth, uma palavra de origem semelhante, aplicada ao cesto usado na colheita de uvas. (Jeremias 6.9) (3) Tene, no qual as primícias da colheita eram apresentadas. (Deuteronômio 26.2; Deuteronômio 26.4) (4) Celub, assim chamado por sua semelhança com uma gaiola de pássaros. (5) Dud, usado para carregar frutas, (Jeremias 24.1; Jeremias 24.2) bem como em maior escala para carregar argila para o tijolo, (Salmos 81.6) (potes , Versão Autorizada), ou para segurar artigos volumosos. (2 Reis 10.7) No Novo Testamento, os cestos são descritos sob três termos diferentes.

Smith, William, Dr. “Entrada para ‘Cesto'”. “Dicionário Bíblico de Smith”. 1901.

Cesto – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Cesto

Quatro tipos de “cestos” aparecem no Antigo Testamento sob os nomes hebraicos dudh, Tene’, cal e kelubh. Há pouco, no entanto, nesses nomes ou nas narrativas em que são encontrados, para indicar definitivamente quais as diferenças de tamanho, forma e uso.

O Mishna nos oferece alguma ajuda em nossa incerteza, fornecendo inúmeros nomes e descrições de “cestos” usados entre os antigos hebreus. Eles eram feitos variadamente de salgueiro, junco, folha de palmeira, etc., e eram usados para vários propósitos, domésticos e agrícolas, por exemplo, na colheita e serviço de frutas, coleta de esmolas em espécie para os pobres, etc.

Alguns tinham alças, outros tampas, alguns ambos, outros nenhum.

1. Significado dos Termos do Antigo Testamento:

(1) Dudh era provavelmente um termo genérico para vários tipos de cestos. Era provavelmente o “cesto” no qual os israelitas no Egito carregavam o barro para tijolos (compare Salmos 81.6, onde é usado como símbolo da escravidão egípcia), e tal como os próprios egípcios usavam para esse propósito, provavelmente um cesto grande e raso, feito de vime.

Representava um cesto que era usado na colheita de frutas (veja Jeremias 24.1), mas como diferia do “cesto de frutas de verão” de Amós (Amós 8.1) não sabemos. Dudh é usado para a “panela” na qual a carne era cozida (1 Samuel 2.14), mostrando provavelmente que um cesto em forma de panela era conhecido por esse nome.

Então parece ter representado um cesto afunilando em direção ao fundo como o calathus dos romanos. Assim, somos forçados a concluir que o termo era genérico, não específico.

(2) O cesto mais comum em uso nos tempos do Antigo Testamento era o cal. Era o “cesto” no qual o padeiro da corte do Egito carregava sua confeitaria sobre a cabeça (Gênesis 40.16). Era feito, pelo menos em tempos posteriores, de salgueiros descascados ou folhas de palmeira, e às vezes pelo menos grande e plano como o canistrum dos romanos, e, como ele, era usado para transportar pão e outros artigos de comida (Gênesis 40.16; Juízes 6.19).

Carne para as ofertas de carne e o pão sem fermento eram colocados nele (Êxodo 29.3; Levítico 8.2; Números 6.15). É expressamente exigido que os bolos sem fermento sejam colocados e oferecidos em tal “cesto”.

Enquanto um “cesto”, tinha forma de prato, maior ou menor em tamanho, pareceria, de acordo com a demanda, e talvez de textura mais fina do que o dudh.

(3) O Tene’ era um cesto grande e profundo, no qual grãos e outros produtos de jardim ou campo eram levados para casa e guardados (Deuteronômio 28.5,17), nos quais os primeiros frutos eram preservados (Deuteronômio 26.2), e os dízimos transportados para o santuário (Deuteronômio 26.2).

Tem sido considerado provável que o chabya, o cesto de argila e palha dos camponeses da Palestina de hoje, seja uma espécie de sobrevivência ou contraparte dele. Tem a forma geral de um jarro e é usado para armazenar e manter trigo, cevada, aveia, etc.

No topo está a boca pela qual o grão é despejado, e na parte inferior é uma abertura através da qual pode ser retirado conforme necessário, quando a abertura é novamente fechada com um pano. A Septuaginta traduz Tene’ por kartallos, que denota um cesto na forma de um cone invertido.

(4) O termo kelubh, encontrado em Amós 8.1 para um “cesto de frutas”, é usado em Jeremias 5.27 (a versão King James e a versão revisada (britânica e americana) “gaiola”) para uma gaiola de pássaro. Mas não é de todo irracional supor que um cesto grosseiramente tecido com uma tampa seria usado por um caçador para levar para casa seus cativos emplumados.

2. Significado dos Termos do Novo Testamento:

No Novo Testamento, o interesse se concentra em dois tipos de “cesto”, distinguidos pelos evangelistas em suas contas da alimentação dos 5.000 e dos 4.000, chamados em grego kophinos e spuris (Westcott-Hort sphuris).

(1) O kophinos (Mateus 14.20; Marcos 6.43; Lucas 9.17; João 6.13) pode ser identificado com confiança com o kuphta’ do Mishna que foi providenciado com uma corda para alça por meio da qual poderia ser carregado nas costas com tais provisões como os discípulos nas ocasiões em consideração naturalmente teriam consigo (de Kreugel, e Broadus, Commentary no local citado.).

Os judeus do tempo de Juvenal carregavam tal “cesto de provisões” específico com eles em suas viagens regularmente, e o latim para isso é uma transliteração desta palavra grega, cophinus (compare Juvenal iii.14, e Jastrow, Dictionary, artigo “Cesto”).

Alguma ideia do seu tamanho pode ser tirada do fato de que em CIG – João 1625 46, a palavra denota uma medida beócia de cerca de dois galões.

(2) O sphuris ou spuris (Mateus 15.37; Marcos 8.8) podemos ter certeza, de seu uso em deixar Paulo descer do muro em Damasco (Atos 9.25, etc.), era consideravelmente maior do que o kophinos e bem diferente em forma e usos.

Pode-se adequadamente renderizar “cesta” como sugere o Professor Kennedy. Certamente nem o grego nem o uso antigo justificam qualquer confusão.

(3) O sargane (2 Coríntios 11.33) significa qualquer coisa trançada, ou às vezes mais especificamente um cesto de peixe.

George B. Eager

Orr, James, M.A., D.D. Editor Geral. “Entrada para ‘CESTO'”. “Enciclopédia Bíblica Padrão Internacional”. 1915.