Início Dicionário B Bem-aventuranças

Bem-aventuranças – Dicionário Evangélico de Teologia Bíblica de Baker

22 min de leitura

Bem-aventuranças

Condição ou declaração de bem-aventurança. Na língua latina da Vulgata, a palavra para abençoado, feliz ou afortunado, começa certos versículos como Salmos 1.1: “Bem-aventurado é o homem que não anda no conselho dos ímpios.” As bem-aventuranças do Antigo Testamento começam com a palavra hebraica asre e as do Novo Testamento com a palavra grega makarios.

São usadas para pessoas, não para Deus. Algumas Bíblias em inglês traduzem eulogetos como “abençoado” (“Bendito seja o Senhor Deus de Israel” [Lucas 1.68, KJV]), mas sem a característica makarios, frases contendo este termo não são bem-aventuranças.

As bem-aventuranças do Antigo Testamento, encontradas mais frequentemente nos salmos (por exemplo, 2 Salmos 2:1 – 2 Salmos 32.2 – 2 Salmos 40.4 – 2 Salmos 41.1 – 2 Salmos 65.4 – 2 Salmos 84.4-5 – 2 Salmos 106.3 – 2 Salmos 112.1 – 2 Salmos 128.1), também estão localizadas em Provérbios 8.32; Isaías 32.2Isaías 56.2; e Daniel 12.12.

O substantivo próprio plural, as Bem-aventuranças, é a designação comum para Mateus 5.3-10. O paralelo de Lucas, com quatro declarações de bem-aventurança e quatro maldições, é chamado de Bem-aventuranças e Ais.

Declarações de bênção também são encontradas em Mateus 13.16; João 20.29; e Apocalipse 1Apocalipse 14.13Apocalipse 16.15Apocalipse 19.9Apocalipse 20.6Apocalipse 22.7, 14.

A clássica bem-aventurança do Novo Testamento tem três partes: (1) o adjetivo “bem-aventurado”; (2) a identificação da(s) pessoa(s) “bem-aventurada(s)” por uma cláusula descritiva ou particípio; e (3) a condição que assegura a “bem-aventurança”.

Assim na primeira bem-aventurança de Mateus (5.3), “Bem-aventurados os pobres em espírito, pois deles é o reino dos céus”, as pessoas “bem-aventuradas” são identificadas como “os pobres em espírito” e são “bem-aventuradas” porque “deles é o reino dos céus”.

Como a primeira palavra dos Salmos (1.1), bem-aventurado é aplicado geralmente a todos aqueles dentro da aliança redentiva de Deus estabelecida com Abraão. O crente que ora Salmos 1.1 torna-se o sujeito da bem-aventurança.

Sua bem-aventurança vem dentro de seu relacionamento com Deus no qual ele realiza a vontade divina e se mantém separado dos inimigos de Deus (1:1-2). A Torá, a revelação escrita de Deus, é sua ocupação constante (v. 2).

Os incrédulos estão destinados à destruição (vv. 4-6), mas o “bem-aventurado” é prometido vida com Deus (v. 3). Salmos 32 vê o “bem-aventurado” como aquele “cuja transgressões são perdoadas” e “contra quem o Senhor não conta o pecado”.

A iniquidade do pecador é imputada por Deus ao Servo Sofredor (Isaías 53.6).

O conceito de bem-aventurança não é facilmente traduzido para o inglês. “Feliz”, “afortunado” e “favorecido” foram todos oferecidos como traduções menos que completamente satisfatórias. “Feliz” concentra-se estreitamente no bem-estar emocional, não levando em conta que, dentro do relacionamento com Deus, o pecado é confessado (Salmos 32.3-5). “Afortunado” deriva da palavra latina para chance ou sorte e também foi usada para a deusa romana que determinava arbitrariamente e caprichosamente o destino de cada pessoa.

Ainda significa uma seleção aleatória e fortuita, sucesso, posses coletivas e riqueza, não concedidas a outros. Já que os pobres (Lucas 6.20), aqueles que confessam pecados (Salmos 32.3-5) e os mortos (Apocalipse 14.13) são sujeitos das bem-aventuranças, “feliz” e “afortunado” parecem inadequados.

Favor é a palavra latina para graça; para evitar confusão, “favorecido” não deve ser usado. “Bem-aventurado” deve ser usado em todos os casos, de modo que o leitor de inglês reconheça que essas passagens estão relacionadas como bem-aventuranças.

A bem-aventurança não deve ser vista como uma recompensa por realizações religiosas, mas como um ato da graça de Deus na vida dos crentes. Em vez de parabenizá-los por conquistas espirituais ou morais, a bem-aventurança sublinha o fato de que os pecadores estão dentro de um relacionamento perdoado tornado possível pelo sacrifício expiatório de Cristo.

Os estudiosos debatem as conexões entre as bem-aventuranças de Mateus e Lucas. A hipótese das duas fontes (Marcos e “Q”, que representa Quelle, a palavra alemã para fonte) sustenta que existem bem-aventuranças “Q”, das quais Mateus e Lucas tiraram as suas.

Essas bem-aventuranças “Q” são uma abreviação reconstruída das quatro declarações de Lucas, que Mateus expandiu com mais cinco. Outra visão sugere que cada um assumiu independentemente a tradição oral, como ele a conhecia diretamente (Mateus) ou a obteve de outros (Lucas).

Ainda outro defende que um evangelista foi primeiro e que o outro trabalhou com suas bem-aventuranças. Esta questão não pode ser resolvida para a satisfação de todos. Deve-se observar que a versão de Mateus foi a mais difundida nos pais pós-apostólicos e permanece a mais conhecida.

O uso de Lucas do segundo plural em cada uma de suas quatro bem-aventuranças pode sugerir uma dependência da nona bem-aventurança de Mateus, onde ele introduz essa forma pela primeira vez (Mateus 5.11).

A semelhança entre o Sermão da Montanha em Mateus (5.7) e o Sermão do Monte em Lucas (Lucas 6.17-49), nos quais ambos colocam suas bem-aventuranças, aponta para uma ocasião específica no ministério de Jesus, provavelmente perto de Cafarnaum, sem descartar a possibilidade de que elas eram básicas para sua pregação ordinária em outros momentos.

A disposição de Mateus, combinando a primeira e a oitava de suas nove bem-aventuranças e as quatro bem-aventuranças e os quatro ais de Lucas, aponta para a organização do material de cada evangelista.

As bem-aventuranças são descritivas de todos os cristãos e não destacam grupos separados como distintos uns dos outros. Assim, as bênçãos são aplicáveis a todos. Os “pobres de espírito” também são “aqueles que choram” (Mateus 5.4) ou “aqueles que têm fome e sede de justiça” (5:6).

Cada bem-aventurança olha para a vida cristã de uma perspectiva diferente. A primeira bem-aventurança de Mateus com seu “pobres de espírito” (5:3) é a mais conhecida e talvez a mais difícil de interpretar.

Com a omissão de “de espírito” (Lucas 6.20b), Lucas aponta para os economicamente pobres, um tema reconhecido em seu Evangelho. Ele inclui o pessoal “vosso” ao prometer-lhes “o reino de Deus”, seu substituto para o “reino dos céus” de Mateus.

O “em espírito” de Mateus indica que esses “pobres” não fazem nenhuma reivindicação sobre Deus. A tensão entre os pobres espirituais de Mateus e os pobres econômicos de Lucas não deve ser exagerada, já que este último usa aqueles que estão financeiramente privados como exemplos daqueles que dependem de Deus, um tema comum de todas as bem-aventuranças.

As restantes oito bem-aventuranças de Mateus expandem a primeira. Os que choram experimentarão o conforto de Deus (v. 4). Os mansos demonstram uma atitude semelhante à de Cristo que não exige nada para si.

Assim, os mansos com Jesus herdarão a terra (v. 5). Aqueles que “têm fome e sede de justiça” (v. 6) desejam a justiça salvadora de Deus em Cristo. A misericórdia que os cristãos mostram aos outros (v. 7) deve ser a de Cristo, que mostrou misericórdia a seus algozes (Lucas 23.34).

Na quinta petição da Oração do Senhor, os cristãos oram para que Deus os perdoe, assim como eles perdoam os outros (Mateus 6.12). Ver Deus é reservado a Cristo (João 1.18), mas agora os puros de coração verão Deus com ele (v. 8).

Os Evangelhos reservam a frase “Filho de Deus” apenas para Jesus, mas os pacificadores mostram-se reconciliados com Deus, e todas as pessoas agora têm direito a uma honra semelhante ao serem chamadas filhos de Deus (v. 9).

A oitava bem-aventurança segue a primeira com sua promessa do reino dos céus, o compromisso de Cristo de que participarão de seu sofrimento e glória. Aqui os “pobres de espírito” são definidos como “perseguidos por causa da justiça” (v. 10).

A nona e última bem-aventurança (v. 11), adicionando o específico “vocês” e “por minha causa”, coloca Cristo no centro das Bem-Aventuranças e vê o estado de bem-aventurança dos crentes em sua perseguição por amor a ele.

As Bem-Aventuranças são cristológicas porque ele as falou e elas alcançam sua perfeição nele. Em sua perfeição, elas são descritivas da santidade prometida da igreja.

Lucas 1.48 e Mateus 16.17 diferem de outras bem-aventuranças ao destacar pessoas específicas. O reconhecimento da bem-aventurança de Maria pelas gerações sucessivas repousa na seleção do Senhor dela como sua mãe e não na realização moralmente superior de sua vontade.

Pedro é abençoado porque Deus revelou a ele que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, uma fé inatingível por seu próprio esforço. Assim, ele se torna um protótipo de todos os crentes em Cristo. As bem-aventuranças do Livro do Apocalipse concentram-se na vitória prometida aos cristãos que morrem na fé.

Sua condição é certa: “Bem-aventurados os mortos que morrem no Senhor; eles descansarão de seus trabalhos, pois suas obras os seguirão” (Apocalipse 14.13). Sua bem-aventurança é vista no fato de que, na morte, Deus lhes dá descanso.

David P. Scaer

Bem-aventuranças – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Bem-aventuranças

1. O Nome:

A palavra “bem-aventurança” não é encontrada na Bíblia em inglês, mas o latim beatitudo, de onde é derivada, ocorre na versão Vulgata da Bíblia Latina de Jerônimo (390-405 d.C.) em Romanos 4.6, onde, com referência a Salmos 32.1,2, Davi é dito pronunciar a “bem-aventurança” do homem cujas transgressões são perdoadas.

Na igreja latina, beatitudo era usada não só como um termo abstrato denotando felicidade, mas no sentido secundário, concreto de uma declaração particular de felicidade e especialmente de tal declaração vinda dos lábios de Jesus Cristo.

Bem-aventuranças neste significado derivativo da palavra ocorrem frequentemente no Antigo Testamento, particularmente nos Salmos (Salmos 32.1, – Salmos 41.1Salmos 65.4, etc.), e Jesus em várias ocasiões formulou Suas falas nessa forma (Mateus 11Mateus 13.16Mateus 16.17Mateus 24.46, com os paralelos lucanos; João 13.1João 20.29).

Mas, além de ditos individuais deste tipo, o nome Bem-aventuranças, desde os dias de Ambrósio, tem sido especificamente atrelado àquelas palavras de bênção com as quais, segundo Mateus e Lucas, Jesus começou aquele grande discurso que é conhecido como o Sermão da Montanha.

2. Os Dois Grupos:

Ao compararmos essas Bem-aventuranças como as encontramos em Mateus 5.3-12 e Lucas 6.20-23, somos imediatamente impactados pelas semelhanças e diferenças entre elas. Para o leitor comum, mais familiarizado com a versão de Mateus, são as diferenças que primeiramente se apresentam; e ele poderá ser propenso a explicar a discrepância dos dois relatos, como Agostinho fez, atribuindo-os a duas ocasiões distintas no ministério do Senhor.

Um estudo comparativo cuidadoso dos dois relatos, porém, com alguma atenção às circunstâncias introdutórias em cada caso, ao progresso completo dos discursos em si e aos ditos parabólicos com os quais concluem, torna essa visão improvável, e aponta mais para a conclusão de que o que temos são duas versões variadas dadas pelos Evangelistas do material extraído de uma fonte subjacente consistindo de Logia de Jesus.

As diferenças, deve-se admitir, são muito marcantes.

(a) Mateus tem 8 Bem-aventuranças; Lucas tem 4, com 4 ais seguintes.

(b) Em Mateus, as falas, exceto a última, estão na terceira pessoa; em Lucas, estão na segunda.

(c) Em Mateus, as bênçãos, exceto a última, estão atreladas a qualidades espirituais; em Lucas, a condições externas de pobreza e sofrimento.

Assumindo que ambos os Evangelistas derivaram seus relatos de alguma fonte logiana comum, surge a questão sobre qual deles aderiu mais de perto ao original. A questão é difícil e ainda gera opiniões bastante contrárias.

Um grupo de estudiosos decide a favor de Mateus e justifica o desvio de Lucas da versão mateana atribuindo-lhe, com fundamentos muito insuficientes, uma tendência ascética pela qual ele foi levado a dar um tom materialista às falas de Jesus.

Outro grupo tende à teoria de que a versão de Lucas é a mais literal das duas, enquanto a de Mateus tem a natureza de uma paráfrase. Em apoio a esta segunda visão, pode-se apontar que Lucas geralmente é mais cuidadoso que Mateus em colocar as falas de Jesus em seu cenário original e preservá-las em sua forma primitiva, e ainda que, devido à tendência natural dos escritores sagrados em expandir e interpretar em vez de resumir uma fala inspirada, a forma mais curta de uma fala é mais provável de ser a original.

Pode-se notar, adicionalmente, que em Mateus 5.11,12 a Bem-aventurança toma a forma direta, o que sugere que essa pode ter sido a forma que Mateus encontrou em sua fonte no caso das outras também. No geral, então, as probabilidades parecem favorecer a visão de que a versão de Lucas é a mais literal.

Isso não significa, contudo, que a diferença entre os dois relatos importe em qualquer real inconsistência. Em Lucas, o ênfase é colocado no fato de que Jesus está se dirigindo a Seus discípulos (Lucas 6.20), de modo que não eram os pobres como tais quem Ele abençoava, mas Seus próprios discípulos embora fossem pobres.

Não era a pobreza, fome, tristeza ou sofrimento em si aos quais Ele prometia grandes recompensas, mas aquelas experiências como vindo a homens espirituais e assim transformadas em fontes de bênção espiritual.

E assim quando Mateus, registrando as palavras do Senhor com vistas à sua aplicação universal em vez de com referência às circunstâncias particulares nas quais foram proferidas, muda “os pobres” para “os pobres de espírito”, e aqueles que “têm fome” para aqueles que “têm fome e sede de justiça”, ele está dando o verdadeiro propósito das palavras de Jesus e registrando-as na forma em que por todos os homens e através de todo o tempo vindouro elas podem ser lidas sem chance de mal-entendido.

Quanto às Bem-aventuranças dos mansos, misericordiosos, puros de coração, pacificadores, que são dadas apenas por Mateus, elas podem ter sido faladas por Jesus ao mesmo tempo que o resto e pretendidas por Ele em sua associação com as outras quatro para preencher uma concepção do caráter ideal dos membros do Reino de Deus.

No entanto, em vista da omissão da lista de Lucas, é impossível afirmar isso com certeza. Que todas são autênticas declarações do próprio Jesus não há motivo para duvidar. Mas podem ter sido originalmente espalhadas pelo discurso em si, cada uma em seu próprio lugar adequado.

Assim, a Bem-aventurança dos mansos iria adequadamente com Lucas 6.38, aquela dos misericordiosos com Lucas 6.43, aquela dos puros de coração com Lucas 6.27, aquela dos pacificadores com Lucas 6.23. Ou mesmo podem ter sido proferidas em outras ocasiões que não a do Sermão da Montanha e reunidas por Mateus e colocadas no início do Sermão como formando junto com as outras quatro uma introdução adequada ao grande discurso de nosso Senhor sobre as leis e princípios do Reino de Deus.

3. Número, Arranjo, Estrutura:

Com relação ao número das Bem-aventuranças na versão mais completa de Mateus, alguns contaram apenas 7, fazendo a lista terminar com Mateus 5.9. Mas embora a bênção pronunciada sobre os perseguidos em Mateus 5.10-12 difira das Bem-aventuranças anteriores, tanto por se afastar da forma aforística quanto por anexar a bênção a uma condição externa e não a uma disposição do coração, o paralelo em Lucas justifica a visão de que esta também deve ser adicionada à lista, totalizando assim 8 Bem-aventuranças.

Sobre o arranjo do grupo, muito foi escrito, a maior parte fantasioso e não convincente. Os primeiros quatro foram descritos como negativos e passivos, os segundos quatro como positivos e ativos. Os primeiros quatro, novamente, foram representados como pertencentes ao desejo de salvação, os segundos quatro como relacionados à sua posse real.

Alguns escritores tentaram rastrear no grupo como um todo os estágios ascendentes constantemente no desenvolvimento do caráter cristão. A verdade nesta última sugestão reside no lembrete que ela traz de que as Bem-aventuranças não devem ser pensadas como estabelecendo tipos separados de caráter cristão, mas como enumerando qualidades e experiências que são combinadas no caráter ideal conforme concebido por Cristo – e como exemplificado, pode-se acrescentar, em Sua própria vida e pessoa.

No que diz respeito à sua estrutura, as Bem-aventuranças são todas semelhantes em associar a bênção a uma promessa – uma promessa que às vezes é representada como tendo uma realização imediata (Mateus 5.3,10), mas na maioria dos casos tem um futuro ou até mesmo (compare Mateus 5.12) uma perspectiva escatológica.

A declaração de bem-aventurança, portanto, é baseada não apenas na posse da qualidade ou experiência descrita, mas nas recompensas presentes ou futuras nas quais ela resulta. Os pobres de espírito são chamados abençoados não apenas porque são pobres de espírito, mas porque o reino dos céus é deles; os que choram porque serão consolados; aqueles que têm fome e sede de justiça porque serão saciados; aqueles que são perseguidos porque um grande prêmio está reservado para eles no céu.

As Bem-aventuranças muitas vezes foram criticadas por apresentar um ideal do qual a limitação, privação e renúncia própria são a essência, e que carece daqueles elementos positivos que são indispensáveis para qualquer concepção completa de bem-aventurança.

Mas quando se reconhece que a bênção em todos os casos repousa sobre a promessa associada, a crítica cai por terra. Cristo exige de Seus seguidores a renúncia de muitas coisas que parecem desejáveis ao coração natural e uma disposição para suportar muitas outras coisas das quais os homens naturalmente se encolhem.

Mas assim como no caso dEle próprio o grande esvaziamento foi seguido pela gloriosa exaltação (Filipenses 2.6), assim no caso de Seus discípulos a pobreza espiritual e o carregar da cruz trazem consigo a herança da terra e uma grande recompensa no céu.

LITERATURA.

Votaw em HDB, V – Filipenses 14 Adeney no Expositor – Filipenses 5ª série, II – Filipenses 365 Stanton, Os Evangelhos como Documentos Históricos, II – Filipenses 106 327; Gore, Sermão da Montanha – Filipenses 15 Dykes, Manifesto do Rei – Filipenses 25.200.

J. C. Lambert

Orr, James, M.A., D.D. Editor Geral. “Entrada para ‘BEATITUDES’”. “Enciclopédia Bíblica Internacional Padrão”. 1915.

Bem-Aventurança – Dicionário Evangélico de Teologia Bíblica de Baker

Bem-Aventurança

Condição ou estado de estar na graça ou favor de Deus. A Bíblia contém as palavras “abençoar”, “bênção” e “bem-aventurado”, mas não o substantivo “bem-aventurança”, embora a ideia de um estado espiritual de beatitude no qual os crentes desfrutam da comunhão de Deus permeie a Bíblia.

Abençoar traduz o hebraico asre e baruk e o grego eulogetos e makarios. Todos são usados para crentes, mas apenas baruk e eulogetos ​​para Deus. Essas palavras sugerem proteção divina, evocando a confiança dos crentes em seu benfeitor.

Eles conhecem Deus como a origem de todas as coisas boas nesta vida e na próxima. A palavra inglesa “bem-aventurança” é derivada da palavra raiz para “sangue” e sugere algo separado por sacrifício e na Bíblia pelo sacrifício expiatório de Cristo pelos pecados.

Todo aspecto da vida cristã é abraçado pela bem-aventurança sem nenhum crédito assumido pela pessoa que a experimenta. É puramente graça de Deus.

No Antigo Testamento, essa bem-aventurança pode envolver coisas materiais, mas o perdão é o principal (Salmos 32.1). Todos os cristãos são abençoados simplesmente por crer em Cristo e ouvir e guardar sua palavra (Lucas 11.28) e por sua perseverança diante da provação (Mateus 11.6).

A bem-aventurança pode se aplicar a dotações especiais. Abraão (Gênesis 12.1-3) e Pedro (Mateus 16.17) são abençoados porque estão à frente do povo de Deus em cada Testamento e são canais da bem-aventurança de Deus para os outros.

Elizabeth, assim como as gerações futuras, reconhece a bem-aventurança de Maria como mãe do Senhor (Lucas 1.42 Lucas 1.48). A bem-aventurança aperfeiçoada pertence aos mortos em Cristo (Apocalipse 14.13).

Enquanto a santidade se refere à inacessibilidade de Deus e demandas morais, a bem-aventurança concentra-se no que Deus faz pelo crente. Desde a eternidade ele é abençoado (eulogetos) agindo graciosamente, concedendo bênçãos e coisas boas ao seu povo (Efésios 1.3-4).

Bem-aventurança significa que Deus cumpre suas promessas a Davi ao ressuscitar Jesus como o Cristo (Lucas 1.68-70). A experiência original de Adão e Eva no Éden é uma bem-aventurança derivada de uma criação na qual Deus provê para o seu bem-estar espiritual com sua companhia e suas necessidades físicas com as árvores do jardim (Gênesis 2).

A bem-aventurança perdida é substituída por terra amaldiçoada (Gênesis 3.17). O homem já não conhece Deus como benfeitor, mas sim como malfeitor, responsável por todo mal experimentado (Gênesis 3.12-13).

Enquanto alguns como Abel, Sete, Noé e os patriarcas recuperam a bem-aventurança, outros como Caim (Gênesis 4.11) e Canaã (Gênesis 9.25) caem na desgraça de Deus. A bem-aventurança perdida do paraíso original é totalmente restaurada pela cruz e agora está associada à redenção (Lucas 23.43).

Por isso Jesus é chamado de bem-aventurado (Mateus 23.39Lucas 1.42Lucas 19.38).

Os patriarcas vivem em um estado de bem-aventurança imperfeita com suas fraquezas removidas na morte (Hebreus 11.13). A bem-aventurança de Israel dependia da manutenção da aliança pela qual Deus os estabeleceu como seu povo.

Isso exigia a adoração dele como o único Deus. A idolatria os privava de sua bem-aventurança. A bem-aventurança no Antigo Testamento às vezes garante certas bênçãos materiais (Gênesis 39.5). Canaã é dada como terra de herança a Israel e conquista militar e prosperidade física se seguem (1 Reis 4.20).

Os salmos se concentram no indivíduo, muitas vezes com a prosperidade física dada aos inimigos de Deus. A bem-aventurança implica a ocupação contínua do crente com a palavra de Deus, a evitação dos ímpios e a perseverança e o florescimento final (Salmos 1).

As primeiras palavras deste salmo, “bem-aventurado” (asre), servem para introduzir os outros. Eles refletem uma bem-aventurança na qual os crentes sofrem abandono por Deus (Salmos 22), privação material e vêem os ímpios florescerem, mas finalmente saem vitoriosos (Salmos 2).

Os profetas perseguidos de Israel viveram no mesmo dilema irrealizado, que agora é prometido aos cristãos (Mateus 5.12). A bem-aventurança é vista não em como Deus recompensou materialmente os profetas, mas em sua perseverança (Tiago 5.11).

A associação ocasional da bem-aventurança no Antigo Testamento com vantagens materiais é revertida no Novo Testamento e está ligada à indigência financeira. Os pobres (Lucas 6.20) e os pobres de espírito (Mateus 5.3) já obtiveram sua bem-aventurança ao alcançar o reino de Deus.

Jesus é desprezado pelos outros (Isaías 53.3) e o mais pobre dos homens e ainda nele a bem-aventurança atinge sua mais alta expressão (2 Coríntios 8.9). A bem-aventurança dos justos é vista em sua perseguição pelos inimigos de Deus (Mateus 5.11-12).

Os apóstolos são abençoados ao ver o que os profetas só podiam ansiar (Mateus 13.16) e se alegram porque são permitidos sofrer por Cristo (Atos 5.41). O sofrimento leva os mártires a um estado de bem-aventurança (Apocalipse 14.13).

Os mártires alcançaram bem-aventurança e são chamados de “santos”, não por causa de sua perfeição moral, mas porque suas mortes os identificam com Cristo.

David P. Scaer

Bibliografia. C. W. Mitchell, O Significado de b r k “para abençoar” no Antigo Testamento; C. Westermann, A Bênção na Bíblia e na Vida da Igreja.

Elwell, Walter A. “Entrada para ‘Bem-Aventurança’”. “Dicionário de Teologia Evangélica”. 1997.

Bem-Aventurança – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Beatitude

Este termo de tradução do makarismos (uma palavra que significa “beatificação” ou “a atribuição de bênção”), é usado apenas três vezes, em Romanos 4.6,9 e Gálatas 4.15, apenas na Versão do Rei Tiago. Nos dois primeiros casos, refere-se ao estado ou condição feliz de um homem a quem a justiça de Cristo é imputada por fé, e no último à experiência de um homem dessa condição.

Orr, James, M.A., D.D. Editor Geral. “Entrada para ‘BEATITUDE’”. “Enciclopédia Bíblica Padrão Internacional”. 1915.

Faça um comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários

Artigos Relacionados