Início Dicionário A Arquitetura

Arquitetura na Bíblia. Significado e Versículos sobre Arquitetura

16 min de leitura

O mais antigo edifício de que há memória é a Torre de Babel, construida com tijolos cozidos ao fogo, fortemente ligados por meio de betume, tão abundante no vale do Eufrates (Gênesis 11). Há, pelo menos, duas cidades nas terras a que se refere a Bíblia, que pretendem ser de uma remotíssima antigüidade, e são elas Damasco e Hebrom.

A primeira já existia no tempo de Abraão, e Hebrom, que era de origem cananéia, foi fundada cerca do ano 2.000 a. C. Os primeiros israelitas, pastores de vida nômade, habitavam em tendas, mas durante a sua escravidão no Egito foram obrigados a trabalhar em construções, muitas das quais de considerável fama.

Mas é somente a partir do tempo de Davi que eles se podem considerar como edificadores. Começaram nessa época a usar a pedra calcária, de que havia abundância, não só em reparações de ruínas, mas na edificação de novos palácios e fortalezas.

Mas as tendas ou cabanas de ramagem com rudes pinturas ainda continuaram a ser as casas favoritas do povo. Quando entraram na terra prometida, ai acharam cidades muradas que os esperavam (Números 13.28Deuteronômio 1.28).

Davi preparava-se para a grande empresa de edificar o templo, mas essa tarefa foi reservada para Salomão, que livremente chamou em seu auxílio operários estrangeiros, mandando vir, também, materiais de fora (1 Reis 5.101 Crônicas 281 Crônicas 29).

Além das suas obras em Jerusalém e perto desta cidade, Salomão edificou, em vários lugares, fortalezas e cidades. Entre os reis de Judá e israel, houve muitos que foram grandes edificadores (1 Reis 15.1 – 1 Reis 23 – 1 Reis 22.392 Reis 20.202 Crônicas 32.22 Crônicas 30).

Na volta do cativeiro foram reedificados os muros de Jerusalém e o templo, muito solidamente com pedra e madeiras do Líbano (Esdras 5.8). Durante o governo de Simão Macabeu foi erigida para defesa do templo e da cidade a fortaleza Barris, mais tarde chamada Antônia. ‘Mas’, diz o cônego Philpott, ‘os reinos de Herodes e seus sucessores foram especialmente notáveis pelo desenvolvimento que, por meio deles, tomou a Arquitetura.

O templo foi restaurado com grande magnificência, e Jerusalém fortalecida com várias fortificações e embelezada de bons edifícios.’ Ainda existem as ruínas de muitas sinagogas galiléias, de um estilo misto de arquitetura, parte judaico e parte romano, as quais foram construídas durante o segundo e terceiro séculos da nossa era.

Arquitetura – Dicionário Bíblico de Smith

Arquitetura.

O livro de Gênesis 4.17 Gênesis 4.20 Gênesis 4.22 aparentemente divide a humanidade em duas grandes seções características, ou seja, os “moradores de tendas” e os “moradores das cidades”. À raça de Sem é atribuída a fundação daquelas cidades na planície de Sinar, Babilônia, Nínive e outras.

Gênesis 10.11 Gênesis 10.12 Gênesis 10.2 – 12 Gênesis 11.2-9. Os Israelitas eram por ocupação pastores e por hábito moradores de tendas Gênesis 47.3. Eles tinham, portanto, originalmente, falando propriamente, nenhuma arquitetura.

A partir do tempo da ocupação de Canaã, eles se tornaram moradores de cidades e em casas de pedra Levítico 14.34 Levítico 14.45; 1 Reis 7.10. O reinado pacífico e a imensa riqueza de Salomão deram grande impulso à arquitetura; pois além do templo e de suas outras grandes obras, ele construiu fortalezas e cidades em vários lugares, entre as quais Baalate e Tadmor provavelmente são representadas por Baalbec e Palmira.

Mas os reinados de Herodes e seus sucessores foram especialmente notáveis por suas grandes obras arquitetônicas. Não só o templo foi restaurado, mas as fortificações e outros edifícios públicos de Jerusalém foram ampliados e embelezados Lucas 21.5.

A cidade de Cesareia foi construída no local da Torre de Stratos; Samaria foi ampliada e recebeu o nome de Sebaste. Não se pode duvidar do esplendor original dessas grandes obras; mas sobre seu estilo e aparência só podemos conjecturar que foram formadas sobre modelos gregos e romanos.

As enormes pedras empregadas nos edifícios assírios, persas e egípcios encontram um paralelo nas subestruturas de Baalbec e nos enormes blocos que ainda permanecem em Jerusalém, relíquias das construções de Salomão ou de Herodes.

Smith, William, Dr. “Entrada para ‘Arquitetura’”. “Dicionário da Bíblia de Smith”. 1901.

Arquitetura – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Arquitetura

I. História Geral

1. Planos, Estimativas e Medidas

2. Referências do Antigo Testamento

II. Templo e Palácio de Salomão

1. Construção e Materiais

2. Estilo

3. Fatos

4. Designers Fenícios

III. Conclusões a Partir de Restos Reais

1. Muros de Defesa

2. Ruas

3. Ausência da “Grande Maneira”

4. Detalhe Salomônico

5. Templo de Onias

6. Comparação com o Trabalho dos Macabeus

7. Tumbas Pintadas em Marissa

8. Característica Distintiva

IV. Trabalho Herodiano

V. Sinagogas

VI. Final

Literatura

I. História geral.

As palavras “arquiteto” e “arquitetura” não ocorrem no Antigo ou Novo Testamento. Como a grandeza de uma nação e sua elevação social são refletidas no curso do desenvolvimento arquitetônico, também a falha de uma nação em se estabelecer firmemente, após vitórias em guerra, é refletida na ausência desse desenvolvimento.

Esse era o caso dos judeus na Palestina; eles falharam em se estabelecer de tal modo que seu caráter e objetivos pudessem encontrar verdadeira expressão na arquitetura. O país por conta de sua posição geográfica e seu caráter territorial fragmentado, que exagerava a natureza tribal de seus habitantes, não favorecia um império político.

A grande dificuldade dos judeus era a preservação de sua própria integridade.

1. Planos, Estimativas e Medidas:

Embora nos edifícios menores exista muito pouca evidência de o construtor ter sido governado por um plano previamente elaborado, não há dúvida de que em obras maiores um plano era preparado. O Tabernáculo foi feito de acordo com um “modelo” (Êxodo 25.9) e o Templo de Salomão também foi projetado e submetido para aprovação (1 Crônicas 28.11).

O custo estimado também era considerado (Lucas 14.28). Os equivalentes para uma linha de fita e régua podem ser identificados (Ezequiel 40.3, – Ezequiel 47.3; Apocalipse 11Apocalipse 21.15).

Os israelitas chegaram em tendas, e as cidades muradas, “grandes e elevadas até o céu” (Deuteronômio 1.28) que ocuparam eram abrigos bem fortificados, espaços cobrindo áreas que variavam de cerca de 12 acres, como em Taanach e Meguido, a cerca de 23 acres como em Gezer.

2. Referências do Antigo Testamento:

A história longa da peregrinação pelo deserto durante a qual os judeus, como habitantes de tendas, ficaram impressionados com as cidades muradas que, com extraordinária fortitude, eles invadiram e ocuparam, e que, com entusiasmo perdoável, eles consequentemente exageraram, para a glória de Deus.

Embora referências a construções no Antigo Testamento sejam frequentes, elas raramente são suficientemente detalhadas para transmitir uma ideia de seu caráter. Caim construiu uma cidade e chamou-a de Enoque (Gênesis 4.17); seu descendente Tubal-Caim era “instrutor de todo artífice em bronze e ferro” (Gênesis 4.22).

A descrição do plano da arca (Gênesis 6.14) é a primeira descrição arquitetônica detalhada no Antigo Testamento. Assur, um descendente de Ham, construiu Nínive e outras cidades (Gênesis 10.11). A torre de Babel foi construída com “tijolo ao invés de pedra, e betume por argamassa” (Gênesis 11.3).

II. Templo e Palácio de Salomão.

A referência arquitetônica mais completa é a descrição do Templo e do Palácio de Salomão (1 Reis – 1 Reis 7) e (Ezequiel 4Ezequiel 41). Esses edifícios são abordados em detalhes em TEMPLE, mas aqui é necessário um breve comentário, pois são de longe os maiores edifícios mencionados no Antigo Testamento.

1. Construção e Materiais:

Os edifícios eram de pedra, e os edifícios adicionais ao redor do Templo tinham três andares de altura, e o Templo tinha um telhado (presumivelmente plano) de cedro. As paredes e tetos foram revestidos com cedro, de modo que “nenhuma pedra era vista” (1 Reis 6.18) dentro da casa.

O interior era enriquecido com folhagens esculpidas e querubins, e no esquema decorativo, o ouro era livremente aplicado.

2. Estilo:

A descrição contém muito pouca indicação do estilo arquitetônico. As janelas eram “estreitas” (1 Reis 6.4), e portas e postes eram “quadrados em perspectiva” (1 Reis 7.5), isto é, com cabeçotes quadrados.

III. Conclusões a partir de restos reais.

Não há exemplos conhecidos dos quais se possa obter conhecimento da arquitetura judaica. Atualmente, não há nenhum em pé, e o que a escavação revelou prova pouco mais do que um mero ofício de construção de ordem inferior.

Os restos da época da monarquia foram descobertos em vários locais, notavelmente em Jerusalém, Lachish, Tel es Safi (Gate?), Gezer, Taanach, Tel es Mutesellim (Meguido), Jericó, e esses dão uma ideia geral do ofício de construção do período, mas não fornecem evidências de um estilo arquitetônico.

1. Muros de Defesa:

De fato, nos grandes muros defensivos reside a história da construção dos judeus. Eles foram construídos às pressas e frequentemente destruídos. Destruição e reparo se alternaram tão consistentemente que cada cidade sucessiva dentro deles era pouco mais que uma habitação temporária, sempre subordinada ao trabalho mais importante de defesa.

Sob tais condições, nada floresceu, principalmente arquitetura. A arte de construir se tornou uma coisa de utilidade temporária e pura.

2. Ruas:

Ruas eram traçadas sem método; becos estreitos e tortuosos interrompidos por projeções, criados pela vontade de cada construtor individual, serviam como vias principais. A alvenaria era geralmente de pedras rústicas não lapidadas, colocadas de maneira desajeitada sem argamassa e os edifícios raramente eram quadrados.

Sob essas condições, pode-se entender o entusiasmo demonstrado na descrição do trabalho de Salomão.

3. Ausência do “Grande Estilo”:

Em Jerusalém, a área do Templo era o centro da grandeza arquitetônica, e é possível que tenha inspirado esforços de construção de outra natureza em outras cidades. No entanto, até agora, a Palestina não revelou tal paralelo. Áreas livres, onde se encontraram ter existido, pareciam ser acidentais, e não sempre coincidem em posição nas cidades superpostas sucessivas.

Elas não reivindicavam nenhum “lay out” particular e, provavelmente, serviam como espaço para os montes de lixo da cidade ou para confinar gado e ovelhas (Isaías 58.12). Compara-se com a cidade moderna de Es Salt; ela dá uma boa ideia da aparência geral de uma cidade judaica antiga.

O uso de colunas de madeira para pórticos e coberturas de áreas grandes cobertas parece ter sido prevalente, e essas frequentemente eram fixadas em encaixes de pedra que serviam como bases. Colunas de pedra parecem ter sido usadas discretamente; de fato, não há evidência de que um estilo arquitetônico columnar de pedra prevaleceu nas construções mais importantes.

4. Detalhes Salomônicos:

Em Lachish foram descobertas várias lajes em baixo-relevo com volutas que originalmente foram incorporadas aos lados esquerdos das entradas de um edifício de considerável importância. Essas lajes foram encontradas juntamente com um lintel moldado de caráter egípcio.

A descoberta revelou os únicos exemplos autênticos do detalhe arquitetônico do período salomônico, e é particularmente interessante por fornecer, talvez, o protótipo mais antigo da voluta jônica. Na melhor das hipóteses, é uma adaptação tosca e construtiva de características exóticas, e se isso deve ser tomado como uma chave para o trabalho do período em toda a Palestina, não há nada grande a registrar.

5. Templo de Onias:

Quando Onias fugiu para o Egito da perseguição de Antíoco Epifânio, por volta de 154 a. C., ele obteve permissão de Ptolemeu e Cleópatra para construir um templo em Leontopolis semelhante ao de Jerusalém.

O templo foi construído cumprindo a profecia de Isaías e modelado após o templo de Zorobabel, mas “menor e mais pobre” e “parecia uma torre”. Petrie recuperou esse templo em um monte artificial semelhante ao Monte do Templo em Jerusalém, erguido ao lado do acampamento hicsos, onde uma influente comunidade judaica se estabelecera. É o plano mais completo de um edifício judaico de caráter monumental já descoberto.

Um tipo de detalhe Coríntio rude foi usado, e certos fragmentos apontam para um tratamento ameado, sugestivo de origem babilônica, e até certo ponto confirmando a inferência tirada da descrição do Templo de Salomão.

6. Comparação com Trabalho dos Macabeus:

Fragmentos contemporâneos de arquitetura da dinastia macabeia em toda a Palestina mostram um estilo greco-sírio de considerável dignidade e interesse, ilustrando uma prontidão para responder à influência helenizante nas artes, que na época era caracterizada, em arquitetura, por um provincianismo grego decadente.

Os detalhes ameados, encontrados em Hicsos, parecem indicar o uso de um estilo anterior ao trabalho macabeu, preservando, até certo ponto, tradições babilônicas.

7. Tumbas Pintadas em Marissa:

Do século 3 a. C. até a era cristã, a arquitetura mostra uma origem grega consistente com caráter local em detalhe em Tel Sandahannah e Mareshah (Tumbas Pintadas de Marissa). Essas tumbas de Marissa mostram elevações decoradas muito interessantes, com detalhes arquitetônicos pintados.

O trabalho é fenício e a data provavelmente de 194 a 119 a. C. Capitéis jônicos gregos são utilizados, com enriquecimento de guirlandas pintadas no arquitrave sobre o capitel, e um friso profundo de animais pintados, coroados por uma representação de um “parapeito” “muralha” (Deuteronômio 22.8; 1 Reis 7.9) notavelmente semelhante aos detalhes encontrados por Petrie em Hicsos.

Um detalhe interessante é a cabeça pontiaguda na abertura intercolumnar, uma forma que parece ter sugerido universalmente ao construtor primitivo, onde o manuseio de grandes pedras de lintel apresentava dificuldade.

Eles remetem às cabeças das aberturas anglo-saxônicas.

Um gosto por decoração mural existiu durante todo o período judaico, como se vê pelos pequenos fragmentos de gesso pintado descobertos nas várias cidades escavadas, mas a decoração nas tumbas de Marissa é o exemplo mais completo, e se assemelha de muitas maneiras à decoração mural em Cnossos e Filacopi.

8. Característica Distintiva:

O túmulo de Zacarias no vale do Cedrom provavelmente pertence à mesma época que seu vizinho, o túmulo de Tiago, que De Vogue, pela inscrição nele, atribui ao tempo de Herodes. O detalhe da parte superior do entablamento é um recurso frequentemente recorrente na arquitetura palestina, aparecendo já na era salomônica em Lachish. É caracteristicamente egípcio, e também é visto em Persépolis, e embora nenhum possa ter sido emprestado do outro, eles não estão muito afastados do ancestral comum.

Era um recurso comumente usado pelos fenícios, e provavelmente foi introduzido por eles do Egito. Parece ter sido favorecido até o tempo de Herodes e foi abandonado após a introdução generalizada do entablamento clássico que nos tempos helenísticos foi apenas parcialmente incorporado ao estilo predominante.

As variações sucessivas do recurso de coroamento de seu design são um fator importante na rastreabilidade do desenvolvimento da arquitetura judaica.

IV. Trabalho Herodiano.

O Templo de Siah é um exemplo interessante do trabalho do período herodiano e é mais grego em caráter do que se poderia esperar. Aqui, o caráter local na escultura é fortemente marcado, folhagens e figuras sendo livremente usadas com um certo modo assírio que, apesar da manipulação solta, trai sua origem.

De fato este acorde de enriquecimento arquitetônico pode ser rastreado através do trabalho de Índia, Assíria, Pérsia e Síria até o período bizantino, quando a grande igreja catedral de Sofia em Constantinopla exibia-o na harmonia mais perfeita de todos os tempos.

O grande período de construção de Herodes não precisa ser detalhado. Herodes era idumeu e sua arquitetura tomou do estilo romano mais robusto que dominava a arte judaica em um momento em que a oportunidade de incorporação nacional havia passado.

V. Sinagogas.

Esta influência romana, no entanto, permaneceu na Palestina, como pode ser visto pelas importantes ruínas de sinagogas na Galiléia do século 3 d. C.. Os muitos vestígios investigados lançam luz sobre o plano desses locais de culto pós-exílicos, dos quais há pouquíssima ou nenhuma menção no Antigo Testamento.

Os planos variam consideravelmente nas proporções. O exemplo em Meiron mede 90 ft x 44 ft 8 inches, enquanto o de Irbid mede 57 ft 3 inches x 53 ft. Em arranjo geral, os planos variam muito pouco, consistindo geralmente de cinco alas com uma entrada tripla, mais frequente voltadas para o sul.

Os detalhes são ricamente esculpidos e “uma característica surpreendente comum a todos é o uso de figuras animais, especialmente leões, ou cordeiros e águias. …. Em alguns exemplos, figuras humanas, geralmente intencionalmente mutiladas, são encontradas”.

VI. Final.

É provável que pesquisas futuras possam adicionar ao nosso conhecimento sobre arquitetura judaica antiga, mas é duvidoso que haja mais a descobrir do que está constituído no uso cru e não qualificado de materiais de construção, influenciado pelo conhecimento limitado de características exóticas, que os judeus nem tinham tempo nem o conhecimento de aplicar adequadamente.

LITERATURA

Conder, Survey of Western Palestine; Warren, Recovery of Jerusalem; Bliss and Dickie, Excavations in Jerusalem – 1 Reis 1894.97; Fergusson, Temple of Jerusalem; Masterman, Studies in Galilee; Bliss and Macalister, Excavations in Palestine; Macalister, Excavations at Gezer; Petrie, Excavations at Hyksos; Rawlinson, History of Phoen; Petrie, Lachish; Sellin, Excavations at Taanach; Schumacher, Excavations at Tell Mutesellim; Macalister, Bible Sidelights; Peters and Thierch, Painted Tombs of Marissa.

Arch. C. Dickie

Orr, James, M.A., D.D. Editor Geral. “Entrada para ‘ARQUITETURA’”. “Enciclopédia Bíblica Internacional Padrão”. 1915.

Faça um comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários

Artigos Relacionados