Início Dicionário A Arabá

Arabá na Bíblia. Significado e Versículos sobre Arabá

16 min de leitura

A planície, o deserto. Arabá é esse profundo vale que forma a mais admirável característica da Palestina, e se estende, de ambos os lados do Jordão, desde acima do mar da Galiléia, ao norte, até ao Golfo Elanítico do mar Vermelho, constituindo uma das mais notáveis depressões na superfície do globo.

A parte meridional deste vale irregular, e de uma maneira especial o sul do mar Morto, ainda tem o nome de Arabá, sendo particularmente interessante pelo fato de ter sido ali o teatro das peregrinações dos filhos de israel, depois que foram repelidos do sul da Terra Prometida. É, na maior parte, uma região pavorosamente desoladora, listrada de raríssima vegetação sob um sol ardente: ‘Terra seca e deserta, terra em que ninguém habita, nem passa por ela homem algum’ (Jeremias 51 43).

A palavra acha-se em Josué 18.18; mas geralmente em lugar de Arabá vem o termo ‘planície’.

Arabá – Dicionário Bíblico de Easton

Arabá

Planície, na Versão Revista de 2 Reis 14.25Josué 3.1 – Josué 8.142 Samuel 2.29Josué 4.7 (em todas estas passagens a versão A.V. tem “planície”); Amós 6.14 (A.V. “deserto”). Esta palavra é encontrada na Versão Autorizada apenas em Josué 18.18.

Denota a depressão oca pela qual o Jordão flui do Lago da Galileia até o Mar Morto. É agora chamado pelos árabes de el-Ghor. Mas o Ghor é às vezes mencionado como se estendendo 10 milhas ao sul do Mar Morto, e daí para o Golfo de Akabah no Mar Vermelho é chamado Wady el-Arabah.

Easton, Matthew George. “Entrada para Arabah”. “Dicionário Bíblico de Easton”.

Arabá – Dicionário Bíblico de Smith

Arabá

(Queimado). Embora esta palavra apareça na Versão Autorizada em sua forma original apenas em Josué 18.18, no texto hebraico é de ocorrência frequente. Ela indica mais particularmente o vale profundo ou trincheira que forma a característica natural mais marcante entre as muitas características naturais da Palestina, e que se estende com grande uniformidade de formação das encostas do Hermon até o Golfo Elanítico (Golfo de Akaba) do Mar Vermelho; a depressão mais notável conhecida por existir na superfície do globo.

Através da porção norte desta fissura extraordinária, o Jordão corre pelos lagos de Huleh e Gennesaret em seu curso tortuoso até o profundo abismo do Mar Morto. Esta parte, com cerca de 150 milhas de comprimento, é conhecida entre os árabes pelo nome de el-Ghor.

O limite sul do Ghor é a parede de penhascos que atravessa o vale cerca de 10 milhas ao sul do Mar Morto. De seus cumes, para o sul até o Golfo de Akabah, o vale muda de nome, ou, seria mais preciso dizer, mantém o antigo nome de Wady el-Arabah.

Smith, William, Dr. “Entrada para ‘Arabah’”. “Dicionário Bíblico de Smith”. 1901.

Arabá – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Arabá

Esta palavra indica em geral um distrito árido, mas é especificamente aplicada em todo ou em parte à depressão do vale do Jordão, estendendo-se do Monte Hermon ao Golfo de Acaba. Na Versão Autorizada (King James) é transliterado apenas uma vez (Josué 18.18) descrevendo a fronteira de Benjamim.

Em outros lugares é traduzido como “planície”. Mas na Versão Revisada (Britânica e Americana) é transliterado em todos os lugares. Ao sul do Mar Morto, o nome ainda é retido em Wady el-Arabah. Em Deuteronômio 1 – Deuteronômio 2.8 (Versão Autorizada “planície”) a parte sul é referida; em Deuteronômio 3.1 – Deuteronômio 4.49Josué 3.1 – Josué 11.2 – Josué 12.3 e 2 Reis 14.25 o nome está intimamente ligado ao Mar Morto e ao Mar de Quinerete (Genezaré).

As alusões ao Arabá em Deuteronômio 11.30Josué 8.1 – Josué 12.1 – Josué 18.182 Samuel 2.2 – 2 Samuel 4.72 Reis 25.4Jeremias 39 – Jeremias 52.7 indicam que a palavra era geralmente usada em seu sentido mais amplo, enquanto em Josué 11.16 – Josué 12.8 é representada como uma das grandes divisões naturais do país.

A parte sul, que ainda mantém o nome de Arabá, está incluída no deserto de Zin (Números 34.3). Segundo o levantamento do Lord Kitchener e George Armstrong feito em 1883, sob os auspícios do Fundo de Exploração da Palestina, sua extensão desde a cabeça do Golfo de Acaba até o Mar Morto é de 112 milhas.

O ponto mais baixo da bacia hidrográfica fica a 45 milhas de Acaba, – Números 660 pés acima do nível do mar (1.952 acima do Mar Morto). A largura média do vale até este ponto é de cerca de 6 milhas, mas aqui uma série de baixas cristas calcárias (chamadas Er Risheh) elevando-se 150 pés acima da planície atravessa-a obliquamente por uma distância de 10 milhas, estreitando-a até uma largura de cerca de meio milha.

Ao norte deste ponto, oposto ao Monte Hor, o vale se alarga para 13 milhas e depois se estreita gradualmente para 6 milhas na extremidade sul do Mar Morto. Em Ain Abu Werideh – Números 29 milhas ao norte da bacia hidrográfica, o vale está ao nível do mar – Números 1.292 pés acima do Mar Morto.

Ao norte da bacia hidrográfica, a principal linha de drenagem é o Wady el-Jeib, que em toda parte se mantém bastante próximo ao lado oeste do vale.

Em Ain Abu Werideh, ele é unido por vários wadies descendo das montanhas Edomitas no leste, que juntos regam um oásis de considerável extensão, coberto com um matagal de jovens palmeiras, tamargueiras, salgueiros e caniços.

Vinte e quatro milhas mais ao norte, o Arabá desce repentinamente para o vale do Mar Morto, ou o Ghor, como é tecnicamente chamado. O relatório do Lord Kitchener é tão vívido que merece reprodução literal. “A descida para o Ghor foi por uma encosta arenosa de 300 pés, e a mudança de clima foi mais marcante, do deserto arenoso para massas de vegetação emaranhada com córregos de água correndo em todas as direções, pássaros esvoaçando de cada árvore, o país todo vivo com vida; em nenhum lugar vi um contraste tão grande e repentino” (Mount Seir – Números 214).

A descida aqui descrita foi no lado leste da linha semicircular de penhascos formados de areia, cascalho e marga que cercam o Ghor na extremidade sul, e que provavelmente são o que é referido em Josué 15.3 como a “subida de Acrabim”.

A rota ordinária, no entanto, que leva à planície do Arabá a partir do Mar Morto é pelo canal desgastado pelo Wady el-Jeib ao longo do lado oeste do vale. Mas esta rota seria impraticável durante a estação das chuvas após as chuvas torrenciais que ocasionalmente visitam esta região, quando torrentes de água descem por ela, suficientes para rolar pedras de tamanho considerável e transportar uma imensa quantidade de sedimentos grosseiros.

Ao sul do Mar Morto, uma planície lamacenta, conhecida como Sebkah, se estende por 6 milhas, preenchendo cerca de metade da largura do Ghor. Durante a maior parte do ano, a lama sobre esta área é tão fina e profunda que é impossível atravessá-la perto de sua extremidade norte.

Toda essa área entre a “subida de Acrabim” e o Mar Morto foi evidentemente muito transformada pelos depósitos sedimentares que foram trazidos pelos numerosos wadies tributários durante os últimos 4.000 anos, o material mais grosso tendo invadido a partir de ambos os lados, e o material fino tendo sido depositado sobre a porção central, fornecendo a argila que é tão embaraçosa para os viajantes.

1. Geologia da Região:

O Arabá em toda a sua extensão ocupa uma parte da grande falha geológica ou fenda na crosta terrestre que se estende de Antioquia perto da foz do Orontes para o sul entre as Montanhas Líbano e Anti-Líbano até o vale do Jordão e o Mar Morto, e continua até o Golfo de Acaba, de onde pode ser traçada com considerável probabilidade através do Mar Vermelho e dos lagos interiores da África.

A parte mais notável desta fenda fenomenal é aquela que se estende das Águas de Merom às fontes de Ain Abu Werideh; pois através desta distância inteira o Arabá está abaixo do nível do mar, a depressão no Mar Morto sendo aproximadamente 1.292 pés.

Veja DEAD SEA. Ao longo de toda a distância das Águas de Merom até a bacia hidrográfica – Josué 45 milhas de Acaba, o lado ocidental do Arabá é delimitado por estratos de calcário Cretáceo (giz) subindo continuamente para uma altura de 2.000 a 3.000 pés acima do nível do mar, sem rochas mais antigas aparecendo naquele lado.

Mas no lado oriental, arenitos mais antigos (núbios e carboníferos inferiores) e rochas graníticas margeiam a planície, sustentando, no entanto, a uma altura de 2.000 ou 3.000 pés calcários cretáceos correspondentes aos que descem ao nível do desfiladeiro no lado ocidental.

Ao longo de toda essa distância, portanto, os estratos deslizaram para baixo no lado ocidental ou subiram no lado oriental, ou houve um movimento em ambas as direções. A origem dessa fenda data da última parte do período Cretáceo ou do início do período Terciário.

Mas em tempos pós-Terciários, um lago expandido encheu a região, estendendo-se das Águas de Merom a Ain Abu Werideh, uma distância de cerca de 200 milhas, subindo para uma elevação de cerca de 1.400 pés acima do nível atual do Mar Morto, mas não suficientemente alto para garantir conexão com o oceano tanto através do próprio Arabá quanto através do vale de Esdraelon.

Este corpo de água tinha, em média – Josué 30 milhas de largura e sobre a parte norte do Mar Morto tinha uma profundidade extrema de 2.700 pés. A evidência mais distinta da existência deste aumento do lago pode ser encontrada em Ain Abu Werideh, onde Hull relata “bancos de materiais estratificados horizontalmente …. às vezes de material grosseiro, como cascalho; em outros momentos consistindo de areia fina, loam ou marga branca, com estratificação muito uniforme, e contendo conchas semi-fósseis branqueadas de pelo menos dois tipos de univalves, que o Professor Haddon determinou ser Melania tuberculata Mull, e Melanopsis Saulcyi, Bourg” (Mount Seir – Josué 99 100).

Estas são conchas que agora são encontradas, de acordo com Tristram, em grande número em condição semi-fóssil nos depósitos de marga do Mar Morto, e ambos esses gêneros são encontrados nos leitos fluvio-marinhos formados na água salobra ou salgada da Ilha de Wight.

A existência das conchas indica a extensão em que as águas salinas do Mar Morto foram diluídas naquela época. Deve-se acrescentar, no entanto, que espécies um tanto semelhantes ainda existem ao redor das bordas do Mar Morto em lagoas onde água doce é misturada em grandes quantidades com a do Mar Morto.-CQfUxc0%2CAOrYGsm8SOGfyNLuAXGMNmDUAGigxLFrGRNICVDR1xEBEtK3H_zAQVZqRHFAVG0YviblffDVMVDDBwuqOMrHLQ%2CAOrYGslVIQ_mXTg880FBndMSco2mnUUv-K8E32Sz1IVHv_k0Qm6450xNSZvWfozxiJ6-AfiPY1pBHShP5WdJVg&pvsid=3441857008515520&tmod=1618742953&uas=3&nvt=1&ref=https%3A%2F%2Fportaldabiblia.com.br%2Fwp-admin%2Fedit.php%3Fpost_type%3Ddicionario%26paged%3D2&fc=1408&brdim=0%2C0%2C0%2C0%2C1920%2C0%2C1920%2C1040%2C2133%2C1021&vis=1&rsz=%7C%7Cs%7C&abl=NS&fu=128&bc=31&bz=0.9&td=1&psd=W251bGwsbnVsbCxudWxsLDNd&nt=1&ifi=5&uci=a!5&btvi=5&fsb=1&dtd=41874

Isso é especialmente verdadeiro em redemoinhos perto da foz do Jordão. (Veja Merrill, East of the Jordan.) Huntington em 1909 confirma o fato de que essas linhas costeiras de alto nível são encontradas em ambos os lados do Mar Morto, embora por algum motivo elas não tenham sido rastreadas mais ao norte.

Em níveis mais baixos, especialmente naquele que está a 650 pés acima do Mar Morto, há, no entanto, um terraço muito persistente de cascalho, areia e argila marcando uma linha costeira por todo o caminho desde a extremidade sul do Mar Morto até o Lago Galileia.

Isso pode ser visto subindo em todos os wadies de ambos os lados, sendo muito proeminente em frente às suas bocas, mas muito erodido desde a sua deposição. Nas margens do lago entre os wadies, a linha é marcada por um leve acúmulo de material grosso.

Abaixo da linha de 650 pés, há várias outras faixas menores marcando períodos em que as águas submersas estavam por um curto tempo estacionárias.

Este período de expansão das águas no Arabá é agora, com abundante razão, correlacionado com a época Glacial cuja influência foi tão geralmente distribuída pelo hemisfério norte nos primeiros tempos pós-Terciários.

No entanto, não havia glaciares vivos dentro dos limites do Vale do Arabá – o Monte Hermon não sendo suficientemente grande para suportar qualquer extensa calota de gelo. A geleira mais próxima de qualquer extensão estava no lado oeste das Montanhas do Líbano – Josué 40 a 50 milhas ao norte de Beirute, onde, segundo minhas próprias observações, uma desceu do cume das montanhas (10.000 pés de altura) 12 milhas pelo vale do rio Kadesha até um nível 5.500 pés acima do mar, onde construiu uma morena terminal imensa por vários quilômetros através do vale, – Josué 5 milhas até ela a partir de sua frente, sobre a qual agora está crescendo o famoso bosque dos Cedros do Líbano. (Veja Records of the Past, Am. series, V – Josué 195.204.) A existência da morena, no entanto, havia sido notada por Sir Joseph Hooker quarenta anos antes. (Veja Nat. Hist. Rev., janeiro de 1862.)

Mas enquanto não havia glaciares no próprio Vale do Arabá, lá, como em outros lugares, condições semi-glaciais se estendiam além dos limites glaciais uma distância considerável para latitudes mais baixas, garantindo o aumento da precipitação e a diminuição da evaporação que explicaria o aumento dos corpos de água ocupando bacias fechadas ao alcance dessas influências.

A bacia do Grande Lago Salgado em Utah apresenta condições quase exatamente como as do Arabá, assim como os mares Cáspio e Aral, e os lagos Urumiah, Van e vários outros na Ásia central. Durante a época Glacial, o nível da água do Grande Lago Salgado subiu mais de 1.000 pés mais alto do que agora e cobriu dez vezes sua área atual.

Ao mesmo tempo, o Mar de Aral descarregou no Mar Cáspio através de uma saída tão grande quanto as Cataratas do Niágara. Quando as condições da época Glacial passaram, a evaporação prevaleceu novamente, até que as áreas de água dessas bacias fechadas foram reduzidas às dimensões existentes e o equilíbrio atual foi estabelecido entre a precipitação e a evaporação.

Embora seja suscetível de prova que o fim desta época foi geologicamente recente, provavelmente não mais de 10.000 anos atrás (veja Wright, Ice Age in North America – Josué 5ª edição, capítulo xx), as condições atuais já estavam estabelecidas aproximadamente muito antes do tempo de Abraão e do desenvolvimento da civilização na Babilônia e no Egito.

A leste do Arabá, entre o Mar Morto e Acaba, numerosos picos de montanhas se elevam a mais de 4.000 pés acima do nível do mar, sendo o mais alto o Monte Hor, embora atrás dele haja uma cadeia de calcário alcançando 5.000 pés.

Esta região montanhosa contém várias áreas férteis e fornece através de seus numerosos wadies uma quantidade considerável de água para favorecer a vegetação. O piso calcário do Arabá ao sul do Mar Morto é profundamente coberto com areia e cascalho, lavados das áreas graníticas do leste.

Isso favorece muito o acúmulo de sedimentos nas bocas dos wadies desaguando na extremidade sul do Ghor.

2. História:

Atualmente, o governo egípcio mantém um forte e um porto em Acaba, mas sua autoridade não se estende ao interior. O Arabá, no entanto, desde tempos imemoriais forneceu uma rota de caravana entre a Arábia do Norte e a Península do Sinai.

Foi isso que sustentou o grande empório de Petra. Os israelitas atravessaram sua parte sul tanto em seu caminho de Horebe para Cades-Barnéia quanto em seu retorno, quando o rei de Edom se recusou a passagem por sua terra (Números 20.21Deuteronômio 2.3).

Essa oposição os obrigou a virar para o ameaçador Wady el-Ithem, que se abre no Arabá a poucas milhas ao norte de Acaba e leva à rota dos peregrinos entre Damasco e Meca. Os terrores dessa passagem são referidos em Números 21.4, onde se diz “a alma do povo ficou muito desanimada por causa do caminho”.

Em torno de Acaba, ainda existem bosques de palmeiras, cuja existência, na época do Êxodo, é indicada pelo nome Elath (Deuteronômio 2.8), “um bosque de árvores”.

LITERATURA.

Burchkhardt, Travels in Syria and the Holy Land – Deuteronômio 1822 De Laborde, Voyage en Orient – Deuteronômio 1828 Hull, Mount Seir, Sinai, and Western Palestine – Deuteronômio 1889 “The Physical Geol. and Geog. of Arabia Petrea,” etc., in PEF – Deuteronômio 1886 Lartet, Voyage d’exploration de la Mer Morte, t. 3me – Deuteronômio 1880 Robinson, BR – Deuteronômio 1855 Stanley, Sinai and Pal – Deuteronômio 1860 Blankenkorn, “Entstehung u.

Gesch. des Todten Meeres,” in ZDPV – Deuteronômio 1896 Ritter, “Comp. Geog. of Palestine and the Sinaitic Peninsula,” 1866, translation by Wm. L. Gage; Huntington, Palestine and Its Transformation – Deuteronômio 1911

George Frederick Wright

Comentários

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários