Início Dicionário A Abraão

Abraão na Bíblia. Significado e Versículos sobre Abraão

56 min de leitura

Pai de muitos povos.

Pai das multidões. O verdadeiro fundador do povo hebraico.

Os judeus, quando tomavam as suas refeições, recostavam-se em leitos, apoiando-se cada um no seu braço esquerdo, e desta forma podia-se dizer que o seu vizinho próximo se reclinava no seu seio (*veja João 13.23).

Portanto, o seio de Abraão, sendo este o pai da raça hebraica, significava uma situação de grande honra e bênção depois da morte (Lucas 16.22).

A provável significação de Abrão é: o pai é engrandecido. A forma mais extensa não quer dizer coisa alguma, mas por uma semelhança de som sugere a significação hebraica de ‘pai da multidão’ (Gênesis 17.6). Fundador da nação judaica (como se vê em Josué 24.2 – 1 Reis 18.86 – Isaías 29.22 – Neemias 9.7 – etc. – Mateus 1.1 – Mateus 3.9, etc. ).

Acha-se descrita a sua vida em Gênesis 11.26 a 26.10. Terá, descendente de Sem, saiu de ‘Ur da Caldéia’ com seu filho Abrão e sua nora Sarai, e seu sobrinho Ló, para Harã, onde fixou residência, não indo, como tencionava, ‘para ir à terra de Canaã’ (Gênesis 11.31).

Depois da morte de Terá, ouviu Abraão a divina chamada, e procurou nova terra – recebeu, então, de Deus a primeira promessa com bênçãos a respeito da futura grandeza da sua descendência (Gênesis 12.1). Guiados por Deus, dirigiram-se Abraão, Sarai e Ló com os seus haveres e servos, à terra de Canaã, e vemos depois toda a família na rica planície de Moré, perto de Siquém, nas faldas dos dois famosos montes Ebal e Gerizim.

Aí edificou ele um altar ao Senhor, e recebeu a primeira promessa, clara e distinta, de que aquela terra seria dos seus descendentes (Gênesis 12.7). Depois retirou-se para outro lugar, na região montanhosa entre Betel e Ai, e aí se conservou em segurança até que a fome o levou para o Egito.

Neste país, o seu artifício com respeito a Sarai obrigou-o a uma situação humilhante perante Faraó. A sua riqueza e o seu poder já eram consideráveis. Ao voltar do Egito, ele separou-se de seu sobrinho L6 e foi habitar no vale de Manre, perto de Hebrom, a futura capital de Judá, que estava na linha de comunicação com o Egito, e nas proximidades do deserto e das terras de pastagem de Berseba.

No ataque a Quedorlaomer (Gênesis 14), Abrão já é o principal de uma pequena confederação de chefes, e bastante poderoso para perseguir o inimigo até à entrada do vale do Jordão, combatendo com bom êxito uma grande força, e libertando Ló.

E com esta vitória pôde deter por algum tempo a corrente das invasões do norte. No cap. 15 confirma-se a promessa de uma inumerável descendência em face da objeção de Abrão de que não tinha filhos – assume, então, a sua fé uma tal proeminência na teologia judaica e cristã que, dizem os autores sagrados, ‘ele creu no Senhor, e isso lhe foi imputado para justiça’ (Gênesis 16.6 – cp. Romanos 4.3 – Romanos 9.7 – Gálatas 3.6 – Tiago 2.23). É, ainda, ratificada a promessa por meio de um pacto entre o Senhor e Abrão – mas antes de cumprir-se pelo nascimento de Isaque, é a sua fé provada pela demora, e fortalecida com uma disciplina moralizadora.

Os caps. 16 a 20 contêm narrativas do nascimento de Ismael, filho de Abrão e de Hagar, que era serva de Sarai, e também a respeito da circuncisão, instituída como selo do pacto, e da mudança dos nomes de Abrão para Abraão e de Sarai para Sara.

Nesses mesmos capítulos se narra a visita dos anjos e a especial promessa de que Abraão e Sara haviam de ter um filho dentro do espaço de um ano – a intervenção de Abraão pela cidade de Sodoma – a destruição das cidades da planície – a salvadora fuga de L6 – e a se Ismael a favor do ‘filho da promessa’ (cap. 21), a história silencia por alguns anos, até que, na infância de Isaque, aparece a dura prova de fé a Abraão na ordem que recebeu para oferecer o seu filho em sacrifício (cap. 22).

Em vista do uso de sacrifícios humanos, tão generalizado entre as nações pagãs circunvizinhas, tal ordem podia ser prontamente considerada, sem qualquer repugnância, como vontade de Deus. O seguimento da narrativa nos mostra Abraão e sua fortíssima fé, com a declaração de que para o Senhor Deus de Israel era melhor a ‘obediência’ que o ‘sacrifício’.

Ainda que a vida de Abraão se tenha prolongado por 60 anos depois deste acontecimento, os únicos incidentes que se acham pormenorizados são a morte de Sara, a compra da gruta de Macpela para sepultura (cap. 23), e o casamento de Isaque com Rebeca (cap. 24).

A morte de Sara foi em Quiriate-Arba, isto é, em Hebrom, devendo por isso voltar Abraão, de Berseba, à sua antiga casa. É realmente significativo (Atos 7.5) o fato de ter sido a herança de Abraão na terra da promessa apenas um túmulo (*veja Gênesis 60.18).

Na bela história do casamento de Isaque é deveras digno de nota o ter Abraão recusado a aliança do seu filho com as idólatras de Canaã. Finalmente menciona o livro de Gênesis o seu casamento com Quetura, e a sua morte na idade de 175 anos.

O seu herdeiro Isaque, bem como o exilado Ismael, sepultaram-no ao lado de Sara na cova de Macpela. Abraão representa, no N. T., o verdadeiro ideal da religião, quer pela sua fé (Romanos 4 16 a 22), quer pelas suas obras (Tiago 2.21 a 28).

Jesus mesmo diz dele: ‘Vosso pai Abraão alegrou-se por ver o meu dia’ (João 8.56). S. Tiago (2.23) chama-lhe ‘o amigo de Deus’ (cp.Com Isaías 41.8 – 2 Crônicas 20 7), designação que entre os árabes substituiu o seu próprio nome (Kalil Allah, ou simplesmente Kalil, o Amigo).

Abraão – Dicionário Evangélico de Teologia Bíblica de Baker

Abraão

O Antigo Testamento. Este homem, cujo nome pode significar “o pai é exaltado”, foi o primeiro dos grandes patriarcas de Israel. No antigo Oriente Próximo, um patriarca era o líder ou ancestral de uma família, mas Abraão superou esse status ao se tornar o progenitor de uma nação específica, os hebreus, bem como de outros povos.

A história de sua vida (Gênesis 11.27-25:12) parece compor uma das onze tábuas mesopotâmicas que estão na base do Gênesis, e provavelmente tinha um título (“Abrão, Naor e Harã, Gênesis 11.27“) e um colofão conclusivo “estas são as gerações de”, isto é, “histórias familiares de” (Gênesis 25.12).

O material foi aparentemente compilado no tempo de Isaque em Beer-Laai-Roi (Gênesis 25.11), a unidade finalizada provavelmente compreendia um grupo de tábuas menores ligadas em série.

A data do nascimento de Abraão em Ur “dos caldeus” (isto é, sul de Ur) não é conhecida, mas pode ser calculada aproximadamente a partir de evidências arqueológicas em Bab-edh-Dhra, perto de Sodoma. Esta última foi destruída por volta de 1900 a.

C. Não sobreviveram monumentos a ele, mas descobertas em Mari, Nuzi e outros lugares mostraram que suas atividades eram consistentes com a vida mesopotâmica da Idade do Bronze Médio (cerca de 2000-1500 a.C.).

Como tal, Abraão emergiu de um contexto de alta cultura, e não era o pastor analfabeto imaginado por alguns críticos literários do século XIX.

Abraão tem profunda significância religiosa porque foi o ancestral histórico das doze tribos, a “semente de Abraão”, que regularmente descreviam o seu Deus como “o Deus de Abraão”. Por serem filhos da promessa divina (Gênesis 12.2), os israelitas eram a prova viva da existência e poder de Deus na sociedade humana.

Essa promessa geral foi especificada por meio de uma aliança entre Deus e Abraão (Gênesis 15.8-18; Gênesis 17.1-14), que forneceu aos descendentes do patriarca um grande território. Abraão deveria ser o pai de muitas nações (Gênesis 17.5), e a aliança que seria estabelecida com ele e sua descendência deveria ser perpétua.

A ideia de uma aliança, ou acordo vinculativo entre duas partes, já era familiar no início da Idade do Bronze Médio, e por acordo mútuo envolvia penalidades se um dos participantes descumprisse. Normalmente era marcada por alguma forma de ritual (Gênesis 15.9-17), que enfatizava a solenidade e significado da ocasião.

Abraão foi instruído a manter as obrigações da aliança, e como um sinal material a instituição da circuncisão foi imposta a ele e seus descendentes. Quando realizada, este procedimento constituía indicação formal de pertencimento à comunidade israelita.

Embora vindo de um contexto de politeísmo e idolatria em Ur, Abraão foi criado na fé do único Deus verdadeiro por seu pai Terá. Mas quando recebeu o chamado do Senhor em uma fase madura de sua vida, ele reconheceu que havia sido escolhido para implementar uma parte específica do plano de Deus para o destino humano.

Ele não deveria cumprir sozinho, pois o Senhor se comprometeu a ir com ele (Gênesis 12.4). Ele deveria ser consistentemente obediente à vontade de Deus, por mais difícil que isso pudesse ser, e confiar sem questionar a orientação que receberia contra o pano de fundo da estrutura da aliança.

Deve-se notar que Abraão não foi solicitado a ser obediente como condição da aliança. Em vez disso, sua resposta na fé foi baseada no que ele já sabia sobre o Deus de seus ancestrais, e era assim uma questão de livre escolha.

A importância da estrita obediência às injunções do Senhor assume destaque precoce na teologia do Antigo Testamento. Simplificando, sem submissão inquestionável às estipulações de Deus, não poderia haver nem comunhão com o Senhor nem bênçãos derramadas sobre o povo da aliança.

A fé contínua que Abraão tinha pode ser ilustrada por referência a quatro ocasiões específicas em sua vida. A primeira foi o comando de Deus para deixar tanto a família quanto a terra natal e migrar para um país estranho (Gênesis 12.1).

O rompimento dos laços emocionais certamente seria custoso, mas Abraão avançou sem questionar as diretrizes de Deus, acreditando em vez disso no poder de Deus para cumprir suas promessas.

A segunda ocasião na verdade completou a primeira, consistindo na separação de Abraão de seu sobrinho Ló (Gênesis 13.1-16) por causa do atrito entre seus pastores. Embora sem dúvida angustiado por se afastar de um parente, Abraão agiu generosamente permitindo que Ló escolhesse o território que preferisse (Gênesis 13.8-11), após o que Deus renovou suas promessas de terra e descendência ao Abraão sem filhos.

A terceira foi mais uma ocasião em que a aliança foi confirmada, desta vez em maior detalhe (Gênesis 17.1-27). Deus prometeu a Abraão um filho que seria chamado Isaque (Gênesis 17.16), e que seria o herdeiro da aliança eterna (Gênesis 17.19; Gênesis 17.21).

Parece que Abraão assumiu que Ismael funcionaria nessa capacidade, mas quando isso foi negado ele reconheceu obedientemente a vontade do Senhor e aguardou na fé o cumprimento da promessa de que todas as nações da terra seriam abençoadas nele (Gênesis 18.18).

Talvez o teste mais sério da obediência e fé de Abraão veio quando Deus ordenou que ele oferecesse em sacrifício o próprio através de quem a aliança deveria ser perpetuada: seu filho Isaque (Gênesis 22.1-2).

Deveras e sem questionar, Abraão seguiu o procedimento ritual, e no momento climático Deus interveio em favor de Isaque (Gênesis 22.11), declarando que Abraão havia passado no teste divinamente imposto de submissão e fé (Gênesis 22.12).

Por tal obediência implícita, Abraão viria a se tornar um exemplo de fidelidade à aliança. Em 2 Crônicas 20.7 (cf. Tiago 2.23) Abraão é descrito como o “amigo” de Deus. Até mesmo nos tempos do Novo Testamento, ele e Sara foram louvados como pessoas que viveram e morreram em uma atitude de fé (Hebreus 11.8-18).

O Novo Testamento. Se o plano de Deus para a salvação humana deveria ser implementado, o Senhor tinha que poder confiar naqueles a quem ele chamou e capacitou para esta tarefa. Somente após serem testados sob condições difíceis é que a confiabilidade relativa do servo se tornava aparente.

No caso de Abraão, sua fé inabalável realizou o cumprimento das promessas da aliança em termos de uma grande nação que o honraria através dos séculos como “seu pai” (João 8.39; Rom 4:16). Esse privilégio, no entanto, não deveria ser restrito aos judeus, mas também compartilhado pelos adeptos das religiões mundiais do cristianismo e do islã.

A profecia pela qual todas as famílias humanas seriam abençoadas (ou “abençoariam a si mesmas”) se concretizou na obra de Jesus Cristo, o Messias de Deus, que era o descendente há muito prometido de Abraão (Mat 1:1; Gal 3:16).

Sua morte expiatória quebrou o poder do pecado sobre os seres humanos e possibilitou que eles se reconciliassem com Deus por meio da penitência e da fé. A obra salvadora de Cristo inaugurou a nova aliança profetizada por Jeremias (31.31) e foi dada forma definitiva na igreja cristã, um corpo de crentes comprometidos em servir Jesus como rei e senhor por meio de atos de obediência e fé.

Este grupo privilegiado é abençoado pela certeza do amor de Deus e de seu poder salvador que sustentam todos aqueles que confiam nele. Mas, enquanto sendo recipiente da bênção, a igreja cristã é ordenada a cumprir responsabilidades da aliança (Mat 28:14) de uma maneira desconhecida para o povo da aliança dos tempos do Antigo Testamento. É por esse meio, no entanto, que as bênçãos abraâmicas entram em efeito quando tanto pecadores judeus quanto gentios encontram perdão e renascimento espiritual em Cristo através da proclamação do evangelho.

A fé cristã, portanto, está em uma cadeia ininterrupta de espiritualidade que desceu através dos séculos. A nova aliança na qual a igreja cristã é fundada é baseada na relação individual com Deus em Cristo, e não na resposta de um grupo como uma tribo aos comandos do Senhor.

A obra expiatória de Cristo no Calvário, alcançada por um homem tão plenamente obediente aos comandos de Deus (Filipenses 2.8) quanto Abraão jamais foi, liberou uma inundação de graça divina sobre um mundo indigno e trouxe o fruto abençoado do Espírito (Gal 5:22-23) para a vida do crente.

Paulo enfatizou que os filhos de Deus pela fé em Jesus eram de fato membros da descendência de Abraão e, portanto, herdeiros de acordo com a promessa (Gal 3:26-29). Assim, os cristãos podem falar com confiança de Abraão como “o pai dos fiéis”, e louvar um Deus misericordioso porque foi por meio de sua fidelidade em épocas remotas que nossa salvação eterna se tornou uma realidade.

Abraão, Sara, Isaque e outros não são mais imagens sombrias que, em uma época anterior de crítica bíblica, muitas vezes foram descartadas como lendárias ou até mesmo mitológicas. Em vez disso, os participantes da aliança abraâmica são vistos como pessoas reais com as quais os cristãos modernos têm o privilégio de se juntar em testemunho do poder de Deus e de seu plano de salvação por meio de Cristo.

Enquanto os cristãos podem se alegrar na realização de que as bênçãos da aliança de Abraão se tornaram suas próprias, é importante para eles lembrar que, como Jesus ensinou, os verdadeiros filhos de Abraão realizam as obras de Abraão (João 8.39).

Embora a aliança de Abraão fosse dinâmica, a mera descendência física do venerado patriarca não garantia por si só a salvação de um indivíduo, como João Batista apontou (Mat 3:9). Nem implicava que não houvesse incrédulos no antigo Israel (Ro 9:6).

Apenas aqueles membros cujas vidas manifestavam a obediência e a confiança do patriarca participariam das bênçãos da aliança. O homem que para Paulo era o exemplo de fé (Rom 4:16-22; Gal 3:6-12) foi entendido por Tiago como demonstração de que a justificação pela fé é comprovada em obras que emanam de tal fé (Jas 2:20-24).

No entanto, a ênfase está sobre a natureza genuína da fé, em vez de tais feitos que possam resultar.

R. K. Harrison

Abraão – Dicionário Bíblico de Easton

Abraão

Pai exaltado.

Pai de uma multidão, filho de Terá, nomeado (Gênesis 11.27) antes de seus irmãos mais velhos Naor e Harã, porque ele era o herdeiro das promessas. Até a idade de setenta anos, Abrão permaneceu entre seus parentes em sua terra natal da Caldeia.

Ele então, com seu pai e sua família e agregados, deixou a cidade de Ur, onde até então morava, e foi cerca de 300 milhas ao norte para Harã, onde habitou quinze anos. A causa de sua migração foi um chamado de Deus (Atos 7.2-4).

Não há menção desse primeiro chamado no Antigo Testamento; está implícito, entretanto, em Gênesis 12 Enquanto demoravam em Harã, Terá morreu aos 205 anos de idade. Abrão agora recebeu um segundo e mais definido chamado, acompanhado de uma promessa de Deus (Gênesis 12.1 Gênesis 12.2); após o que ele partiu, levando consigo seu sobrinho Ló, “sem saber para onde ia” (Hebreus 11.8).

Ele confiou implicitamente na orientação dAquele que o havia chamado.

Abrão agora, com uma grande casa de provavelmente mil almas, adotou uma vida migratória e morou em tendas. Passando pelo vale do Jaboque, na terra de Canaã, ele formou seu primeiro acampamento em Siquém (Gênesis 12.6), no vale ou bosque de carvalhos de Moreh, entre Ebal ao norte e Gerizim ao sul.

Aqui ele recebeu a grande promessa, “De ti farei uma grande nação,” etc. (Gênesis 12.2 Gênesis 12.3 Gênesis 12.7). Essa promessa compreendia não apenas bênçãos temporais, mas também espirituais. Implicava que ele era o ancestral escolhido do grande Libertador cuja vinda fora predita muito tempo antes (Gênesis 3.15).

Logo depois disso, por alguma razão não mencionada, ele mudou sua tenda para a região montanhosa entre Betel, então chamada Luz, e Ai, cidades separadas por cerca de dois quilômetros, onde ele construiu um altar para “Jeová”.

Ele se mudou novamente para a região sul da Palestina, chamada pelos hebreus de Neguebe; e finalmente, por causa de uma fome, foi obrigado a descer ao Egito. Isso ocorreu no tempo dos Hicsos, uma raça semítica que agora mantinha os egípcios em servidão.

Aqui aconteceu aquele caso de decepção por parte de Abrão que o expôs à repreensão do Faraó (Gênesis 12.18). Sarai foi restaurada a ele; e o Faraó o carregou de presentes, recomendando-lhe que se retirasse do país.

Ele retornou a Canaã mais rico do que quando saiu, “em gado, em prata e em ouro” (Gênesis 12.8; Gênesis 13.2. Compare Salmos 105.13 Salmos 105.14). Todo o grupo então se moveu para o norte e retornou à sua estação anterior perto de Betel.

Aqui surgiram disputas entre os pastores de Ló e os de Abrão sobre água e pastagem. Abrão generosamente deu a Ló sua escolha do terreno de pastagem. Ele escolheu a planície bem irrigada na qual Sodoma estava situada e se mudou para lá; e assim o tio e o sobrinho foram separados.

Imediatamente após isso, Abrão foi confortado pela repetição das promessas já feitas a ele, e então se mudou para o bosque ou “bosque de carvalhos” de Manre, que fica em Hebrom. Ele finalmente se estabeleceu aqui, armando sua tenda sob um famoso carvalho ou árvore de terebinto, chamado “o carvalho de Manre” (Gênesis 13.18).

Este foi seu terceiro local de descanso na terra.

Cerca de quatorze anos antes disso, enquanto Abrão ainda estava na Caldeia, a Palestina foi invadida por Quedorlaomer, rei de Elão, que subjugou as cinco cidades da planície para as quais Ló havia se mudado.

Esse tributo foi sentido pelos habitantes dessas cidades como um pesado fardo, e após doze anos eles se revoltaram. Isso trouxe sobre eles a vingança de Quedorlaomer, que tinha em liga com ele outros quatro reis.

Ele devastou todo o país, saqueando as cidades e levando os habitantes como escravos. Entre os assim tratados estava Ló. Ao saber do desastre que havia caído sobre seu sobrinho, Abrão imediatamente reuniu de sua própria casa uma banda de 318 homens armados, e sendo acompanhado pelos chefes amorreus Manre, Aner e Escol, perseguiu Quedorlaomer e o alcançou perto das fontes do Jordão.

Eles atacaram e derrotaram seu exército, e o perseguiram pela cordilheira de Anti-Líbano até Hobá, perto de Damasco, e então voltaram, trazendo de volta todos os despojos que haviam sido levados. Voltando pelo caminho de Salém, isto é, Jerusalém, o rei daquele lugar, Melquisedeque, veio ao encontro deles com refrescos.

A ele Abrão apresentou o dízimo dos despojos, em reconhecimento de seu caráter como sacerdote do Deus Altíssimo (Gênesis 14.18-20).

Em uma tábua recentemente descoberta, datada do reinado do avô de Amrafel (Gênesis 14.1), uma das testemunhas é chamada “o amorreu, filho de Abiramu”, ou Abrão.

Tendo retornado ao seu lar em Manre, as promessas já feitas a ele por Deus foram repetidas e ampliadas (Gênesis 13.14). “A palavra do Senhor” (expressão que ocorre aqui pela primeira vez) “veio a ele” (Gênesis 15.1).

Ele agora entendia melhor o futuro que estava diante da nação que deveria surgir dele. Sarai, agora com setenta e cinco anos, em sua impaciência, persuadiu Abrão a tomar Agar, sua serva egípcia, como concubina, pretendendo que qualquer criança que nascesse fosse considerada como sua própria.

Ismael foi assim criado e foi considerado o herdeiro dessas promessas (Gênesis 16). Quando Ismael tinha treze anos, Deus revelou ainda mais explicitamente e completamente seu propósito gracioso; e como sinal da certeza do cumprimento desse propósito, o nome do patriarca foi mudado de Abrão para Abraão (Gênesis 17.4 Gênesis 17.5), e o rito da circuncisão foi instituído como sinal da aliança.

Foi então anunciado que o herdeiro dessas promessas da aliança seria o filho de Sarai, embora ela agora tivesse noventa anos; e foi determinado que seu nome deveria ser Isaque. Ao mesmo tempo, em comemoração às promessas, o nome de Sarai foi mudado para Sara.

Naquele dia memorável em que Deus revelou seu projeto, Abraão e seu filho Ismael e todos os machos de sua casa foram circuncidados (Gênesis 17). Três meses depois disso, enquanto Abraão estava sentado na porta de sua tenda, ele viu três homens se aproximando.

Eles aceitaram a hospitalidade oferecida e, sentados sob um carvalho, participaram da comida que Abraão e Sara providenciaram. Um dos três visitantes era nada menos que o Senhor, e os outros dois eram anjos disfarçados de homens.

O Senhor renovou nesta ocasião sua promessa de um filho por Sara, que foi repreendida por sua incredulidade. Abraão acompanhou os três enquanto prosseguiam em sua jornada. Os dois anjos seguiram em direção a Sodoma; enquanto o Senhor se demorou atrás e conversou com Abraão, fazendo-lhe conhecer a destruição que estava prestes a cair sobre aquela cidade culpada.

O patriarca intercedeu fervorosamente em favor da cidade condenada. Mas como nem mesmo dez pessoas justas foram encontradas nela, pelas quais a cidade teria sido poupada, a destruição ameaçada caiu sobre ela; e no início da manhã seguinte Abraão viu a fumaça do fogo que a consumiu como a “fumaça de uma fornalha” (Gênesis 19.1-28).

Após quinze anos residindo em Mamre, Abraão mudou-se para o sul e armou sua tenda entre os filisteus, perto de Gerar. Aqui ocorreu aquele triste exemplo de prevaricação da parte dele em relação a Abimeleque, o rei (Gênesis 20).

Logo após este evento, o patriarca deixou as proximidades de Gerar e desceu pelo fértil vale cerca de 25 milhas até Berseba. Provavelmente foi aqui que Isaque nasceu, sendo Abraão agora com cem anos de idade.

Um sentimento de ciúmes surgiu entre Sara e Hagar, cujo filho, Ismael, não seria mais considerado como herdeiro de Abraão. Sara insistiu que tanto Hagar quanto seu filho fossem mandados embora. Isso foi feito, apesar de ser uma dura prova para Abraão (Gênesis 21.12).

Neste ponto há uma lacuna na história do patriarca de talvez vinte e cinco anos. Esses anos de paz e felicidade foram passados em Berseba. A próxima vez que o vemos, sua fé é posta a um severo teste pelo comando que lhe veio subitamente para ir e oferecer Isaque, o herdeiro de todas as promessas, como um sacrifício em uma das montanhas de Moriá.

Sua fé resistiu ao teste (Hebreus 11.17-19). Ele procedeu em um espírito de obediência inquestionável para realizar o comando; e quando estava prestes a matar seu filho, que ele havia colocado sobre o altar, sua mão erguida foi detida pelo anjo de Jeová, e um carneiro, que estava preso em um arbusto por perto, foi capturado e oferecido em seu lugar.

Desse acontecimento aquele lugar foi chamado Jeová-jiré, ou seja, “O Senhor proverá”. As promessas feitas a Abraão foram novamente confirmadas (e esta foi a última palavra registrada de Deus ao patriarca); e ele desceu o monte com seu filho e voltou para sua casa em Berseba (Gênesis 22.19), onde residiu por alguns anos e depois se mudou para o norte, para Hebrom.

Alguns anos depois disso, Sara morreu em Hebrom, aos 127 anos de idade. Abraão adquiriu então a posse necessária de um lugar de sepultamento, a caverna de Macpela, por compra de seu dono, Efrom, o hitita (Gênesis 23); e lá ele enterrou Sara.

Seu próximo cuidado foi providenciar uma esposa para Isaque, e para esse propósito enviou seu mordomo, Eliezer, a Harã, onde residiam seu irmão Naor e sua família (Atos 7.2; Gênesis 11.31). O resultado foi que Rebeca, filha de Betuel, filho de Naor, tornou-se esposa de Isaque (Gênesis 24).

Abraão então tomou para si mesmo uma esposa, Quetura, que se tornou mãe de seis filhos, cujos descendentes foram posteriormente conhecidos como “filhos do oriente” (Juízes 6.3) e mais tarde como “Saracenos”.

Finalmente todas as suas andanças chegaram ao fim. Com a idade de 175 anos – Juízes 100 anos depois de ter entrado pela primeira vez na terra de Canaã, ele morreu e foi enterrado no antigo local de sepultamento da família em Macpela (Gênesis 25.7-10).

A história de Abraão causou uma ampla e profunda impressão no mundo antigo, e referências a ela estão entrelaçadas nas tradições religiosas de quase todas as nações orientais. Ele é chamado de “amigo de Deus” (Tiago 2.23), “Abraão fiel” (Gálatas 3.9), “pai de todos nós” (Romanos 4.16).

Easton, Matthew George. “Entrada para Abraão”. “Dicionário Bíblico de Easton”.

Abraão – Dicionário de Nomes Bíblicos de Hitchcock

Abraão

alto pai

Pai de uma grande multidão

Hitchcock, Roswell D. “Entrada para ‘Abraão’”. “Um Dicionário Interpretativo de Nomes Próprios da Escritura”. Nova Iorque, N.Y. – Romanos 1869

Abraão – Dicionário Bíblico de Smith

Abraão

(um alto pai), o nome anterior de Abraão.

(pai de uma multidão) era filho de Terá e fundador da grande nação hebraica. (1996-1822 a.C.) Sua família, um ramo dos descendentes de Sem, estava estabelecida em Ur dos Caldeus, além do Eufrates, onde Abraão nasceu.

Terá tinha outros dois filhos, Naor e Harã. Harã morreu antes de seu pai em Ur dos Caldeus, deixando um filho, Ló; e Terá, levando consigo Abrão, com Sarai sua esposa e seu neto Ló, emigrou para Harã na Mesopotâmia, onde ele morreu.

Após a morte de seu pai, Abrão, então no 75º ano de sua idade, com Sarai e Ló, seguiu seu caminho para a terra de Canaã, para onde foi direcionado por comando divino, Gênesis 12.5 quando recebeu a promessa geral de que se tornaria o fundador de uma grande nação, e que todas as famílias da terra seriam abençoadas nele.

Ele passou pelo coração do país pela grande estrada até Siquém e armou sua tenda sob o carvalho de Moré. Gênesis 12.6 Aqui ele recebeu em visão de Jeová a revelação adicional de que esta era a terra que seus descendentes herdariam.

Gênesis 12.7 O próximo local de parada do viajante foi em um monte entre Betel e Ai, Gênesis 12.8 mas o país estava sofrendo de fome, e Abrão viajou ainda mais ao sul para as ricas terras de trigo do Egito.

Lá, temendo que a grande beleza de Sarai pudesse tentar o poderoso monarca do Egito e expor sua própria vida ao perigo, ele combinou que Sarai deveria se apresentar como sua irmã, o que sua relação real com ele, como provavelmente a filha de seu irmão Harã, permitia que ela fizesse com alguma aparência de verdade.

Mas sua beleza foi relatada ao rei, e ela foi levada para o harém real. A decepção foi descoberta, e o Faraó com alguma indignação dispensou Abrão do país. Gênesis 12.10-20 Ele deixou o Egito com grandes posses, e, acompanhado por Ló, retornou pelo sul da Palestina ao seu antigo acampamento entre Betel e Ai.

A riqueza aumentada dos dois parentes foi a causa final de sua separação. Ló escolheu a planície fértil do Jordão perto de Sodoma, enquanto Abrão armou sua tenda entre os bosques de Manre, perto de Hebrom.

Gênesis 13.1 … Ló com sua família e posses tendo sido levados cativos por Quedorlaomer rei de Elão, que havia invadido Sodoma, Abrão perseguiu os conquistadores e os derrotou completamente não muito longe de Damasco.

Os cativos e o saque foram todos recuperados, e Abrão foi saudado em seu retorno pelo rei de Sodoma e por Melquisedeque rei de Salém, sacerdote do Deus Altíssimo, que misteriosamente aparece em cena para abençoar o patriarca e receber dele o dízimo do despojo.

Gênesis 14.1 … Após isso, a promessa triplamente repetida de que seus descendentes se tornariam uma grande nação e possuiriam a terra na qual ele era estrangeiro foi confirmada com toda a solenidade de uma cerimônia religiosa.

Gênesis 15.1 … Dez anos haviam se passado desde que ele havia deixado a casa de seu pai, e o cumprimento da promessa parecia mais distante do que no início. Por sugestão de Sarai, que desesperava de ter filhos próprios, ele tomou como concubina Hagar, sua serva egípcia, que lhe deu Ismael aos 86 anos de idade.

Gênesis 16.1 … Mas este não foi o cumprimento da promessa. Treze anos se passaram, durante os quais Abrão ainda morava em Hebrom, quando a aliança foi renovada e o rito da circuncisão estabelecido como seu sinal.

Esta crise mais importante na vida de Abrão, quando ele tinha 99 anos, é marcada pela mudança significativa de seu nome para Abraão, “pai de uma multidão”; enquanto o nome de sua esposa de Sarai passou a ser Sara.

A promessa de que Sara teria um filho foi repetida na cena notável descrita em cap. 18. Três homens se colocaram diante de Abraão enquanto ele estava sentado na porta de sua tenda no calor do dia. O patriarca, com verdadeira hospitalidade oriental, acolheu os estranhos e pediu que descansassem e se refrescassem.

A refeição terminou, eles predisseram o nascimento de Isaque e seguiram seu caminho para Sodoma. Abraão os acompanhou e é representado como interlocutor em um diálogo com Jeová, no qual ele suplicou em vão para evitar a vingança ameaçada às cidades devotadas da planície.

Gênesis 18.17-33 Em contraste notável com a firme fé de Abraão em relação às magníficas fortunas de sua posteridade está o incidente que ocorreu durante sua residência temporária entre os filisteus em Gerar, para onde ele havia se mudado após a destruição de Sodoma.

Foi quase uma repetição do que aconteceu no Egito alguns anos antes. Finalmente, Isaque, a criança há tanto esperada, nasceu. O ciúme de Sara despertado pela zombaria de Ismael no “grande banquete” que Abrão fez para celebrar o desmame de seu filho, Gênesis 21.9 exigiu que, com sua mãe Hagar, ele fosse expulso.

Gênesis 21.10 Mas a prova mais severa de sua fé ainda estava por vir. Por um longo período a história fica quase em silêncio. Finalmente, ele recebe o estranho comando de pegar Isaque, seu único filho, e oferecê-lo em holocausto em um local designado.

Abraão não hesitou em obedecer. Sua fé, até então inabalável, o sustentou nessa prova final, “considerando que Deus era capaz de ressuscitar seu filho, mesmo dentre os mortos, de onde também o recebeu em figura.” Hebreus 11.19 O sacrifício foi interrompido pelo anjo de Jeová, a promessa de bênção espiritual feita pela primeira vez, e Abraão com seu filho voltou para Berseba, e por algum tempo morou lá.

Gênesis 22.1 … Mas encontramos ele, depois de alguns anos, em sua residência original em Hebrom, pois lá Sara morreu, Gênesis 23.2 e foi enterrada na caverna de Macpela. Os anos restantes da vida de Abraão são marcados por poucos incidentes.

Após o casamento de Isaque com Rebeca e sua mudança para Laai-Roi, Abraão casou-se com Quetura, com quem teve seis filhos, Zinrã, Joquã, Medã, Midiã, Isbaque e Suá, que se tornaram ancestrais de tribos nômades habitando os países ao sul e sudeste de Palestina.

Abraão viveu para ver a realização gradual da promessa no nascimento de seus netos Jacó e Esaú, e testemunhou seu crescimento até a idade adulta. Gênesis 25.26 Aos 175 anos de idade, foi “recolhido ao seu povo” e colocado ao lado de Sara no túmulo de Macpela por seus filhos Isaque e Ismael.

Gênesis 25.7-10

Smith, William, Dr. “Entrada para ‘Abraão’”. “Dicionário da Bíblia de Smith”. 1901.

Abraão

Abraão

  1. Nascimento. Ele nasceu em Ur dos Caldeus e era descendente direto de Sem (Gênesis 11.10-32).
  2. Data. Há uma dificuldade na cronologia neste ponto. Minha solução para esta questão é a única que harmoniza com todos os fatos e datas apresentados no livro de Gênesis. Quando você reflete que era costume naquelas épocas, no desenvolvimento do plano de Deus, deslocar o mais velho pelo mais novo, a questão se torna mais clara. Isso aconteceu com
    1. Caim e Abel (Gênesis 4.1-7Gênesis 4.25).Isaque e Ismael (Gênesis 16.1Gênesis 16.2Gênesis 16.16Gênesis 17.18-21Gênesis 21.1-5).Jaco e Esaú (Gênesis 25.19-26).Efraim e Manassés (Gênesis 48.14-19).
    Abraão era o mais jovem, pois tinha apenas setenta e cinco anos quando seu pai morreu (Gênesis 11.32Gênesis 12.4Atos 7.1-5). Portanto, que Terá tinha setenta anos quando seu primeiro filho nasceu; e por outras considerações enumeradas acima, ele tinha cerca de cento e trinta anos quando Abraão nasceu. Sara era meia-irmã de Abraão (Gênesis 20.12), sem dúvida nascida do segundo casamento de Terá. Havia apenas uma diferença de dez anos entre suas idades (Gênesis 17.17). Se Abraão fosse o primogênito de Terá, ele teria cento e trinta e cinco anos quando Terá morreu, e seria necessário mudar os números em referência a Sara e fazê-la ter cento e vinte e cinco anos naquele momento! Além disso, está declarado que Abraão estava há onze anos em Canaã quando Ismael nasceu (Gênesis 16.1-16). Isso teria feito Sara (125 + 11 = 136) ter cento e trinta e seis anos no nascimento de Ismael. Isaque nasceu catorze anos após Ismael (Gênesis 16.16Gênesis 21.1-5), portanto isso não teria dado chance para Isaque ter nascido, pois Sara viveu apenas cento e vinte e sete anos (Gênesis 23.1)!Concluímos, portanto, que Abraão nasceu dois mil e oito anos após a criação de Adão (Gênesis 5.3-32Gênesis 7.6Gênesis 7.11Gênesis 11.1-26).
  3. Seu Chamado. O Senhor falou pela primeira vez com ele em Ur dos Caldeus (Gênesis 12.1Atos 7.1-5).
  4. As Promessas. Deus lhe deu duas grandes promessas,
    1. que dele faria uma grande nação, o abençoaria, engrandeceria seu nome, o faria uma bênção, abençoaria aqueles que o abençoassem e amaldiçoaria aqueles que o amaldiçoassem;
    2. que nele todas as famílias da terra seriam abençoadas (Gênesis 12.1-3).
    Estas promessas foram posteriormente renovadas no Monte Moriá (Gênesis 22.1-18). Estas promessas foram cumpridas subsequentemente em,
    1. a aliança dedicada no Monte Sinai (Êxodo 24.1-8),
    2. a nova aliança (Gálatas 4.22-31).

Abraão – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Abraão

  • Nome.
    1. Formas Variadas: No Antigo Testamento, quando aplicado ao patriarca, o nome aparece como ‘abhram, até Gênesis 17.5; a partir daí sempre como ‘abhraham. Duas outras pessoas são chamadas de ‘abhiram. A identidade desse nome com ‘abhram não pode ser duvidada em vista da variação entre ‘abhiner e ‘abhner, ‘abhishalom e ‘abhshalom, etc. Abraham também aparece na lista de Karnak de lugares conquistados por Sheshonk I: ‘brm (nº 72) representa ‘abram, com o qual Spiegelberg propõe conectar o nome anterior (de modo que tudo seria lido como “o campo de Abram”). Fora da Palestina, este nome (Abiramu) foi encontrado exatamente onde, pela tradição bíblica, esperaríamos encontrá-lo, ou seja, na Babilônia (por exemplo, em um contrato do reinado de Apil-Sin, segundo predecessor de Hamurabi; também para a tia (!) de Esarhaddon 680-669 a.C.). Ungnad encontrou recentemente, entre documentos de Dilbat datando da dinastia Hammurabi, nas formas A-ba-am-ra-ma, A-ba-am-ra-am, bem como A-ba-ra-ma.
  • Etimologia: Até essa última descoberta da forma histórica aparentemente completa do equivalente babilônico, o melhor que se poderia fazer com a etimologia era tornar o primeiro constituinte “pai de” (construto -i em vez de sufixo -i), e o segundo constituinte “Ram”, um nome próprio ou uma abreviação de um nome. Mas a escrita cuneiforme completa do nome, com a terminação de caso am, indica que o substantivo “pai” está no acusativo, governado pelo verbo que fornece o segundo componente, e que esse verbo, portanto, é provavelmente ramu (= hebraico racham) “amar”, etc.; de modo que o nome significaria algo como “ele ama o (seu) pai”. Analogia prova que isso está na moda babilônica do período, e que, a julgar pelas várias escritas deste e de nomes semelhantes, sua pronúncia não estava longe de ‘abh-ram.
  • Associação: Enquanto o nome assim não é “hebreu” em origem, ele se fez completamente em casa entre os hebreus, e aos seus ouvidos transmitiu associações bastante diferentes de sua significação etimológica. “Etimologia popular” aqui, como tantas vezes, sem dúvida levou o hebreu a ouvir em ‘abh-ram, “pai exaltado”, uma designação consonante com a significância nacional e religiosa do patriarca. Na forma ‘abh-raham seu ouvido captou o eco de alguma raiz (talvez r-h-m; compare o árabe ruham, “multidão”) ainda mais sugestiva da extensa prole do patriarca, a razão (“por”) que acompanha a mudança de nome em Gênesis 17.5 sendo pretendida apenas como um eco verbal do sentido no som. Esta forma mais longa e comum é possivelmente uma variação dialetal da forma mais curta, uma variação para a qual há analogias na gramática semítica comparativa. No entanto, também é possível que as duas formas sejam nomes diferentes, e que ‘abh-raham seja etimologicamente, e não apenas por associação de som, “pai de uma multidão” (como acima).
  • Família. Gênesis 11.27, que introduz Abraão, contém o título, “Estas são as gerações de Terah.” Toda a história de Abraão está contida dentro da seção de Gênesis assim intitulada. Através de Terah, a ascendência de Abraão é traçada de volta a Shem, e ele é assim relacionado às famílias mesopotâmicas e árabes que pertenciam à raça “semita”. Ele é ainda conectado com esta raça geograficamente por seu local de nascimento, que é dado como ‘ur-kasdim, e pelo lugar de sua residência pré-canaanita, Haran na região arameia. A pura ascendência semita de seus descendentes através de Isaac é indicada por seu casamento com sua própria meia-irmã (Gênesis 20.12), e ainda mais enfatizada pela escolha de sua nora de Rebeca, descendente de ambos seus irmãos, Naor e Haran (Gênesis 11.2Gênesis 22.22 f). Tanto o início quanto o fim da residência em Haran são deixados cronologicamente indeterminados, pois o novo começo da narrativa em Gênesis 12.1 não é pretendido pelo escritor para indicar sequência cronológica, embora tenha sido assim entendido, por exemplo, por Estêvão (Atos 7.4). Tudo o que é definitivo em termos de tempo é que um período arameu de residência interveio entre a origem babilônica e a carreira palestina de Abraão. É deixado para uma comparação dos dados bíblicos uns com os outros e com os dados da arqueologia, para fixar o início da carreira de Abraão na Palestina não muito longe do meio do século XX a.C.
  • Carreira.Brevemente resumida, essa carreira foi a seguinte.
    1. Período de Errância: Abraão, dotado com a promessa de Yahweh de bênção ilimitada, deixa Haran com Ló, seu sobrinho, e todo o seu estabelecimento, e entra em Canaã. Etapas sucessivas da lenta jornada para o sul são indicadas pela menção de Shechem, Betel e o Neguebe (Sul-país). Impulsionado pela fome para o Egito, Abraão encontra recepção hospitaleira, embora ao preço da honra de sua esposa, a qual o Faraó trata de maneira característica de um monarca egípcio. Retornando o caminho para Canaã com um trem aumentado, em Betel Abraão e Ló acham necessário separar-se. Ló e seus dependentes escolhem para residência a grande Depressão Jordânica; Abraão segue a espinha dorsal da terra para o sul até Hebron, onde se estabelece, não na cidade, mas diante de seus portões “pelos grandes árvores” (Septuaginta sing., “carvalho”) de Mamre.
  • Período de Residência em Hebron: Afiliação entre Abraão e os chefes locais é fortalecida por uma breve campanha, na qual todos unem suas forças disponíveis para o resgate de Ló de um rei elamita e seus confederados da Babilônia. A perseguição os leva até a região do Líbano. No retorno, eles são recebidos por Melquisedeque, rei de Salém, sacerdote de ‘el `elyon, e abençoados por ele em sua capacidade sacerdotal, que Abraão reconhece apresentando-lhe um dízimo dos despojos. A ansiedade de Abraão por um filho para ser o portador das promessas divinas conferidas a uma “semente” ainda não nascida deveria ter sido aliviada pela renovação solene da mesma em uma aliança formal, com especificações precisas do propósito gracioso de Deus. Mas o desejo humano não pode esperar pela sabedoria divina, e a mulher egípcia Hagar dá a Abraão um filho, Ismael, cuja existência desde seu início prova ser uma fonte de mal moral dentro do lar patriarcal. O sinal da circuncisão e a mudança de nomes são dados em confirmação da aliança ainda não realizada, juntamente com a especificação do tempo e da pessoa que deveria começar sua realização. A teofania que simbolizou exteriormente este clímax do favor Divino serve também para um colóquio intercessório, no qual Abraão é concedido a libertação de Ló no iminente aniquilamento de Sodoma. Ló e sua família, salvos assim por fidelidade humana e clemência Divina, exibem nos traços morais mostrados em sua fuga e vida subsequente a degeneração naturalmente esperada de seu ambiente corrupto. Moabitas e Amonitas são rastreados em sua origem a esses primos de Jacó e Esaú.
  • Período de Residência no Neguebe: A remoção para o Sul-país não significou residência permanente em um único local, mas sim uma sucessão de locais de descanso mais ou menos temporários. O primeiro destes foi no distrito de Gerar, com cujo rei, Abimeleque, Abraão e sua esposa tiveram uma experiência semelhante à anterior com o Faraó. O nascimento de Isaque foi seguido pela expulsão de Ismael e sua mãe, e a selagem de relações pacíficas com os vizinhos por aliança em Berseba. Mesmo o nascimento de Isaque, no entanto, não encerrou a disciplina da fé de Abraão na promessa, pois um comando Divino para sacrificar a vida deste filho foi aceito de boa fé, e apenas a súbita interposição de uma proibição Divina impediu sua execução obediente. A morte de Sara tornou-se a ocasião para a aquisição de Abraão da primeira posse permanente do solo palestino, o núcleo de sua herança prometida, e ao mesmo tempo sugeriu a provável aproximação de sua própria morte. Este pensamento levou à provisão imediata para uma futura semente herdar através de Isaque, uma provisão realizada no casamento de Isaque com Rebeca, neta do irmão de Abraão, Naor, e de Milca, a irmã de Ló. Mas uma prole numerosa não associada com a promessa cresceu na casa de Abraão, filhos de Quetura, uma mulher que parece ter tido a posição de esposa após a morte de Sara, e de outras mulheres não nomeadas, que eram suas concubinas. Embora este último período fosse passado no Neguebe, Abraão foi sepultado em Hebrom em sua posse comprada, o local com o qual a tradição semítica continuou a associá-lo até hoje.
  • Condições de Vida. A vida de Abraão em suas características externas pode ser considerada sob os seguintes tópicos:
    1. Condições Econômicas: O modo de vida de Abraão pode ser melhor descrito pelo adjetivo “semi-nômade” e ilustrado pelas condições um tanto semelhantes prevalecentes hoje nessas comunidades de fronteira do Oriente que margeiam os desertos sírio e árabe. A residência é em tendas, a riqueza consiste em rebanhos, manadas e escravos, e não há propriedade de terra, apenas no máximo uma propriedade em poço ou túmulo. Tudo isso em comum com o nômade. Mas há uma fixidez relativa, ou melhor, intermitente de habitação, ao contrário do puro beduíno, uma quantidade limitada de agricultura, e finalmente um senso de divergência do tipo Ismael–tudo o que tende a assimilar o semi-nômade Abraão à população cananeia fixa ao seu redor. Como era de se esperar, tal condição é um equilíbrio instável, que tende, na família de Abraão como na história de todas as tribos de fronteira do deserto, a se estabelecer de uma forma ou de outra, ora na vida urbana de Ló, ora na vida no deserto de Ismael.
  • Condições Sociais: O chefe de uma família, nessas condições, torna-se ao mesmo tempo o chefe de uma tribo, que vive junta sob o governo patriarcal, embora eles de modo algum compartilhem sem exceção o laço de parentesco. As relações familiares retratadas em Gênesis estão de acordo e são iluminadas pelas características sociais do Código de Hamurabi. Há uma esposa legal, Sara, que, porque persistentemente sem filhos, obtém a prole desejada dando sua própria serva a Abraão para esse propósito (compare Código de Hamurabi, seções 14 – Atos 146). O filho assim nascido, Ismael, é o filho legal e herdeiro de Abraão. Quando Isaque é posteriormente nascido por Sara, o filho mais velho é deserdado por comando divino (Gênesis 21.10-12) contra o desejo de Abraão, que representava a lei e o costume predominantes (Código de Hamurabi, seções 168 f). As “servas” mencionadas nos inventários da riqueza de Abraão (Gênesis 12.1Gênesis 24.35) sem dúvida forneceram as “concubinas” mencionadas em Gênesis 25.6 como tendo gerado filhos para ele. Ambas mães e crianças eram escravas, mas tinham o direito à liberdade, embora não à herança, na morte do pai (Código de Hamurabi, seção 171). Após a morte de Sara, outra mulher parece ter sucedido à posição de esposa legal, embora, se assim for, os filhos que ela gerou foram deserdados como Ismael (Gênesis 25.5). Além das crianças assim geradas por Abraão, os “homens de sua casa” (Gênesis 17.27) consistiam em duas classes, os escravos “nascidos em casa” (Gênesis 14.1Gênesis 17.12,23,27) e os escravos “comprados” (ibidem). A extensão da tribo patriarcal pode ser presumida pelo número (318) de homens entre eles capazes de portar armas, perto do início da carreira de Abraão, ainda após sua separação de Ló, e recrutados aparentemente da classe “nascidos em casa” exclusivamente (Gênesis 14.14). Sobre todo este estabelecimento Abraão governou com um poder mais, em vez de menos, absoluto do que aquele exibido em detalhes no Código de Hamurabi: mais absoluto, porque Abraão era independente de qualquer autoridade superior permanente, e assim combinava em sua própria pessoa os poderes do paterfamilias babilônico e do rei da cidade cananeia. As relações sociais fora da família-tribo podem ser melhor consideradas sob o próximo tópico.
  • Condições Políticas: É natural que o chefe de um organismo tão considerável apareça como um aliado atraente e um inimigo formidável para qualquer uma das unidades políticas menores de seu ambiente. Que Canaã era na época composta de justamente tais unidades insignificantes, ou seja, cidades-estados com reis insignificantes e fragmentos dispersos de populações mais antigas, é abundantemente claro pela tradição bíblica e verificado de outras fontes. O Egito era a única grande potência com a qual Abraão entrou em contato político depois de deixar o Oriente. Na seção de Gênesis que descreve esse contato com o Faraó, Abraão é adequadamente representado como não desempenhando nenhum papel político, mas como lucrando com sua estadia no Egito apenas através de uma relação social incidental: quando esta termina, ele é prontamente ejetado. O papel de conquistador de Quedorlaomer, o invasor elamita, seria bastante incompatível com o status político de Abraão em outros lugares, se fôssemos obrigados pela narrativa em Gênesis 14 a supor uma batalha campal entre as forças de Abraão e as dos exércitos babilônicos unidos. O que esse capítulo exige é de fato nada mais do que uma surpresa noturna, pela banda de Abraão (incluindo as forças de chefes confederados), de uma guarda traseira ou trem de bagagem dos babilônios inadequadamente guarnecidos e vigiados (“Massacre” é uma tradução muito forte do original hakkoth, “golpeando” – Gênesis 14.17) O respeito mostrado a Abraão pelos reis de Salém (14:18), de Sodoma (14:21) e de Gerar (Gênesis 20.14-16) não era mais do que se poderia esperar de seus graus relativos de importância política, embora uma precedência moral, assumida na tradição, possa bem ter contribuído para esse respeito.
  • Condições Culturais: Pesquisas arqueológicas recentes revolucion

    Por parte do homem, além da obediência aos requisitos morais de Yahweh e comandos especiais, esperava-se que a expressão de sua natureza religiosa se manifestasse em sacrifício. A prática diligente de trazer oferendas à divindade foi praticada por Abraão, como indicado pela menção da construção de um altar em cada residência sucessiva.

    Ao lado desse ato de sacrifício, há às vezes menção de um “invocar o nome” de Yahweh (compare 1 Reis 18.24; Salmos 116.13). Essa publicação de sua fé, sem dúvida na presença dos cananeus, tinha seu contraponto também no respeito público pelo qual ele era mantido como um “profeta” ou porta-voz de Deus (Gênesis 20.7).

    Sua mediação também se mostrava na oração intercessória (Gênesis 17.20 para Ismael; Gênesis 18.23-32; compare Gênesis 19.29 para Ló; Gênesis 20.17 para Abimeleque), que era apenas uma fase de sua prática geral de oração.

    O acompanhamento usual do sacrifício, um sacerdócio profissional, não ocorre na família de Abraão, mas ele reconhece o privilégio sacerdotal na pessoa de Melquisedeque, rei-sacerdote de Salém (Gênesis 14.20).

    A sanção religiosa, é claro, rodeia a tomada de juramentos (Gênesis 14.2Gênesis 24.3) e a selagem de alianças (Gênesis 21.23). Outros costumes associados à religião são a circuncisão (Gênesis 17.10-14), dada a Abraão como sinal da aliança perpétua; o dízimo (Gênesis 14.20), reconhecido como devido ao sacerdote; e o sacrifício de crianças (Gênesis 22.2,12), ordenado a Abraão apenas para ser expressamente proibido, aprovado por seu espírito, mas interditado em sua prática.

  • Moralidade: Como já indicado, os atributos éticos de Deus eram considerados por Abraão como o requisito ético do homem. Isso em teoria. No âmbito da ética aplicada e casuística, a prática de Abraão, pelo menos, ficou aquém desse ideal, mesmo nos poucos incidentes de sua vida preservados para nós. Está claro que esses lapsos de virtude foram ofensivos ao senso moral do biógrafo de Abraão, mas ficamos no escuro quanto ao senso de obliquidade moral de Abraão. (A “poeira e cinzas” de Gênesis 18.27 não tem implicação moral.) As exigências de candura e honra não são satisfatoriamente atendidas, certamente não no assunto do relacionamento de Sara com ele (Gênesis 12.11-1Gênesis 20.2; compare Gênesis 11.13), talvez não no assunto do sacrifício pretendido de Isaque (Gênesis 22.5,8). Impor nosso próprio padrão monogâmico de casamento ao patriarca seria injusto, tendo em vista o padrão diferente de sua época e terra. É a seu crédito que nenhum escândalo como os que mancham o registro de Ló (Gênesis 19.30-38), Rúben (Gênesis 35.22) e Judá (Gênesis 38.15-18) são registrados em sua vida e família. Da mesma forma, a história de Abraão mostra apenas respeito pela vida e propriedade, tanto no respeito aos direitos dos outros quanto na expectativa do mesmo deles – o antípoda do caráter de Ismael (Gênesis 16.12).
  • Traços Pessoais: Fora dos limites do requisito estritamente ético, a personalidade de Abraão exibiu certas características que não só o distinguem claramente entre as figuras da história, mas também lhe conferem grande crédito como um personagem singularmente simétrico e atraente. De sua confiança e reverência o suficiente foi dito sob o título de religião. Mas esse amor que é “o cumprimento da lei”, manifestado em tal piedade para com Deus, mostrou-se para com os homens em generosidade excepcional (Gênesis 13Gênesis 14.23Gênesis 23.9,13Gênesis 24.10Gênesis 25.6), fidelidade (Gênesis 14.14,2Gênesis 17.18Gênesis 18.23-32Gênesis 19.27Gênesis 21.11Gênesis 23.2), hospitalidade (Gênesis 18.2– – Gênesis 21.8) e compaixão (Gênesis 16Gênesis 21.14 quando corretamente entendido, Gênesis 18.23-32). Um sólido auto-respeito (Gênesis 14.2Gênesis 16.6Gênesis 21.25Gênesis 23.9,13,16Gênesis 24.4) e coragem real (Gênesis 14.14-16) foram, no entanto, prejudicados pela covardia que sacrificou Sara para comprar segurança pessoal onde ele tinha razão para considerar a vida como insegura (Gênesis 20.11).
  • Significância na História da Religião. Abraão é uma figura significativa em toda a Bíblia e desempenha um papel importante na tradição judaica extra-bíblica e na religião muçulmana.
  • No Antigo Testamento: Naturalmente, como progenitor do povo de Israel, “a descendência de Abraão”, como muitas vezes são chamados, Abraão se destaca mais proeminentemente nos livros do Antigo Testamento. Às vezes, o contraste entre ele como indivíduo e sua numerosa prole serve para apontar uma lição (Isaías 51.2; Ezequiel 33.24; talvez Malaquias 2.10; compare Malaquias 2.15). “O Deus de Abraão” serve como designação de Yahweh desde o tempo de Isaac até o período mais recente; é por este título que Moisés identifica o Deus que o enviou com a divindade ancestral dos filhos de Israel (Êxodo 3.15). Os homens lembraram naqueles tempos posteriores que este Deus apareceu a Abraão em teofania (Êxodo 6.3), e, quando ele ainda estava entre seu povo que adorava outros deuses (Josué 24.3) escolheu-o (Neemias 9.7), conduziu-o, redimiu-o (Isaías 29.22) e fez dele o destinatário daquelas bênçãos especiais (Miquéias 7.20) que foram prometidas por aliança e juramento (assim todo livro histórico maior, também os históricos Salmos 105.9), notavelmente a herança da terra de Canaã (Deuteronômio 6.10) Nem foi esquecida a personalidade religiosa de Abraão por sua posteridade: ele foi lembrado por eles como amigo de Deus (2 Crônicas 20.7; Isaías 41.8), Seu servo, cuja mera recordação por Deus compensaria o horror com que os pecados de seus descendentes inspiravam Yahweh (Deuteronômio 9.27).
  • No Novo Testamento: Quando passamos para o Novo Testamento, ficamos surpresos com a riqueza e variedade de alusões a Abraão. Como no Antigo Testamento, sua posição de ancestral lhe empresta muito de sua significância, não apenas como ancestral de Israel (Atos 13.26), mas especificamente como ancestral, agora do sacerdócio levítico (Hebreus 7.5), agora do Messias (Mateus 1.1), agora, pela doutrina cristã peculiar da unidade dos crentes em Cristo, dos crentes cristãos (Gálatas 3.16,29). Tudo o que Abraão, o ancestral, recebeu através da eleição divina, pela aliança feita com ele, é herdado por sua descendência e passa sob os nomes coletivos da promessa (Romanos 4.13), a bênção (Gálatas 3.14), misericórdia (Lucas 1.54), o juramento (Lucas 1.73), a aliança (Atos 3.25). A maneira como Abraão respondeu a essa bondade peculiar de Deus faz dele o tipo do crente cristão. Embora tão distante no passado que foi usado como medida de antiguidade (João 8.58), ele é declarado ter “visto” o “dia” do Messias (João 8.56). É sua fé na promessa divina, que, justamente porque era para ele peculiarmente desprovida de qualquer evidência dos sentidos, torna-se o tipo da fé que leva à justificação (Romanos 4.3), e portanto neste sentido novamente ele é o “pai” dos cristãos, como crentes (Romanos 4.11). Pois essa promessa a Abraão foi, afinal, uma “pregação antecipada” do evangelho cristão, pois abrangia “todas as famílias da terra” (Gálatas 3.8). Dessa honra exaltada, Tiago nos lembra, Abraão provou ser digno, não por uma fé inoperante, mas por “obras” que evidenciavam sua justiça (Tiago 2.21; compare João 8.39). A obediência que a fé operou nele é especialmente elogiada pelo autor de Hebreus (Hebreus 11.8,17). De acordo com essa alta estima do patriarca, lemos sobre sua felicidade eterna, não apenas nas concepções correntes dos judeus (parábola, Lucas 16), mas também na afirmação expressa de nosso Senhor (Mateus 8.11; Lucas 13.28). Alusões históricas incidentais aos eventos da vida de Abraão são frequentes no Novo Testamento, mas não acrescentam nada a essa avaliação de sua importância religiosa.
  • Na Tradição Judaica: Fora das Escrituras, temos evidências abundantes de como Abraão foi considerado por sua posteridade na nação judaica. O mais antigo desses testemunhos, Eclesiástico, não contém nenhuma das acréscimos das lendas abraâmicas posteriores. Seu louvor a Abraão é confinado aos mesmos três grandes fatos que atraíram os escritores canônicos, ou seja, sua glória como ancestral de Israel, sua eleição para ser destinatário da aliança e sua piedade (incluindo talvez um toque de “nomismo”) mesmo sob severos testes (Eclesiástico 44:19-21). Os recursos improváveis e muitas vezes indignos e até grotescos do caráter e carreira de Abraão nas midrashim rabínicas posteriores não têm significado religioso, além da evidência que oferecem do modo como a posição única e a piedade de Abraão eram estimadas pelos judeus.
  • No Corão: Para Maomé, Abraão é importante de várias maneiras. Ele é mencionado em nada menos que 188 versículos do Corão, mais do que qualquer outro personagem exceto Moisés. Ele é um da série de profetas enviados por Deus. Ele é o ancestral comum do árabe e do judeu. Ele desempenha o mesmo papel de reformador religioso contra seus parentes idólatras como o próprio Maomé desempenhou. Ele constrói o primeiro templo puro para o culto de Deus (em Meca!). Como na Bíblia, assim no Corão, Abraão é o destinatário da aliança divina para si e para sua posteridade, e exibe em seu caráter as virtudes apropriadas de alguém tão altamente favorecido: fé, justiça, pureza de coração, gratidão, fidelidade, compaixão. Ele recebe marcas notáveis do favor divino na forma de livramento, orientação, visões, mensageiros angélicos (sem teofanias para Maomé!), milagres, garantia de ressurreição e entrada no paraíso. Ele é chamado de “Imame dos povos”.
  • J. Oscar Boyd

    Comentários

    0 Comentários
    Inline Feedbacks
    Ver todos comentários