Início Dicionário A Alexandria

Alexandria na Bíblia. Significado e Versículos sobre Alexandria

25 min de leitura

Cidade edificada sobre o delta do rio Nilo, fundada por Alexandre Magno, rei da Macedônia – 332 a. C., para ser a metrópole do seu império ocidental. Desde o princípio foi misturada a sua população – chamava-se a região dos judeus um dos três bairros em que se dividia a cidade.

Depois da tomada de Jerusalém removeu Ptolomeu i um considerável número dos seus cidadãos para Alexandria. Muitos outros judeus, por sua própria vontade, os seguiram, e com estas e outras imigrações foi a colônia judaica rapidamente aumentada.

Mais tarde, quando a cidade de Alexandria caiu sob o domínio de Roma, Júlio César e Augusto confirmaram os privilégios de que os israelitas gozavam antes daquele acontecimento. Eles eram representados por um funcionário seu, e Augusto estabeleceu um Conselho ‘para superintender nos negócios dos judeus’, segundo as próprias leis judaicas.

Por algum tempo a igreja judaica em Alexandria conservou-se numa estreita dependência da de Jerusalém, reconhecendo ambas o sumo sacerdote como seu chefe religioso – mais tarde, porém, separaram-se. A versão do A.

T. Em grego (conhecida como dos Setenta, pelo fato de terem sido os tradutores setenta judeus de Alexandria), fortaleceu a barreira de linguagem entre a Palestina e o Egito – e o templo de Leontápolis (161 a.C.), que sujeitava os judeus do Egito às despesas provenientes do cisma, alargou mais a ruptura na família israelita.

Todavia, no princípio da era cristã, os judeus do Egito contribuíram ainda para o serviço do templo de Jerusalém, que apesar de tudo era a cidade santa e a cidade-mãe da raça judaica. Segundo Eusébio, foi Marcos quem primeiramente pregou o Evangelho no Egito e fundou a primeira igreja de Alexandria.

Pelo fim do segundo século era Alexandria um importante centro de influência e instrução cristãs. A sua escola de catequização era altamente distinta. O mais antigo dos seus mestres, mencionado pelo historiador Eusébio, foi Panteno, cerca do ano 180.

Clemente e orígenes foram os mais famosos dos seus sucessores, embora Ário, o autor da heresia ariana, também tivesse sido, segundo Teodoreto, um dos principais doutrinadores. As referências do Novo Testamento a Alexandria acham-se em Atos 6.9Atos 18.24Atos 27.6Atos 28.11.

Alexandria – Dicionário Bíblico de Easton

Alexandria

A antiga metrópole do Baixo Egito, assim chamada por seu fundador, Alexandre o Grande (por volta de 333 a.C.). Foi por um longo período a maior das cidades existentes, pois tanto Nínive quanto Babilônia haviam sido destruídas e Roma ainda não havia alcançado a grandeza.

Foi a residência dos reis do Egito por 200 anos. Não é mencionada no Antigo Testamento e apenas incidentalmente no Novo. Apolo, eloquente e poderoso nas Escrituras, era natural desta cidade (Atos 18.24).

Muitos judeus de Alexandria estavam em Jerusalém, onde tinham uma sinagoga (Atos 6.9), na época do martírio de Estêvão. Diz-se que em um momento até 10.000 judeus residiram nesta cidade. Possuía uma famosa biblioteca de 700.000 volumes, que foi queimada pelos Sarracenos (642 d.C.).

Foi aqui que a Bíblia hebraica foi traduzida para o grego. Esta é chamada de versão dos Setenta, da tradição de que setenta homens eruditos estiveram envolvidos na execução. No entanto, não foi toda traduzida de uma vez.

Começou em 280 a. C., e terminou por volta de 200 ou 150 a. C.

Easton, Matthew George. “Entrada para Alexandria”. “Dicionário Bíblico de Easton”.

Alexandria – Dicionário Bíblico de Smith

Alexandria,

Alexandria (de Alexander) – Atos 3 Ma 3:1; Atos 18.2Atos 6.9) a capital helênica, romana e cristã do Egito. A situação.– (Alexandria estava situada no Mar Mediterrâneo diretamente oposta à ilha de Faros, a 12 milhas a oeste do ramo Canópico do Nilo e a 120 milhas da atual cidade do Cairo.) Foi fundada por Alexandre o Grande, em 332 a.

C., que ele mesmo traçou o plano de solo da cidade. O trabalho assim iniciado foi continuado após a morte de Alexandre pelos Ptolomeus. Descrição.– Sob o despotismo dos últimos Ptolomeus, o comércio de Alexandria declinou, mas sua população e riqueza eram enormes.

Sua importância como um dos principais portos de grãos de Roma garantiu-lhe o favor geral dos primeiros imperadores. Sua população era mista desde o início. De acordo com Josefo, o próprio Alexandre destinou aos judeus um local em sua nova cidade.

Filo estimou o número de judeus alexandrinos de seu tempo em pouco menos de 1.000.000 e acrescenta que dois dos cinco distritos de Alexandria eram chamados de “distritos judaicos”, e muitos judeus viviam espalhados nos três restantes. “Por um longo período, Alexandria foi a maior das cidades conhecidas.” Depois que Roma se tornou a principal cidade do mundo, Alexandria ocupou o segundo lugar em riqueza e importância, somente atrás de Roma, e segundo apenas em literatura e ciência para Atenas.

Sua coleção de livros cresceu para se tornar a maior biblioteca dos tempos antigos, e continha em um momento 700.000 rolos ou volumes. Aqui foi feita a tradução Septuaginta do Antigo Testamento para o grego, começada cerca de 285 a.

C., especialmente em grãos, foi muito grande. De acordo com a lenda comum, São Marcos primeiro “pregou o evangelho no Egito e fundou a primeira igreja em Alexandria.” No início do segundo século, o número de cristãos em Alexandria deve ter sido muito grande, e os grandes líderes do Gnosticismo que surgiram lá (Basilides, Valentino) exibem uma exacerbação da tendência da Igreja.

CONDIÇÃO ATUAL. A cidade ainda ostenta o mesmo nome e é uma metrópole próspera, com habitantes de quase todas as nações europeias e orientais. A Agulha de Cleópatra, erguida por Totmes em 1500 a. C., foi encontrada em Alexandria.

Smith, William, Dr. “Entrada para ‘Alexandria, ou Alexandria’”. “Dicionário da Bíblia de Smith”. 1901.

Alexandria – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Alexandria

Al-eg-zan’-dri-a (Alexandria).

1. História:

Em 331 a. C., Alexandre, o Grande, a caminho de visitar o Oráculo de Amon em busca de honras divinas, parou na extremidade ocidental do Delta na ilha de Faros, o local de desembarque de Odisseu (Odisséia iv.35).

Seu olhar aguçado notou as possibilidades estratégicas do local ocupado pela pequena vila egípcia de Racótis, e sua decisão foi imediata em erguer ali, onde comandaria o acesso ao domínio mais rico de seu império, uma gloriosa cidade que levaria seu próprio nome.

Deinócrates, o maior arquiteto vivo, já famoso como construtor do Templo de Diana, recebeu carta branca e como um sonho a cidade mais bela do mundo antigo ou moderno (com exceção de Roma) surgiu com ruas retas e paralelas – uma pelo menos com 200 pés de largura – com fortalezas, monumentos, palácios, edifícios governamentais e parques todos erigidos de acordo com um perfeito plano artístico.

A cidade tinha cerca de quinze milhas de circunferência (Plínio), e vista de cima representava uma capa macedônica, como era usada pelos ancestrais heróicos de Alexandre. Um colosso ligou a ilha ao continente principal e criou um porto duplo, o melhor de todo o Egito.

Antes de Alexandre morrer (323 a.C.), o futuro da cidade como metrópole comercial do mundo estava assegurado e aqui o sarcófago dourado do conquistador foi colocado em um mausoléu adequado. Sob a proteção dos dois primeiros Ptolomeus e Euergetes, Alexandria atingiu seu auge de prosperidade, recebendo através do Lago Mareotis os produtos do Alto Egito, alcançando pelo Grande Mar toda a riqueza do Ocidente, enquanto por meio do Mar Vermelho seus navios mercantes traziam todos os tesouros da Índia e Arábia para os cais de Alexandria sem nunca serem descarregados.

As manufaturas de Alexandria eram extensas, sendo a construção naval a maior indústria, com os maiores navios mercantes do mundo e navios de guerra capazes de transportar 1000 homens, que podiam lançar fogo com efeito terrível, sendo construídos lá.

Esta posição de supremacia foi mantida durante a dominação romana até o século V, período no qual Alexandria começou a declinar. Mesmo quando Alexandria foi capturada pelos árabes (641) sob o califa Omar, o general pôde relatar:

“Conquistei uma cidade contendo 4000 palácios – Atos 4000 banhos – Atos 400 teatros.” Chamaram-na de “cidade de mármore” e acreditavam que os obeliscos colossais, erguidos sobre caranguejos de cristal, e o Farol, aquela torre de pedra branca de 400 pés de altura, “maravilha do mundo”, fossem a criação de gênios, e não de homens.

Com exagero oriental, declararam que um anfiteatro poderia facilmente acomodar um milhão de espectadores e que era doloroso andar pelas ruas à noite devido ao brilho da luz refletida dos palácios brancos.

Mas com a chegada dos árabes, Alexandria começou a declinar. Afundou ainda mais quando o Cairo se tornou a capital (cerca de 1000 d.C.) e recebeu o golpe de misericórdia quando uma rota marítima para a Índia foi descoberta passando pelo Cabo da Boa Esperança (cerca de 1500).

Hoje, a antiga Alexandria está inteiramente sob o mar ou sob alguma construção mais recente. Resta apenas um importante relicário visível, o chamado Pilar de Pompeu, que data do reinado de Diocleciano.

Escavações feitas pelos ingleses (1895) e alemães (1898-99) renderam poucos resultados, embora o Dr. G. Botti tenha descoberto o Serapeum e algumas catacumbas imensas, e apenas recentemente (1907) alguns belos esfinges.

Em seu período de maior florescimento, a população numerava de 600.000 a 800.000, metade dos quais talvez fossem escravos. No final do século XVIII, não tinha mais do que 7.000 habitantes. Sob os quedivas, recuperou recentemente algo de sua antiga importância e agora conta com 320.000 habitantes, dos quais 46.000 são europeus, principalmente gregos (Baedeker, Manual – Atos 1902 Murray, Manual – Atos 1907).

2. Os Judeus em Alexandria:

Dentre os papéis privados de Alexandre, consta-se que foi encontrado um esboço delineando seu vasto plano de formar um império grego que incluiria todas as raças como unidades harmoniosas. De acordo com isso, europeus, asiáticos e africanos encontravam em Alexandria uma cidadania comum.

De fato, em várias cidades, sob os Ptolomeus, que aceitaram essa política, estrangeiros tinham até superioridade sobre nativos. Egípcios e gregos foram conciliados pela introdução de uma religião sincrética na qual o maior deus grego era adorado como Osíris, deus egípcio do submundo, cuja alma aparecia visivelmente na forma do touro Apis.

Esta era a forma mais popular e humana do culto egípcio. Esta nova religião obteve um sucesso fenomenal. Foi em prol dessa política geral que os judeus em Alexandria receberam privilégios especiais e, embora provavelmente não possuíssem plenos direitos civis, eles “ocupavam em Alexandria uma posição mais influente do que em qualquer outro lugar do mundo antigo” (Enciclopédia Judaica).

Para evitar fricções desnecessárias, um distrito separado foi dado aos judeus, outro aos gregos e outro aos egípcios nativos. Na seção grega estavam situados os palácios dos Ptolomeus, a Biblioteca e o Museu.

No distrito egípcio estava o templo dedicado a Serapis (Osíris-Apis), que só era superado em grandiosidade pelo Capitólio em Roma. Os judeus possuíam muitas sinagogas em seu próprio distrito e, nos dias de Filo, estas não estavam confinadas a nenhuma seção da cidade.

Algumas sinagogas parecem ter exercido o direito de asilo, assim como os templos pagãos. Uma delas era tão grande que o hazan sinalizava com uma bandeira quando a congregação deveria dar o Amém! Cada distrito tinha um governo político praticamente independente.

Os judeus eram inicialmente governados por um etnarca hebraico. Nos dias de Augusto, um Conselho de Anciãos (gerousia) tinha controle, presidido por 71 arcontes. Devido à sua riqueza, educação e posição social, eles alcançaram altos cargos públicos.

Sob Ptol. VI e Cleópatra, os dois generais-em-chefe do exército real eram judeus. Ptol. I tinha 30.000 soldados judeus em seu exército, cujos quartéis só foram descobertos recentemente. Pode ter sido algo bom que a perseguição de Antíoco Epifânio (século II a.C.) tivesse freado a helenização judaica.

Durante a supremacia romana, os direitos dos judeus foram mantidos, exceto durante sua perseguição por um breve período pelo insano Calígula, e o controle das indústrias mais importantes, incluindo o comércio de grãos, passou para suas mãos.

Quando o cristianismo se tornou a religião do Estado do Egito, os judeus imediatamente começaram a ser perseguidos. A vitória de Heráclio sobre os persas (629 d.C.) foi seguida por um massacre de judeus de tal maneira que os coptas do Egito ainda denominam a primeira semana da Quaresma como o “Jejum de Heráclio”.

Sabedoria e muitos outros escritos influentes dos judeus se originaram em Alexandria. Sem dúvida, muitos dos documentos recentemente descobertos do genizah do Cairo vieram originalmente de Alexandria. Mas a importância épica de Alexandria é encontrada no ensino que preparou o povo hebreu para a recepção de um evangelho para o mundo inteiro, o qual logo seria pregado por hebreus da Galileia helenizada.

3. Influência de Alexandria sobre a Bíblia:

(1) Em Daniel 11 os Ptolomeus de Alexandria e suas esposas são tema de profecia. Apolo, o “orador”, nasceu em Alexandria (Atos 18.24). Lucas duas vezes fala de si mesmo e de Paulo navegando em “um navio de Alexandria” (Atos 27.6; Atos 28.11).

Estêvão ‘disputou’ em Jerusalém na sinagoga dos alexandrinos (Atos 6.9). Essas referências diretas são poucas, mas a influência de Alexandria sobre a Bíblia é inestimável.

(2) A Septuaginta, traduzida em Alexandria (séculos III a II a.C.), preserva um texto hebraico 1000 anos mais antigo do que qualquer outro atualmente conhecido. Essa tradução, se não usada por Jesus, certamente era utilizada por Paulo e outros escritores do Novo Testamento, conforme demonstrado por suas citações. É egípcio até mesmo nos mínimos detalhes.

Essa Bíblia grega não apenas abriu pela primeira vez as “Divinas Oráculos” para os gentios e assim deu ao Velho Testamento uma influência internacional, mas também afetou mais vitalmente o desenvolvimento hebraico e cristão.

(3) O Códice Alexandrinus (séculos IV a V) foi o primeiro de todos os grandes unciais a chegar às mãos dos estudiosos modernos. Foi obtido em Alexandria e enviado como presente ao rei da Inglaterra (1628) por Cyrellus Lucaris, o Patriarca de Constantinopla.

Os unciais Sinaiticus e Vaticanus, com muitos outros manuscritos bíblicos importantíssimos – hebraicos, gregos, cópticos e siríacos – vieram de Alexandria.

(4) João e vários outros escritos do Novo Testamento têm sido justamente considerados como mostrando a influência desta cidade filosófica. Nem a fraseologia nem as concepções do quarto evangelho poderiam ter sido compreendidas em um mundo que Alexandria não havia ensinado.

A afirmação de Pfleiderer de que Ele “pode ser chamado o mais acabado tratado da filosofia de Alexandria” pode ser duvidosa, mas ninguém pode duvidar do fato da influência Alexandrina sobre o Novo Testamento.

4. Influência de Alexandria sobre a Cultura:

Com a fundação da Universidade de Alexandria iniciou-se a “terceira grande época na história da civilização” (Max Müller). Foi modelada após a grande escola de Atenas, mas a superou, sendo preeminentemente a “universidade do progresso” (Mahaffy).

Aqui pela primeira vez se vê uma escola de ciência e literatura, adequadamente dotada e oferecendo amplas instalações para pesquisa original definitiva. A famosa biblioteca que em diferentes épocas foi relatada possuir de 400.000 a 900.000 livros e rolos – sendo os rolos tão preciosos quanto os livros – era um magnífico edifício conectado por colunatas de mármore ao Museu, o “Templo das Musas”.

Um observatório, um laboratório anatômico e grandes jardins botânicos e zoológicos estavam disponíveis. Ilustres estudiosos, membros das várias faculdades, residiam dentro das salas do Museu e recebiam bolsas ou salários do governo.

O estudo da matemática, astronomia, poesia e medicina era especialmente favorecido (mesmo a vivissecção em criminosos era comum); arquitetos alexandrinos eram procurados em todo o mundo; inventores alexandrinos eram quase igualmente famosos; a influência da arte alexandrina ainda pode ser marcada em Pompeia e um pintor alexandrino era um rival odiado de Apeles.

Aqui Euclides escreveu seus Elementos de Geometria; aqui Arquimedes, “aquele maior gênio matemático e inventivo da antiguidade”, fez suas descobertas espetaculares em hidrostática e hidráulica; aqui Eratóstenes calculou o tamanho da terra e fez suas outras memoráveis descobertas; enquanto Ptolomeu estudou aqui por 40 anos e publicou uma explicação do universo estelar que foi aceita por cientistas por 14 séculos, e estabeleceu teorias matemáticas que ainda são a base da trigonometria. “Desde então, as concepções de esfericidade da terra, seus polos, eixo, equador, círculos árticos e antárticos, pontos equinociais, solstícios, a desigualdade do clima na superfície da Terra, têm sido noções correntes entre cientistas.

O mecanismo das fases lunares era perfeitamente compreendido, e cálculos cuidadosos, embora não totalmente bem-sucedidos, foram feitos de distâncias interestelares. Por outro lado, literatura e arte floresceram sob a proteção cuidadosa da corte.

Literatura e sua história, filologia e crítica tornaram-se ciências” (Alexandria Weber).

Pode-se afirmar que na literatura nenhuma originalidade especial foi demonstrada, apesar dos primeiros “tempestades de amor” e a poesia pastoral datarem desse período (Mahaffy); ainda assim, não se pode entender a literatura da Era de Augusto “sem uma devida apreciação do caráter da escola alexandrina” (EB – Atos 11ª edição), enquanto na edição de textos e na cópia e tradução de manuscritos foram exibidos paciência e erudição inconcebíveis.

Nossos textos autorizados de Homero e outros escritores clássicos vêm de Alexandria e não de Atenas. Todos os livros famosos trazidos para o Egito eram enviados à biblioteca para serem copiados.

A afirmação de Josephus de que Ptolemeu Filadelfo (285-247) solicitou aos judeus que traduzissem o Antigo Testamento para o grego não é incrível. Estava em acordo com o costume daquela era. Diz-se que Ptolomeu Euérgetes enviou a Atenas pelas obras de Ésquilo, Sófocles, Eurípedes etc., e quando estas foram transcritas, mandou de volta belas cópias para a Grécia e manteve os originais!

Nenhuma biblioteca no mundo, exceto a biblioteca profética em Jerusalém, foi tão valiosa quanto as duas bibliotecas Alexandrinas. A história de que os árabes as queimaram no século VII é descreditada e aparentemente refutada (Butler).

De qualquer forma, após esse período, ouvimos falar de grandes bibliotecas particulares em Alexandria, mas a maior maravilha literária do mundo desapareceu.

5. Influência na Filosofia:

Embora nenhum departamento de filosofia tenha sido estabelecido no Museu, mesmo assim, do século III a. C. ao século VI d. C., ele foi o centro de gravidade do mundo filosófico. Aqui surgiu o Neopitagorismo.

Aqui o Neoplatonismo, essa reação contemplativa e mística contra o materialismo dos Estoicos, atingiu sua plena florada. É difícil superestimar a influência deste sobre o pensamento religioso. Nele, as especulações mais profundas dos arianos foram misturadas com os conceitos mais sublimes dos semitas.

Platão foi contado entre os profetas. A Grécia aqui reconheceu a Unidade Divina à qual o Antigo Testamento se comprometeu. Aqui o judeu reconheceu que Atenas como Jerusalém havia ensinado uma visão de Deus.

Essa foi a primeira tentativa de formar uma religião universal.

A filosofia alexandrina foi o Elias que preparou o caminho para um Salvador do mundo. O pensamento tanto dos saduceus quanto dos fariseus foi afetado por ela e muito da literatura judaica anterior ao cristianismo está saturada com isso.

O Neoplatonismo trouxe atenção para a relação verdadeira entre matéria e espírito, bem e mal, finito e infinito; mostrou a profundidade do antagonismo entre o natural e o espiritual, o real e o ideal; proclamou a necessidade de alguma união mística entre o humano e o Divino.

Ele declarou mas não pôde resolver o problema. Sua última palavra foi fuga, não reconciliação (Ed. Caird). O Neoplatonismo foi o “germe do qual nasceu a teologia cristã” (Caird), embora mais tarde tenha se tornado uma força adversa.

Não obstante seu ensinamento perigoso em relação ao mal, foi, em geral, favorável à piedade, sendo o precursor do misticismo e simpático com os elementos mais profundos e puros de uma religião espiritual.

6. Igreja Cristã em Alexandria:

De acordo com toda a tradição, Marcos, o evangelista, levou o evangelho a Alexandria, e seu corpo descansou aqui até ser removido para Veneza, no ano 828. Desta cidade, o cristianismo alcançou todo o Egito e entrou na Núbia, Etiópia e Abissínia.

Durante o século IV, dez concílios foram realizados em Alexandria, sendo este um centro teológico e eclesiástico da cristandade. A primeira séria perseguição aos cristãos por pagãos ocorreu aqui sob Decio (251) e foi seguida por muitas outras, a de Diocleciano (303-311) foi tão selvagem que a igreja copta nativa ainda data sua era a partir dela.

Quando os cristãos alcançaram o poder político, usaram os mesmos métodos de controvérsia, destruindo o Cesarion em 366 e o Serapeum vinte e cinco anos depois. Serapis (Osiris-Apis) era a divindade nativa mais amada de todas.

Seu templo foi construído dos mármores mais preciosos e cheio de esculturas inestimáveis, enquanto em seus claustros havia uma biblioteca segunda apenas à Grande Biblioteca do Museu. Quando o cristianismo se tornou a religião oficial do Egito, os filósofos nativos, movidos pelo patriotismo, reuniram-se em apoio a Serapis.

Mas Teodósio (391) proibiu a idolatria, e liderado pelo bispo, o Serapeum foi tomado, e atingido por um machado de batalha de um soldado, a imagem – que provavelmente representava a antiga religião pagã em seu melhor aspecto – foi despedaçada e arrastada pelas ruas.

Nesse dia, como Steindorff coloca bem, “o paganismo egípcio recebeu seu golpe mortal; a religião egípcia desmoronou” (História do Egito). A partir de então, o culto pagão se escondeu nas densas e cavernas da terra.

Mesmo a aliança secreta a Serapis trouxe perseguição e às vezes morte. A tragédia mais apavorante desse tipo ocorreu em 415, quando Hipatia, a filósofa virgem, celebrada igualmente por sua beleza, virtude e aprendizado, foi arrastada por uma multidão até a catedral, despida e dilacerada diante do altar.

Alguns dos maiores líderes cristãos usaram toda a sua influência contra tais atrocidades, mas os cristãos egípcios sempre foram notados pela sua excitabilidade. Matavam heréticos facilmente, mas eles próprios seriam mortos em vez de renunciar ao menor e mais intangível tênue teológico.

Bastava mudar uma palavra, por exemplo, na versão costumeira para provocar um motim (Expos, VII – Atos 75).

Alguns curiosos relíquias da igreja egípcia primitiva vieram à luz recentemente. A carta cristã autográfica mais antiga conhecida (3º século) prova que naquela época a igreja era usada como um banco, e seus eclesiásticos (que, quer fossem sacerdotes ou bispos, chamavam-se “papas”) eram esperados ajudar os comerciantes do país em suas negociações com os mercados romanos.

Cerca de sessenta cartas do século IV escritas a um oficial de cavalaria cristão no exército egípcio também são preservadas, enquanto papéis e ostraca de cerca de 600 d. C. mostram que naquele tempo nenhum diácono podia ser ordenado sem antes ter aprendido de cor tanto quanto um inteiro Evangelho ou 25 Salmos e duas epístolas de Paulo, enquanto uma carta de um bispo desse período está repleta de escrituras, conforme ele anatematiza o “opressor dos pobres”, que é comparado àquele que cuspiu no rosto de nosso Senhor na cruz e o feriu na cabeça (Adolph Deissmann, Luz do Oriente Antigo, etc.,1910).

Oppressão de judeus e hereges não era, no entanto, proibida e durante os séculos V e VI. O Egito foi um campo de batalha em que cada seita perseguiu todas as outras.

Mesmo quando os árabes sob o califa Omar capturaram a cidade na Sexta-feira Santa (641), o Dia de Páscoa foi passado pelos ortodoxos torturando supostos hereges! Na manhã seguinte a cidade foi evacuada e judeus e coptas receberam tratamento melhor dos árabes do que tinham recebido dos eclesiásticos romanos ou gregos.

Depois da conquista árabe, a igreja copta, sendo liberada da perseguição, prosperou e ganhou muitos convertidos até mesmo dos muçulmanos.

Mas a civilização e a religião sarracenas substituíram firmemente as antigas, e a aprendizagem e religião nativas logo desapareceram no deserto. No século VIII, o árabe tomou o lugar do grego e do copta, não só nos documentos públicos, mas também na fala comum.

Depois, durante mil anos, a igreja egípcia permaneceu sem influência perceptível na cultura ou teologia. Mas sua influência inicial foi imensurável e ainda pode ser marcada na arte, arquitetura e ritual cristãos, bem como na filosofia e teologia.

Talvez sua influência mais visível tenha sido no encorajamento da reverência à imagem e ao ascetismo. É sugestivo que o primeiro eremita (Antônio) fosse um egípcio nativo, e o primeiro fundador de um convento (Pacômio) fosse um monge egípcio (pagão) convertido.

Hoje, Alexandria voltou a ser uma metrópole cristã contendo coptas, romanos, gregos, armênios, maronitas, sírios, caldeus e protestantes. Os protestantes são representados pela igreja anglicana, pela igreja livre da Escócia, pela igreja evangélica da Alemanha e pela igreja presbiteriana unida dos EUA (Para divisões minuciosas veja a Enciclopédia Católica)

7. Escola Catequética em Alexandria:

A primeira escola teológica da cristandade foi fundada em Alexandria. Provavelmente foi modelada após escolas gnósticas anteriores estabelecidas para o estudo da filosofia religiosa. Oferecia um curso de três anos.

Não havia taxas, os palestrantes sendo sustentados por presentes de estudantes ricos. Pantaenus, um filósofo estóico convertido, foi seu primeiro chefe (180). Ele foi sucedido por Clemente (202) e por Orígenes (232) sob quem a escola alcançou seu zênite.

Sempre defendeu a vindicação filosófica do cristianismo. Entre seus maiores escritores estavam Júlio Africano (215), Dionísio (265), Gregório (270), Eusébio (315), Atanásio (373) e Dídimo (347), mas Orígenes (185-254) foi seu principal orgulho; a ele pertence a honra de derrotar o paganismo e o Gnosticismo com suas próprias armas; ele deu à igreja uma “consciência científica”, sua interpretação tripla das Escrituras afetou a exegese bíblica até o último século.

Ario foi um catequista nesta instituição, e Atanásio, o “pai da ortodoxia” e “centro teológico da era nicena” (Schaff), embora não oficialmente conectado com a escola catequética, foi grandemente afetado por ela, tendo sido criado e treinado em Alexandria.

A escola foi fechada no final do século IV devido a distúrbios teológicos no Egito, mas seu trabalho continuou a partir de Cesareia e outros centros, afetando profundamente professores ocidentais como Jerônimo e Ambrósio, e dominando completamente o pensamento oriental.

Desde o início houve uma tendência mística e docetista visível, enquanto suas visões de inspiração e métodos de interpretação, incluindo a constante assunção de uma doutrina secreta para o iniciado qualificado, vieram legitimamente do Neoplatonismo.

Por vários séculos após a escola se dissolver, seus princípios foram combatidos pela “escola de Antioquia”, mas até o século VIII a teologia alexandrina foi aceita pelo mundo cristão inteiro, oriental e ocidental.

Cobern, Camden M.

Orr, James, M.A., D.D. Editor Geral. “Entrada para ‘ALEXANDRIA’”. “Enciclopédia Bíblica Padrão Internacional”. 1915.

Comentários

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários