Início Dicionário Ágape

Agape: Dicionário Bíblico e versículos na Bíblia

Este é o amor mais sublime, mais alto, é a palavra usada para expressar o amor de Deus (ex. João 3.16). Este é o amor descrito em 1 Coríntios 13 Quando fala sobre o amor de Cristo usa-se a palavra ágape, não fileo.

Esta palavra descreve um amor desinteressado, de alguém que se dispõe a dar de si mesmo sem esperar receber nada em troca. É o amor que leva alguém a oferecer a sua própria vida para salvar a outros,

Ágape – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Ágape

O nome Ágape ou “banquete do amor”, como uma expressão que denota as refeições fraternas comuns da igreja primitiva, apesar de uso constante e na literatura pós-canônica desde o tempo de Inácio em diante, é encontrado no Novo Testamento apenas em Judas 1.12 e em 2 Pedro 2.13 segundo uma leitura muito duvidosa.

Para a existência da refeição comum cristã, no entanto, temos abundante evidência no Novo Testamento. A “fração do pão” praticada pela comunidade primitiva em Jerusalém de acordo com Atos 2.42,46 deve certamente ser interpretada à luz do uso Paulino (1 Coríntios 10.11 Coríntios 11.24) como referindo-se ao ato cerimonial da Ceia do Senhor.

Mas a cláusula adicionada em 2:46, “partiam o pão em suas casas e tomavam sua comida com alegria e simplicidade de coração”, implica que uma refeição social estava conectada de alguma forma com este ato cerimonial.

As referências de Paulo aos abusos que surgiram na igreja de Corinto nas reuniões para a observância da Ceia do Senhor (1 Coríntios 11.20-22,33,34) tornam evidente que em Corinto, como em Jerusalém, a celebração do rito estava associada à participação em uma refeição de caráter mais geral.

E em uma das seções “nós” de Atos (20.11) onde Lucas está dando testemunho pessoal sobre a maneira como a Ceia do Senhor foi observada por Paulo em uma igreja de sua própria fundação, encontramos a fração do pão associada e ainda distinta de uma alimentação, de uma maneira que faz natural concluir que em Troas, como em Jerusalém e Corinto, os cristãos quando se reuniam no primeiro dia da semana estavam acostumados a participar de uma refeição comum.

O fato de que o nome Ágape ou banquete do amor usado em Judas 1.12 (Versão Revisada) é encontrado no início do século II e muitas vezes depois como uma expressão técnica para as refeições religiosas comuns da igreja coloca o significado da referência de Judas além da dúvida.

Quanto à comunidade de Jerusalém, a refeição comum parece ter surgido da koinonia ou comunhão que caracterizava os primeiros dias da igreja cristã (compare Atos 1.1Atos 2.1 etc.). As refeições religiosas familiares aos judeus – sendo a Páscoa o grande tipo – tornariam natural em Jerusalém dar expressão por meio da comunhão à mesa ao senso de irmandade, e a comunidade de bens praticada pela igreja infantil (Atos 2.4Atos 4.32) facilmente tomaria a forma particular de uma mesa comum na qual as necessidades dos pobres eram supridas pela abundância dos ricos (Atos 6.1).

A presença do Ágape na igreja grega de Corinto sem dúvida se deveu à iniciativa de Paulo, que transmitiria as observâncias associadas à Ceia do Senhor assim como ele as havia recebido dos discípulos anteriores; mas a participação em uma refeição social se recomendaria muito facilmente a homens familiarizados com as refeições comuns que formavam uma parte regular do procedimento em reuniões daqueles clubes e associações religiosas que eram tão numerosos naquela época em todo o mundo greco-romano.

Na opinião da grande maioria dos estudiosos, o Ágape era uma refeição na qual não apenas pão e vinho, mas todos os tipos de alimentos eram usados, uma refeição que tinha o duplo propósito de satisfazer a fome e a sede e dar expressão ao senso de irmandade cristã.

No final desta festa, pão e vinho eram tomados de acordo com o comando do Senhor, e após ação de graças a Deus eram comidos e bebidos em memória de Cristo e como um meio especial de comunhão com o próprio Senhor e através dele uns com os outros.

O Ágape estava assim relacionado à Eucaristia como a última Páscoa de Cristo ao rito cristão que Ele enxertou nela. Precedia e conduzia à Eucaristia, e era completamente distinto dela. Em oposição a essa visão, foi fortemente defendido por alguns estudiosos críticos modernos que na era apostólica a Ceia do Senhor não era distinguida do Ágape, mas que o próprio Ágape de início ao fim era a Ceia do Senhor que era realizada em memória de Jesus.

Parece fatal para tal ideia, no entanto, que enquanto Paulo torna bastante evidente que pão e vinho eram os únicos elementos do rito memorial instituído por Jesus (1 Coríntios 11.23-29), os abusos que haviam prevalecido nas reuniões sociais da igreja de Corinto teriam sido impossíveis no caso de uma refeição consistindo apenas de pão e vinho (compare 1 Coríntios 11.21,33 f) Além disso, a menos que a Eucaristia na era apostólica tivesse sido discriminada da refeição comum, seria difícil explicar como em um período posterior os dois poderiam ser encontrados divergindo tanto um do outro.

Na Didache (cerca de 100 d.C.) ainda não há sinal de qualquer separação. A direção de que a segunda oração eucarística deveria ser oferecida “após estar cheio” (x.1) parece implicar que uma refeição regular havia precedido imediatamente a observância do sacramento.

Nas Epístolas de Inácio (cerca de 110 d.C.) a Ceia do Senhor e o Ágape ainda são encontrados em combinação (Ad Smyrn viii.2). Às vezes se supôs que a carta de Plínio a Trajano (cerca de 112 d.C.) prova que a separação já havia ocorrido, pois ele fala de duas reuniões dos cristãos na Bitínia, uma antes do amanhecer na qual eles se comprometiam por um “sacramentum” ou juramento a não cometer nenhum tipo de crime, e outra em uma hora mais tarde quando eles partilhavam de comida de caráter ordinário e inofensivo (Ep x.96).

Mas como a palavra “sacramentum” não pode ser tomada aqui como necessariamente ou mesmo provavelmente referindo-se à Ceia do Senhor, a evidência desta passagem é de pouco peso. Quando chegamos a Justino Mártir (cerca de 150 d.C.) encontramos que em sua conta do culto da igreja ele não menciona o Ágape de todo, mas fala da Eucaristia como seguindo um serviço que consistia na leitura das Escrituras, orações e exortação (Apol, lxvii); então, até o seu tempo, a separação deve ter ocorrido.

Tertuliano (cerca de 200 d.C.) testemunha a continuação da existência do Ágape (Apol – 1 Coríntios 39), mas mostra claramente que na igreja do Ocidente a Eucaristia não estava mais associada a ela (De Corona – 1 Coríntios 3). No Oriente, a conexão parece ter sido mantida por mais tempo (veja Bigg, Christian Platonists of Alexandria – 1 Coríntios 102), mas eventualmente a separação se tornou universal; e embora o Ágape continuasse por muito tempo a se manter como uma função social da igreja, ele gradualmente deixou de existir ou foi preservado apenas como uma festa de caridade para os pobres.

Várias influências parecem ter cooperado nessa direção. A aplicação da lei antiga contra clubes por Trajano pode ter tido algo a ver com isso (compare Plínio como acima), mas uma influência mais forte provavelmente veio do surgimento de uma suspeita popular de que as refeições noturnas da igreja eram cenas de devassidão licenciosa e até de crime.

Os abusos reais que já nos encontramos na era apostólica (1 Coríntios 11.20; Judas 1.12), e que tenderiam a se multiplicar à medida que a igreja crescia em números e entrava em contato mais próximo com o mundo pagão, poderiam sugerir a conveniência de separar as duas observâncias.

Mas a influência mais forte de todas viria do crescimento do espírito cerimonial e sacerdotal pelo qual a simples instituição de Cristo foi lentamente transformada em um misterioso sacrifício sacerdotal.

Para o próprio Cristo parecia natural e adequado instituir a Ceia no final de uma refeição social. Mas quando esta Ceia memorial foi transformada em uma repetição do sacrifício do Calvário pela ação do sacerdote ministrante, a ideia ascética se tornou natural de que a Eucaristia deveria ser recebida em jejum, e que seria sacrílego vinculá-la às observâncias de uma refeição social comum.

_LITERATURA:_

Zahn, art “Agapen” em Hauck-Herzog, Realencyklopadie; Keating, Agape and Eucharist; Schaff, The Oldest Church Manual, capítulo xviii; Lambert, Sacraments in the New Testament, Lect viii; Weizsacker, The Apostolic Age, etc., I. 52.

J. C. Lambert

Orr, James, M.A., D.D. Editor Geral. “Entrada para ‘ÁGAPE’”. “Enciclopédia Bíblica Internacional Padrão”. 1915.