Início Dicionário A Adulão

Adulão na Bíblia. Significado e Versículos sobre Adulão

8 min de leitura

Cidade de Judá (Josué 15.35), sedede um rei cananeu (Josué 12.15), evidentemente lugar de grande antigüidade (Gênesis 38.1 a 20): é hoje Aid-el-Ma. Havia muitas cavernas nas colinas de pedra calcária, existentes nos subúrbios da povoação – era ali o ponto de reunião de Davi e seus companheiros.

Ali também se encontraram com Davi, seus irmãos e toda a casa de seu pai, indo de Belém (1 Samuel 22.1). Foi naquele sítio que se deu o ousado ato dos três valentes, que arriscaram a vida indo a Belém buscar água para Davi (2 Samuel 23.14 a 171 Crônicas 11.15 a 19).

A cidade de Adulão foi fortificada pelo rei Roboão (2 Crônicas 11.7), e foi um dos lugares reocupados pelos judeus depois da sua volta da Babilônia (Neemias 11.30). Há, ainda, muitas cavernas nos montes de pedra calcária, ali perto.

Adulamita – Dicionário Bíblico de Easton

Adulamita

Um habitante da cidade de Adulão (Gênesis 38.1Gênesis 38.12Gênesis 38.20).

Easton, Matthew George. “Entrada para Adulamita”. “Dicionário Bíblico de Easton”.

Adulamita – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Adulamita

O adjetivo gentílico de Adulão. É usado somente para o amigo de Judá, Hirah (Gênesis 38.1,12,20).

Orr, James, M.A., D.D. Editor Geral. “Entrada para ‘ADULAMITA’”. “Enciclopédia Bíblica Padrão Internacional”. 1915.

Adulão – Dicionário Bíblico de Easton

Adulão

Uma das cidades reais dos cananeus, agora ‘Aid-el-ma (Josué 12.15Josué 15.35). Estava situada na antiga estrada romana no vale de Elah, que foi o cenário da memorável vitória de Davi sobre Golias (1 Samuel 17.2), e não muito longe de Gate.

Foi uma das cidades que Roboão fortificou contra o Egito (2 Crônicas 11.7). Era chamada “a glória de Israel” (Miquéias 1.15).

A Caverna de Adulão foi descoberta cerca de 2 milhas ao sul do local do triunfo de Davi, e a aproximadamente 13 milhas a oeste de Belém. Neste lugar há uma colina com cerca de 500 pés de altura perfurada por numerosas cavernas, em uma das quais Davi reuniu “todo aquele que se encontrava em apuros, todo aquele que estava endividado e todo aquele que estava descontente” (1 Samuel 22.2).

Algumas dessas cavernas são grandes o suficiente para acomodar 200 ou 300 homens. Segundo a tradição, esta caverna estava em Wady Khureitun, entre Belém e o Mar Morto, mas essa visão não pode ser bem sustentada.

Easton, Matthew George. “Entrada para Adullam”. “Dicionário Bíblico de Easton”.

Adulão – Dicionário de Nomes Bíblicos de Hitchcock

Adulão

Seu testemunho; sua presa; seu ornamento

Hitchcock, Roswell D. “Entrada para ‘Adulão’”. “Um Dicionário Interpretativo de Nomes Próprios da Escritura”. Nova York, N.Y. – 1 Samuel 1869

Adulão – Dicionário Bíblico de Smith

Adulão

(justiça do povo), Apócrifo ODOLLAM, uma cidade de Judá na planície de Sefelá, (Josué 15.35) o assento de um rei cananeu, (Josué 12.15) e evidentemente um lugar de grande antiguidade. (Gênesis 38.1 Gênesis 38.12 Gênesis 38.20) Fortificada por Roboão, (2 Crônicas 11.7) foi uma das cidades reocupadas pelos judeus após seu retorno da Babilônia, (Neemias 11.30) e ainda uma cidade no tempo dos Macabeus. 2 Macabeus 12:38 Adulão provavelmente estava perto de Deir Dubban, cinco ou seis milhas ao norte de Eleuterópolis.

Os penhascos calcários de toda essa localidade são perfurados com extensas escavações, algumas das quais sem dúvida são a “caverna de Adulão”, o refúgio de Davi. (1 Samuel 22.12 Samuel 23.131 Crônicas 11.15)

Smith, William, Dr. “Entry for ‘Adullam’”. “Smith’s Bible Dictionary”. 1901.

Adulão – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Adulão

(1) Uma cidade, com dependências e, nos tempos antigos, tendo um rei, mencionada cinco vezes no Antigo Testamento, cada vez em uma lista com outras cidades (Josué 12.15Josué 15.352 Crônicas 11.7Miquéias 1.15Neemias 11.30).

Na lista dos 31 reis que Josué derrotou, Adulão segue Horma, Arade, Libna e precede Maquedá. Entre as 14 cidades de Judá do primeiro grupo na “planície”, Adulão é mencionado entre Jarmute e Socó. Na lista das 15 cidades fortificadas por Roboão, ela aparece entre Socó e Gate.

Miquéias dá o que pode ser uma lista de cidades envolvidas em alguma aproximação assíria a Jerusalém; começa com Gate, inclui Laquis e termina com Maresa e Adulão. E Adulão ainda está na mesma companhia na lista em Neemias das cidades “e suas aldeias” onde os homens de Judá então habitavam.

No tempo dos patriarcas era um lugar para o qual os homens “desciam” da cordilheira central (Gênesis 38.1). Judas Macabeu a encontrou ainda existindo como uma cidade. A opinião comum identifica Adulão com a ruína `Aid-el-Ma – Gênesis 13 milhas a oeste-sudoeste de Belém.

Presume-se que a cidade tenha dado seu nome à caverna de Adulão, sendo a caverna perto da cidade.

(2) A caverna de Adulão, quartel-general de Davi durante parte do tempo em que ele fugia de Saul (1 Samuel 22.12 Samuel 23.131 Crônicas 11.15). Não se tem exercido o devido cuidado ao ler as declarações bíblicas sobre este assunto.

Para começar, a sintaxe hebraica permite o uso da palavra “caverna” coletivamente; pode denotar um grupo ou uma região de cavernas; não se limita ao significado de que havia uma imensa caverna na qual Davi e seus 400 homens encontraram acomodações de uma só vez.

Todos os raciocínios baseados nesta noção são fúteis.

Além disso, pela sintaxe mais natural de 2 Samuel 23.13-17 (duplicada com variações insignificantes em 1 Crônicas 11.15-19), essa passagem descreve dois eventos diferentes e não conecta a caverna de Adulão com o segundo desses eventos. “E três dos trinta principais foram até Davi no tempo da colheita na caverna de Adulão; e o esquadrão dos filisteus estava acampado no vale de Refaim.

E Davi estava então na fortaleza; e a guarnição dos filisteus estava então em Belém. E Davi ansiava e disse: Oh, que alguém me desse água”, etc. Sobre esses três anciãos entre os “homens valentes” de Davi, narra-se, primeiro, que eles foram companheiros de Davi em uma certa batalha, uma batalha que o Cronista identifica com Pas-Damim, onde Davi matou Golias; segundo, que eles se juntaram a Davi na caverna de Adulão, presumivelmente durante o tempo em que ele se escondia de Saul; terceiro, que em um momento posterior, quando os filisteus estavam no vale de Refaim (compare com 2 Samuel 5.18), e Davi estava “na fortaleza” (Josefo diz “em Jerusalém”, Ant, VII, xii – 2 Samuel 4), esses homens romperam as linhas filisteias e trouxeram-lhe água do poço de sua terra natal em Belém.

A caverna de Adulão, como a cidade, ficava “abaixo” da crista central (1 Samuel 22.12 Samuel 23.13). A cidade estava em Judá; e Davi e seus homens estavam em Judá (1 Samuel 23.3) num momento em que, aparentemente, a caverna era seu quartel-general.

O conselho de Gade para Davi retornar a Judá (1 Samuel 22.3,5) foi dado em um momento em que ele havia deixado a caverna de Adulão. Se a identificação atual de `Aid-el-Ma como Adulão estiver correta, a caverna de Adulão provavelmente é a região de cavernas que foi encontrada nessa vizinhança.

Foi objetado que essa localização é muito longe de Belém para que os homens de Davi trouxessem a água de lá. A isso se responde que treze ou quatorze milhas não é uma distância excessiva para três homens excepcionalmente vigorosos irem e voltarem; e uma resposta ainda mais forte é encontrada na consideração já mencionada, de que o lugar de onde os homens foram buscar a água não era a caverna de Adulão.

O único argumento para a tradição de que a caverna de Caritão, a algumas milhas a sudeste de Belém, é Adulão, é o maior tamanho desta caverna, em comparação com as próximas a `Aid-el-Ma. Já vimos que isso não tem força.

No nosso discurso atual, “caverna de Adulão” sugere uma agregação de homens mal-assortidos e desreputáveis. Isso não é justificado pelo registro bíblico. Os homens de Davi incluíam seus numerosos e respeitáveis parentes, o representante do sacerdócio, alguns dos companheiros militares de Davi e alguns homens que depois ocuparam altos cargos em Israel.

Mesmo aqueles que são descritos como estando em angústia e dívida e amargurados de alma eram, sem dúvida, muitos deles, pessoas que sofreram nas mãos de Saul por causa de sua amizade por Davi. Sem dúvida, eles incluíam meros aventureiros em seu número; mas os detalhes escriturísticos e as circunstâncias igualmente indicam que eles eram principalmente homogêneos, e que a maioria deles eram cidadãos dignos.

Willis J. Beecher

Faça um comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários