Início Dicionário A Adoção

Adoção na Bíblia. Significado e Versículos sobre Adoção

12 min de leitura

Termo pelo qual Paulo exprime oparentesco que a frase ‘filhos de Deus’ designa. Em Romanos 8.15 a 23Romanos 9.4Gálatas 4.5 – e Efésios 1.5, há referência ao costume legal, entre os romanos, pelo qual a criança adotada tomava o nome do seu novo pai, e tornava-se seu herdeiro.

O parentesco era, em todos os respeitos, o mesmo que existia entre o pai natural e seu filho. O costume da adoção tem sido seguido por todas as nações e em todos os tempos. A adoção civil era permitida e determinada para alívio e conforto daqueles que não tinham filhos – mas na adoção espiritual não aparece esta razão.

O Senhor onipotente adota os crentes, e eles tornam-se filhos de Deus, não porque haja qualquer excelência neles, mas porque Ele é infinitamente bom. A filha de Faraó adotou Moisés por causa do seu lindo rosto (Atos 7.20,21) – Mordecai adotou Ester pela mesma razão, e porque ela era sua parenta (Ester 2.7) – nada há no homem, porém, que o torne merecedor da adoção divina (Ezequiel 16.5).

Além disso, na adoção espiritual, o novo filho recebe não só um nome novo, mas uma nova natureza: torna-se participante da natureza divina (2 Pedro 1.4).

Adoção – Dicionário Evangélico de Teologia Bíblica de Baker

Adoção

Ato de deixar a própria família natural e entrar nos privilégios e responsabilidades de outra. Na Bíblia, a adoção é um dos vários termos relacionados à família usados para descrever o processo de salvação e seus benefícios subsequentes.

Deus é um pai que adota graciosamente os crentes em Cristo em sua família espiritual e lhes concede todos os privilégios da herança. A salvação é muito mais do que o perdão dos pecados e a libertação da condenação; é também uma posição de grande bênção.

Os crentes são filhos de Deus.

Antigo Testamento A adoção legal não foi prescrita na lei judaica ou praticada pelos israelitas. De fato, o termo “adoção” não ocorre no Antigo Testamento. Enquanto há várias possíveis alusões à adoção, como Moisés (Exod 2:10), Genubate (1 Ki 11:20) e Ester (Es 2:7), os incidentes registrados ocorrem em sociedades estrangeiras (egípcia e persa) e não há evidências de que adoções legais foram promulgadas.

A metáfora da adoção não foi perdida para Israel, no entanto. Deus declara que ele é o Pai da nação Israel, a qual ele ama como seu filho (Isa 1:2; Oseias 11:1). Ele diz ao Faraó: “Israel é meu filho primogênito” (Exod 4:22).

Mais especificamente, ele diz a Davi (e ao Messias): “Você é meu filho; hoje me tornei seu Pai” (Psalm 2:7); e do descendente de Davi: “Eu serei seu pai, e ele será meu filho” (2 Sa 7:14). Embora não sejam exatamente passagens sobre adoção, as instâncias de filiação declarada no Antigo Testamento fornecem uma base teológica para a designação de Israel como filhos de Deus.

Novo Testamento O ambiente cultural do Novo Testamento era muito diferente do Antigo, já que leis e cerimônias elaboradas para adoção faziam parte tanto da sociedade grega quanto da romana. Para pessoas com esse background, a metáfora da adoção no Novo Testamento era particularmente significativa.

A palavra grega para adoção (huiothesia) significa “colocar como filho” e é usada apenas por Paulo no Novo Testamento. Cada uma das cinco ocorrências em suas cartas é para leitores com um contexto decididamente romano.

Em uma instância, Paulo se refere à ideia do Antigo Testamento da posição especial de Israel como filhos de Deus — “Deles é a adoção como filhos” (Ro 9:4). As quatro referências restantes descrevem como os crentes do Novo Testamento se tornam filhos de Deus através de sua escolha graciosa.

O escopo completo da obra de salvação de Deus, passado, presente e futuro, é visto na adoção.

A adoção do crente como filho de Deus foi determinada por Deus desde a eternidade: Deus “nos predestinou para sermos adotados como seus filhos por meio de Jesus Cristo” (Eph 1:5). Esta adoção não é o resultado de qualquer mérito por parte do crente, mas unicamente o resultado do amor e da graça de Deus (Efésios 1.5 Efésios 1.7).

A realidade presente da adoção do crente na família de Deus é a libertação da escravidão do pecado e da lei e uma nova posição como um herdeiro livre de Deus. Entrar na salvação traz os direitos e privilégios da filiação livre: “Pois vocês não receberam um espírito que os torne escravos novamente do medo, mas vocês receberam o Espírito de filiação.

E por ele clamamos, ‘Abba, Pai’” (Ro 8:15). Paulo diz aos Gálatas que os cristãos foram resgatados da lei para que pudessem receber a adoção como filhos. Como resultado, o Espírito Santo entra no coração do crente clamando, “Abba, Pai” (Gal 4:5).

A intimidade de um relacionamento com Deus Pai em contraste com a propriedade da escravidão é uma característica notável da salvação.

Como muitos aspectos da salvação, há um componente escatológico da adoção. Os crentes “aguardam ansiosamente nossa adoção como filhos, a redenção de nossos corpos” (Ro 8:23). A plena revelação da adoção do crente é a liberdade da corrupção presente no mundo.

Ser membro da família de Deus inclui o privilégio último de ser como ele (1 João 3.2) e ser conformado ao corpo glorioso de Cristo (Php 3:21). Isso faz parte da herança prometida para todos os filhos de Deus (Ro 8:16-17).

William E. Brown

Elwell, Walter A. “Entrada para ‘Adoção’”. “Dicionário Evangélico de Teologia”. 1997.

Adoção – Dicionário Bíblico de Easton

Adoção

A concessão a alguém do nome, lugar e privilégios de um filho que não é filho por nascimento.

Easton, Matthew George. “Entrada para Adoção”. “Dicionário Bíblico de Easton”.

Adoção – Dicionário Bíblico de Smith

Adoção,

uma expressão usada por São Paulo em referência aos privilégios presentes e futuros dos cristãos. (Romanos 8.15; Romanos 8.23; Gálatas 4.5; Efésios 1.5) Ele provavelmente alude ao costume romano pelo qual uma pessoa que não tinha filhos próprios poderia adotar como seu filho alguém nascido de outros pais.

A relação era, para todos os fins e propósitos, a mesma que existia entre um pai natural e um filho. O termo é usado figurativamente para mostrar a relação próxima de Deus com o cristão. (Gálatas 4.4; Gálatas 4.5; Romanos 8.14-17) Ele é recebido na família de Deus vindo do mundo, e se torna um filho e herdeiro de Deus.

Smith, William, Dr. “Entrada para ‘Adoção,’”. “Dicionário da Bíblia de Smith”. 1901.

Adoção – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Adoção

I. A Ideia Geral Legal

1. No Antigo Testamento 2. Grego 3. Romano

II. Doutrina de Paulo

1. Em Gálatas como Liberdade 2. Em Romanos como Libertação da Dívida

III. A Experiência Cristã

1. Em Relação à Justificação 2. Em Relação à Santificação 3. Em Relação à Regeneração

IV. Como Ato de Deus

1. Paternidade Divina 2. Seu Alcance Cósmico

I. A Ideia Geral Legal.

A adoção é mencionada no Novo Testamento apenas nas epístolas de Paulo (Gálatas 4.5; Romanos 8.15,2Romanos 9.4; Efésios 1.5), que talvez tenha cunhado a partir de uma expressão grega familiar de significado idêntico.

Ela indicava geralmente o processo legal pelo qual um homem poderia trazer para sua família e dotar com o status e privilégios de filho alguém que não era naturalmente seu filho ou de seu parentesco.

1. No Antigo Testamento:

Três casos de adoção são mencionados: de Moisés (Êxodo 2.10), Genubate (1 Reis 11.20) e Ester (Ester 2.7,15), mas é notável que todos ocorram fora da Palestina – no Egito e na Pérsia, onde a prática da adoção prevalecia.

Da mesma forma, a ideia aparece no Novo Testamento apenas nas epístolas de Paulo, que foram endereçadas a igrejas fora da Palestina. O motivo e a iniciativa da adoção sempre estavam com o pai adotivo, que assim supria a falta de descendentes naturais e satisfazia as reivindicações de afeto e religião, além do desejo de exercer autoridade paternal ou perpetuar sua família.

2. Grego:

Na Grécia, um homem poderia, durante sua vida ou por testamento, para ter efeito após sua morte, adotar qualquer cidadão masculino nos privilégios de seu filho, mas com a condição invariável de que o filho adotado aceitasse as obrigações legais e deveres religiosos de um filho verdadeiro.

3. Romano:

Em Roma, a natureza única da autoridade paternal (patria potestas), pela qual um filho era mantido sob o poder do pai, quase como um escravo pertencente ao seu mestre, dava um caráter peculiar ao processo de adoção.

Para a adoção de uma pessoa livre da autoridade paternal (sui juris), o processo e o efeito eram praticamente os mesmos em Roma e na Grécia (adrogatio). Num sentido mais específico, a adoção propriamente dita (adoptio) era o processo pelo qual uma pessoa era transferida do poder de seu pai natural para o de seu pai adotivo, e consistia numa venda fictícia do filho, e sua entrega pelo pai natural ao pai adotivo.

II. Doutrina de Paulo.

Como cidadão romano, o apóstolo certamente conhecia o costume romano, mas na cidade cosmopolita de Tarso, e novamente em suas viagens, ele se tornaria igualmente familiarizado com os costumes correspondentes de outras nações.

Ele empregou a ideia metaforicamente muito à maneira das parábolas de Cristo, e, como no caso delas, há perigo de pressionar demais a analogia em seus detalhes. Não está claro que ele tinha alguma forma específica de adoção em mente ao ilustrar seu ensino pela ideia geral.

1. Em Gálatas como Liberdade:

Em Gálatas, Paulo enfatiza especialmente a liberdade desfrutada por aqueles que vivem pela fé, em contraste com a servidão sob a qual os homens são mantidos, que orientam suas vidas por cerimônias legais e ordenanças, como os Gálatas tendiam a fazer (Gálatas 5.1).

2. Em Romanos como Libertação da Dívida:

Em Romanos 8.12-17, a ideia de obrigação ou dívida é associada à de liberdade. O homem é pensado como em um tempo sob a autoridade e poder da carne (Romanos 8.5), mas quando o Espírito de Cristo passa a habitar nele, ele não é mais devedor da carne, mas do Espírito (Romanos 8.12,13).

III. A Experiência Cristã.

Como fato da experiência cristã, a adoção é o reconhecimento e afirmação pelo homem de sua filiação a Deus. Ela segue a fé em Cristo, pela qual o homem se une tão intimamente a Cristo que seu espírito filial entra nele e toma posse de sua consciência, para que ele conheça e cumprimente Deus como Cristo faz (compare Marcos 14.36).

1. Em Relação à Justificação:

É um aspecto da mesma experiência que Paulo descreve em outro lugar, sob outra metáfora legal, como justificação pela fé.

2. Em Relação à Santificação:

Além disso, a justificação é o início de um processo que precisa de um curso progressivo de santificação pelo auxílio do Espírito Santo, mas a adoção é coextensiva com a santificação.

3. Em Relação à Regeneração:

Alguns identificaram adoção com regeneração, e portanto muitos Pais e teólogos católicos romanistas a identificaram com a regeneração batismal, excluindo assim o fato essencial da consciência filial.

IV. Como Ato de Deus.

A adoção como ato de Deus é um processo eterno de Seu amor gracioso, pois Ele “nos predestinou para sermos adotados como filhos por meio de Jesus Cristo, conforme o beneplácito de sua vontade” (Efésios 1.5).

1. Paternidade Divina:

O motivo e impulso da paternidade que resultam na adoção eram eternamente reais e ativos em Deus.

2. Seu Alcance Cósmico:

Mas essa experiência também é incompleta e espera uma adoção mais plena na resposta, não só do espírito do homem, mas de toda a criação, incluindo o corpo do homem, à paternidade de Deus (Romanos 8.23).

Literatura:

Lightfoot, Gálatas; Sanday, Romanos; Lidgett, Paternidade de Deus; Ritschl, Justificação e Reconciliação.

T. Rees

Orr, James, M.A., D.D. Editor Geral. “Entrada para ‘ADOÇÃO’”. “Enciclopédia Bíblica Padrão Internacional”. 1915.

Faça um comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários

Artigos Relacionados