Início Dicionário A Acaz

Acaz na Bíblia. Significado e Versículos sobre Acaz

27 min de leitura

Possuidor.

Acaz – Dicionário Bíblico de Easton

Acaz

Possuidor.

  • Um neto de Jônatas (1 Crônicas 8.31 Crônicas 9.42).
  • O filho e sucessor de Jotão, rei de Judá (2 Reis 16 Isaías 7.9; 2 Crônicas 28). Ele se entregou a uma vida de maldade e idolatria. Apesar das repreensões e advertências de Isaías, Oséias e Miquéias, ele pediu ajuda contra Rezim, rei de Damasco, e Peca, rei de Israel, que ameaçavam Jerusalém, a Tiglate-Pileser, o rei da Assíria, causando grande dano ao seu reino e sua própria submissão humilhante aos assírios (2 Reis 162 Reis 16.92 Reis 15.29).

    Ele também introduziu entre seu povo muitos costumes pagãos e idólatras (Isaías 8.1Isaías 38.8; 2 Reis 23.12). Ele morreu com trinta e cinco anos de idade, após reinar dezesseis anos (740-724 a.C.), e foi sucedido por seu filho Ezequias.

    Por causa de sua maldade, “não foi levado ao sepulcro dos reis”.

Easton, Matthew George. “Entrada para Acaz”. “Dicionário Bíblico de Easton”.

Acaz – Dicionário de Nomes Bíblicos de Hitchcock

Acaz

aquele que toma ou possui

Hitchcock, Roswell D. “Entrada para ‘Acaz’”. “Um Dicionário Interpretativo de Nomes Próprios da Escritura”. Nova York, N.Y. – 2 Reis 1869

Acaz – Dicionário Bíblico de Smith

Acaz

(possuidor), décimo primeiro rei de Judá, filho de Jotão, reinou de 741 a 726, cerca de dezesseis anos. No momento de sua ascensão, Rezim rei de Damasco e Peca rei de Israel haviam recentemente formado uma liga contra Judá, e eles procederam ao cerco de Jerusalém.

Diante disso, Isaías apressou-se em dar conselhos e encorajamento a Acaz, e os aliados falharam em seu ataque a Jerusalém. Isaías 7.8,9. Mas, os aliados infligiram um dano muito severo a Judá pela captura de Elate, um porto florescente no Mar Vermelho, enquanto os filisteus invadiram o oeste e o sul. 2Reis 1 – Isaías 2Crônicas 28.

Acaz, tendo perdido o favor de Deus por sua maldade, buscou livramento desses numerosos problemas apelando para Tiglate-Pileser rei da Assíria, que o libertou de seus inimigos mais formidáveis. Mas Acaz teve que comprar essa ajuda a um preço alto; ele se tornou tributário a Tiglate-Pileser.

Ele era fraco, um idólatra grosseiro, e buscava segurança em cerimônias pagãs, fazendo seu filho passar pelo fogo a Moloque, consultando feiticeiros e necromantes. (Isaías 8.19) e outras práticas idolátricas. (2Reis 23:12) Seu único serviço de valor permanente foi a introdução do relógio de sol.

Ele morreu aos 36 anos, mas lhe foi negado um enterro com os reis seus ancestrais. (2Crônicas 28:27)

  1. Filho de Mica. (1Crônicas 8:35 1Crônicas 8:36 – Isaías 9.42)

Smith, William, Dr. “Entrada para ‘Acaz’”. “Dicionário Bíblico de Smith”. 1901.

Acaz – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Acaz

Acaz (‘achaz, “ele agarrou,” 2 Reis 16 2 Crônicas 28 Isaías 7.10; Achaz).

1. Nome:

O nome é o mesmo que Jeoacaz; portanto, aparece na inscrição assíria de Tiglate-Pileser de 732 a. C. como Ia-u-ha-zi. Os historiadores sagrados podem ter omitido a primeira parte do nome em consequência do caráter do rei.

2. A Ascensão:

Acaz era filho de Jotão, rei de Judá. Ele sucedeu ao trono aos 20 anos (segundo outra leitura – Isaías 25). A cronologia de seu reinado é difícil, pois seu filho Ezequias é declarado ter 25 anos quando começou a reinar 16 anos depois (2 Reis 18.2).

Se a ascensão de Acaz for colocada o mais cedo possível em 743 a. C., seu avô Uzias, há muito incapaz de desempenhar as funções de seu cargo por causa de sua lepra (2 Crônicas 26.21), ainda deve ter estado vivo. (Outros datam Acaz mais tarde, quando Uzias, pelo qual Jotão havia atuado como regente, já estava morto.)

3. Idolatrias Iniciais:

Embora tão jovem, Acaz parece ter imediatamente adotado um curso independente totalmente oposto às tradições religiosas de sua nação. Seus primeiros passos nessa direção foram fazer e circular imagens fundidas dos Baalins e reviver no vale de Hinom, ao sul da cidade, as abominações do culto a Moloque (2 Crônicas 28.2,3).

Ele é declarado ter feito seu próprio filho “passar pelo fogo” (2 Reis 16.3); o cronista coloca isso ainda mais fortemente: ele “queimou seus filhos no fogo” (2 Crônicas 28.3). Outros atos de idolatria se seguiriam.

4. Perigo da Síria e Israel:

O reino de Judá estava neste momento em grave perigo. Rezim, rei de Damasco, e Peca, rei de Samaria, já haviam, nos dias de Jotão, começado a assediar Judá (2 Reis 15.37); agora uma conspiração foi formada para depor o jovem Acaz e colocar no trono um certo “filho de Tabeel” (Isaías 7.6).

Um avanço dos dois reis foi feito contra Jerusalém, embora sem sucesso (2 Reis 16.5; Isaías 7.1); os judeus foram expulsos de Elate (2 Reis 16.6) e o país foi devastado, e um grande número levado cativo (2 Crônicas 28.5).

A consternação foi universal. O coração de Acaz “tremeu, e o coração de seu povo, como as árvores da floresta tremem com o vento” (Isaías 7.2). Em sua extremidade, Acaz apelou ao rei da Assíria por ajuda (2 Reis 16.7; 2 Crônicas 28.16).

5. Mensagens de Isaías ao Rei:

Em meio ao alarme geral e perturbação, o único homem não tocado por isso em Jerusalém foi o profeta Isaías. Imperturbável, Isaías se propôs, aparentemente sozinho, a mudar a maré da opinião pública do canal em que estava correndo, a busca de ajuda da Assíria.

Seu apelo foi tanto ao rei quanto ao povo. Por direção divina, encontrando Acaz “no final do aqueduto da piscina superior, no caminho do campo do lavandeiro”, ele lhe disse para não temer “estes dois tocos de tições fumegantes”, Rezim e Peca, pois, como tochas moribundas, seriam rapidamente extintas (Isaías 7.3).

Se ele não acreditasse nisso, ele não seria estabelecido (Isaías 7.9). Não conseguindo conquistar a confiança do jovem rei, Isaías foi enviado uma segunda vez, com a oferta de Yahweh de qualquer sinal que Acaz escolhesse pedir, “tanto na profundidade quanto na altura acima”, em atestado da verdade da palavra divina.

O monarca frívolo recusou o arbitramento sob o pretexto hipócrita de “Não pedirei, nem tentarei a Yahweh” (Isaías 7.10-12). Possivelmente seus embaixadores já estavam enviados ao rei assírio. Sempre que eles foram, levaram consigo um grande subsídio com o qual comprar o favor daquele governante.

Foi nesta ocasião que Isaías, em resposta a Acaz, deu a profecia tranquilizadora de Emanuel (Isaías 7.13).

6. A Tábua de Isaías:

Quanto ao povo, Isaías foi orientado a exibir em “uma grande tábua” as palavras “Para Maher-Shalal-Hash-Baz” (“rápida a presa, veloz o despojo”). Isso foi atestado por duas testemunhas, uma das quais era Urias, o sumo sacerdote.

Era um testemunho solene de que, sem qualquer ação por parte de Judá, “as riquezas de Damasco e o despojo de Samaria serão levados antes do rei da Assíria” (Isaías 8.1-4).

7. Queda de Damasco e Suas Consequências:

Foi como o profeta havia predito. Damasco caiu, Rezim foi morto (2 Reis 16.9), e Israel foi invadido (2 Reis 15.29). A ação trouxe alívio temporário a Judá, mas teve o efeito de colocá-la sob o calcanhar da Assíria.

Todos então vivos sabiam que não poderia haver aliança igual entre Judá e Assíria, e que o pedido de ajuda, acompanhado pela mensagem, “Eu sou teu servo” (2 Reis 16.7,8) e por “presentes” de ouro e prata, significava a submissão de Judá e o pagamento anual de um pesado tributo.

Se o conselho de Isaías tivesse sido seguido, Tiglate-Pileser provavelmente, em seus próprios interesses, teria sido compelido a esmagar a coalizão, e Judá teria mantido sua liberdade.

8. Relógio de Sol de Acaz:

A tempestade política tendo soprado por enquanto, com a perda final do importante porto de Elate no Mar Vermelho (2 Reis 16.6), Acaz voltou sua atenção para atividades mais agradáveis. O rei tinha algo de diletante em questões de arte, e ele montou um relógio de sol, que parecia consistir de uma série de degraus dispostos ao redor de um curto pilar, sendo o tempo indicado pela posição da sombra nos degraus (compare 2 Reis 20.9-11; Isaías 38.8).

Como é considerado possível para a sombra retornar 10 degraus, está claro que cada degrau não marcava uma hora do dia, mas algum período menor.

9. As Bacias e o Mar de Bronze:

Outro ato do rei foi remover das elaboradas bases ornamentais nas quais haviam estado (compare 1 Reis 7.27-39), as dez bacias de Salomão, e também remover o mar fundido de Salomão dos 12 touros de bronze que o sustentavam (compare 1 Reis 7.23-26), sendo o mar colocado sobre uma plataforma elevada ou pavimento (2 Reis 16.17).

De Jeremias 52.20, onde o profeta vê “Oséias 12 touros de bronze que estavam sob as bases”, conjecturou-se que o objetivo da mudança pode ter sido transferir as bacias para as costas dos touros.

10. O Altar de Damasco:

Além disso, foi adicionado um ato de impiedade ainda mais ousado. Em 732 Acaz foi, com outros príncipes vassalos, convocado a Damasco para prestar homenagem a Tiglate-Pileser (2 Reis 16.10; seu nome aparece na inscrição assíria).

Lá ele viu um altar pagão de padrão fantasioso, que muito lhe agradou. Um modelo deste foi enviado a Urias, o sumo sacerdote, com instruções para ter uma cópia ampliada dele colocada no pátio do templo.

No retorno do rei a Jerusalém, ele sacrificou no novo altar, mas, não satisfeito com sua posição, deu ordens para uma mudança. O altar aparentemente havia sido colocado no lado leste do antigo altar; agora foram dadas instruções para o altar de bronze ser movido para o norte, e o altar de Damasco ser colocado em linha com ele, na frente do templo, dando a ambos igual honra.

Ordens foram ainda dadas a Urias para que os sacrifícios costumeiros fossem oferecidos no novo altar, agora chamado de “o grande altar”, enquanto o rei reservava o altar de bronze para si mesmo “para inquirir” (2 Reis 16.15).

11. Mais Impiedades:

Mesmo isso não esgotou as inovações reais. Aprendemos com um aviso posterior que as portas do pórtico do templo foram fechadas, que o candelabro de ouro não foi aceso, que a oferta de incenso não foi feita e outras solenidades foram suspensas (2 Crônicas 29.7).

Não é improvável que tenha sido Acaz quem instalou ‘os cavalos do sol’ mencionados em 2 Reis 23.11, e lhes deu acomodação nos recintos do templo. Ele certamente construiu os “altares …. no telhado da câmara superior de Acaz”, talvez acima do pórtico do templo, para a adoração dos corpos celestes (versículo 12).

Muitas outras idolatrias e atos de apostasia nacional são relatados a respeito dele (2 Crônicas 28.22).

12. Recorrência de Hostilidades:

Nos últimos anos de seu infeliz reinado houve uma recorrência de hostilidades com os habitantes da Filístia e Edom, desta vez com desastre para Judá (veja a lista de lugares perdidos em 2 Crônicas 28.18,19).

Novo apelo foi feito a Tiglate-Pileser, cujo súdito Acaz agora era, e presentes custosos foram enviados do templo, do palácio real e até das casas dos príncipes de Judá, mas sem sucesso (2 Crônicas 28.19-21).

O assírio ‘afligiu’ Acaz, mas não prestou assistência. Em seu problema, o rei ímpio apenas “transgrediu ainda mais” (2 Crônicas 28.22).

13. Morte de Acaz:

Acaz morreu em 728, após 16 anos de poder mal utilizado. A exultação com que o evento foi considerado é refletida na pequena profecia de Isaías escrita “no ano em que o rei Acaz morreu” (Isaías 14.28-32).A declaração em 2 Reis 16.20 de que Acaz “foi sepultado com seus pais na cidade de Davi” deve ser entendida à luz de 2 Crônicas 28.27, que ele foi sepultado em Jerusalém, mas que seu corpo não foi colocado nos sepulcros dos reis de Israel.Seu nome aparece nas genealogias reais em 1 Crônicas 3.13 e Mateus 1.9.

Acaz e Zedequias

Acaz, filho de Colaías, e Zedequias, filho de Maaseias, eram dois profetas contra os quais Jeremias proferiu um oráculo por profetizarem falsamente em nome de Yahweh e por conduta imoral. Eles deveriam ser entregues a Nabucodonosor e ser mortos, e os cativos de Judá que estavam em Babilônia deveriam assumir a maldição sobre eles. “Yahweh te faça como Zedequias e como Acaz, a quem o rei da Babilônia queimou no fogo” (Jeremias 29.21).

W. Shaw Caldecott

Orr, James, M.A., D.D. Editor Geral. “Entrada para ‘ACAZ’”. “Enciclopédia Bíblica Internacional Padrão”. 1915.


46 Versículos sobre Acaz no Antigo Testamento

38 Quando Jotão morreu, foi sepultado com seus antepassados na Cidade de Davi. Seu filho Acaz foi seu sucessor.

1 Acaz, filho de Jotão, começou a reinar em Judá no décimo sétimo ano do reinado de Peca, filho de Remalias.

2 Acaz tinha vinte anos de idade quando começou a reinar e reinou dezesseis anos em Jerusalém. Ao contrário de Davi, seu predecessor, não fez o que o Senhor seu Deus aprova.

5 Então Rezim, rei da Síria, e Peca, filho de Remalias, rei de Israel, subiram para atacar Jerusalém. Cercaram Acaz, mas não conseguiram derrotá-lo.

7 O rei Acaz enviou mensageiros para dizer a Tiglate-Pileser, rei da Assíria: ´Sou seu servo e seu súdito. Venha salvar-me dos exércitos da Síria e de Israel que estão me atacando`.

8 Então Acaz pegou a prata e o ouro do templo do Senhor e dos tesouros do palácio e os enviou como pagamento para o rei da Assíria.

10 Então o rei Acaz foi a Damasco para encontrar-se com Tiglate-Pileser, rei da Assíria. Enquanto estava lá, viu o altar da cidade e enviou ao sacerdote Urias um modelo e um desenho detalhado do altar.

11 O sacerdote Urias construiu um altar conforme as instruções que o rei Acaz tinha enviado de Damasco e o terminou antes do retorno do rei Acaz.

14 O rei Acaz removeu o antigo altar de bronze de seu lugar, na frente do templo do Senhor, entre o novo altar e a entrada, e o colocou do lado norte do novo altar.

15 Então o rei Acaz deu estas ordens ao sacerdote Urias: “No altar grande, ofereça o holocausto da manhã e a oferta de cereal da tarde, o holocausto do rei e sua oferta de cereal, e o holocausto, a oferta de cereal e a oferta derramada de todo o povo. Espalhe sobre o altar todo o sangue dos holocaustos e dos sacrifícios. Mas utilizarei o altar de bronze para buscar orientação”.

16 Urias fez como o rei Acaz ordenou.

17 Depois, o rei Acaz tirou os painéis e as bacias das dez bases móveis usadas para levar água. Também removeu o grande tanque de bronze chamado Mar de cima dos touros e o colocou sobre o pavimento de pedra.

19 Os demais acontecimentos do reinado de Acaz e tudo que ele fez estão registrados no Livro da História dos Reis de Judá.

20 Quando Acaz morreu, foi sepultado com seus antepassados na Cidade de Davi. Seu filho Ezequias foi seu sucessor.

1 Oseias, filho de Elá, começou a reinar em Israel no décimo segundo ano do reinado de Acaz, rei de Judá. Reinou em Samaria por nove anos.

1 Ezequias, filho de Acaz, começou a reinar em Judá no terceiro ano do reinado de Oseias, filho de Elá, rei de Israel.

11 O profeta Isaías orou ao Senhor, e ele fez a sombra recuar dez graus no relógio de sol de Acaz.

12 Derrubou os altares que os reis de Judá haviam construído no terraço do palácio, sobre a sala de Acaz. Destruiu os altares que Manassés havia construído nos dois pátios do templo do Senhor. Despedaçou-os e espalhou o entulho no vale de Cedrom.

13 Acaz, Ezequias, Manassés,

35 Os filhos de Mica foram: Pitom, Meleque, Tareia e Acaz.

36 Acaz gerou Jadá. Os filhos de Jadá foram: Alemete, Azmavete e Zinri. Zinri gerou Moza.

41 Os filhos de Mica foram: Pitom, Meleque, Tareia e Acaz.

42 Acaz gerou Jadá. Os filhos de Jadá foram: Alemete, Azmavete e Zinri. Zinri gerou Moza.

9 Quando Jotão morreu e se reuniu a seus antepassados, foi sepultado na Cidade de Davi. Seu filho Acaz foi seu sucessor.

1 Acaz tinha 20 anos quando começou a reinar, e reinou em Jerusalém por dezesseis anos. Ao contrário de seu antepassado Davi, não fez o que era certo aos olhos do Senhor.

5 Por isso, o Senhor, seu Deus, entregou Acaz nas mãos do rei da Síria, que o derrotou e levou muitos de seu povo para o exílio em Damasco. Também o entregou nas mãos do rei de Israel, que derrotou Acaz e matou muitos de seus soldados.

16 Nessa época, o rei Acaz pediu ajuda ao rei da Assíria.

19 O Senhor humilhou Judá por causa de Acaz, rei de Judá, pois ele havia incentivado o povo a pecar e havia sido inteiramente infiel ao Senhor.

20 Quando Tiglate-Pileser, rei da Assíria, chegou, atacou Acaz em vez de ajudá-lo.

21 Acaz tomou objetos de valor do templo do Senhor, do palácio real e das casas de seus oficiais e os entregou ao rei da Assíria como tributo, mas de nada adiantou.

22 Mesmo nesse tempo de grande dificuldade, o rei Acaz foi ainda mais infiel ao Senhor.

24 Acaz pegou os utensílios do templo de Deus e os despedaçou. Trancou as portas do templo do Senhor para que ninguém pudesse adorar ali e fez altares idólatras em cada esquina de Jerusalém.

26 Os demais acontecimentos do reinado de Acaz e tudo que ele fez, do início ao fim, estão registrados no Livro dos Reis de Judá e de Israel.

27 Quando Acaz morreu e se reuniu a seus antepassados, foi sepultado em Jerusalém, mas não no cemitério dos reis de Judá. Seu filho Ezequias foi seu sucessor.

19 Recuperamos todos os objetos que o rei Acaz jogou fora quando foi infiel e fechou o templo. Agora estão diante do altar do Senhor, purificados e prontos para o uso`.

1 Estas são as visões de Isaías, filho de Amoz, acerca de Judá e Jerusalém. Ele teve estas visões durante os anos em que Uzias, Jotão, Acaz e Ezequias eram reis de Judá.

1 Quando Acaz, filho de Jotão e neto de Uzias, era rei de Judá, Rezim, rei da Síria, e Peca, filho de Remalias, rei de Israel, saíram para atacar Jerusalém. Contudo, não conseguiram executar seu plano.

2 Informaram ao rei: “A Síria montou acampamento em Efraim”. Com isso o coração de Acaz e do seu povo agitou-se, como as árvores da floresta agitam-se com o vento.

3 Então o Senhor disse a Isaías: ´Pegue seu filho, Sear-Jasube, e vá encontrar-se com o rei Acaz. Ele estará no final do aqueduto que abastece o tanque superior, perto do caminho para o campo onde se lava roupa.

4 Diga a Acaz que pare de se preocupar e que não precisa ter medo da ira ardente daquelas duas brasas apagadas, Rezim, rei da Síria, e Peca, filho de Remalias.

10 Depois, o Senhor enviou esta mensagem ao rei Acaz:

12 O rei Acaz, porém, respondeu: ´Não porei o Senhor à prova desse modo`.

28 Recebi esta mensagem no ano em que o rei Acaz morreu:

8 Farei a sombra do sol recuar dez graus no relógio de sol de Acaz“. Então a sombra no relógio de sol de Acaz recuou dez graus.

1 O Senhor revelou esta mensagem a Oseias, filho de Beeri, durante os anos em que Uzias, Jotão, Acaz e Ezequias eram reis de Judá, e Jeroboão, filho de Jeoás, era rei de Israel.

1 O Senhor deu esta mensagem a Miqueias, de Moresete, durante os anos em que Jotão, Acaz e Ezequias foram reis de Judá. As visões diziam respeito a Samaria e a Jerusalém.

1 Versículos sobre Acaz no Novo Testamento

9 Uzias gerou Jotão. Jotão gerou Acaz. Acaz gerou Ezequias.

Comentários

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários