Início Dicionário R Responsabilidade

Responsabilidade na Bíblia. Significado e Versículos sobre Responsabilidade

7 min de leitura

Responsabilidade

  1. Princípios Bíblicos: O ensino geral das Escrituras sobre este assunto é resumido em Romanos 14.12: “Assim, pois, cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus”. Mas isso implica, por um lado, a existência de um Governante Moral do universo, cuja vontade é revelada, e, por outro, a posse pelo ser criado de conhecimento e livre arbítrio. Em Romanos 4.15 é expressamente afirmado que, “onde não há lei, também não há transgressão”; mas, para que isso não parecesse excluir da responsabilidade aqueles aos quais a lei de Moisés não foi dada, mostra-se que até os pagãos tinham a lei em certa medida revelada na consciência; de modo que eles estão “inexcusáveis” (Romanos 1.20). “Porque todos os que sem lei pecaram, sem lei também perecerão; e todos os que sob a lei pecaram, pela lei serão julgados” (Romanos 2.12). Assim diz Paulo em uma passagem que é uma das mais profundas discussões sobre o assunto da responsabilidade, e com seu sentimento concorda exatamente a palavra de nosso Senhor sobre o mesmo assunto, em Lucas 12.47,48: “E o servo que soube a vontade de seu senhor, e não se aprontou, nem fez segundo a sua vontade, será castigado com muitos açoites; mas o que não a soube, e fez coisas dignas de açoites, com poucos açoites será castigado. E a quem muito foi dado, muito lhe será exigido; e a quem muito foi confiado, mais ainda lhe pedirão.”

    Há um desenvolvimento gradual da responsabilidade acompanhando o crescimento de um ser humano da infância à maturidade; e há um desenvolvimento similar na raça, à medida que o conhecimento cresce de menos para mais.

    Na plena luz do evangelho, os seres humanos são muito mais responsáveis do que eram em estágios anteriores de desenvolvimento intelectual e espiritual, e o destino ao qual estarão expostos no dia do juízo será pesado em proporção aos seus privilégios.

    Isso pode parecer colocar um prêmio excessivo na ignorância; e uma dificuldade real surge quando dizemos que, quanto maior a sensibilidade moral, maior é a culpa; porque, como é bem sabido, a sensibilidade moral pode ser perdida através do desprezo persistente da consciência; do qual poderia parecer seguir que o caminho para diminuir a culpa era silenciar a voz da consciência.

    Deve haver, no entanto, uma diferença entre a responsabilidade de uma consciência que nunca foi iluminada e a de uma que, tendo sido uma vez iluminada, perdeu, por negligência ou imprudência, a bondade que possuía.

    Na prática da lei, por exemplo, é frequentemente alegado que um crime cometido sob a influência da intoxicação deve ser perdoado; no entanto, todos devem sentir quão diferente isso é da inocência, e que, perante um tribunal superior, o culpado será considerado duplamente culpado – primeiro, do pecado da embriaguez e depois do crime.

  2. Conexão com a Imortalidade: Onde quer que a civilização seja tão avançada que exista um código de lei pública, com punições anexadas à transgressão, ocorre uma constante educação no sentido da responsabilidade; e até a mente pagã, nos tempos clássicos, havia avançado tanto a ponto de acreditar em um julgamento além do véu, quando as sombras tinham que aparecer perante o tribunal de Radamanto, Minos e Éaco, para terem sua estação e grau no submundo decididos de acordo com os atos praticados no corpo. Quão cedo os hebreus fizeram tanto progresso tem que ser discutido em conexão com a doutrina da imortalidade; mas é certo que, antes que o cânon do Antigo Testamento se fechasse, eles acreditavam não apenas em um julgamento após a morte, mas na ressurreição, pela qual o sentido de responsabilidade era fixado muito mais firmemente na mente popular. Muito antes, no entanto, havia sido despertado pela literatura sagrada o sentido de um julgamento de Deus ocorrendo durante a vida presente e se expressando na condição de cada um.

    A história do mundo era o Julgamento do mundo; a prosperidade acompanhava os passos do homem bom, mas a retribuição mais cedo ou mais tarde derrubava o ímpio. Foi da dificuldade de reconciliar com essa crença os fatos da vida que surgiu o ceticismo do pensamento hebraico; mas pela mesma restrição a mente piedosa foi impulsionada na direção da doutrina plena da imortalidade.

    Isso veio com a vinda d’Aquele que trouxe vida e imortalidade à luz pelo Seu evangelho (2 Timóteo 1.10). Na mente de Jesus, não apenas a ressurreição, o julgamento e a imortalidade eram postulados inquestionáveis; mas Ele foi trazido para uma conexão especial com a responsabilidade através de Sua consciência de ser o Juiz da humanidade, e, em Suas numerosas referências ao Último Julgamento, Ele desenvolveu os princípios sobre os quais a consciência será então julgada, e pelos quais, portanto, agora deveria se examinar.

    Neste contexto, a Parábola dos Talentos é de significado especial; mas é pelo grandioso quadro da cena em si, que segue no mesmo capítulo do Primeiro Evangelho, que a mente do cristianismo foi mais poderosamente influenciada.

  3. Responsabilidade Conjunta e Corporativa: Até este ponto falamos da responsabilidade individual, mas o assunto se torna mais complicado quando pensamos na responsabilidade conjunta de várias ou muitas pessoas. Desde o início, a mente humana foi assombrada pelo que é chamado de culpa do primeiro pecado de Adão. Há uma solidariedade na raça humana, e a herança do mal é demasiado óbvia para ser negada até pelos mais otimistas. Está longe, no entanto, de haver acordo de opinião quanto à relação do indivíduo com esse legado maligno; alguns lutam ferozmente contra a ideia de que o indivíduo possa ter alguma responsabilidade pessoal por um pecado oculto em um passado tão distante e sombrio, enquanto outros mantêm que a miséria que certamente foi herdada por todos só pode ser justificada em um mundo governado por um Deus de justiça se a culpa de todos preceder a miséria. A questão entra profundamente no esquema paulino, embora no ponto mais crítico seja muito disputado qual é a verdadeira posição do Apóstolo. Enquanto a responsabilidade conjunta onera a consciência individual, pode-se dizer, ao mesmo tempo, que a alivia. Assim, em Ezequiel 18 uma das discussões éticas mais ponderadas encontradas nas Escrituras Sagradas é introduzida com o provérbio popular, “Os pais comeram uvas azedas, e os dentes dos filhos se embotaram”, que se revela ser uma forma de dizer que a responsabilidade das crianças é aliviada, se não abolida, por meio de sua conexão com seus pais. Da mesma forma, no momento atual, o senso de responsabilidade é enfraquecido em muitas mentes pelo controle sobre o caráter e o destino atribuídos à hereditariedade e ao ambiente. Até a criminalidade é desculpada com o argumento de que muitos nunca tiveram a chance de virtude, e afirma-se que entender tudo é perdoar tudo.

    Não há dúvida de que, como agentes de confiança e parcerias, os homens se permitirão fazer o que nunca teriam pensado em negócios privados; e em uma multidão o indivíduo sofre modificações psicológicas pelas quais ele é levado a agir de maneira muito diferente de seu eu ordinário.

    Nas ações das nações, como a guerra, há uma vasta e solene responsabilidade em algum lugar; mas muitas vezes é extremamente difícil localizar se no governante, no ministério ou no povo. Tão interessantes e perplexos são esses problemas frequentemente que uma moralidade para corpos de pessoas, distinguindo-se de indivíduos, é sentida por muitos como o grande desiderato da ética no momento atual.

James Stalker

Orr, James, M.A., D.D. Editor Geral. “Entrada para ‘RESPONSABILIDADE’”. “Enciclopédia Bíblica Padrão Internacional”. 1915.

Faça um comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários