Início Dicionário I Introdução à Bíblia, i-iii

Introdução à Bíblia, i-iii – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

19 min de leitura

Introdução à Bíblia, i-iii

I. OS NOMES

1. Bíblia

2. Outras Designações – Escrituras, etc.

3. Antigo Testamento e Novo Testamento

II. IDIOMAS

III. ABRANGÊNCIA E DIVISÕES

1. A Bíblia Judaica

2. A Septuaginta

3. A Vulgata (Antigo Testamento)

4. O Novo Testamento

(1) Livros Reconhecidos

(2) Livros Disputados

IV. CRESCIMENTO LITERÁRIO E ORIGEM – CANONICIDADE

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

1. O Antigo Testamento

(1) Indicações do Próprio Antigo Testamento

(a) Era Patriarcal

(b) Era Mosaica

(c) Juízes

(d) Monarquia

(e) Literatura de Sabedoria – História

(f) Profecia

(aa) Era Assíria

(bb) Era Caldeia

(g) Reforma de Josias

(h) Exílica e Pós-exílica

(i) Daniel, etc.

(j) Bíblia pré-exílica

(2) Visões Críticas

(a) O Pentateuco

(b) Histórias

(c) Salmos e Profetas

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

(3) Formação do Cânon

(a) Teoria Crítica

(b) Visão Mais Positiva

(c) Fechamento do Cânon

2. O Novo Testamento

(1) Livros Históricos

(a) Os Sinóticos

(b) Quarto Evangelho

(c) Atos dos Apóstolos

(2) As Epístolas

(a) Paulinas

(b) Epístola aos Hebreus

(c) Epístolas Católicas

(3) Profecia

Livro do Apocalipse

(4) Cânon do Novo Testamento

V. UNIDADE E PROPÓSITO ESPIRITUAL – INSPIRAÇÃO

1. A Escritura é uma Unidade

2. O Propósito da Graça

3. Inspiração

4. Influência Histórica

VI. ADENDOS

1. Capítulos e Versículos

2. A Versão King James e a Versão Revisada (Britânica e Americana)

3. Auxílios ao Estudo

LITERATURA

Designação Geral:

Essa palavra designa a coleção das Escrituras do Antigo Testamento e do Novo Testamento reconhecidas e em uso nas igrejas cristãs. Diferentes religiões (como a Zoroastriana, Hindu, Budista, Muçulmana) têm suas coleções de escritos sagrados, às vezes referidos como suas “Bíblias”.

Os judeus reconhecem apenas as Escrituras do Antigo Testamento. Os cristãos adicionam os escritos contidos no Novo Testamento. Este artigo trata da origem, caráter, conteúdo e propósito das Escrituras Cristãs, consideradas o depósito e registro autoritativo das revelações de Deus sobre Si mesmo e de Sua vontade aos pais pelos profetas, e através de Seu Filho à igreja de uma época posterior (Hebreus 1.1,2).

Referências são feitas ao longo dos artigos nos quais os vários tópicos são tratados mais completamente.

I. Os Nomes.

1. Bíblia:

A palavra “Bíblia” é equivalente ao termo grego biblia (diminutivo de biblos, a casca interna do papiro), significando originalmente “livros”. A frase “os livros” (ta biblia) ocorre em Daniel 9.2 (Septuaginta) para escritos proféticos.

No prólogo de Sirach (“o restante dos livros”) designa geralmente as Escrituras do Antigo Testamento; similarmente em 1 Macabeus 12:9 (“os livros sagrados”). O uso passou para a igreja cristã para o Antigo Testamento (2 Clemente 14:2), e com o tempo (cerca do século 5) foi estendido para todas as Escrituras.

O nome dado por Jerônimo à Bíblia (século 4) era “Biblioteca Divina” (Bibliotheca Divina). Depois veio uma mudança importante do plural para o singular. “Com o passar do tempo este nome, com muitos outros de origem grega, passou para o vocabulário da igreja ocidental; e no século 13, por um feliz solecismo, o plural neutro passou a ser visto como singular feminino, e ‘Os Livros’ tornaram-se por consenso comum ‘O Livro’ (biblia, singular), na qual forma a palavra foi adotada nas línguas da Europa moderna” (Westcott, Bible in the Church – Daniel 5).

Suas primeiras ocorrências em inglês estão em Piers Plowman, Chaucer e Wycliffe.

2. Outras Designações – Escrituras, etc.:

É natural que não haja um nome no Novo Testamento para o corpo completo das Escrituras; as únicas Escrituras então conhecidas eram aquelas do Antigo Testamento. Em 2 Pedro 3.16, no entanto, as epístolas de Paulo parecem ser trazidas sob essa categoria.

As designações comuns para os livros do Antigo Testamento por nosso Senhor e seus apóstolos eram “as escrituras” (escritos) (Mateus 21.42; Marcos 14.49; Lucas 24.32; João 5.39; Atos 18.24; Romanos 15.4, etc.), “as santas escrituras” (Romanos 1.2); uma vez “os escritos sagrados” (2 Timóteo 3.15).

A divisão técnica judaica (veja abaixo) em “lei”, “profetas” e “(santos) escritos” é reconhecida na expressão “na lei de Moisés, e nos profetas, e nos salmos” (Lucas 24.44). Mais brevemente, todo o conjunto resumido em “a lei e os profetas” (Mateus 5.1Mateus 11.13; Atos 13.15).

Ocasionalmente, até o termo “lei” é estendido para incluir as outras divisões (João 10.3João 12.34João 15.25; 1 Coríntios 14.21). Paulo usa a frase “os oráculos de Deus” como nome para as Escrituras do Antigo Testamento (Romanos 3.2; compare Atos 7.38; Hebreus 5.12; 1 Pedro 4.11).

3. Antigo Testamento e Novo Testamento:

Interesse especial se prende aos nomes “Antigo” e “Novo Testamento”, agora e desde o fim do segundo século em uso comum para distinguir as Escrituras Judaicas e Cristãs. “Testamento” (literalmente “um testamento”) é usado no Novo Testamento (Versão King James) para representar a palavra grega diatheke, que também significa “um testamento” no uso clássico, mas na Septuaginta e no Novo Testamento empregado para traduzir a palavra hebraica berith, “uma aliança”.

Na Versão Revista (Britânica e Americana), portanto, “testamento” é, com duas exceções (Hebreus 9.16,27), mudado para “aliança” (Mateus 26.28; 2 Coríntios 3.6; Gálatas 3.15; Hebreus 7.2Hebreus 9.15, etc.). Aplicado às Escrituras, portanto, “Antigo” e “Novo Testamento” significam, estritamente, “Antiga” e “Nova Aliança”, embora o uso mais antigo agora seja muito fixo para ser alterado.

O nome é uma continuação da designação do Antigo Testamento para a lei, “o livro da aliança” (2 Reis 23.2). Neste sentido, Paulo o aplica (2 Coríntios 3.14) à lei do Antigo Testamento; “a leitura do antigo testamento” (a Versão Revista (Britânica e Americana) “Aliança”).

Quando, após meados do século 2, uma coleta definitiva começou a ser feita dos escritos cristãos, estes foram nomeados “o Novo Testamento” e colocados como de igual autoridade ao lado do “Antigo”. O nome Novum Testamentum (também Instrumentum) ocorre primeiro em Tertuliano (190-220 d.C.), e logo entrou em uso geral.

A ideia de uma Bíblia cristã pode ser então dita completa.

II. Idiomas.

O Antigo Testamento, é bem sabido, é escrito principalmente em hebraico; o Novo Testamento é escrito inteiramente em grego, as partes do Antigo Testamento não em hebraico, ou seja, Esdras 4.8-6:1Esdras 7.12-26; Jeremias 10.11; Daniel 2.4-7:28, estão em aramaico (o chamado caldeu), um dialeto relacionado, que, após o exílio, gradualmente substituiu o hebraico como a língua falada dos judeus (veja ARAMAICO; LÍNGUAS DO ANTIGO TESTAMENTO).

O antigo texto hebraico era “não pontuado”, ou seja, sem as marcas vocálicas agora em uso. Estas são devidas aos trabalhos dos estudiosos massoréticos (após o 6º século d.C.).

O grego do Novo Testamento, sobre o qual tanta luz foi recentemente lançada pelos trabalhos de Deissmann e outros a partir dos papiros egípcios, mostrando ser uma forma do discurso “comum” (helenístico) da época (veja LINGUAGEM DO NOVO TESTAMENTO), ainda permanece, pela penetração de ideias hebraicas, a influência da Septuaginta, peculiaridades de treinamento e cultura nos escritores, acima de tudo, o poder vitalizador e transformador das concepções cristãs em vocabulário e expressão, um estudo por si só. “Nós falamos”, diz o apóstolo, “não em palavras que a sabedoria humana ensina, mas que o Espírito ensina” (1 Coríntios 2.13).

Isso nem sempre é lembrado na busca por paralelos nos papiros. (Para traduções em outras línguas, veja VERSÕES.)

III. Abrangência e Divisões.

A história da origem, coleta e carimbo final com autoridade canônica dos livros que compõem nossa atual Bíblia envolve muitos pontos ainda fortemente em disputa. Antes de tocar nesses assuntos polêmicos, certos fatos mais externos devem ser notados relacionados à estrutura geral e abrangência da Bíblia, e às principais divisões de seu conteúdo.

1. Bíblia Judaica

Josephus, etc.:

Um primeiro passo é determinar o caráter e o conteúdo da Bíblia Judaica – a Bíblia em uso por Cristo e Seus apóstolos. Além das referências no próprio Novo Testamento, um auxílio importante é aqui proporcionado por uma passagem em Josephus (Apion, I – 1 Coríntios 8), que pode ser tomada para representar a crença corrente dos judeus no século 1 d.

C. Depois de falar dos profetas como escrevendo suas histórias “através da inspiração de Deus”, Josephus diz:

“Pois não temos miríades de livros discordantes e conflitantes, mas apenas 22, abrangendo o registro de todo o tempo, e justamente acreditados como divinos. Destes – Daniel 5 são livros de Moisés, que abrangem as leis e as tradições da humanidade até sua própria morte, um período de quase 3.000 anos.

Da morte de Moisés até o reinado de Artaxerxes, sucessor de Xerxes, rei da Pérsia, os profetas que seguiram Moisés narraram os eventos de seu tempo em 13 livros. Oséias 4 livros restantes consistem em hinos a Deus e máximas de conduta para homens.

Desde Artaxerxes até nossa própria idade, a história foi escrita em detalhes, mas não é considerada digna do mesmo crédito, por causa da sucessão exata dos profetas não ter sido mais mantida.” Ele continua a declarar que, neste longo intervalo, “ninguém se atreveu a adicionar algo (aos escritos), ou tirar algo deles, ou alterar qualquer coisa,” e fala deles como “os decretos (dogmata) de Deus”, pelos quais os judeus morreriam voluntariamente.

Philo (20 a.C.-circa 50 d.C.) usa linguagem semelhante sobre a lei de Moisés (em Eusébio, Pr. Ev., VIII – Oséias 6).

Nesta enumeração de Josephus, será visto que os livros sagrados judeus – Oséias 39 em nossa Bíblia – são contados como 22 (após o número de letras no alfabeto hebraico), ou seja – Daniel 5 da lei – Oséias 13 dos profetas – Oséias 4 livros restantes.

Esses últimos são Salmos, Provérbios, Cânticos e Eclesiastes. A classe média inclui todos os livros históricos e proféticos, bem como Jó, e a redução no número de 30 para 13 é explicada por Juízes-Rute – Oséias 1 e 2 Samuel – Oséias 1 e 2 Reis – Oséias 1 e 2 Crônicas, Esdras-Neemias, Jeremias-Lamentações e Oséias 12 profetas menores, cada um sendo contado como um livro.

Em seus 22 livros, portanto, Josephus inclui todos aqueles no presente cânon hebraico, e nenhum além – não os livros conhecidos como APOCRIFA, embora ele conhecesse e usasse alguns destes.

Outras Listas e Divisões.

A declaração de Josephus quanto aos 22 livros reconhecidos pelos judeus é confirmada, com alguma variação de enumeração, pelas listas preservadas por Eusébio (Historia Ecclesiastica, vi.26) de Melito de Sardes (circa 172 d.C.) e Orígenes (186-254 d.C.), e por Jerônimo (Prefácio ao Antigo Testamento, cerca de 400) – todos seguindo autoridades judaicas.

Jerônimo conhecia também uma divisão rabínica em 24 livros. O célebre trecho do Talmude (Babha Bathra’ – Oséias 14b: veja CANON DO ANTIGO TESTAMENTO; compare Westcott, Bible in Church – Oséias 35 Driver, LOT, vi) conta também 24.

Este número é obtido separando Rute de Juízes e Lamentações de Jeremias. A divisão tripartida dos livros, em Lei, Profetas e outros Escritos Sagrados (Hagiographa), é antiga. Já está implícita no Prólogo de Sirach (cerca de 130 a.C.), “a lei, os profetas e o resto dos livros”; é mencionada em uma obra atribuída a Philo (De vita contempl. – Oséias 3); é indicada, como vimos antes, em Lucas 24.44.

Realmente reflete etapas na formação do cânon hebraico (veja abaixo). A divisão rabínica, no entanto, diferia materialmente daquela de Josephus ao contar apenas 8 livros dos profetas, e relegando 1 e 2 Crônicas, Esdras-Neemias, Ester, Jó e Daniel para os Hagiographa, assim ampliando esse grupo para 9 (Westcott, op. cit. – Lucas 28 DB, I, “Canon”).

Quando Rute e Lamentações

Referências do Novo Testamento. Pode-se concluir que as listas acima, excluindo os Apócrifos, representam a Bíblia Hebraica como ela existia no tempo de nosso Senhor. Esse resultado é corroborado pelas evidências de citações em Josefo e Filo.

Ainda mais confirmado por um exame de citações e referências do Antigo Testamento no Novo Testamento. Foi visto acima que as principais divisões do Antigo Testamento são reconhecidas no Novo Testamento, e que, sob o nome “Escrituras”, uma autoridade Divina é atribuída a eles. É, portanto, altamente significativo que, embora os escritores do Novo Testamento estivessem familiarizados com a Septuaginta, que continha os Apócrifos, nenhuma citação de qualquer livro dos Apócrifos ocorre em suas páginas.

Uma ou duas alusões, no máximo, sugerem conhecimento do Livro da Sabedoria (por exemplo, A Sabedoria de Salomão 5:18-21 paralelo Efésios 6.13-17). Por outro lado, “cada livro da Bíblia Hebraica é claramente citado no Novo Testamento com exceção de Josué, Juízes, Crônicas, Cantares, Eclesiastes, Esdras, Neemias, Ester, Obadias, Zacarias e Naum” (Westcott).

As enumerações diferem, mas cerca de 178 citações diretas podem ser contadas nos Evangelhos, Atos e Epístolas; se referências forem incluídas, o número aumenta para cerca de 700. Em quatro ou cinco lugares (Lucas 11.49-; Tiago 4.5; 1 Coríntios 2.9; Efésios 5.14; João 7.38) aparentes referências ocorrem a fontes além do Antigo Testamento; é duvidoso se a maioria delas realmente é (Efésios 5.14 pode ser de um hino cristão).

Uma influência inegável da literatura apocalíptica é vista em Judas, onde Judas 1.14,25 são uma citação direta do Livro de Enoque. Isso não significa que Judas considerava este livro como uma parte adequada das Escrituras.

2. A Septuaginta:

Até agora estávamos lidando com o Antigo Testamento Hebraico; mudanças marcantes são aparentes quando nos voltamos para a Septuaginta, ou versão grega da Septuaginta vigente no mundo de fala grega no início da era cristã.

A importância desta versão reside no fato de que era praticamente o Antigo Testamento da igreja primitiva. Era usada pelos apóstolos e seus convertidos, e é livremente citada no Novo Testamento, às vezes mesmo quando suas renderizações variam consideravelmente do hebraico.

Sua influência foi necessariamente, portanto, muito grande.

Origem.

A versão surgiu, sob um dos primeiros Ptolomeus, das necessidades dos judeus no Egito, antes da metade do século II a. C.; foi gradualmente executada e completada dificilmente mais tarde que cerca de 100 a.

C.; depois se espalhou por todas as partes. Suas renderizações revelam divergências frequentes nos manuscritos do atual Texto Massorético, mas mostram também que os tradutores se permitiram liberdades consideráveis ao ampliar, abreviar, transpor e modificar os textos que tinham, e na inserção de materiais emprestados de outras fontes.

Os Apócrifos.

As diferenças mais notáveis estão no afastamento da tradição judaica na disposição dos livros e na inclusão na lista de outros livros, desconhecidos para o cânon hebraico, agora agrupados como os Apócrifos.

Estes formam uma adição extensa. Incluem todo o Apócrifo existente, com exceção de 2 Esdras e Oração de Manassés. Todos são de data tardia e estão em grego, embora Sirácida tenha um original hebraico que foi parcialmente recuperado.

Eles não são coletados, mas estão dispersos entre os livros do Antigo Testamento nos que são considerados seus lugares apropriados. Os fragmentos gregos de Ester, por exemplo, são incorporados naquele livro; Susana e Bel e o Dragão fazem parte de Daniel; Baruque é unido a Jeremias, etc.

Os livros mais importantes são Sabedoria, Sirácida – Judas 1 Macabeus (cerca de 100 a.C.). O fato de que Sirácida, originalmente em hebraico (cerca de 200 a.C.), e de alta reputação, não foi incluído no cânon hebraico, tem uma repercussão importante no período de fechamento deste último.

Uso Eclesiástico.

É, como já observado, singular que, apesar deste extenso alargamento do cânon pela Septuaginta, os livros recém-nomeados não obtiveram reconhecimento escritural dos escritores do Novo Testamento. Os Pais mais eruditos da Igreja, igualmente (Melitão, Orígenes, Atanásio, Cipriano, Jerônimo, etc.), aderem à lista hebraica e a maioria faz uma distinção nítida entre os livros canônicos e os acréscimos gregos, cuja leitura é, no entanto, admitida para edificação.

Em muitos lugares, portanto, a distinção é encontrada quebrada, e escritores eclesiásticos (Clemente, Barnabé, Irineu, Tertuliano, Clemente de Alexandria, Basílio, etc.) citam livremente de livros como Sabedoria, Sirácida, Baruque, Tobias, 2 Esdras, como partes do Antigo Testamento.

3. A Vulgata (Antigo Testamento):

Um marco importante é alcançado na Vulgata (Bíblia Latina de Jerônimo – Judas 390.405 d.C.) ou versão latina de Jerônimo. Jerônimo, por razões explicadas em seu Prefácio, reconheceu apenas as Escrituras Hebraicas como canônicas; sob pressão, ele executou mais tarde uma tradução apressada de Tobias e Judite.

No entanto, o sentimento estava forte a favor dos outros livros, e em pouco tempo esses foram adicionados à versão de Jerônimo a partir do Latim Antigo. É essa Vulgata ampliada (Bíblia Latina de Jerônimo – Judas 390.405 d.C.) que recebeu reconhecimento oficial, sob anátema, no Concílio de Trento (1543), e, com revisão, de Clemente VIII (1592), embora, anteriormente, estudiosos romanos proeminentes (Ximenes, Erasmo, Caetano) tivessem esclarecido o verdadeiro estado dos fatos.

A igreja grega vacilou em suas decisões, às vezes aprovando o cânon limitado, às vezes o estendido. As igrejas da Reforma (luterana, suíça), como era de se esperar, voltaram ao cânon hebraico, concedendo apenas uma sanção qualificada à leitura e uso eclesiástico dos Apócrifos.

As primeiras versões inglesas (Tyndale, Coverdale, etc.) incluem, mas separam, os livros apócrifos. Os Artigos Anglicanos expressam a estimativa geral desses livros:

“E os outros livros (como Jerônimo diz) a Igreja lê para exemplo de vida e instrução de maneiras; ainda assim não os aplica para estabelecer qualquer doutrina” (Art. VIII). As Bíblias protestantes modernas geralmente excluem completamente os Apócrifos.

4. O Novo Testamento:

Desta pesquisa sobre o curso da opinião sobre o alcance do Antigo Testamento, chegamos ao Novo Testamento. Isso admite ser tratado de forma mais breve. Tem-se visto que um Novo Testamento cristão não surgiu, no sentido estrito, até depois da metade do século II.

Os Evangelhos e Epístolas já existiam, coleções haviam começado a ser feitas, os Evangelhos, pelo menos, eram lidos semanalmente nas assembleias dos cristãos (Justino, 1 Apol. – Judas 67), antes que a tentativa fosse feita para reunir e levar em conta formalmente todos os livros que gozavam de autoridade apostólica.

As necessidades da igreja, no entanto, e especialmente a controvérsia com os oponentes gnósticos, tornaram necessário que esse trabalho fosse feito; coleções também tinham que ser formadas para fins de tradução para outras línguas.

Evangelhos genuínos tinham que ser distinguidos dos espúrios; escritos apostólicos daqueles de data posterior ou falsamente portando nomes apostólicos. Quando esta tarefa foi empreendida, logo se revelou uma distinção entre duas classes de livros, deixando de lado aqueles reconhecidos por todos como espúrios:

(1) livros universalmente reconhecidos – aqueles nomeados posteriormente por Eusébio os homologoumena; e (2) livros apenas parcialmente reconhecidos, ou sobre os quais algum dúvida descansava – os antilegomena de Eusébio (Historia Ecclesiastica, iii.25). É sobre essa distinção que as diferenças quanto à extensão precisa do Novo Testamento se basearam.

(1) Livros Reconhecidos.

Os livros “reconhecidos” apresentam pouca dificuldade. Eles são enumerados por Eusébio, cujas declarações são confirmadas por listas antigas (por exemplo, a de Muratori, cerca de 170 d.C.), citações, versões e uso patrístico. À frente estão os Quatro Evangelhos e os Atos, depois vêm as 13 epístolas de Paulo, depois 1 Pedro e 1 João.

Estes, Westcott diz, em direção ao final do século II, “foram universalmente recebidos em cada igreja, sem dúvida ou limitação, como parte da regra escrita da fé cristã, igual em autoridade com as Escrituras do Antigo Testamento, e ratificados (como parecia) por uma tradição que remonta à data de sua composição”.

Com eles quase podem ser colocados Apocalipse e Hebreus, as dúvidas em relação a este último relacionam-se mais à autoridade paulina do que à autenticidade (por exemplo, Orígenes).

(2) Livros Disputados.

Os livros “disputados” foram as epístolas de Tiago, Judas, 2 João e 3 João e 2 Pedro. No entanto, nem todos estão no mesmo nível em termos de autenticação. Uma dificuldade principal é o silêncio dos Pais ocidentais em relação a Tiago, 2 Pedro e 3 João.

Por outro lado, Tiago é conhecido por Orígenes e está incluído na Peshitta siríaca; o Fragmento Muratoriano atesta Judas e 2 João como “mantidos na igreja católica” (Judas também em Tertuliano, Clemente de Alexandria, Orígenes); nenhum dos livros é tratado como espúrio.

O mais fraco em atestação é 2 Pedro, que não é distintamente rastreável antes do século III. Deve-se acrescentar que, em alguns casos, como no caso dos Apócrifos do Antigo Testamento, os primeiros Pais citam como Escritura livros geralmente não aceitos como canônicos (por exemplo, Barnabé, Hermas, Apócrifos de Pedro).

A aceitação completa de todos os livros em nosso atual cânon do Novo Testamento pode ser datada dos Concílios de Laodiceia (cerca de 363 d.C.) e de Cartago (397 d.C.), confirmando as listas de Cirilo de Jerusalém, Jerônimo e Agostinho.

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Faça um comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários

Artigos Relacionados