Início Dicionário I Idade, Velhice (os idosos)

Idade, Velhice (os idosos) na Bíblia. Significado e Versículos sobre Idade, Velhice (os idosos)

6 min de leitura

Idade, Velhice (os idosos)

Ainda que a Bíblia raramente discuta a velhice diretamente, existem vários termos relacionados a este tópico. A expressão hebraica mais comum para idade, zaqen, é frequentemente uma simples designação de idade avançada.

Depois de dizer-se que Abraão estava velho (zaqen), uma frase explicativa é usada: “bem avançado em anos” (lit. “dias”, Gênesis 24.1). Esta frase ilustra a prática hebraica de indicar idade marcando a passagem do tempo, geralmente empregando a palavra “dia” ou “ano”.

Quando Jacó se aproximou da morte, seus 147 anos foram resumidos como “os anos de sua vida” (Gênesis 47.28). Uma vida rica e plena é aquela que é saciada no tempo, como Jó estava “cheio de anos” (João 42.17; cf. Abraão em Gênesis 25.8).

O adjetivo zaqen, “ancião, velho”, é aplicado a vários cargos no Antigo Testamento, sempre como uma indicação de nobreza. Pode referir-se ao servo mais velho de uma casa (Gênesis 24.2) ou aos oficiais da corte real egípcia (Gênesis 50.7).

O cargo de “ancião” assumiu conotações políticas quando se referia aos principais servos de Davi (2 Samuel 12.17), bem como aos anciãos do Egito, Moabe ou Midiã (Gênesis 50.7; Números 22.7). Durante o tempo de Moisés, “os anciãos de Israel” eram um importante grupo de líderes que o acompanharam em seu primeiro encontro com o Faraó (Êxodo 3.18), serviram como intermediários com a nação (Êxodo 19.7), assistiram Moisés na ratificação da aliança do Sinai (Êxodo 24.1) e ajudaram Moisés de muitas outras maneiras ao longo de sua vida (Êxodo 17.5; Números 11.16-17).

O Antigo Testamento também usa “cabeça grisalha” (seba) como sinônimo de idade avançada. Na famosa cerimônia da aliança de Gênesis 15 Deus assegurou a Abraão que ele morreria em paz e seria enterrado “em boa velhice” (seba toba, v. 15 cf. Gênesis 25.8).

Da mesma forma, Davi morreu “em boa velhice, tendo desfrutado de longa vida, riqueza e honra” (1 Crônicas 29.28). Uma “cabeça grisalha” era vista como uma coroa de glória alcançada por meio de uma vida justa (Provérbios 16.31).

Uma imagem semelhante ocorre na visão de Daniel do Ancião de Dias, cujos cabelos eram como pura lã de cordeiro (Daniel 7.9).

O termo yases pode referir-se a uma pessoa idosa e decrépita que é indefesa ou desprotegida. Nabucodonosor não teve compaixão dos idosos ou dos fracos (2 Crônicas 36.17). O derivado deste termo (yaso) designa aqueles dignos de respeito devido à sua idade (João 15.1 – João 32.6).

O hebraico também usa kelah, que geralmente denota “riqueza”, para idade avançada (NIV’s “full vigor”, João 5.26). O Antigo Testamento valoriza muito os idosos, como é evidente pelo mandamento em Levítico 19.32: “Levanta-te na presença do idoso (seba), mostra respeito pelos mais velhos (zaqen) e teme o teu Deus.”

Assim como no Antigo Testamento, o termo do Novo Testamento “ancião” (presbytes) pode denotar simplesmente uma pessoa de idade avançada. Zacarias usa o termo para descrever-se como próximo do fim dos anos de procriação (Lucas 1.18).

Paulo usa este termo para referir-se a si mesmo como “um homem velho” (Filemom 9). Ele também deu instrução a Timóteo sobre como falar com homens e mulheres mais velhos (1 Timóteo 5.1-2; cf. Tito 2.2-3).

Mas mais comumente, o termo é usado para descrever a liderança do povo (Mateus 21.23). Os “anciãos” eram aparentemente um grupo político não oficial que desempenhava um papel ativo nos assuntos públicos.

Eles aparecem frequentemente em associação com os principais sacerdotes e escribas.

Mais tarde, no período do Novo Testamento, os “anciãos” tornaram-se a liderança religiosa oficial na igreja primitiva. Embora as origens específicas do presbitério na igreja primitiva sejam incertas, parece claro que o cargo foi baseado no costume do Antigo Testamento e judaico de conceder honra e respeito aos membros da comunidade de idade avançada. À medida que a igreja nascente começou a crescer, anciãos foram nomeados ou ordenados como supervisores de cada congregação local (Atos 14.23).

No início da história da igreja, eles eram vistos como uma classe estabelecida de oficiais, que eram líderes da igreja em Jerusalém (Atos 11.30). Eles aparecem junto com “os apóstolos” no Concílio de Jerusalém para resolver a disputa sobre os convertidos gentios (Atos 15.2 Atos 15.4 Atos 15.22).

Os oficiais conhecidos como “anciãos” na igreja primitiva também são às vezes chamados de “bispos” (“supervisores”, episkopos). Os dois termos são intercambiáveis em Tito 1.5 – Tito 7 “Ancião” e “bispo” parecem se sobrepor em 1 Timóteo, onde as instruções concernentes aos “anciãos” (5:17) provavelmente se referem tanto aos bispos de 3:1 quanto aos diáconos de 3:8.

Então, os anciãos da igreja primitiva eram supervisores (ou “bispos”, Atos 20.28), pastores (Efésios 4.11) e líderes (Hebreus 13.7), que tinham autoridade sobre o rebanho de Deus (1 Tessalonicenses 5.12).

Eles eram chamados para oração (Tiago 5.14) e ensino da Palavra (1 Timóteo 5.17). Anciãos eram protegidos de acusações maliciosas, mas se persistissem no pecado, deveriam ser repreendidos publicamente como exemplo para todos os crentes (1 Timóteo 5.19-20).

Uma igreja sem um ancião nomeado sobre ela significava que o trabalho do missionário estava “inacabado” (Tito 1.5). As qualificações para o cargo de ancião incluíam um estilo de vida justo, monogamia e humildade.

O termo do Novo Testamento geras (e o verbo relacionado gerasko) refere-se à velhice em geral. O anjo Gabriel disse a Maria que Isabel havia concebido um filho “na sua velhice” (Lucas 1.36). O autor de Hebreus proclama que algo que está obsoleto e “envelhecendo” logo desaparecerá (Hebreus 8.13).

Nas sociedades tribais do antigo Oriente Próximo, reverência e respeito eram concedidos aos idosos. Na Bíblia, a longevidade é considerada uma recompensa por uma vida virtuosa e justa, e os idosos eram considerados maduros em sabedoria e experiência.

O costume do Antigo Testamento de honrar os idosos com posições de favor politicamente e socialmente foi continuado na prática do Novo Testamento de conferir papéis de liderança aos “anciãos”.

Finalmente, podemos notar que o conceito moderno de “aposentadoria” é desconhecido na Bíblia. Os levitas se aposentavam do serviço oficial aos cinquenta anos, mas depois auxiliavam os sacerdotes mais jovens (Números 8.24-26).

Zacarias, no período do Novo Testamento, considerava-se velho, mas continuava seu serviço no templo (Lucas 1.18-25). Sem dúvida, em sociedades agrícolas antigas, a natureza do trabalho físico significava cessação do trabalho em uma idade relativamente precoce.

Mas os aposentados eram então responsáveis por treinar seus netos e tornavam-se conselheiros para a geração mais jovem. A Bíblia não tem conceito de encerrar o trabalho de uma vida para passar o resto dos dias em lazer.

William T. Arnold

Comentários

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários