Início Dicionário E Exército, Romano

Exército, Romano na Bíblia. Significado e Versículos sobre Exército, Romano

8 min de leitura

Exército, Romano

A abordagem deste assunto será limitada a

(I) uma breve descrição da organização do exército, e

(II) uma consideração das alusões ao estabelecimento militar romano no Novo Testamento.

I. Organização.

Originalmente não havia forças permanentes, mas os cidadãos realizavam o serviço militar como qualquer outro dever cívico quando convocados pelos magistrados. O desenvolvimento gradual de uma profissão militar e um exército permanente culminou na admissão da classe mais pobre às fileiras por Mário (cerca de 107 a.C.).

A partir de então, o exército romano era composto por um corpo de homens cujo caráter era essencialmente o de mercenários, e cujo prazo de serviço contínuo variava em diferentes divisões de 16 a 26 anos.

As forças que compunham o exército romano sob o Império podem ser divididas nos seguintes cinco grupos:

(1) a guarda imperial e guarnição da capital,

(2) as legiões,

(3) os auxiliares,

(4) os numeri,

(5) a frota. Discutiremos sua organização na ordem mencionada.

1. A Guarda Imperial:

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

A guarda imperial consistia nas cohortes praetoriae, que junto com as cohortes urbanae e vigiles compunham a guarnição de Roma. No sistema militar estabelecido por Augusto, havia nove coortes da guarda pretoriana, três das tropas urbanas e sete dos vigiles.

Cada coorte contava com 1.000 homens e era comandada por um tribuno de patente equestre. Os prefeitos pretorianos (praefecti praetorii), geralmente dois, eram comandantes de toda a guarnição da capital e ocupavam o ponto mais alto de distinção e autoridade na carreira equestre.

2. As Legiões:

Havia 25 legiões em 23 d. C., que aumentaram para 30 durante o reinado de Marco Aurélio – 160.180 d. C., e para 33 sob Septímio Severo. Cada legião era composta, ordinariamente, por 6.000 homens, que eram divididos em 10 coortes, cada coorte continha 3 manípulos e cada manípulo por sua vez 2 centúrias.

O legatus Augustus pro praetore, ou governador de cada província imperial, era o principal comandante de todas as tropas dentro da província. Um oficial de patente senatorial conhecido como legatus Augusti legionis estava encarregado do comando de cada legião, juntamente com os corpos de auxiliares associados a ela.

Além disso, havia seis tribuni militum, oficiais de patente equestre (geralmente filhos de senadores que ainda não haviam exercido a questura) em cada legião. Os centuriões que comandavam as centúrias pertenciam à classe plebeia.

Entre a patente de soldado comum e centurião havia um grande número de subalternos, chamados principales, que correspondem aproximadamente aos oficiais não comissionados e homens destacados das fileiras para funções especiais nos exércitos modernos.

3. Os “Auxiliares”:

Os auxiliares eram organizados como infantaria em cohortes, como cavalaria em alas, ou como corpos mistos, cohortes equitatae. Algumas dessas divisões continham aproximadamente 1.000 homens (cohortes ou alas miliariae), mas a maior parte cerca de 500 (cohortes ou alas quingenariae).

Eram comandados por tribunos e prefeitos de patente equestre. A importância dos auxiliares consistia originalmente na diversidade de seu equipamento e maneira de lutar, já que cada grupo aderia aos costumes da nação em cujo meio havia sido recrutado.

Mas com a romanização gradual do Império, eles foram assimilados cada vez mais ao caráter dos legionários.

4. Os “Numeri”:

Os numeri se desenvolveram a partir da milícia provincial e começaram a aparecer no século II d. C. Mantinham sua maneira local de guerra. Alguns eram corpos de infantaria, outros de cavalaria, e variavam em força de 300 a 90.

Seus comandantes eram praepositi, praefecti ou tribuni, todos homens de patente equestre.

5. A Frota:

A frota estava sob o comando de prefeitos (praefecti classis), que tinham patente entre os mais altos oficiais da classe equestre. As principais estações navais estavam em Miseno e Ravena.

6. Arranjos Defensivos:

Augusto estabeleceu a fronteira norte do Império no Reno e no Danúbio, ao longo da maior parte de seu curso, e legou a seus sucessores o conselho de que não deveriam estender sua soberania além dos limites que ele havia definido; e embora essa política tenha sido desviada em muitos casos, como a anexação da Trácia, Capadócia, Mauritânia, Britânia e Dácia, para não mencionar as aquisições mais efêmeras de Trajano, ainda assim o sistema militar do Império foi arranjado principalmente com o objetivo de prover a defesa das províncias e não para realizar guerras agressivas em larga escala.

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Quase todas as forças, com exceção da guarda imperial, foram distribuídas entre as províncias na fronteira do Império, e a característica essencial da disposição das tropas nessas províncias era a fortaleza permanente na qual cada unidade estava estacionada.

A combinação de grandes acampamentos para as legiões com uma série de pequenos fortes para as alas, coortes e numeri é o arranjo característico em todas as fronteiras. A proteção imediata da fronteira era regularmente confiada às tropas auxiliares, enquanto as legiões geralmente ficavam estacionadas a alguma distância atrás do limite real.

Assim, o exército como um todo estava tão disperso que era difícil reunir forças suficientes para realizar qualquer projeto considerável de conquista estrangeira, ou mesmo para lidar de imediato com uma invasão séria, mas o sistema geralmente era satisfatório diante das condições que prevaleciam e garantiu para os milhões de súditos do Império Romano o período mais longo de tranquilidade ininterrupta conhecido pela história europeia.

7. Sistema de Recrutamento:

De acordo com os arranjos de Augusto, as cohortes praetoriae e cohortes urbanae eram recrutadas do Lácio, Etrúria, Úmbria e das colônias romanas mais antigas, as legiões das demais partes da Itália e os auxiliares das comunidades sujeitas do Império.

Mas com o tempo, os nativos da Itália desapareceram, primeiro das legiões e depois da guarnição da capital. Antonino Pio estabeleceu a regra de que cada corpo de tropas deveria recrutar seus membros do distrito onde estava estacionado.

A partir de então, a posse prévia da cidadania romana não era mais exigida para o alistamento nas legiões. O legionário recebia o privilégio da cidadania ao entrar no serviço, o soldado auxiliar ao ser dispensado.

II. Alusões no Novo Testamento ao Estabelecimento Militar Romano.

Essas referências dizem respeito principalmente aos corpos de tropas estacionados na Judeia. Agripa I deixou um estabelecimento militar de uma ala e cinco coortes em sua morte em 44 d. C., que sem dúvida recebeu da administração romana anterior.

Essas divisões eram compostas por recrutas locais, principalmente samaritanos. A Ala I gemina Sebastenorum estava estacionada em Cesareia.

1. Banda Augusta:

Júlio, o centurião ao qual Paulo e outros prisioneiros foram entregues para serem escoltados a Roma (Atos 27.1), pertencia a uma das cinco coortes estacionadas em ou perto de Cesareia. Esta Speira Sebaste, “Banda de Augusto” (a versão revisada (britânica e americana) “banda augustana”; a margem da versão revisada “coorte”), provavelmente era o mesmo corpo de tropas mencionado em inscrições como Cohors I Augusta e Speira Augouste.

Seu título oficial pode ter sido Cohors Augusta Sebastenorum. Observa-se que todas as divisões do exército romano eram divididas em companhias de cerca de 100 homens, cada uma das quais, na infantaria, era comandada por um centurião, na cavalaria, por um decurião.

2. Banda Italiana:

Havia outra coorte em Cesareia, a “banda italiana” (Cohors Italica) da qual Cornélio era centurião (Atos 10.1).

3. Guarda Pretoriana:

Uma das cinco coortes estava estacionada em Jerusalém (Mateus 27.27; Marcos 15.16), cujo “chefe capitão” era Cláudio Lísias. Seu título, chiliarchos em grego (Atos 23.10,15,17,19,22,2Atos 24.7 na Versão Rei Jaime), significando “líder de mil homens” (tribunus, Vulgata), indica que esse corpo de soldados era uma cohors miliaria.

Cláudio Lísias enviou Paulo a Félix em Cesareia sob escolta de 200 soldados – Atos 70 cavaleiros – Atos 200 lanceiros (Atos 23.23). Os últimos (dexiolaboi) são considerados uma parte da milícia provincial. Vários centuriões da coorte em Jerusalém aparecem durante o motim e subsequente resgate e prisão de Paulo (Atos 21.3Atos 22.25,26Atos 23.17,23).

As coortes miliariae (de 1.000 homens) continham dez centuriões. Um centurião, sem dúvida da mesma coorte, estava encarregado da execução do Salvador (Mateus 27.54; Marcos 15.39,44,45; Lucas 23.47). Era costume que os centuriões fossem confiados com a execução de penalidades capitais.

LITERATURA.

Discussões abrangentes sobre o sistema militar romano podem ser encontradas em Marquardt, Romische Staatsverwaltung, II – Lucas 319.612, e em Pauly-Wissowa, Realencyclopadie, artigo “Exercitus”.

George H. Allen

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Faça um comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários

Artigos Relacionados