Início Dicionário D Dívida; devedor

Dívida; devedor: Dicionário Bíblico e versículos na Bíblia

5 min de leitura

Dívida; devedor – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Dívida; devedor

É difícil hoje em dia pensar em dívida sem associar com ela a ideia de juros e até mesmo usura. Certo é que essa ideia está associada à ideia do Antigo Testamento da palavra, pelo menos no período posterior da história do Antigo Testamento.

Isso é verdade para todo o Novo Testamento. A palavra hebraica (neshi) sempre carrega consigo a ideia de “juros mordazes” (compare 2 Reis 4.7). As palavras gregas daneion (Mateus 18.27) e opheile (Mateus 18.32) podem apontar apenas para o fato da dívida; a ideia de juros, no entanto, é claramente ensinada no Novo Testamento (compare Mateus 25.27).

Legislação bastante extensa é fornecida no Antigo Testamento governando a questão da dívida e dos devedores. Dívidas e empréstimos não tinham, no entanto, o aspecto comercial entre os judeus tão característico das nações ao redor da Palestina.

De fato, a legislação mosaica parecia destinada a proteger contra tal comercialismo. Era considerado um infortúnio estar em dívida; indicava pobreza provavelmente causada por colheitas arruinadas; consequentemente, aqueles endividados deviam ser vistos com piedade e tratados com leniência.

Não deve haver opressão dos pobres sob tais circunstâncias (Êxodo 22.25; Deuteronômio 23.19,20; Ezequiel 18.18). Mesmo onde uma garantia é dada e recebida, certas restrições são impostas, por exemplo, o credor não deve tomar um moinho, nem uma vestimenta necessária, nem o boi de uma viúva, etc., como penhor (Êxodo 22.25-27; Deuteronômio 24.6,10-13; João 22.6; Amós 2.8).

Além disso, a garantia deve ser devolvida em alguns casos “antes do pôr do sol” (Êxodo 22.26,27), e em todos os casos deve haver redenção completa nos anos sétimo e do jubileu (Neemias 10.31, etc.). Os judeus eram estritamente exortados a não cobrar nenhum juro de sua própria nação (Êxodo 22.25; Deuteronômio 23.19,20).

Estrangeiros, no entanto, podiam ser cobrados com juros (ibid.). Um judeu devoto não emprestaria dinheiro a outro judeu com juros.

Parece que, à medida que Israel entrou em contato com as nações vizinhas, a dívida tornou-se cada vez mais uma questão comercial. As leis mosaicas sobre clemência para com os pobres que eram obrigados temporariamente a se tornarem devedores foram completamente desrespeitadas, e os pobres foram oprimidos pelos ricos.

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Uma ilustração da severidade com que os devedores passaram a ser tratados pode ser encontrada em 2 Reis 4.1-7, na qual, devido à incapacidade de uma viúva pagar uma pequena dívida contraída por seu falecido marido, a mulher reclama ao profeta que os credores vieram vender seus dois filhos para que a dívida fosse paga.

Estranhamente, o profeta, enquanto ajuda a viúva multiplicando milagrosamente o óleo para que a dívida seja paga, nada diz em condenação de tal conduta por parte dos credores. Devemos entender com isso que o comercialismo já tinha um domínio tão poderoso sobre Israel que até para um profeta a prática parecia adequada, ou pelo menos esperada?

O próprio devedor ou sua família poderiam ser vendidos por dívida, ou o devedor poderia tornar-se escravo por um certo tempo até que a dívida fosse paga (Levítico 25.39,47; Isaías 50.1). Tão opressivo havia se tornado o sistema comercial em Israel que o devedor amaldiçoava o credor e o credor o devedor (Jeremias 15.10). Às vezes, os devedores eram proscritos, como no caso dos homens que vieram a Davi na caverna de Adulão (1 Samuel 22.2).

Que a questão de emprestar e tomar emprestado assumiu proporções muito graves é evidente pelos avisos muito incisivos sobre o assunto no Livro de Provérbios (Provérbios 6Provérbios 11.15Provérbios 20.16, etc.).

O ensino do Novo Testamento sobre este assunto está confinado em grande parte às parábolas de nosso Senhor. Alguns pensam que a expressão “A ninguém devais coisa alguma” (Romanos 13.8) é um aviso absoluto contra o endividamento.

Um avanço notável na questão de dívidas e devedores é percebido quando entramos na época do Novo Testamento. Lemos sobre banqueiros, cambistas, agiotas, juros, investimentos, usura (Mateus 25.16-27; João 2.13-17).

A cobrança de juros não parece ser explicitamente condenada no Novo Testamento. A pessoa do devedor, bem como sua família e terras, poderiam ser apreendidas por falta de pagamento da dívida (Mateus 18.21-26).

Na verdade, o devedor era frequentemente lançado na prisão e atormentado por causa da falta de pagamento (Mateus 18.30,34). Que compaixão e leniência devem ser exercidas para com aqueles em dívida é o claro ensino de Cristo nas parábolas do Servo Impiedoso (Mateus 18.23-35) e dos Dois Devedores (Lucas 7.41-43).

Figurativo:

Dívida e devedor são usados em um sentido moral também para indicar a obrigação de uma vida justa que devemos a Deus. Cair em falta na vida justa é tornar-se um devedor. Por essa razão, oramos: “Perdoa-nos as nossas dívidas” (Mateus 6.12).

Aqueles que são ministrados em coisas espirituais são considerados devedores daqueles que lhes ministram (Romanos 15.27). Fazer um voto a Deus é colocar-se em dívida em um sentido moral (Mateus 23.16-18; a versão revisada, margem “vinculado por seu juramento”).

Em um sentido profundamente espiritual, o apóstolo Paulo professou estar em dívida com todos os homens, pois ele lhes devia a oportunidade de fazer-lhes o bem (Romanos 1.14).

As parábolas de Jesus mencionadas acima são ricas em verdades consoladoras. Quão bela é a disposição de Deus, o grande e Divino Credor, de nos liberar de nossa dívida! Assim também devemos ser imitadores do Pai celestial que é misericordioso.

William Evans

Orr, James, M.A., D.D. Editor Geral. “Entrada para ‘DÍVIDA; DEVEDOR’”. “Enciclopédia Bíblica Padrão Internacional”. 1915.

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Faça um comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários

Artigos Relacionados