Início Dicionário D Discrepâncias, bíblicas

Discrepâncias, bíblicas: Dicionário Bíblico e versículos na Bíblia

11 min de leitura

Discrepâncias, bíblicas – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Discrepâncias, bíblicas

1. Definição:

Por este termo deve-se entender discordâncias substanciais nas declarações dos escritores bíblicos. Tais discordâncias podem subsistir entre as declarações de diferentes escritores ou entre várias declarações de um único escritor.

Contradições das visões bíblicas por fontes extra-bíblicas como história, ciência natural, filosofia, não caem dentro do escopo do nosso assunto.

2. Crítica versus Doutrina da Inerrância:

Leitores observadores da Bíblia em todas as épocas notaram, com vários graus de discernimento, que as Escrituras exibem muitas diferenças e contrastes interiores. Diferenças de forma literária e método sempre pareceram, exceto para aqueles que mantinham uma teoria mecânica de inspiração, totalmente naturais e adequadas.

Além disso, foi universalmente reconhecido que houve progresso na revelação bíblica, especialmente que o Novo Testamento de Jesus Cristo significa uma revelação de Deus muito mais rica do que o Antigo Testamento.

Ao cumprir a lei e os profetas, Cristo colocou uma distância marcada entre Ele e eles, mas certamente afirmou em vez de negar. A igreja cristã sempre manteve a unidade essencial da biblioteca divina das Sagradas Escrituras.

Além disso, as igrejas evangélicas reconheceram a Bíblia como “a única e suficiente regra de fé e prática.” De fato, na geração seguinte à Reforma, a teoria mais estrita e literal de inspiração e inerrância encontrou aceitação geral.

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Contra tal corpo de pressuposições, a crítica, algumas gerações depois, começou a alegar certos erros e discrepâncias na Bíblia. Claro que os ortodoxos procuraram repelir todas essas alegações; pois sentiam que a Bíblia, independentemente das aparências, devia estar livre de erro, caso contrário, não poderia ser a palavra de Deus.

Assim, veio com a crítica um longo período de defesa vigorosa da doutrina mais estrita da inerrância bíblica. No entanto, a crítica continuou seu caminho. Forçou a igreja a encontrar uma base mais profunda e segura de confiança na autoridade da Bíblia como testemunha da auto-revelação de Deus ao homem.

Em nossos dias, a igreja superou em grande parte a noção de que a certeza da graça salvadora de Deus em Cristo depende da inerrância absoluta de cada declaração contida na Bíblia. Ainda assim, permanece, e sem dúvida sempre permanecerá, a necessidade de um entendimento claro da questão envolvida na alegação–junto com outras “limitações humanas”–de discrepâncias bíblicas.

3. Sinopse do Argumento:

As supostas discrepâncias dizem respeito

(1) a declarações de fatos específicos e concretos, e

(2) à enunciação de princípios e doutrinas. Sob o primeiro cabeçalho estão desacordos relativos a números, datas, forma e ordem de eventos históricos, registros de palavras faladas, geografia, história natural, etc.

Sob o segundo cabeçalho estão desacordos relativos a verdades morais e religiosas, realidades e valores “super-históricos”. Nossa investigação se resolve em três partes:

(1) determinar se há discrepâncias, de qualquer um ou ambos os tipos, na Bíblia;

(2) obter pelo menos uma compreensão geral das condições e causas que podem ter dado origem às discrepâncias, reais ou aparentes;

(3) determinar seu significado para a fé.

4. Supostas Discrepâncias Relativas aos Fatos:

Quanto ao primeiro ponto, deve-se observar que inconsistências aparentes podem não ser reais; como tantas vezes no passado, pode acontecer novamente que a descoberta de mais dados resolva muitas contradições aparentes.

Por outro lado, a afirmação a priori de que não pode haver e não há discrepâncias reais na Bíblia não é apenas um ultraje ao entendimento humano, mas também contradiz o espírito de liberdade que é da fé.

Além disso, não deve ser esquecido que as descobertas da pesquisa histórica e arqueológica moderna, que tendem a confirmar tantas declarações bíblicas, parecem revelar erros em outras.

Em qualquer caso, devemos nos curvar à realidade, e podemos fazer isso com confiança destemida no “Deus das coisas como elas são.” Mas existem discrepâncias reais na Bíblia? Não faz parte do plano atual tentar a tarefa impossível e inútil de exibir estatísticas definitivas de todas as supostas discrepâncias, ou mesmo de todas as principais.

Passando pela tolice infantil que encontraria uma “discrepância” em meras antíteses retóricas, como em Provérbios 26.4,5 (“Não respondas ao tolo”, e “Responde ao tolo conforme a sua estultícia”), ou instâncias de mera contrariedade formal de expressão, onde as coisas pretendidas são manifestamente congruentes (por exemplo, Mateus 12.30; Lucas 11.23 contrastado com Marcos 9.40; Lucas 9.50:

“Quem não é comigo é contra mim,” “Quem não é contra nós é por nós”), servirá ao nosso propósito notar alguns exemplos representativos de discrepância real ou aparente.

As cronologias de Reis e Crônicas são inconsistentes. As genealogias em Gênesis 46 Números 26 1 Crônicas 2.7 mostram variações consideráveis. As duas listas de exilados que retornaram com Zorobabel (Esdras 2 Neemias 7.6) mostram muitas discrepâncias, incluindo uma diferença marcante na enumeração.

Os relatos da criação em Gênesis 1Gênesis 2 (comparar CRIAÇÃO)–para tomar um exemplo dependente dos resultados da crítica moderna–são mutuamente independentes e em aspectos importantes diversos. Mas o centro de interesse em nossa investigação é a história do evangelho.

Desde Taciano e seu Diatessarão no século 2, as variações e contrastes nos Evangelhos não apenas foram notados e sentidos, mas muitos se esforçaram para “harmonizá-los.” Afinal, no entanto, permanecem algumas diferenças irreconciliáveis.

Os Evangelhos, geralmente falando, não nos dão ipsissima verba de Jesus; ao relatar Seus discursos, mostram muitas variações. Na medida em que o significado essencial é o mesmo em todos, ninguém fala de discrepâncias; mas onde a variação claramente envolve uma diferença de significado (por exemplo, Mateus 12.39,40 e Lucas 11.29,30), pode-se dizer que pelo menos uma discrepância técnica existe.

Ao registrar ditos ou eventos, os evangelistas manifestamente nem sempre observam a mesma ordem cronológica; Lucas, por exemplo, registra em conexões totalmente diferentes ditos que Mateus inclui como partes do Sermão da Montanha (por exemplo, a Oração do Senhor, Mateus 6.9; Lucas 11.1-4).

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Temos duas genealogias distintas de Jesus (Mateus 1.1-16; Lucas 3.23). Podemos até notar que a inscrição de Pilatos sobre a cruz de Jesus é dada em quatro formas distintas. Aqui, no entanto, a discrepância não é real, exceto no sentido mais técnico, e vale a pena mencionar apenas para mostrar que o interesse dos evangelistas não está em uma mera precisão objetiva.

Que um acordo perfeito quanto ao significado de um evento exista onde há discrepâncias inegáveis nos detalhes externos pode ser ilustrado pelos dois relatos da cura do servo do centurião (Mateus 8.5; Lucas 7.1).

De enormemente maior interesse são os vários relatos das aparições do Cristo ressuscitado. Se uma certeza completa quanto à forma e ordem desses eventos é necessária para a fé, o caso não é feliz, pois os harmonizadores não conseguiram apresentar um relato perfeito dessas questões.

Passando dos Evangelhos para a história apostólica, encontramos alguns problemas reais, por exemplo, como relacionar as notas autobiográficas de Paulo em Gálatas 1 com os relatos em Atos.

5. Supostas Discrepâncias Relativas à Doutrina:

As discrepâncias até agora notadas dizem respeito a assuntos históricos, e nenhuma delas envolve a contradição de um fato no qual a fé esteja interessada. Mas há também discrepâncias reais ou aparentes em questões de doutrina?

Muitos estudiosos mantêm, por exemplo, que o ideal dos profetas e o da classe sacerdotal estão em uma oposição relativa (não absoluta) entre si (comparar, por exemplo, Isaías 1.11; Miqueias 6:8 com o ritualismo de Levítico e Deuteronômio).

Ou, voltando ao Novo Testamento, alguns afirmariam–entre eles Lutero–que Tiago está em oposição a Paulo no que diz respeito à fé e obras (comparar Tiago 2.17 em contraste com Gálatas 2.16 e muitas outras passagens em Paulo).

Mas interesse particular recai sobre o problema da atitude de Cristo em relação à lei do Antigo Testamento. Seu “mas eu vos digo” (Mateus 5.22 e passim) foi interpretado por muitos como uma contradição distinta do Antigo Testamento.

Outra questão de interesse agudo é o acordo da imagem joanina de Jesus com a dos Sinópticos.

It can scarcely require proof that some of these alleged discrepancies are not such at all. For example, Jesus’ attitude toward the Old Testament was one of profound reverence and affirmation. He was perfectly conscious that the Old Testament law represented a stage in the Divine education of mankind.

His “but I say unto you” was not a denying of the degree of advancement represented by the Old Testament law, but a carrying out of the principle of the law to its full expression. Of course, the Divine education of Israel did not mean the mere inculcation of the truth in a fallow and hitherto unoccupied soil.

There was much superstition and error to be overcome. If then one should insist that the errors, which revelation was destined to overcome, still manifest themselves here and there in the Old Testament, it may be replied that at all events the one grand tendency of Divine revelation is unmistakably clear.

An idea is not “Scriptural” simply by virtue of its having been incidentally expressed by a Biblical writer, but because it essentially and inseparably belongs to the organic whole of the Biblical testimony.

In the case of James versus Paul the antithesis is one of emphasis, not of contradiction of a first principle. And as for the variations in the gospel history, these do not deserve to be called real discrepancies so long as the Gospels unite in giving one harmonious picture and testimony concerning the personal life and the work and teaching of Jesus.

Even from this point of view, John, though so much more theological, preaches the same Christ as the Synoptists.

6. Causes of Discrepancies:

As to the conditions under which discrepancies may arise, it may suffice, first, to call attention to the general law that God in revealing Himself to men and in moving men by His Spirit to speak or write, never lifts them out of the normal relations of human intelligence, so far as matters of history or science are concerned.

It is their witness to Himself and His will which is the result of revelation and inspiration. Their references to history and Nature are not therefore in any sense super-human; accordingly they have no direct authority for faith.

On this basis the divergences of human traditions or documents as exhibited in different genealogies, chronologies and the like are natural in the best sense and wholly fitting. As for the rest, errors of copyists have played a part.

7. Their Significance for Faith:

Faith, however, has no interest in explaining away the human limitations in God’s chosen witnesses. It is God’s way to place the heavenly “treasure in earthen vessels” 2 Corinthians 4:7. It seems that God has purposely led the church to see, through the necessity of recognizing the human limitations of the Bible, just where her faith is grounded.

God has made Himself known through His Son. The Scriptures of the New Testament, and of the Old Testament in preparation for Him, give us a clear and sufficient testimony to the Christ of God. The clearness and persuasive power of that testimony make all questions of verbal and other formal agreement essentially irrelevant.

The certainty that God has spoken unto us in His Son and that we have this knowledge through the Scripture testimony lifts us above all anxious concern for the possible errors of the witnesses in matters evidently nonessential.

$LITERATURE.$

Besides the literature noted under Revelation and Inspiration, see J. W. Haley, An Examination of the Alleged Discrepancies of the Bible, Andover – Mateus 1873 M. S. Terry, Biblical Hermeneutics, New York – Mateus 1883 Kahler, Zur Bibelf rage, Leipzig – Mateus 1907

J. R. Van Pelt

Orr, James, M.A., D.D. General Editor. “Entry for ‘DISCREPANCIES, BIBLICAL’”. “International Standard Bible Encyclopedia”. 1915.

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Faça um comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários

Artigos Relacionados