Início Dicionário B Bete-horom

Bete-horom: Dicionário Bíblico e versículos na Bíblia

18 min de leitura

Casa da caverna. Havia doissítios com este nome em Efraim, respectivamente chamados ‘o superior’ e ‘o inferior’, perto da fronteira de Benjamim (Josué 10.10). Os lugares representantes destas duas povoações se chamam hoje Beit-Ur el Foca e Beit-Ur el Tahta, significando uma palavra ‘o lugar mais alto’ e a outra ‘o lugar mais baixo’.

O fundador destas duas vilas foi Seerá, filha de Berias, que em 1 Crônicas 7.24 se diz tê-las edificado. A referência que 1hes é feita em 2 Crônicas 8.5, implica que Salomão as reedificou e as converteu em fortalezas.

A posição de Bete-Horom na orla do planalto, mesmo ao pé da descida para a fértil planície de Sarom, e sobre a grande estrada que parte de Jerusalém, tornou esse lugar de grande importância do ponto de vista militar.

Quando Gibeom foi ameaçado pelos cananeus da baixa região, Josué derrotou-os e perseguiu-os, subindo a ladeira de Bete-Horom e continuou a feri-los na descida de Bete-Horom (Josué 10.10,11). E mais tarde, nos perturbados tempos do reinado de Saul, os filisteus que estavam acampados em Micmás tinham sob a sua ação estratégica aqueles lugares.

Depois disto refortificou Salomão tanto a Bete-Horom de cima, como a Bete-Horom de baixo – e também Gezer (1 Reis 9.172 Crônicas 8.5). Foi passando por Bete-Horom que os egípcios invadiram Judá durante o reinado de Roboão.

A estrada agora é de pouco uso, mas por certos restos de calçada sabemos que os romanos não desprezaram tão importante posto, que protegia a principal linha de comunicação entre Jerusalém e a costa.

Batalha de Bete-Horom – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Batalha de Bete-Horom

1. A Situação Política

2. Estratégia de Josué

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

3. O Comando de Josué ao Sol e à Lua

4. As Relações Astronômicas do Sol e da Lua

5. O “Silêncio” do Sol

6. “Iahweh Lutou por Israel”

7. A Marcha da Tarde

8. O Crônico e o Poema Testemunhas Independentes

9. Data dos Eventos

10. Os Registros São Contemporâneos com os Eventos

1. A Situação Política:

A batalha que deu aos israelitas sob o comando de Josué o controle do sul da Palestina sempre despertou interesse devido ao milagre astronômico que se diz ter ocorrido naquela ocasião.

Ao invadir a Palestina, os israelitas não estavam atacando um estado único e coeso, mas um país ocupado por diferentes raças e dividido, como a Grécia em um período posterior, em uma série de comunidades, cada uma consistindo praticamente de apenas uma cidade e o campo cultivado ao redor dela.

Assim, Josué destruiu as duas cidades de Jericó e Ai sem qualquer interferência dos outros amorreus. A destruição de Jericó deu-lhe a posse completa do fértil vale do Jordão; a tomada de Ai abriu seu caminho até a crista que forma a espinha dorsal do país, e ele foi capaz de levar o povo sem oposição às montanhas de Ebal e Gerizim para a solene leitura da Lei.

Mas quando os israelitas retornaram dessa cerimônia, mostrou-se uma divisão significativa entre seus inimigos. Perto de Ai, a conquista mais recente de Josué, estava Beeroth, uma pequena cidade habitada por heveus; e sem dúvida, porque na ordem natural dos eventos Beeroth poderia ser o próximo ataque, os heveus determinaram fazer termos com Israel.

Uma embaixada foi então enviada de Gibeão, sua principal cidade, e Josué e os israelitas, acreditando que ela veio de uma terra distante não sob o Ban, entraram na aliança proposta.

O efeito na situação política foi imediato. Os heveus formaram um estado considerável, relativamente falando; suas cidades estavam bem localizadas na região alta do sul, e Gibeão, sua capital, era uma das fortalezas mais importantes daquele distrito, e apenas 9 quilômetros distante de Jerusalém, a principal fortaleza amorreia.

Os amorreus reconheceram imediatamente que, em vista dessa importante deserção, era imperativo para eles esmagar os gibeonitas antes que os israelitas pudessem se unir a eles, e isso eles tentaram fazer.

Os gibeonitas, vendo-se atacados, enviaram uma mensagem urgente a Josué, e ele à frente de seus homens escolhidos fez uma marcha noturna para cima de Gilgal e caiu sobre os amorreus em Gibeão no dia seguinte e os pôs em fuga.

2. Estratégia de Josué:

Não nos é dito por qual rota ele marchou, mas é significativo que os amorreus fugiram pelo caminho de Bete-Horom; ou seja, não em direção às suas próprias cidades, mas para longe delas. Um olhar para o mapa mostra que isso significa que Josué teve sucesso em cortar sua linha de retirada para Jerusalém.

Ele provavelmente avançou sobre Gibeão do sul, em vez da rota óbvia passada por Ai, que ele havia destruído, e Beeroth, com a qual estava aliado. Mas, subindo de Gilgal pelos desfiladeiros nas proximidades de Jerusalém, ele estava exposto a um grande perigo, pois os amorreus poderiam tê-lo capturado antes que ele tivesse ganho um ponto de apoio no planalto e tê-lo tomado em completa desvantagem.

Foi assim que as onze tribos sofreram uma perda terrível nas mãos dos benjamitas nesta mesma região durante a primeira guerra intertribal, e provavelmente o significado militar do primeiro repúdio de Ai foi do mesmo caráter; as forças mantendo o terreno elevado sendo capazes de dominar seus oponentes sem qualquer medo de represálias.

Parece possível, portanto, que Josué possa ter repetido, em maior escala, as táticas que empregou em seu ataque bem-sucedido a Ai. Ele pode ter enviado uma força para atrair os amorreus para longe de Gibeão, e quando isso foi feito com segurança, pode ter liderado o resto de seu exército para tomar a estrada para Jerusalém, e para desmembrar as forças sitiando Gibeão.

Se assim foi, sua estratégia foi bem-sucedida até certo ponto. Ele evidentemente levou os israelitas sem perdas até Gibeão, esmagou os amorreus lá, e cortou sua retirada em direção a Jerusalém. Ele falhou em uma coisa.

Apesar dos esforços prodigiosos que ele e seus homens haviam feito, a maior parte do exército amorreu conseguiu escapar dele e ganhou uma longa vantagem em sua fuga, em direção ao noroeste, através das duas Bete-Horons.

3. O Comando de Josué ao Sol e à Lua:

Foi neste ponto que ocorreu o incidente em que a atenção tem sido principalmente fixada. O Livro de Jasar (que parece ter sido uma coleção de canções de guerra e outras baladas) atribui a Josué o comando:

`Sol, silencia-te sobre Gibeão; E tu, Lua, no vale de Aijalom. E o sol silenciou, E a lua parou, Até que a nação se vingasse de seus inimigos’ (Josué 10.12,23). – E a narrativa em prosa continua, “O sol parou no meio do céu, e não se apressou a se pôr por quase um dia inteiro.”

4. As Relações Astronômicas do Sol e da Lua:

Nestes dois, a balada e a crônica em prosa, temos várias relações astronômicas distintas indicadas. O sol para Josué estava associado com Gibeão, e o sol pode naturalmente ser associado com uma localidade em uma de duas posições:

pode estar acima do observador, caso em que ele consideraria como estando acima do lugar onde ele mesmo estava; ou, por outro lado, ele poderia ver a localidade no horizonte e o sol nascendo ou se pondo logo atrás dela.

No presente caso não há ambiguidade, pois a crônica declara distintamente que o sol estava “no meio do céu”; literalmente, na metade do céu, ou seja, acima. Isso é muito importante porque nos assegura que Josué deve ter estado em Gibeão quando falou, e que deve ter sido meio-dia de verão quando o sol no sul da Palestina está apenas cerca de 8 graus ou 12 graus do zênite exato.

Em seguida, a lua parecia estar associada com o vale de Aijalom; isto é, deve ter estado baixa no horizonte naquela direção, e uma vez que Aijalom está a noroeste de Gibeão, ela deve estar prestes a se pôr, o que implicaria que estava cerca de metade cheia, em seu “terceiro quarto”, o sol estando, como vimos, no meridiano.

Terceiro, “o sol não se apressou a se pôr”, isto é, já havia atingido o meridiano, seu culminar; e daí para frente seu movimento era para baixo. A declaração de que era meio-dia é aqui implicitamente repetida, mas um detalhe adicional é adicionado.

O pôr do sol parecia ser lento. Este é o trabalho da tarde, isto é, da metade do dia, mas nesta ocasião a meia jornada parecia igual em comprimento a um dia inteiro normal. Portanto, não há dúvida alguma de que o sol se tornou estacionário no céu: a declaração não admite isso, mas apenas de seu progresso mais lento.

5. O “Silêncio” do Sol:

A ideia de que o sol estava fixo no céu, em outras palavras, de que a terra cessou por um tempo de girar em seu eixo, surgiu da infeliz tradução do verbo hebraico dum, “silenciar”, por “fique parado”. É a nossa própria palavra “mudo”, ambos sendo palavras onomatopeicas do som feito quando um homem fecha firmemente os lábios sobre seu discurso.

O significado primário da palavra, portanto, é “ficar em silêncio”, mas seu significado secundário é “desistir”, “cessar”, e, portanto, em alguns casos, “ficar parado”.

De que era então que Josué desejava que o sol cessasse: de seu movimento ou de seu brilho? Não é possível supor que, envolvido como estava em uma batalha desesperadora, ele estivesse sequer pensando no movimento do sol.

Mas seu brilho, seu calor escaldante, deve ter sido seriamente sentido por ele. Ao meio-dia, no alto verão, o planalto do sul da Palestina é um dos países mais quentes do mundo. É impossível supor que Josué desejasse que o sol ficasse fixo no alto, onde ele deve ter estado angustiando seus homens que já tinham andado 17 horas a pé.

Uma perseguição muito árdua estava diante deles e o inimigo não só tinha uma longa vantagem, mas deve ter estado mais fresco do que os israelitas. O calor do sol, portanto, deve ter sido um sério obstáculo, e Josué deve ter desejado que fosse amenizado.

E o Senhor atendeu a sua voz e lhe deu isso e muito mais. Uma grande tempestade de granizo varreu do oeste, trazendo consigo uma súbita queda de temperatura, e sem dúvida escondendo o sol e colocando-o em “silêncio”.

6. “Yahweh Lutou por Israel”: E “Yahweh lutou por Israel”, pois a tempestade irrompeu com tal violência sobre os amorreus enquanto fugiam pela descida íngreme entre os Bet-Horons, que “foram mais os que morreram pelas pedras de granizo do que os filhos de Israel mataram à espada” (Josué 10.11).

Esse foi o incidente culminante do dia, aquele que tão profundamente impressionou o historiador sagrado. “Não houve dia como aquele, antes dele ou depois dele, em que Yahweh atendeu à voz de um homem” (Josué 10.14).

Não foi a tempestade de granizo em si nem o ocultamento do sol que fez o dia tão notável. Foi que Josué falou, não em oração ou súplica, mas em comando, como se toda a Natureza estivesse à sua disposição; e o Senhor ouviu e obedeceu, por assim dizer, a uma voz humana: uma antecipação do tempo em que um maior Josué deveria comandar até os ventos e o mar, e eles lhe obedeceriam (Mateus 8.23-27).

7. A Marcha da Tarde: A explicação da afirmação de que o sol “não se apressou em se pôr por quase um dia inteiro” encontra-se em Josué 10.10, no qual é declarado que o Senhor desbaratou os amorreus diante de Israel, “e os feriu com grande mortandade em Gibeão, e os perseguiu pelo caminho da subida de Bet-Horom, e os feriu até Azeca e Maquedá”.

Os israelitas naturalmente não tinham relógios, e o único modo de medir o tempo disponível para eles era o número de milhas marchadas. Agora, de Gibeão a Maquedá pela rota indicada são cerca de 30 milhas, uma marcha de um dia inteiro para um exército. É possível que, ao final da campanha, os israelitas em seu retorno achassem a marcha de Maquedá a Gibeão pesada trabalho para um dia inteiro.

Medido pelo único meio disponível a eles, aquela tarde pareceu ter o dobro do comprimento ordinário. O sol “não se apressou em se pôr por quase um dia inteiro”.

8. A Crônica e o Poema São Testemunhas Independentes: A referência de Josué à lua em conexão com o Vale de Aijalom parece, à primeira vista, irrelevante, e frequentemente foi suposto ser apenas inserida para completar o paralelismo do poema.

Mas, quando examinado astronomicamente, torna-se claro que não pode ter sido inserido ao acaso. Josué deve ter mencionado a lua porque ele realmente a viu no momento de falar. Dado que o sol estava “no meio do céu”, acima de Gibeão, havia apenas um arco muito restrito do horizonte no qual a lua poderia aparecer associada a algum objeto terrestre; e de Gibeão, o Vale de Aijalom está de fato dentro desse arco estreito.

Segue-se, portanto, que a menos que a posição atribuída à lua tivesse sido obtida de observação real no momento, seria provavelmente impossível. O próximo ponto é especialmente interessante. O poema não declara expressamente se o sol estava sobre Gibeão no sentido de estar baixo no horizonte distante, ou sobre ele, no sentido de estar no alto tanto para Josué quanto para aquela cidade.

Mas a lua estando acima do Vale de Aijalom, torna-se claro que esta é a única solução possível. O sol e a lua não podem ambos ter estado se pondo — embora esta seja a ideia que geralmente foi mantida, supondo-se que o dia estava quase terminando e que Josué desejava que fosse prolongado — pois então sol e lua estariam próximos, e a lua seria invisível.

O sol não pode ter estado se pondo, e a lua nascendo; pois Aijalom está a oeste de Gibeão. Nem o sol pode ter estado nascendo, e a lua se pondo, já que isso implicaria que a época do ano era ou cerca de 30 de outubro do nosso calendário atual, ou cerca de 12 de fevereiro.

O mês de fevereiro já havia passado, pois os israelitas tinham celebrado a Festa da Páscoa. Outubro não pode ter chegado; pois, uma vez que Beeroth, Gibeão e Jerusalém estavam tão próximos, é certo que os eventos entre o retorno dos israelitas a Gilgal e a batalha de Bet-Horom não podem ter se estendido por vários meses, mas devem ter ocupado apenas alguns dias.

O poema, portanto, contém implicitamente o mesmo fato que é explicitamente declarado na narrativa em prosa — que o sol estava no alto — mas uma declaração não pode, naqueles dias, ter sido inferida da outra.

9. Data dos Eventos: Um terceiro ponto de interesse é que a posição da lua fornece uma indicação do tempo do ano. O Vale de Aijalom está 17 graus ao norte do oeste de Gibeão, cuja latitude é 31 graus 51 minutos ao norte.

Com esses detalhes, e assumindo que o tempo seja quase meio-dia, a data deve ter sido cerca do 21º dia do 4º mês do calendário judaico, correspondendo a 22 de julho do nosso calendário presente, com uma incerteza possível de um ou dois dias para qualquer lado.

A declinação do sol seria então cerca de 21 graus ao norte, de modo que ao meio-dia estava a 11 graus do zênite. Tinha nascido quase exatamente às 5 da manhã e se poria quase exatamente às 19h. A lua estava agora em seu terceiro quarto e em latitude norte cerca de 5 graus.

Tinha nascido por volta das 23h da noite anterior e estava agora a uma altitude de menos de 7 graus, e a cerca de meia hora de se pôr. As condições não são suficientes para fixar o ano, já que, pela natureza do ciclo lunissolar, sempre haverá um ou dois anos em cada ciclo de 19 que satisfarão as condições do caso, e a data da invasão hebraica da Palestina não é conhecida com certeza suficiente para limitar a investigação a qualquer ciclo específico.

10. Os Registros São Contemporâneos aos Eventos: Ver-se-á, no entanto, que as condições astronômicas introduzidas pela menção da lua são muito mais rigorosas do que se poderia esperar. Elas fornecem, portanto, prova de alta ordem que os detalhes astronômicos, tanto do poema quanto da crônica em prosa, foram derivados de observação real na época e foram preservados para nós inalterados.

Cada um, portanto, fornece um registro estritamente contemporâneo e independente. Este grande acontecimento parece ser referido em outra passagem das Escrituras — a Oração de Habacuque. Aqui novamente a tradução das versões em inglês é infeliz, e a passagem deve ficar:

“O sol e a lua cessaram (de brilhar) em sua habitação; À luz de Tuas flechas eles desapareceram, E ao brilho de Tua lança cintilante. Tu marchaste pela terra com indignação, Tu joeiraste as nações com ira” (Habacuque 3.11,12). – E.

W. Maunder

Orr, James, M.A., D.D. Editor Geral. “Entrada para ‘BATALHA DE BET-HOROM’”. “Enciclopédia Bíblica Internacional Padrão”. 1915.

Bete-Horom – Dicionário Bíblico de Easton

Bete-Horom

Casa do vale ou da caverna, nome de duas cidades ou vilas (2 Crônicas 8.51 Crônicas 7.24) no território de Efraim, no caminho de Jerusalém para Jope. Elas são distinguidas como Bet-Horom “a alta” e Bet-Horom “a baixa”.

Estão a cerca de 3,2 km uma da outra, sendo a primeira cerca de 16 km a noroeste de Jerusalém. Entre os dois lugares estava a subida e descida de Bet-Horom, que levava de Gibeão até a planície ocidental (Josué 10.10Josué 10.11Josué 18.13Josué 18.14), pela qual os cinco reis dos amorreus foram expulsos por Josué naquela grande batalha, a mais importante em que os hebreus haviam se engajado até então, sendo seu primeiro confronto com seus inimigos em campo aberto.

Jeová interveio em favor de Israel por meio de uma terrível tempestade de granizo, que causou mais mortes entre os cananeus do que as espadas dos israelitas. Bet-Horom é mencionada como tendo sido tomada por Sisaque, em 945 a.

C., na lista de suas conquistas, e o passo foi o cenário de uma vitória de Judas Macabeu. (Compare Êxodo 9.19Êxodo 9.25; João 38.22; João 38.23; Salmos 18.12-14Isaías 30.30.) O nome moderno desses lugares é Beit-ur, distinguido por el-Foka, “a alta”, e el-Tahta, “a baixa”.

A mais baixa estava ao pé da passagem e a mais alta – Isaías 152 metros acima, no topo, a oeste de Gibeão.

Easton, Matthew George. “Entrada para Bet-Horom”. “Dicionário Bíblico de Easton”.

Bete-Horom – Dicionário de Nomes Bíblicos de Hitchcock

Bet-Horom

casa da ira

Hitchcock, Roswell D. “Entrada para ‘Bet-Horom’”. “Um Dicionário Interpretativo de Nomes Próprios das Escrituras”. Nova York, N.Y. – Isaías 1869

Bete-Horom – Dicionário Bíblico de Smith

Bete-Horom

(casa das cavernas), o nome de duas cidades ou vilas, uma “superior” e outra “inferior”, (Josué 16.3Josué 16.51 Crônicas 7.24) na estrada de Gibeão para Azeca, (Josué 10.10Josué 10.11) e a planície filisteia. 1 Macabeus 3:24.

Bet-Horom ficava na linha de fronteira entre Benjamim e Efraim, (Josué 16.3Josué 16.5) e Josué 18.13,14 era contado para Efraim, (Josué 21.221 Crônicas 7.24) e dado aos coatitas. (Josué 21.221 Crônicas 6.68) (1 Crônicas 6.53) As duas Bet-Horons ainda sobrevivem nas aldeias modernas de Beit-ur, et-tahta e el-foka.

Smith, William, Dr. “Entrada para ‘Bethhoron’”. “Dicionário da Bíblia de Smith”. 1901.

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Faça um comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários

Artigos Relacionados

Contribua e nos ajude para continuarmos produzindo bons conteúdos sobre a Bíblia.