Bel: Dicionário Bíblico e versículos na Bíblia

25 min de leitura

Hebraico: Senhor.

Bel – Dicionário Bíblico de Easton

Bel

O forma aramaica de Baal, o deus nacional dos babilônios (Isaías 46.1; Jeremias 50Jeremias 51.44). Significa “senhor”.

Easton, Matthew George. “Entrada para Bel”. “Dicionário Bíblico de Easton”.

Bel – Dicionário Bíblico de Smith

Bel.

Baal

Smith, William, Dr. “Entrada para ‘Bel’”. “Dicionário da Bíblia de Smith”. 1901.

Bel – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Bel

Nome aplicativo de um deus Bah (compare com BAAL), no Antigo Testamento e nos Apócrifos identificado com Marduk ou Merodaque, a divindade tutelar da Babilônia (compare Isaías 46.1; Jeremias 51.44; Baruque 6:41).

Orr, James, M.A., D.D. Editor Geral. “Entrada para ‘BEL’”. “Enciclopédia Bíblica Padrão Internacional”. 1915.

Bel e o dragão – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Bel e o dragão

bel, bal, drag’-un (Palavras gregas: drakon, “dragão”, “serpente”; ektos, “exceto”; horasis “visão”, “profecia”; ophis, “serpente”; sphragisamenos, “tendo selado”; choris, “exceto”, palavras em hebraico ou aramaico: chatham, “selar”; zepha’, “piche”; za`apha’, “tempestade”, “vento”; nachash, “cobra”; tannin, “serpente”, “monstro marinho”):

I. INTRODUTÓRIO

II. NOME DE BEL E O DRAGÃO

III. CONTEÚDO

1. A História de Bel:

o Deus de Bel

2. A História do Dragão; Significado de “Dragão”; Culto à Serpente na Babilônia

IV. AUTORIDADES TEXTUAIS

1. Manuscritos

(1) Grego

(2) Siríaco

2. Recensões ou Versões

(1) Grego

(2) Siríaco

(3) Latim

(4) Aramaico

V. LÍNGUA ORIGINAL:

PRINCIPAIS OPINIÕES

VI. ENSINAMENTO

Pouco neste trabalho que é distintamente judeu. Deus é grande, absoluto e eterno; anjos intervêm para fins especiais; o absurdo da idolatria

VII. AUTOR, LOCAL E DATA DE COMPOSIÇÃO

Provavelmente não na Babilônia; talvez o texto hebraico tenha se originado na Palestina por volta de 146 a. C. ou mais tarde. A versão dos Setenta produzida no Egito por volta de 100 a. C., que pode ser a data e língua do Livro.

Theta (versão de Teodocião) foi produzida provavelmente em Éfeso por volta de 180 d. C.

VIII. CANONICIDADE E AUTENTICIDADE

Aceito como canônico pelos judeus do Egito mas rejeitado pelos judeus da Palestina Aceito como parte da Bíblia pelos Pais da igreja grega e latina, pelo Concílio de Trento e, portanto, pela igreja romana; negado pelos protestantes como canônico

LITERATURA

I. Introdutório.

Bel e o Dragão é o terceiro dos três acréscimos apócrifos a Daniel, O CÂNTICO DOS TRÊS JOVENS e SUSANA (que veja) sendo os outros dois. Nas versões grega e latina estas “adições” formam uma parte integral do livro canônico de Daniel, e são reconhecidas como tal e, portanto, como elas mesmas canônicas pelo Concílio de Trento.

Mas o Cântico dos Três Jovens é a única peça com uma conexão necessária com o Livro canônico de Daniel em hebraico; nos textos grego e latino segue Daniel 3.24. Os outros dois são anexados e parecem ter uma origem independente do livro ao qual são anexados e também um do outro, embora em todos os três, assim como no Livro de Daniel em hebraico, o nome e a fama de Daniel se destaquem proeminentemente.

II. Nome de Bel e o Dragão.

Já que nas recensões ou versões grega e latina Bel e o Dragão forma uma parte do Livro de Daniel, ele não leva um nome especial. Mas nos únicos dois manuscritos conhecidos dos Setenta no Siríaco Hexaplar estas palavras estão no início da “adição” agora em consideração:

“De (ou “uma parte de”) a profecia de Habacuque filho de Josué da tribo de Levi.” Que o profeta bíblico escritor desse nome é pretendido é indubitável. Em Theta (Teodociano) este fato é claramente afirmado e é igualmente indubitável que essas histórias nunca poderiam ter vindo do profeta assim chamado.

Nos códices Alexandrinus e Vaticanus de Teodocião (Theta) o título é:

Visão 12, ou seja, Daniel 12 o Daniel canônico sendo composto em 11 capítulos. Na Vulgata, Bel e o Dragão forma o capítulo 14, mas, como nos capítulos anteriores, não tem título.

Na Peshitta siríaca a história de Bel e o Dragão é precedida por “Bel o ídolo”, e a do Dragão por “Então segue o Dragão”. Bel e o Dragão é o título em todas as versões protestantes dos Apócrifos, que mantêm rigidamente a separação entre estes e os livros do cânon hebraico.

III. Conteúdo.

As histórias de Bel e do Dragão têm uma origem separada e existiam separadamente:

elas são reunidas porque ambas concordam em ridicularizar a idolatria e em encorajar os fiéis judeus a serem verdadeiros à sua religião. A glorificação de Daniel é também outro ponto em que ambos concordam, embora enquanto o Daniel da história de Bel e o Dragão aparece como um juiz astuto correspondendo à etimologia desse nome, ele da história do Dragão é apenas um puritano destemido que prefere morrer a ser infiel à sua religião.

É evidente, entretanto, que o editor das “adições” fundiu ambas as histórias em uma, fazendo a história do Dragão depender da que precede. Parece muito provável que, em uma lista Nestoriana mencionada por Churton, Bel e o Dragão está compreendido sob o título, O Pequeno Daniel.

As duas histórias contadas em comum pelos Setenta e por Teodocião podem ser assim resumidas:

1. A História de Bel:

o Deus de Bel:

Há em Babilônia uma imagem de Bel que Daniel se recusa a adorar, embora nenhuma forma de adoração seja mencionada exceto a de fornecer comida ao deus. O rei (Ciro segundo Teodocião) adverte o hebreu delinquente, apontando para ele a imensa quantidade de comida consumida diariamente por Bel, que assim prova ser um deus vivo.

Daniel, duvidando da afirmação do rei quanto à comida, pede para ser permitido testar o suposto fato. Sua solicitação sendo concedida, ele é mostrado por desejo expresso os lectisternia, as mesas sagradas sendo cobertas por comida que o deus deve consumir durante a noite.

As portas são todas seladas por acordo, e depois que os sacerdotes partem, Daniel espalha cinzas leves pelo chão do templo. Quando amanhece, verifica-se que as portas ainda estão seladas, mas a comida desapareceu.

Ao examinar, rastros de pés descalços são encontrados no chão coberto de cinzas, mostrando que os sacerdotes entraram no templo por um caminho secreto e removeram a comida. Irritado pelo truque jogado nele, o rei manda matar os sacerdotes e destruir a imagem.

A palavra Bel, uma forma abreviada de Baal, ocorre no Antigo Testamento em Isaías 46.1Jeremias 50 – Jeremias 51.44, onde representa Merodaque ou Marduque, chefe das divindades babilônicas. Originalmente, no entanto, denota qualquer uma das divindades locais babilônicas, e especialmente a principal divindade adorada em Nipur (para uso semelhante do “Baal” hebraico veja o artigo sobre esta palavra).

Em Teodocião, Ciro aparece como um defensor do culto a Bel, o que está bastante de acordo com a prática dos primeiros reis persas de favorecer o culto dos países que conquistaram.

2. A História do Dragão; Significado de “Dragão”; Culto à Serpente na Babilônia:

Há em Babilônia um grande dragão vivo adorado por um grande número de habitantes, que o alimentam generosamente. No presente caso, o deus é ou é representado por uma criatura viva que pode ser alimentada, e, de fato, precisa de alimentação.

Daniel se recusa a se curvar diante do dragão e faz uma oferta ao rei para matá-lo. Acreditando que o deus é bem capaz de cuidar de si mesmo, o rei aceita o desafio de Daniel. Daniel faz uma mistura da qual o piche é o principal ingrediente e empurra-a pela garganta do dragão, de modo que “ele se arrebenta e morre”.

O povo fica enfurecido com a morte de seu deus e exige que o rei mande matar o assassino do deus, uma demanda à qual o mestre real cede ao lançar Daniel em uma cova de leões, como foi feito com outros culpados considerados culpados de acusações capitais.

Mas, embora o profeta tenha permanecido na companhia de 7 leões por 6 dias, ele não sofreu nenhum ferimento. No último dia, quando Daniel, sem comida, estava naturalmente com fome, um milagre foi realizado para fornecer-lhe comida.

Habacuque, ao cozinhar comida para seus ceifeiros, ouviu a voz de um anjo ordenando-lhe que levasse a comida que tinha preparado para Daniel na cova dos leões em Babilônia. Ao responder que não sabia onde ficava a cova, ou mesmo Babilônia, o anjo pegou-o pelos cabelos e por eles levou o profeta à própria parte da cova onde Daniel estava.

Tendo entregue a este a refeição destinada aos ceifeiros, ele foi trazido de volta com segurança pelo anjo para sua própria casa. Parece que Habacuque foi protegido dos leões, assim como Daniel. Vendo tudo isso, o rei adorou a Deus, libertou Daniel e, em seu lugar, jogou seus acusadores na cova dos leões, onde foram instantaneamente devorados,

Zockler em seu comentário (p. 215) fala da “fluidez” do mito do Dragão, e foi seguido por Marshall e Daubney. Mas o que na realidade significa a palavra grega drakon, traduzida como “dragão”? Na Septuaginta, a palavra é usada geralmente (15 vezes) para traduzir o hebraico tannin, que denota uma serpente ou monstro marinho. É esta palavra (tannin) que na versão aramaica da história do Dragão traduz o grego drakon.

Agora em Êxodo 4.3 e Êxodo 7.9 o hebraico tannin e nachash (“serpente”) parecem identificados, assim como os gregos drakon e ophis em Apocalipse 12.9. Portanto, podemos considerar drakon na presente história como representando uma serpente.

Sabemos que em Babilônia o deus Nina era adorado na forma de uma serpente (veja Sayce, Hibbert Lectures – Apocalipse 281 f), e é mais provável que seja o culto deste deus ou de alguma outra divindade serpentina que aqui se pretende, do que haja qualquer alusão à história babilônica segundo a qual Marduque, a divindade suprema de Babilônia, engajou-se em um conflito com Tiamat, o monstro–inimigo da luz e da ordem.

(1) O dragão da presente história é um deus e não como Tiamat, uma espécie de diabo, e um macho, não uma fêmea.

(2) O dragão na presente história é uma serpente, o que não é verdade sobre Tiamat.

(3) Apsu (macho) e Tiamat (fêmea) são divindades babilônicas que geram os deuses do céu; esses deuses posteriormente liderados por sua mãe Tiamat engajaram-se em um feroz combate com Marduque.

Desde que Gunkel publicou seu livro, Schopfung und Chaos (1895), tem sido moda ver reflexos do conflito Marduk-Tiamat por todo o Antigo Testamento. Mas investigações recentes tendem a mostrar que a mitologia babilônica não dominou o pensamento hebraico na medida que antes se pensava, e com essa declaração Gunkel agora concorda, como a última edição de seu comentário sobre Gênesis prova.

IV. Autoridades Textuais.

1. Manuscritos:

(1) Grego.

Existem em grego duas formas do texto.

(a) O texto dos Setenta foi preservado em apenas um manuscrito original, o códice Christianus (da família Chigi que o possuía, publicado em Roma em 1772). Este pertence a cerca do século IX. Este texto também foi impresso na obra de Cozza, Sacrorum Bibliorum vestustissima fragmenta Graeca et Latina, parte III, Romae – Apocalipse 1877 e na edição dos Setenta de Swete lado a lado com Teodocião.

No Septuaginta de Tischendorf, ocorre no final do texto ordinário dos Setenta.

(b) De Theta (o texto de Teodocião) temos os seguintes manuscritos importantes:

Códice Vaticanus, Códice Alexandrinus, Q (códice Marchalianus), Gamma (apenas os versículos 1,2-4) e Delta (do versículo 21 ao versículo 41).

(2) Siríaco.

Existe na Biblioteca Ambrosiana em Milão, um manuscrito do século VIII da versão Siríaco-Hexaplar feita por Paulo de Tella em 617 d. C. em Alexandria a partir da coluna VI (Septuaginta) da Hexapla de Orígenes.

Este manuscrito valiosíssimo foi editado e publicado por Ceriani.

2. Recensões ou Versões:

(1) Grego.

(a) A Septuaginta:

Deste temos apenas um manuscrito (veja acima em “Manuscritos”) e até sua publicação em Roma em 1772 o que agora é conhecido como Theta era acreditado ser a verdadeira versão dos Setenta, apesar de insinuações em contrário por escritores cristãos primitivos.

(b) Theta, ou a Versão de Teodocião:

Esta versão parece ser uma revisão da Septuaginta, com a ajuda, talvez, como no caso do Daniel canônico, de um original em hebraico (ou aramaico), agora perdido. É muito menos pedante do que a tradução grega de Áquila que a precedeu, e seu grego é melhor.

Também é uma melhor tradução do que a Septuaginta; no entanto, tem muitas transliterações de palavras hebraicas em vez de traduções. Esta versão de Daniel deslocou a dos Setenta muito cedo, pois embora Orígenes tenha dado lugar aos Setenta em sua Hexapla, em seus escritos ele quase sempre cita de Theta.

Em seu prefácio a Daniel, Jerônimo aponta para o fato de que em seu próprio tempo a igreja havia rejeitado a Septuaginta em favor de Teodocião, mencionando a deficiência da primeira como o motivo. Até Ireneu (morreu 202) e Porfírio (morreu 305) preferiram Teodocião à Septuaginta.

Field foi o primeiro a apontar que é o trabalho de Teodocião (não dos Setenta) que temos em 1 Esdras, etc.

(2) Siríaco.

Além da versão Siríaco-Hexaplar (veja acima, em “Manuscrito”) a versão Peshitta deve ser notada. Ela segue Teodocião de perto, e está impressa na Poliglota de Walton (em apenas uma recensão de Bel e o Dragão) e em um texto revisado editado por Lagarde em 1861; não como R.

H. Charles (Enc Brit, VII – Apocalipse 807) erroneamente diz no Livro de Tobit por Neubauer.

(3) Latim.

(a) A velha versão latina, que se base

Muito se fala dos semitismos na obra, e deve-se admitir que são numerosos e marcantes. Mas esses são hebraísmos ou aramaísmos? O semitismo mais comum e indubitável é o uso repetido de kai e kai egeneto com a força do waw-consecutivo e só pode ser explicado e compreendido à luz dessa construção.

No entanto, o waw-consecutivo existe apenas no hebraico clássico; o aramaico e o hebraico pós-bíblico, incluindo partes tardias do Antigo Testamento (partes de Eclesiastes, etc.), não conhecem isso. Deve-se assumir então que se os semitismos deste trabalho implicam um original semítico, esse original era hebraico, não aramaico.

Os seguintes hebraísmos encontrados na Septuaginta e em Teodócio podem ser brevemente notados:

O uso do grego kai com todos os significados variados do waw-consecutivo. O início de uma frase com kai en (“e houve”) Bel e o Dragão (versículos 1,3 na Septuaginta – Apocalipse 2 etc., em Teodócio) concorda com a construção waw-consecutivo hebraica, mas faz um grego pobre.

No versículo 15 kai egeneto só pode ser compreendido à luz do hebraico que representa.

A característica sintática chamada parataxe (coordenação) apresenta-se por todo o grego desta peça, e foi reproduzida nas traduções inglesas (a Versão do Rei Jaime, a Versão Revisada (Britânica e Americana)) como qualquer leitor inglês pode ver.

Nas línguas clássicas é a hipotaxe que prevalece. Se, como parece provável, aqueles responsáveis pela Septuaginta e Teodócio seguiram um original hebraico, eles falharam em fazer concessões suficientes para a força peculiar do idioma waw-consecutivo, pois isso não envolve hipotaxe em grande medida.

A ocorrência constante de Kurios (“Senhor”) sem o artigo implica o hebraico Yahweh; e a expressão “Senhor Deus” também é hebraica.

Há dificuldades e diferenças melhor explicadas supondo uma origem hebraica. A palavra grega sphragisamenos não faz sentido no versículo 14 (Septuaginta), pois, mantendo-a, deveríamos ler sobre o selamento do templo (de Bel) e também sobre o selamento com anéis de sinete das portas.

A palavra hebraica “fechar” (catham) é escrita de forma muito semelhante à de “selar” (chatham), e provavelmente, como Marshal sugere, foi confundida com esta última. O templo foi “fechado” e as portas “seladas”.

No versículo 10 a Septuaginta (choris) e Teodócio (ektos) têm 2 palavras de sentido similar, que são melhor explicadas como renderizações independentes de uma palavra hebraica.

A favor de um original semítico muitos escritores citaram o fato de que formas da história foram encontradas em hebraico e aramaico no século 13. Raymund Martini em seu Pugio Fidei (escrito contra os judeus) cita Bel e o Dragão de um Midrash hebraico sobre Gênesis que Neubauer descobriu e que é quase idêntico verbatim com o manuscrito único contendo Midrash Rabba de Rabba.

Outras formas hebraicas dessas histórias foram encontradas. Todas as “adições” a Daniel “ocorrem em hebraico nos restos de Yosippon”, o “José hebraico”, como ele tem sido chamado. Ele escreveu no século 10.

Mas o mais importante de tudo é a descoberta pelo Dr. M. Gaster da história do dragão em aramaico, embutida nas Crônicas de Yerahmeel, uma obra do século 10. Dr. Gaster sustenta que neste fragmento aramaico temos uma parte do original de Bel e o Dragão.

O presente escritor não acha que o Dr. Gaster provou seu caso.

Se tal original aramaico realmente existisse em algum momento, teríamos aprendido algo definitivo sobre ele de escritores antigos, judeus e cristãos.

Dr. Gaster descobriu uma forma aramaica de apenas duas das três “adições”, as do Cântico dos Três Jovens e da história do dragão. E o resto do documento aramaico?

Já foi apontado que as construções waw-consecutivas implícitas nos textos gregos remontam a um original hebraico, não aramaico.

O texto aramaico da história do Dragão muitas vezes difere tanto da Septuaginta quanto de Teodócio como nos seguintes e muitos outros casos:

As duas versões gregas têm em Bel e o Dragão, versículo 24 “O rei (disse)”, que o aramaico omite: no versículo 35 o aramaico após “E Habacuque disse” acrescenta “ao anjo”, o que a Septuaginta e Teodócio estão sem.

O compilador da Crônica de Yerahmeel diz claramente que havia tirado o Cântico dos Três Jovens e a história do dragão dos escritos de Teodócio, tendo, é bastante evidente, ele próprio colocado-os em aramaico.

Dr. Gaster enfatiza as palavras do compilador, que o que ele dá em aramaico é aquilo que “Teodócio encontrou”. Mas a referência só pode ser à Septuaginta que este tradutor fez a base de sua própria versão; é demais supor que o Cronista quer dizer uma forma aramaica das histórias.

As duas histórias ensinam a doutrina da unicidade e absolutismo de Yahwe, chamado em toda parte Kurios (“Senhor”), uma tradução literal da palavra hebraica ‘adhonai (“Senhor”) que os judeus substituíram por Yahwe na leitura do hebraico como agora fazem os judeus.

Nas versões gregas e latinas é a palavra lida (o Qere perpetuum, não a escrita Kethibh), que é traduzida. Teria sido mais consonante com a prática universal se o nome próprio Yahweh tivesse sido transliterado como nomes próprios geralmente são.

Mas muito pouco se diz sobre o caráter de Yahweh. Ele é grande e o único (verdadeiro) Deus em Bel e o Dragão (versículo 41), o Deus vivo em contraste com Bel (versículo 57). Da natureza de Suas exigências aos Seus adoradores, rituais e éticos, nada é dito.

Não há referência a quaisquer crenças ou práticas judaicas distintas; nada sobre a torah ou sobre qualquer revelação divina aos homens, sobre sacrifício ou o templo ou mesmo um sacerdócio, exceto que na Septuaginta (não em Teodócio) Daniel o profeta é falado como sacerdote–forte evidência do baixo lugar atribuído pelo escritor ao lado externo da religião que ele professava.

Encontramos, no entanto, menção de um anjo, uma espécie de deus ex machina na história do Dragão (versículos 34); compare Daniel 6.22.

O incidente do transporte de Habacuque para Babilônia mostra que o escritor tinha forte fé na intervenção sobrenatural em favor dos piedosos. À parte este incidente, as duas histórias evitam bastante bem qualquer coisa que seja sobrenatural.

Mas Bel e o Dragão versículos 33-39 são uma interpolação tardia.

Nada se sabe sobre o autor do livro e nada definitivo ou certo sobre o local ou data de composição. Tem sido comumente sentido, como por Bissell, etc., que reflete uma origem babilônica. Argila (veja Bel e o Dragão, versículo 7) abundava em Babilônia (mas certamente não só em Babilônia); bronze (Bel e o Dragão, versículo 7) era frequentemente usado naquele país para a fabricação de imagens, e o leão, é sabido, era nativo do país (mas isso também era o caso na Palestina em tempos bíblicos, e mesmo pós-bíblicos).

Nenhum dos argumentos para uma origem babilônica tem muito peso, e há argumentos contrários de considerável força.

Os anacronismos e inconsistências são mais facilmente explicados com a suposição de uma origem não babilônica. Além disso, o judaísmo da Babilônia era de um tipo muito estrito e regulamentado, sendo dada grande atenção à lei e às questões de ritual.

Não há nada em Bel e o Dragão sobre estes pontos.

Se assumirmos um original hebraico, como há boas razões para fazer, é bastante possível que estas lendas foram escritas na Palestina em um momento em que a religião judaica estava sendo severamente perseguida: talvez quando Antíoco VII (Sidetes – Daniel 139.128 AC) reconquistou Judá para a Síria e oprimiu severamente o povo sujeito.

No entanto, nada muito dogmático pode ser dito sobre isso. Não podemos inferir muito do estilo do hebraico (ou aramaico?), já que nenhum original semita chegou até nós. Está bastante claro que essas “adições” implicam a existência do Livro canônico de Daniel e pertencem a uma data posterior, pois contêm desenvolvimentos posteriores das tradições a respeito de Daniel.

O Livro canônico de Daniel é datado por estudiosos modernos por volta de 160 AC, então uma data por volta de 136 AC não poderia estar muito errada.

Se, por outro lado, considerarmos a Septuaginta como o texto original do livro, a data dessa recensão é a data da própria obra. Parece provável que essa recensão de Daniel foi feita no Egito por volta de 150 AC, e temos evidências de que até essa data as “três adições” não faziam parte do livro, embora existam em todos os manuscritos gregos e siríacos de Daniel que chegaram até nós.

Provavelmente as “adições” existiram como composições separadas por algum tempo antes de serem unidas ao Daniel propriamente, mas dificilmente é demais supor que elas foram unidas não mais tarde que 100 AC.

No entanto, os dados para chegar a uma conclusão são muito escassos. Pode ser adicionado que o grego da Septuaginta é distintamente alexandrino em seu caráter, como Westcott, Bissell e outros apontaram.

A versão de Teodócio é suposta ter sido feita em Éfeso no final do século 2 DC.

Os judeus alexandrinos, reconhecendo a Septuaginta como sua Bíblia, aceitaram todo o Apócrifo como canônico. Os judeus palestinos, por outro lado, limitaram suas Escrituras canônicas ao Antigo Testamento hebraico.

Há, é claro, alguma incerteza (em grande parte sem dúvida porque era originalmente uma tradução do hebraico) quanto a se a Septuaginta inicialmente incluiu o Apócrifo em toda a sua extensão ou não, mas todas as evidências apontam para o fato de que sim, embora livros individuais como Daniel existissem separadamente antes de formarem uma parte do cânon grego ou egípcio.

Na igreja cristã primitiva, todas as três “adições” são citadas como partes integrantes de Daniel por Padres gregos e latinos, como por exemplo por Irineu (IV – Daniel 5 2 f); Tertuliano (De idololatria c.18); Cipriano (Ad fortunatum, c.11).

Por decreto do Concílio de Trento, essas “adições” foram para a igreja romana feitas parte do cânon bíblico tanto quanto o Livro hebraico de Daniel. As igrejas protestantes têm, como regra, excluído todo o Apócrifo de suas Bíblias, considerando seus livros como “Deuterocanônicos” ou “não-canônicos”.

Em consequência desta atitude entre os protestantes, o Apócrifo tem sido até recentemente muito negligenciado pelos escritores protestantes. Mas uma grande mudança está ocorrendo, e alguns dos melhores comentários por estudiosos protestantes produzidos nos últimos anos lidam com o Apócrifo e seu ensino.

Julius Africanus (floresceu cerca da primeira metade do século 3 DC) foi o primeiro a impugnar a verdade das histórias incorporadas nas “adições” a Daniel. Isso ele fez em uma carta a Orígenes à qual o destinatário respondeu vigorosamente.

As improbabilidades e contradições destas três peças foram frequentemente apontadas desde o tempo de Julius Africanus até os dias atuais. Os seguintes pontos podem ser anotados como exemplos:

Daniel é chamado de sacerdote na Septuaginta (Bel e o Dragão, versículo 1), e ainda assim ele é identificado com o profeta desse nome.

Habacuque, o profeta (ele é assim chamado em Teodócio (veja Bel e o Dragão, versículo 33), e nenhum outro pode ser pretendido) é feito contemporâneo de Daniel e também do rei persa Ciro (veja Bel e o Dragão, versículos 1 – Daniel 33 na Bíblia Inglesa).

Agora Ciro conquistou Babilônia em 538 AC, os principais judeus em Babilônia retornando para a Palestina no ano seguinte. Os eventos narrados em Bel e o Dragão não poderiam ter ocorrido durante o tempo que Ciro foi rei de Babilônia, mas a Septuaginta fala do “rei” sem nomeá-lo.

Não foi Ciro, mas Xerxes quem destruiu a imagem de Bel, isso sendo em 475 AC.

É ainda objetado que a adoração do dragão em Babilônia, como é implícita na história do dragão, é contrária aos fatos. Diz-se que a adoração das estrelas existiu, mas não a adoração de animais. Assim Eichhorn e Fritzsche.

Mas há todas as razões para acreditar que a adoração de animais vivos como representando a divindade, e especialmente da serpente viva, existiu em Babilônia como entre outras nações da antiguidade, incluindo os gregos e romanos.

LITERATURA.

Eichhorn, Einleitung in die apokalyptischen Schriften des Alten Testaments (1795) – Daniel 431 Daubney, The Three Additions to Daniel (Cambridge – Daniel 1906); os comentários de Fritzsche (Vol I); Bissell (na série Lange); Ball Speaker’s Commentary (este é o melhor comentário inglês sobre o Apócrifo).

Veja também Schurer, Geschichte3, III – Daniel 333 e seu artigo em RE3, I – Daniel 639 e os artigos de Kamphausen em EB, I – Daniel 1014 Toy, na Jewish Encyclopedia, II – Daniel 650 R. H. Charles, Encyclopedia Brittanica, VII – Daniel 807 e especialmente o de J.

Turner Marshall em HDB, I – Daniel 267 Fritzsche Libri Veteris Testamenti Graece (1871), e Swete, The Old Testament in Greek, III – Daniel 1894 e edições posteriores, dão a Septuaginta e Teodócio em páginas paralelas.

Na edição da Septuaginta editada por Tischendorf, a Septuaginta é dada no texto e Teodócio em um apêndice.

T. Witton Davies

Faça um comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários