Início Dicionário B Balaão

Balaão: Dicionário Bíblico e versículos na Bíblia

15 min de leitura

Significação desconhecida, talvez devorador. Um adivinho ou profeta, a quem Balaque, rei de Moabe, ordenou que amaldiçoasse os israelitas. Era filho de Beor, e residia em Petor, na Mesopotâmia (Números 22.5).

Em lugar de amaldiçoar os inimigos de Balaque, ele, por instrução e impulso divinos, os abençoou, predizendo a futura grandeza de israel (Neemias 13.2Miquéias 6.52 Pedro 2.15Judas 1.11 – e Apocalipse 2.14). Ainda que vivia entre os pagãos, tinha Balaão algum conhecimento do verdadeiro Deus, sendo, além disso, homem de grande inteligência, com fama de santidade e sabedoria.

Era considerado profeta entre a sua gente, que, em conformidade com as idéias de muitas outras nações da antigüidade, tinha o curioso costume de entregar aos deuses destruidores os inimigos, antes de entrar em combate com ele.

Balaão negociara com os seus dons especiais, como se mostra no fato de terem os mensageiros de Balaque levado consigo presentes para recompensarem o profeta pelos seus encantamentos, quando foram ter com ele a pedido do rei.

Os israelitas haviam começado as suas conquistas na Terra Santa, e por isso o rei de Moabe, com os midianitas, seus aliados, procurou por todos os meios deter o seu avanço. Todavia, Balaão, avisado por Deus, recusou, embora desejoso do seu lucro (2 Pedro 2.15), levar a efeito o que o rei desejava – e só depois de ter ido a sua casa outra deputação mais importante é que ele resolveu partir.

Mas isso era contra a vontade de Deus, que pela boca da jumenta fez de algum modo compreender a Balaão o seu mau passo. Viu-se depois o resultado deste fato. Não somos, porém, levados a crer que ele se tornou verdadeiro crente no Senhor, porque mais tarde vamos encontrá-lo empregando vilmente todos os esforços para conseguir a destruição dos israelitas (Números 25).

E morreu quando combatia pelos midianitas contra aqueles, que ele tinha pensado em amaldiçoar (Números 31.8,16).

Balaam

Senhor do povo; estrangeiro ou glutão, como interpretado por outros, o filho de Beor, era um homem de certo nível entre os midianitas (Números 31.8; Compare 16). Ele residia em Pethor (Deuteronômio 23.4), na Mesopotâmia (Números 23.7). É evidente que, embora morando entre idólatras, ele tinha algum conhecimento do verdadeiro Deus; e era tão reputado que se supunha que aquele a quem ele abençoava era abençoado, e aquele a quem ele amaldiçoava era amaldiçoado.

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Quando os israelitas estavam acampados nas planícies de Moabe, a leste do Jordão, por Jericó, Balaque enviou buscar Balaam “de Arã, das montanhas do leste”, para amaldiçoá-los; mas pela notável intervenção de Deus ele foi completamente incapaz de cumprir o desejo de Balaque, por mais que desejasse fazê-lo.

O apóstolo Pedro refere-se a isso como um evento histórico (2 Pedro 2.152 Pedro 2.16). Em Miquéias 6.5 também é feita referência às relações entre Balaam e Balaque. Embora Balaam não pudesse amaldiçoar Israel, ele sugeriu um modo pelo qual o descontentamento divino poderia ser trazido sobre eles (Números 25).

https://googleads.g.doubleclick.net/pagead/ads?gdpr=0&client=ca-pub-9342862342768570&output=html&h=280&adk=2216921022&adf=1677901073&pi=t.aa~a.2534484684~i.6~rp.4&w=970&fwrn=4&fwrnh=100&lmt=1708990184&num_ads=1&rafmt=1&armr=3&sem=mc&pwprc=4790705911&ad_type=text_image&format=970×280&url=https%3A%2F%2Fportaldabiblia.com.br%2Fdicionario%2Fb%2Fbalaam%2F&host=ca-host-pub-2644536267352236&fwr=0&pra=3&rh=200&rw=970&rpe=1&resp_fmts=3&wgl=1&fa=27&uach=WyJXaW5kb3dzIiwiMTAuMC4wIiwieDg2IiwiIiwiMTIyLjAuNjI2MS42OSIsbnVsbCwwLG51bGwsIjY0IixbWyJDaHJvbWl1bSIsIjEyMi4wLjYyNjEuNjkiXSxbIk5vdChBOkJyYW5kIiwiMjQuMC4wLjAiXSxbIkdvb2dsZSBDaHJvbWUiLCIxMjIuMC42MjYxLjY5Il1dLDBd&dt=1708990184099&bpp=2&bdt=966&idt=-M&shv=r20240221&mjsv=m202402210101&ptt=9&saldr=aa&abxe=1&cookie=ID%3Ded6b10e3c97bbe5a-225b2a83aeb4006b%3AT%3D1687970512%3ART%3D1708990172%3AS%3DALNI_MYOfLORy3Bqtp2nlxR1sNxsuHI1bg&gpic=UID%3D00000c7a6aed1bfe%3AT%3D1687970512%3ART%3D1708990172%3AS%3DALNI_MbUukFYi95t2tNNObbEtToMTAu7Sw&eo_id_str=ID%3Db84ecce03cbe8781%3AT%3D1706615328%3ART%3D1708990172%3AS%3DAA-AfjYV9-dgL27_msKxqXwXGNfl&prev_fmts=0x0&nras=2&correlator=1829348495233&frm=20&pv=1&ga_vid=779370685.1687970520&ga_sid=1708990184&ga_hid=1865309199&ga_fc=1&u_tz=-180&u_his=1&u_h=1080&u_w=1920&u_ah=1040&u_aw=1920&u_cd=24&u_sd=1&dmc=8&adx=467&ady=1004&biw=1903&bih=919&scr_x=0&scr_y=0&eid=44759875%2C44759926%2C44759837%2C31081348%2C44798934%2C95322745%2C95325068%2C95320378%2C95324154%2C95324161%2C95325794%2C31078663%2C31078665%2C31078668%2C31078670&oid=2&pvsid=550668880592149&tmod=349283040&uas=0&nvt=1&ref=https%3A%2F%2Fportaldabiblia.com.br%2Fwp-admin%2Fedit.php%3Fpost_type%3Ddicionario%26paged%3D2&fc=1408&brdim=0%2C0%2C0%2C0%2C1920%2C0%2C1920%2C1040%2C1920%2C919&vis=1&rsz=%7C%7Cs%7C&abl=NS&fu=128&bc=31&bz=1&td=1&psd=W251bGwsbnVsbCxudWxsLDNd&nt=1&ifi=2&uci=a!2&btvi=1&fsb=1&dtd=120

Em uma batalha entre Israel e os midianitas (q.v.) Balaam foi morto enquanto lutava ao lado de Balaque (Números 31.8).

A “doutrina de Balaam” é mencionada em Apocalipse 2.14, aludindo ao fato de que foi através do ensino de Balaam que Balaque aprendeu a maneira pela qual os israelitas poderiam ser levados ao pecado. Balaam foi forçado a proferir profecias sobre o futuro de Israel de magnificência maravilhosa e beleza de expressão (Números 24.5-9Números 24.17).

Easton, Matthew George. “Entrada para Balaam”. “Dicionário da Bíblia de Easton”.

Balaam – Dicionário de Nomes Bíblicos de Hitchcock

Balaão

O antigo do povo; a destruição do povo

Hitchcock, Roswell D. “Entrada para ‘Balaão’”. “Um Dicionário Interpretativo de Nomes Próprios da Escritura”. Nova York, N.Y. – Números 1869

Balaam – Dicionário Bíblico de Smith

Balaam

(A.C. 1451), filho de Beor, um homem dotado com o dom da profecia (Números 22.5). Ele é mencionado em conjunto com os cinco reis de Midiã, aparentemente como uma pessoa da mesma patente (Números 31.8).

Parece ter vivido em Pethor, às margens do rio Eufrates, na Mesopotâmia. Quando os israelitas estavam acampados nas planícies de Moabe, Balaque, o rei de Moabe, enviou mensageiros para que Balaão os amaldiçoasse.

https://googleads.g.doubleclick.net/pagead/ads?gdpr=0&client=ca-pub-9342862342768570&output=html&h=280&adk=2216921022&adf=2971796241&pi=t.aa~a.2534484684~i.18~rp.4&w=970&fwrn=4&fwrnh=100&lmt=1708990184&num_ads=1&rafmt=1&armr=3&sem=mc&pwprc=4790705911&ad_type=text_image&format=970×280&url=https%3A%2F%2Fportaldabiblia.com.br%2Fdicionario%2Fb%2Fbalaam%2F&host=ca-host-pub-2644536267352236&fwr=0&pra=3&rh=200&rw=970&rpe=1&resp_fmts=3&wgl=1&fa=27&uach=WyJXaW5kb3dzIiwiMTAuMC4wIiwieDg2IiwiIiwiMTIyLjAuNjI2MS42OSIsbnVsbCwwLG51bGwsIjY0IixbWyJDaHJvbWl1bSIsIjEyMi4wLjYyNjEuNjkiXSxbIk5vdChBOkJyYW5kIiwiMjQuMC4wLjAiXSxbIkdvb2dsZSBDaHJvbWUiLCIxMjIuMC42MjYxLjY5Il1dLDBd&dt=1708990184099&bpp=1&bdt=966&idt=-M&shv=r20240221&mjsv=m202402210101&ptt=9&saldr=aa&abxe=1&cookie=ID%3Ded6b10e3c97bbe5a-225b2a83aeb4006b%3AT%3D1687970512%3ART%3D1708990172%3AS%3DALNI_MYOfLORy3Bqtp2nlxR1sNxsuHI1bg&gpic=UID%3D00000c7a6aed1bfe%3AT%3D1687970512%3ART%3D1708990172%3AS%3DALNI_MbUukFYi95t2tNNObbEtToMTAu7Sw&eo_id_str=ID%3Db84ecce03cbe8781%3AT%3D1706615328%3ART%3D1708990172%3AS%3DAA-AfjYV9-dgL27_msKxqXwXGNfl&prev_fmts=0x0%2C970x280&nras=3&correlator=1829348495233&frm=20&pv=1&ga_vid=779370685.1687970520&ga_sid=1708990184&ga_hid=1865309199&ga_fc=1&u_tz=-180&u_his=1&u_h=1080&u_w=1920&u_ah=1040&u_aw=1920&u_cd=24&u_sd=1&dmc=8&adx=467&ady=2247&biw=1903&bih=919&scr_x=0&scr_y=0&eid=44759875%2C44759926%2C44759837%2C31081348%2C44798934%2C95322745%2C95325068%2C95320378%2C95324154%2C95324161%2C95325794%2C31078663%2C31078665%2C31078668%2C31078670&oid=2&pvsid=550668880592149&tmod=349283040&uas=0&nvt=1&ref=https%3A%2F%2Fportaldabiblia.com.br%2Fwp-admin%2Fedit.php%3Fpost_type%3Ddicionario%26paged%3D2&fc=1408&brdim=0%2C0%2C0%2C0%2C1920%2C0%2C1920%2C1040%2C1920%2C919&vis=1&rsz=%7C%7Cs%7C&abl=NS&fu=128&bc=31&bz=1&td=1&psd=W251bGwsbnVsbCxudWxsLDNd&nt=1&ifi=3&uci=a!3&btvi=2&fsb=1&dtd=141

Inicialmente, Deus proibiu Balaão de ir. O rei insistiu e Balaão recusou novamente, mas finalmente foi permitido que ele fosse. Ele cedeu às tentações de riquezas e honra que Balaque colocou diante dele; porém, a ira de Deus se acendeu contra essa manifestação de vontade própria determinada, e o anjo do Senhor se colocou no caminho como um adversário contra ele (2 Pedro 2.16).

Balaão previu uma magnífica carreira para o povo a quem foi chamado para amaldiçoar, mas, mesmo assim, sugeriu aos moabitas o estratagema de seduzi-los a cometer fornicação. O efeito disso está registrado em (Números 25.1)…

Uma batalha foi travada posteriormente contra os midianitas, na qual Balaão se aliou a eles e foi morto pela espada do povo a quem ele havia tentado amaldiçoar (Números 31.8).

Smith, William, Dr. “Entrada para ‘Balaam’”. “Dicionário da Bíblia de Smith”. 1901.

Balaão – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Balaão

O filho de Beor, de uma cidade na Mesopotâmia chamada Pethor, um homem possuidor do dom da profecia, cuja notável história pode ser encontrada em Números 22.2-24:25; compare Números 31.8,16Deuteronômio 23.4Josué 13.2 – Josué 24.9Neemias 13.2Miquéias 6.52 Pedro 2.15Judas 1.11Apocalipse 2.14.

1. História:

Quando os filhos de Israel armaram suas tendas nas planícies de Moabe, os moabitas entraram em algum tipo de aliança com os midianitas. A instigação de Balaque, naquela época rei dos moabitas, os anciãos das duas nações foram enviados a Balaão para induzi-lo, por meio de suborno, a pronunciar uma maldição sobre as hostes avançadas dos israelitas.

Mas, em conformidade com o comando de Deus, Balaão recusou-se a ir com os anciãos. O resultado de um segundo pedido foi bastante diferente, realçado pela maior patente dos mensageiros e pelas promessas mais sedutoras por parte de Balaque.

Não somente Deus permitiu que Balaão fosse com os homens, mas ele realmente o comandou a fazê-lo, advertindo-o, contudo, a agir de acordo com instruções futuras. Enquanto estava a caminho de Balaque, essa injunção foi fortemente impressa na mente de Balaão pelo estranho comportamento de sua jumenta e por seu encontro com o Anjo do Senhor.

Acompanhado por Balaque que tinha saído ao encontro do profeta, Balaão chegou a Quiriate-Huzote. Na manhã seguinte, ele foi levado “aos altos lugares de Baal” com uma visão parcial do acampamento dos israelitas.

Mas, em vez de uma maldição, ele pronunciou uma bênção. Dali ele foi levado ao topo de Peor, ainda assim essa mudança de lugares e vistas externas não alterou a tendência dos parábolas de Balaão; de fato, o seu espírito até alçou maiores alturas e de seus lábios caíram palavras ardentes de louvor e admiração, de benção e gloriosa profecia.

Isso, é claro, convenceu plenamente Balaque de que todos os esforços adicionais para persuadir o vidente a cumprir seus desejos seriam em vão, e os dois se separaram.

Nada mais é dito sobre Balaão, até chegarmos a Números 31 Aqui em 31:8 nos é contado sobre sua morte violenta nas mãos dos israelitas, e em 31:16 aprendemos sobre o seu conselho vergonhoso que trouxe desgraça e desastre para as fileiras do povo escolhido.

2. Problemas:

Agora, existem vários problemas interessantes conectados com esta notável história. Tentaremos resolver pelo menos alguns dos mais importantes.

(1) Era Balaão um profeta de Jeová? Para uma resposta devemos olhar para Números 22.24. Em nenhum lugar ele é chamado de profeta. Ele é introduzido como o filho de Beor e como um homem de grande poder pessoal (compare Números 22.6).

A causa disso deve-se ao fato de que ele tinha algum tipo de intercurso com Deus (compare Números 22.9,2 – Números 22.22-35 – Números 23.4 – Números 23.16). Além disso, é interessante notar como Balaão foi capacitado a entregar suas parábolas.

Primeiro é dito:

“E o Senhor colocou uma palavra na boca de Balaão” (Números 23.5; compare Números 23.16), um procedimento aparentemente bastante mecânico, enquanto nada do tipo é mencionado em Números 24 Em vez disso encontramos a notável frase:

“E quando Balaão viu que agradava ao Senhor abençoar Israel, ele não foi, como nas outras vezes, ao encontro com encantamentos….” (Números 24.1), e então: “o Espírito de Deus veio sobre ele” (24:2b).

Tudo isso é muito notável e altamente instrutivo, especialmente se o comparamos com 24:3 na Versão Revisada, margem e Números 24.4:

“O homem cujo olho está aberto diz; ele diz, quem ouve as palavras de Deus, quem vê a visão do Todo-Poderoso,” etc. A inferência é clara o suficiente: Balaão conhecia o Senhor, o Jeová dos israelitas, mas seu conhecimento estava turvado e corrompido por concepções pagãs.

Ele sabia o suficiente de Deus para obedecê-lo, ainda assim por muito tempo esperou ganhar Deus para seu próprio plano egoísta (compare 23:4). Por meio de sacrifícios liberais, ele esperava influenciar as ações de Deus.

Tendo isso em mente, vemos a importância de Números 24.1. Após esforços infrutíferos para bajular Deus numa atitude favorável ao seu propósito oculto, ele por um tempo tornou-se um profeta do Senhor, cedendo às influências enobrecedoras de Seu espírito.

Aqui havia uma chance para sua natureza melhor se afirmar permanentemente e triunfar sobre as forças obscuras do paganismo. Ele aproveitou essa oportunidade? Ele não o fez (compare Números 31.8,16).

(2) O Balaam de Números 22.24 é idêntico à pessoa do mesmo nome mencionada em Números 31? Um bom número de estudiosos nega isso, ou, para ser mais preciso, existem segundo a teoria deles duas contas de Balaam: uma em Números 22.24 sendo favorável ao seu caráter, e a outra em Números 31 sendo completamente o oposto.

Alega-se que as duas contas só poderiam ser conciliadas modificando ou eliminando Números 24.25. Agora, acreditamos que Números 31.16 realmente modifica o relato do retorno de Balaam contido em Números 24.25.

Os filhos de Israel mataram Balaam à espada (Números 31.8). Por quê? Por causa do seu conselho em Números 31.16. Mantemos que o autor de Números 24.25 tinha esse fato em mente quando escreveu Números 25.1: “E….

o povo começou a se prostituir,” etc. Assim, ele conecta intimamente o relato do retorno de Balaam com a narrativa contida em Números 9.5. Portanto, consideramos Números 31.8,16 como complementares a Números 22.24.

Mas aqui está outra questão:

(3) O relato em Números 22.24 é o resultado da combinação de diferentes tradições? De modo geral, podemos responder essa pergunta afirmativamente, e apenas de modo geral podemos distinguir entre duas principais fontes de tradição.

Mas mantemos que elas não são contraditórias entre si, mas complementares.

(4) E quanto à fala da jumenta e às maravilhosas profecias de Balaam? Sugerimos a seguinte explicação. Influenciando a alma de Balaam, Deus fez com que ele interpretasse corretamente os sons inarticulados do animal.

A atuação de Deus sobre a alma e por meio dela sobre o intelecto e os corações dos homens – essa verdade também deve ser aplicada às maravilhosas palavras proféticas de Balaam. Elas são chamadas meshaliym ou ditos de um profeta, um adivinho.

No primeiro desses “parábolas” (Números 23.7-10) ele brevemente declara suas razões para pronunciar uma bênção; na segunda parábola (Números 23.18-24) ele novamente enfatiza o fato de que não pode fazer outra coisa senão abençoar os israelitas, e então ele prossegue para pronunciar a bênção com um pouco mais de detalhes.

Na terceira (Números 24.3-9) ele descreve o estado glorioso do povo, seu desenvolvimento e poder irresistível. Nas últimas quatro parábolas (Números 24.15-24) ele revela em parte o futuro de Israel e outras nações: todas estão destinadas a ser destruídas, incluindo o destino de Israel na alusão a Éber.

Agora, finalmente, Balaam está de volta ao seu próprio domínio denunciando outros e prevendo terríveis desastres.

3. Caráter de Balaam:

Isso pode nos fornecer uma pista sobre seu caráter. Ele, de fato, permanece “instrutivamente composto”. Um adivinho que poderia ter se tornado um profeta do Senhor; um homem que amava os salários da injustiça, e ainda assim um homem que em um momento supremo de sua vida se rendeu ao Espírito Santo de Deus; uma pessoa sobrecarregada com superstição, ganância e até maldade, e ainda capaz de realizar o serviço mais elevado no reino de Deus: tal é o caráter de Balaam, o notável tipo do Antigo Testamento e, em certo sentido, o protótipo de Judas Iscariotes.

4. Balaam como um Tipo:

Em 2 Pedro 2.15, o exemplo de Balaam é usado como um meio para ilustrar a influência perniciosa de professores cristãos insinceros. O autor poderia ter aludido a Balaam na passagem imediatamente anterior a 2 Pedro 2.15 por causa de seu conselho abominável.

Isso é feito em Apocalipse 2.14. Aqui, claro, Balaam é o tipo de um professor da igreja que tenta avançar a causa de Deus defendendo uma aliança profana com os ímpios e mundanos, e assim conformando a vida da igreja ao espírito da carne.

LITERATURA.

Sermões de Butler, “Balaam”; ICC, “Números.”

William Baur

Orr, James, M.A., D.D. Editor Geral. “Entrada para ‘BALAAM’”. “Enciclopédia Bíblica Padrão Internacional”. 1915.

Apoie Nosso Trabalho

Faça agora uma contribuição para que possamos continuar espalhando a palavra de Deus. Clique no botão abaixo:

Faça um comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários

Artigos Relacionados

Contribua e nos ajude para continuarmos produzindo bons conteúdos sobre a Bíblia.