Pular para o conteúdo
Início » Dicionário » A » Asmoneus

Asmoneus na Bíblia. Significado e Versículos sobre Asmoneus

Asmoneus

Uma notável família sacerdotal de Modin, na Judeia, também chamada de Hasmoneus ou Macabeus. Eles pertenciam àquela parte da nação judaica que, sob todas as provações e tentações, permaneceu leal a Iahweh, mesmo quando a vida nacional e a religião pareciam estar no seu ponto mais baixo, e eles conseguiram, pelo menos por um tempo, restaurar o nome e a fama de Israel.

Em resumo, eram uma família extremamente guerreira. Mas toda a história dos Asmoneus oferece provas abundantes das partidarizações amargas que, ainda mais do que as perseguições de seus inimigos, minaram a força nacional e dividiram a nação em facções hostis.

Os Asmoneus nunca, em toda a sua história, ou em qualquer período dela, tiveram um povo unido ao seus lado. Eles tiveram que lutar contra a deslealdade em casa, bem como a inimizade mortal no exterior.

Uma parte considerável da população não conseguiu resistir à influência paganizante dos períodos macedônio e sírio, e nessa direção, os milhares de soldados hebreus que lutaram sob as bandeiras gregas devem ter exercido uma influência inestimável.

A luta dos Asmoneus é, portanto, em todas as suas fases, uma tríplice, e torna a ascensão da família ainda mais notável.

O nome “Asmoneu” é derivado do hebraico Chashman, “rico”. Chashman era um sacerdote da família Joarib (1 Mac 2:1; 1 Crônicas 24.7). O nome “Macabeu”, do apelido de Judas, filho de Matatias, pode ser derivado do hebraico maqqdbhah, “martelo”; makhbi, “extintor”; ou das primeiras letras da sentença hebraica, Mi Khamokhah Ba-‘elim YHWH? “Quem entre os deuses, ó Senhor, pode ser comparado a ti”, inscrita na bandeira macabeia com a palavra Makhbiy.

1. A Revolta dos Asmoneus:

Antíoco Epifânio retornou em 169 a. C. das guerras egípcias, cujos frutos foram-lhe arrebatados pelo poder romano, que um ano depois, em sua quarta guerra, pela pessoa de Pompilius Laenas, ordenou-lhe peremptoriamente a deixar o Egito de uma vez por todas.

Assim, suas quatro campanhas contra o inimigo hereditário tornaram-se completamente infrutíferas. Suspeitas graves foram despertadas no coração do rei contra os judeus, e quando as brigas deles sobre o sumo sacerdócio lhe proporcionaram uma oportunidade, ele resolveu esmagar para sempre o poder do judaísmo e apagar sua detestada religião.

Assim, Apolônio (nos conta Josefo, o próprio rei) em 168 a. C. apareceu diante de Jerusalém, devastou a cidade, profanou o templo pelo sacrifício de porcos no altar de holocaustos, destruiu todos os escritos sagrados que puderam ser obtidos, vendeu inúmeros judeus e suas famílias para a escravidão, proibiu a circuncisão sob pena de morte e inaugurou o sombrio período referido por Daniel (9.2Daniel 11.31).

Assim, Antíoco marcou seu nome em sangue e lágrimas nas páginas da história judaica. Contra essa tirania cruel e essa tentativa de erradicar a religião de Israel e sua fé antiga, a família dos Macabeus se revoltou e assim se tornou líder numa luta desesperada pela independência judaica.

Até que ponto tiveram sucesso nestes esforços, o esboço a seguir mostrará.

2. Matatias:

Matatias era um sacerdote da casa de Joarib, na época do início da revolta provavelmente um refugiado de Jerusalém, vivendo em Modin, a oeste da cidade, nas terras altas da Judeia, onde talvez possuísse uma propriedade.

Quando os sírios tentaram obrigá-lo a fazer um sacrifício aos ídolos, ele não apenas recusou obedecer, mas matou um judeu que veio ao altar, bem como Apelles, o comandante sírio e parte de sua guarda. Derrubando altares pagãos enquanto fugia, ele foi seguido para o deserto por grandes grupos de judeus leais.

E quando a recusa em lutar no Dia do Sabbath levou ao massacre de mil de seus seguidores, ele deu liberdade aos judeus para batalhar nesse dia. Em 167 a. C., logo após o início do conflito, sucumbiu à tarefa desigual, deixando a conclusão da obra aos seus cinco filhos, João (Gaddis), Simão (Matthes), Judas (Macabeu), Eleazar (Auran) e Jonathan (Apphes).

No seu leito de morte indicou Simão como conselheiro e Judas como líder militar do movimento (Ant., XII, vi – Daniel 1). Estes dois com Jonathan levariam o trabalho à conclusão.

3. Judas Macabeu – Daniel 166.160 a.C.:

Judas demonstrou estar plenamente à altura da previsão e da confiança de seu pai. Seu talento militar era maravilhoso, sua astúcia desconcertante, sua coragem leonina, sua rapidez aquela de uma águia. Ele lembra fortemente Josué, o antigo gênio militar de Israel.

Quase todas as suas batalhas foram travadas contra chances impossíveis e suas vitórias inspiraram os sírios com temor. Em ataques noturnos surpresa ele surpreendeu os generais sírios, Apolônio e Seron, e dispersou seus exércitos.

Antíoco, pronto para castigar os países a leste, que pareciam prestes a se rebelar, confiou a condução da guerra judaica a Lísias, seu parente e favorito, que foi encarregado de eliminar Israel e sua odiada religião da face da terra.

Este último confiou a condução real das hostilidades a um grande e bem equipado exército, sob Ptolemeu, Nicanor e Górgias.

Este exército estava acampado em Emaús, ao sul de Modin, enquanto Judas jazia com sua pequena força um pouco ao Sudeste. Quando Górgias tentou surpreendê-lo à noite, Judas caiu como uma avalanche sobre o resto do exército sírio e o aniquilou, depois encontrou e derrotou o Górgias que retornava e conquistou um imenso butim.

Igualmente bem-sucedido na campanha de 165 a. C., Judas capturou Jerusalém e purificou e rededicou o templo, exatamente cinco anos após sua profanação. Assim, surgiu o Festival Judaico “Festa das Luzes”.

O próximo ano foi dedicado à redução de Idumeia, o território da Jordânia, os amonitas e várias fortalezas importantes do inimigo, enquanto Simão marchava para o norte e levava de volta os cativos judeus da Galileia e das fontes do Jordão.

Enquanto isso, Antíoco morreu na campanha oriental e sua morte iniciou o colapso do império sírio. Filipe foi nomeado guardião do rei infantil, enquanto seu tio Demétrio procurava destroná-lo com a ajuda dos romanos.

O cerco da fortaleza de Jerusalém, ainda nas mãos dos sírios, pelos Macabeus, levou Filipe a fazer um esforço heróico para esmagar Judas e seu poder crescente, e ele rapidamente avançou sobre a Judeia com um grande e bem equipado exército.

As probabilidades eram muito fortes para Judas, seu bando foi assustado pelos elefantes de guerra sírios e na batalha de Bethzacharias os Macabeus foram derrotados e Eleazar, o irmão mais novo, foi morto.

Jerusalém foi tomada pelos sírios, a muralha do templo derrubada e apenas o perigo iminente de um ataque dos inimigos do sul do rei salvou a causa dos Macabeus. Lísias recuou, mas deixou uma forte guarnição em Jerusalém.

Tudo parecia perdido.

Alcimo, líder dos judeus desleais e inimigo mortal de Judas, foi feito sumo sacerdote e ele orou para que Demétrio, que havia capturado o trono sírio, viesse em seu auxílio contra os Macabeus em 162 a.

C. Bácides foi enviado com uma força considerável e buscou em vão obter a posse da pessoa de Judas através de traição. Ele fez estrago entre os judeus, matando amigo e inimigo igualmente, e voltou para o Oriente para ser sucedido por Nicanor, que também falhou em dispor de Judas através de traição.

Na batalha resultante em Capharsalama, ele foi derrotado e obrigado a recuar para Jerusalém e de lá para Bet-Horon, onde Judas o atacou, novamente o derrotou e o matou. Nesta hora de esperança e medo, Judas foi levado a buscar uma aliança romana cuja consumação ele nunca viu.

A partir desse dia, sua fortuna mudou. Um novo exército sírio sob Bácides e o falso sacerdote Alcimo aproximou-se de Jerusalém. Judas deu-lhes batalha em Elasa, em abril de 161 a. C. Com apenas 3.000 homens, ele enfrentou as forças sírias.

Conseguiu derrotar a ala esquerda dos sírios sob Bácides, mas foi por sua vez cercado e derrotado pela ala direita. Toda a esperança de fuga sendo cortada, Judas rodeou-se com seus melhores guerreiros e caiu finalmente cercado por pilhas de inimigos caídos.

Curiosamente, os sírios entregaram o corpo dele a Simão e Jonathan, seu irmão, que o enterraram ao lado de seu pai em Modin.

4. Jonathan – Daniel 160.143 a.C.:

A morte de Judas paralisou momentaneamente o movimento revolucionário, enquanto aumentava a determinação dos sírios. Todos os privilégios anteriores foram revogados e os simpatizantes dos Macabeus foram rigorosamente perseguidos.

Mas tudo isso serviu apenas para unir mais firmemente o grupo, e o comando principal foi conferido a Jonathan, o irmão mais novo, tão ousado quanto, e talvez mais ardiloso do que, Judas. Ele se lançou para o deserto, livrou-se do peso das mulheres e crianças, e quando estes últimos sob os cuidados de João, seu irmão, foram exterminados pelos Amri, ele se vingou terrivelmente deles.

Surpreendido por Bácides, o general sírio, ele infligiu grandes perdas ao último e escapou através do Jordão. A morte do traidor Alcimo, em 160 a. C., por um tempo aliviou a situação e a força dos Macabeus cresceu rapidamente.

Uma segunda campanha de Bácides foi infrutífera contra a ousadia e astúcia de Jonathan e Simão, e eles conseguiram fazer paz com os sírios, mas a cidadela de Jerusalém e outras fortalezas permaneceram nas mãos do inimigo.

Os eventos do ano 153 a. C. no entanto mudaram todo o aspecto das coisas. Demétrio viu seu trono ameaçado por Alexandre Balas, favorito dos romanos. Tentando garantir a ajuda dos Macabeus, ele estendeu grandemente as concessões anteriores, e quando Balas superou-o em generosidade e nomeou Jonathan sumo sacerdote com poderes praticamente reais, os Macabeus astutamente jogaram um contra o outro.

Desde a morte de Alcimo, o sumo sacerdócio estava agora vago por sete anos; por esta razão a nomeação foi extremamente gratificante para os judeus. Em sua extrema necessidade, Demétrio ofereceu o equivalente prático da independência, mas os Macabeus já haviam aprendido o valor dessas promessas por experiência amarga.

A sagacidade de Jonathan levou-o a dar as costas para todas as belas promessas de Demétrio e confiar seus destinos a Balas, e não em vão, pois o primeiro morreu em batalha contra o último.

Jonathan superou todos os seus irmãos em astúcia e sempre abraçou o lado mais promissor, como é evidente em suas relações com Ptolomeu Filométor, Balas e Demétrio. Quando a causa deste último foi abraçada em 148 a.

C. por Apolônio, governador da Síria, Jonathan revelou o verdadeiro gênio militar dos Macabeus, ao ganhar uma vitória marcante sobre ele. Balas agora deu a permissão cobiçada para derrubar a antiga torre síria em Jerusalém, que durante tanto tempo fora um espinho nos lados dos Macabeus.

Infelizmente, durante o cerco, tanto Balas quanto Filométor morreram e Demétrio respirou vingança contra Jonathan. Mas este último ganhou astuciosamente o rei com grandes presentes e aceitou as liberdades restringidas oferecidas.

Aproveitando, no entanto, as incessantes intrigas da corte síria, ele logo se aliou a Trifão, o novo pretendente, e com a ajuda de seu irmão Simão estendeu o poder dos Macabeus sobre quase toda a Palestina.

Na próxima guerra síria, ele alcançou uma vitória quase milagrosa sobre o inimigo e, cansado da luta interminável e desejando um braço forte para se apoiar, como Judas, buscou a renovação da aliança romana, mas nunca viu sua realização.

Trifão, que o temia, o fez prisioneiro de forma traiçoeira em Ptolemaida; todos os seus seguidores foram imediatamente mortos e ele posteriormente executado em Basca na Celessíria.

5. Simon – Daniel 143.135 a.C:

Assim, mais uma vez os Macabeus enfrentaram uma grande crise. Mas Simon, o único sobrevivente dos filhos de Matatias, agora entrou na brecha, frustrou todos os planos traiçoeiros de Trifon, encontrou estratégia com estratégia, renovou a aliança com Demétrio e obteve dele o sumo sacerdócio.

Todos os velhos privilégios foram renovados, a aliança com Trifon foi perdoada pelo rei, e os Macabeus resolveram contar esta era como o início de sua verdadeira liberdade (1 Macabeus 13:41). A odiada fortaleza de Gazara caiu e, por último, a cidadela de Jerusalém foi reduzida, e até o morro, onde tinha estado, foi completamente nivelado nos três anos seguintes (Ant., XIII, vi – Daniel 7).

Simon, favorecido pela decadência do poder sírio, levou o governo dos Macabeus ao ápice de sua glória. O único trabalho arquitetônico considerável empreendido em todo o período foi o magnífico túmulo dos Asmoneus em Modin, construído por Simon, que era visível até do Mediterrâneo.

Ele foi o primeiro dos Macabeus a cunhar sua própria moeda, manteve-se, com a ajuda de seus filhos, João e Judas, contra o novo pretendente sírio, Antíoco Sideta – Daniel 139 a. C, mas finalmente caiu vítima da traição de seu próprio genro, Ptolemeu (Ptolomeu – Daniel 1 Macabeus 16:11) em um banquete preparado para ele (135 a.C).

Sua esposa e filhos, Matatias e Judas, foram feitos cativos ao mesmo tempo (Ant., XIII, vii – Daniel 4 BJ, I, ii – Daniel 3).

6. João Hircano – Daniel 135.105 a.C:

João sucedeu seu pai tanto como príncipe quanto como sumo sacerdote, e seu longo reinado exibiu todas as características dos verdadeiros Macabeus. O reinado de João Hircano começou em meio a grandes dificuldades.

Mal se desfez Ptolemeu antes que Antíoco aparecesse diante de Jerusalém com um forte exército e a investisse fortemente. Em uma trégua com o rei, Hircano obteve condições tão favoráveis quanto possível, pagou um resgate e teve que permitir o arrasamento do muro da cidade.

Para obter dinheiro, ele abriu e saqueou o túmulo de Davi (Ant., XIII, viii – Daniel 4) e assim obteve um exército permanente para a defesa do país. Com este exército, ele acompanhou o rei à guerra parta, na qual Antíoco foi morto.

Hircano agora se livrou do jugo sírio e começou uma guerra de conquista. Em uma campanha rápida, conquistou o território da Transjordânia, destruiu Samaria e seu templo e devastou a terra de Idumeia, cujo povo foi agora incorporado à comunidade judaica por uma circuncisão forçada (Ant., XIII, ix – Daniel 1).

Por meio de uma embaixada, a terceira na história dos Asmoneus, ele fez uma aliança com Roma. Enquanto isso, um espírito partidário forte havia sido despertado contra ele em casa, por causa de sua saída do partido dos fariseus, para se afiliar a dos saduceus, seus inimigos mortais.

Assim, os homens que haviam sido o próprio núcleo da revolta macabeia desde o início agora levantaram uma sedição contra ele. A visão hagiológica da vida judaica, desde o início, tinha sido a essência do movimento asmoneu e, à medida que os anos passavam, o abismo entre os dois grandes partidos em Israel crescia cada vez mais.

A ruptura com os fariseus parecia uma ruptura com todos os antecedentes asmoneus. O cerne do problema jazia no duplo poder de Hircano, que, contra a doutrina farisaica, combinava em uma só pessoa as dignidades reais e sacerdotais.

E à medida que os fariseus cresciam em força eles também cresciam em reverência pelas tradições dos pais, enquanto os saduceus prestavam atenção apenas ao testemunho escrito, e, além disso, eram muito liberais em suas visões em geral.

Somente a imensa popularidade de Hircano permitiu que ele superasse esta tempestade. Após um reinado de quase três décadas, ele morreu em paz, invejado por três coisas: a posse do poder supremo em Israel, a posse do sumo sacerdócio e o dom da profecia (Ant., XIII, x – Daniel 7).

7. Uma Casa em Agonia – Daniel 105.37 a.C:

Com João Hircano, a glória da casa dos Macabeus desapareceu. O que resta é apenas a triste história de declínio externo e interno. O período coberto é de apenas seis ou sete décadas. Conhecendo sua família, Hircano nomeou sua mulher para o poder supremo, enquanto Aristóbulo, seu filho mais velho, deveria assumir o sumo sacerdócio.

Mas este último mal foi instalado neste cargo do que jogou fora a máscara, assumiu o título real, prendeu e matou de fome sua mãe e encarcerou seus três irmãos mais novos, deixando em liberdade apenas Antígono, a quem logo depois fez ser assassinado em um frenesi de ciúme de poder (Ant., XIII, xi – Daniel 1.2,3).

Logo após isso, ele morreu de uma doença intestinal, pouco lamentado por seu povo. Sua viúva sem filhos elevou o filho mais velho sobrevivente de Hircano, Jânio Alexandre, ao trono e casou-se com ele. Este homem começou seu reinado com o assassinato de um de seus irmãos restantes e, seguindo o exemplo de seu pai, filiou-se ao partido dos saduceus.

Envolveu-se em guerras amargas, que surgiram em todos os lugares, provou que o antigo gênio militar dos Macabeus não havia desaparecido completamente. Quando os fariseus despertaram uma sedição generalizada contra ele, ele esmagou o movimento em um torrente de sangue (Ant., XIII, xiv – Daniel 2).

Na guerra civil que se seguiu, ele matou cerca de 50.000 de seu próprio povo e foi praticamente um exilado de sua própria cidade e governo. Governando apenas pela força bruta, ele fez com que os últimos anos de seu reinado fossem sombrios e sombrios.

Josefo toca apenas levemente nos eventos amargos desta sedição, marcada de ambos os lados com grande barbárie (Ant., XIII, xiv – Daniel 2). Embora sofrendo de uma forma incurável de febre quartã, ele travou guerra até o último e morreu durante o cerco de Ragaba.

No seu leito de morte, ele aconselhou sua rainha a lançar-se à misericórdia dos fariseus:

um conselho sábio como o evento provou, pois ela foi autorizada a manter a coroa e a colocar seu filho Hircano no ofício sacerdotal.

Assim ela governou por nove anos (78-69 a.C.). Após sua morte, seu filho Aristóbulo, a quem ela tinha mantido longe dos assuntos públicos e que apoiava a causa dos saduceus, aspirou à coroa. Outra guerra civil resultou, na qual Aristóbulo foi vitorioso.

Hircano concordou, por uma grande compensação financeira, a deixar completamente de lado os assuntos públicos. A família herodiana, que devia tudo aos Macabeus (Ant., XIV, i – Daniel 3), agora aparece em cena.

Antípatro, amigo de Hircano, induziu-o a fugir para Aretas, rei da Arábia, em Petra, com quem fez uma aliança. Na guerra subsequente, Aristóbulo foi conquistado, preso em Jerusalém e obrigado a invocar a ajuda dos romanos, com cuja assistência os árabes foram repelidos (Ant., XIV, ii – Daniel 3).

Neste mesmo ano Pompeu veio a Damasco, onde se encontrou entre três fogos, pois não apenas os dois irmãos, mas um grande partido hagiológico de fariseus também clamava por uma audiência. Esse último partido recusava tanto Aristóbulo quanto Hircano como governantes.

Por meio das maquinações de Antípatro, Pompeu posicionou-se a favor de Hircano, após o qual Aristóbulo preparou-se para a guerra. Pompeu marchou rapidamente sobre Jerusalém e o irresoluto Aristóbulo o encontrou com promessas de submissão e presentes.

Quando seus seguidores, entretanto, recusaram cumprir essas promessas, Aristóbulo foi preso e Pompeu investiu imediatamente contra Jerusalém, que foi tomada por assalto na páscoa de 63 a. C., após um cerco de três meses.

Pompeu entrou no lugar mais santo do templo, alienando para sempre o partido farisaico de Roma. Mas ele não saqueou o templo e nomeou Hircano como sumo sacerdote.

Este evento marca o colapso do poder Macabeu. O que segue são apenas as agonias da morte. Aristóbulo e seus dois filhos, Alexandre e Antígono, foram levados para Roma como prisioneiros. No caminho, Alexandre escapou e renovou a luta infrutífera na Judeia, apenas para ser imediatamente esmagado pelo general romano Gabinius.

Pouco depois, tanto Aristóbulo quanto Antígono também fugiram. Retornando à pátria, o primeiro, como seu filho, lutou uma breve e valente, mas infrutífera campanha e foi devolvido prisioneiro a Roma, onde morreu envenenado, na véspera de iniciar serviço sob as bandeiras romanas – Daniel 49 a.

C. Alexandre foi executado em Antioquia por Pompeu. De todos os príncipes Macabeus, assim, apenas Antígono e Hircano permaneceram. O poder idumeu estava prestes a suplantar o Macabeu. Herodes, filho de Antípatro, aliou-se, como seu pai fizera, a Hircano contra Antígono.

As perturbações faccionais em Roma e por todo o império permitiram a realização da última etapa do drama asmoneu, no final da disputa de Hircano e Antígono. Herodes estava na Judeia com Hircano, quando Antígono com hordas partas invadiu o país, causou a evacuação precipitada de Herodes da Palestina, e após capturar Jerusalém em 40 a.

C., enviou seu tio Hircano como cativo para o Oriente, depois de ter cortado suas orelhas, para incapacitá-lo para sempre para o ofício sacerdotal (Ant., XIV, xiii – Daniel 10).

Herodes agora obteve a ajuda dos romanos e permissão para reconquistar a Judeia. Em uma campanha furiosa, marcada pelas mais chocantes barbaridades, ele ocupou a maior parte do país e finalmente em 37 a.

C. conseguiu tomar Jerusalém. Antígono se rendeu mas foi executado em Antioquia por Antônio, a instigação de Herodes (Ant., XIV, xvi – Daniel 4). O destino dos remanescentes do caule Macabeu, nas mãos de Herodes, pode ser encontrado consultando o artigo sob MACABEUS.

Henry E. Dosker

Orr, James, M.A., D.D. Editor Geral. “Entrada para ‘ASMONEUS'”. “Enciclopédia Bíblia Padrão Internacional”. 1915.