Início Dicionário A Armênia

Armênia na Bíblia. Significado e Versículos sobre Armênia

12 min de leitura

Hebraico: terra sagrada.

Armênia – Dicionário Bíblico de Easton

Armênia

Terra alta, ocorre apenas na Versão Autorizada, 2 Reis 19.37; na Versão Revisada, “Ararate”, que é a palavra em hebraico. Um país no oeste da Ásia situado entre o Mar Cáspio e o Mar Negro. Aqui a arca de Noé repousou após o Dilúvio (Gênesis 8.4). É, na maior parte, um planalto elevado, e é irrigado pelos rios Aras, Kur, Eufrates e Tigre.

Ararat era propriamente o nome de uma parte da antiga Armênia. Três províncias da Armênia são mencionadas em Jeremias 51.27, Ararate, Minni e Asquenaz. Alguns, no entanto, pensam que Minni seja uma contração para Armênia.

Easton, Matthew George. “Entrada para Armênia”. “Dicionário Bíblico de Easton”.

Armênia – Dicionário Bíblico de Smith

Armênia

(terra de Aram) não é mencionada sob esse nome no hebraico original, embora ocorra na versão em inglês, para Ararate (2 Reis 19.37). Descrição. –Armênia é aquele planalto elevado de onde descem os rios Eufrates, Tigre, Araxes e Acampsis em diferentes direções; os dois primeiros para o Golfo Pérsico, os últimos dois respectivamente para os mares Cáspio e Euxino.

Pode ser chamada de núcleo do sistema montanhoso da Ásia ocidental. Do centro do planalto erguem-se duas cadeias elevadas de montanhas, que correm de leste a oeste. Divisões. –Três distritos são mencionados na Bíblia. (1) ARARATE é mencionado como o lugar para onde fugiram os filhos de Senaqueribe (Isaías 37.38).

Era o distrito central, ao redor da montanha desse nome. (2) MINI aparece apenas em Jeremias 51.27. É provavelmente idêntico ao distrito de Minyas, no alto vale do ramo Murad-su do Eufrates. (3) TOGARMA é mencionado em duas passagens (Ezequiel 27.1Ezequiel 38.6), ambas em favor de sua identidade com a Armênia.

Situação atual. –Os armênios, cerca de dois milhões, são nominalmente cristãos. Cerca de metade deles vive na Armênia. Seu passatempo favorito é o comércio. O país está dividido, quanto ao governo, entre Rússia, Turquia e Pérsia.–ED.

Smith, William, Dr. “Entrada para ‘Armênia’”. “Dicionário da Bíblia de Smith”. 1901.

Armênia – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Armênia

I. Geografia

II. História Antiga

1. Armênios Turanianos

Sua Religião

2. Armênios Arianos:

História até 114 D.C.

LITERATURA

I. Geografia.

Ararate (Sumério Ar, “região”, mais ar “alto”, mais Tu, “montanha”, mais “região montanhosa alta”): na Assíria, UrTu, UrarTu, UrasTu: no Egito, Ermenen (= “Região dos Minni”). Os armênios são citados em Gênesis 8.4; 2 Reis 19.37; Isaías 37.38; Jeremias 51.27).

Na Bíblia, este é um país, não uma montanha. A Armênia Maior era limitada ao norte pelo rio Cyrus (Kour), Ibéria, Cólquida e pelas montanhas Moschici; a oeste pela Ásia Menor e pelo Eufrates; ao sul por Mesopotâmia e Assíria; e a leste pelo Mar Cáspio e Média. (A Armênia Menor ficava entre o Eufrates e o Hális.) Ararate era originalmente o nome do distrito central.

A maior parte da Armênia está entre 8.000 – Jeremias 3.000 pés acima do nível do mar e declina em direção ao Eufrates, Cyrus e ao Gaspian. O Monte Massis (geralmente chamado de Grande Ararate) tem 16.969 pés e o Pequeno Ararate – Jeremias 12.840 pés.

Ambos são de origem ígnea, como é Aragds (A`la Goz) – Jeremias 13.436 pés. Fontes de enxofre e terremotos ainda atestam atividade vulcânica.

Os maiores rios são o Eufrates, Tigris e Araxes. Este último, rápido e famoso por inundações violentas, junta-se ao Cyrus, que deságua no Cáspio. Os lagos Van, Urmi e Sevan são verdadeiros mares interiores.

As muitas cadeias de montanhas, torrentes intransponíveis e grandes correntes dividem o país em distritos muito menos acessíveis entre si do que de terras estrangeiras. Portanto, invasões são fáceis e a união nacional difícil.

Isso afetou tristemente a história da Armênia. Xenofonte (Anab. iv.5) descreve o povo como vivendo em casas parcialmente subterrâneas, como as ainda encontradas. Cada vila era governada por seu chefe de acordo com antigas leis costumeiras.

Ele descreve bem a severidade dos invernos. No verão, o clima em alguns lugares é semelhante ao da Itália ou Espanha. Muita da Armênia é extremamente fértil, produzindo grandes rebanhos de cavalos e gado, abundantes colheitas de cereais, azeitonas e frutas. É rica em minerais e provavelmente é o lar da rosa e da videira.

LITERATURA.

Minas Gaphamatzean; Garagashean; Palasanean; Entir Chatouadsner, I; Rawlinson, Seven Anc. Monarchies; Estrabão; Xenofonte; Petermann, Mittheilungen para 1871; Bryce, Transcaucasia e Ararat.

II. História Antiga.

1. Armênios Turanianos:

O país é mencionado pela primeira vez em Gênesis 8.4 como a terra sobre (alguma das) montanhas das quais a Arca de Noé repousou. (Segundo a tradição judaica, foi uma das montanhas curdas.) Depois é falado por Sargão I de Agade, cerca de 3800 AC, como entre suas conquistas.

Nas lendas babilônicas antigas, a Armênia figura como uma terra quase desconhecida longe ao norte, cheia de montanhas altas e florestas densas, contendo a entrada para o Mundo Inferior (Mad Nu-ga, “Terra do Sem Retorno”).

Em suas fronteiras estava o Monte Nisir, onde os deuses moravam e a “nave” de Cit-napistim parou. Este “Monte do Mundo” era o atual Jabal Judi, ao sul do Lago Van. A influência egípcia veio em seguida.

Tutmósis III, em seu vigésimo terceiro ano (cerca de 1458 AC), após uma grande vitória sobre os Rutennu ou Ludennu (mesopotâmicos e lídios), recebeu a submissão dos “chefes de Ermenen” e outros. É notável que o nome pelo qual a terra ainda é conhecida pelos estrangeiros (os armênios a chamam de Chaiastan) ocorra tão cedo.

No trigésimo terceiro ano de seu reinado, Tutmósis III menciona o povo de Ermenen pagando tributo quando ele realizou seu tribunal em Nínive, e diz que em sua terra “o céu repousa sobre seus quatro pilares”.

No Salão das Colunas de Seti I em Karnak, vemos o povo de Ermenen derrubando árvores para abrir caminho através de suas florestas para os exércitos desse rei. Rameses II em seu vigésimo primeiro ano, na guerra com Kheta-sira, rei dos hititas, provavelmente subjugou a Armênia (comparar com Tácito Anais ii.60).

Muitos lugares conquistados por Rameses III e mencionados nas listas de Medinet Habu eram provavelmente na Armênia.

A religião suprema dos armênios turanianos era Chaldish, que era pai de todos os demais. Eles eram chamados de “filhos do poderoso Chaldish”. Ele, com Teishbash, deus da atmosfera, e Ardinish, o deus Sol, formaram “a companhia dos deuses poderosos.” Auish, deus da água; Ayash, deus da terra; Shelardish, o deus Lua; Sardish, o deus Ano; e outros 42 deuses são mencionados.

Sari era uma deusa, provavelmente correspondendo a Ishtar. Adoração também era oferecida aos espíritos dos mortos. De certa forma estranhamente, alguns dos nomes divinos que mencionamos lembram certas palavras arianas (gregas e persas antigas), porém isso pode ser contabilizado.

LITERATURA.

Valdemar Schmidt, Historie Gamle de Assyriens og AEgyptens; Maspero, Dawn of Civilization; Rawlinson, West. Asiat. Inscrs; Keilinschriftliche Bibliothek (Schrader, editor); Airarat – Gênesis 1883 Sayce no Journal of the Royal Asiatic Society, nova série, XIV; Records of the Past; Hastings, End of Religion and Ethics, I.

2. Armênios Arianos:

História até 114 D.C.:

Os ancestrais dos presentes armênios (que se chamam Chaik’h, isto é, Pati-s, “Senhores”) podem ter se estabelecido no país no século VIII AC, quando Sargão menciona um rei de parte da Armênia que tinha o nome ariano Bagadatti (= Teodoro).

Eles vieram da Frígia (Herod. vii.73), usaram a roupa e armadura frígias (Dion. de Halicarnasso; Eudoxius; Heródoto) e falavam a mesma língua (Heródoto i.171). Na Bíblia, eles são chamados de “Casa de Togarmá” (Gênesis 10.3; 1 Crônicas 1.6; Ezequiel 27.1Ezequiel 38.6) e “Ashkenaz” (Gênesis 10.3; 1 Crônicas 1.6; Jeremias 51.27; o assírio Ashguza), como pelos próprios escritores armênios de tempos posteriores.

Xenofonte na Cyropedia menciona uma conquista mediana da Armênia, Estrabão suas vestimentas medas; ainda assim, meninas armênias não conseguiam entender o intérprete persa de Xenofonte (Anab. iv.5). Três dos quatro armênios mencionados por Dário têm nomes arianos.

Os armênios juntaram-se ao nobre mediano Fravartish em sua revolta contra Dario I (519 AC). Muito do consequente combate aconteceu na Armênia, que foi subjugada com dificuldade (517). Ela fez parte do décimo terceiro Nome de Dario e depois duas satrapias (aparentemente Armênia Maior e Menor).

O governo (da Armênia Maior) foi feito hereditário na família de Vidarna (Hydarnes) por ajudar a derrubar Fravartish. A descrição interessante de Xenofonte do país e do povo e da severidade de seus invernos é bem conhecida.

Heródoto conta sobre armênios em coracles de pele e cesto trazendo vinho, etc., para a Babilônia. Xenofonte diz que eles e os caldeus comercializavam com a Índia. Estrabão menciona seu comércio de caravana através da Ásia Central.

O sátrapa da Armênia tinha que apresentar 20.000 potros jovens anualmente ao rei da Pérsia no grande festival anual de Mitra. Um grande corpo de soldados armênios serviu na invasão de Xerxes à Grécia. Na batalha de Arbela (331 AC) – Jeremias 40.000 de sua infantaria – Jeremias 7.000 cavalaria participaram.

A Armênia então tornou-se uma porção do império de Alexandre, e mais tarde daquele de Seleuco (301 AC), sob um sátrapa nativo, Artavasdes. A Armênia revoltou-se após a derrota de Antíoco em Magnésia (190 AC), e os romanos encorajaram os dois sátrapas a se declararem reis.

Artaxias, rei da Armênia Maior, utilizou a ajuda de Aníbal ao fortificar sua capital Artaxata (189 AC). Artaxias foi derrubado por Antíoco Epifânio em 165, mas foi restaurado ao jurar lealdade. Confusão civil se seguiu.

Os nobres chamaram os partos sob Mitrídates I (150 AC), que se tornou mestre de todo o império persa. Ele fez seu irmão Valarsaces rei da Armênia. Assim, a dinastia Arsacide foi estabelecida naquele país e durou até a queda do império parta (226 AD), com os reis armênios geralmente reconhecendo os monarcas partos como seus soberanos.

LITERATURA.

Spiegel, Altpers. Keilinschriften; Heródoto; Xenofonte; Arriano; Tácito; Velleius Paterculus; Lívio; Políbio; Amiano Marcelino.

W. St. Clair Tisdall

Orr, James, M.A., D.D. Editor Geral. “Entrada para ‘ARMÊNIA’”. “International Standard Bible Encyclopedia”. 1915.

Armênio; ariano; religião na Bíblia.

Armênio; ariano; religião

Esta era muito semelhante à da Pérsia, embora o Zoroastrismo e seu sistema dualista não fossem professados. Assim, podemos julgar até que ponto a religião do Avesta se deve à reforma de Zaratustra. Aramazd (Ahura Mazda), criador do céu e da terra, era pai de todas as principais divindades.

Sua esposa era provavelmente Spandaramet (Spenta Armaiti), deusa da terra, que mais tarde foi considerada como presidindo o submundo. Entre seus assistentes como gênios da fertilidade estavam Horot e Morot, divindades tutelares do Monte Massis (agora chamado Ararat).

O culto a Aramazd parece ter caído muito em segundo plano em favor daquele de divindades inferiores, entre as quais estava sua filha Anahit (Anahita), que tinha templos em muitos lugares. Suas estátuas eram frequentemente dos metais preciosos, e entre seus muitos nomes estavam “Mãe Dourada” e “Deusa da Imagem Dourada”.

Por isso, até hoje a palavra “Dourado” entra em muitos nomes armênios. Novilhas brancas e ramos verdes eram oferecidos a ela como deusa da fertilidade, nem era incomum a prostituição religiosa em sua honra.

A seguir em popularidade vinha sua irmã Astghik (“a pequena estrela”), ou seja, o planeta Vênus, deusa da beleza, esposa do herói divinizado Vahagn (Verethraghna). Ele surgiu do céu, da terra e do mar, e derrotou dragões e outros seres malignos.

Outra das irmãs de Anahit era Nane, posteriormente identificada com Atena. Seu irmão Mihr (Mitra) tinha o sol como seu símbolo no céu e o fogo sagrado na terra, ambos sendo objetos de adoração. Em seus templos um fogo sagrado era reacendido uma vez por ano.

O mensageiro e escrivão de Aramazd era Tiur ou Tir, que registrava as ações dos homens no “Livro da Vida”. Ele conduzia os homens após a morte para Aramazd para julgamento. Antes do nascimento, ele escrevia os destinos dos homens em suas testas.

O lugar de punição era Dzhokhk’h. Ao sol e à lua eram oferecidos sacrifícios nos topos das montanhas. Rios e fontes sagradas e outros objetos naturais também eram adorados. A oração era feita voltada para o leste.

Presságios eram tirados do farfalhar das folhas da sagrada floresta Sonean. Armavir era a capital religiosa.

Entre existências espirituais inferiores estavam os Arlezk’h, que lambiam as feridas daqueles mortos em batalha e os restauravam à vida. Os Parikk’h eram evidentemente os Pairakas (Peris) da Pérsia. A mitologia armênia falava de enormes dragões que às vezes apareciam como homens, às vezes como vermes, ou basiliscos, elfos, touros marinhos, leões-dragão, etc.

Como na Pérsia, os demônios faziam dardos com as aparas das unhas de um homem para feri-lo. Portanto, essas aparas, juntamente com dentes e cortes de cabelo, devem ser escondidos em algum lugar sagrado.

_LITERATURA._

Eznik Goghbatzi; Agathangelos; Moisés de Khorene; Eghishe; Palasanean; Fausto Bizantino; Chhamchheantz; Plutarco; Estrabão; Tácito.

W. St. Clair Tisdall

Orr, James, M.A., D.D. Editor Geral. “Entrada para ‘ARMÊNIO; ARIANO; RELIGIÃO’”. “Enciclopédia Bíblica Internacional Padrão”. 1915.

Faça um comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários

Artigos Relacionados