Início Dicionário A Aná

Aná na Bíblia. Significado e Versículos sobre Aná

3 min de leitura

Cheia de graça.

Aná – Dicionário Bíblico de Easton

Aná

Fala.

Easton, Matthew George. “Entrada para Anah”. “Dicionário Bíblico de Easton”.

Aná – Dicionário de Nomes Bíblicos de Hitchcock

Aná

aquele que responde; aflito

Hitchcock, Roswell D. “Entrada para ‘Anah’”. “Um Dicionário Interpretativo de Nomes Próprios da Escritura”. Nova York, N.Y. – Gênesis 1869

Aná – Dicionário Bíblico de Smith

Aná

Filho de Zibeon e pai de Aholibamah, uma das esposas de Esaú (Gênesis 36.2 Gênesis 36.14 Gênesis 36.25). Acredita-se que ele tenha descoberto as “fontes termais” (e não “mulas”, como na Versão Autorizada) no deserto enquanto alimentava os jumentos de seu pai Zibeon. (1797 a.C.)

Smith, William, Dr. “Entrada para ‘Anah’”. “Dicionário da Bíblia de Smith”. 1901.

Ana – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Aná

a Horite clan-name (Gênesis 36)):

(1) Mãe de Aholibamah, uma das esposas de Esaú e filha de Zibeon (compare Gênesis 36.2,14,18,25). A Septuaginta, o Pentateuco Samaritano e a Peshitta leem “filho”, identificando este Ana com o número 3; Gênesis 36.2, lê-se (ha-chori), para (ha-chiwwi).

(2) Filho de Seir, o Horita, e irmão de Zibeon; um dos chefes da terra de Edom (compare Gênesis 36.20,21 = 1 Crônicas 1.38). Seir é em outros lugares o nome da terra (compare Gênesis 14.6Isaías 21.11); mas aqui o país é personificado e se torna o ancestral mítico das tribos que habitam nele.

(3) Filho de Zibeon, “Este é Ana que encontrou as fontes termais no deserto” (compare Gênesis 36.24 = 1 Crônicas 1.40,41)

A palavra ha-yemim, ocorre somente nesta passagem e provavelmente está corrompida. Ball (Sacred Books of the Old Testament, Genesis, nota crítica 93) sugere que seja uma corrupção de we-hemam (compare Gênesis 36.22) em um verso anterior.

Jerônimo, em seu comentário sobre Gênesis 36.24, reúne as seguintes definições da palavra recolhidas de fontes judaicas.

(1) “mares” como se yammim;

(2) “fontes termais” como se hammim;

(3) uma espécie de asno, yemim;

(4) “mulas”.

Esta última explicação foi a mais frequentemente encontrada na literatura judaica; a tradição diz que Aná foi o primeiro a criar a mula, trazendo à existência uma espécie não natural. Como punição, Deus criou a serpente aquática mortal, através da união da víbora comum com o lagarto líbio (compare Ge Rabbah 82 15, Yer. Ber 1 12b; Babylonian Pes 54a, Ginzberg, Monatschrift, XLII – Gênesis 538.39).

A descendência de Aná é assim representada nas três maneiras apontadas acima conforme o texto está. No entanto, se aceitarmos a leitura ben, para bath, no primeiro caso, Aholibamah será então uma filha não nomeada do Aná de Gênesis 36.24, não a Aholibamah, filha de Aná de 36:25 (pois o Aná deste verso é evidentemente o de 36:20, não o Aná de 36:24).

Outra visão é que as palavras, “a filha de Zibeon”, são um glossário, inserido por alguém que identificou erroneamente o Aná de 36:25 com o Aná de 36:24; neste caso, Aholibamah, a filha de Aná, será a mencionada em 36:25.

A diferença entre (2) e (3) deve ser explicada com base em uma tradição dupla. Aná era originalmente um sub-clã do clã conhecido como Zibeon, e ambos eram “filhos de Seir”–ou seja, Horitas.

H. J. Wolf

Orr, James, M.A., D.D. Editor Geral. “Entrada para ‘ANAH’”. “Enciclopédia Bíblica Internacional Padrão”. 1915.

Comentários

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários