Início Dicionário A Alexandre

Alexandre na Bíblia. Significado e Versículos sobre Alexandre

10 min de leitura

Auxiliador dos homens. Cincopessoas com este nome, que era vulgar, acham-se mencionados no N. T. 1. Filho de Simão, o cireneu, que foi compelido a levar a cruz de Jesus (Marcos 15.21). 2. Um parente de Anás, sumo sacerdote, o qual era membro diretor do Sinédrio em Jerusalém, quando Pedro e João foram presos e levados àquele tribunal (Atos 4.6). 3.

Um judeu de Éfeso, a quem os seus compatriotas impeliram para diante durante o tumulto, provocado por Demétrio, ourives de prata (Atos 19.33). 4. Um convertido que tinha abandonado a sua fé, e que Paulo entregou a Satanás (1 Timóteo 1.1 – 1 Timóteo 20). 5.

Um latoeiro que fez muito mal a Paulo, e que havia resistido às suas palavras (2 Timóteo 4.14) – talvez este indivíduo seja o mesmo do número 3.

Alexandre – Dicionário Bíblico de Easton

Alexandre

defensor do homem.

  • Um parente de Anás, o sumo sacerdote, presente quando Pedro e João foram examinados perante o Sinédrio (Atos 4.6).
  • Um homem cujo pai, Simão o Cireneu, carregou a cruz de Cristo (Marcos 15.21).
  • Um judeu de Éfeso que teve um papel de destaque na confusão causada lá pela pregação de Paulo (Atos 19.33). Os judeus o colocaram à frente para defender sua causa diante da multidão. Provavelmente pretendia-se que ele mostrasse que ele e os outros judeus não tinham simpatia por Paulo, assim como os efésios não tinham. É possível que este homem fosse o mesmo que o seguinte.
  • Um ourives que, com Himeneu e outros, promoveu certas heresias a respeito da ressurreição (1 Timóteo 1.19; 2 Timóteo 4.14), e naufragou na fé e em uma boa consciência. Paulo o excomungou (1 Timóteo 1.20; compare com 1 Coríntios 5.5).

Easton, Matthew George. “Entrada para Alexandre”. “Dicionário Bíblico de Easton”.

Alexandre – Dicionário de Nomes Bíblicos de Hitchcock

Alexandre

aquele que ajuda os homens

Hitchcock, Roswell D. “Entrada para ‘Alexandre’”. “Um Dicionário Interpretativo de Nomes Próprios da Escritura”. Nova Iorque, N.Y. – 1 Coríntios 1869

Alexandre – Dicionário Bíblico de Smith

Alexandre.

  1. Filho de Simão, o Cireneu, que foi obrigado a carregar a cruz para o nosso Senhor. (Marcos 15.21)

  2. Um dos parentes de Anás, o sumo sacerdote. (Atos 4.6)

  3. Um judeu em Éfeso que seus conterrâneos colocaram à frente durante o tumulto causado por Demétrio, o ourives, para defender sua causa com a multidão. (Atos 19.33)

  4. Um cristão efésio reprovado por São Paulo em (1 Timóteo 1.20) como tendo, junto com um Himenêus, afastado de si a fé e uma boa consciência, e assim naufragado em relação à fé. Este pode ser o mesmo Alexandre, o latoeiro, mencionado pelo mesmo apóstolo, (2 Timóteo 4.14) como tendo-lhe feito muitos males.

Smith, William, Dr. “Entrada para ‘Alexandre’”. “Dicionário da Bíblia de Smith”. 1901.

Alexandre – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Alexandre

Alexandros, significado literal “defensor dos homens”. Esta palavra ocorre cinco vezes no Novo Testamento, (Marcos 15.21; Atos 4Atos 19.33; 1 Timóteo 1.19,20; 2 Timóteo 4.14):

Não é certo se o terceiro, quarto e quinto destes versículos referem-se ao mesmo homem.

1. Um Filho de Simão de Cirene:

O primeiro destes Alexandres é mencionado no trecho de Marcos, onde ele é dito ter sido um dos filhos de Simão de Cirene, o homem que carregou a cruz de Cristo. Alexandre, portanto, pode ter sido norte-africano de nascimento.

Mateus, Marcos e Lucas registram o fato, com detalhes variados, de que Simão estava passando no momento em que Cristo estava sendo levado para fora da cidade, para ser crucificado no Calvário. Somente Marcos conta que Simão era o pai de Alexandre e Rufo.

A partir desta declaração do evangelista, é aparente que, na época em que o Segundo Evangelho foi escrito, Alexandre e Rufo eram cristãos e que eles eram bem conhecidos na comunidade cristã. Marcos pressupõe que os primeiros leitores de seu Evangelho entenderão imediatamente a quem ele se refere.

Não há outra menção de Alexandre no Novo Testamento, mas geralmente se pensa que seu irmão Rufo é a pessoa mencionada por Paulo em Romanos 16.13, “Saudai a Rufo, eleito no Senhor, e sua mãe e minha.” Se esta identificação estiver correta, então segue-se, não apenas que os filhos de Simão eram cristãos, mas que sua esposa também era cristã, e que todos permaneceram fiéis a Cristo por muitos anos.

Também seguiria que as famílias estavam entre os amigos íntimos de Paulo, tanto que a mãe da família é carinhosamente tratada por ele como “mãe de Rufo e minha”. O significado disso é que, no passado, essa senhora tratou Paulo com o cuidado terno que uma mãe sente e mostra ao seu próprio filho.

2. Um Parente de Anás:

O segundo Alexandre, referido em Atos 4.6, era um parente de Anás, o sumo sacerdote judeu. Ele é mencionado por Lucas, como tendo estado presente como membro do Sinédrio, diante do qual Pedro e João foram levados para serem examinados, pelo que haviam feito na cura do homem coxo no portão do templo.

Nada mais se sabe sobre este Alexandre além do que é dado por Lucas. Tem sido conjecturado que ele possa ter sido o Alexandre que era irmão de Filo e que também era o alabarca ou magistrado da cidade de Alexandria.

Mas esta conjectura não é suportada por qualquer evidência.

3. Alexandre e o Motim em Éfeso:

O terceiro Alexandre é mencionado em Atos 19.33:

“E alguns da multidão instruíram Alexandre, os judeus colocando-o à frente. E Alexandre acenou com a mão e teria feito defesa ao povo. Mas quando perceberam que ele era judeu, todos com uma só voz,” etc., a Versão Revisada, margem.

No caso do motim em Éfeso, toda a responsabilidade recaía sobre Demétrio, o ourives. Em sua raiva contra os cristãos em geral, mas especialmente contra Paulo, por causa de sua pregação bem-sucedida do evangelho, ele convocou uma reunião dos artífices; o comércio da fabricação de ídolos estava em perigo.

Dessa reunião surgiu o motim, no qual toda a cidade estava em comoção. Os judeus eram completamente inocentes no assunto: eles não haviam feito nada para causar qualquer perturbação. Mas o motim aconteceu, e ninguém poderia dizer o que aconteceria.

O anti-semitismo moderno, na Rússia e em outros países europeus, dá uma ideia de uma multidão excitada instigada pelo ódio aos judeus. Reconhecendo instantaneamente que a fúria do povo efésio poderia se gastar em violência e derramamento de sangue, e que nessa fúria eles seriam os sofredores, os judeus “colocaram à frente” Alexandre, para que por sua habilidade como orador ele pudesse limpá-los, seja de ter instigado o motim, ou de estar em conluio com Paulo. “Um certo Alexandre foi colocado pelos judeus para se dirigir à multidão; mas isso apenas aumentou o clamor e a confusão.

Não havia uma ideia clara entre os amotinados do que queriam: uma demonstração anti-judaica e anti-cristã estavam misturadas, e provavelmente a retenção de Alexandre era para desviar o sentimento geral dos judeus. É possível que ele fosse o trabalhador em bronze, que depois fez muito mal a Paulo” (Ramsay, Paul the Traveler, etc. – Atos 279).

4. Alexandre um Herege Efésio:

O quarto dos Alexandres do Novo Testamento é um de dois professores heréticos em Éfeso – o outro sendo Himeneu – contra quem Paulo adverte Timóteo em 1 Timóteo 1.19,20. O ensino de Himeneu e Alexandre era no sentido de que a moralidade cristã não era necessária – antinomianismo.

Eles afastaram – “afastaram de si”, a Versão Revisada (Britânica e Americana) – fé e boa consciência; eles abandonaram voluntariamente os grandes fatos centrais sobre Cristo, e assim eles “fizeram naufrágio quanto à fé”.

5. Sua Heresia Gnosticismo Incipiente:

Em 2 Timóteo 2.17,18, Himeneu é associado a Fileto, e mais detalhes são dados ali sobre seu falso ensino. O que eles ensinavam é descrito por Paulo como “falatórios profanos”, como levando a mais impiedade, e como comendo “como gangrena”.

Sua heresia consistia em dizer que a ressurreição já tinha passado, e tinha sido tão bem-sucedida, que tinha derrubado a fé de alguns. A doutrina desses três professores heréticos, Himeneu, Alexandre e Fileto, era, portanto, uma das primeiras formas de Gnosticismo.

Ela sustentava que a matéria era originalmente e essencialmente má; que por essa razão o corpo não era uma parte essencial da natureza humana; que a única ressurreição era aquela de cada homem à medida que despertava da morte do pecado para uma vida justa; que assim, no caso de todos que se arrependeram do pecado, “a ressurreição já passou”, e que o corpo não participava da bem-aventurança da vida futura, mas que a salvação consistia na completa libertação da alma de todo contato com um mundo material e um corpo material.

Tão perniciosos eram esses ensinos do Gnosticismo incipiente na igreja cristã, que rapidamente se espalharam, comendo como uma gangrena. A negação da futura ressurreição do corpo envolvia também a negação da ressurreição corporal de Cristo, e até mesmo o fato da encarnação.

A maneira como, portanto, o apóstolo lidou com aqueles que ensinavam tal erro mortal, foi que ele recorreu às mesmas medidas extremas que havia empregado no caso da pessoa imoral em Corinto; ele entregou Himeneu e Alexandre a Satanás, para que aprendessem a não blasfemar.

Compare 1 Coríntios 5.5.

6. Alexandre o Caldeireiro:

A quinta e última ocorrência do nome Alexandre está em 2 Timóteo 4.14,15, “Alexandre, o caldeireiro, me fez muito mal: o Senhor lhe retribuirá segundo as suas obras: de quem tu também guarda-te (a Versão do Rei Jaime “de quem tu também te guardes”); pois ele resistiu fortemente às nossas palavras.” Este Alexandre era um trabalhador em cobre ou ferro, um ferreiro. É bastante incerto se o Alexandre número 5 deve ser identificado com o Alexandre número 4, e até mesmo com o Alexandre número 3.

A respeito disso, deve-se lembrar que todos os três destes Alexandres residiam em Éfeso; e é especialmente notável que o quarto e o quinto com esse nome residiam nessa cidade aproximadamente no mesmo período; o intervalo entre as referências de Paulo a esses dois não foi mais do que um ou dois anos, já que não mais do que esse tempo decorreu entre ele escrever 1 Timóteo e 2 Timóteo.

Portanto, é bastante possível que esses dois Alexandres sejam uma e a mesma pessoa.

Em qualquer caso, o que é estudado deste último Alexandre é que ele mostrou o mal que estava nele fazendo muitas maldades ao apóstolo, evidentemente por ocasião de uma visita recente feita por Paulo a Éfeso.

Essas maldades assumiram a forma de se opor pessoalmente à pregação do apóstolo. A antagonismo pessoal de Alexandre manifestou-se por ele resistir grandemente à proclamação do evangelho por Paulo. Como Timóteo estava agora em Éfeso, encarregado da igreja lá, ele é fortemente advertido pelo apóstolo para estar em guarda contra este oponente.

John Rutherfurd

Orr, James, M.A., D.D. Editor Geral. “Entrada para ‘ALEXANDRE’”. “Enciclopédia Bíblica Internacional Padrão”. 1915.

Comentários

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários