Pular para o conteúdo
Início » Dicionário » A » Adivinhação

Adivinhação na Bíblia. Significado e Versículos sobre Adivinhação

O dom da profecia foi concedido por Deus apenas a pouquíssimas pessoas, na história da Humanidade – mas nos tempos bíblicos havia quem pretendesse ter o dom da adivinhação, praticando várias espécies de artifícios com o fim de fazerem crer que possuíam conhecimentos do futuro.

Em geral a adivinhação fazia parte dos predicados de uma casta sacerdotal, que disso fazia uso para os seus próprios fins(Gênesis 41.8Isaías 47.13Jeremias 5.31Daniel 2.2). As pessoas que afirmavam ter em si espíritos familiares (Isaías 8.19Isaías 29.4) crê-se que eram ventríloquos, que desde debaixo da terra, chilreando entre dentes, murmuravam para imitar a voz dos espíritos, que se acreditava terem sido invocados dentre os mortos.

Com respeito à invocação da alma de Samuel pela pitonisa de En-Dor (1 Samuel 28.7 a 25), considerando que a mulher era indubitavelmente uma impostora, podemos dizer que Deus permitiu nesta ocasião, para os Seus próprios desígnios, que Saul, pelas engenhosas práticas da feiticeira, pudesse ser inteiramente avisado do que o esperava, tendo ainda tempo nos seus últimos dias de voltar o seu coração para Deus.

Em Ezequiel 21.21 a referência à adivinhação é por meio de flecha. O rei arremessou um feixe de setas a fim de ver em que direção iam descer – e, como elas caíram à sua mão direita, ele marchou para Jerusalém.

A taça pela qual se diz ter José adivinhado (Gênesis 44.5), era um vaso de prata (simbólico do Nilo, ‘a taça do Egito’) que se supunha ter misteriosas qualidades mágicas. A adivinhação era feita por meio de irradiações da água, ou de gemas, com inscrições mágicas, a ela arremessadas.

A condição do fígado do animal, que tinha sido sacrificado, julgavam alguns ser uma indicação relativamente ao futuro (Ezequiel 21.21). Moisés proibiu toda espécie de adivinhação. (*veja Magia.).

Adivinhação – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Adivinhação

Esta palavra ocorre na Versão Revisada (Britânica e Americana) em Levítico 19.26; Deuteronômio 18.10,14; 2 Reis 21.6 e o paralelo em 2 Crônicas 33.6. Em todos esses casos, o verbo “praticar adivinhação” é na Versão do Rei Jaime “observar tempos”.

O verbo assim traduzido é ‘onen’, que significa provavelmente emitir um som baixo e crocitante como era feito na adivinhação.

I. Definição.

A origem de “augúrio” é duvidosa, mas que significa estritamente adivinhar pelo voo dos pássaros é sugerido por sua etimologia mais provável (avis, gur) e especialmente pelo fato de que no latim antigo o augúrio era chamado auspex (= avi spex).

Mas ambas as palavras passaram a ser aplicadas a todas as formas de adivinhar a partir de presságios.

II. Adivinhação entre os Romanos.

O augúrio romano era um oficial do governo, pago para guiar os conselhos da nação em tempos de paz e de guerra. Os principais sinais dos quais esses augúrios deduziam seus presságios eram estes:

(1) sinais celestiais, principalmente relâmpagos e trovões, a direção do primeiro (da direita para a esquerda um bom sinal, e vice-versa);

(2) sinais do voo, gritos e alimentação das aves;

(3) sinais dos movimentos e sons audíveis dos animais, incluindo serpentes;

(4) sinais do exame das entranhas dos animais;

(5) belomancia ou adivinhação por flechas;

(6) sortilégio ou adivinhação por sorteio. Entre os romanos como entre outras nações (babilônios, etc.), um sacrifício era oferecido antes de se tomar presságios, a fim de propiciar os deuses.

III. Adivinhação entre os Gregos.

Quase o único tipo de adivinhação praticado ou mesmo conhecido entre os romanos era aquele por sinais ou presságios, embora Cícero (de Div. i.1 f) mencione outro tipo que pode ser chamado de adivinhação por inspiração direta dos deuses. É esse modo mais elevado e mais espiritual de adivinhar que prevaleceu principalmente entre os gregos, cuja principal palavra para adivinho implica isso.

No entanto, o tipo inferior de adivinhação conhecido como augúrio foi praticado até certo ponto entre os gregos.

IV. Adivinhação entre os Hebreus.

Em geral, pode-se dizer que a religião de Israel se posicionou firmemente e consistentemente contra a adivinhação; um fato muito notável quando se lembra o quanto ela estava difundida entre os povos vizinhos – árabes, assírios, babilônios, egípcios, etc.

Certamente há nisso evidência de orientação divina especial, pois esses hebreus antigos não são adequados para serem comparados com os babilônios ou egípcios ou romanos por realizações em arte e literatura secular geral.

Para a atitude do Antigo Testamento em relação à adivinhação, veja os trechos enumerados no início deste artigo. Vários tipos de adivinhação são mencionados no Antigo Testamento, e em alguns casos sem condenação explícita.

1. Belomancia:

A belomancia era um método de adivinhação por flechas, várias das quais eram marcadas de certas maneiras, depois misturadas e sorteadas ao acaso. Temos uma referência a isso em Oséias 4.12: ‘Meu povo pede conselho de sua madeira [literalmente, “árvore”] e seu bastão [ou seja, “flecha”] lhes diz (seus oráculos)’; e também em Ezequiel 21.21: ‘Pois o rei da Babilônia….

usou adivinhação, sacudindo as flechas para lá e para cá.’ O primeiro trecho mostra que a belomancia era praticada pelos israelitas, embora o profeta a condenasse. O segundo é interessante por mostrar como o babilônio usava suas flechas. É de se notar que o profeta Ezequiel registra o incidente sem fazer qualquer comentário sobre ele, favorável ou não.

Ele teria, no entanto, quase certamente condenado isto. Maomé proibiu esse uso de flechas como “uma abominação da obra de Satanás” (Corão, Sur. 5 92).

2. Hidromancia:

Hidromancia, ou adivinhação pela água, foi praticada por José em Gênesis 44.3-5 sem qualquer censura por parte do escritor. Havia entre os romanos e outras nações antigas, como entre os árabes modernos, etc., muitos modos de adivinhar por meio da água.

Geralmente, uma peça de prata ou ouro ou uma pedra preciosa era jogada em um recipiente contendo água:

os movimentos resultantes da água e as figuras formadas eram interpretados de acordo com certos sinais fixos.

3. Sortilégio:

De sortilégio, ou adivinhação por sorteio, temos exemplos em Levítico 16.8; Mateus 27.35; 1 Crônicas 25.8; Jonas 1.2; Atos 1.26, etc. O Urim e Tumim era simplesmente um caso de sortilégio, embora neste caso, como nos casos enumerados acima, Deus fosse suposto controlar o resultado.

Uma tradução adequada de 1 Samuel 14.41, baseada em um texto corrigido de acordo com a Septuaginta de Luciano, é a seguinte:

“E Saul disse, Ó Senhor Deus de Israel, por que não respondes teu servo hoje? Se a iniquidade está em mim ou em Jonathan meu filho, dá Urim; e se tu disseres assim, A ……” iniquidade está no povo, dá Tumim.

Parece quase certo que essas palavras se referem a duas bolas colocadas no éfode do sumo sacerdote e sorteadas por ele ao acaso, uma adivinhando uma resposta, e a outra o contrário.

4. Outros Métodos:

Encontramos com vários outros sinais. O profeta Eliseu instrui o rei Joás a lançar duas flechas pela janela para descobrir se o rei será vitorioso ou não (2 Reis 13.14-19). Se o velo de Gideão estivesse molhado e o chão seco, isso seria um sinal de vitória iminente sobre os midianitas.

Não há nada na narrativa desaprovando o curso tomado (Juízes 6.36-40). Em 1 Samuel 14.8, Jonathan decide se atacará ou não os filisteus pelas palavras que ouvirá deles falar. Veja mais em Gênesis 24.12-19; 2 Reis 20.9.

5. Sonhos:

Sonhos são muito comumente mencionados na Bíblia como um meio de prever o futuro. Veja Gênesis 20.3,6 f (Abimeleque) – Gênesis 31.10-13 (Jacó) – Gênesis 37.5Gênesis 40.3 (José), e também Juízes 7.13; 1 Reis 3.5; Mateus 1.2Mateus 2.12Mateus 27.19, etc.

A parte do Pentateuco atribuída por Wellhausen, etc., ao Eloista abunda com relatos de tais sonhos significativos.

6. Astrologia:

Que presságios foram tirados dos corpos celestes pelos babilônios e outras nações antigas é matéria de conhecimento definitivo, mas nunca é sancionado no Antigo Testamento. De fato, a única referência explícita a isso nas Escrituras Hebraicas ocorre em Isaías 47.13 onde o autor exílico zomba de Babilônia para recorrer aos seus astrólogos para que possam salvá-la de seu destino ameaçado.

Vários textos cuneiformes fornecem listas de presságios celestiais pelos quais os augúrios babilônicos prognosticavam o futuro. Em Mateus 2 os magos receberam sua primeira intimação do nascimento da criança Jesus de uma estrela brilhante que viram no Oriente.

V. Caráter Superior da Profecia Hebraica.

Embora a profecia do Antigo Testamento em suas formas mais baixas tenha características em comum com a adivinhação pagã, ela está em um nível infinitamente superior. O profeta fala sob um forte impulso e por um senso de dever.

O adivinho pagão exercia sua vocação por dinheiro. O mântis grego trabalhava-se em um estado de frenesi, pensado para implicar inspiração, por música e certas drogas. O profeta acreditava-se diretamente guiado por Deus.

LITERATURA.

T. Witton Davies, Magic. Divination and Demonology among the Hebrews – Mateus 1898 72; artigos sobre “Adivinhação” em Hastings, Dicionário da Bíblia (cinco volumes) (Jevons); Enciclopédia Bíblica (T. Witton Davies), e sobre “Augúrio” na Enciclopédia Judaica (Blau), valioso por dar o lado rabínico também.

T. Witton Davies

Orr, James, M.A., D.D. Editor Geral. “Entrada para ‘ADIVINHAÇÃO'”. “Enciclopédia Bíblica Internacional Padrão”. 1915.