Início Dicionário A Adão

Adão na Bíblia. Significado e Versículos sobre Adão

28 min de leitura

Homem de terra vermelha.

Originariamente significa “homem”, de forma genérica, embora comece logo a ser empregado como nome próprio do primeiro homem. São Paulo faz notar o paralelismo entre Adão e Cristo. O primeiro Adão é pai do homem caído; o Novo Adão – Cristo – é a origem da humanidade redimida (cf. Romanos 5.12-21).

Adão – Dicionário Evangélico de Teologia Bíblica de Baker

Adão

“Adão” é tanto o nome próprio do primeiro humano quanto uma designação para a humanidade. Deus deu esse apelido a Adão e Eva (Gênesis 5.1-2). A cor vermelha está por trás da raiz hebraica adam. Isso pode refletir o solo vermelho do qual ele foi feito.

Adão foi formado do pó da terra (Gênesis 2.7). O jogo de palavras entre “Adão” e “terra” (adama) é inconfundível. É importante que Adão seja identificado com a humanidade em vez de qualquer nacionalidade específica.

O país de onde o pó foi tirado não é especificado. Os rabinos acreditavam que veio de toda a terra para que ninguém pudesse dizer: “Meu pai é maior que o seu”.

A palavra “formado” sugere o trabalho cuidadoso de um oleiro fazendo uma peça de arte requintada. Neste vaso terreno, Deus soprou o sopro de vida (Gênesis 2.7). Estas palavras descrevem uma intimidade vívida entre Deus e o homem não compartilhada pelos animais.

Adão foi feito um pouco menor que os “anjos” (ou “Deus”) em sua criação e “coroado com glória e honra” (Salmos 8.5). Ele foi comissionado como um rei vassalo para governar sobre a criação de Deus. As palavras “submeter”, “governar”, “sob seus pés” (Gênesis 1.28; Salmos 8.6) sugerem realeza sobre a natureza, mas não sobre o seu semelhante.

Muitos elementos presentes nas histórias mesopotâmicas da criação como Enuma Elish estão ausentes. Não há nada sobre realeza autocrática baixada dos céus. Não é dado nenhum molde de tijolo. Adão não é sobrecarregado com a tarefa de construir templos e cidades.

Ele não foi criado para aliviar os deuses de trabalho tedioso, mas para refletir o cuidado de Deus pelo mundo da natureza. Deus não designou a morte para Adão e manteve a vida exclusivamente para si mesmo como no épico de Gilgamesh.

Nenhum arbusto ou planta cultivada havia ainda crescido onde Adão foi criado. Ele despertou para uma paisagem árida (Gênesis 2.5-7). Sua primeira visão pode ter sido Deus plantando um jardim para ele. Ele poderia ver claramente que todos os dons bons e perfeitos vêm do Senhor Deus.

O homem foi colocado nessa beleza para “trabalhar e cuidar dela” (Gênesis 2.15). Ao contrário da história do jardim sumério de Enki e Ninhursag, não havia jardineiro trabalhando para Adão. Atividade significativa e produtiva sempre fez parte do paraíso.

Adão não foi colocado lá para ser um vegetal, mas para cultivá-los. O homem não foi criado para ser servido, mas para se juntar a Deus na preservação e propagação da criação.

O homem foi agraciado com todas as experiências agradáveis e nutritivas que Deus poderia fornecer. Ele foi advertido sobre a árvore do conhecimento do bem e do mal (2:17). A palavra hebraica para “conhecer” inclui a ideia de conhecer pela experiência.

A árvore proibida continha a opção de experimentar o oposto do que vem das mãos de Deus. Deus desejava poupar Adão de dor e morte, mas ao mesmo tempo deixou-lhe liberdade de escolha para opções além da esfera de sua provisão.

Adão não era apenas um trabalhador, mas também um pensador. Deus lhe trouxe todos os animais para ver o que ele chamaria deles. Incluído nas antigas ideias de nomeação também estaria a soberania sobre o item nomeado. (Observe que hebreus trazidos diante do rei são renomeados em Daniel 1.7).

A primeira lição que Adão aprendeu foi que seu trabalho era grande demais para fazer sozinho. Sua inspeção do reino animal revelou nenhuma ajudante adequada. Aquela que tornaria sua vida completa veio de sua própria costela.

Eles se tornariam uma só carne (Gênesis 2.18-24). Este é um cenário muito diferente das aventuras sexuais de Enki (= “senhor da terra”) na história do jardim sumério.

O animal mais inteligente confrontou a humanidade sob cujos pés ele havia sido colocado (Gênesis 1.2Gênesis 3.1). Eva foi selecionada porque de alguma forma seria mais fácil de enganar? Ou o assunto mais difícil foi abordado primeiro? É notável que nenhum esforço especial para persuadir Adão seja registrado.

Ele parece comer o que lhe é oferecido sem objeção (3:6). No entanto, é importante observar que Adão foi chamado primeiro como aquele cuja posição de liderança o tornava responsável pelo ato (3:9).

A antecipação de ser como Deus nunca se materializou. O estado de existência de Adão e Eva não foi aprimorado, mas preenchido com miséria e morte. Eles teriam que deixar o jardim para experimentar como seria a vida fora da vontade perfeita de Deus.

Paul Ferguson

Elwell, Walter A. “Entrada para ‘Adão’”. “Dicionário Evangélico de Teologia”. 1997.

Adão – Dicionário Bíblico de Easton

Adão

Vermelho, uma palavra babilônica, o nome genérico para homem, tendo o mesmo significado nas línguas hebraica e assíria. Foi o nome dado ao primeiro homem, cuja criação, queda e história subsequente e a de seus descendentes são detalhadas no primeiro livro de Moisés (Gênesis 5). “Deus criou o homem [Heb., Adão] à sua imagem, à imagem de Deus o criou; macho e fêmea os criou.”

Adão foi absolutamente o primeiro homem que Deus criou. Ele foi formado do pó da terra (e daí seu nome), e Deus soprou em suas narinas o sopro da vida, e deu-lhe domínio sobre todas as criaturas inferiores (Gênesis 1.26; Gênesis 2.7).

Após sua criação, ele foi colocado no Jardim do Éden, para cultivá-lo e desfrutar de seus frutos sob esta única proibição: “Da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás dela; porque no dia em que dela comeres certamente morrerás.”

O primeiro ato registrado de Adão foi dar nomes às bestas do campo e às aves do céu, que Deus trouxe até ele para esse fim. Posteriormente, o Senhor fez cair um sono profundo sobre ele, e enquanto estava em estado inconsciente tirou uma de suas costelas, e fechou a carne no lugar; e dessa costela fez uma mulher, a qual apresentou a ele quando acordou.

Adão a recebeu como sua esposa e disse: “Esta é agora osso dos meus ossos, e carne da minha carne: ela será chamada Mulher, porque foi tirada do Homem.” Ele a chamou de Eva, porque ela era a mãe de todos os viventes.

Sendo induzido pelo tentador na forma de uma serpente a comer o fruto proibido, Eva persuadiu Adão, e ele também comeu. Assim o homem caiu, e trouxe sobre si e sua posteridade todas as tristes consequências de sua transgressão.

A narrativa da Queda compreende a grande promessa de um Libertador (Gênesis 3.15), a “primeira mensagem do evangelho” para o homem. Eles foram expulsos do Éden, e ao leste do jardim Deus colocou uma chama, que girava em todas as direções, para impedir o acesso à árvore da vida (Gênesis 3).

Quanto tempo estiveram no Paraíso é matéria de mera conjectura.

Logo após sua expulsão, Eva deu à luz seu primogênito e o chamou de Caim. Embora tenhamos os nomes de apenas três filhos de Adão, a saber, Caim, Abel e Sete, é óbvio que ele teve vários filhos e filhas (Gênesis 5.4).

Ele morreu com 930 anos.

Adão e Eva foram os progenitores de toda a raça humana. Evidências de tipos variados são abundantes em provar a unidade da raça humana. As investigações da ciência, completamente independentes das evidências históricas, levam à conclusão de que Deus “fez de um sangue todas as nações dos homens para habitar sobre toda a face da terra” (Atos 17.26. Compare Romanos 5.12-12; 1 Coríntios 15.22-49).

Adão, um tipo

O apóstolo Paulo fala de Adão como “a figura daquele que havia de vir”. Por essa razão, nosso Senhor às vezes é chamado de segundo Adão. Essa relação típica é descrita em Romanos 5.14-19.

Easton, Matthew George. “Entrada para Adão, um tipo”. “Dicionário Bíblico de Easton”.

Adão, a cidade de

É mencionada em Josué 3.16. Estava situada “ao lado de Zaretã”, na margem oeste do Jordão (1 Reis 4.12). Nesta cidade, o fluxo das águas foi interrompido e subiu “em monte” no momento da travessia dos israelitas (Josué 3.16).

Easton, Matthew George. “Entrada para Adão, a cidade de”. “Dicionário Bíblico de Easton”.

Easton, Matthew George. “Entrada para Adão”. “Dicionário Bíblico de Easton”.

Adão – Dicionário de Nomes Bíblicos de Hitchcock

Adão

Terreno; vermelho

Hitchcock, Roswell D. “Entrada para ‘Adão’”. “Um Dicionário Interpretativo de Nomes Próprios da Escritura”. Nova York, N.Y. – 1 Coríntios 1869

Adão – Dicionário Bíblico de Smith

Adão,

Uma cidade no Jordão, “ao lado de Zaretã”, no tempo de Josué. (Josué 3.16)

Smith, William, Dr. “Entrada para ‘Adão’”. “Dicionário Bíblico de Smith”. 1901.

Adão no antigo testamento e nos apócrifos – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Adão no antigo testamento e nos apócrifos

Adão, (‘adham; Septuaginta Adam).

1. Uso e Etimologia:

A palavra hebraica ocorre cerca de 560 vezes no Antigo Testamento com o significado de “homem”, “humanidade”. Fora de Gênesis 1.5, o único caso onde é inquestionavelmente um nome próprio é 1 Crônicas 1.1.

São ambíguos Deuteronômio 32.8, a Versão do Rei Jaime “filhos de Adão”, a Versão Revisada (Britânica e Americana) “filhos dos homens”; João 31.33 a Versão do Rei Jaime “como” a Versão Revisada (Britânica e Americana) “como Adão”, mas na margem “à maneira dos homens”; Oséias 6.7 a Versão do Rei Jaime “como homens”, a Versão Revisada (Britânica e Americana) “como Adão”, e vice-versa na margem.

Em Gênesis 1 a palavra ocorre apenas duas vezes – Gênesis 1.26,27. Em Gênesis 2.4 ela é encontrada 26 vezes, e em 5:1,3,4,5. Nos últimos quatro casos e em 4:25 é obviamente pretendido como um nome próprio; mas as versões mostram considerável incerteza quanto à tradução nos outros casos.

A maioria dos intérpretes modernos restauraria um ponto de vogal ao texto hebraico em 2:2 – Gênesis 3.17,21, introduzindo assim o artigo definido, e leria uniformemente “o homem” até 4:25, onde a ausência do artigo pode ser tomada como uma indicação de que “o homem” da narrativa anterior deve ser identificado com “Adão”, o chefe da genealogia encontrada em 5:1.

Várias conjecturas foram propostas quanto ao significado raiz da palavra hebraica:

(1) criatura;

(2) avermelhado;

(3) nascido da terra. Menos prováveis são

(4) agradável à vista–e

(5) social, gregário.

2. Adão na Narrativa de Gênesis:

Muitos argumentam a partir do contexto que a linguagem de Gênesis 1.26,27 é geral, que é a criação da espécie humana, não de qualquer indivíduo ou indivíduos particulares, que está sendo descrita. Mas

(1) o contexto não desce nem mesmo a uma espécie, mas arranja as coisas criadas de acordo com a classificação mais geral possível:

luz e escuridão; firmamento e águas; terra e mares; plantas; sol, lua, estrelas; criaturas nadadoras e voadoras; animais terrestres. Nenhum paralelo possível a essa classificação permanece no caso da humanidade.

(2) Na narrativa de Gênesis 1 a recorrência de expressões idênticas é quase rigidamente uniforme, mas no caso do homem ocorre a declaração única (versículo 27), “Masculino e feminino os criou.” Embora Dillmann esteja aqui na minoria entre os intérpretes, seria difícil mostrar que ele está errado ao interpretar isso como referente a um macho e uma fêmea, o primeiro par.

Neste caso temos um ponto de contato e de concordância com a narrativa do capítulo 2.

O homem, criado à imagem de Deus, é dado domínio sobre cada animal, é permitido toda erva e árvore frutífera para sua subsistência, e é ordenado multiplicar-se e encher a terra. Em Gênesis 2.4-5:5 o primeiro homem é feito do pó, torna-se uma criatura vivente pelo sopro de Deus, é colocado no jardim do Éden para cultivá-lo, dá nomes aos animais, recebe como sua contraparte e ajudante uma mulher formada de parte de seu próprio corpo, e a pedido da mulher come do fruto proibido da “árvore do conhecimento do bem e do mal”.

Com ela, então, é expulso do jardim, sob a maldição de vida breve e trabalho pesado, já que deveria comer–ou continuar a comer?–do fruto da “árvore da vida”, não previamente proibido, ele poderia viver para sempre.

Ele se torna o pai de Caim e de Abel, e de Sete em um tempo após o assassinato de Abel. De acordo com 5:3,5 Adão tem 130 anos no nascimento de Sete e vive até a idade de 930 anos.

3. Ensinos da Narrativa:

Que o homem foi destinado pelo Criador a ser em um sentido peculiar Sua própria “imagem”; que ele é o governante divinamente nomeado sobre todas as suas criaturas companheiras na terra; e que ele desfruta, junto com elas, da bênção de Deus sobre uma criatura apta a servir os fins para os quais foi criada–essas coisas estão na superfície de Gênesis 1.26-31.

Da mesma forma – Gênesis 2.4 nos dizem que o dom de uma imortalidade abençoada estava ao alcance do homem; que seu Criador ordenou que seu desenvolvimento moral deveria vir através de uma prova interior, não como um mero presente; e que a presença do sofrimento no mundo se deve ao pecado, a presença do pecado às maquinações de um tentador sutil.

O desenvolvimento da doutrina da queda pertence ao Novo Testamento.

4. Adão nos Apócrifos:

Alusões à narrativa da criação e à queda do homem, cobrindo a maioria dos pontos da narrativa de Gênesis 1.4, são encontradas em 2 Esdras 3:4-7,10,21,2 – 2 Esdras 4.30 – 2 Esdras 6.54-56 – 2 Esdras 7.11,46-48; Tobias 8:6, A Sabedoria de Salomão 2:2 – 2 Esdras 9.2 – 2 Esdras 10.1, Eclesiástico 15:1 – 2 Esdras 17.1-4 – 2 Esdras 25.24 – 2 Esdras 40.1 – 2 Esdras 49.16.

Tanto em 2 Esdras quanto em A Sabedoria de Salomão lemos que a morte veio sobre todos os homens através do pecado de Adão, enquanto 2 Esdras 4:30 declara que “um grão de semente maligna foi semeado no coração de Adão desde o princípio.” Além deste desenvolvimento doutrinário, os Apócrifos não oferecem adições à narrativa do Antigo Testamento.

F. K. Farr

Orr, James, M.A., D.D. Editor Geral. “Entrada para ‘ADÃO NO ANTIGO TESTAMENTO E NOS APÓCRIFOS’”. “Enciclopédia Bíblica Internacional Padrão”. 1915.

Adão, cidade de

(‘adham, “vermelho” ou BDB “feito”):

Uma cidade no meio do vale do Jordão perto de ZARETÃ (Josué 3.16), que veja. O nome provavelmente sobrevive na Travessia de Damieh, perto da foz do Jaboque, vinte milhas acima de Jericó. Um historiador árabe afirma que por volta de 1265 d.

C., o Jordão foi bloqueado por um deslizamento de terra. O desfiladeiro interno do Jordão é estreito aqui com margens altas que facilitariam tal obstrução como permitiu que as águas se acumulassem acima até Adão e corressem para fora abaixo, permitindo que o exército de Josué atravessasse em terra seca (SWP, II – Josué 15 Wright, SCOTH – Josué 130.34).

George Frederick Wright

Orr, James, M.A., D.D. Editor Geral. “Entrada para ‘ADÃO, CIDADE DE’”. “Enciclopédia Bíblica Padrão Internacional”. 1915.

Adão no novo testamento – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Adão no novo testamento

(Adão):

O nome de Adão ocorre nove vezes (em cinco passagens diferentes) no Novo Testamento, embora várias delas sejam puramente incidentais.

_I. Evangelhos._

Em Lucas 3.38 a ascendência de Jesus Cristo é traçada até Adão, “Adão, o filho de Deus”, testemunhando assim a aceitação das genealogias do Antigo Testamento de Gênesis. Este é o único lugar nos Evangelhos em que Adão é realmente nomeado, embora haja uma alusão a ele em Mateus 19.4-6 (= Marcos 10.6-8), referindo-se a Gênesis 1.2 – Gênesis 2.24.

_II. Epístolas._

Adão é usado por Paulo como o fundador da raça e a causa da introdução do pecado para apontar a comparação e contraste com Cristo como o Cabeça da nova raça e a causa da justiça.

1. Romanos 5.12-21:

A passagem é o centro lógico da epístola, o ponto central para o qual tudo que precede convergiu, e a partir do qual tudo que segue fluirá. As grandes ideias de Pecado, Morte e Julgamento são aqui mostradas como envolvidas na conexão da raça humana com Adão.

Mas contra isso há o fato abençoado da união com Cristo, e nesta união justiça e vida. A dupla chefia da humanidade em Adão e Cristo mostra o significado da obra de redenção para toda a raça. A humanidade está sob dois chefes, Adão e Cristo.

Há dois homens, duas ações e dois resultados. Neste ensino temos a ilustração espiritual e teológica do grande princípio moderno de solidariedade. Há uma solidariedade do mal e uma solidariedade do bem, mas a última supera em muito a primeira na qualidade da obediência de Cristo em comparação com Adão, e os fatos da obra de Cristo para justificação e vida.

A seção, portanto, não é mera episódio ou ilustração, mas aquilo que dá vida orgânica à epístola inteira. Embora o pecado e a morte sejam nossos em Adão, justiça e vida são nossos em Cristo, e estes dois últimos são infinitamente maiores (Romanos 5.11); o que perdemos em Adão, ganhamos mais do que em Cristo.

Como todos os males da raça surgiram de um homem, assim todas as bênçãos da redenção vêm de Uma Pessoa, e há tal conexão entre a Pessoa e a raça que todos os homens podem possuir o que o Um fez.

Em Romanos 5.12-19 Paulo institui uma série de comparações e contrastes entre Adão e Cristo; as duas pessoas, as duas obras e as duas consequências. O pleno significado do apóstolo deve ser cuidadosamente observado.

Não só ele ensina que o que derivamos do primeiro Adão é compensado pelo que é derivado de Cristo, mas a transcendência da obra deste último é considerada quase infinita em extensão. “O pleno significado de Paulo, no entanto, não é compreendido até percebermos que os benefícios recebidos de Cristo, o Segundo Adão, estão em proporção inversa ao desastre causado pelo primeiro Adão. É o excedente desta graça que na apresentação de Paulo é comumente negligenciado” (Mabie, The Divine Reason of the Cross 116).

2. 1 Coríntios 15.22:

O contraste instituído aqui entre Adão e Cristo refere-se à morte e à vida, mas grande dificuldade gira em torno da interpretação dos dois “todos”. “Como em Adão todos morrem, assim também em Cristo todos serão vivificados.” Dods (Expositor’s Bible – 1 Coríntios 366) interpreta isto de Adão como a fonte da vida física que termina em morte, e de Cristo como a fonte da vida espiritual que nunca morre. “Todos que são verdadeiramente unidos a Adão por derivação física incorrem na morte, que por pecar ele introduziu na experiência humana; e similarmente, todos que por afinidade espiritual estão em Cristo desfrutam da nova vida que triunfa sobre a morte, e que ele conquistou.”

Assim também Edwards, que não considera que haja qualquer injustiça real em interpretar o primeiro “todos” como mais extensivo que o último, “se tivermos em mente que as condições de entrada em uma classe e outra são totalmente diferentes.

Elas não são declaradas aqui. Mas as temos em Romanos 5.5-11, onde o apóstolo parece como se antecipasse esta objeção à analogia que ele instituiu entre Adão e Cristo. Ambos igualmente são cabeças da humanidade, mas eles são diferentes nisto (como também em outras coisas, Romanos 5.15), que os homens estão em Adão por natureza, em Cristo pela fé” (Corinthians – Romanos 412).

Godet considera que “talvez esta Interpretação seja realmente a que melhor corresponde à visão do apóstolo,” e ele mostra que zoopoieisthai, “ser vivificado,” é uma ideia mais limitada do que egeiresthai, “ser ressuscitado,” a limitação do sujeito assim naturalmente procedendo do significado especial do próprio verbo. “Os dois pantes (todos) abraçam apenas aqueles a quem cada um dos dois poderes se estende.” Mas Godet favorece a visão de Meyer e Ellicott de que “todos” deve ser dado a mesma interpretação em cada cláusula, e que a referência é a todos que devem ressuscitar, seja para vida ou condenação, e que isso é para ser “em Cristo”:

“Cristo vivificará todos; todos ouvirão Sua voz e sairão do túmulo, mas não todos para a verdadeira `ressurreição da vida’: veja João 5.29” (Ellicott, Corinthians – João 301) Godet argumenta que “não há nada que impeça a palavra `vivificar,’ tomada sozinha, de ser usada para denotar restauração à plenitude da existência espiritual e corporal, com vista tanto à perdição quanto à salvação” (Corinthians – João 355).

Há duas sérias dificuldades para a última interpretação:

(1) O significado invariável de “em Cristo” é o de união espiritual;

(2) a questão se a ressurreição dos ímpios realmente encontra algum lugar no argumento do apóstolo em todo o capítulo.

3. 1 Coríntios 15.45:

“O primeiro homem, Adão, tornou-se um ser vivente. O último Adão tornou-se um espírito vivificante.” A referência a Adão é de Gênesis 2.7; a referência a Cristo é devido ao fato do que Ele tinha feito e estava fazendo em Sua manifestação como Redentor Divino.

Por trás dos resultados, o apóstolo avança para a natureza. Adão era simplesmente um ser vivente, Cristo um Ser vivificante. Assim, Cristo é chamado de Adão como expressivo de Sua Chefia de uma raça. Neste versículo Ele é chamado de “último” Adão, enquanto em 1 Coríntios 15.47 o “segundo”.

No primeiro versículo o apóstolo lida não tanto com a relação de Cristo com o primeiro Adão quanto com a parte que Ele assume em relação à humanidade e Sua obra em seu benefício. Quando exatamente Cristo se tornou vivificante é uma questão de diferença de opinião.

Romanos 1.4 associa poder com a ressurreição como o tempo em que Cristo foi constituído Filho de Deus com o propósito de conceder a força da graça divina. Este dom de poder só foi disponibilizado para Sua igreja através da Ascensão e do dom do Espírito Santo no Pentecostes. É possível que a palavra “vivificante” também inclua uma referência à ressurreição do corpo no futuro.

4. 1 Timóteo 2.13,14:

Paulo usa a criação do homem e da mulher em seu argumento para a subordinação da mulher (Gênesis 2.7-25). Isto não é mero raciocínio judaico, mas uma declaração inspirada do significado típico da passagem em Gênesis.

O argumento é muito semelhante àquele em 1 Coríntios 11.8,9. Quando o apóstolo afirma que “Adão não foi enganado,” devemos aparentemente entendê-lo como simplesmente baseado no texto de Gênesis ao qual ele se refere (Gênesis 3.13), no qual Eva, não Adão, diz, “A serpente me enganou.” Em Gálatas 3.16 ele raciocina de maneira semelhante a partir de “descendência” no número singular, assim como Hebreus 7 raciocina a partir do silêncio de Gênesis 14 em relação à parentela de Melquisedeque.

Paulo não nega que Adão foi enganado, mas apenas que ele não foi diretamente enganado. Seu ponto é que a facilidade de Eva em ceder justifica a regra quanto às mulheres manterem silêncio.

5. Judas 1.14:

“E Enoque, o sétimo desde Adão” (Gênesis 5). Bigg diz que a citação que segue é uma combinação de passagens de Enoque, embora a alusão a Enoque mesmo seja evidentemente baseada na história em Gênesis.

_III. Conclusões._

Ao revisarmos o uso de “Adão” no Novo Testamento, não podemos deixar de observar que Paulo assume que Adão foi uma personalidade histórica, e que o registro em Gênesis foi um registro de fatos, que o pecado e a morte foram introduzidos no mundo e afetaram toda a raça como a penalidade da desobediência de um ancestral.

Paulo evidentemente pressupõe que Adão sabia e era responsável pelo que estava fazendo. Novamente, pecado e morte são considerados como conectados, que a morte obtém sua qualidade moral do pecado. Paulo claramente acreditava que a dissolução física era devida ao pecado, e que há alguma conexão causal entre Adão e a raça humana em relação à morte física.

Enquanto a referência à morte em Romanos 5 como vindo através do pecado, é primariamente à morte física, contudo a morte física é a expressão e sinal da ideia mais profunda de morte espiritual; e mesmo que a morte física estivesse no mundo antes de Adão, foi somente em conexão com o pecado que seu significado moral e avaliação se tornaram claros.

Se vamos interpretar, “porque todos pecaram,” como pecando quando Adão pecou, ou pecando como resultado de uma tendência herdada de Adão, toda a passagem implica em alguma conexão causal entre ele e eles.

A necessidade de redenção é assim feita pelo apóstolo a descansar sobre fatos. Estamos ligados a Adão pelo nascimento, e está aberto para nós nos ligarmos a Cristo pela fé. Se recusarmos trocar nossa posição em Adão pela que nos é oferecida em Cristo nos tornamos responsáveis perante Deus; este é o terreno da liberdade moral.

A suposição do Novo Testamento de nossa ascendência comum em Adão é fiel aos fatos da ciência evolucionária, e a universalidade do pecado predita é igualmente verdadeira aos fatos da experiência humana.

Assim, a redenção é fundamentada no ensino das Escrituras, e confirmada pelos fatos incontestados da história e experiência. Portanto, quer as referências a Adão no Novo Testamento sejam puramente incidentais, ou elaboradas na discussão teológica, tudo é evidentemente baseado no registro em Gênesis.

W. H. Griffith Thomas

Orr, James, M.A., D.D. Editor Geral. “Entrada para ‘ADÃO NO NOVO TESTAMENTO’. “Enciclopédia Bíblica Internacional Padrão”. 1915.

Adão, livros de – Enciclopédia Internacional da Bíblia Padrão

Adão, livros de

Livros que pretendem dar a vida e os feitos de Adão e outros dignos do Antigo Testamento existiam em abundância entre os judeus e os primeiros cristãos. O Talmude fala de um Livro de Adão, que agora está perdido, mas que provavelmente forneceu algum do material que aparece nos escritos cristãos primitivos.

A Vita Adami foi traduzida do etíope por Dillmann (1853), e para o inglês por Malan (O Livro de Adão e Eva, Londres – 1882). O Testamento de Adão é uma parte da Vita Adami (publicado por Renan em 1853) e provavelmente também é a Diatheke ton Protoplaston (Fabricius, II – 83).

M. O. Evans

Orr, James, M.A., D.D. Editor Geral. “Entrada para ‘ADÃO, LIVROS DE’”. “Enciclopédia Bíblica Padrão Internacional”. 1915

Adão, o segundo – Dicionário Evangélico de Teologia Bíblica de Baker

Adão, o segundo

Cristo é a “imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação” (Colossenses 1.15). Como o primeiro Adão, ele é o “soberano da criação” (Apocalipse 3.14). Ele é seu autor e consumador (Hebreus 12.2).

Todo aquele que está em Cristo é uma “nova criação” (2 Coríntios 5.17).

Ele existiu na forma de Deus, mas não considerou a igualdade com Deus algo a ser retido (Filipenses 2.6). Ele não desejou ser mais do que homem (Gênesis 2.7-8). Ele foi “feito semelhante aos seus irmãos em todos os aspectos” para que “por sua morte pudesse destruir aquele que tem o poder da morte” e libertar aqueles que estavam escravizados pelo medo da morte (Hebreus 2.14Hebreus 2.17).

Cristo foi coroado com glória e honra sobre o mundo vindouro (Hebreus 2.5-7). O primeiro Adão perdeu sua coroa e ganhou a morte. O segundo Adão foi coroado porque provou a morte por todos os homens (Gênesis 2.8-9).

O pecado e a morte entraram no mundo através de um homem. Pela obediência do segundo Adão, a vida abunda para muitos (Romanos 5.12-19).

Ele foi tentado em todos os sentidos, como foi Adão, mas sem pecado (Mateus 4.1-11Hebreus 4.15). Como a serpente, ele diz: “Toma e come” (Mateus 26.26), mas este alimento traz vida ao mundo (João 6.33).

Cristo e Adão são ambos filhos de Deus (Mateus 1.1Lucas 3.37). Ambos têm sua filiação pelo seu poder (Gênesis 2.7Lucas 1.35Romanos 1.4). Deus soprou em Adão o fôlego de vida. Jesus soprou sobre seus discípulos e disse: “Recebam o Espírito Santo” (João 20.22).

“Assim como em Adão todos morrem, assim também em Cristo todos serão vivificados” (1 Coríntios 15.22). Adão foi um padrão daquele que estava por vir (Romanos 5.14). Uma das maiores coisas a serem ditas sobre o primeiro Adão foi que ele se tornou “um ser vivente”.

Cristo, no entanto, tornou-se “um espírito vivificante” (1 Coríntios 15.45). Essa força de vida espiritual não nos faz escravos novamente do medo, mas o espírito do Filho entra em nossos corações clamando “Abba, Pai” (Romanos 8.15Gálatas 4.6-7).

O primeiro Adão veio do pó. O segundo Adão veio do céu (1 Coríntios 15.47). Ele desceu do céu não para fazer a sua própria vontade, mas a vontade daquele que o enviou (João 6.38). Deus chamou o primeiro homem pelo nome para sair do esconderijo (Gênesis 3.9).

O segundo Adão chama os seus pelo nome e eles ouvem a sua voz (João 10.3). Um dia os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus. Aqueles que ouvirem viverão (João 5.25).

Nós carregamos a semelhança do homem terreno, o primeiro Adão. Na ressurreição, carregaremos a semelhança do homem celestial (1 Coríntios 15.49). Pelo poder que lhe permite colocar tudo sob seu controle, ele transformará nossos corpos humildes para que sejam como seu corpo glorioso.

O último inimigo a ser colocado debaixo dos pés do segundo Adão é a morte (Salmo 110:1; 1 Coríntios 15.26). Ele não tentará alcançar mais, mas entregará tudo a Deus, que será tudo em todos.

Paul Ferguson

Elwell, Walter A. “Entrada para ‘Adão, o Segundo’”. “Dicionário Evangélico de Teologia”. 1997.

Comentários

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos comentários